Aline Frazão fala da primeira experiência em compor para o cinema: “É muito bom poder alternar projectos”

‘Ar Condicionado’ é a primeira longa-metragem de Fradique Bastos e da Produtora Geração 80 e marcará para sempre Aline Frazão. Pela primeira vez, a cantora compôs a trilha sonora de um filme e escreveu um tema para Paulo Flores. O filme ganhou projecção internacional logo na estreia e foi também seleccionado para o ‘We Are One: A Global Film Festival’ e será exibido este sábado. À Carga, Aline fala da primeira experiência e manifesta interesse em voltar a compor para o cinema.

Como descreve a sua participação no filme?

O realizador do “Ar Condicionado”, o Fradique, convidou-me para fazer a banda sonora do filme no final do ano passado. Quando aceitei o convite, o filme ainda só estava no papel, era só o guião. Gostei muito do que li. Mas só depois de começarem as filmagens, depois de ver algumas imagens é que comecei a compor a música do filme. E a música tem um papel especial neste filme, na própria linguagem das imagens.

Foi a sua primeira experiência de género?

Foi a primeira vez que fiz música para cinema. É muito desafiante, uma forma completamente nova de trabalhar. A música foi inspirada nos personagens, nas imagens da cidade de Luanda, no ritmo, na luz etc.. A música foi feita à medida do filme.

Quanto tempo precisou para a composição ?

Não havia muito tempo. O filme foi todo ele produzido com poucos recursos e baseado na garra e no empenho de toda uma equipa, desde os actores, equipa da Geração 80. Na música não foi diferente. O processo foi fluído e rápido, muito baseado na intuição. Tive a sorte de poder trabalhar com músicos que já conhecia, alguns cá em Luanda, outros em Lisboa, à distância. Isso facilitou as coisas, a comunicação fluiu melhor por poder trabalhar com um time profissional e talentoso. E neste caso, como todos os temas são instrumentais, excepto o que tem a maravilhosa voz do Paulo Flores. Era importante que a performance dos músicos e técnicos estivesse à alturab e assim foi. Fiquei muito contente com o resultado final.

Como é que é compor para o cinema?

Já gostava muito de cinema, mas realmente poder “conversar” com as imagens através da música, entrar na história, ajudar a contar a história é maravilhoso. Em especial com um filme destes que, na minha opinião, vai marcar a história do cinema angolano, não só pela história que conta, mas pela forma como o faz, com uma sensibilidade eexextraordinária.

É uma experiência que pode vir marcar os seus próximos trabalhos?

Se houver algum convite, pode ser que sim. É muito bom poder alternar projectos. No caso desta banda sonora eu sou mesmo só compositora e produtora da música, não canto nem toco. É um papel que me dá muito gozo também, poder observar mais de fora, dirigir os músicos até chegarmos ao resultado final. Quando se trata do meu trabalho a solo é completamente diferente, escrevo, produzo e subo aos palcos. É bom poder combinar os dois papeis e ficaria feliz com novas oportunidades, claro.

Se voltasse a ser convidada para  compor a trilha sonora de um outro filme que cuidados teria?

Então, se gostasse da historia não teria nenhum problema em repetir a experiência de fazer a banda sonora de outro filme, sim.

O filme tem tido boa aceitação no mercado internacional, sonha com um prémio?

O filme tem tido uma excelente acolhida pelos festivais internacionais e só isso já nos deixa muito felizes, porque é uma forma de levar o cinema angolano para outro patamar. As críticas também têm sido muito positivas. Acho que não há ninguém que fique indiferente a este filme. É um filme que mexe connosco e traz para a tema personagens do dia-a-dia de Luanda, anónimos, trabalhadores, na luta. É uma bela homenagem a esta cidade e a toda a gente que nela resiste.

Que outros momentos marcaram o filme?

Só para ficar claro aqui um ponto importante de referir, o Paulo Flores participa na banda sonora, cantando uma das músicas. Ficamos todos honrados com a participação dele, e eu particularmente emocionada por ele aceitar cantar um tema escrito por mim. Escrevi para ele e para o filme. É um momento muito emotivo do filme, mágico mesmo.

as cargas mais recentes

45 organizações humanitárias pedem a Lewis Hamilton que boicote GP da Arábia Saudita

há 11 meses

“A Nossa Kizomba” está de volta

há 1 ano
Com um cartaz irresistível, os amantes do estilo Kizomba, um dos ritmos mais consumido no nosso país, poderão reviver momentos marcantes, com artistas de peso, durante o mês de Outubro.

