Artista plástico Osvaldo Ferreira expõe “as rupturas” do espaço público luandense

Com mais de 200 produções artísticas, Osvaldo Ferreira volta à ribalta e traz a história social do quotidiano luandense em 20 peças de arte.

O artista plástico propõe novos caminhos para a arte figurativa angolana, através de uma amostra petente na galeria do Banco Económico, em Luanda.

Composto por 20 peças, no trabalho, o autor elabora uma “práxis local”, denunciando a eclosão, ao mesmo tempo que defende a busca de um novo estatuto para a imagem da continuidade e descontinuidade geracional que se encena no espaço público urbano.

A colecção resulta de um intenso processo investigativo que, com a galeria This Is Not A White Clube, o artista vem desenvolvendo e podem ser apreciadas, gratuitamente, de segunda a sexta-feira, das 10h00 às 17h00 ou sábados, das 10h00 às 13h00, na sede do Banco Económico, Mutamba.

Distinguido, no ano passado, com o Grande Prémio de Pintura, ENSA Arte 2020, Osvaldo Ferreira ostenta um currículo profissional invejável. É dos primeiros angolanos a ter formação superior em Artes Visuais em Angola e seus trabalhos são consumidos em países como Estados Unidos da América, Israel, Itália, Roménia, Reino Unido, Espanha Portugal e este ano vai expôr na Town Art Fair 2021, África do Sul. 


Integra a lista dos primeiros artistas angolanos a conseguir formação superior na área. Em que circunstâncias começou a perceber que precisava de formação universitária?

Tomei consciência que tinha aptidão para a pintura mas igualmente que o talento e a inspiração por si só não bastam. O meio artístico é um meio complexo e com uma profissionalização crescente. A formação é extremamente importante para melhorar a qualidade da produção e desenvolver conhecimentos técnicos.  Alia-se o dom à ciência!

Até onde isso lhe foi benéfico?

Ajudou a adquirir conhecimentos práticos e teóricos importantes e que me são muito úteis hoje em dia. Ajudou a promover a autorreflexão e o espírito crítico e deu-me ferramentas para conseguir conciliar a exploração da componente prática com a pesquisa teórica. Foi ainda um forte impulso para o envolvimento no meio artístico. Naturalmente que a formação académica que fiz é apenas um começo. O enriquecimento de conhecimentos e a pesquisa são necessariamente um processo contínuo.

E acaba por evidenciar esta continuidade na presente exposição…

À exposição está subjacente, numa primeira instância, um princípio de mudança e de ruptura. Apresento uma série inédita de trabalhos ligados a uma formulação estética, que é fruto de um processo de investigação e experimentação continuada a que me dediquei ao longo do último ano.

Que caminhos teve que trilhar para obter o resultado da amostra?

Foi um processo bastante meticuloso que me propus empreender num momento pautado pelos condicionalismos impostos pela pandemia, que nos obrigaram globalmente a uma revisão de posicionamento no meio artístico. Foi também neste mesmo ano que se sedimentou a minha relação com a galeria This Is Not A White Cube, com quem firmei um contrato de representação e com a qual, desde 2020, tenho vindo a trabalhar num processo imersivo. A equipa curatorial da galeria procurou estimular em mim o aprofundamento dos processos metodológicos, de pesquisa e de construção de espírito crítico face às práticas locais para a partir daí encontrar o meu próprio espaço no meio artístico e o meu próprio vocabulário estético e plástico.

Esta vocabulário estético traduz-se na relação de continuidade e descontinuidade intergeracional, que é hoje uma discussão nas artes plásticas angolanas. Em que aspectos a nova vaga de artistas plásticos pode se rever nesta na Dissidência Extragante?

Há uma geração que está a fazer emergir um novo olhar sobre África através das artes, seja por via da afirmação da tradição, seja  por via da redefinição dessa herança e desse legado. Nascem outras normas, outros princípios e valores. Vivemos um momento único, em que a própria História da Arte de Angola e do Continente está a ser reescrita e isso não pode ser, senão inspirador e impulsionador de crescimento e de mudança. Vivemos igualmente um momento em que a Globalização se adensa e é no contrabalançar destas duas realidades que reside essa noção de uma relação de continuidade/ descontinuidade intergeracional. Diz-se que a arte contemporânea é o espelho do seu tempo e a obra que produzo não foge a essa condição. Há nela um equilíbrio entre tradição e contemporaneidade, há nela a marca de um legado e simultaneamente a busca por um renovar de linguagens. As cores exuberantes e a citação e reinvenção dos padrões têxteis tradicionais são talvez a marca mais evidente deste princípio. Além de uma paleta opulenta, integro com frequência elementos que reportam à tradição têxtil africana, cujos padrões recupero e reinvento. Trata-se de uma alusão à tradição que se renova e se deixa contaminar na contemporaneidade.   
Que Osvaldo o processo criativo de “Dissidência Extravagante” ajudou a revelar?

A mostra “Dissidência Extravagante” é fruto de um processo denso. Esse processo trouxe-me uma maior profissionalização, novas ferramentas de investigação e de experimentação. Foi um processo de capacitação e que revelou um Osvaldo mais consciente e comprometido com a exploração e recuperação de aspectos ligados às tradições autóctones e à cultura relacional do continente africano.

as cargas mais recentes

Etona apresenta obra ao ar livre

há 1 ano
O artista plástico António Tomás “Etona” vai inaugurar, no dia 31 de Julho, uma exposição com a peça única intitulada “Cegueira da Justiça”, em homenagem a mulher africana.

