Anna Joyce fala sobre seu novo álbum: “Foram 4 anos de suor e muitas lágrimas”

Nunca a cantora esteve tão confiante ao falar de si, tal como se apresenta no novo álbum, que será lançado ainda este mês. Para o lançamento, a estrela da LS Republicano preparou dois concertos nos dias 20 e 21, ambos no Miami Beach, Luanda.

Entretanto, quem ainda não adquiriu o bilhete não precisa se preocupar, porque Anna Joyce tem espectáculos agendados em Saurimo, Dundo, Benguela, Soyo, Huambo e Malanje. Os ingressos para os shows de Luanda esgotaram quatro dias depois de disponibilizados, um feito comum para os concertos da artista.

No total, estarão disponíveis 15 mil cópias, numa primeira fase. Mais tarde, o CD será também levado para outras províncias, pois Anna sente que deve partilhar este momento de alegria com todo o seu público.

Diferente da sua obra de estreia, neste álbum, a autora explora mais o lado pessoal. É um CD esteticamente mais evoluído e apresenta histórias dramáticas, reunindo apenas participação de Ary.

Com a agenda de espectáculos preenchida até Setembro, a voz “Puro” espera, ansiosa, para marcar a reabertura das vendas na Praça da Independência a 18 do corrente. A cantora, intérprete e compositora fala à Carga sobre os últimos detalhes da sua carreira e apresenta suas ambições artísticas. 

Anna Joyce fala sobre seu novo álbum: “Foram 4 anos de suor e muitas lágrimas”

A adesão dos fãs à aquisição dos bilhetes para os concertos de apresentação, leva-nos a pensar que era aguardada há bastante tempo. Porquê fez os fãs esperarem tanto assim ?

As condições anteriormente não eram favoráveis. Desde o ano passado que estávamos limitados por conta do estado de calamidade, então não foi opção nossa fazer o público esperar, eu também esperei lol.

Tem os meses de Agosto e Setembro todos preenchidos. Como é que pretende marcar estes momentos após quase um ano sem espectáculos?

Com músicas novas. Depois de tanto tempo, não poderia voltar sem novidades. 
O “Anna” vem também marcar a abertura das vendas na Praça da Independência.

Quantas cópias preparou e que outros locais e datas vai autografar?

Para a primeira edição, preparamos 15 mil cópias, entretanto estávamos cientes de que teremos de fazer uma nova edição em algum momento. Além da Praça da Independência, vamos também á Casa da Juventude, Viana, e tentaremos de ir a todas as províncias.

Anna Joyce fala sobre seu novo álbum: “Foram 4 anos de suor e muitas lágrimas”

Sobre as características do álbum, qual a essência da sua segunda obra discográfica e que participações trará?

Esse álbum vai ser muito pessoal, daí a escolha do título.Nunca me senti tão à vontade e confiante para fazer aquilo que queria. Desde a produção, composição, escolha dos músicos, estúdio, enfim. É um trabalho que me orgulha muito. Em termos de participação musical só terá a Ary, mas na execução das músicas, contei com Dino Ferraz, Rui Orlando, DVince, Cage  Oneyb e muitos outros.

O amor tem sido o epicentro das suas temáticas e sabe-se que o “Anna” é uma dedicação a si e também à sua família.

Este álbum poderia virar um filme, porque tem desde o momento da primeira faísca. Ao amor ideal, e ao fim trágico. Eu nunca escolho os temas para compor, simplesmente escrevo o que me sai naturalmente.

Em que aspectos considera ter evoluído mais nesta obra comparativamente ao Reflexos?

Primeiro, em termos vocais, ainda não estou onde quero estar, mas noto claramente uma evolução. Sinto-me cada vez mais segura e isso nota-se no resultado final. Fora isso a minha essência tem sido a mesma.

A que factores atribui esta evolução?

Acho que pela vontade que tenho de crescer e me superar sempre. Sou uma eterna descontente comigo mesma, exijo muito de mim, sou disciplinada… Mas não tenho como não atribuir também ao meu público, que me acarinha e considera e sinto uma enorme vontade de retribuir, fazendo cada vez melhor.

Que curiosidades estão em volta do álbum que gostaria de partilhar com o público?

Este álbum começou a ser gravado em 2017. Foram 4 anos de suor e muitas lágrimas.

Depois de várias notícias e especulações no ano passado sobre o fim da sua carreira, como se sente agora ao voltar a brindar seus fiéis seguidores com esta obra?

