Dino Ferraz: “Não me rotulo, seja a nível de estilos ou de mercado. Sou aberto a fazer música da maneira que sentir”

Dino Ferraz é um artista multifacetado, mas a voz e a composição são seus maiores instrumentos. Além de cantar e escrever, produz, toca e interpreta. Conquistou várias edições do Festival da Canção de Luanda, destancando-se na escrita, interpretação, composição e produção.

Depois de uma trajectória coroada de prémios e várias distinções e nomeações, assinou com a Milionário Records. O contrato já começou a dar os primeiros frutos. Dino conversou com a Carga e apresentou os projectos que tem com a sua nova produtora, a Milionário Records, a começar pelo single ‘Sintomas’, disponibilizado hoje.

Em Julho assinou com a Milionário Records. Em termos concretos, que vantagens já tirou desta parceria? 

As vantagens são visíveis e palpáveis, tanto para quem acompanha a minha carreira de perto como para quem acompanha à distância, mesmo em tempo de pandemia, consegue perceber que houve uma grande evolução na minha carreia. As vantagens começam obviamente pela parte do investimento. Eu hoje tenho um investimento maior e melhor, que me permite fazer mais e melhores trabalhos. Outra grande vantagem  cinge-se no aspecto organizacional, hoje tenho uma equipa que me permite trabalhar de forma mais profissional.

Após assinar, disse que começava uma nova era. O que queria dizer com isso? 

Sim, começou, de facto, uma nova era da minha carreira desde que me uni à família Milionário. Coincidentemente também era uma nova era para a Milionário. Como devem imaginar, andou durante algum tempo a fazer reestruturações e eu entro nessa fase em que a Milionário se está a erguer.

Que projectos têm em carteira neste momento?

É prematuro ainda dizer se depois do single ‘Sintomas’ lançado hoje, teremos novos trabalhos este ano, mas por agora este é o projecto que temos: lançar o vídeo e o single da música “Sintomas”, que é o meu segundo oficial depois de “A Minha Amada”.

Tem uma trajectória que passa pela produção, composição e interpretação. O quê que o público desconhece de si? 

É por esta trajectória que sou conhecido como um cantor, produtor e compositor que prima muito pelos aspectos estéticos. Não costumo fazer tudo nos meus trabalhos, firmo-me mais naquilo que eu acho que posso fazer com maior competência.

Em termos participativos. Que novidades traz nesses projectos ? 

Não terei participação no “Sintomas”, pelo menos a nível de intérpretes. Mas em termos de instrumentos, trago muitos bons artistas. Mas claro, terei músicas com participações de outros cantores.

O que gostaria de conseguir com a Milionário que não obteve antes? 

O que eu gostaria de conseguir com a Milionário é chegar onde eu, eventualmente, não chegaria enquanto artista independente. Com a Milionário, eu tenho certeza absoluta que vou chegar, todos os dias, reinventamo-nos. Não olhamos só para o mercado de Angola, olhamos para o mercado global.

Se tivesse que se lembrar como e onde começou, em que posição colocaria a sua carreira agora?

A retrospectiva que eu faço do antes e depois é muito positiva. Neste momento, apesar de serem só três meses, eu sinto que houve uma grande evolução.

Quais as maiores conquistas que já obteve desde que começou a cantar? 

Das conquistas que já obtive desde que comecei a cantar, claramente a minha entrada para a Milionário. Estou muito feliz, este contrato é o resultado de todo um trabalho árduo, que não foi só meu, foi dos meus amigos ao longo desses anos todos. Agradeço a Milionário por ter investido num artista, que na visão de muitos, é improvável.

Suas composições destacaram-se em vários concursos. Quando olha para essas nomeações, não lhe passa à cabeça que devia ficar só pela escrita?

Já ganhei sim vários prémios com composições, mas não só ganhei também como intérprete. Venci o Festival da Canção 2015, como intérprete, cantando uma canção composta por Totó ST e voltei a ganhar o Festival em 2018 como compositor com o tema Se For a Eu, interpretada por Carla Moreno.

