Adriano Tchitacumula: “Estrelas ao Palco é apenas um concurso, a verdadeira demonstração do meu talento começa agora”

Graças à hegemonia de Adriano de Jesus Tchitacumula, o Rap triunfou na 1° edição do “Estrelas ao Palco Vencedores”. Nas vestes de Kendrick Lamar, o apelidado rapper “de sete pulmões” foi o eleito a vencedor pela massa votante e o corpo de jurados, após três meses de disputa renhida, “arrancando” 55 dos 100% de votos.

Volvidos quase dois meses após o concurso, fomos saber a quantas anda a carreira deste talento em ascensão e a boa nova é que brevemente haverá novidades musicais.

Na entrevista abaixo, Seven revela-se um artista de pés firmes no chão. Ciente da responsabilidade que se impõe, está preparado e a trabalhar para demonstrar o verdadeiro talento nas próprias vestes.

Adriano Tchitacumula: “Estrelas ao Palco é apenas um concurso, a verdadeira demonstração do meu talento começa agora”

Conte-nos a trajectória de Adriano Seven?
Cresci com a minha avô, sou músico desde os 9 anos, comecei no estilo Kuduro num grupo de quatro elementos, mas aos 13 anos entro para o Rap. Comecei a fazer Rap por causa dos kotas, o Yannick Afroman foi meu vizinho na Coreia e eu era um dos putos que via esses kotas como exemplo. Além disso, houve uma altura em que tinha uma necessidade máxima de me expressar muito mais do que já fazia no Kuduro.

Seven é na verdade o seu alter ego, como surgiu e por quê?
O nome “Seven” surgiu no Estrelas ao Palco edição de 2019, fui apelidado como um rapper de sete pulmões e o apelido ficou popularizado na internet. Depois do concurso adoptei o apelido.

Até então, o Adriano Seven era um anónimo nas lides musicais. Viu no Estrelas ao palco a sua chance para sair do anonimato?
Sim, obviamente que é mais uma chance para sair do anonimato porque é de certo ponto uma plataforma que “vende” imagem e talento. Foi um concurso que de certa forma deu um grande input, mas em verdade falando, é apenas um concurso pois a verdadeira luta começa agora.

A sua segunda participação no Estrelas ao Palco foi triunfal, o que o incentivou a voltar a participar?
A primeira participação nos tornou filhos da Zap, o incentivo partiu daí, da fome de trabalhar e continuar a mostrar potencial.

Nalgum momento cogitou imitar outro artista que não fosse o Kendrick Lamar?
Tinha muitos artistas em mente dentre eles o Bass, Bruno Mars e outros, eram cinco ou seis cantores na minha lista. Também pensei no Lil Wayne, mas o Kendrick sempre foi o meu best rapper. Todos artistas que estavam entre as possibilidades eram para o caso do Rap não ser aprovado, porque nunca foi fácil fazer Rap em concursos nacionais.

Na edição Vencedores já com outra dinâmica, como foram para si as galas em que teve que estar na pele de outros artistas, que não fossem rappers?
Não foi fácil, mas enquanto artista temos que ter muita força de vontade, por que a arte é arte. Foi uma luta mas também era mais uma representação, cabia a mim parar para apreciar estes artistas, desde o modo habitual aos aspectos mais técnicos. Era necessário tirar uma ou duas semanas para estudar o artista e não apenas a música, porque era cantar e representar… tinha a ajuda dos professores e graças a Deus foi um sucesso.

Nesta competição enfrentou artistas de certa forma já conhecidos pelo público, como foi o caso de Ana Jorge e Alice Júlia. Nalgum momento achou que não venceria?
Por mim todos estavam capacitados para vencer e todos eram merecedores do prémio.

Sabe que o prémio poderá exigir mais de si… o que tem feito actualmente?
Estou apenas focado no primeiro passo, que é concluir as faixas musicais que o prémio do concurso contempla, para posteriormente gravar os devidos videoclipes.

Consegue adiantar quando ira concluir?
Temos o prazo de um mês para terminar, estamos a fazer um trabalho organizado e bem estruturado para o público. Mas posso adiantar que estamos próximo da conclusão.

Na sua óptica, qual seria a produtora certa para atingir os seus objectivos?
Diria que não tenho uma produtora preferida, basta apenas que sejam sérios no seu trabalho. Gostaria de continuar a trabalhar com pessoas sérias, coerentes e decisivas no que querem e é isto que já tem estado a acontecer.

Onde é que quer chegar com a música?
Eu quero chegar onde ela me levar, não tenho limites, tudo o que der e vier graças à música é aí onde estarei. Quero apenas trabalhar na música, é o que mais amo fazer, e se ela me levar ao topo dos topos é lá onde quero estar.

Quais são as suas influências artísticas?
A nível nacional tenho Yannick Afroman, Cage one… mas sou um tipo de pessoa que se deixa influenciar por todo tipo de artista, gosto de os apreciar e entende-lo, por isso considero-me alguém de ideias abertas, não sou de me fechar, gosto de acompanhar todo mundo para ter maior domínio musical e acompanhando apenas um, é difícil evoluir e aprender mais.

as cargas mais recentes

Single `Moça´ dá início ao projecto “DaMaika Season” da autoria de JP da Maika

há 2 anos
“DaMaika Season” consiste no lançamento de uma música a cada dia 11 do mês, até Novembro deste ano. O projecto é nada mais do que a confirmação da maior continuidade dos seus trabalhos de JP, que se propõe a encontrar todo o alcance musical, trazendo desde o GhettoZouk, passando pelo R&B até ao HipHop, sempre com a cultura urbana e tonalidade Afro presentes.

