Depois de vários anos a produzir, Mestre Freddy apresenta-se como cantor

Mestre Freddy é dos nomes mais importantes no que toca a produção musical em Angola. Já trabalhou com Matias Damásio, Anna Joyce, Pérola, Gabriel Tchiema, Kyaku Kyadaff e tantos outros, para além de escrever para vários artistas. Após longos anos, explica porquê decidiu conciliar a carreira de produtor com a de cantor e apresenta as suas primeiras músicas com sonoridade diferenciada. Já tem o primeiro álbum à vista e deixa todas as impressões da “nova carreira” nesta entrevista.

Como descobre o lado de cantor?
Antes de ser produtor, fui cantor mas não profissional, aos meus 15 anos. Primeira coisa que eu fiz foi catar. Fui percussionista, tocava numa banda. Não é coisa que eu descobri agora, nasci numa família onde todos cantam. Não é novidade!

E porquê só agora decide explorar a faceta?
Não é uma ideia que caiu da chuva. Sempre soube que algum dia seguiria a carreira de cantor. Tinha de ter um nome no mercado, e fi-lo como produtor. Hoje Mestre Freddy é uma referência e as pessoas poderão associar o meu nome ao cantor a solo. Precisamos de dar boa educação musical à nova geração.

O que vai caracterizar o cantor Mestre Freddy?
Já escrevi para muita gente. Agora estou a atentar conquistar… não será um disco, quero ainda lançar alguns trabalhos e conquistar os fãs. Vou fazer um bom trabalho. Trago músicas que vão permanecer no tempo, música para a vida toda.

De que género?
Sou conhecido como um músico de Afro Jazz., Kizomba e Semba. Vou trazer um estilo africano misturado com os nossos. Não quero fazer música só por fazer, estou a fazer também para a minha vida mudar. Eu não vou trazer um estilo do Tchiema, Damásio ou Ndaka, vou juntando toda minha experiência, vou trazer um álbum para dançar, para ouvir, vou trazer melodias, eu tenho de fazer chorar as pessoas. Vou cantar em várias línguas, em homenagem a todas as línguas que eu falo: lingala, francês, português, cokwé, umbundu, swahili.

Como se intitulam as músicas experimentais e quando estarão disponíveis?
A primeira é “Cecília”, uma homenagem à minha primeira filha, onde trago histórias que incentivam as pessoas a conquistarem seus sonhos. A segunda é “Mwakie”, significa sozinho, e mostro que na vida tem de se lutar e traz participação de Kyaku Kyadaff. Tenho mais uma outra que será lançada depois, e terá participação de Ivan Alexey.

Depois de vários anos a produzir, Mestre Freddy apresenta-se como cantor

Até quando teremos as primeiras duas músicas de Mestre Freddy?
Vou dizer a realidade, até final de Setembro vamos ter as músicas, porque quero lançar com um vídeoclipe. Até lá teremos tudo, portanto, até final de Setembro.

Neste momento como está a correr a produção?
Por agora estamos a fazer as bases das músicas cá e depois vou a Portugal e concluirei em Paris. Caso não consiga ir por causa da pandemia, vou fazer algumas coisas aqui e depois eu mando para lá e eles me enviam, mas estando presente é sempre melhor.

Mas vai apenas cumprir um desejo ou pretende mesmo seguir a carreira de cantor?
Não serão apenas duas músicas. Vou gravar disco, com 7 a 10 músicas. Vou seguir a carreira de cantor. Será um prazer termos esse disco. Sei que não será fácil seguir a carreira, mas vou continuar a mostrar esse meu lado.

Que tipo de sonoridades lhe caracterizarão?
Primeira coisa, as músicas vão ser 100% acústica. Vou usar cordas, sopros, bateria, piano acústico, guitarra, baixo, coro. Eu quero coisa boa. É um investimento da Kissanji Produções. Não vejo a hora de começar. Quero deixar meu carimbo na voz.

Que influências da produção poderá trazer à carreira?
Isso a gente vai saber no terreno. Produzir é algo do escritório e cantar é para o mundo. Haverá músicas que eu vou começar com o Blues, mas virado para a África. Estou a pensar diferente, música mexida, mas com boas sonoridades.

Está na música há vários anos. Sabe melhor do que ninguém cantar requer tempo e dedicação. Como vai fazer para conciliar as duas carreiras?
Eu sempre vou tocar e cantar, isso fará a minha imagem. Terei sempre suporte dos instrumentistas atrás e vou impressionar.

