Ontem rejeitado por não ser famoso, hoje aclamado pelos grandes. Octávio Cabuata mostra o quanto vale

Octávio Cabuata é um exemplo a seguir para os que querem entrar para o mundo da música. Resiliente é a palavra que resume o carácter deste dj e produtor.

No início da carreira foi rejeitado por uma produtora conceituada do país, pelo facto de não ser famoso, hoje, tornou-se numa referência do House Music. É venerado no estrangeiro e procurado pelas principais vozes da música angolana.

Sua capacidade artística vai muito além do House Music. Octávio Cabuata já produziu para Paulo Flores, Johnny Ramos, Suzana Lubano e é dos principais responsáveis pelo sucesso de Liriany.

O produtor está em estúdio a preparar o seu primeiro álbum, que reúne, entre outras, vozes de Kyaku Kyadaff, Johnny Ramos, Cláudio Fênix, Miguel Buila e Young Family.

Ontem rejeitado por não ser famoso, hoje aclamado pelos grandes. Octávio Cabuata mostra o quanto vale

Porquê decidiu entrar para o mundo da música?

Aprendi música na rua. A minha história é um pouco diferente, não venho de uma linha musical, mas desde muito novo eu sempre quis fazer algo que realmente tivesse paixão e a música foi amor puro.

Tem alguma experiência que gostaria de partilhar que não desejava ver alguém em início de carreira passar?

Eu acho que cada um deve entender o seu porquê e, a partir daí, vai respeitar o processo e foi que aconteceu comigo. Aliás, foram nas situações menos boas onde tive de trabalhar na minha melhor versão. Por exemplo, uma das coisas que mais me marcaram foi o facto de ter  vindo de outra província (Namibe) para realizar o meu sonho e enfrentar aquele preconceito e ser chamado nomes do tipo o da província… outro episódio foi quando fui apresentar o meu trabalho em uma produtora de renome, na altura, e o CEO ter me dito que os artistas dele não aceitariam produzir comigo, porque não eu era famoso e por não ter feito nenhum trabalho para um famoso…

Como é que fez para ultrapassar isso e conseguir se impor em Luanda? Tudo isso me fez ser o profissional que sou hoje. Então, cada um vai viver suas experiências boas e ruins no começo.

Hoje, é responsável por ajudar a tornar notáveis nomes como Liriany e já produziu para Paulo Flores e Johnny Ramos. E, além de produzir, toca. O que mais sabe fazer no mundo da música?
Sou Dj e produtor musical, mas tenho outras habilidades, como direcção musical, arranjos, distribuição digital entre outros Fundei o meu selo ” Soolc Music, que, acode carências do mercado nacional principalmenteno no campo digital.

O que é mais difícil, produzir para um artista angolano ou estrangeiro?

Angolanos.

 Porquê?

No quesito pontualidade, cumprir times, honrar compromisso  é com os angolanos. Mas tem uma malta que boa, mas na sua maioria deixam a desejar.

Pelo que faz, que lugar acha que merecia ocupar na música angolana?
Acredito que estou onde merecia estar pelo que fiz até agora, mas se me perguntar se estou satisfeito eu digo que não… Mas com muito trabalho e dedicação, vamos ter o posicionamento que almeja. Vale lembrar que quero me tornar alguém que gera valor e isso tem outros caminhos e não tenho uma visão limitada. A minha luta continua a ser em ter um óptimo posicionamento no mundo e tudo isso vai ser possível com trabalho, sabedoria e networking.

E já possui algumas parcerias com produtoras internacionais, incluindo a italiana Uncover Music. Em que lhe benecicia estas parcerias? Para um profissional  que almeja conquistar o mundo com a sua arte, são sempre sementes a serem plantadas e muitas dessas parcerias ajudaram a trabalhar com pessoas que já mais pensei que seria possível, como o caso do Dj e produtor musical francês Manoo”, que é um master no movimento House Music. E eu ser o segundo angolano a ter a oportunidade de ter uma música remixada por ele depois do dj Djeff; Ter uma música no 1 da maior plataforma de House Music nos estados unidos ” Trasxourece”; ter uma música tocada pelo maestro ” Louis Vegas. Voltando ao que disse, a minha visão é de mundo e não de um pedaço dele.

E qual o seu maior sonho? Ganhar um Grammy e daqui alguns anos vamos falar sobre o meu prémio. O outro não posso revelar.

Tem uma trajectória reconhecida como produtor. Como dj, em que palcos pisou?
Como dj, passei pelo Club S, Clímax, Ten, vários eventos particulares. Na minha cidade ( Namibe). Sempre fui residente em casas nocturnas, mas quando vim pra cá, alinhei as minhas expectativas e confesso que não toquei em muito mais sítios porque priorizei mais o produtor. Mas, este ano, o dj e o produtor estão muito bem encaminhados e me varão mais vezes nos eventos que eu acredito que vá agregar valor para a ideia de carreira que eu estou a trabalhar para mim. Existem coisas muito bem sólidas que estão a ser trabalhadas internamente.

