Depois de vários anos a produzir, Mestre Freddy apresenta-se como cantor

Mestre Freddy é dos nomes mais importantes no que toca a produção musical em Angola. Já trabalhou com Matias Damásio, Anna Joyce, Pérola, Gabriel Tchiema, Kyaku Kyadaff e tantos outros, para além de escrever para vários artistas. Após longos anos, explica porquê decidiu conciliar a carreira de produtor com a de cantor e apresenta as suas primeiras músicas com sonoridade diferenciada. Já tem o primeiro álbum à vista e deixa todas as impressões da “nova carreira” nesta entrevista.

Como descobre o lado de cantor?
Antes de ser produtor, fui cantor mas não profissional, aos meus 15 anos. Primeira coisa que eu fiz foi catar. Fui percussionista, tocava numa banda. Não é coisa que eu descobri agora, nasci numa família onde todos cantam. Não é novidade!

E porquê só agora decide explorar a faceta?
Não é uma ideia que caiu da chuva. Sempre soube que algum dia seguiria a carreira de cantor. Tinha de ter um nome no mercado, e fi-lo como produtor. Hoje Mestre Freddy é uma referência e as pessoas poderão associar o meu nome ao cantor a solo. Precisamos de dar boa educação musical à nova geração.

O que vai caracterizar o cantor Mestre Freddy?
Já escrevi para muita gente. Agora estou a atentar conquistar… não será um disco, quero ainda lançar alguns trabalhos e conquistar os fãs. Vou fazer um bom trabalho. Trago músicas que vão permanecer no tempo, música para a vida toda.

De que género?
Sou conhecido como um músico de Afro Jazz., Kizomba e Semba. Vou trazer um estilo africano misturado com os nossos. Não quero fazer música só por fazer, estou a fazer também para a minha vida mudar. Eu não vou trazer um estilo do Tchiema, Damásio ou Ndaka, vou juntando toda minha experiência, vou trazer um álbum para dançar, para ouvir, vou trazer melodias, eu tenho de fazer chorar as pessoas. Vou cantar em várias línguas, em homenagem a todas as línguas que eu falo: lingala, francês, português, cokwé, umbundu, swahili.

Como se intitulam as músicas experimentais e quando estarão disponíveis?
A primeira é “Cecília”, uma homenagem à minha primeira filha, onde trago histórias que incentivam as pessoas a conquistarem seus sonhos. A segunda é “Mwakie”, significa sozinho, e mostro que na vida tem de se lutar e traz participação de Kyaku Kyadaff. Tenho mais uma outra que será lançada depois, e terá participação de Ivan Alexey.

Depois de vários anos a produzir, Mestre Freddy apresenta-se como cantor

Até quando teremos as primeiras duas músicas de Mestre Freddy?
Vou dizer a realidade, até final de Setembro vamos ter as músicas, porque quero lançar com um vídeoclipe. Até lá teremos tudo, portanto, até final de Setembro.

Neste momento como está a correr a produção?
Por agora estamos a fazer as bases das músicas cá e depois vou a Portugal e concluirei em Paris. Caso não consiga ir por causa da pandemia, vou fazer algumas coisas aqui e depois eu mando para lá e eles me enviam, mas estando presente é sempre melhor.

Mas vai apenas cumprir um desejo ou pretende mesmo seguir a carreira de cantor?
Não serão apenas duas músicas. Vou gravar disco, com 7 a 10 músicas. Vou seguir a carreira de cantor. Será um prazer termos esse disco. Sei que não será fácil seguir a carreira, mas vou continuar a mostrar esse meu lado.

Que tipo de sonoridades lhe caracterizarão?
Primeira coisa, as músicas vão ser 100% acústica. Vou usar cordas, sopros, bateria, piano acústico, guitarra, baixo, coro. Eu quero coisa boa. É um investimento da Kissanji Produções. Não vejo a hora de começar. Quero deixar meu carimbo na voz.

Que influências da produção poderá trazer à carreira?
Isso a gente vai saber no terreno. Produzir é algo do escritório e cantar é para o mundo. Haverá músicas que eu vou começar com o Blues, mas virado para a África. Estou a pensar diferente, música mexida, mas com boas sonoridades.

Está na música há vários anos. Sabe melhor do que ninguém cantar requer tempo e dedicação. Como vai fazer para conciliar as duas carreiras?
Eu sempre vou tocar e cantar, isso fará a minha imagem. Terei sempre suporte dos instrumentistas atrás e vou impressionar.

Já escreveu para alguns músicos. Suas letras chegaram a “bater”?
Escrevi para Anabela Aya, Yuri da Cunha, Titica com Ary, são várias… não dá para citar mais… é muita coisa: Semba Kizomba, Rumba, Afro Jazz.

as cargas mais recentes

Gabriel Tchiema apresenta novos projectos

há 1 ano
O músico está a preparar um novo álbum em que se esperam as participações de Rui Veloso, Salif Keita, Loko A Kanza e Edmazia Mayembe. Em conversa com a Carga, esta tarde, descreveu a obra e revelou que a mesma será antecedida de outro projecto inédito.