Conheça os 10 jovens músicos mais ricos do Reino Unido

há 8 meses
Na habitual publicação anual dos músicos mais ricos do Reino Unido, o lendário dos Beatle, Paul McCartney, está no topo, com uma fortuna total de 820 milhões de Euros ( mais de 600 bilhões de Kwanzas), sendo que Ed Sheeran lidera a lista dos jovens artistas mais ricos.

Lançado na passada Sexta-feira, álbum póstumo de Pop Smoke caminha para a 1º posição da Billboard

há 6 meses
De acordo com as projecções do Hits Daily Double, Pop Smoke está definido para conquistar o primeiro lugar na Billboard 200 com 110.000 a 120.000 unidades equivalentes a álbuns vendidas, 4.000 a 6.000 das quais serão em vendas de álbuns tradicionais.

Formiga: Trajectória da jogadora será contada em documentário

há 1 ano
A história da recordista mundial, será adaptada aos cinemas, num projecto que conta com o roteiro e direcção da cineasta Taís Amordivino.

Will Smith no papel de escravo fugitivo

há 2 anos
O renomado actor, será o protagonista de ‘ Emancipation’, um filme de época, baseado na história real de Peter, -um escravo fugitivo que incentivou o Exército da União a combater os racistas no sul dos Estados Unidos-. O director do filme Antoine Fuqua, acredita que Smith foi a escolha perfeita, pois gosta de aprofundar o assunto, tanto que se propôs a produzir com os seus parceiros do Westbrook Studios James Lassiter e Jon Mone.

Regresso do Zwela Spoken Word marcado para amanhã

há 2 anos

Covid-19: Trey Songz anuncia que está infectado e pede que fãs tenham mais cuidado

há 1 ano
Após anunciar que lhe foi diagnosticado o novo Coronavírus, Trey Songz pediu aos seguidores para que encararem a doença a sério e “não sejam como o presidente”, porque no início deste ano, seu avô morreu da pandemia.

Avanços e recuos da cultura nacional em 45 anos de Independência

há 1 ano
A cultura é a expressão sublime da essência de um povo manifestadas através da língua, música, dança, pintura, literatura ou teatro. Em Angola, o sector musical é o que mais cresce, seguido das artes cénicas.

Grammy 2021: Beyoncé e sua filha saem como maiores vencedoras sem os principais méritos

há 11 meses

Paul McCartney e Taylor Swift revelam parceria em entrevista à Rolling Stone

há 1 ano
A Rolling Stone divulgou ontem a sua mais recente capa, onde figuram os dois artistas de gerações diferentes, na estreia de uma série de novas conversas entre artistas, o Musicians On Musicians.

Solidariedade artística em tempos de distanciamento

há 2 anos
Nunca o chavão “a dificuldade aguça a criatividade” fez tanto sentido como actualmente. O trabalho remoto tornou-se o novo normal, e reinventar, a palavra de ordem. No meio disto tudo, há famílias resguardadas em casa para se proteger e tentar travar o avanço da pandemia e outras que têm de escolher, entre escapar a doença ou passar por necessidades, para estas, a “entreajuda” se fez chegar na linha da frente com os “heróis” de microfone na mão.

Aline Frazão fala da primeira experiência em compor para o cinema: “É muito bom poder alternar projectos”

há 2 anos
‘Ar Condicionado’ é a primeira longa-metragem de Fradique Bastos e da Produtora Geração 80 e marcará para sempre Aline Frazão. Pela primeira vez, a cantora compôs a trilha sonora de um filme e escreveu um tema para Paulo Flores.

Dave Bautista diz que The Rock não é um bom actor

há 1 ano
O actor e antigo lutador de Luta Livre, Dave Bautista, astro do filme Guardiões da Galáxia, afirmou que Dwayne Johnson “The Rock” não é um bom actor, apesar do sucesso que faz.

Chris Martin e filho de Fela Kuti reeditam álbuns da lenda do Afrobeat

há 3 meses
Chris Martin ( Coldplay) e o multi-instrumentista e embaixador do Afrobeat, Femi Kuti, uniram-se para lançar ‘Vinyl Box # 5’ de Fela Kuti. O projecto inclui sete álbuns da lenda nigeriana e pioneiro do Afrobeat e será lançado a 10 de Dezembro.

Já está disponível o segundo single promocional do Projecto ShowTimeCollection

há 1 ano
Da autoria de Gedson, `Hustler´ dá continuidade ao projecto ` ShowTimeCollection´, a música é lançada após Megga Skills, CEO da label, fazer as “honras da casa” com single `Tá Doce´.

Arte ao Peito: Projecto expositivo criado no âmbito da luta contra o cancro em Angola abre ao público esta sexta

há 4 meses
A partir desta sexta-feira, dia 1 de Outubro, às 18H00, as Galerias do 1º Piso do Shopping Avennida, no Morro Bento, acolhem a mostra ‘Arte ao Peito’.