Artista plástico Osvaldo Ferreira expõe “as rupturas” do espaço público luandense

Com mais de 200 produções artísticas, Osvaldo Ferreira volta à ribalta e traz a história social do quotidiano luandense em 20 peças de arte.

O artista plástico propõe novos caminhos para a arte figurativa angolana, através de uma amostra petente na galeria do Banco Económico, em Luanda.

Composto por 20 peças, no trabalho, o autor elabora uma “práxis local”, denunciando a eclosão, ao mesmo tempo que defende a busca de um novo estatuto para a imagem da continuidade e descontinuidade geracional que se encena no espaço público urbano.

A colecção resulta de um intenso processo investigativo que, com a galeria This Is Not A White Clube, o artista vem desenvolvendo e podem ser apreciadas, gratuitamente, de segunda a sexta-feira, das 10h00 às 17h00 ou sábados, das 10h00 às 13h00, na sede do Banco Económico, Mutamba.

Distinguido, no ano passado, com o Grande Prémio de Pintura, ENSA Arte 2020, Osvaldo Ferreira ostenta um currículo profissional invejável. É dos primeiros angolanos a ter formação superior em Artes Visuais em Angola e seus trabalhos são consumidos em países como Estados Unidos da América, Israel, Itália, Roménia, Reino Unido, Espanha Portugal e este ano vai expôr na Town Art Fair 2021, África do Sul. 


Integra a lista dos primeiros artistas angolanos a conseguir formação superior na área. Em que circunstâncias começou a perceber que precisava de formação universitária?

Tomei consciência que tinha aptidão para a pintura mas igualmente que o talento e a inspiração por si só não bastam. O meio artístico é um meio complexo e com uma profissionalização crescente. A formação é extremamente importante para melhorar a qualidade da produção e desenvolver conhecimentos técnicos.  Alia-se o dom à ciência!

Até onde isso lhe foi benéfico?

Ajudou a adquirir conhecimentos práticos e teóricos importantes e que me são muito úteis hoje em dia. Ajudou a promover a autorreflexão e o espírito crítico e deu-me ferramentas para conseguir conciliar a exploração da componente prática com a pesquisa teórica. Foi ainda um forte impulso para o envolvimento no meio artístico. Naturalmente que a formação académica que fiz é apenas um começo. O enriquecimento de conhecimentos e a pesquisa são necessariamente um processo contínuo.

E acaba por evidenciar esta continuidade na presente exposição…

À exposição está subjacente, numa primeira instância, um princípio de mudança e de ruptura. Apresento uma série inédita de trabalhos ligados a uma formulação estética, que é fruto de um processo de investigação e experimentação continuada a que me dediquei ao longo do último ano.

Que caminhos teve que trilhar para obter o resultado da amostra?

Foi um processo bastante meticuloso que me propus empreender num momento pautado pelos condicionalismos impostos pela pandemia, que nos obrigaram globalmente a uma revisão de posicionamento no meio artístico. Foi também neste mesmo ano que se sedimentou a minha relação com a galeria This Is Not A White Cube, com quem firmei um contrato de representação e com a qual, desde 2020, tenho vindo a trabalhar num processo imersivo. A equipa curatorial da galeria procurou estimular em mim o aprofundamento dos processos metodológicos, de pesquisa e de construção de espírito crítico face às práticas locais para a partir daí encontrar o meu próprio espaço no meio artístico e o meu próprio vocabulário estético e plástico.

Esta vocabulário estético traduz-se na relação de continuidade e descontinuidade intergeracional, que é hoje uma discussão nas artes plásticas angolanas. Em que aspectos a nova vaga de artistas plásticos pode se rever nesta na Dissidência Extragante?

Há uma geração que está a fazer emergir um novo olhar sobre África através das artes, seja por via da afirmação da tradição, seja  por via da redefinição dessa herança e desse legado. Nascem outras normas, outros princípios e valores. Vivemos um momento único, em que a própria História da Arte de Angola e do Continente está a ser reescrita e isso não pode ser, senão inspirador e impulsionador de crescimento e de mudança. Vivemos igualmente um momento em que a Globalização se adensa e é no contrabalançar destas duas realidades que reside essa noção de uma relação de continuidade/ descontinuidade intergeracional. Diz-se que a arte contemporânea é o espelho do seu tempo e a obra que produzo não foge a essa condição. Há nela um equilíbrio entre tradição e contemporaneidade, há nela a marca de um legado e simultaneamente a busca por um renovar de linguagens. As cores exuberantes e a citação e reinvenção dos padrões têxteis tradicionais são talvez a marca mais evidente deste princípio. Além de uma paleta opulenta, integro com frequência elementos que reportam à tradição têxtil africana, cujos padrões recupero e reinvento. Trata-se de uma alusão à tradição que se renova e se deixa contaminar na contemporaneidade.   
Que Osvaldo o processo criativo de “Dissidência Extravagante” ajudou a revelar?

A mostra “Dissidência Extravagante” é fruto de um processo denso. Esse processo trouxe-me uma maior profissionalização, novas ferramentas de investigação e de experimentação. Foi um processo de capacitação e que revelou um Osvaldo mais consciente e comprometido com a exploração e recuperação de aspectos ligados às tradições autóctones e à cultura relacional do continente africano.

as cargas mais recentes

50 Cent perde a cabeça e parte para agressão

há 2 anos
O líder da G-Unit perdeu a compostura e partiu para agressão contra um homem, lançando-o com uma mesa e várias cadeiras durante um convívio na passada quinta-feira num restaurante, em Nova Jérsia.

