Bú Cherry- Uma voz conhecida com talentos desconhecidos: “Não havia espaço para mostrar esse outro talento”

Poucos ou quase ninguém sabe que, se tivesse oportunidade, Bú Cherry já seria hoje uma das grandes vozes do Kizomba nacional e vai concretizando sua paixão na Milionário Records.

No Kuduro, Bú Cherry já mostrou que não tem nada a provar, basta recordamos seus principais sucessos, e procura fazer o mesmo com o Kizomba. Diferente das batidas fortes acompanhadas de coreografias “exóticas” por cima dos versos, o Kizomba apresenta cadência lenta e o seu público é um pouco mais exigente, e Bú diz estar ciente disso.

Tem um percurso de aproximadamente 8 anos. Começou na Guetto Produções, passou pela Power House, hoje assume-se como uma “milionária” e decidiu exprimentar um outro estilo de música. Será que Bú Cherry vai abandonar o Kuduro, um estilo que a tornou conhecida no mundo da música?

Esta e outras perguntas, a artista responde nesta entrevista, onde também fala em álbum.

Bú Cherry- Uma voz conhecida com talentos desconhecidos: “Não havia espaço para mostrar esse outro talento”

Teve que fazer uma grande mudança na carreira: desde as letras, beats ao vestuário. Como fez para conseguir se adatar? 

Sim, tive mesmo que fazer uma grande mudança devido ao novo estilo que agora apresento aos meus fãs, não foi fácil, mas eu sou muito receptível a mudanças, então consegui me enquadrar!

Estava ciente de que a troca de estilo, implicaria muita coisa. Por que razão aceitou o desafio?

Para já, não troquei de estilo, estou a apresentar algo diferente aos meus fãs, que muitos não sabiam que existia esse meu lado e os poucos que sabiam apoiavam muito. Aceitei o desafio porque, além de gostar de desafios na minha vida profissional, eu estava ciente de que os meus fãs gostariam dessa nova “Bu Cherry”

Além das letras caracterizadas pela agressividade, o Kuduro é acompanhado pela batida forte e dança exóticas, contrário do Kizomba. Que caractericas do Kuduro levará para o teu kizomba?

A Atitude! Certeza absoluta! (Risos), tanto que em algumas actuações (quando a adrenalina tá no auge), tenho que me comedir porque agora faço kizomba! E nem de propósito, costumam me chamar “Pérola Mini” pela grande atitude e perfomance que a nossa diva tem.

O quê que está a marcar esta mudança ?

Está a marcar uma nova fase na minha fase. Faz-me ver muitas coisas de outra forma, ter ideias muito criativas e faz-me ser um ser humano multifacetado, e eu gosto disso, ( risos).

Quer dizer que ainda voltará a cantar Kuduro?

Claro que vou cantar. Vem aí um feat com uma kudurista angolana conceituada!

O que realmenten a influenciou a cantar Kizomba?

Desde sempre fiz canto, desde os meus 10/11 anos de idade! Mas, fiquei conhecida pelo Kuduro e muita gente não sabia que existia essa musicalidade dentro de mim, então, decidi começar a explorar esse outro lado.

A música “Nakuzanga” revela-a como boa compositora. Como escreveu este tema?

(Risos), com sentimento de amor que tenho pela arte, sempre!

Quem a vê cantar “És Tu” pela primeira vez, jamais pensará que cantava Kuduro. Porquê que não optou em se dedicar ao Kizomba no início de carreira?

Como já tivera dito antes, fiquei muito conhecida só pelo Kuduro e, na altura, não havia ainda espaço para mostrar esse outro talento.

Diferente do Kuduro, o público do Kizomba é mais exigent e gosta de álbuns. Quando pensa lançar o seu primeiro álbum?

Por conta dessas exigências, penso em firmar melhor o meu nome no mundo da Kizomba e quando Deus quiser, lançarei.

Para quando o álbum e que projectos tem em carteira este ano?

Muitos. Quais não posso dizer, mas rezo para que as doenças no mundo não piorem porque é só coisa boa.

Que experiências viveu e não gostaria de voltar a viver nesta nova fase da sua carreira?

Olha, graças a Deus sempre fui tão bem acompanhada profissionalmente que, sinceramente, não me lembro de viver experiências dolorosas e não as querer voltar a viver.

Qual é o seu grande objectivo com na Milionário Records?

Quero chegar ao mais alto nível possível da minha carreira, para que eu possa levantar o nome da produtora e o meu!

as cargas mais recentes

50 Cent perde a cabeça e parte para agressão

há 2 anos
O líder da G-Unit perdeu a compostura e partiu para agressão contra um homem, lançando-o com uma mesa e várias cadeiras durante um convívio na passada quinta-feira num restaurante, em Nova Jérsia.

