Chakuisa, um filho da Huíla com versatilidade para conquistar Angola

São poucos os músicos capazes de assumir e embelezar suas canções com a dor por que foram vítimas na infância, tal como faz Chakuisa, antes MC Chakuisa. O músico usa arte como instrumento de revolta e apelo à mudança de atitude, ainda que de forma dançante.

É um velho amigo da música. Começou no Hip Hop/ Rap e tem dois trabalhos no mercado, incluindo participações de peso, só que desta vez, reestruturou a sua carreira e anuncia “O Filho da Mapunda”, um Ep rico em sonoridades e com uma variedade de línguas, que homenageia o bairro onde nasceu, na Huíla.

A obra inédita e transversal é um resumo sobre o desenvolvimento artístico deste filho de Mapunda. Reúne, entre outras, participações de Nicol Ananás e retrata sobre a fuga à paternidade, a prostituição, o amor, a fraqueza e a falsidade.

Parte das letras do EP Chakuisa escreveu num momento de angústia, dor, amargura, agonia e revolta.

Chakuisa, um filho da Huíla com versatilidade para conquistar Angola

Foi pelo Rap que se tornou conhecido. Gostaria de partilhar os motivos que o fizeram mudar de estilo?
Na verdade, o Rap ou melhor o Hip Hop como movimento social e cultura foi a minha primeira escola de música. O rap foi o estilo que me fez conhecer palavras porque era necessário ler muito para se fazer uma boa composição, com o rap aprendi a ser mas interventivo.

Em 2012 quando me inscrevi na Casa da Musica (Escola de Música ) aprendi que a música era muito mais complexa que o Rap, que o Rap era um grande estilo, mas para ser completo precisava aprender mais sobre técnicas musicais. Aprendi muito na escola de música que revolucionou muito a minha musicalidade .

Nesta obra decide falar das suas lutas, derrotas e vitórias, porquê?
A vida foi sempre boa para mim porque eu nasci ,cresci e hoje sou um homem. A minha mãe não me abortou, criou-me, deu- me formação, amor e fez de mim um homem. Meu pai abandonou-me criança, nunca vi o rosto dele, passei muitas dificuldades e a primeira foi a ausência paterna, isso revoltou-me muito. Nunca vivemos no berço de ouro, mas sempre tivemos firmeza. Nesta minha obra falo muito sobre a fuga à paternidade, a prostituição, o amor, a fraqueza e a falsidade.

Eu fui abandonado e infelizmente estava a abandonar o meu filho também, eu mudei o rumo para que o meu filho não passasse o que passei, um filho nunca tem culpa pelos erros dos pais .

Se considera um homem de muitas derrotas?
A maior derrota foi quando meu pai me abandonou (emoções), isso dói-me muito e não quero que ninguém um dia passa por isso. Quando tens Deus, nunca te podes sentir derrotado, hoje digo o derrotado é meu pai porque hoje sou vencedor.

Chakuisa, um filho da Huíla com versatilidade para conquistar Angola

Diferente do anterior, neste EP reúne o RnB, Zouk, Soul e o Trap. O que quer transmitir com isso?
Quero expressar o meu crescimento musical, quero convidar vários ouvintes de diversas idades e de diversos gostos para poderem desfrutar de tudo um pouco, até porque as minhas composições dependem muito do momento que me encontro a viver .

Acompanhou quase todos os últimos desenvolvimentos da música angolana. Até que ponto isso influenciou esta obra?
Este EP, praticamente, vem mostrar que um artista nunca pode ficar estático em um só estilo; vem para provar que podemos diversificar a nossa arte, hoje a música angolana esta dinâmica como de outros países com a chegada da Internet, temos a facilidade de podermos fazer chegar mais longe nossa música apenas em um click. Está a chegar um momento melhor para a música em angola, antes dependíamos muito das rádios, tvs e blogs, hoje nós podemos gerenciar nossa carreira digitalmente podemos vender nossas músicas a distribuidoras digitais ou operadoras telefônicas em angola e Moçambique .

Em termos temáticos e produção, em que aspectos acha que esta obra poderá beneficiar a música angolana?
Trago temas como “Yena Mwana” com participação de Nicol Ananaz . É um tema que trago uma junção do Cokwe e Umbundu- uma forma de incentivar a juventude a valorizarem as nossas línguas. Músicas como “Vencedor”, que é um incentivo para as pessoas lutarem pelos seus sonhos, porque acredito que um sonho nunca morre, mas sim o sonhador, entre outros.

Antes da data de lançamento, como vai alimentar a curiosidade dos fãs?
Tenho estado a lançar singles soltos, mas ainda em julho, lanço mais um single com um vídeoclip já está tudo pronto para o lançamento.

