Artista português encontra alternativa em pássaros para contornar onda de cancelamentos de shows

Gohu, pseudónimo de Hugo Veiga, é um português que vive no Brasil há 15 anos. Desde cedo, esteve ligado à música, mas a profissão como publicitário não lhe permitia explorar esse talento. O artista tem agendado para 2021 o lançamento do álbum de estreia e, para contornar a situação dos cancelamentos de shows , foi obrigado a ser muito mais criativo.

Parece, de facto, uma obra de ficção. Os artistas actualmente encontram nos lives a melhor forma de proporcionar espectáculos, por que razão optou pelos pássaros?

A ideia inicial era de fazer um pequeno show de lançamento ao vivo. Como a quarentena o impossibilitou, poderia até fazer um live, como todos os artistas estão fazendo. Mas para um artista como eu, recém-lançado e parco em fãs, ficaria difícil. Assim, surgiu a ideia de fazer algo diferente. Como partilho o corpo com o publicitário Hugo Veiga, que entende bastante sobre como criar algo que saia do lugar comum, surgiu esta ideia de treinar passarinhos a cantar as melodias de músicas do álbum e lançá-los pelos ares de Portugal, Brasil e Angola. Já que os shows ao vivo estão proibidos, as pessoas poderão escutar as músicas ao vivo, por seres vivos. Pelo menos, essa é a história que se vê nas redes sociais.

Estes pássaros são seus? De que género se trata?

Assim como os humanos, que aprendem a falar imitando as palavras, os filhotes dos pássaros aprendem a cantar copiando a vocalização das aves adultas ao longo do seu desenvolvimento. Então, pegamos nas melodias chave das minhas músicas e, em pós-produção de áudio, criamos uma versão em canto de diferentes pássaros. A música foi gravada em loop e, durante semanas, os passarinhos foram escutando as músicas.

Para cada música, foram escolhidas espécies que melhor conseguem replicar a sua musicalidade. Em Angola, não tenho certeza de que pássaros foram usados, mas no Brasil, por exemplo, usamos bem-te-vi e pardais.

Como funciona o processo?

O processo de aprendizado foi rápido e nenhum pássaro foi maltratado.

E como é que percebe que a mensagem tem chegado aos destinatários?

A acção de lançamento do álbum é tão inusitada, que várias pessoas têm enviado mensagens “rachando o bico” (expressão brasileira que significa rir muito). Essa é a reacção principal. Crio numa indústria de entretenimento e surpreender as pessoas de uma forma positiva é o que me move. Quer seja pela música, quer seja pelo jeito de a trazer ao mundo.

Há quanto tempo começou e quais têm sido as dificuldades?

O projecto do Gohu começou a ser trabalhado há cerca de um ano, mas a vontade de lançar um projecto musical sempre esteve latente ao longo da vida. A maior dificuldade é tempo. O Hugo Veiga gere o escritório de uma agência de publicidade em São Paulo, que absorve muito do seu tempo.

O processo de criação até acaba por ser muito digital. A maioria das músicas é vocalizada em áudios de Whatsapp, acompanhada de referências, que são muito bem traduzidas pelo produtor musical e amigo, Emerson Martins da bamba Music.

Referiu que a mensagem já chegou a Portugal. Estas aves andam à solta?

Vários passarinhos têm surgido em stories de várias pessoas e influencers. Se os passarinhos são reais ou não, prefiro deixar a resposta no imaginário de cada um.

Também foi forçado a cancelar shows por causa do Covid-19?

Como ainda só tenho um single lançado, não tinha nenhum show marcado.

Já começa a haver menos espaço para o Hugo, como vai gerir isso?

Como em tudo nesta vida, sempre dá para achar um equilíbrio. Até hoje, o Hugo Veiga monopolizou a agenda do Gohu. Acredito que haja agora espaço para umas apresentações ao vivo no Brasil, Portugal e até em qualquer outro país de onde surja um convite.

Sabe-se que o álbum de estreia está previsto para o próximo ano. Como andam as coisas?

O álbum ainda não tem nome, mas já tem corpo e alma. Neste momento, tenho 10 músicas produzidas, mas pode ser que mude algumas e crie outras. Vai Ficar Fixe, por exemplo, teve que ter a sua letra reescrita para fazer sentido em tempos de pandemia. Estamos vivendo um período em que as coisas mudam da manhã para a tarde. Até ao começo de 2021, data que pretendo lançar o álbum, muita coisa pode mudar.

Antes disso, se prevê alguns concertos de apresentação do mesmo?

Estou aberto e ficaria feliz se isso acontecesse.

Quando seria a possibilidade de um concerto em Portugal?

Assim que as passagens de avião forem retomadas e haja interesse do público.

Depois da música ‘Vai Ficar Fixe’, o que seguirá nos próximos 40 dias?

Nas próximas duas semanas, irei lançar um remix de “Vai Ficar Fixe” por um grande DJ brasileiro. No final de Maio ou começo de Junho será lançado o segundo single ‘A Santa levantou a Saia’, que é um hino à liberdade e aceitação pessoal. 

Que participações reservam o álbum?

Até agora, tenho dois feats confirmados com dois amigos. Um de infância, que é cantor profissional, e outro de faculdade, que é um conhecido apresentador de TV. E claro, estou aberto a outras parcerias. Adoraria cantar junto com um artista angolano.

Que palco já passou e que reserva maiores recordações ?