Katy Perry adia lançamento do disco

há 2 anos
Katy Perry comunicou aos fãs que seu álbum “Smile” vai demorar mais do que o esperado, para ser lançado. Numa publicação nas redes sociais, a cantora afirmou que o disco, que estaria disponível a partir do dia 14 de Agosto, sofreu alguns atrasos na produção e será “lançado” no dia 28 do mesmo mês.

Morreu o comandante mais premiado do Carnaval de Luanda

há 2 anos
O comandante do grupo carnavalesco “União 10 de Dezembro”, Pedro Vidal, morreu hoje em Luanda, vítima de doença, apurou a Revista Carga.

Banda Maravilha: “O Semba goza de boa saúde”

há 2 anos
Fundada em 1993, a Banda Maravilha é uma das formações musicais mais profissionais da actualidade. Sua musicalidade é caracterizada pela mistura dos instrumentos tradicionais do Semba com os modernos. Em entrevista à Carga, explicam as participações de Irina Vasconcelos, Livongue e Karina Santos no novo álbum e fazem uma breve análise sobre o actual estado do Semba.

Já são conhecidos os detalhes da oitava edição do projecto “Ponte Cultural”

há 6 meses
Foi apresentado esta semana em conferência de Imprensa o Projecto Musical Voluntário, denominado “Ponte Cultural”, da Fundação Arte e Cultura. Na sua oitava edição, o projecto será pautado pelo intercambio entre os artistas de Angola Bruno M, Glória da Lu e Cleyton M, e de Israel Noa Zulu e Avner Hodorov.

Kiki Versace: “A minha carreira está em ascensão”

há 2 anos
Kiki Versace introduziu no cenário musical o Kubanger, um estilo que resulta da combinação entre o Kuduro e o Trap Banger. Hoje a vertente é bastante cultivada. O kudurista veio à Revista Carga para apresentar o seu álbum de estreia e aproveitou para esclarecer dúvidas à volta da do tipo de Kuduro que inventou há 12 anos.

Gabriel Tchiema apresenta novos projectos

há 2 anos
O músico está a preparar um novo álbum em que se esperam as participações de Rui Veloso, Salif Keita, Loko A Kanza e Edmazia Mayembe. Em conversa com a Carga, esta tarde, descreveu a obra e revelou que a mesma será antecedida de outro projecto inédito.

Fragata de Morais exaltado no Circuito Internacional de Teatro

há 2 anos
O escritor e dramaturgo angolano, Fragata de Morais, será homenageado durante 28 dias na quinta edição do Circuito Internacional de Teatro, em Luanda.

INAGBE anuncia bolsa de estudos para músicos

há 2 anos
As candidaturas estarão abertas até 1 de Julho próximo e dirige-se aos interessados em obter o grau de licenciatura ou pós-graduação e residências artísticas nas áreas de música, dança e teatro.

Ministério Público acusa equipa médica de homicídio doloso de Diego Maradona

há 1 ano
De acordo com notícias, o agravamento das acusações está ligado à publicação, no início de Maio, de um relatório da perícia, que concluiu que Maradona tinha sido “abandonado à própria sorte” pela equipa de saúde, cujo tratamento “inadequado, deficiente e temerário” levou a uma agonia lenta.

Burna Boy anuncia lançamento do próximo álbum para Agosto

há 1 ano
Passados oito meses depois da publicação de “Twice As Tall”, o músico nigeriano anuncia, para Agosto deste ano, o lançamento do próximo álbum.

Nova Energia distingue “Doutores” da música

há 2 anos
Os músicos Joãozinho Morgado (Percussão), Boto Trindade (Guitarra) e Teddy Nsingui (Guitarra) foram homenageados sábado, no encerramento da sétima temporada do Show do Mês.

‘Emoção Globo’ já tem coreografia

há 2 anos
Trata-se da coreografia proposta por Rita Alfredo, bailarina profissional angolana, ex-participante do concurso de dança ‘Bounce’, exibido pela TPA 2 entre 2010 e 2015.

Covid-19 força adiamento da cerimónia dos Grammy

há 9 meses
A cerimónia de entrega dos Grammy, edição 2022, prevista para o dia 31 de Janeiro, foi adiada por causa do elevado número de casos de Covid-19 nos Estados Unidos da América.

Elias Dya Kimwezo celebra 85 anos: “Estou feliz por isso”

há 2 anos
Há muito que a data de aniversário de Elias Dya Kimwezo mereceu atenção especial, tal como aconteceu na manhã de hoje na sua residência. Uma comitiva do Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente, encabeçada seu pelo titular, apagou com o artista as 85 velas.

Show do Mês baptiza espectáculos de 2021 com Maya Cool

há 2 anos