Coréon Dú: “Em três décadas de vida, notei que existe uma forte crise de auto- estima sobre a negritude”

É um dos poucos artistas angolanos da sua época que vê a música como o instrumento ideal para firmação da sua identidade e promoção das raízes africanas.

Nos seus versos complexos, Coréon Dú vai apresentando preocupações para a construção de um mundo melhor, tendo o amor romântico, próprio, espiritual ou sombrio como a base de sustentação das suas letras.

Seu sucesso artístico ultrapassa a dimensão musical. Pois, além de marcar presença no topo da Bilboard e ser nomeado para vários prémios nacionais e internacionais, suas coleccões de roupas são das mais raras peças inspiradas na cultura e tradições africanas destacadas nas maiores passarelas do mundo.

É um artista autêntico e multifacetado cuja carreira musical pode ser resumida nos álbuns The Coréon Experiment,The Love Experiment, Binário e, mais recentemente, The Love Infinity, disponível em todas as plataformas de streaming.

Numa conversa livre e aberta com a Carga, Coréon Dú mostrou que tem muito mais para contribuir em prol da africanidade do que tudo aquilo que já fez. O autor de Pele Café fala das últimas novidades.

Coréon Dú: “Em três décadas de vida, notei que existe uma forte crise de auto- estima sobre a negritude”

É uma personalidade com várias facetas, mas a música parece ocupar mais espaço na sua vida. Porquê?

Apesar de não ter o privilégio de poder ter a música como a minha única profissão, a música vive em mim e sempre viverá.

Como funciona o seu processo criativo?

Não creio que tenha um único processo criativo, particularmente com a música, pois não pertenço a uma editora musical. Habitualmente os artistas em grandes editoras tem uma maior pressão para desenvolver um processo criativo concreto, pois têm obrigações comerciais e prazos de
criação e lançamento traçados de forma mais rigorosa. Como ainda não tive esta oportunidade, continuo a criar música de forma bastante orgânica e sem o mesmo grau de pressão para seguir procedimentos específicos a uma estrutura comercial.

O que normalmente envolve suas criações artísticas?

Nos meus outros compromissos profissionais, tenho estes processos e
procedimentos por haver essa exigência . Mas, felizmente, não sucede o mesmo com a música até ao momento.

A única coisa que acho importante para a boa criação musical é pesquisar
constantemente e manter a mente e ouvido abertos a novas ideias .

O amor está quase sempre no centro das suas temáticas. Que tipo de mensagens quis transmitir no tema Pele Café?

Acho que o romantismo no sentido amplo  esteve mais presente do que o amor nas minhas obras passadas. Decidi dedicar-me analisar o amor a nível musical, pois é um tema com infinitas possibilidades e que no
século XXI precisa de ser revisitado.

Quanto ao Pele Café?

Pele Café recflete um tipo de amor que as vezes é esquecido, o amor próprio. Isto é comum no geral, mas principalmente para pessoas de origem negra. Nasci em Angola , cresci principalmente nos Estados Unidos
da América e trabalho um pouco por vários países dentro e fora do continente africano. Em três décadas de vida, notei que existe uma forte crise de auto-estima de muitas pessoas sobre a sua negritude e auto-
rejeição. Até a pessoa aparentemente mais confiante acaba por sentir-se diminuída por um factor que deve ser celebrado .

Que mensagem quis que se retivesse da letra?

O Pele Café é exactamente para comemorar todos tons de pele café, todas as pessoas que tem pele café e a todos que querem bem as pessoas com pele café na sua vida. É uma mensagem que acho importante para todas as faixas etárias. Temos de incentivar-nos a nós mesmos e aos demais para mais amor próprio. Se não formos gentis e bondosos connosco mesmos ,
será difícil retribuir isso com quem nos ama .

Por que motivo decidiu trazer este assunto para a música?

Foi uma criação espontânea . Eu e o Mallaryah desenvolvemos esta canção
de forma bastante orgânica. Com o vídeo, tentei ver a melhor forma de celebrar e transmitir esta mensagem de incentivo ao auto-amor e autoestima que devemos ter todos os dias.

Sempre se preocupou em elevar a cultura africana, a angolana em
particular, através da música, basta recordar o Binário ou o The Coréon
Expriment. Até onde vão suas “lutas”

Tento apenas ser autêntico e focar-me em projectos criativos em que  os meus talentos ou  experiência técnica possam complementar.

Depois do lançamento do Pele Café, o que podemos esperar de si ainda este ano?