Festival do cinema tunisino arranca em formato digital

há 2 anos
A terceira edição do Festival do Cinema Documentário Mediterrâneo na Tunísia (DocuMed), que arrancou ontem, será realizado em edição digital, devido à crise sanitária mundial da covid-19, indicaram os organizadores.

Dr. Dre inclui dois artistas surdos à sua performance no intervalo do Super Bowl

há 3 meses
Sean Forbes e Warren Snipe farão história no Super Bowl, já neste domingo. Ao lado Eminem, Snoop Dogg, Kendrick Lamar e Mary J. Blige, a convite de D. Dre, ambos rappers surdos tornar-se-ão os primeiros intérpretes da ASL a apresentar canções do segmento em Linguagem Gestual Americana, em 55 anos de história.

Cloe Management anuncia mega espectáculo solidário

há 2 anos
O live está marcado para as 20 horas de 27 deste mês e vai reunir djs e artistas dos mais variados estilos musicais para recolha de bens de primeira necessidade. Em primeira mão, os intervenientes falam à Carga sobre os preparativos do primeiro mega espectáculo solidário angolano.

Dani Alves, ex-jogador do Barça, compõe música para ajudar ONU a combater o Covid-19

há 1 ano
Intitulada “Avião”, foi idealizada e produzida pelo artista brasileiro Afonso Nigro. A canção traz contribuições dos músicos Maurício Monteiro e Milton Guedes e Jefferson Andrade.

Oluali Records: A label que promete conectar Angola ao mundo

há 2 anos
O ano 2020 está a ser marcado por várias adversidades a todos os níveis, obrigando os artistas e produtoras a reinventarem-se e a procurarem novas formas de trabalhar. E é neste um contexto que nasce a Oluali Records, uma label que se propõe a prepõe a criar pontes entre Angola e o mundo.

Exposição `António Agostinho Neto na Primeira Pessoa´ para ver até ao dia 30 de Setembro

há 9 meses
Em alusão ao 99ª aniversário natalício do patrono da Nação, o Memorial António Agostinho Neto em parceria com o Belas Shopping, realiza a exposição fotográfica intitulada `António Agostinho Neto na Primeira Pessoa´. Inaugurada no passado dia 1 de Setembro, pode ser visitada naquela unidade comercial até ao dia 30.

Sadia e Unison rubricam acordo de cobranças digitais na União Europeia e Reino Unido

há 10 meses
A Entidade de Gestão Colectiva Angolana e a Espanhola Unison anunciam um acordo de representação para arrecadação dos direitos digitais na Europa para o repertório de mais de 35 mil músicas confiadas por autores, artistas e editoras angolanas à SADIA.

Após especulações de internamento por Covid-19 Anitta recebe alta hospitalar

há 1 ano

Estreia do vídeo oficial de “No Woman No Cry” marca o Dia do Reggae

há 2 anos
Hoje é Dia Internacional do Reggae. Este género musical contribuiu para a consciencialização sobre questões de injustiça, resistência, amor e irmandade. A data está a ser marcada com reedições dos trabalhos de Bob Marley, cujo destaque recai para o vídeo clípe oficial de “No Woman No Cry” e a venda do álbum “Legend”.

Capicua celebra 10 anos do seu álbum de estreia em concerto

há 3 meses
No passado dia 13 de Fevereiro, o álbum homónimo da cantora completou uma década desde que foi apresentado ao público. Para celebrar os temas que marcaram o seu percurso, a rapper vai, nos dias 25 de Fevereiro e 4 de Março, apresentar-se em concerto no Plano B (Porto) e Music Box (Lisboa) respectivamente.

Mungueno: Rappers imortalizam Waldemar Bastos em nova EP

há 1 ano
Pensólogo, Kamesu, Ikonoklasta, Haudas, Flagelo Urnano, Mono Sterio, Grand F e Franchoddas, vão rimar por cima de samples e vozes de Waldemar Bastos, deixando um registo do melhor da nova e velha geração do Rap nacional.

Liz Lyrics se auto-afirma em nova EP ‘Hate Me Now’

há 1 ano
A ser lançada no próximo dia 5 de Maio, ‘Hate Me Now’ é o 14° trabalho do rapper e, a prova de que é um talento a não faltar na sua playlist.

Documentário feito para limpar imagem de Karol Conká defrauda expectativas

há 1 ano

Bottles: Luy M testa popularidade com novo single

há 12 meses
Botlles, (re)apresenta o MC de raiz que vai doravante trabalhar de forma independente, aspirando que os novos tempos lhe tragam novas conquistas e, é também a primeira promocional da próxima EP, que será lançada no próximo mês de Agosto e intitular-se-á “2.3.6” e cuja playlist é partilhada em primeira mão à Carga Magazine.

Paulo Amaral apresenta-se na Galeria Tamar Golan com a exposição “100 Kigila”

há 2 semanas
O artista angolano Paulo Amaral vai apresentar-se no próximo dia 06 de Maio de 2022, Sexta-feira, pelas 18 horas, na Galeria Tamar Golan, com “100 Kigila”, uma exposição individual que ficará patente ao público até ao dia 27 de Maio de 2022. Podendo ser visitada de Segunda a Sexta-feira, das 9h00 às 17h00, na galeria de arte contemporânea da Fundação Arte e Cultura.