A partir de agora filmes angolanos passarão a ser premiados com até 13 milhões de Kwanzas

A iniciativa é da Unitel. A operadora de telefonia móvel lançou esta quarta-feira, em Luanda, o Unitel Angola Move- um concurso que passará a premiar produções angolanas de audiovisuais, incluindo o teatro.

O que se pretende é valorizar o trabalho desenvolvido por jovens angolanos ligados ao cinema e ao teatro, quer estejam em Angola ou no estrangeiro. Numa primeira fase, o festival de cinema angolano limitar-se-á a produções angolanas, mas consta do plano da organização, revelou Sílvio Nascimento, integrar obras cinematográficas dos PALOP.

As candidaturas estão abertas desde ontem na plataforma Unitel Net Shows e, para esta edição (2021), concorrem as longa e curta-metragens de ficção ou documentários e teatro produzidos a partir de 2019 até 2021. O produtor pode participar com mais de uma obra e em diferentes categorias. 

As votações públicas começam a 4 de Setembro e a gala para a apresentação dos vencedores acontece a 8 de Outubro, com uma cerimónia tipicamente africana.

O vencedor da longa-metragem receberá 13 milhões; 5 milhões para a curta; 7 milhões para o documentário e 2 milhões estarão reservados para o reconhecimento do teatro, que pode ter até três vencedores.

À margem do lançamento do concurso, que contou com presenças de realizadores, actores e produtores angolanos, Sílvio Nascimento, na qualidade de curador do projecto, conversou com a Carga e esclareceu os principais pontos do festival angolano de cinema

Porquê só os filmes produzidos a partir de 2019?
Vão concorrer todos os filmes já exibidos ou que andam na gaveta, mas produzidos partir de 2019. Imagine os filmes feitos há cinco anos e com as condições tão precárias, não seria justo estar a competir com pessoas que já despertaram de 2018 para cima. Então, os filmes de 2018 serão filmes que estarão sempre na nossa memória e levação da cultura.

Após o processo de candidaturas aberto hoje, o que vem a seguir?
A premiação do Unitel Angola Move é anual, através da votação do público. Os candidatos eleitos e os vencedores serão conhecidos durante a gala final de Outubro, 8.

O que o júri terá em conta para a classificação do vencedor?
O corpo de jurado, composto por Maria João Ganga, Orlando Sérgio, Lesliana Pereira, Fredy Costa Alberto Botelho e Walter Cristóvão, terá em conta todo o filme que tiver qualidade; todos os que tiverem estórias bonitas, estórias que metam os angolanos e o mundo a pensar.

Que géneros de filmes podem concorrer?
Podem concorrer todos os filmes. Um pormenor importante: os filmes não podem conter conteúdos pornográficos explícitos. A curta-metragem deve conter no máximo 30 minutos e as longas, 30 a um máximo de 120 minutos.

Haverá também uma premiação para o teatro… 
Uma homenagem. É um festival de cinema, e todos nós actores viemos do teatro. O corpo de júri para o teatro será coordenado por Walter Cristóvão.

Pelas pessoas envolvidas no projecto, antevê-se a integração de outros países dos PALOP, sabe-se que o mercado cinematográfico nessa região é muito incipiente.
Isto está completamente no nosso board. O festival começa por ser nacional- angolano. Mas sabemos que estamos ligados aos PALOP, então, estamos já a analisar um próximo festival com mais filmes da zona PALOP. Os irmãos moçambicanos, guineenses, cabo-verdianos, sintam-se à vontade para começarmos a conversar porque o festival vai mesmo crescer.

De certa forma, isto exigirá mais dos realizadores angolanos, entretanto, Angola tem muitas estórias para contar. Está lançado o desafio para os realizadores angolanos.
Os realizadores não têm é dinheiro para fazer. Os realizadores estão prontos para fazer isso, estão sedentos para mostrar a cultura, mas não têm o apoio. Basta ver que o encontro de hoje está cheio de realizadores. Todos eles prontos para fazer o próximo filme, para contar a próxima estória, a estória do angolano. Com esta iniciativa, as empresas vão ganhar um bocadinho de motivação.

Quem pode estar impedido de concorrer?
Quem não fôr angolano, que não esteja a fazer cinema para angola. Porque podem concorrer todos os angolanos que estejam a fazer cinema em Angola ou fora de Angola. Filmes angolanos ou não angolanos, mas que sejam angolanos a trabalhar no filme.