Irina Vasconcelos: “As nossas crianças estão a morrer na vossa governação”

há 2 anos
A cantora angolana está preocupada com o número de crianças que morrem de fome, mesmo depois da autorização do governo da transferência monetária às famílias vulneráveis através do programa Kwenda, criado para reforçar o combate à fome e à pobreza nas zonas mais impactadas.

50 cent recusou 1 milhão de dólares para aparecer na campanha de Trump

há 1 ano
Ao The Breakfast Club, o artista confessou que ganhou interesse em Trump após lhe ter sido proposto os valores, e não pelas políticas fiscais. Mas sublinhou que estava consciente de que votaria em Joe Biden.

Lenço usado por Messi no adeus ao Barça será vendido ao equivalente a 632 milhões de Kwanzas

há 5 meses
O comerciante é um adepto anónimo que terá estado presente no Auditori 1899, de Camp Nou, e terá recolhido o objecto utilizado por Messi do caixote do lixo.

John Dolmayan: “Black Lives Matter não passa de ferramenta de propaganda política”

há 2 anos
O baterista da banda de rock System Of A Down, John Dolmayan, considera o movimento Black Lives Matter ilegítimo e que não passa de uma “ferramenta de propaganda” política do Partido Democrata.

George Floyd ganha estátua de bronze em Nova Jersey

há 7 meses
Um ano depois do seu assassinato aos 46 anos, o homem ganhou uma estátua de bronze com mais de 300 quilos, inaugurada esta quarta-feira em Newark, Nova Jersey, nos EUA.

Arte ao Peito: Projecto expositivo criado no âmbito da luta contra o cancro em Angola abre ao público esta sexta

há 4 meses
A partir desta sexta-feira, dia 1 de Outubro, às 18H00, as Galerias do 1º Piso do Shopping Avennida, no Morro Bento, acolhem a mostra ‘Arte ao Peito’.

Presidente da República oferece uma residência ao músico Sebem

há 1 ano
O kudurista Sebem recebeu, esta manhã, uma casa, nas localidades do Zango, em Luanda, das mãos da vice-presidente do MPLA.

Black Lives Matter: F1 proíbe o uso de t-shirts de protesto no pódio

há 1 ano
O novo protocolo foi implementado no Prémio da Rússia, que decorreu no passado dia 27. A FIA solicitou que os pilotos permaneçam com os macacões de corrida fechados até ao pescoço, noticiou o The Guardian.

Lupe Fiasco afirma ser melhor liricista do que Kendrick Lamar

há 1 ano
Lupe Fiasco afirmou que é mais liricista de melhor do que Kendrick Lamar numa série de tweets. A sequência surgiu após um fã questionar quem dos dois era o melhor. Depois que o tweet ganhou atenção significativa, quando Lupe declarou ser “melhor liricista, mas não melhor artista que Kendrick”.

Joãozinho Morgado diz que o Semba está a “morrer”

há 2 anos
O percussionista Joãozinho Morgado afirmou que o género musical Semba, de origem angolana, está a “morrer”, pelo facto das instituições responsáveis não velarem pela sua manutenção.

5° Edição do Circuito Internacional de teatro encerra em grande

há 1 ano
Na categoria de ‘Prémio Fragata de Morais’ venceu a Cia Ndokwenu Artes com a peça ‘A Visita’ da autoria de Fragata de Morais, ele que foi também o homenageado da Quinta Edição do Circuito Internacional de teatro. Em segundo lugar venceu o grupo Catarcis Teatro com a peça A Visita.

Futebolista angolano cobiçado pelas principais ligas

há 2 anos
Autor de 12 golos esta temporada, dos quais seis consecutivos antes do surgimento do Covid-19, o futebolista angolano Fábio Abreu está a ser cobiçado por vários clubes em Portugal, França, Espanha e Inglaterra.

2ª Edição de exposição colectiva ‘LiterArte’ arranca já este mês

há 5 dias
Os artistas angolanos Luzia Dala Gaspar “Luzea” , Débora Sónia João de Deus “Kassova”, Sureny Patrícia Ferreira Luís Fernandes, Davi Dombele, Josué Dombele, Araão Álvaro Iéca “Yéca” vão apresentar-se no próximo dia 28 de Janeiro de 2022, Sexta-feira, pelas 18 horas, na Galeria Tamar Golan com “LiterArte”, uma exposição colectiva que ficará patente ao público até ao dia 25 de Fevereiro de 2022.

Maya Cool “dispara” indirectas e deixa músicos em alerta

há 2 anos
Depois das críticas de Mago de Sousa à Unitel, por não cumprir com o trabalho, acordado, de promoção do seu disco, é a vez de Maya Cool a juntar-se a causa, apelando aos fazedores de arte no geral a manifestarem-se a favor do colega.