Playlist de Carlos Almeida

há 10 meses
O antigo capitão da selecção nacional de basquetebol, agora Secretário do Estado dos Desportos, Carlos Almeida, enviou-nos a sua playlist de 2020, onde constam os seus temas preferidos, ou seja as músicas que mais ouviu.

Já está disponível o segundo single da saga `Quarentena Rija´

há 1 ano
`Relationship Goals´ é cantada por Prodígio, Don G e Deezy e conta com a produção de Adjane Rafael e Juzicy, baixos de Ivo Magic e scratchs do DJ Fifty.

Autora de “Harry Potter” publica novo livro a título gratuito

há 1 ano
JK Rowling, autora de Harry Potter, disponibilizou para download gratuito um novo livro de aventuras. A edição física será feita em Novembro, os valores das vendas servirão para combater o Covid-19. A escritora pede aos leitores que enviem desenhos para adaptar à obra.

Kamesu: “O rapper é um artista que não tem nenhum compromisso com a cultura”

há 10 meses
Durante 20 anos, o rapper viu-se obrigado a trancar-se no estúdio para preparar o seu primeiro disco, uma obra interventiva e afro-centrada, que traz participações de Kid MC, Kool Klever, Ndaka Yo Wini, Loromance, Mono Stereo e a poetisa Sankofa. O álbum será autografado já este sábado, no Elinga Teatro, em Luanda.

Pelé grava música para festejar 80º aniversário

há 12 meses
O lendário futebolista brasileiro Pelé está a três dias de completar 80 anos e brindou os fãs com uma canção escrita e cantada por si, intitulada ‘Acredita no Veio’, agora gravada em colaboração com a dupla mexicana Rodrigo y Gabriela.

Sabia que hoje é considerado o Dia Mundial da Dança?

há 1 ano
Institucionalizado pelo Comité Internacional da Dança (CID) da UNESCO em 1982, o Dia Mundial da Dança é celebrado na data de nascimento do bailarino e mestre de bailado Jean-Georges Noverre (1727-1810), considerado um dos pioneiros da dança moderna.

Luandina e Nagrelha juntos em nome da população

há 1 ano
Depois do show live no Domingo passado, na Zimbo, que liderou as audiências, com o patrocínio da Luandina, reuniu-se com a equipa de marketing e Administração da Sodiba no sentido de apresentar os diversos projectos que tem em mente para ajudar a melhorar a vida das comunidades em que tem maior influência. Foram debatidas ideias e planeados os próximos passos para transformar sonhos em realidade.

Após ser acusada de Islamofobia, Rihanna pede desculpas aos fãs muçulmanos

há 1 ano
Após a polémica que envolveu o último desfile da “Savage x Fenty” cuja detentora é Rihanna, a cantora usou o seu Instagram pessoal para tornar público um pedido de desculpas direccionado à comunidade muçulmana.

Produtores de Afro House mais requisitados da actualidade revelam hegemonia no`Desfile de hits´

há 1 ano
A Carga apresentou ontem os maiores produtores de Afro House do país. Durante o Repertório, ficou-se a saber que Vado Poster e Dj Habias produziram sucessos como “Lhe Traíram” (Os Moikanos), “Tic Taá” (Scro Q Cuia e Nerú Americano), “Wamona” (Nagrelha e Puto Prata), “Kapota” (Noite e Dia) e tantos outros descritos abaixo.

T-Pain lança livro de cocktails ‘Can I Mix You a Drink?’

há 5 meses
O nativo de Tallahassee partilhou que a ideia surgiu em conjunto com a autora Kathy Iandoli e, que no intuito de fazer algo inovador na sua carreira, este conceito, de combinar a paixão pela música com o amor por beber. E em vez de te comprar uma bebida, desta vez, T-Pain vai mostrar-nos como fazer uma.

SADIA começa a pagar rendimentos a partir de Março

há 10 meses
De acordo com a nota que a Revista Carga teve acesso, a distribuição dos rendimentos do autor começa no terceiro mês de 2021 e segue nos meses de Junho, Setembro e Dezembro, neste caso trimestralmente.

Making Of: Paulo Flores recria a própria infância em novo vídeo

há 3 meses
No clipe, Paulo Flores memora uma fase da sua infância, caracteriza-se como o “requisitado discotequeiro, Cabé” e relembra durante a storytelling a origem do seu amor pelo Semba.

Sara Adriana e Mr. Carly apresentam `Tamos a Deixar´

há 2 meses
O tema estreou ontem e já faz parte das Playlists do Spotify: Dancing Kizomba e da Apple Music: A Viagem.

Mia Couto infectado com o novo Coronavírus

há 9 meses
O escritor moçambicano está sob isolamento domiciliar e alerta para as implicações profundas do Covid-19, apelando para o cumprimento das recomendações das autoridades sanitárias.

Espaço online de debates discute sobre “A Criança e o ensino das Artes plásticas”

há 1 ano
O espaço online de debate FALE CONNOSCO traz à discussão nesta sexta-feira, 25 de Setembro de 2020, das 14h às 15h30, o tema “A Criança e o ensino das Artes Plásticas”, e contará com convidados de painel o professor de Artes Plásticas e artista plástico Gilberto Kapitango e a professora de Reciclagem e Decoração, Conceição Manuel, podendo ser transmitida ao vivo na página oficial de facebook da Fundação, numa iniciativa conjunta entre a Fundação Arte e Cultura, Instituto Nacional da Criança, INAC e do Unicef Angola.