Que Chakuisa teremos nessa nova etapa da sua carreira?
Um Chakuisa com maturidade vocal e técnica , terá Rap, bom rap neste álbum, com duas produções e participação de dois produtores rappers do Brasil, muito bom Trap Soul e Zouk.

as cargas mais recentes

Novo álbum de Matias Damásio já está disponível

há 8 meses
Trata-se de um projecto musical com seis faixas nos estilos Semba, Kizomba e Pop com participações de Filho do Zua, Aina Quach e Puto Português. Está oficialmente disponível desde ontem nas plataformas digitais.

ZAP dá Carga no Apoio às Instituições Caridosas em tempos de COVID-19

há 1 ano
Com o avanço global do COVID 19, a ZAP tem vindo a tomar as medidas necessárias para apoiar as Instituições apadrinhadas pelo projecto de responsabilidade social VIDAS ZAP, na prevenção e não propagação do Vírus.

Segundo álbum póstumo de Pop Smoke já está disponível

há 2 semanas
Faith é disponibilizado um ano após ao lançamento primeiro álbum póstumo de Pop Smoke, Shoot for the Stars, Aim for the Moon.

Burna Boy protagoniza o seu primeiro live a partir de Londres

há 9 meses
Após o lançamento de “Twice As Tall”, o músico nigeriano, adaptando-se ao novo normal, está a promover a obra. No próximo dia 18, Burna Boy vai ao ‘Live From London’ protaginozar o seu primeiro espectáculo.

Show do Mês adia concerto ‘Vozes de Março’

há 1 ano

Música de Anitta entra para a lista oficial da presidência dos EUA

há 7 meses
A cantora brasileira consta da lista oficial dos artistas cujas músicas vão tocar amanhã na chegada de Joe Biden e Kamala Harris à Casa Branca. A cerimónia será assinalada com uma emissão de hora e meia.

DH substitui Condutor na estreia de #Repertório

há 1 ano

Álbum “A Better Time” de Davido atinge mais de 213 milhões de streams em um mês

há 8 meses
O terceiro álbum de estúdio do músico nigeriano começou a deixar marcas inéditas três dias após o lançamento ao ultrapassar o fluxo acumulativo de 100 milhões, tornando-se, assim, no projecto mais rápido de um cantor Afrobeats a atingir tal marca.

Já estão ocupados 1513 lugares para o show das Gingas

há 1 ano
Após finalizada a primeira sessão de venda de ingressos para Gingas, o Reencontro, o coordenador geral do concerto, Figueira Ginga, fez um balanço da adesão de fãs e avaliou que o resultado foi “um grande sucesso”.

Racionais MC’s lançam discografia completa em vinil

há 9 meses
O grupo Racionais MC’s lançará a discografia completa em vinil a partir da segunda semana de Dezembro. A pré-venda dos álbuns, já começou ontem, informou o site brasileiro UOL.

Cantor brasileiro Belo é solto após pedido de habeas corpus

há 5 meses

Músico Vladmiro Gonga abre iniciativa para ajudar a internacionalizar clássicos angolanos

há 2 meses
O programa está a ser apoiada pelo Projecto Brilhar, integra aulas de violão e visa promover os clássicos do Semba, Kilapanga e Massemba, interpretados fundamentalmente em Kimbundu e Umbundu.

Nayo Crazy já pode voltar a cantar

há 3 meses
Apesar de ainda não se recuperar totalmente da visão perdida em 2013, Nayo Crazy já consegue enxergar minimamente e, segundo ela, os médicos que a operaram já a autorizaram a voltar a cantar e subir aos palcos.

Inocenti: Versão oficial da célebre música de Paulo Flores é lançada na voz de Carla Moreno

há 2 meses
Disponível no canal oficial do YouTube da intérprete da vez, a música vem aumentar prestígio à carreira de Carla Moreno, em fase de voo solo. Nesta versão, a respeitada back vocal, reuniu a nível da produção, um team ao nível do palmarés do autor, para reoxigenar este clássico intemporal para o angolano.

50 cent admite Live de batalha de hits com Snoop ou Ludacris

há 1 ano
Nesses tempos de quarentena, diversos artistas recorrem aos Lives para interagir com os fãs. No meio hip-hop dos Estados Unidos, as batalhas musicais realizadas ao vivo no Instagram por artistas e produtores estão a se tornar uma tendência.

Covid-19: Matias Damásio testa positivo

há 6 meses
A informação surge em vários sites, que fazem também referência ao facto do angolano ter actuado recentemente nos programas “Casa Feliz”, da SIC, e “Em Familia” da TVI, nos dias 12 e 16 de Janeiro, respectivamente.