Chakuisa, um filho da Huíla com versatilidade para conquistar Angola

São poucos os músicos capazes de assumir e embelezar suas canções com a dor por que foram vítimas na infância, tal como faz Chakuisa, antes MC Chakuisa. O músico usa arte como instrumento de revolta e apelo à mudança de atitude, ainda que de forma dançante.

É um velho amigo da música. Começou no Hip Hop/ Rap e tem dois trabalhos no mercado, incluindo participações de peso, só que desta vez, reestruturou a sua carreira e anuncia “O Filho da Mapunda”, um Ep rico em sonoridades e com uma variedade de línguas, que homenageia o bairro onde nasceu, na Huíla.

A obra inédita e transversal é um resumo sobre o desenvolvimento artístico deste filho de Mapunda. Reúne, entre outras, participações de Nicol Ananás e retrata sobre a fuga à paternidade, a prostituição, o amor, a fraqueza e a falsidade.

Parte das letras do EP Chakuisa escreveu num momento de angústia, dor, amargura, agonia e revolta.

Chakuisa, um filho da Huíla com versatilidade para conquistar Angola

Foi pelo Rap que se tornou conhecido. Gostaria de partilhar os motivos que o fizeram mudar de estilo?
Na verdade, o Rap ou melhor o Hip Hop como movimento social e cultura foi a minha primeira escola de música. O rap foi o estilo que me fez conhecer palavras porque era necessário ler muito para se fazer uma boa composição, com o rap aprendi a ser mas interventivo.

Em 2012 quando me inscrevi na Casa da Musica (Escola de Música ) aprendi que a música era muito mais complexa que o Rap, que o Rap era um grande estilo, mas para ser completo precisava aprender mais sobre técnicas musicais. Aprendi muito na escola de música que revolucionou muito a minha musicalidade .

Nesta obra decide falar das suas lutas, derrotas e vitórias, porquê?
A vida foi sempre boa para mim porque eu nasci ,cresci e hoje sou um homem. A minha mãe não me abortou, criou-me, deu- me formação, amor e fez de mim um homem. Meu pai abandonou-me criança, nunca vi o rosto dele, passei muitas dificuldades e a primeira foi a ausência paterna, isso revoltou-me muito. Nunca vivemos no berço de ouro, mas sempre tivemos firmeza. Nesta minha obra falo muito sobre a fuga à paternidade, a prostituição, o amor, a fraqueza e a falsidade.

Eu fui abandonado e infelizmente estava a abandonar o meu filho também, eu mudei o rumo para que o meu filho não passasse o que passei, um filho nunca tem culpa pelos erros dos pais .

Se considera um homem de muitas derrotas?
A maior derrota foi quando meu pai me abandonou (emoções), isso dói-me muito e não quero que ninguém um dia passa por isso. Quando tens Deus, nunca te podes sentir derrotado, hoje digo o derrotado é meu pai porque hoje sou vencedor.

Chakuisa, um filho da Huíla com versatilidade para conquistar Angola

Diferente do anterior, neste EP reúne o RnB, Zouk, Soul e o Trap. O que quer transmitir com isso?
Quero expressar o meu crescimento musical, quero convidar vários ouvintes de diversas idades e de diversos gostos para poderem desfrutar de tudo um pouco, até porque as minhas composições dependem muito do momento que me encontro a viver .

Acompanhou quase todos os últimos desenvolvimentos da música angolana. Até que ponto isso influenciou esta obra?
Este EP, praticamente, vem mostrar que um artista nunca pode ficar estático em um só estilo; vem para provar que podemos diversificar a nossa arte, hoje a música angolana esta dinâmica como de outros países com a chegada da Internet, temos a facilidade de podermos fazer chegar mais longe nossa música apenas em um click. Está a chegar um momento melhor para a música em angola, antes dependíamos muito das rádios, tvs e blogs, hoje nós podemos gerenciar nossa carreira digitalmente podemos vender nossas músicas a distribuidoras digitais ou operadoras telefônicas em angola e Moçambique .

Em termos temáticos e produção, em que aspectos acha que esta obra poderá beneficiar a música angolana?
Trago temas como “Yena Mwana” com participação de Nicol Ananaz . É um tema que trago uma junção do Cokwe e Umbundu- uma forma de incentivar a juventude a valorizarem as nossas línguas. Músicas como “Vencedor”, que é um incentivo para as pessoas lutarem pelos seus sonhos, porque acredito que um sonho nunca morre, mas sim o sonhador, entre outros.

Antes da data de lançamento, como vai alimentar a curiosidade dos fãs?
Tenho estado a lançar singles soltos, mas ainda em julho, lanço mais um single com um vídeoclip já está tudo pronto para o lançamento.

