Artista plástico Osvaldo Ferreira expõe “as rupturas” do espaço público luandense

Com mais de 200 produções artísticas, Osvaldo Ferreira volta à ribalta e traz a história social do quotidiano luandense em 20 peças de arte.

O artista plástico propõe novos caminhos para a arte figurativa angolana, através de uma amostra petente na galeria do Banco Económico, em Luanda.

Composto por 20 peças, no trabalho, o autor elabora uma “práxis local”, denunciando a eclosão, ao mesmo tempo que defende a busca de um novo estatuto para a imagem da continuidade e descontinuidade geracional que se encena no espaço público urbano.

A colecção resulta de um intenso processo investigativo que, com a galeria This Is Not A White Clube, o artista vem desenvolvendo e podem ser apreciadas, gratuitamente, de segunda a sexta-feira, das 10h00 às 17h00 ou sábados, das 10h00 às 13h00, na sede do Banco Económico, Mutamba.

Distinguido, no ano passado, com o Grande Prémio de Pintura, ENSA Arte 2020, Osvaldo Ferreira ostenta um currículo profissional invejável. É dos primeiros angolanos a ter formação superior em Artes Visuais em Angola e seus trabalhos são consumidos em países como Estados Unidos da América, Israel, Itália, Roménia, Reino Unido, Espanha Portugal e este ano vai expôr na Town Art Fair 2021, África do Sul. 


Integra a lista dos primeiros artistas angolanos a conseguir formação superior na área. Em que circunstâncias começou a perceber que precisava de formação universitária?

Tomei consciência que tinha aptidão para a pintura mas igualmente que o talento e a inspiração por si só não bastam. O meio artístico é um meio complexo e com uma profissionalização crescente. A formação é extremamente importante para melhorar a qualidade da produção e desenvolver conhecimentos técnicos.  Alia-se o dom à ciência!

Até onde isso lhe foi benéfico?

Ajudou a adquirir conhecimentos práticos e teóricos importantes e que me são muito úteis hoje em dia. Ajudou a promover a autorreflexão e o espírito crítico e deu-me ferramentas para conseguir conciliar a exploração da componente prática com a pesquisa teórica. Foi ainda um forte impulso para o envolvimento no meio artístico. Naturalmente que a formação académica que fiz é apenas um começo. O enriquecimento de conhecimentos e a pesquisa são necessariamente um processo contínuo.

E acaba por evidenciar esta continuidade na presente exposição…

À exposição está subjacente, numa primeira instância, um princípio de mudança e de ruptura. Apresento uma série inédita de trabalhos ligados a uma formulação estética, que é fruto de um processo de investigação e experimentação continuada a que me dediquei ao longo do último ano.

Que caminhos teve que trilhar para obter o resultado da amostra?

Foi um processo bastante meticuloso que me propus empreender num momento pautado pelos condicionalismos impostos pela pandemia, que nos obrigaram globalmente a uma revisão de posicionamento no meio artístico. Foi também neste mesmo ano que se sedimentou a minha relação com a galeria This Is Not A White Cube, com quem firmei um contrato de representação e com a qual, desde 2020, tenho vindo a trabalhar num processo imersivo. A equipa curatorial da galeria procurou estimular em mim o aprofundamento dos processos metodológicos, de pesquisa e de construção de espírito crítico face às práticas locais para a partir daí encontrar o meu próprio espaço no meio artístico e o meu próprio vocabulário estético e plástico.

Esta vocabulário estético traduz-se na relação de continuidade e descontinuidade intergeracional, que é hoje uma discussão nas artes plásticas angolanas. Em que aspectos a nova vaga de artistas plásticos pode se rever nesta na Dissidência Extragante?

Há uma geração que está a fazer emergir um novo olhar sobre África através das artes, seja por via da afirmação da tradição, seja  por via da redefinição dessa herança e desse legado. Nascem outras normas, outros princípios e valores. Vivemos um momento único, em que a própria História da Arte de Angola e do Continente está a ser reescrita e isso não pode ser, senão inspirador e impulsionador de crescimento e de mudança. Vivemos igualmente um momento em que a Globalização se adensa e é no contrabalançar destas duas realidades que reside essa noção de uma relação de continuidade/ descontinuidade intergeracional. Diz-se que a arte contemporânea é o espelho do seu tempo e a obra que produzo não foge a essa condição. Há nela um equilíbrio entre tradição e contemporaneidade, há nela a marca de um legado e simultaneamente a busca por um renovar de linguagens. As cores exuberantes e a citação e reinvenção dos padrões têxteis tradicionais são talvez a marca mais evidente deste princípio. Além de uma paleta opulenta, integro com frequência elementos que reportam à tradição têxtil africana, cujos padrões recupero e reinvento. Trata-se de uma alusão à tradição que se renova e se deixa contaminar na contemporaneidade.   
Que Osvaldo o processo criativo de “Dissidência Extravagante” ajudou a revelar?

A mostra “Dissidência Extravagante” é fruto de um processo denso. Esse processo trouxe-me uma maior profissionalização, novas ferramentas de investigação e de experimentação. Foi um processo de capacitação e que revelou um Osvaldo mais consciente e comprometido com a exploração e recuperação de aspectos ligados às tradições autóctones e à cultura relacional do continente africano.

as cargas mais recentes

Actor luso-angolano encontrado morto

há 2 anos
O actor luso-angolano Pedro Lima foi encontrado este sábado de manhã, na Praia do Abano, morto. O alerta para as autoridades foi dado pouco depois das 8 horas.

