Daniel Mendes: “Com ou sem pandemia o Angola Music Awards acontecerá em 2020”

A faltar dois dias para o fecho das inscrições, Daniel Mendes fala à Carga sobre a presente edição do Angola Music Awards, que traz como destaque a categoria música dos PALOP. Doravante, o evento passará a intercalar entre Angola e Portugal. O responsável explica por que razão a gala era realizada em Portugal, apesar de prestigiar a música e os músicos angolanos e lança as novidades do próximo ano 2021.

O que motivou a organização a decidir realizar a Gala de Premiação em Luanda?

O que motivou a organização realizar a gala em Luanda, foi a situação do Covid-19. É do vosso conhecimento que nós tínhamos planeado a edição 2020 para Lisboa e tínhamos tudo preparado, tudo avançado. Estava marcado para 25 de Julho de 2020, no Casino Estoril, em Cascaias. Tivemos parceriaS já fechadas com algumas câmaras aqui em Portugal, com o apoio do Ministério da Cultura e do Governo Português. Infelizmente com o cancelamento de todos os eventos em Portugal, decidimos alterar para Luanda, porque sabemos que os músicos nessa altura estão em Angola. É uma gala para os músicos angolanos.

É um evento que prestigia a música e os músicos angolanos, por que razão era acolhido em Portugal?

É importante ter este evento em Portugal, porque Portugal é um dos países onde mais artistas angolanos temos e é o país onde os artistas angolanos vão passar as férias ou trabalhar. É numa altura em que o Verão está a funcionar e os espectáculos estão a acontecer. O AMA pode viajar ou ir ao encontro dos artistas onde quer que seja. O AMA não é quadrado, pode ser realizado em qualquer parte desde que tenha condições para acontecer. Portanto, a partir de 2021, temos esta articulação intercalar Angola e Portugal.

Quer dizer que, doravante o evento será intercalado entre Angola e Portugal?

Exactamente, nós vamos começar a intercalar a Gala dos AMA, portanto, 2020 vamos fazer em Luanda, em Novembro e, se tudo correr bem e se esta pandemia passar, vamos voltar à ideia inicial de 2020 para 2021. Vamos voltar a remarcar a próxima edição de 2021 para Portugal.

Numa altura em que a pandemia impede a realização de eventos, como é que a organização se tem precavido?

Todos nós sabemos que temos esta pandemia, mas o mundo não pode parar e não podemos esperar que tudo termine para depois começarmos a pensar. Neste momento, fazemos a nossa parte e depois temos o governo, o Ministério da Saúde que vai orientando até ande pode ser feito, portanto, com ou sem pandemia o AMA irá acontecer em 2020 de uma ou de outra forma. Qualquer situação, se nessa altura as coisas piorarem em Angola, o que acredito que não, pois temos fé e Deus vai nos ajudar para que as coisas melhorem. Teremos de criar outras condições para o evento acontecer, com as devidas condições, de acordo com aquilo que o Ministério da Saúde nos vai orientar. Portanto, estamos a criar todas as condições, a preparar-nos.

Os resultados das nomeações estão para Julho, como é que estão os preparativos?

É importante referir que a gala acontece em Novembro e em Julho vamos apresentar os nomeados desta 7.ª edição. Os preparativos já tinham começado no mês de Janeiro, tivemos uma pequena paragem em Março e Abril. Retomamos agora em finais de Maio para em Junho a equipa de trabalho recolher as inscrições que os artistas foram fazendo e apurarmos quem serão os nomeados, de acordo com os regulamentos.

Qual será o grande destaque desta edição?

Ano após ano, nós temos criado situações que destacam e como sabe o AMA é dinâmico. Haverá vários, mas, para mim, o grande destaque é que terá uma nova categoria. Nós vamos lançar uma nova categoria associado aos artistas dos PALOP. Categoria a música dos PALOP mais tocada em Angola em 2019. Os AMA são parceiros dos Cabo Verde Music Awards, Guine Music Awards, São Tome Music Awards. O objectivo desta categoria é a promoção da música dos PALOP.

Já se conseguiu o local para acolher o evento?

O local iremos informar dentro de pouco tempo, mas já temos a data. Será dia 7 de Novembro em Luanda, numa das melhores salas de Luanda.

Qual é a possibilidade de se concretizar a 8.ª edição, uma vez que a maioria dos artistas não está a produzir?

É simples. Estão a lançar-se músicas. Não precisará ser um disco, também o ano ainda não terminou. Começou com discos no mercado e tenho a certeza que vai terminar com discos no mercado. Aqueles que não lançaram discos, estão a lançar singles nas plataformas digitais. Hoje a dinâmica é completamente diferente. Com esta situação do Covid-19, tivemos muitos lives, a música não parou e tenho a certeza de que vamos ter muitas músicas em 2021 lançadas em 2020 para fazermos a edição 2021.

Parece que a categoria Angola Video Awards pode vir a estar comprometida.

Não haverá nenhuma categoria a ser comprometida em 2021. Temos vários artistas que estão em Angola e na diáspora. Nós podemos não perceber isso agora, porque as rádios estão a tocar aquilo que recebem agora, mas estamos a sentir essa dinâmica através das plataformas digitais e tenho certeza de que, em 2021 vamos ter todas as categorias. Se calhar vamos ter uma nova categoria ligada a era digital.

Qual é a possibilidade de se adicionar outras categorias?