Que Chakuisa teremos nessa nova etapa da sua carreira?
Um Chakuisa com maturidade vocal e técnica , terá Rap, bom rap neste álbum, com duas produções e participação de dois produtores rappers do Brasil, muito bom Trap Soul e Zouk.

as cargas mais recentes

Morreu Paolo Rossi

há 11 meses
O ex-futebolista italiano Paolo Rossi, “herói” da vitória italiana no Mundial de 1982, morreu esta quinta-feira aos 64 anos, vítima de um câncer no pulmão, anunciou o diário desportivo italiano la Gazzetta dello Sport.

Mário Gomes: O presente e o futuro entre os guitarristas

há 1 ano
Dom Caetano, Filipe Mukenga consideram-no o melhor guitarrista da actualidade. Saiba mais sobre este pequeno/grande músico na entrevista concedida à Revista Carga.

Músicos brasileiros expulsos das Forças Armadas por causa das mensagens das suas letras

há 9 meses
O Ministério da Defesa do Brasil expulsou dois rappers da corporação. Big Bllakk, tido como uma das vozes promissoras do rap brasileiro, e Patriick, da Facção Poética, foram expulsos das Forças Armadas por causa das mensagens das suas letras.

Romantismo estará em alta no Show do Mês Live com Pedrito

há 1 ano
O mais romântico de todos os músicos angolanos, José Manuel Pedrinho “Pedrito”, será o próximo cartaz do Show do Mês Live, sábado (26), depois do músico ter anunciado o “adeus” aos palcos.

Pink 2 Toques e Bruno Samora juntos contra o Covid-19

há 2 anos
O criador do conceito FitKuduro, Bruno Samora juntou-se ao grupo de kuduro Pink 2 Toques, para enviar a sua mensagem de prevenção sobre o Corona Vírus.

Luso antecipa promoção do próximo álbum com uma “prenda”

há 7 meses

Dj Znobia realiza Live solidário

há 1 ano
Em alusão ao dia da criança africana, Dj Znobia realiza no dia 16 deste mês um Live solidário, cujo objectivo é apoiar o Centro de Formação “Oficina do Saber”.

Snoop Dogg “ataca” Kanye West

há 9 meses
Se referindo aos diversos tweets de West, que vão desde discursos reais e sinceros sobre saúde mental até problemas com Drake, o rapper deixou um recado e ainda deu um conselho sincero a Kanye.

Beyoncé desiste da actuação na cerimónia dos Grammy Awards

há 8 meses
Apesar de liderar as indicações, Beyoncé “optou por não se apresentar” nos Grammy Awards. A cantora estaria em negociações para actuar com Megan Thee Stallion na madrugada de hoje.

Os Tuneza regressam à casa com novas histórias

há 1 ano
Após passarem os primeiros dias de quarentena separados por motivos vários e criarem o caos no Kilamba, a família mais disfuncional de Angola foi obrigada a abandonar a centralidade. Solução: regressar à antiga casa, e passarem o resto do confinamento juntos.

Irmãos Alves festejam aniversário com 25 horas de música

há 2 anos
Durante 25 horas, de forma ininterrupta, os irmãos Alves vão fazer uma viagem pelos sucessos tocados no inicio da carreira até ao momento, ou seja das 16 horas de sábado (dia 25) até 17 horas de domingo (dia 26) vão recordar os vários períodos das suas carreiras.

Estrelas alertam sobre o impacto do Covid-19 às comunidades carenciadas

há 1 ano
Um espectáculo especial acontece este sábado e junta Coldplay, Miley Cyrus, Shakira, Justin Bieber único palco, para além das presenças de Balvin, Usher, Jennifer Hudson, Chris Rock, Hugh Jackman, Charlize Theron e David Beckham.

Burna Boy: “Não importa onde estejas, nem o que pensas fazer, se acreditares em ti alcançarás tudo o que quiseres”

há 8 meses
Ao reagir à vitória, Burna Boy emocionou com um improvisado discurso em Inglês e Iorubá.

João Lourenço felicita projecto “Live no Kubico”

há 1 ano
Durante o Live da dupla Gabriel Tchiema e Mito Gaspar, referente ao projecto “Live no Kubico”, da TPA, uma mensagem centralizou as atenções. Na sua página no twitter, o Presidente da República de Angola, João Lourenço, elogiou o projecto e felicitou os organizadores por “manterem viva a nossa cultura”.

Já começou o Festival #EuFicoEmCasa

há 2 anos
Serão no total 6 dias, 77 artistas e 40 horas de concerto transmitido em directo, pasmem… nas próprias contas de Instagram.

Show do Mês baptiza espectáculos de 2021 com Maya Cool

há 8 meses