Depois de vários anos a produzir, Mestre Freddy apresenta-se como cantor

Mestre Freddy é dos nomes mais importantes no que toca a produção musical em Angola. Já trabalhou com Matias Damásio, Anna Joyce, Pérola, Gabriel Tchiema, Kyaku Kyadaff e tantos outros, para além de escrever para vários artistas. Após longos anos, explica porquê decidiu conciliar a carreira de produtor com a de cantor e apresenta as suas primeiras músicas com sonoridade diferenciada. Já tem o primeiro álbum à vista e deixa todas as impressões da “nova carreira” nesta entrevista.

Como descobre o lado de cantor?
Antes de ser produtor, fui cantor mas não profissional, aos meus 15 anos. Primeira coisa que eu fiz foi catar. Fui percussionista, tocava numa banda. Não é coisa que eu descobri agora, nasci numa família onde todos cantam. Não é novidade!

E porquê só agora decide explorar a faceta?
Não é uma ideia que caiu da chuva. Sempre soube que algum dia seguiria a carreira de cantor. Tinha de ter um nome no mercado, e fi-lo como produtor. Hoje Mestre Freddy é uma referência e as pessoas poderão associar o meu nome ao cantor a solo. Precisamos de dar boa educação musical à nova geração.

O que vai caracterizar o cantor Mestre Freddy?
Já escrevi para muita gente. Agora estou a atentar conquistar… não será um disco, quero ainda lançar alguns trabalhos e conquistar os fãs. Vou fazer um bom trabalho. Trago músicas que vão permanecer no tempo, música para a vida toda.

De que género?
Sou conhecido como um músico de Afro Jazz., Kizomba e Semba. Vou trazer um estilo africano misturado com os nossos. Não quero fazer música só por fazer, estou a fazer também para a minha vida mudar. Eu não vou trazer um estilo do Tchiema, Damásio ou Ndaka, vou juntando toda minha experiência, vou trazer um álbum para dançar, para ouvir, vou trazer melodias, eu tenho de fazer chorar as pessoas. Vou cantar em várias línguas, em homenagem a todas as línguas que eu falo: lingala, francês, português, cokwé, umbundu, swahili.

Como se intitulam as músicas experimentais e quando estarão disponíveis?
A primeira é “Cecília”, uma homenagem à minha primeira filha, onde trago histórias que incentivam as pessoas a conquistarem seus sonhos. A segunda é “Mwakie”, significa sozinho, e mostro que na vida tem de se lutar e traz participação de Kyaku Kyadaff. Tenho mais uma outra que será lançada depois, e terá participação de Ivan Alexey.

Depois de vários anos a produzir, Mestre Freddy apresenta-se como cantor

Até quando teremos as primeiras duas músicas de Mestre Freddy?
Vou dizer a realidade, até final de Setembro vamos ter as músicas, porque quero lançar com um vídeoclipe. Até lá teremos tudo, portanto, até final de Setembro.

Neste momento como está a correr a produção?
Por agora estamos a fazer as bases das músicas cá e depois vou a Portugal e concluirei em Paris. Caso não consiga ir por causa da pandemia, vou fazer algumas coisas aqui e depois eu mando para lá e eles me enviam, mas estando presente é sempre melhor.

Mas vai apenas cumprir um desejo ou pretende mesmo seguir a carreira de cantor?
Não serão apenas duas músicas. Vou gravar disco, com 7 a 10 músicas. Vou seguir a carreira de cantor. Será um prazer termos esse disco. Sei que não será fácil seguir a carreira, mas vou continuar a mostrar esse meu lado.

Que tipo de sonoridades lhe caracterizarão?
Primeira coisa, as músicas vão ser 100% acústica. Vou usar cordas, sopros, bateria, piano acústico, guitarra, baixo, coro. Eu quero coisa boa. É um investimento da Kissanji Produções. Não vejo a hora de começar. Quero deixar meu carimbo na voz.

Que influências da produção poderá trazer à carreira?
Isso a gente vai saber no terreno. Produzir é algo do escritório e cantar é para o mundo. Haverá músicas que eu vou começar com o Blues, mas virado para a África. Estou a pensar diferente, música mexida, mas com boas sonoridades.

Está na música há vários anos. Sabe melhor do que ninguém cantar requer tempo e dedicação. Como vai fazer para conciliar as duas carreiras?
Eu sempre vou tocar e cantar, isso fará a minha imagem. Terei sempre suporte dos instrumentistas atrás e vou impressionar.

