Aline Frazão fala da primeira experiência em compor para o cinema: “É muito bom poder alternar projectos”

‘Ar Condicionado’ é a primeira longa-metragem de Fradique Bastos e da Produtora Geração 80 e marcará para sempre Aline Frazão. Pela primeira vez, a cantora compôs a trilha sonora de um filme e escreveu um tema para Paulo Flores. O filme ganhou projecção internacional logo na estreia e foi também seleccionado para o ‘We Are One: A Global Film Festival’ e será exibido este sábado. À Carga, Aline fala da primeira experiência e manifesta interesse em voltar a compor para o cinema.

Como descreve a sua participação no filme?

O realizador do “Ar Condicionado”, o Fradique, convidou-me para fazer a banda sonora do filme no final do ano passado. Quando aceitei o convite, o filme ainda só estava no papel, era só o guião. Gostei muito do que li. Mas só depois de começarem as filmagens, depois de ver algumas imagens é que comecei a compor a música do filme. E a música tem um papel especial neste filme, na própria linguagem das imagens.

Foi a sua primeira experiência de género?

Foi a primeira vez que fiz música para cinema. É muito desafiante, uma forma completamente nova de trabalhar. A música foi inspirada nos personagens, nas imagens da cidade de Luanda, no ritmo, na luz etc.. A música foi feita à medida do filme.

Quanto tempo precisou para a composição ?

Não havia muito tempo. O filme foi todo ele produzido com poucos recursos e baseado na garra e no empenho de toda uma equipa, desde os actores, equipa da Geração 80. Na música não foi diferente. O processo foi fluído e rápido, muito baseado na intuição. Tive a sorte de poder trabalhar com músicos que já conhecia, alguns cá em Luanda, outros em Lisboa, à distância. Isso facilitou as coisas, a comunicação fluiu melhor por poder trabalhar com um time profissional e talentoso. E neste caso, como todos os temas são instrumentais, excepto o que tem a maravilhosa voz do Paulo Flores. Era importante que a performance dos músicos e técnicos estivesse à alturab e assim foi. Fiquei muito contente com o resultado final.

Como é que é compor para o cinema?

Já gostava muito de cinema, mas realmente poder “conversar” com as imagens através da música, entrar na história, ajudar a contar a história é maravilhoso. Em especial com um filme destes que, na minha opinião, vai marcar a história do cinema angolano, não só pela história que conta, mas pela forma como o faz, com uma sensibilidade eexextraordinária.

É uma experiência que pode vir marcar os seus próximos trabalhos?

Se houver algum convite, pode ser que sim. É muito bom poder alternar projectos. No caso desta banda sonora eu sou mesmo só compositora e produtora da música, não canto nem toco. É um papel que me dá muito gozo também, poder observar mais de fora, dirigir os músicos até chegarmos ao resultado final. Quando se trata do meu trabalho a solo é completamente diferente, escrevo, produzo e subo aos palcos. É bom poder combinar os dois papeis e ficaria feliz com novas oportunidades, claro.

Se voltasse a ser convidada para  compor a trilha sonora de um outro filme que cuidados teria?

Então, se gostasse da historia não teria nenhum problema em repetir a experiência de fazer a banda sonora de outro filme, sim.

O filme tem tido boa aceitação no mercado internacional, sonha com um prémio?

O filme tem tido uma excelente acolhida pelos festivais internacionais e só isso já nos deixa muito felizes, porque é uma forma de levar o cinema angolano para outro patamar. As críticas também têm sido muito positivas. Acho que não há ninguém que fique indiferente a este filme. É um filme que mexe connosco e traz para a tema personagens do dia-a-dia de Luanda, anónimos, trabalhadores, na luta. É uma bela homenagem a esta cidade e a toda a gente que nela resiste.

Que outros momentos marcaram o filme?

Só para ficar claro aqui um ponto importante de referir, o Paulo Flores participa na banda sonora, cantando uma das músicas. Ficamos todos honrados com a participação dele, e eu particularmente emocionada por ele aceitar cantar um tema escrito por mim. Escrevi para ele e para o filme. É um momento muito emotivo do filme, mágico mesmo.

as cargas mais recentes

Álbum de Beyoncé ” Black Is King” leva a criação de um novo curso em Harvard

há 1 ano

Dupla ELA apresenta `O lugar de FALA D’ ELA´

há 2 anos
A ter início no próximo domingo, dia 4 de Outubro, a dupla ELA vai colocar à lupa o tema “Estupro, mulheres infectadas com HIV e Gravidez precoce”.