Nós temos todas as condições para adicionarmos outras categorias. Para 2020 já adicionámos e para 2021, iremos adicionar outra vez. Nós podemos alterar as categorias, porque tudo tem que ver com aquilo que está a ser produzido ao longo do ano. Por exemplo, se nós percebermos que em 2020 não houve lançamentos de música Semba, em 2021 não vamos ter a categoria de Semba e se nós percebermos que veio uma nova vibe em 2020, logo em 2021 vamos ter que criar uma categoria que tenha a ver com aquele estilo musical. Esta é a dinâmica que nós temos, portanto há sim possibilidade de adicionarmos uma nova categoria em 2021.

Quanto às votações tiveram de alterar alguma coisa?

O público continua a votar os 50% e o corpo do jurado o restante 50%.  A única categoria que o público vota a 100% é da Internet, que é a categoria do Artista Mais Popular.

Até agora, que balanço faz da jornada?

Até agora o balanço é positivo. Esta caminhada de 2020 esta a ser como está a ser, mas desde a primeira edição à sétima edição é satisfatório e temos a certeza de que as coisas continuarão a acontecer bem, portanto, continuem a nos seguir no nosso site AMA.

as cargas mais recentes

Itary: Do Rap ao Zouk, a voz da versatilidade

há 8 meses
Quem a vê cantar, pode pensar que Itary nasceu para o Guetho Zouk, mas não. A cantora de 25 anos é muito versátil e transporta o Rap no seu DNA. Aliás, foi no Hip Hop que começou a sua carreira e hoje, está a se transformar numa das vozes mais promissoras do Zouk angolano.

China decide “castigar” Lady Gaga, Justin Bieber e BTS

há 4 semanas
Os músicos Justin Bieber, Lady Gaga e a banda BTS terão sido ‘castigados’ por causa de atitudes em relação a assuntos considerados sensíveis pela China.

Rappin Hood é nomeado King Zulu Nation Brazilian

há 1 ano
O rapper brasileiro recebeu a nomeação oficial, pelo fundador de estilo musical, DJ Afrika Bambaataa.

Dr. Dre já recebeu alta hospitalar e está em casa

há 5 meses
O rapper terá recebido alta hospitalar do Cedars Sinai Medical Center, na passada sexta-feira, mas o causídico não ofereceu muitos detalhes sobre o assunto.

Snoop Dogg: “Rappers brancos têm zero de respeito no Rap”

há 11 meses
Snoop Dogg explica porquê não considera Eminem melhor rapper de todos os tempos.

Cláudio Rosário e Mamas Boy estreiam novo single

há 1 ano
“Não Tem Como” é o título do mais recente single de Cláudio Rosário e Mamas Boy. Do género Guetho Zouk, a faixa é um produto da Makas Produções e Plus Record e estreia na Carga.

La Casa De Papel: Spoilers confirmam reviravolta na 5ª temporada

há 8 meses
Segundo o site Nova Mulher, para o qual a Inspectora cedeu uma entrevista, “Sierra passará uma transformação, definida por ela como GORE, fazendo referência ao subgênero de filmes de terror com retratos gráficos de sangue e violência”.

Maya Cool: “Fiquei gravemente doente com Covid”

há 3 meses
O músico Maya Cool falou da sua experiência com o vírus da Covid-19, do momento difícil que passou e do que perdeu em 2020 com a chegada da pandemia.

Cristiano Ronaldo eleito o jogador mais influente do mundo

há 1 ano
Cristiano Ronaldo foi eleito pela revista France Football como o jogador mais influente do mundo. Para além de ser o mais influente, o internacional português está entre as três pessoas mais importantes do mundo desportivo.

Rigoberto Torres reoxigena clássicos do Hip Hop no seu primeiro EP

há 11 meses
Rigoberto Torres é um nome que pode mudar a história do Rap comercial em Angola. Apesar de começar a escrever sua história no ano passado, o cantor de 20 anos se prepara para apresentar esta sexta-feira, o primeiro EP.

Mário Gomes: O presente e o futuro entre os guitarristas

há 10 meses
Dom Caetano, Filipe Mukenga consideram-no o melhor guitarrista da actualidade. Saiba mais sobre este pequeno/grande músico na entrevista concedida à Revista Carga.

Proletário reedita “Scania 111” para o novo disco

há 10 meses
O músico Proletário prepara para o final do ano apresentação do seu segundo trabalho discográfico, intitulado “Carolina do Ebo”, onde se destaca o sucesso “Scania 111” numa nova roupagem.

MAMY mostra a sua “Atitude Negra”

há 1 ano
A música “Atitude Negra” é uma celebração da mulher negra, da melanina, dos traços grossos e do cabelo crespo.

Yola Araújo e LS Republicano rompem contrato por alegada “incompatibilidade”

há 8 meses
Depois de pouco mais de 10 anos de trabalhos, a cantora deixa de pertencer a LS Republicano, por causa de “incompatibilidades”.

George Floyd era rapper e membro do mesmo grupo de DJ Screw nos anos 90

há 1 ano
À medida que mais informações começam a surgir sobre a morte de George Floyd, um homem negro que recentemente se mudou para Minneapolis e foi morto sufocado por um policial, tornou-se público que Floyd era na verdade um membro do lendário grupo de rap de DJ Screw, Screwed Up Click.

Sintoniza 96.1FM: As 3 Essenciais

há 7 meses