Coréon Dú: “Em três décadas de vida, notei que existe uma forte crise de auto- estima sobre a negritude”

É um dos poucos artistas angolanos da sua época que vê a música como o instrumento ideal para firmação da sua identidade e promoção das raízes africanas.

Nos seus versos complexos, Coréon Dú vai apresentando preocupações para a construção de um mundo melhor, tendo o amor romântico, próprio, espiritual ou sombrio como a base de sustentação das suas letras.

Seu sucesso artístico ultrapassa a dimensão musical. Pois, além de marcar presença no topo da Bilboard e ser nomeado para vários prémios nacionais e internacionais, suas coleccões de roupas são das mais raras peças inspiradas na cultura e tradições africanas destacadas nas maiores passarelas do mundo.

É um artista autêntico e multifacetado cuja carreira musical pode ser resumida nos álbuns The Coréon Experiment,The Love Experiment, Binário e, mais recentemente, The Love Infinity, disponível em todas as plataformas de streaming.

Numa conversa livre e aberta com a Carga, Coréon Dú mostrou que tem muito mais para contribuir em prol da africanidade do que tudo aquilo que já fez. O autor de Pele Café fala das últimas novidades.

Coréon Dú: “Em três décadas de vida, notei que existe uma forte crise de auto- estima sobre a negritude”

É uma personalidade com várias facetas, mas a música parece ocupar mais espaço na sua vida. Porquê?

Apesar de não ter o privilégio de poder ter a música como a minha única profissão, a música vive em mim e sempre viverá.

Como funciona o seu processo criativo?

Não creio que tenha um único processo criativo, particularmente com a música, pois não pertenço a uma editora musical. Habitualmente os artistas em grandes editoras tem uma maior pressão para desenvolver um processo criativo concreto, pois têm obrigações comerciais e prazos de
criação e lançamento traçados de forma mais rigorosa. Como ainda não tive esta oportunidade, continuo a criar música de forma bastante orgânica e sem o mesmo grau de pressão para seguir procedimentos específicos a uma estrutura comercial.

O que normalmente envolve suas criações artísticas?

Nos meus outros compromissos profissionais, tenho estes processos e
procedimentos por haver essa exigência . Mas, felizmente, não sucede o mesmo com a música até ao momento.

A única coisa que acho importante para a boa criação musical é pesquisar
constantemente e manter a mente e ouvido abertos a novas ideias .

O amor está quase sempre no centro das suas temáticas. Que tipo de mensagens quis transmitir no tema Pele Café?

Acho que o romantismo no sentido amplo  esteve mais presente do que o amor nas minhas obras passadas. Decidi dedicar-me analisar o amor a nível musical, pois é um tema com infinitas possibilidades e que no
século XXI precisa de ser revisitado.

Quanto ao Pele Café?

Pele Café recflete um tipo de amor que as vezes é esquecido, o amor próprio. Isto é comum no geral, mas principalmente para pessoas de origem negra. Nasci em Angola , cresci principalmente nos Estados Unidos
da América e trabalho um pouco por vários países dentro e fora do continente africano. Em três décadas de vida, notei que existe uma forte crise de auto-estima de muitas pessoas sobre a sua negritude e auto-
rejeição. Até a pessoa aparentemente mais confiante acaba por sentir-se diminuída por um factor que deve ser celebrado .

Que mensagem quis que se retivesse da letra?

O Pele Café é exactamente para comemorar todos tons de pele café, todas as pessoas que tem pele café e a todos que querem bem as pessoas com pele café na sua vida. É uma mensagem que acho importante para todas as faixas etárias. Temos de incentivar-nos a nós mesmos e aos demais para mais amor próprio. Se não formos gentis e bondosos connosco mesmos ,
será difícil retribuir isso com quem nos ama .

Por que motivo decidiu trazer este assunto para a música?

Foi uma criação espontânea . Eu e o Mallaryah desenvolvemos esta canção
de forma bastante orgânica. Com o vídeo, tentei ver a melhor forma de celebrar e transmitir esta mensagem de incentivo ao auto-amor e autoestima que devemos ter todos os dias.

Sempre se preocupou em elevar a cultura africana, a angolana em
particular, através da música, basta recordar o Binário ou o The Coréon
Expriment. Até onde vão suas “lutas”

Tento apenas ser autêntico e focar-me em projectos criativos em que  os meus talentos ou  experiência técnica possam complementar.

Depois do lançamento do Pele Café, o que podemos esperar de si ainda este ano?