1ª edição do `Ao Vivo É-Kwanza´ junta Edgar Domingos e Anna Joyce no palco do ZAP Viva

há 2 anos
A partir do dia 27 de Junho, o AO VIVO é-kwanza vai juntar diferentes gerações de músicos vão levar até si o melhor ritmo da música made in Angola com actuações em directo, todos os Sábados às 16:30.

Morreu Irrfan Khan, actor do filme Quem Quer Ser Milionário

há 2 anos
Esta terça-feira, a estrela de Bollywood, Irrfan Khan sentiu-se mal e acabou por ser encaminhado de urgência para o hospital de Mumbai (Índia), onde acabou por morrer aos 53 anos, devido uma infeção no cólon.

Duetos N’Avenida ressurge com proposta diferenciada

há 11 meses
Após um ano de interregno, o projecto Duetos N´Avenida está de regresso fazendo jus à diversidade que caracteriza a Zona Jovem, incluindo a poesia pela primeira vez no line up.

FS lança vídeo surpresa e anuncia projecto ‘Quarentena Rija”

há 2 anos
Tal como já é da praxe, a Força Suprema lançou mais um vídeo sem aviso prévio, tratando-se de uma música inédita intitulada ‘4 ou 5’, onde figuram os rappers Prodígio, NGA e Monsta.

ZAP dá Carga no Apoio às Instituições Caridosas em tempos de COVID-19

há 2 anos
Com o avanço global do COVID 19, a ZAP tem vindo a tomar as medidas necessárias para apoiar as Instituições apadrinhadas pelo projecto de responsabilidade social VIDAS ZAP, na prevenção e não propagação do Vírus.

Álbum de Paulo Flores e Prodígio será lançado esta sexta-feira, 6 de Novembro

há 2 anos
O aguardado álbum Bênção e Maldição de Paulo Flores e Prodígio estará disponível a partir desta sexta-feira, 6 de Novembro, anunciaram ontem os músicos.

Participação de cantoras angolanas no AFRIMMA vai de mal a pior

há 2 anos
A organização dos AFRIMMA, prémios africano de música, divulgou, na semana finda, a lista dos candidatos para a edição 2020, onde, diferente da anterior, os angolanos subiram dois degraus, mas a participação feminina continua um fracasso.

Sílvio de Sousa está de regresso às quadras

há 11 meses
O basquetebolista angolano Sílvio de Sousa, de 22 anos de idade, vai representar a Universidade de Tennessee em Chattanooga, na temporada 2021/22, naquele que será o seu segundo programa universitário, depois de Kansas.

Já está disponível o segundo single do álbum ‘Boyca 4 Life Vol. II’

há 2 anos
Intitulado ‘passado’, neste segundo single do próximo álbum, os Boyca fazem uma retrospectiva da sua carreira.

Chloe estreia single e videoclip de “Upgrade”

há 1 ano
“Upgrade” fala sobre o poder feminino e pretende transmitir uma mensagem de empoderamento da mulher como um ser humano forte e independente que entende o seu valor.

Filmes da Geração 80 premiados em festivais de cinema nos Estados Unidos

há 2 anos
O filme AR CONDICIONADO e o documentário PARA LÁ DOS MEUS PASSOS acabam de ser premiados no Imagine Science Film Festival 2020 e no San Francisco Dance Film Festival 2020.

Phil Collins enfrenta “maré de azar”

há 2 anos
Além das acusações da ex- esposa, a saúde do músico de 69 anos tem-se deteriorado, sem falar dos problemas com o álcool e da infecção viral que quase o fez perder a audição; um problema cervical e dificuldade de mobilidade que o obriga a deslocar-se com o recurso a uma bengala.

Mostra “Boa Noite às Coisas de Aqui em Baixo” chega a Galeria Tamar Golan

há 12 meses
O artista angolano Evan Clever vai apresentar-se na Galeria Tamar Golan com “Boa Noite às coisas de aqui em baixo”, uma exposição individual a inaugurar no próximo dia 09 de Julho de 2021, pelas 16 horas.

Exclusivo: Cabo Snoop regressa à Power House definitivamente

há 10 meses
Agora com 31 anos, pai de família e mais maduro artisticamente, Ivo Manuel de Lemos, conhecido nas lides musicais como Cabo Snoop, regressa como conselheiro e mentor de Cleyton M, ajudando o prodigioso jovem a expandir a carreira para toda África, através das experiências que acumulou com a sua passagem na “poderosa casa” de Hochi Fu.