Grupo Melim actua em Portugal

há 12 meses
O Grupo Chiado acaba de comunicar que o trio Melim está de regresso a Portugal, para dois concertos únicos: 10 de Novembro, na Super Bock Arena – Pavilhão Rosa Mota e dia 12 de Novembro, no Campo Pequeno.

Sophie Xeon morre após queda tentando ver a lua cheia

há 2 anos
SOPHIE, cantora, produtora e DJ escocesa, morreu ontem, aos 34 anos. A morte foi confirmada pela gravadora PAN e por amigos próximos.

Idoso de 100 anos arrecada o equivalente a 30 mil milhões de Kwanzas ao cantar uma música

há 2 anos

Rapper Mota Jr encontrado morto

há 2 anos
O rapper português Mota Jr foi encontrado morto segunda-feira, mas apenas ontem (terça-feira) o corpo foi identificado, pelo facto de estar em elevado estado de decomposição.

Liz Lyrics apresenta ‘Studio Session’, uma incursão à realidade social

há 2 anos
Liz Lyrics canta Rap e R&B desde 2010 e está este momento em Portugal a construir a carreira profissional. O angolano está prestes a colocar no mercado mais um projecto musical intitulado ‘Studio Session’, de 6 músicas e 6 vídeoclipes.

Decretado feriado no Senegal após vitória do CAN 2021

há 8 meses
Perante ao Senegal, doravante tudo vai passar a parecer ínfimo para uma celebração do calibre do CAN. Macky Sall, presidente do Senegal, decretou o dia após a vitória como feriado público, ou seja, um dia em que não se trabalha, mas é remunerado pelo Estado para celebrar a vitória com pompa e circunstância.

Katy Perry reage pela primeira vez às acusações de abuso sexual

há 2 anos
A cantora norte-americana vem sendo acusada de má conduta sexual em duas situações. Numa recente entrevista, Katty Perry comentou, primeira vez, sobre os alegados abusos movidos por um homem e uma mulher.

Somos o que somos: Konono Soul Music apresenta novo single do A’mosi Just a Label

há 6 meses
Somos o que somos é um single a ser lançado no dia 8 de Abril 2021. Um tema inteiramente cantado em português. Escrito, composto, produzido e actuado pelo A’mosi Just a Label.

Hochi Fu: “Andei à procura do Cleyton M no Cabo Snoop e nos Power Boys”

há 4 meses
Das mãos de Hochi Fu saíram várias figuras da música angolana, com destaque para Cabo Snoop, tido como um dos nomes mais internacionais da nossa praça, sobretudo no continente africano. Mas, esta conquista é apenas o princípio de várias outras que se esperam, porque, diz Hochi Fu, Cleyton M é o tipo de artista que sempre pensou ter na Power House desde que começou a produzir.

Primeira edição do festival de publicidade pode ser online

há 2 anos
O Festival de Publicidade e Marketing Angolano poderá ser realizado no formato digital, com transmissão streaming, se a crise pandémica em Angola não abrandar, soube hoje a Carga Magazine.

Seteca: Um nome pequeno com grandes ambições na música

há 9 meses
Com 10 anos de experiência, Seteca revela-se como a mais nova aposta do Semba e Kizomba. Seus temas “Do outro”, “Nascer do sol” e “Grande amor”, disponíveis na Internet, podem asseguar a sua permanência no mercado.

Contra toda aversão, Post Malone prova que é muito mais do que um rapper “fútil”

há 2 anos
Recente o rapper Post Malone fez uma actuação em Livestream a qual intitulou `Nirvana Tribute´, surpreendendo a tudo e todos com a demonstração do seu ecletismo, tocando e cantando Rock, numa noite em que arrecadou aproximadamente 5 milhões de dólares revertidos em doação para a OMS.

Xiri lança ‘Fé’ faixa promocional do seu quinto projecto musical

há 10 meses
‘Fé’ conta com a produção musical da Guetto Boyz Squad e traz a participação do Rapper A.S. Trata-se de uma música que aborda várias circunstâncias passadas a nível pessoal, por ambos artistas, mas que com crença e esperança, mostraram-se capacitados em ultrapassar essas mesmas situações graças a Fé.

Joãozinho Morgado: “Kizomba não é música é dança”

há 2 anos
Figura incontornável da música angolana, particularmente do género Semba, Joãzinho Morgado é uma voz autorizada para falar da música nacional, seus ritmos e tendências. Fruto dos anos de “estrada”, levanta a voz para dizer que Kizomba não é música, mas sim dança.

3ª Webinar da Universidade Hip-Hop discorre sobre o tema “Hip-Hop é uma Kultura Urbana e não um estilo de música”

há 2 anos
As actividades que começaram na passada segunda-feira, têm sido realizadas no âmbito do projecto “Semana de Apreciação da Kultura Hip-Hop”. Até ao dia 24 de Maio uma série de acções online estão programadas, e contemplam performances, fóruns de discussão e Webinars com distintos convidados dos 4 elementos núcleo da Kultura Hip-Hop. Cláudio Silva, ex-reitor da Universidade Hip-Hop, falou à Carga Magazine sobre as actividades que ainda estão por vir, em torno desta celebração.