Que coisas são essas? 
Estou na fase final do meu álbum onde juntei ; Yuri Da Cunha, Kyaku Kyadaff, Johnny Ramos, Liriany, Anderson Mário, Cláudio Fênix, Filomena Maricoa, Miguel Buila, Nylza Malath, Young Family.

Que Octávio podemos esperar neste trabalho?

Trago esse dream time em uma sonoridade totalmente diferente do habitual.

as cargas mais recentes

Em véspera do lançamento, Leonardo Wawuti explica o teor do álbum ‘Viagens à Terras da Minha Cabeça’

há 3 anos
Leonardo Wawuti apresenta esta sexta-feira (24), data do seu aniversário, um novo álbum, onde reúne os 21 anos de experiência artística. Além desta obra, prepara o lançamento do 3.° e último volume do Conjunto Ngonguenha. Ainda nesta entrevista, o músico descreve as razões do actual estado do Rap em Angola.

Dicklas One: “Sendo o pioneiro, venho ajudar os colegas a perceberem e respeitarem os parâmetros do House Music”

há 1 ano
Nesta nova etapa da carreira, Dicklas tem agendado um novo álbum que, à semelhança, do Filho do Povo trará outros estilos. O músico tem novas ambições, assinou com duas produtoras de referência em África, está a apadrinhar um lar e fala sobre seus projectos.

Universidade Hip Hop Angola: 10 anos a alicerçar os elementos, conceitos e fundamentos da Cultura Hip Hop

há 2 anos
Criada há uma década, mais propriamente aos 6 de Março de 2011, pelo “sexteto” Quartel d’Áfrika, oriundos da Mulemba Waxa Ngola, local onde foi enraizada a catedral do conhecimento do Hip Hop nacional.

Cage One: “Sempre fui mal compreendido por ser diferente, agora estou a mostrar que estava certo”

há 2 anos

Masta: “Eu gostaria muito de ver ruas no país onde nasci com o nome Força Suprema”

há 2 anos
Em conversa com a Carga hoje, o músico apresentou as características da sua nova faixa “Rebobina”, falou dos seus projectos a solo, incluindo da actual produtora e “abriu-se” sobre o próximo álbum e a ligação à Força Suprema.

Último capítulo. Hochi Fu: “Ninguém consegue fazer Angola melhor do que o próprio angolano, então deixem de fazer videoclip lá fora!”

há 2 anos

Anna Joyce fala sobre seu novo álbum: “Foram 4 anos de suor e muitas lágrimas”

há 1 ano

Revolucionou e tornou-se magnata da música. Hochi Fu fala sobre o seu futuro

há 2 anos

Reptile: “Considero-me um artista bem-sucedido e sei que muitos se revêm na minha história”

há 2 anos
No dia 27 deste mês, o rapper vai colocar mais um álbum no mercado. Intitulado I.C.O.N (Invejosos Continuam a Odiar o Nikka), a obra produzida pelo moçambicano Ell Puto e Alleny. Além de Preto Show, Rui Orlando e Tchoboli, reúne importantes artistas da nova geração.

Banda Maravilha: “O Semba goza de boa saúde”

há 3 anos
Fundada em 1993, a Banda Maravilha é uma das formações musicais mais profissionais da actualidade. Sua musicalidade é caracterizada pela mistura dos instrumentos tradicionais do Semba com os modernos. Em entrevista à Carga, explicam as participações de Irina Vasconcelos, Livongue e Karina Santos no novo álbum e fazem uma breve análise sobre o actual estado do Semba.

Bob Da Rage Sense: “Apesar de ter uma postura dita underground não quer dizer que a minha música seja”

há 3 anos
Disponibilizou recentemente o oitavo álbum da carreira -As Aventuras de Robbie Wan Kenobie-, um trabalho que evoca a própria vivência, e a sua personagem preferida do franchising Star Wars. Falámos com o Rapper, numa conversa que contrasta o underground e a transcendência musical, a mudança de nome e, claro, sobre a covid-19.

Thó Simões: “É nas ruas que consigo vislumbrar alguma coisa da natureza humana”

há 2 anos

Txi Txi: “Insistir em pautar o Semba é insistir em voltarmos para a escravatura”

há 3 anos
Patrice N’gangula Cardoso de Lemos ou Txi Txi é etno-musicologo. Sua carreira é marcada pela passagem em academias norte-americanas, belgas e países como Mali, G. Conacry,Egipto e R.D.C. Actualmente,dirige a OPDEAA,uma organização que promove as artes africanas. Em conversa com a Carga apresentou sua aula magna.

Cláudio Fénix: “Foi preciso passar por dificuldades para valorizar o nível e as coisas que conquistei”

há 3 anos
Com todas as provas dadas, Cláudio Fénix já não é uma promessa, mas sim uma certeza no panorama da música nacional. Numa conversa descontraída com o artista que actua hoje as 20 horas no #festivalmusicanokubico, através da sua conta de instagram (@claudiofenixofficiall), ficámos a saber de onde vem e para onde vai.

Hochi Fu: “Apostei no Kuduro porque o Rap aqui era muito soft, dos betinhos”

há 2 anos

Rapper Duas Caras preocupado com a perda de valores tradicionais em África

há 2 anos