Artista plástico Osvaldo Ferreira expõe “as rupturas” do espaço público luandense

Com mais de 200 produções artísticas, Osvaldo Ferreira volta à ribalta e traz a história social do quotidiano luandense em 20 peças de arte.

O artista plástico propõe novos caminhos para a arte figurativa angolana, através de uma amostra petente na galeria do Banco Económico, em Luanda.

Composto por 20 peças, no trabalho, o autor elabora uma “práxis local”, denunciando a eclosão, ao mesmo tempo que defende a busca de um novo estatuto para a imagem da continuidade e descontinuidade geracional que se encena no espaço público urbano.

A colecção resulta de um intenso processo investigativo que, com a galeria This Is Not A White Clube, o artista vem desenvolvendo e podem ser apreciadas, gratuitamente, de segunda a sexta-feira, das 10h00 às 17h00 ou sábados, das 10h00 às 13h00, na sede do Banco Económico, Mutamba.

Distinguido, no ano passado, com o Grande Prémio de Pintura, ENSA Arte 2020, Osvaldo Ferreira ostenta um currículo profissional invejável. É dos primeiros angolanos a ter formação superior em Artes Visuais em Angola e seus trabalhos são consumidos em países como Estados Unidos da América, Israel, Itália, Roménia, Reino Unido, Espanha Portugal e este ano vai expôr na Town Art Fair 2021, África do Sul. 


Integra a lista dos primeiros artistas angolanos a conseguir formação superior na área. Em que circunstâncias começou a perceber que precisava de formação universitária?

Tomei consciência que tinha aptidão para a pintura mas igualmente que o talento e a inspiração por si só não bastam. O meio artístico é um meio complexo e com uma profissionalização crescente. A formação é extremamente importante para melhorar a qualidade da produção e desenvolver conhecimentos técnicos.  Alia-se o dom à ciência!

Até onde isso lhe foi benéfico?

Ajudou a adquirir conhecimentos práticos e teóricos importantes e que me são muito úteis hoje em dia. Ajudou a promover a autorreflexão e o espírito crítico e deu-me ferramentas para conseguir conciliar a exploração da componente prática com a pesquisa teórica. Foi ainda um forte impulso para o envolvimento no meio artístico. Naturalmente que a formação académica que fiz é apenas um começo. O enriquecimento de conhecimentos e a pesquisa são necessariamente um processo contínuo.

E acaba por evidenciar esta continuidade na presente exposição…

À exposição está subjacente, numa primeira instância, um princípio de mudança e de ruptura. Apresento uma série inédita de trabalhos ligados a uma formulação estética, que é fruto de um processo de investigação e experimentação continuada a que me dediquei ao longo do último ano.

Que caminhos teve que trilhar para obter o resultado da amostra?

Foi um processo bastante meticuloso que me propus empreender num momento pautado pelos condicionalismos impostos pela pandemia, que nos obrigaram globalmente a uma revisão de posicionamento no meio artístico. Foi também neste mesmo ano que se sedimentou a minha relação com a galeria This Is Not A White Cube, com quem firmei um contrato de representação e com a qual, desde 2020, tenho vindo a trabalhar num processo imersivo. A equipa curatorial da galeria procurou estimular em mim o aprofundamento dos processos metodológicos, de pesquisa e de construção de espírito crítico face às práticas locais para a partir daí encontrar o meu próprio espaço no meio artístico e o meu próprio vocabulário estético e plástico.

Esta vocabulário estético traduz-se na relação de continuidade e descontinuidade intergeracional, que é hoje uma discussão nas artes plásticas angolanas. Em que aspectos a nova vaga de artistas plásticos pode se rever nesta na Dissidência Extragante?

Há uma geração que está a fazer emergir um novo olhar sobre África através das artes, seja por via da afirmação da tradição, seja  por via da redefinição dessa herança e desse legado. Nascem outras normas, outros princípios e valores. Vivemos um momento único, em que a própria História da Arte de Angola e do Continente está a ser reescrita e isso não pode ser, senão inspirador e impulsionador de crescimento e de mudança. Vivemos igualmente um momento em que a Globalização se adensa e é no contrabalançar destas duas realidades que reside essa noção de uma relação de continuidade/ descontinuidade intergeracional. Diz-se que a arte contemporânea é o espelho do seu tempo e a obra que produzo não foge a essa condição. Há nela um equilíbrio entre tradição e contemporaneidade, há nela a marca de um legado e simultaneamente a busca por um renovar de linguagens. As cores exuberantes e a citação e reinvenção dos padrões têxteis tradicionais são talvez a marca mais evidente deste princípio. Além de uma paleta opulenta, integro com frequência elementos que reportam à tradição têxtil africana, cujos padrões recupero e reinvento. Trata-se de uma alusão à tradição que se renova e se deixa contaminar na contemporaneidade.   
Que Osvaldo o processo criativo de “Dissidência Extravagante” ajudou a revelar?

