Dino Ferraz: “Não me rotulo, seja a nível de estilos ou de mercado. Sou aberto a fazer música da maneira que sentir”

Dino Ferraz é um artista multifacetado, mas a voz e a composição são seus maiores instrumentos. Além de cantar e escrever, produz, toca e interpreta. Conquistou várias edições do Festival da Canção de Luanda, destancando-se na escrita, interpretação, composição e produção.

Depois de uma trajectória coroada de prémios e várias distinções e nomeações, assinou com a Milionário Records. O contrato já começou a dar os primeiros frutos. Dino conversou com a Carga e apresentou os projectos que tem com a sua nova produtora, a Milionário Records, a começar pelo single ‘Sintomas’, disponibilizado hoje.

Em Julho assinou com a Milionário Records. Em termos concretos, que vantagens já tirou desta parceria? 

As vantagens são visíveis e palpáveis, tanto para quem acompanha a minha carreira de perto como para quem acompanha à distância, mesmo em tempo de pandemia, consegue perceber que houve uma grande evolução na minha carreia. As vantagens começam obviamente pela parte do investimento. Eu hoje tenho um investimento maior e melhor, que me permite fazer mais e melhores trabalhos. Outra grande vantagem  cinge-se no aspecto organizacional, hoje tenho uma equipa que me permite trabalhar de forma mais profissional.

Após assinar, disse que começava uma nova era. O que queria dizer com isso? 

Sim, começou, de facto, uma nova era da minha carreira desde que me uni à família Milionário. Coincidentemente também era uma nova era para a Milionário. Como devem imaginar, andou durante algum tempo a fazer reestruturações e eu entro nessa fase em que a Milionário se está a erguer.

Que projectos têm em carteira neste momento?

É prematuro ainda dizer se depois do single ‘Sintomas’ lançado hoje, teremos novos trabalhos este ano, mas por agora este é o projecto que temos: lançar o vídeo e o single da música “Sintomas”, que é o meu segundo oficial depois de “A Minha Amada”.

Tem uma trajectória que passa pela produção, composição e interpretação. O quê que o público desconhece de si? 

É por esta trajectória que sou conhecido como um cantor, produtor e compositor que prima muito pelos aspectos estéticos. Não costumo fazer tudo nos meus trabalhos, firmo-me mais naquilo que eu acho que posso fazer com maior competência.

Em termos participativos. Que novidades traz nesses projectos ? 

Não terei participação no “Sintomas”, pelo menos a nível de intérpretes. Mas em termos de instrumentos, trago muitos bons artistas. Mas claro, terei músicas com participações de outros cantores.

O que gostaria de conseguir com a Milionário que não obteve antes? 

O que eu gostaria de conseguir com a Milionário é chegar onde eu, eventualmente, não chegaria enquanto artista independente. Com a Milionário, eu tenho certeza absoluta que vou chegar, todos os dias, reinventamo-nos. Não olhamos só para o mercado de Angola, olhamos para o mercado global.

Se tivesse que se lembrar como e onde começou, em que posição colocaria a sua carreira agora?

A retrospectiva que eu faço do antes e depois é muito positiva. Neste momento, apesar de serem só três meses, eu sinto que houve uma grande evolução.

Quais as maiores conquistas que já obteve desde que começou a cantar? 

Das conquistas que já obtive desde que comecei a cantar, claramente a minha entrada para a Milionário. Estou muito feliz, este contrato é o resultado de todo um trabalho árduo, que não foi só meu, foi dos meus amigos ao longo desses anos todos. Agradeço a Milionário por ter investido num artista, que na visão de muitos, é improvável.

Suas composições destacaram-se em vários concursos. Quando olha para essas nomeações, não lhe passa à cabeça que devia ficar só pela escrita?

Já ganhei sim vários prémios com composições, mas não só ganhei também como intérprete. Venci o Festival da Canção 2015, como intérprete, cantando uma canção composta por Totó ST e voltei a ganhar o Festival em 2018 como compositor com o tema Se For a Eu, interpretada por Carla Moreno.

Toca, canta, produz e escreve. Nos projectos que tem em carteira, haverão músicas em que vai  empreender todas essas competências? 

Compor e cantar são as duas zonas que me sinto bastante confortável e vou continuar a investir em ambas as partes e apostar em outras áreas que as pessoas não conhecem, a produção, por exemplo.

