Adelino Caracol: O pioneiro desconhecido do movimento Hip Hop angolano

O 47° aniversário do Hip Hop, que se comemorou na semana finda, trouxe ao de cima um facto irrefutável sobre a gene do movimento Hip Hop em Angola. Nas redes sociais, Nelboy Dastha Burtha felicitou o “movimento” fazendo referência a uma figura incontornável no surgimento dessa cultura no final dos anos 80.

Para muitos, foi uma merecida homenagem, enquanto para outros, uma surpresa passível de exercício investigativo. Falando à Carga, Nelboy reoxigenou o advento do Hip Hop no país, remontando para o ano 1988 e 1989, altura em que Adelino Caracol dava espaço a jovens ávidos por demonstrar as suas habilidades em diferentes expressões artísticas.

Pela mão do conhecido homem do teatro, o movimento emergiu com concursos de streetdance denominado `Concurso de Rap´, que eram realizados no anfiteatro das escolas Nzinga Mbandi, 1ª de Maio, Ngola Kiluanji, Kanini e Mutu ya Kevela, onde participavam diferentes gangs ou grupos de todas as partes da cidade, nomes sonantes como Black Rap, Canibais, Black Indians, DHL, entre outros mais disputavam em eliminatórias até chegarem a fase final, fazendo deste evento o primeiro palco de alguns pioneiros do Hip Hop nacional.

Para Nelboy, é necessário que se faça um esforço estrutural para se resgatar essas verdades e, de facto, dar a quem merece os royalities. Pretexto mais do que suficiente para trazermos o testemunho do pioneiro e principal articulador para o surgimento da cultura Hip Hop em Angola desconhecido pela actual geração

Adelino Caracol: “É necessário criar um espaço para discutir a história e recordar memórias… tem havido algumas tentativas, mas é necessário fluidez e continuidade.”

Como começa a sua ligação com o movimento Hip Hop nacional?
No Final dos anos 80, com a popularização dos filmes sobre street dance que popularmente era conhecido como break, em todo mundo diversas gangues foram criadas nos diferentes bairros e nós sendo organizadores de eventos decidimos nos associar a este movimento que estava a emergir.

Como funcionava esta dinâmica?
Tinham que ser muito criativos, com as próprias criações, mas também havia a edições em que tinham que imitar grupos americanos. Isto no final dos anos 80.

Organizávamos as disputas entre grupos de diferentes bairros, desde os Canibais que vinham da Vila Alice, Os DHL aqui da Sistec, os BLACK INDIANS do Primeiro de maio Maculusso de onde surgiu o Nelboy, Os Black Usa, os Black Rap, O BRAGA de onde saiu o rapper Braga, e muitos outros grupos vindos de vários bairros de Luanda, como era um concurso eles estavam encarregados de trazer as claques para os apoiar

O que lhe motivou a dirigir estes concursos?
Víamos nos bairros, movimentos isolados de vários grupos e, na altura, achámos que poderíamos dar corpo a isto, além de Rap, também realizávamos concursos de Miss e etc.. Percebemos então que, muitos jovens encaravam isto como uma coisa muito séria e notámos, que poderíamos tornar isto numa coisa muito mais compartilhada e na realidade foi o que aconteceu.

Sendo um movimento muito marginalizado desde então, como é que contornavam as adversidades?
Era uma altura de despontar, e eu não tinha apoios para poder levar o barco, então fazia tudo sozinho com a minha equipa, transpúnhamos as adversidades com senso de disciplina organizacional, pois nós dependíamos de nós mesmos naquela altura ainda não estávamos no mono partidarismo, e tudo era difícil quando assunto era dar espaço para os jovens se expressarem .

Estamos a falar de uma época em que as informações eram ainda diminutas…
Na realidade, toda recolha de dados para este apogeu era com base na cultura americana e todos nós acompanhávamos, quer nós organizadores, quer os grupos. Até porque as pessoas que faziam Hip Hop, já argumentavam com propriedades e falavam com fluidez sobre o movimento Hip Hop. Tanto é que muitas vezes, o concurso acabava, mas o debate continuava até longas horas, um debate rijo… e é daí que nasce o Phathar Mak, Kool Klever, Nelboy Dastha Burtha.