Álbum “Pra Lhes Doer Mais”, da autoria de Twenty Fingers já está disponível

há 1 ano
2020 tem sido o ano das novidades para os fãs de Twenty Fingers. Depois de ter lançado o EP Twenty Twenty, o músico moçambicano, agenciado pela Música Promo, lança o álbum há muito desejado.

Revanche do ‘Verzuz battle’ Swizz Beatz vs Timbaland acontece já amanhã

há 8 meses
Os dois co-fundadores do Verzuz vão defrontar-se mais uma vez, porém, ao contrário do que foi feito em Março de 2020, Swizz Beatz e Timbaland, sairão do Instagram para protanizar um battle ao vivo, a partir de Miami.

Kanye West admite derrota presidencial e inicia campanha para 2024

há 1 ano
A frágil corrida do astro do hip-hop Kanye West à presidência nunca saiu do princípio e o rapper finalmente admitiu ter sido derrotado.

Nélia Dias: Do Top Rádio Luanda rumo ao topo da música angolana

há 1 ano
Nélia Dias é um nome a se ter em conta no music hall nacional, por ser das poucas que conseguiu colocar o seu nome no Top Rádio Luanda com a música de estreia. A sua carreia ficou marcada por duetos com Young Double, Mona Nicastro, mas agora tem em carteira um novo projecto musical com o qual se quer lançar ao mundo.

SADIA cria Cartão Arte para apoiar associados

há 2 anos
A Sociedade Angolana de Direito do Autor (SADIA) pretende criar um fundo cultural, que terá como principal objectivo apoiar autores e artistas sempre que se justificar, e terá um valor inicial dez milhões de Kwanzas.

Irritado, Lebron James invade jogo do filho para confrontar locutor

há 7 meses
O filho da estrela da NBA estava em jogo este domingo e James, como faz habitualmente, assistia-o a partir do pavilhão. Perto do fim, o locutor do encontro terá insinuado que foi assinalada uma falta inexistente a favor do liceu SFG, beneficiando Bronny James por ser filho de LeBron.

Jay-Z afirma que gostaria de ser lembrado como Bob Marley

há 9 meses
Durante uma rara entrevista ao The Times, sobre raça, família e seus momentos de maior orgulho, o lendaráio rapper norte-americano disse que gostaria que fosse lembrado como “Bob Marley e todos os grandes”

DreamKiller promete dois projectos musicais para 2020

há 2 anos

Novo álbum de Paulo Flores será lançado no dia 30 deste mês

há 10 meses
“Independência” é um retrato sobre tudo o que o músico viu e sentiu. É a construção do ser de Paulo Flores. É sobre “tudo o que perdeu e tudo o que a perda gerou”.

Rihanna volta a ser a artista com mais músicas certificadas pela indústria

há 11 meses

Carlos Ruiz Zafón, um dos mais lidos da literatura espanhola, morre aos 55 anos

há 2 anos
A notícia sobre a morte do escritor catalão foi confirmada esta tarde através do Twitter do autor. Carlos Ruiz Zafón, autor de obras como “O Jogo Do Anjo” e “A Sombra do Vento” lutava há dois anos contra um cancro, em Los Angeles.

Damani Van Dunem: “Defendemos o humanismo africano, o entendimento da nossa história e posicionamento no grande esquema mundial”

há 2 meses
O álbum “SwahiliLândia”, Acto 1, ajudou Damani Van Dunem a perspectivar um novo lugar na música angolana. É uma obra com pensamentos sobre o humanismo africano; a reocupação com o próximo; o entendimento da nossa história e o nosso posicionamento face ao esquema mundial.

Hildebrando de Melo: “Todos os ministros que passaram no Ministério da Cultura só atrapalharam os artistas”

há 6 meses
No respaldo dos dois meses da amostra -Mantrax, que encerrou na última semana, no Centro Cultural Brasil Angola, Hildebrando de Melo aborda, fundamentalmente, assuntos que dizem respeito a sua área de actuação.

APPEC anuncia show solidário a favor dos artistas e homenageia Filipe Mukenga

há 2 anos
A recém-criada Associação Angolana dos Profissionais e Produtores de Eventos (APPEC) realiza, este domingo, o seu primeiro espectáculo multi-cultural em quatro palcos diferentes, para homenagear Filipe Mukenga e ao mesmo tempo recolher bens alimentares para os profissionais ligados à cultura, fortemente afectados pela crise pandemíca.

Começa hoje a contagem decrescente para a final do Estrelas ao Palco

há 11 meses
Faltam apenas três galas, para conhecermos o vencedor da 3ª temporada do Estrelas ao Palco, o maior concurso de imitação musical, de Angola.