Afinal o que é um “OG” Original Gangster?

A ideia da matéria cuja leitura propomos, surgiu ao ler o artigo de opinião “Slang for the age, It´s Swag. Bae”, de Kory Stamper, do reputado New York Times. Ao proceder a leitura do referido artigo, dei de cara com a termo “OG”, e lembrei que o mesmo é usado com alguma frequência no universo hip hop e que ao longo de mais de 20 anos de estrada o tenho usado, mas nunca, quer por pretensão ou indolência procurei pesquisar com maior rigor a narrativa e origem por trás do termo.

Logo, como um apaixonado pelo hip hop de primeira via, enrolei as mangas e pus mãos à obra. Nessa jornada, descobri, que o termo “Original” foi usado pela primeira vez por Crips, em 1972, e significava “nós somos os primeiros”. A seguir passou a ser usada por todos, independentemente da idade.

A palavra “Gangster” foi adicionada no ano de 1974, derivado do Original Gangster Crips, hoje conhecido por Eight Tray Gangster Crips. Naquela altura era entendimento de Crips, que a palavra OG significava “Este é o ‘Conjunto’ de onde eu sou originalmente”, relactivamente a um Crip Original Westside ou Eastside. 

Com o crescimento dos Crips vieram muitos indivíduos que antes haviam pertencido a outros Gangues. O termo se espalhou, e por volta dos anos 70, a palavra passou também a designar símbolo de lealdade profunda. Valia o mesmo que chamar alguém de nacionalista ou patriota.

Assim, nos finais dos anos 70 os Blood passaram a usar o termo “OG”, e os mais jovens membros dos Gangues passaram a chamar os mais velhos de “OGs”, e como podia se esperar, essa nova forma de tratamento ofereceu a palavra um estatuto de respeito, consideração e tornou-se exclusiva de uma faixa etária. Somente quem atingisse certa idade dentro do Gangue lhe seria reservado e outorgado o privilégio do termo “OG”. Não era qualquer um que poderia receber o nome, como infelizmente acontece hoje.

Com a migração de muitos membros das Gangues pelos Estados Unidos, essencialmente os Crips e com a transformação comercial do fenómeno da música Rap pelo mundo, que acabou por atingir as massas, o termo “OG” libertou-se das suas raízes de gangues e inelutavelmente, no final dos anos 80 e inícios dos anos 90, conquistou a cultura hip hop e a gíria, sendo usado em todo lado, e por quase todos, inclusive pelos meios de comunicação, empresas e não só.

Hoje o termo “OG” está bastante popularizado, vulgarizado e perdeu grande parte da sua simbologia, sendo atribuído a todos e por todos, quer tenham ou não algum mérito no jogo. Manos sem compromisso, luta, inteligência, integridade e conselhos sábios, estrada ou reconhecimento na cena também se chamam ou são chamados de “OGs”, condensando todo historial de reverência impresso no nome.

Já diziam Adisa Kamara e Ajani Kamara, ex-membros do gangue Crips que, passamos a citar, “existem muitas pessoas por aí, que não merecem o respeito, nem o reconhecimento que o título “OG” representa. Muitos manos, chamados de “Gs” abusam do seu estatuto, explorando e manipulando os rapazes mais novos para fazer o seu trabalho sujo, com fundamento nessa pretensa superioridade”.

Ainda segundo Adisa Kamara e Ajani Kamara “a pedra angular do carácter de cada OG / Ancião é a integridade; se isso for manchado por comportamento sujo, essa pessoa perde o direito de ser reconhecida como OG / Ancião”. 

*Ngola Sambala

as cargas mais recentes

Hip Hop: Classe cria “instituição” para ajudar artistas em situações difíceis

há 1 ano
Motivados pela trágica morte de Ngadiama Wakambosonhi, pioneiro do movimento Hip Hop no país, artistas da Velha e Nova Escola criaram a “Associação dos Hiphoppers de Angola”, uma plataforma de cariz social que passará a prestar apoio social e acudir eventuais situações de crise que membros da classe venham a passar.

Sony contrata realizador angolano para fazer versão de Homem Aranha para Playstation

há 2 anos
A multinacional Sony contratou um angolano para produzir a versão do Homem Aranha para a PlayStation 5. Trata-se do realizador João, responsável pela produtora Kamba Films.