A mostra “Dissidência Extravagante” é fruto de um processo denso. Esse processo trouxe-me uma maior profissionalização, novas ferramentas de investigação e de experimentação. Foi um processo de capacitação e que revelou um Osvaldo mais consciente e comprometido com a exploração e recuperação de aspectos ligados às tradições autóctones e à cultura relacional do continente africano.

as cargas mais recentes

Raúl Duarte por mais um ano no Interclube

há 2 anos
A direcção do Interclube renovou hoje (quinta-feira) o contrato de trabalho com o técnico Raúl Duarte, por mais uma temporada a frente da equipa sénior masculina de basquetebol.

Artistas angolanos estarão no cruzeiro de Alexandre Pires

há 2 anos
O músico brasileiro estará a protagonizar um espectáculo em alto-mar durante três dias, com convidados bem conhecidos, entre os quais Seu Jorge e Alcione.

Tunjila Twajokota: “Ninguém mais quer saber de nós”

há 3 anos
Os músicos contaram ao Jornal de Angola que as coisas começaram de mal a pior a partir de 2014, após o lançamento do quarto e último disco “Kudiva”, fundamentado que o sucesso e a fama do conjunto não foi proporcional aos valores monetários, porque as produtoras não honraram com os compromissos, não lhes davam valores completos.

Swizz Beatz agradece reconhecimento do Grammy, mas desaconselha artistas a se iludirem por premiações

há 2 anos
O mega produtor usou a conta oficial do Instagram para partilhar uma reflexão sobre o Grammy: “Um troféu de 200 dólares não define quem somos”.

Sebem: homenageado ao nível do seu palmarés

há 2 anos
A TV Zimbo transmitiu o show de homenagem ao Sebem. Foi um momento memorável para nossa cultura, sendo este género musical uma das referências da cultura angolana.

Sabia que J. Cole é o único rapper indicado em todas categorias do género no Grammy 2022?

há 1 ano
Desta vez, Cole conseguiu uma façanha incrível, o rapper é o único a ser indicado em todas as categorias envolvendo Rap/Hip-Hop no Grammy de 2022, referente a 64° edição.

De Young Double a RZA, confira os lançamentos de ontem

há 11 meses
As sextas-feiras têm sido o dia de eleição de alguns artistas para “liberar” projectos novos, ou apenas faixas para a manutenção da carreira. Como tem sido da praxe, as plataformas de streaming receberam ontem, novos trabalhos hoje, desta vez com os artistas Young Double e Anna Joyce, Hostil & Marcial, o americanos RZA, bem como o lendário grupo Onyx.

Kiari Flores “alfineta” agentes na sua música de estreia a solo

há 3 meses
Intitulado ‘Agentes’, o single que já se encontra disponível em todas as plataformas de streaming, marca a estreia a solo de Kiari Flores e mais do que uma libertação criativa, é um desabafo direccionado aos agentes.

Burna Boy: “Não importa onde estejas, nem o que pensas fazer, se acreditares em ti alcançarás tudo o que quiseres”

há 2 anos
Ao reagir à vitória, Burna Boy emocionou com um improvisado discurso em Inglês e Iorubá.

Dr. Dre pergunta ao público quem estaria a “altura” de competir com Eminem e Swizz  Beatz responde

há 1 ano
Dos fãs de Dre e Eminem especulava-se que a legenda anunciava um álbum do produtor com a participação de Slim Shady, mas não passou de dizeres, porque Swizz  Beatz clarificou, respondendo a Dr. Dre que “Busta Rhymes” seria capaz.

Tyrese Gibson revela perda de papéis por causa da sua tez de pele e afirma que o colorismo ainda é um problema em Hollywood

há 1 ano
Em entrevista ao podcast ‘Leah’s Lemonade’, Tyrese Gibson fez o mundo saber que está dentro desta estatística do racismo estrutural.

Emanuel Mendes: Tenor angolano “mistura” Massemba e Fado

há 2 anos
Com saída inicialmente prevista para o final de 2020, o disco de estreia do tenor Emanuel Mendes foi adiado para o primeiro trimestre de 2021 por conta da pandemia. Entre os temas, destaque para fusão entre o Massemba (Angola) e o Fado (Portugal).

Festival Internacional de Banda Desenhada e Animação acontece de 10 a 24 de Setembro

há 1 ano
Para este ano, de acordo com o comunicado, por conta da pandemia da Covid-19, infelizmente o dia de abertura do evento, terá uma restrição de acesso às pessoas mas todos poderão acompanhar via on-line no link que iremos disponibilizar em tempo oportuno.

Mariza grava álbum em homenagem a Amália Rodrigues

há 2 anos
Com o título “Mariza Canta Amália”, o disco visa homenagear um dos grandes nomes do cancioneiro português, falecida em 1999.

Momentos antes de ser assassinado, Tupac Shakur revelou a Keyshia Cole que queria deixar a Death Row Records

há 2 anos
Embora não foi confirmado por ninguém quando ambos tiveram a conversa, Keyshia revelou que Shakur disse a ela que “planeava da Death Row para assinar com Quincy Jones”, e queria que ela fosse com ele, porque a Death Row não era lugar para crianças, estando ela com 16 anos, na altura.

INAGBE anuncia bolsa de estudos para músicos

há 3 anos
As candidaturas estarão abertas até 1 de Julho próximo e dirige-se aos interessados em obter o grau de licenciatura ou pós-graduação e residências artísticas nas áreas de música, dança e teatro.