É uma felicidade tremenda poder estar apta para seguir com o meu trabalho e fazer aquilo que amo. Não poderia estar mais satisfeita porque no final tudo acaba bem.

as cargas mais recentes

Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

há 1 ano
Descendente de uma família artísticamente rica, Emanuel de Carvalho Fernandes da Silva ou simplesmente Jackes Di, dá continuidade ao legado apresentando-se como um artista multifacetado, sendo exímio tocador de guitarra e também canta.

Maya Cool e Matias Damásio apresentam “Minha Princesa” aos fãs

há 7 meses

Certified Lover Boy revela um Drake mais voltado para o R&B

há 3 semanas
Com 21 músicas no total, CLB tem a duração de quase uma hora e meia e, dentro da sua longa tracklist há algumas revelações emocionantes e surpresas sugerindo uma nova direcção mais focada em R&B para o cantor/rapper.

Documentário `Reino do Kongo: Em busca do reino destruído´ já cumpre agenda internacional

há 3 meses
Após a exitosa estreia em Luanda, o documentário `Reino do Kongo: Em busca do reino destruído´ segue viagem para o Reino Unido, França, Bélgica, Brasil, Argentina, Estados Unidos, Canadá e Caraíbas.

Playlist de Carlos Almeida

há 9 meses
O antigo capitão da selecção nacional de basquetebol, agora Secretário do Estado dos Desportos, Carlos Almeida, enviou-nos a sua playlist de 2020, onde constam os seus temas preferidos, ou seja as músicas que mais ouviu.

Morreu o jornalista Edgar Cunha

há 1 ano
Morreu hoje, em Portugal, vítima de doença, o jornalista da Televisão Pública de Angola (TPA) Edgar Cunha, um dos principais rostos dos serviços noticiosos na estação.

Patrícia Faria é o novo rosto da Zap Viva

há 1 ano
Depois de três anos a dirigir o “Calientíssimo”, na rádio MFM, Patrícia Faria prepara-se para mais um desafio. Brevemente, a cantora vai conduzir um novo programa de TV, no canal Zap Viva.

Afinal vidas angolanas também importam

há 1 ano
A classe artística angolana quebrou o silêncio e decidiu dar um basta à indiferença perante a brutalidade e violência policial que, vezes sem conta, resultaram em mortes, como foi o mais recente caso de José Manuel, morto à tiro no Prenda.

Bigger Love: Novo álbum de John Legend celebra a música negra

há 1 ano
John Legend tornou pública a capa e a track list do seu novo álbum, a ser lançado dia 19 de Junho, com recurso à riqueza da música negra tradicional, o artista quer levar alegria e esperança ao movimento Black Live Matter.

Gerilson Insrael apresenta “Quarentena”

há 1 ano
O músico Gerilson Insrael coloca hoje (sexta-feira), às 20 horas, o seu novo single a disposição dos fãs, em todas as plataformas digitais.

Show do Mês apresenta último grande show de Waldemar Bastos em Angola

há 1 ano
O Show do Mês leva este sábado as emoções do último grande espectáculo de Waldemar Bastos, músico falecido na passada segunda-feira e que foi ontem a enterrar no Cemitério da Galiza, em Portugal.

Meduza escolhida para representar rappers angolanas no cypher do Dia Internacional da Mulher

há 7 meses

Tudo Que Sei: Novo tema em Kizomba reafirma ecletismo de Sandra Cordeiro

há 3 meses

ORLEI: Há 10 anos a provar que o Rock em Angola já não morrerá

há 1 ano
Devido sua magnitude, O Rock Lalimwe Eteke Ifa ” O Rock Nunca Mais Morrerá ” confunde-se com as celebrações da fundação da cidade do Huambo. Este ano, o evento assinala o 10° aniversário e a organização reinventou-se e trouxe 10 dias de espectáculos intensos com as principais bandas de Rock nacional.

Show Piô regressa no dia 31 de Outubro

há 12 meses
O projecto de promoção da música infantil das décadas de 80, 90 e 2000, denominado Show Piô, estará de volta no dia 31 de Outubro, depois da ausência em 2019. Mais uma vez, o objectivo é “transformar” os adultos de “hoje” em crianças de “ontem”.

Filme de estreia de Gilmário Vemba é o mais visto dos cinemas nacionais

há 6 meses
A tragicomédia `A Dívida´ chegou às salas de cinema no passado dia 26 de Fevereiro e foi visto, até a semana finda, por cerca de sete mil pessoas, atingindo assim a marca de filme produção local mais visto nos cinemas nacionais.