Outros dados sobre o Unitel Angola Move
O festival começa dia 4 de Setembro, com a exibição dos filmes pelo Cinemax e consequente votações do público. Os valores da bilheteria, parte ficará para a sala e outra vai para realizadores dos filmes. Depois da gala final, os filmes seleccionados ao concurso estarão disponíveis na plataforma da operadora.

as cargas mais recentes

Céline Dion: Da magreza extrema a fashionista favorita das marcas

há 2 anos
Colecções da Dior, Chanel, Oscar de la Renta e muitas outras marcas, têm-na como número um e, garantem que os looks só ganham vida pela performance de Céline.

Nike vai lançar calçados “Kobe e Gigi” Bryant

há 11 meses
A viúva de Kobe anunciou, esta quinta-feira, a renovação da parceria entre a família Bryant com a Nike, algum tempo depois de se ter separado por questões de dinheiro e disponibilidade de calçados.

MCK e Kool Klever lançam projecto de combate à criminalidade nas periféricas

há 3 anos

Enlightened Path: Quarto álbum de DJ Djeff já está disponível em Angola

há 2 anos
Este que é o seu quarto álbum de originais, foi desenvolvido ao longo deste último ano, e muito, influenciado pelas inúmeras actuações por este mundo fora e subsequente experiências.

Rappers angolanos em destaque na revista científica brasileira

há 2 anos
A renomada revista científica brasileira de ciências humanas “Convergência Crítica” decidiu destacar na sua primeira edição Kid MC, MCK, Kamessu e Flagelo Urbano.

Wizkid torna-se o primeiro africano a entrar para o Top 10 da Billbord Hot 100

há 1 ano
O artista nigeriano voltou a fazer história esta semana. De 30 anos, Wizkid tornou-se o primeiro artista africano a entrar para a 10ª posição da principal tabela da indústria musiacal nos EUA, poucos dias depois de receber um certificado platina da Associação da Indústria Fonográfica (RIAA).

Dino Ferraz: “Não me rotulo, seja a nível de estilos ou de mercado. Sou aberto a fazer música da maneira que sentir”

há 2 anos
Não me rotulo, seja a nível de estilos, ou de mercado. Sou um artista claramente aberto a fazer música da maneira que eu sentir.

Online dating sites Humor — How to Make a fantastic First Impression

há 12 meses

Morreu Mary Wilson, antiga companheira de Diana Ross nos “The Supremes”

há 2 anos

Single ‘Alquimia’ marca regresso de Idelsa

há 12 meses
O single lançado na passada sexta-feira, já conseguiu destaque nas Playlist Editoriais, Spotify: New Music Friday Portugal e Apple Music Portugal: Novidades Do Dia.

Rihanna é “coroada” a cantora mais rica do Reino Unido

há 3 anos
A artista entra na categoria `Rich Times´ do Sunday Times, ocupando a 3ª posição com uma fortuna equivalente a 326 biliões de Kwanzas, acima de Adele, Ed Sheeran e Mick Jagger.

Exposição`Discursos de Decolonialidade´ patente até ao dia 31 de Julho

há 3 anos
A galeria THIS IS NOT A WHITE CUBE em parceria com a MEXTO, apresentam a exposição `Discursos de Decolonialidade´, que poderá ser vista, até ao dia 31 de Julho no espaço NOT A MUSEUM, em Lisboa. A mostra congrega o trabalhos de 15 artistas de 8 países e curadoria de Sónia Ribeiro e Graça Rodrigues.

Anselmo Ralph e Gilmário Vemba protagonizam duas noites memoráveis com conceito inédito

há 1 ano
A proposta foi simples, conciliar no mesmo espaço e tempo as melodias de Anselmo Ralph e a comédia de Gilmário Vemba. E assim aconteceu, nas noites de dia 11, no Coliseu de Lisboa e dia 12 de Novembro, na Altice Fórum Braga, o cantor memorou vários temas do seu repertório, com intervenções do humorista com o seu jeito peculiar tornando ambas noites memoráveis com o conceito inédito.

Bloggers – Ainda existem?

há 6 meses

Madrugada: Né Gonçalves disponibiliza amanhã o segundo single instrumental

há 2 anos
Madrugada é o segundo “aperitivo” antes do álbum, caracterizado como um Smooth Jazz ou mesmo Jazz Contemporâneo, combinado com o ritmo afro-cubano onde o piano e o baixo acústico também marcam presença.

Kizomba invade espaços das principais cidades chinesas

há 1 ano
Nos últimos anos, o estilo de dança Kizomba ganhou popularidade na China e está a chegar a outros países asiáticos. Africanos, europeus e chineses sentem-se cada vez mais aproximados ao ritmo da dança angolana.