Rihanna é “coroada” a cantora mais rica do Reino Unido

há 3 anos
A artista entra na categoria `Rich Times´ do Sunday Times, ocupando a 3ª posição com uma fortuna equivalente a 326 biliões de Kwanzas, acima de Adele, Ed Sheeran e Mick Jagger.

Thó Simões constrói mural para referências da música angolana

há 2 anos
Tratam-se de figuras como Carlos Burity, Waldemar Bastos, David Zé, Artur Nunes, Lourdes Van-Dunem, Teta Lando, Bangão,Teta Lágrimas, entre tantos outros que já não fazem parte do mundo dos vivos.

A’mosi Just a Label dá concerto em dose dupla

há 2 anos
A’mosi Just a Label em concerto, acontece nos dias 08 de Maio, na Casa das Artes no Talatona, pelas 19:00 e 09 de Maio, na Casa da Juventude, em Viana, às 19:00 horas.

Don Kikas: “A música tradicional devia ter um lugar intocável para não perdermos a matriz”

há 2 anos
O músico está a celebrar 25 anos de carreira e na próxima semana vai protagonizar um grande espectáculo, no Capitólio, em Lisboa. Em entrevista à Carga, apresentou o alinhamento artístico e aproveitou para falar sobre suas ambições e que gostaria de ter conseguido ao longo dos 25 anos, para além de descrever o actual estado do Kizomba.

Burna Boy apresenta detalhes do seu novo álbum produzido por P. Diddy

há 2 anos
Intitulado “Twice As Tall”, o novo álbum do músico nigeriano teve a produção executiva de Puff Diddy, Bosede Ogulu e o próprio Burna Boy.

Após vencer adversidades do Moda Luanda, organização prepara-se para concretizar os Globos de Ouro em Outubro

há 3 anos
Passados alguns dias após a realização da 23ª Edição do Moda Luanda, a Carga Magazine falou com a organização do evento, não só para fazer um balanço do evento, como também perceber quais os maiores desafios da indústria do entretenimento nestes tempos de resguardo.

Artistas recebem mais de 20 milhões de kwanzas da Sadia pelos direitos autorais

há 9 meses
A Sociedade Angolana dos Direitos de Autores (SADIA) distribuiu, no ano transacto, de direitos mecânicos, mais de 20 milhões aos artistas. A distribuição dos rendimentos mecânicos foi possível pos causa da arrecadação em 2021 e contemplou cerca de trezentos artistas nacionais e estrangeiros.

Beyoncé usou sample sem pedir e foi obrigada a retirar a música do novo álbum

há 6 meses

Federação Internacional de Natação proíbe uso de toucas para cabelo afro

há 2 anos
De acordo com a Federação Internacional de Natação e o Comitê Olímpico Internacional os atletas das competições nunca usaram e nem exigem o uso de bonés desse tamanho e configuração, mas muitos interpretam a medida como tratar-se de racismo.

AFRIMA: Dj Impossible é o único artista dos PALOP a concorrer como Melhor DJ Africano

há 1 ano
Agenciado pela Cloe Management, DJ Impossible está ciente de que tem pela frente uma difícil missão, mão não Impossible. O artista vai procurar manter a honra conquistada em 2019 por Man Renas, porém tudo está a depender da votação dos angolanos, seja em que parte estiver.

Obra de Flagelo Urbano é usada como objecto de estudo para elaboração de monografia num paralelo com Agostinho Neto

há 2 anos

Do piano aos instrumentos de sopro: Adimaldo, o autodidacta que Tok’Aki

há 2 anos

Exposição “Migrações e Coisas, Retalhos de uma História Só”, agora disponível em catálogo digital

há 3 anos
Em virtude das limitações impostas pela pandemia do coronavírus e do encerramento temporário da exposição de René Tavares, o Banco Económico e a This is Not a White Cube decidiram disponibilizar digitalmente um catálogo onde é possível conhecer a obra do artista santomense.

Keita Mayanda: “O Homem e o Artista é um clássico, mas não me trouxe conforto material”

há 2 anos
Hoje faz 15 anos desde que O Homem e o Artista foi lançado. O disco continua a ser protótipo do Hip Hop nacional. Contribuiu para o bem imaterial, felicidade e educação do homem angolano.