Já escreveu para alguns músicos. Suas letras chegaram a “bater”?
Escrevi para Anabela Aya, Yuri da Cunha, Titica com Ary, são várias… não dá para citar mais… é muita coisa: Semba Kizomba, Rumba, Afro Jazz.

as cargas mais recentes

Elias Dya Kimuezu recebe certificado de mérito pelo seu contributo na música angolana

há 6 meses

Mi Mosquito: “ Uns preferem assinar com quem já é consagrado, eu não. Senão, o projecto é do artista e tem apenas o meu financiamento”

há 4 meses

Polish Women Seeing Culture

há 9 meses

Aline Frazão junta-se ao projecto #1000Máscaras20Dias da Soba Store

há 3 anos
A boa-nova chegou pelas redes sociais da cantora, onde através de uma publicação, fez saber que vai usar a habilidade da costura para contribuir com a iniciativa da Soba Store, que consiste em distribuir gratuitamente máscaras aos servidores públicos essenciais.

Aos 81 anos Manuel Rui volta a enriquecer literatura angolana com novo livro

há 1 ano
Como diz o próprio a “velhice está na mente e não na idade”. Após ter lançado dois trabalhos, em Novembro do ano passado, o romance “O Benguelense Boxeur” e o conto “Tio Jorge e outros quês”,  Manuel Rui Monteiro está de volta à União dos Escritores Angolanos com um novo livro.

Sinead O’Connor queixa-se nas redes sociais: “Estou a morrer de fome”

há 2 anos
A cantora padece de agorafobia e recorreu às redes sociais está semana, para falar sobre a luta contra o transtorno de ansiedade que a deixa com medo de sair de casa.

Após desmentir informações sobre “fim da carreira” Anna Joyce anuncia dois concertos

há 2 anos
Considerada uma das maiores referências da música angolana dos últimos tempos, Anna Joyce estará no palco do Club S, em Luanda, nos dias 17 e 18 para protagonizar os seus primeiros espectáculos desde o início da pandemia.

EtimbaFest: Músicos recolhem donativos para construção de biblioteca comunitária no Lobito

há 2 anos
A vontade de querer ajudar uma pequena comunidade do Lobito, com a construção de uma biblioteca, que poderá beneficiar mais de 500 pessoas, “obrigou” Yuri da Cunha, Gilmário Vemba, Irina Vasconcelos Alba Nigra, Prince Wadada, B-SKilla e Chaló Correia a reunirem-se em Lisboa para dois espectáculos pedagógicos, que podem ser assistidos nos dias 19 e 26 deste mês através do NetShows”, Musickool e RTP África.

Como está o mundo 11 anos após a morte de Michael Jackson?

há 2 anos
Passados 11 anos após a sua morte, o sucesso de Michael Jackson é ainda um mistério, se estivesse em vida, Jackson estaria a celebrar 62 anos.

Twitter homenageia Pop Smoke com emojis

há 3 anos
Pop Smoke foi assassinado em fevereiro deste ano, o crime ainda não foi esclarecido. Na passada sexta-feira, foi lançado o álbum de estreia do rapper “Shoot For The Stars Aim For The Moon, a título póstumo e o músico ganhou homenagem especial.

Ascenção Music e MC Cabinda anunciam tournée pelo país

há 1 ano
Numa primeira fase, têm agendado para Outubro e Novembro concertos na Estação do Nova Vida e depois seguem para Viana, Cacuaco, Bengo, Kwanza Norte e Malanje. Mais tarde, visitam Cabinda, Zaire (Soyo) e outras partes do país.

Anna Joyce: A mais premiada do Globos de Ouro da Zap

há 2 anos
A cantora foi o destaque da primeira edição do Globos de Ouro da Zap ao levar para casa três prémios em três categorias, numa gala em que concorriam expoentes máximos da música angolana.

Pongo leva Kuduro ao principal festival de exposição de música do mundo

há 2 anos
A cantora angolana e ex-vocalista dos Buraka Som Sistema é uma das principais atracções do Festival Internacional para o desenvolvimento do World Music (WOMEX), maior evento de exposição de música do mundo-que acontece todos os anos em vários locais da Europa.

Phedilson: “Uma das minhas causas é lutar contra a segregação regional dentro do rap game”

há 2 anos
Não basta ser bom rapper, Phedilson Ananás ou simplesmente PA, emplaca um êxito atrás do outro, sucesso este que acabada de ganhar mais um incremento, o LP #AVE, disponibilizado ontem, nas plataformas de streaming.

Filme `Nossa Senhora da Loja do Chinês´ estreia em grande no Festival de Roterdão

há 1 ano
Escrito e realizado por Ery Claver, NOSSA SENHORA DA LOJA DO CHINÊS, é a nova longa-metragem de ficção produzida pela GERAÇÃO 80. O filme terá sua Estreia Mundial em Janeiro de 2022, na 51ª edição do Festival Internacional de Cinema de Roterdão.

Megan The Stallion é eleita a rapper do ano pela GQ

há 2 anos
A rapper está numa das três versões da capa da revista ao lado de George Clooney e Trevor Noah. Na entrevista, The Stallion fala sobre crescer cercada por mulheres negras fortes em Houston e os desafios que todas enfrentaram.