Bonga, a lenda do Semba e símbolo da consciência africana, exaltado pela imprensa internacional

Uma caminhada de quase meio século, que se traduz em álbuns, espectáculos, bibliografias, viagens e com um único objectivo: despertar a consciência africana por meio do Semba, género que se vai tornando na sua própria antonomázia.

Bonga, a lenda angolana do Semba, assumiu o compromisso com a música há 48 anos, altura em que lançou o seu primeiro álbum “Angola 72”, uma obra sobre o então contexto, mas que foi mal compreendida na época, lembra o artista.

Depois disso, vieram mais 38 álbuns. O músico angolano é hoje conhecido mundialmente, não só pela sua arte, mas também como um símbolo da libertação e independência africana.

O modus vivendi de Bonga continua a suscitar e ser notícia na imprensa internacional. Na semana finda, voltou a ser manchete no EuroNews, como a lenda viva do Semba.

Do seu primeiro disco publicado em 1972, o autor descreve “Havia muita gente calada, muita gente acobardada, muita gente situada. Os situacionistas, que ganhavam algum dinheiro com a colonização, fossem eles brancos ou negros. É um disco que foi falar de todas essas coisas”. 

Registado com o nome José Adelino Barcelo de Carvalho Bonga, nasceu em 1942, em Kapari, Bengo. Antes de embarcar para a carreira musical, foi atleta e sagrou-se recordista de 400 metros pelo Benfica.

A voz da descolonização

Aos 23 anos, chegou a Portugal, mas os ideais políticos e a defesa da independência de Angola, na altura uma colónia portuguesa, forçaram-no ao exílio, nos Países Baixos.

A viver actualmente em Lisboa, Bonga tornou-se num grande sucesso em Angola, Portugal e um pouco por todo o mundo, chegando a ser homenageado em França pela contribuição que deu às artes.

Hoje, aos 78 anos, continua a produzir. “Kúdia kuetu”, lançado em Outubro último, é a sua mais recente canção, inspirada na gastronomia angolana.

as cargas mais recentes

“Let’s Go Crazy: The Grammy Salute To Prince” transmitido na TV

há 2 anos
Quatro anos após a morte de Prince, o concerto de homenagem ao músico que juntou, na cerimónia deste ano dos Grammys, vários nomes do rock e da pop foi transmitido na televisão norte-americana.

Kanye West revela que já foi alcoólatra: “Tomava Vodka no café da manhã”

há 2 anos
Durante uma entrevista com a revista GQ, o rapper admitiu que chegou a tomar vodka com suco de laranja no café da manhã, e comentou sobre como a pressão das nomeações o levaram parcialmente ao alcoolismo.

Galeria Tamar Golan apresenta “Nutrição Espiritual” da autoria de SBI

há 2 anos
A Galeria Tamar Golan vai apresentar “Nutrição Espiritual” do artista angolano SBI, uma exposição individual online a inaugurar-se na Sexta-feira, dia 02 de Outubro de 2020, às 18h00.

Sabia que hoje assinala-se o Dia da Música Estranha?

há 2 anos
O Dia Internacional da Música Estranha foi criado por Patrick Grant, um músico e compositor de Nova Iorque que queria colocar as pessoas a ouvirem e a tocarem tipos de música que nunca tinham ouvido e tocado antes.

Snoop Dogg: “Rappers brancos têm zero de respeito no Rap”

há 2 anos
Snoop Dogg explica porquê não considera Eminem melhor rapper de todos os tempos.

Desapego: Flagelo Urbano brinda ouvintes com nova música em dia de aniversário

há 12 meses
Não é apenas mais um single, ‘Desapego’ é um marco na carreira de Ngola Sambala que já conta mais de 20 anos. Pela primeira vez, uma música da sua autoria será acompanhada de videoclip.

Micasa está disponível para fazer participações com artistas angolanos

há 2 anos

Show do Mês com “vassouradas digital”

há 2 anos
Depois de Angola 70, Os Jovens do Prenda e Ary, é a vez dos Kiezos fazerem a transição do palco do Show do Mês, com público (ao vivo), para o digital.

Até que a vida nos separe: Série com a participação de Sílvio Nascimento já tem estreia marcada na Netflix

há 8 meses
Trata-se de uma série portuguesa que será disponibilizada em 190 países já no dia 10 de Fevereiro e que conta com participação especial do angolano Sílvio Nascimento.

Roxane Fernandez: “Se tivéssemos uma indústria musical que funcionasse como tal, já teria dado outros passos”

há 1 ano
O nome remete a um exímio intérprete, mas é só, Roxane é na verdade um profissional que já soma 20 anos de carreira e, acumula feitos e êxitos como produtor musical, criador de conteúdos televisivos, com créditos para os programa `Bar Luandina´ e está a ultimar os preparativos para a estreia de `O Meu Quintal Tem Música´.

Música de Flagelo Urbano volta a ser destaque em Universidade brasileira

há 1 ano
A música ‘Demo Sem Cracia’ da autoria de Flagelo Urbano, está em destaque no ‘Caderno Textos e Debates’ da Universidade Federal de Santa Catarina.

Escritora Helena Dias anuncia o segundo lançamento da “Ressurreição”

há 2 anos

Fredy Costa torna-se padre

há 2 anos
Padre Casimiro é o papel que o actor angolano Fredy Costa vai interpretar na nova telenovela da SIC, intitulada “Terra Brava”, cujas filmagens já decorrem.

Sambieventos, Os Lambas, Luandina e BASEL juntos contra a crise e contra a pandemia

há 2 anos

Companhia Cubico Mwangole representa Angola no projecto do Mandela Day

há 2 anos
Promovido pela organização ONE.org para África, o projecto está agora na sua segunda fase, que compreende desafios entre grupos de dança de renome do continente Africano.

Burna Boy torna-se o 1° africano a ter três albuns com 100 milhões de streams

há 1 ano
Um músico que continua a crescer e a justificar suas atribuições como as dos Grammy Awards. Damini Ebunoluwa Ogulum, ou simplesmente Burna Boy voltou a fazer história como o primeiro artista africano a atingir mais de 100 milhões de streams no Spotify, com três álbuns seguidos.