Sempre fui focado no presente, porque acho importante relembrar que ser artista como profissão requer muito pragmatismo aliado à criatividade. Nunca gostei de antever o que vou fazer, prefiro partilhar o que estou a fazer no presente, que de momento é a promoção do Álbum “ Love Infinity” lançado no fim de Novembro de 2020. Fora da área musical, este ano sai meu documentário “Bangaologia – A
Ciência do Estilo”

as cargas mais recentes

Paulo Flores e Prodígio voltam a juntar-se em novo projecto musical

há 3 anos
Intitulada Nzambi-Deus”, o single antecipa o álbum “A Bênção e a Maldição” e aborda sobre a eterna pergunta que não para de ecoar, e será disponibilizado hoje às 18 horas no canal do YouTube criado pelos dois artistas e que visa promover a arte.

Dia da Consciência Negra: Globo celebra figuras históricas no programa ‘Falas Negras’

há 2 anos
“Falas Negras” tem no seu alinhamento textos históricos de célebres personagens de 1600 aos dias de hoje, pessoas que lutaram contra a escravidão, a segregação racial, o racismo e a intolerância.

Morreu o músico Carlos Burity

há 2 anos
O músico esteve internado na Clínica Girassol, mas depois de receber alta, o músico sentiu-se mal e foi encaminhado ao hospital onde acabou por falecer nas primeiras horas desta manhã aos 67 anos.

Filme angolano “Santana” está em primeiro lugar na Netflix

há 2 anos
O filme angolano “Santana”, que estreou esta sexta-feira (28) na “Netflix”, encontra-se desde a tarde de hoje na primeira posição dos filmes mais assistidos nesta plataforma de streaming.

Afeni e Tupac Shakur documentados em nova série

há 3 anos
Em cinco episódios, `Outlaw: The Saga Of The Shakurs´ traz um retracto íntimo e amplo da dupla mãe e filho, mais inspiradora e perigosa da história americana, cuja mensagem unificada de liberdade, igualdade, perseguição e justiça é mais relevante hoje do que nunca.

Beam Me Up Scotty: Nicki Minaj relança mixtape com faixas inéditas

há 2 anos

50 Cent revela que seu próximo álbum será o último da carreira

há 1 ano
Após ter “aterrorizado” o Hip Hop por 14 anos, como se tem gabado, 50 Cent considera-se estar no Top 10 dos rappers vivos ou mortos e reiterou ao The Talk que o álbum será o final, o que não significa o fim da carreira artística.

Gerilson Insrael é o mais novo rosto da Johnnie Walker

há 1 ano
Gerilson Insrael acaba de se tornar o primeiro artista angolano a integrar o elenco internacional de grandes talentos embaixadores da Johnnie Walker, ao lado de estrela africanas, como Burna Boy e do produtor Don Jazzy, assim como a estrela K Pop, CL e a estrela da Fórmula 1, Jensen Button.

DJ Nelasta: “Sofri bloqueio do DJ Malvado”

há 3 anos
Durante um “live” (conversa ao vivo nas redes sociais), terça-feira, o Dj Nelasta afirmou que foi bloqueado pelo DJ Malvado, para não tocar na festa da “Bohemia”, alegando que não tem estrutura para o efeito.

NBA retira cannabis da lista de substâncias proibidas

há 3 anos
Os exames antidoping na principal liga de basquete do mundo continuam, mas sem procurar cannabis, a notícia foi dada pela própria NBA no passado dia 10, indicando que a mesma deixa assim de ser uma substância proibida passível de punição.

Car Title Loans In Corbin, Kentucky Ky

há 9 meses

Kool Klever dá voz à saga dos ‘Poetas de Bairro’

há 3 anos
O rapper Kool Klever junta-se a Mamy, Duc, Lizzy, Soldier, Luso e Nucho para dar corpo à saga do projecto Poetas de Bairro. Os sete artistas estão em estúdio a gravar o tema “Se Eu Morrer Amanhã”, cujo videoclipe estreia brevemente no YouTube da Carga.

Arlindo Bizerra e Horácio Katchanja levam “Diálogos entre Gerações” à Galeria Tamar Golan

há 2 anos

Lawilca almeja voltar ao auge

há 2 anos
Lawilca já esteve no top do Hip Hop e R&B. Em 2005, depois de conquistar grande popularidade com o seu primeiro álbum “Se Diamé”, decidiu sumir para voltar a aparecer em 2014 com o CD “Não Sou o Mesmo Homem”. Desta vez reaparece reestruturado com novos estilos musicais e quer voltar a estar no auge.

Seis sugestões de actividades para prestigiar o Dia Mundial do Teatro

há 2 anos

Live de Marília Mendonça bate recorde mundial 3,2 milhões de espectadores em simultâneo

há 3 anos
A cantora celebrou o recorde com um post no Twitter com a foto do exacto momento em que atingiu a marca de 3,2 milhões de views, superando o recorde mundial do Youtube anteriormente conquistado pela dupla Jorge e Mateus com 3,1 milhões.