Dino Ferraz: “Não me rotulo, seja a nível de estilos ou de mercado. Sou aberto a fazer música da maneira que sentir”

Dino Ferraz é um artista multifacetado, mas a voz e a composição são seus maiores instrumentos. Além de cantar e escrever, produz, toca e interpreta. Conquistou várias edições do Festival da Canção de Luanda, destancando-se na escrita, interpretação, composição e produção.

Depois de uma trajectória coroada de prémios e várias distinções e nomeações, assinou com a Milionário Records. O contrato já começou a dar os primeiros frutos. Dino conversou com a Carga e apresentou os projectos que tem com a sua nova produtora, a Milionário Records, a começar pelo single ‘Sintomas’, disponibilizado hoje.

Em Julho assinou com a Milionário Records. Em termos concretos, que vantagens já tirou desta parceria? 

As vantagens são visíveis e palpáveis, tanto para quem acompanha a minha carreira de perto como para quem acompanha à distância, mesmo em tempo de pandemia, consegue perceber que houve uma grande evolução na minha carreia. As vantagens começam obviamente pela parte do investimento. Eu hoje tenho um investimento maior e melhor, que me permite fazer mais e melhores trabalhos. Outra grande vantagem  cinge-se no aspecto organizacional, hoje tenho uma equipa que me permite trabalhar de forma mais profissional.

Após assinar, disse que começava uma nova era. O que queria dizer com isso? 

Sim, começou, de facto, uma nova era da minha carreira desde que me uni à família Milionário. Coincidentemente também era uma nova era para a Milionário. Como devem imaginar, andou durante algum tempo a fazer reestruturações e eu entro nessa fase em que a Milionário se está a erguer.

Que projectos têm em carteira neste momento?

É prematuro ainda dizer se depois do single ‘Sintomas’ lançado hoje, teremos novos trabalhos este ano, mas por agora este é o projecto que temos: lançar o vídeo e o single da música “Sintomas”, que é o meu segundo oficial depois de “A Minha Amada”.

Tem uma trajectória que passa pela produção, composição e interpretação. O quê que o público desconhece de si? 

É por esta trajectória que sou conhecido como um cantor, produtor e compositor que prima muito pelos aspectos estéticos. Não costumo fazer tudo nos meus trabalhos, firmo-me mais naquilo que eu acho que posso fazer com maior competência.

Em termos participativos. Que novidades traz nesses projectos ? 

Não terei participação no “Sintomas”, pelo menos a nível de intérpretes. Mas em termos de instrumentos, trago muitos bons artistas. Mas claro, terei músicas com participações de outros cantores.

O que gostaria de conseguir com a Milionário que não obteve antes? 

O que eu gostaria de conseguir com a Milionário é chegar onde eu, eventualmente, não chegaria enquanto artista independente. Com a Milionário, eu tenho certeza absoluta que vou chegar, todos os dias, reinventamo-nos. Não olhamos só para o mercado de Angola, olhamos para o mercado global.

Se tivesse que se lembrar como e onde começou, em que posição colocaria a sua carreira agora?

A retrospectiva que eu faço do antes e depois é muito positiva. Neste momento, apesar de serem só três meses, eu sinto que houve uma grande evolução.

Quais as maiores conquistas que já obteve desde que começou a cantar? 

Das conquistas que já obtive desde que comecei a cantar, claramente a minha entrada para a Milionário. Estou muito feliz, este contrato é o resultado de todo um trabalho árduo, que não foi só meu, foi dos meus amigos ao longo desses anos todos. Agradeço a Milionário por ter investido num artista, que na visão de muitos, é improvável.

Suas composições destacaram-se em vários concursos. Quando olha para essas nomeações, não lhe passa à cabeça que devia ficar só pela escrita?

Já ganhei sim vários prémios com composições, mas não só ganhei também como intérprete. Venci o Festival da Canção 2015, como intérprete, cantando uma canção composta por Totó ST e voltei a ganhar o Festival em 2018 como compositor com o tema Se For a Eu, interpretada por Carla Moreno.

Toca, canta, produz e escreve. Nos projectos que tem em carteira, haverão músicas em que vai  empreender todas essas competências? 

Compor e cantar são as duas zonas que me sinto bastante confortável e vou continuar a investir em ambas as partes e apostar em outras áreas que as pessoas não conhecem, a produção, por exemplo.

Quanto a ter que fazer uma música em que faço tudo, eu raramente faço isso, apesar de ser compositor, intérprete, instrumentista e também produtor. Penso que duas “cabeças” pensam melhor.

Para que mercado direccionou a sua carreira? 