Música sempre foi a minha maior paixão criativa. Aos 16 anos, com amigos do clube de Atletismo que frequentava, fundei os Moda Foca (Osvaldo Barbosa, Ricardo Correia, Nuno Trindade e o Adelino), uma banda sem fãs, nem talento, que levou os vizinhos que escutavam os nossos ensaios à loucura. Ainda assim, os Moda Foca ainda deram vários concertos/shows ao vivo. O primeiro deles, aconteceu no subsolo do Padaria Bar. Deviam estar uns 15 desconhecidos e uns 15 amigos. O palco era tão pequeno, que eu tive que cantar no meio da pista “protegido” por um segurança. Os Moda Foca tocavam grunge, e a primeira música era a mais forte de todas. Assim que “Dead or Alive” elevou a sua força, o pessoal todo começou ao mosh. O segurança tentava conter a multidão (eram 30, mas pareciam 300… 3 mil).

Este foi o momento criativo mais feliz da minha vida: partilhar a minha música com amigos e 15 desconhecidos. Quem sabe agora, vou recolher memórias tão enriquecedoras quanto esta.

as cargas mais recentes

Por onde andam os Detroia?

há 2 anos
Depois do sucesso da música “Bela”, tida como “febre”, o tempo foi “tomando Paracetamol” e a febre passou. O grupo gravou outras músicas, como “Tubia”, “Envelheceu”, entre outras, mas sem o sucesso do “Bela” e nem serviram para manutenção do grupo na “boca do povo”.

Bruno Fernando apresenta fundação direccionada à inclusão social

há 12 meses

Bethânia Silva grava primeiro disco Gospel

há 2 anos
O mercado angolano poderá contar com mais um disco 100% Gospel em 2021, da autoria de Bethânia Silva, a estrela de Cabinda que quer se impor em todo país.

Produtores de Afro House mais requisitados da actualidade revelam hegemonia no`Desfile de hits´

há 2 anos
A Carga apresentou ontem os maiores produtores de Afro House do país. Durante o Repertório, ficou-se a saber que Vado Poster e Dj Habias produziram sucessos como “Lhe Traíram” (Os Moikanos), “Tic Taá” (Scro Q Cuia e Nerú Americano), “Wamona” (Nagrelha e Puto Prata), “Kapota” (Noite e Dia) e tantos outros descritos abaixo.

Travis Scott prepara-se para lançar sua própria marca de roupas

há 2 anos
Após outdoors, Air Force 1 personalizado e bonés da marca Travis Scott, o rapper prepara-se neste momento para o lançamento de uma marca de roupas de nome Cacti.

Aline Frazão fala da primeira experiência em compor para o cinema: “É muito bom poder alternar projectos”

há 2 anos
‘Ar Condicionado’ é a primeira longa-metragem de Fradique Bastos e da Produtora Geração 80 e marcará para sempre Aline Frazão. Pela primeira vez, a cantora compôs a trilha sonora de um filme e escreveu um tema para Paulo Flores.

Dr. Dre rendido ao talento de Keedron Bryant

há 2 anos
É oficial, Keedron Bryant agora está sob “alçada” de Dr. Dre. O cantor que ficou conhecido por gravar um vídeo em homenagem a George Floyd, vídeo este que se tornou viral, despertando de milhões de pessoas, incluindo Dre.

Fundação cultural eterniza nome de Wyza

há 2 anos

Chris Brown não quer batalha de hits com Usher

há 2 anos
Depois do encontro de Snoop Dogg e DMX, na passada quarta-feira e enquanto fãs de R&B estão expectantes por um encontro entre Keyshia Cole e Ashanti no Verzuz, Chris Brown antecipou-se e disse que não pretende competir com ninguém.

Morreu o comandante mais premiado do Carnaval de Luanda

há 2 anos
O comandante do grupo carnavalesco “União 10 de Dezembro”, Pedro Vidal, morreu hoje em Luanda, vítima de doença, apurou a Revista Carga.

Prodigia-Te: Prodígio lança álbum “de luxo” e proporcionar nova experiência aos fãs

há 5 meses
O rapper decidiu proporcionar uma experiência mais profunda aos fãs, com o lançamento, este domingo, nas plataformas digitais, do álbum “Prodigia-Te”, uma versão deluxe, com 7 faixas musicais.

Toty Sa´Med de quarentena em Portugal

há 2 anos
O músico angolano Toty Sa´Med “viu” cancelados os dois concertos que tinha agendado na Europa, por causa da pandemia Coronavírus.

Coronavírus: Yanick prevê maus momentos para os músicos

há 2 anos
Sem “papas na língua”, falando para a Revista Carga, o rapper Yanick Ngombo “Afroman” reconheceu que se a situação do Coronavirus se prolongar os músicos vão passar maus momentos.

Paulo Flores acaba de lançar novo álbum

há 1 ano
O álbum Independência do músico Paulo Flores já se encontra disponível em todas as plataformas digitais e de streaming e nas lojas de música. Para acompanhar o 17.° álbum, Ti Paulito disponobilizou também um videoclipe.

Filha de DMX vai participar no álbum póstumo do rapper

há 1 ano
A filha de DMX, Sonovah Hillman Jr., de 8 anos, será apresentada no próximo álbum do rapper. Espera-se que a colaboração impulsione a carreira da jovem promissora no Hip Hop.

Banda sonora do filme `Ar condicionado´chega às plataformas na sexta-feira

há 2 anos
A Geração 80 anunciou que vai disponibilizar a banda sonora do filme `Ar condicionado´, no próximo dia 2 de Outubro, sexta-feira. Composta por Aline Frazão, com a participação de Paulo Flores, a trilha estará disponível em todas as plataformas digitais.