Quanto a ter que fazer uma música em que faço tudo, eu raramente faço isso, apesar de ser compositor, intérprete, instrumentista e também produtor. Penso que duas “cabeças” pensam melhor.

Para que mercado direccionou a sua carreira? 

Não costumo direccionar a minha carreira para um mercado específico, justamente para não rotular os meus trabalhos, as minhas músicas. Eu acho que é um grande prazer ver o “teu” trabalho ser consumido por um grande segmento e esse tem sido a minha luta, eu acho que a música não tem classe. Não me rotulo, seja a nível de estilos, ou de mercado. Sou um artista claramente aberto a fazer música da maneira que eu sentir.

as cargas mais recentes

Ondjaki assinala 20 anos de literatura com o lançamento d’O livro do Deslembramento’

há 2 anos
O evento de lançamento será realizado na galeria MOVART (marginal de Luanda), аs 15h:30 com várias conversas de final da tarde entre o autor e Elisângela Rita (poetisa), Fradique (realizador), Ngoi Salucombo (fotógrafo), César da Silveira (consultor de comunicação) e o público.

Mano a Mano: Mano Brown democratiza debates no Spotify

há 1 ano
Mano Brown estreou o podcast no passado mês de Agosto, com a rapper artista Karol Conká, também já passaram pelo programa Drauzio Varela e mais recentemente o ex-presidente do Brasil, Luiz Inácio Lulas da Silva.

Sambizanga passará a contar com plataforma de promoção dos artistas

há 2 anos

Trump chama cantora Madonna de feia

há 3 anos
O novo livro de Mary L. Trump, sobrinha do actual presidente dos Estados Unidos, está a gerar controvérsia, pelo facto de desvendar temas secretos da vida do presidente.

Érica Chissapa aprovada para novela portuguesa

há 2 anos
A actriz angolana Erica Chissapa fará parte do elenco da novela portuguesa “Amar demais”, da TVI.

1 de Junho: Filantropia junta artistas em prol da Aldeia de Criança SOS-Lubango

há 2 anos
Em comemoração ao Dia Internacional da Criança, um leque de artistas vai juntar-se amanhã no palco do Miami Beach, para uma live solidária em prol da Aldeia de Criança SOS do Lubango.

Muntu: Linha angolana de artigos handmade invade mercado norte-americano

há 12 meses
Inspirada no princípio africano “Ubuntu”-eu sou, porque tu és- a marca é desenvolvida à mão por artesãos a partir de uma base ecológica com o objectivo de se conservar o meio ambiente e depois de ser vendida os lucros são enviados a Angola para ajudar centros de caridade.

Nanm Kann: Álbum póstumo de Jacob Desvarieux chega às bancas no próximo dia 10 de Dezembro

há 1 ano

Do piano aos instrumentos de sopro: Adimaldo, o autodidacta que Tok’Aki

há 2 anos

Fredy Costa torna-se padre

há 3 anos
Padre Casimiro é o papel que o actor angolano Fredy Costa vai interpretar na nova telenovela da SIC, intitulada “Terra Brava”, cujas filmagens já decorrem.

Kid Cudi “clama” por nova música de Kendrick Lamar

há 2 anos
O rapper usou o Twitter para expressar a saudade que sente do colega, cujo o último trabalho lançado -DAMN-, completará quatro anos no próximo mês.

O Rotineiro Incansável

há 3 anos
Kizua Gourgel anunciou o sucessor do álbum Tetembwa.

Universidade Hip Hop Angola reconhece percurso e contributo de DJ Samurai em dia de celebração

há 1 ano

Após ter álbum eleito como o melhor da história do Brasil, Milton Nascimento anuncia fim de carreira

há 8 meses
Lançado em 1972, o disco ‘Clube da Esquina’, de Milton Nascimento e Lô Borges, foi eleito o melhor álbum já lançado, na história da música brasileira, numa iniciativa do podcast Discoteca Básic.

Filme de Mawete Paciência entra no Amazon Prime Video

há 2 anos
O filme “Rasto de Sangue” do realizador Mawete Paciência estará disponível no Amazon Prime Video, tornando-se a primeira película nacional na plataforma de streaming.

Trey Songz nega alegações de má conduta sexual

há 2 anos
Dois anos após ter sido denunciado por intimidação sexual, pela actriz Keke Palmer, o cantor tem enfrentado crescentes acusações e a mais recente veio à tona na passada quarta-feira.