Não costumo direccionar a minha carreira para um mercado específico, justamente para não rotular os meus trabalhos, as minhas músicas. Eu acho que é um grande prazer ver o “teu” trabalho ser consumido por um grande segmento e esse tem sido a minha luta, eu acho que a música não tem classe. Não me rotulo, seja a nível de estilos, ou de mercado. Sou um artista claramente aberto a fazer música da maneira que eu sentir.

as cargas mais recentes

FILA lança nova colecção de ténis para homenagear primeiro álbum de Notorious B.I.G

há 2 anos
Para homenagear o 25.º aniversário de “Ready To Die”, álbum de estreia de Biggie, a FILA anunciou o lançamento de uma nova colecção de ténis “FILA x Biggie”, com cores característicos da referida obra.

Live de Marília Mendonça bate recorde mundial 3,2 milhões de espectadores em simultâneo

há 2 anos
A cantora celebrou o recorde com um post no Twitter com a foto do exacto momento em que atingiu a marca de 3,2 milhões de views, superando o recorde mundial do Youtube anteriormente conquistado pela dupla Jorge e Mateus com 3,1 milhões.

Fogo nos racistas: Bordão viralizado pela música de Djonga potencia merchandising do artista

há 1 ano
Repercutida inicialmente com alguma polêmica, a expressão se tornou símbolo da luta contra o racismo no Brasil, e recentemente, o elemento mais pujante da identidade visual do merchandising do artista.

Vida de Juliana Kafrique, zungueira morta por um agente da polícia, será retratada em filme

há 1 ano
O filme autobiográfico é um Drama, tem duração de 40 minutos e será lançado antes do final deste ano. A produção é do realizador Henriques Narciso “Dito” e surgiu repentinamente. O enredo gira em torno da vida de Juliana Kafrique até ser morta por um agente da Polícia Nacional, que cumpre, neste momento, pena de 16 anos de prisão por homicídio voluntário.

Rádios observam semana de Artur Nunes

há 2 anos
De 20 a 26 deste mês, o músico foi o principal destaque nas rádios do país. Não só foi o artista mais tocado, mas também o seu tema “N’gola Tua Itambula” foi o mais ouvido nas mais de 50 rádios nacionais.

Pai Natal Angolano é conhecido hoje no auditório Horizonte Njinga Mbande

há 9 meses
Inspirado na imagem de Enoque Caracol, a peça teatral que vai reunir a arte da dança e da música no mesmo palco, conta a história da pequena Kendra, que teve um sonho sobre um Natal recheado de coisas boas, mas que depois passou a ser um pesadelo.

Papekas analisa a própria carreira em novo single

há 2 anos

Tony Frampênio: Belas e Perigosas foi associado à sexualização e objectificação da mulher “porque há dificuldade hermenêutica do público angolano em interpretar arte”

há 6 meses

Sophie Xeon morre após queda tentando ver a lua cheia

há 2 anos
SOPHIE, cantora, produtora e DJ escocesa, morreu ontem, aos 34 anos. A morte foi confirmada pela gravadora PAN e por amigos próximos.

Ponto de Luz: Duc e Sarissari trazem vibes do verão em novo single

há 1 ano

A partir de agora artistas e autores angolanos já podem ganhar com Tik Tok, Spotify, Apple Music ou BoomPlay

há 1 ano
A monetização dos direitos autorais para compositores, artistas, autores e publisher angolanos resulta de um acordo rubricado no mês de Maio entre a SADIA e as respectivas plataformas digitais de streaming.

Coronavírus: Yanick prevê maus momentos para os músicos

há 2 anos
Sem “papas na língua”, falando para a Revista Carga, o rapper Yanick Ngombo “Afroman” reconheceu que se a situação do Coronavirus se prolongar os músicos vão passar maus momentos.

Família real autoriza sessões de cinema públicas em casa

há 2 anos
A monarca permitiu que se realizassem sessões de cinema ‘drive-in’ no jardim da casa de campo da família, em Norflok, no Reino Unido.

Lançamentos dos álbuns de Cef Tanzy e Projecto Comboio terão sido adiados devido ao show de Gerilson Insrael?

há 10 meses
O anúncio sobre o cancelamento, a menos de 24 horas, das vendas e sessões de autógrafos dos álbuns “The Coach” do músico Cef Tanzy e “Comboio Vol.1” terá deixado, na última sexta-feira, os fãs e os amantes da música sem palavras. Mas, e como dizem os peritos, qualquer acção comunicativa movida sobre um produto acaba sempre por promovê-lo.

Jomo Fortunato acusa Ilídio Brás de se apropriar do seu livro para ir buscar dinheiro na Sonangol

há 10 meses
O crítico musical, Jomo Fortunato, acusa o produtor Ilídio Brás de se apropriar do seu livro “A mística e o Simbolismo dos Tambores”, lançado domingo, em Luanda, para ir buscar dinheiro na Sonangol. A obra em causa retrata a trajectória do percussionista Joãozinho Morgado, considerado o “Rei dos Tambores”.

Fã de 10 anos pede batalha de bateria a Dave Grohl dos Foo Fighters

há 2 anos
Nandi Bushell, de 10 anos, pediu um desafio de bateria a Dave Grohl, músico de 51 anos da banda de Rock Foo Fighters. A batalha foi aceite e durou 30 segundos.