Sempre fui focado no presente, porque acho importante relembrar que ser artista como profissão requer muito pragmatismo aliado à criatividade. Nunca gostei de antever o que vou fazer, prefiro partilhar o que estou a fazer no presente, que de momento é a promoção do Álbum “ Love Infinity” lançado no fim de Novembro de 2020. Fora da área musical, este ano sai meu documentário “Bangaologia – A
Ciência do Estilo”

as cargas mais recentes

Após sucesso da primeira edição Spoken Mais chega a Viana

há 6 meses

Cleyton M começa 2021 “Em Outra Dimensão”

há 9 meses
O cantor encerrou o 2020 com “To a Rolar No G”, uma música que surge após o hit “Emagrece”. Agora, o talento da Power House abre o ano com o single “Em Outra Dimensão”.

Seminário sobre processo de inscrição e classificação dos bens a Património Mundial da UNESCO acontece em Luanda

há 1 ano
O Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente (MCTA) iniciou ontem, 20 de Agosto de 2020, o Workshop de formação sobre o processo de Inscrição e classificação dos bens a lista a Património Mundial da UNESCO.

Projecto `Concerto Online´ da Fundação Arte e Cultura ultrapassa fronteiras

há 1 ano
A carismática cantora brasileira Eloiza Garção juntou-se nesta semana à Fundação Arte e Cultura e é o rosto do concerto online deste sábado, dia 25 de Abril, pelas 19 horas. O evento decorre no âmbito do projecto Fundação Arte e Cultura online e visa incentivar as famílias a permanecer em casa e protegerem as suas vidas enquanto durar o estado de emergência em prevenção face a Covid-19.

Sábado à tarde sintonize Viana Cultural nos 92.8

há 1 ano
Viana Cultural é um programa de variedade e orientação musical emitido todos os sábados, das 15 às 20 horas, na Rádio Viana (92.8), grupo RNA. Está no ar desde 2008 e foi criado para promover actividades culturais do município e educar os jovens para a boa música.

Preto Show dá voz ao novo álbum do Dj brasileiro WC No Beat

há 1 ano
O DJ e produtor brasileiro WC No Beat apresenta esta quinta-feira, 20 de Agosto, o seu novo projecto musical que reúne 33 participações, entre elas está o angolano Preto Show.

Covid-19: Ministro italiano dos Desportos acusa CR7 de mentiroso e arrogante

há 11 meses
Cristiano Ronaldo violou, segundo o ministro italiano dos desportos, o protocolo de Covid-19, ao viajar para Portugal e regressar a Itália, uma vez que ao seu clube Juventus estava em isolamento preventivo.

Este é o objecto que Vincent van Gogh usou para tirar a própria vida

há 10 meses

Vanda Pedro: “O teatro é ciumento, precisas de tempo para viver e aprender intensamente”

há 5 meses
“Uma mulher de acção e artista de grande potencial”, é como quer ser lembrada a profissional de 38 anos de idade, 25 dos quais dedicados a arte da representação. Uma trajectória que nas palavras de Vanda, foi pautada por muita intensidade entre “choros e risos” que, será imortalizada no livro.

Dançarinos de breakdance passam a contar com um novo espaço para divulgarem seus talentos

há 5 meses

Ndaka Yo Wini canta no festival internacional de Montreal

há 2 meses
O músico angolano Ndaka Yo Wini é uma das figuras de cartaz da 35ª edição do Festival Internacional de Montreal/Quebec (Canadá), denominado “Nuits d´Afrique”, que decorre desde o dia 08 de Julho.

Aline Frazão junta-se ao projecto #1000Máscaras20Dias da Soba Store

há 1 ano
A boa-nova chegou pelas redes sociais da cantora, onde através de uma publicação, fez saber que vai usar a habilidade da costura para contribuir com a iniciativa da Soba Store, que consiste em distribuir gratuitamente máscaras aos servidores públicos essenciais.

Morreu Hal Holbrook, o actor que interpretou Abrahan Lincoln

há 8 meses

Para além do 4, haverá “Jonh Wick 5” em 2022

há 1 ano
A saga protagonizada por Keanu Reeves, ‘John Wick’, terá dois novos filmes a partir de 2022, ou seja, contará, para além de Jonh Wick 4, com uma quinta parte, o John Wick 5, informou esta quinta-feira John Feltheimer, CEO da Lionsgate.

Black Coffee apresenta set especial para o famoso concerto Tiny Desk da NPR

há 6 meses

Um ano após falência de órgão, Scarface é transplantado com rim doado pelo filho

há 1 dia
Volvidos 12 meses de comorbidade com insuficiência renal adquirida na batalha contra a Covid-19, Brad Jordan ou simplesmente Scarface, como é conhecido as lides do Hip Hop, acaba de receber a preciosa doação de um rim, vindo do seu próprio filho, Christopher Jordan.