Estes são os nomes mais sonantes desta fase, ou seja, quando os B. BOYS começaram a cantar?
Na primeira fase dos que participaram nos concursos de dança entre 87 a 1991, saiu o Nelboy em 1990 que começou a fazer os primeiros experimento de rap a fazer freestyle antes do grupo dele dançar.
Já na fase que nós fazíamos não mais “Concursos de dança Rap” mas sim shows de variedade, já estou a falar de finais de 1993 lá estavam os SSP que na época eram Big Nelo, Paul G e Bruno T, os Soul’ ess Busters grupo do Nelboy, Mavy e Dj Muady que foi o primeiro grupo a ter Dj de rap, os GC UNITY do Klever e Gangsta DU, e uma dezena, pois naquela época não eram muitos.
Sem esquecer o DIZZY D, que foi o primeiro rapper a dar uma entrevista e a cantar ao vivo na rádio luanda em 1991 com seu grupo de musica variada, Os Curiosos.

O que poderá estar na base desta falta de informação, porque afinal o homem que é visto com o rosto do teatro em Angola, também é um pioneiro do Hip Hop nacional?
Primeiro é que não sei se é por estar muito ligado ao teatro,  segundo é que as pessoas em Angola têm grandes problemas de comunicação e de falar sobre os outros, normalmente falamos mais sobre nós, e nos esquecemos onde saímos, a nossa origem, acho que isso. E talvez o facto de haver pouca informação, até mesmo para os jornalistas ligados a cultura. Muitas vezes esquecem-se de ser profundos, fala-se mais de temas ligados a actualidade e não se busca a raiz das coisas.

Já sendo uma voz autorizada, qual a analogia que faz do cenário hipopeano daquela altura e da actualidade?
São épocas diferentes, naquele tempo procurava-se muito mais a originalidade e creio que a partir destes concursos, criou-se um movimento muito mais colectivo e, apesar das diferença, havia união na criação do movimento.

Está a dizer que hoje se assiste a uma falta de união dentro do movimento?
Não diria falta de união, mas sim o interesse de cada um ser melhor do que o outro, invés de se pensar num todo, e olhar para isto como uma possível profissão para que cada um possa ter o seu sustento e rentabilidade.

Na sua óptica, o que pode ser feito para que se resgate esta parte da historiografia do Rap nacional que não se difunde?
É importante que haja líderes e que a liderança não seja apenas uma em termos de retórica, mas que seja de acção. É necessário criar um espaço para discutir a história, recordar memórias. Às vezes, tem havido algumas tentativas, mas é necessário que tenha fluidez e continuidade.

E se tivesse que indicar alguns nomes para esta tarefa, quais seriam?
Há nomes que hoje são incontornáveis, como Kool Klever, Phathar Mack, Djeff Brown -Que naquela altura já era um grande percussor e falava do Hip Hop com propriedades-, o Nelboy Dastha Burtha -Tirando o tempo que esteve no Brasil, é um lutador, a nível do Hip Hop nacional. São estes os nomes que tenho como referência.

Quanto a si, como gostaria de ser lembrado dentro do cenário Hip Hop?
Gostaria de ser lembrado como uma figura preocupada a assumir responsabilidade de tornar realidade uma vontade e um sonho da juventude angolana naquela fase. Gostaria de ser lembrado como alguém que tirava os sonhos da cabeça para torná-los reais.

E se tivesse que contar a história do Hip Hop nacional numa peça teatral, aceitaria?
Com certeza que sim, a nossa cultura precisa destes arquivos, é uma coisa que também podia se enquadrar na revolução. Porque foi uma revolução que, de facto, começamos. Hoje a revolução tem mais aderentes, chamou mais atenção e se impôs, porque estas pessoas que referi continuam aí com muita vontade e jovialidade em termos de criação e de se doarem ao movimento Hip Hop. E, embora eu esteja desligado, penso que seria uma miscelânea que seria algo maravilhoso e importante, penso que Angola já clama por um musical ligado à história de qualquer coisa, e isto seria um máximo.

as cargas mais recentes

Gabriel o Pensador lança novo Single

há 1 ano
Neste período de contingência global, Gabriel O Pensador lança o seu novo single “A Cura está no Coração”, como forma de apelo global à solidariedade entre todos, para ultrapassarmos esta fase difícil e sem precedentes na história da Humanidade.

Tributo ao Poeta Maior marca retorno do Duetos N’Avenida

há 2 meses
A retoma do projecto foi marcada pela diversidade e testemunhada in loco por uma plateia de 200 pessoas, que acorreram ao novo recanto ₋Memorial António Agostinho Neto‐, para se regalar com a dupla performance de Ângelo Reis, o “Poeta dos Pés Descalços” e Márcio Batalha.

