Afinal o que é um “OG” Original Gangster?

A ideia da matéria cuja leitura propomos, surgiu ao ler o artigo de opinião “Slang for the age, It´s Swag. Bae”, de Kory Stamper, do reputado New York Times. Ao proceder a leitura do referido artigo, dei de cara com a termo “OG”, e lembrei que o mesmo é usado com alguma frequência no universo hip hop e que ao longo de mais de 20 anos de estrada o tenho usado, mas nunca, quer por pretensão ou indolência procurei pesquisar com maior rigor a narrativa e origem por trás do termo.

Logo, como um apaixonado pelo hip hop de primeira via, enrolei as mangas e pus mãos à obra. Nessa jornada, descobri, que o termo “Original” foi usado pela primeira vez por Crips, em 1972, e significava “nós somos os primeiros”. A seguir passou a ser usada por todos, independentemente da idade.

A palavra “Gangster” foi adicionada no ano de 1974, derivado do Original Gangster Crips, hoje conhecido por Eight Tray Gangster Crips. Naquela altura era entendimento de Crips, que a palavra OG significava “Este é o ‘Conjunto’ de onde eu sou originalmente”, relactivamente a um Crip Original Westside ou Eastside. 

Com o crescimento dos Crips vieram muitos indivíduos que antes haviam pertencido a outros Gangues. O termo se espalhou, e por volta dos anos 70, a palavra passou também a designar símbolo de lealdade profunda. Valia o mesmo que chamar alguém de nacionalista ou patriota.

Assim, nos finais dos anos 70 os Blood passaram a usar o termo “OG”, e os mais jovens membros dos Gangues passaram a chamar os mais velhos de “OGs”, e como podia se esperar, essa nova forma de tratamento ofereceu a palavra um estatuto de respeito, consideração e tornou-se exclusiva de uma faixa etária. Somente quem atingisse certa idade dentro do Gangue lhe seria reservado e outorgado o privilégio do termo “OG”. Não era qualquer um que poderia receber o nome, como infelizmente acontece hoje.

Com a migração de muitos membros das Gangues pelos Estados Unidos, essencialmente os Crips e com a transformação comercial do fenómeno da música Rap pelo mundo, que acabou por atingir as massas, o termo “OG” libertou-se das suas raízes de gangues e inelutavelmente, no final dos anos 80 e inícios dos anos 90, conquistou a cultura hip hop e a gíria, sendo usado em todo lado, e por quase todos, inclusive pelos meios de comunicação, empresas e não só.

Hoje o termo “OG” está bastante popularizado, vulgarizado e perdeu grande parte da sua simbologia, sendo atribuído a todos e por todos, quer tenham ou não algum mérito no jogo. Manos sem compromisso, luta, inteligência, integridade e conselhos sábios, estrada ou reconhecimento na cena também se chamam ou são chamados de “OGs”, condensando todo historial de reverência impresso no nome.

Já diziam Adisa Kamara e Ajani Kamara, ex-membros do gangue Crips que, passamos a citar, “existem muitas pessoas por aí, que não merecem o respeito, nem o reconhecimento que o título “OG” representa. Muitos manos, chamados de “Gs” abusam do seu estatuto, explorando e manipulando os rapazes mais novos para fazer o seu trabalho sujo, com fundamento nessa pretensa superioridade”.

Ainda segundo Adisa Kamara e Ajani Kamara “a pedra angular do carácter de cada OG / Ancião é a integridade; se isso for manchado por comportamento sujo, essa pessoa perde o direito de ser reconhecida como OG / Ancião”. 

*Ngola Sambala

as cargas mais recentes

É oficial: Capita é o novo reforço do Lille

há 2 anos
O Lille anunciou ontem a contratação do extremo angolano Capita. O atleta de 18 anos de idade, que até então militava no Trofense de Portugal, é o novo reforço da equipa da primeira divisão francesa, onde estará por cinco temporadas.

Após comunicar que testou positivo para o Covid-19, Lizha James tranquiliza fãs

há 2 anos
Lizha voltou a recorrer às redes sociais para informar que o empresário Bang (seu marido), e a sua filha testaram negativo para o novo coronavírus.

Macklemore diz que cor da sua pele ajudou-o a vencer Kendrick Lamar nos Grammy

há 1 ano

Séketxe estarão em live show esta noite

há 1 ano
Os Séketxe, grupo fenómeno do rap nacional, vai protagonizar hoje à noite um live show. Os jovens da Kuxilândia, autores dos temas “Kubeli” e “Nu Xtragó Nada”, apresentam-se em estúdio num ao “vivo” apoiado pela revista Carga e a produtora Chasing Dreams.