Já escreveu para alguns músicos. Suas letras chegaram a “bater”?
Escrevi para Anabela Aya, Yuri da Cunha, Titica com Ary, são várias… não dá para citar mais… é muita coisa: Semba Kizomba, Rumba, Afro Jazz.

as cargas mais recentes

Ndaka Yo Wini representa o país no festival internacional da afrodescendência

há 1 ano

DJ Quik reivindica direitos autorais nas músicas de 2Pac, R. Kelly até Kendrick Lamar

há 1 ano
Visivelmente agastado, DJ Quik queimou publicamente, durante um live no seu Instagram (28), um cheque de royalties da Death Row Records ao lamentar pela falta de reconhecimento por aquilo que já fez para a música norte-americana.

Mário Gomes: O presente e o futuro entre os guitarristas

há 2 anos
Dom Caetano, Filipe Mukenga consideram-no o melhor guitarrista da actualidade. Saiba mais sobre este pequeno/grande músico na entrevista concedida à Revista Carga.

Kanda anuncia lançamento do novo EP para Outubro

há 2 anos
O cantor lançou recentemente a música intitulada `Estúpida´, como forma de confirmação da chegada `Kakus de Amor´, inicialmente projectado como sucessor do álbum `Sinais´, mas que por imposição dos novos tempos será apenas um EP.

Filho de Naya Rivera será indemnizado pelo Condado de Ventura

há 4 meses
Embora a causa da morte ainda não tenha sido conclusivamente esclarecida, o filho de seis anos da artista, será compensado financeiramente, pois a família de Rivera alega que o Condado de Ventura poderia ter evitado a sua morte com melhores medidas de segurança. 

Paul McCartney e Taylor Swift revelam parceria em entrevista à Rolling Stone

há 2 anos
A Rolling Stone divulgou ontem a sua mais recente capa, onde figuram os dois artistas de gerações diferentes, na estreia de uma série de novas conversas entre artistas, o Musicians On Musicians.

Nova série da National Geographic dá a Aretha Franklin o ‘Respect’ que merece

há 1 ano
Aretha que já foi interpretada por Jennifer Hudson, desta vez, será “revivida” por Cynthia Erivo, como a Rainha da música soul.

Tributo ao Poeta Maior marca retorno do Duetos N’Avenida

há 11 meses
A retoma do projecto foi marcada pela diversidade e testemunhada in loco por uma plateia de 200 pessoas, que acorreram ao novo recanto ₋Memorial António Agostinho Neto‐, para se regalar com a dupla performance de Ângelo Reis, o “Poeta dos Pés Descalços” e Márcio Batalha.

TV Zimbo emite ‘Especial Manuel Rui Monteiro’ hoje a partir das 22:30

há 8 meses
A vida e obra do Poeta, contista, ensaísta e crítico, Manuel Rui Monteiro será hoje revisitada com um Especial na TV Zimbo, em alusão ao seu 80ª aniversário natalício.

Rapper Scarface pede ajuda dos fãs para conseguir um novo rim

há 2 anos
A situação de saúde do rapper da Old School agravou-se após ter contraído o novo Coronavírus em Abril.

Kevin Durant, James Harden e Giannis Antetokounmpo entre os 75 melhores da NBA

há 8 meses
A lista completa será revelada até sexta-feira, as lendas serão seleccionando em 3 grupos de 25.

Fotogaleria: Yuri da Cunha protagoniza “dueto” épico com Teta Lando

há 1 ano

Bob Dylan decide vender todo seu catálogo de gravações à Sony Music

há 5 meses
Com cerca de 60 anos de música, o lendário músico norte-americano do “Blues”, “Folk” e “Country” vendeu todo o catálogo de gravações à Sony Music, desde o álbum homónimo, de 1962, até ao “Rough and Rowdy Ways”,  lançado em 2020. O que quer dizer, os direitos de reprodução e distribuição passam agora à concorrente da Universal- a quem tinha vendido os direitos de autor.

Artista plástico Mieze protagoniza primeira exposição individual na Galeria Tamar Golan com o tema “Luz”

há 3 semanas
O artista angolano Mieze vai apresentar-se no próximo dia 09 de Junho de 2022, pelas 18 horas, na Galeria Tamar Golan, com “Luz”, uma exposição individual que ficará patente ao público até ao dia 24 de Junho de 2022, podendo ser visitada de Segunda a Sexta-feira.

Decreto presidencial “beneficia” sector do entretenimento pela primeira vez em dois anos de pandemia

há 5 meses
O sector do entretenimento entrará, pela primeira vez em dois anos de pandemia, numa “nova era”, a era do aligeiramento das restrições nas actividades.

Top Dos Mais Queridos 2021 vai homenagear mulher zungueira e terá novas regras

há 1 ano