Nas relembra desentendimento com Tupac

há 2 meses
A música faz parte do álbum “King’s Disease II”, lançado na passada sexta-feira e, já vem sendo considerada a melhor do álbum. Ao contrário do que se pode imaginar ao ler o título do artigo, `Death Row East´ não é uma música insultuosa à memória de Tupac Shakur.

Pedro Hossi seleccionado para o projecto “Passaporte”

há 1 ano
Com objectivo de promover os homens do cinema em Portugal, a Academia Portuguesa de Cinema realiza o programa “Passaporte”, que contará com a participação do actor angolano Pedro Hossi.

Chetekela: “Adrenalina do Amor é uma música em homenagem à Cláudia, a mulher que salvou a minha vida”

há 1 ano
Pouco menos de um ano após ser lançada, a música `Adrenalina do Amor´ já incrementou dois prémios à carreira de Chetekela, nomeadamente: o prémio internacional na categoria de Artista em ascensão nos AFRIMMA 2019, e mais recentemente o de Melhor música romântica do ano 2019, na 23ª edição do Moda Luanda. Ao qual afirmou, em breve conversa com a carga, que “o desejo dos fãs cumpre-se”, e fez ainda saber tem na forja o lançamento do álbum `superação´, bem como a realização de um live com banda.

Governo britânico homenageia banda “Queen” nos selos

há 1 ano
Uma série de 13 selos personalizados do “Queen” serão vendidos no dia nove (9) de Julho, em comemoração aos 50 anos de uma das bandas mais icónicas de sempre.

Spotify lança campanha a favor da comunidade artística

há 2 anos
Combater o impacto da pandemia Covid-19 na indústria da música exigirá um enorme esforço global, desta feita, a criou a acção para apoiar a comunidade musical global durante a crise sem precedentes.

C4 Pedro lidera o Top Best da Sadia com 5 faixas entre as 100 mais ouvidas

há 6 meses
Actualmente em destaque com a música `Right Right Right´, no Top 10, cuja a divulgação é semanal, o artista é o mais ouvido dentre o universo de 100 faixas monitoradas pela Sadia: Right Right Right, Pele Negra, Love Again, Nossas Coisas e African Beauty.

Chris Rock tentou convencer Cardi B a desistir da música para apostar na comédia

há 1 ano
Numa conversa com Jimmy Fallon, na última semana, num canal televisivo, o actor de 57 anos revelou que quis fazer uma série de humor com Cardi B, quando a rapper ainda não era conhecida.

Hip Hop passa a ter três novas efemérides

há 3 meses
Os Estados Unidos aprovaram uma resolução que designa um “Dia da Celebração do Hip Hop”, um “Mês de Reconhecimento do Hip Hop” e um “Mês da História do Hip Hop”.

Yuri da Cunha festeja aniversário com Show em Portugal

há 1 ano
O Casino Estoril (Portugal) será palco do grande show de Yuri da Cunha, dia 13 de Setembro (Domingo), em comemoração do seu 40 º aniversário.

Tina Turner vende direitos musicais à BMG

há 2 semanas
Entre os temas, cujos direitos passam para a BMG, estão clássicos como “What’s Love Got to Do With It” e “Private Dancer”. Os valores envolvidos não foram revelados, mas o “Guardian” escreve que este é o maior negócio de sempre da BMG com um artista solo.

Nsingi, uma voz de Portugal que leva a cultura angolana com rítmo

há 6 meses
Carlos Nsingui nasceu em Portugal e nunca esteve em Angola, mas mantém fortes ligações com a cultura angolana, desde a música, gastronomia ao modo de ser, estar, falar, incluindo a forma de vestir, porque seus país são angolanos e parte da sua família vive em Angola.

Anitta é desafiada a fazer live com músicas gospel

há 1 ano
Diferente de outros espectáculos, a artista brasileira não vai interpretar as suas próprias músicas e será desafiada a protagonizar uma performance com músicas gospel em voz e violão. O live visa arrecadar fundos para apoiar os desempregados e as famílias mais necessitadas.

Forbes divulga lista das 100 celebridades mais bem pagas do mundo

há 1 ano
A conceituada revista de negócios e economia revelou, esta quarta-feira, dia 3 de Junho, uma série de rankings anuais, dos quais as 100 figuras ligadas à música, desporto entre outros, mais bem pagas em 2020. Kylie Jenner, cunhada de Kanye West, está na primeira posição.

Já está: Cleyton M entra na lista dos artistas mais ouvidos em Portugal

há 2 meses
Em todos os géneros musicais em Portugal, o jovem artista angolano ocupa, a 40° posição entre os 200 músicos mais ouvidos naquele país europeu, de acordo com um relatório do ITunes.