Pongo Love confirmada no Festival Músicas do Mundo

há 2 anos
O evento reúne cerca de 30 músicos vindos da África, Europa e América. A cantora faz parte da lista dos primeiros 14 artistas apresentados esta sexta-feira.

3ª Webinar da Universidade Hip-Hop discorre sobre o tema “Hip-Hop é uma Kultura Urbana e não um estilo de música”

há 2 anos
As actividades que começaram na passada segunda-feira, têm sido realizadas no âmbito do projecto “Semana de Apreciação da Kultura Hip-Hop”. Até ao dia 24 de Maio uma série de acções online estão programadas, e contemplam performances, fóruns de discussão e Webinars com distintos convidados dos 4 elementos núcleo da Kultura Hip-Hop. Cláudio Silva, ex-reitor da Universidade Hip-Hop, falou à Carga Magazine sobre as actividades que ainda estão por vir, em torno desta celebração.

Apesar de todo o sucesso que fizeram, Kalibrados só receberam 100 dólares de direitos autorais

há 8 meses
É inegável o protagonismo que os Kalibrados tiveram na música nacional. O grupo é um dos que mais contribuiu para o Hip Hop angolano. O facto curioso é que, apesar de todo esse sucesso, em Angola os Kalibrados apenas receberam, até hoje, o equivalente a 10 mil kwanzas ( câmbio de então) de direitos autorais pelo seu trabalho.

Kuzola Planet: Nova EP confirma o voo solo de Niiko

há 1 ano
Passado um ano após desvincular-se da dupla com Duc, Niiko apresenta a primeira EP a solo, intitulada `Kuzola Planet´, disponível nas plataformas de Streaming a partir de hoje.

Délcio Caiaia discorre sobre a Matriz Africana do Design Gráfico no seu primeiro E-Book

há 2 anos
O projecto literário Matriz Africana Do Design Gráfico, surge de um olhar crítico ao posicionamento de África na arena global do Design Gráfico. A supressão histórica fez desaparecer gradualmente muitos traços da arte visual africana.

Conheça os 26 instrumentos que compõem a música angolana

há 1 ano
Mesmo quando entendida como entoação harmónica da voz humana, a música angolana é acompanhada pela sua tradição organológica. Por isso, é difícil dissociar as origens dos géneros tradicionais como a Kabetula, o Kilapanda, a Cabecinha, o Kalupeteca, o Merengue, a Rebita ou Semba dos instrumentos tradicionais angolanos.

{RE}CONGOLÂNDIA: Thó Simões {re}cicla e {re}enquadra a obra Congolândia para o projecto Cabana de Arte

há 2 anos
A 8ª Edição do projecto entitulado Cabana de Arte, do grupo BANGA trás como convidados o artista Angolano Thó Simões e o atelier DEL MEDIO representado por Michel Maldiny Z.G e Mafalda Peres Couto.

Uma voz de Portugal que canta Angola: Clarah Helen lança nova música

há 2 meses
Em 2014, lançou os primeiros temas “ Se Xota e Kel Dj” e, três anos depois, apresentou “Segundo plano”, uma composição de CEF Tanzy, com a qual alcançou grande protagonismo e veio a figurar, inclusive, no Top 10 do Mais Kizomba. Clarah Helen aparece agora em grande estilo com uma nova música intitulada “Meu Sonho”.

Wycleff Jean selecciona angolano Jeff Brown para o “Challenge”

há 2 anos
A selecção do rapper angolano foi confirmada pelo próprio Wycleff, na sua página do instagram, notificando o participante e deixando a seguinte questão: Acham que ele (Kota Kulanda) merece os 1000 dólares?

Polémico documentário sobre Michael Jackson terá continuação

há 2 anos
A primeira parte do documentário foi responsável por trazer, novamente, à tona toda a polémica envolvendo supostos assédios cometidos por Michael Jackson, além da suposta pedofilia.

AMA – Yola Semedo diz que não merece estar entre os nomeados

há 2 anos
Yola Semedo afirmou que este ano (2020) não se revê profissionalmente nas nomeações do Angola Music Award, pelo facto de não ter se empenhado o suficiente.

Tunjila Twajokota: “Ninguém mais quer saber de nós”

há 2 anos
Os músicos contaram ao Jornal de Angola que as coisas começaram de mal a pior a partir de 2014, após o lançamento do quarto e último disco “Kudiva”, fundamentado que o sucesso e a fama do conjunto não foi proporcional aos valores monetários, porque as produtoras não honraram com os compromissos, não lhes davam valores completos.