Toca, canta, produz e escreve. Nos projectos que tem em carteira, haverão músicas em que vai  empreender todas essas competências? 

Compor e cantar são as duas zonas que me sinto bastante confortável e vou continuar a investir em ambas as partes e apostar em outras áreas que as pessoas não conhecem, a produção, por exemplo.

Quanto a ter que fazer uma música em que faço tudo, eu raramente faço isso, apesar de ser compositor, intérprete, instrumentista e também produtor. Penso que duas “cabeças” pensam melhor.

Para que mercado direccionou a sua carreira? 

Não costumo direccionar a minha carreira para um mercado específico, justamente para não rotular os meus trabalhos, as minhas músicas. Eu acho que é um grande prazer ver o “teu” trabalho ser consumido por um grande segmento e esse tem sido a minha luta, eu acho que a música não tem classe. Não me rotulo, seja a nível de estilos, ou de mercado. Sou um artista claramente aberto a fazer música da maneira que eu sentir.

as cargas mais recentes

Zezé Di Camargo e Luciano festejam 30 anos de carreira

há 6 meses
A dupla Zezé Di Camargo & Luciano inicia as comemorações dos 30 anos de carreira da dupla com a edição do inédito single 1 hora e meia.

Luso explica as razões dos “Sonhos Molhados” em novo videoclip

há 2 meses
Trata-se do segundo vodeoclip da primeira parte do álbum Laços de Família. A música intitula-se “Sonhos Molhados” e está disponível no YouTube e nos principais canais de música desde a tarde de ontem.

Justin Bieber exige 10 milhões de dólares por cada acusação de abuso sexual

há 1 ano
Justin Bieber processou as mulheres que, nas redes sociais, o acusaram de violência sexual. Para indemnização por cada uma das acusações de que foi alvo, o cantor quer 10 milhões de dólares.

Ndaka Yo Wini canta no festival internacional de Montreal

há 3 semanas
O músico angolano Ndaka Yo Wini é uma das figuras de cartaz da 35ª edição do Festival Internacional de Montreal/Quebec (Canadá), denominado “Nuits d´Afrique”, que decorre desde o dia 08 de Julho.

Um novo talento no nível dos “grandes” do Ghetto Zouk nacional

há 7 meses
Carlos Ernesto é dos poucos talentos que já não tem muito para provar. A forma como impõe sua voz nos instrumentais, leva-nos a pensar que está há vários anos na música, mas ainda é novo no mercado.

A vez dos SSP no Live no Kubico

há 10 meses
Domingo dia 27 de Setembro, o projecto Live no Kubico apresenta como cartaz os SSP, um dos grupos de Rap mais icónicos da lusofonia, num concerto aguardado com muita expectativa tendo em conta a popularidade do quarteto.

Prodígio actua hoje no festival #EuFicoEmCasa

há 1 ano
O rapper Prodígio, actua hoje através do vídeo directo na sua conta do Instagram @pro2da , tendo sido convidado pela Sony, produtora a que está associado.

Stela de Carvalho incrementa locução ao seu CV

há 8 meses

3ª Aniversário do Património Cultural Mundial de Mbanza Kongo é celebrado com actividades online

há 1 ano
Assinala-se a 8 de Julho de 2020 o 3.º aniversário desde a elevação do centro histórico de Mbanza Kongo, a Património Cultural Mundial. A secular cidade angolana de Mbanza Kongo, na província do Zaire, foi inscrita pelo Governo angolano como Património Cultural da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), sendo a primeira validada no país por aquela Organização.

Embaixadores do Semba no Show do Mês

há 1 ano
A Banda Maravilha, conhecida como embaixadora do Semba, será o próximo cartaz do Show do Mês online, no sábado, num concerto que vai marcar o inicio da parceria entre a Nova Energia e TPA, que transmitirá todos os “Lives” no canal 2.

Música para Joãozinho Morgado estreia sexta-feira

há 9 meses
Cantada pelo percussionista cubano Yasmane Santos, o tema retrata a história de Joãzinho Morgado, sua importância na música angolana e no Semba em particular, destacando a sua perícia nos tambores.

Nova série da National Geographic dá a Aretha Franklin o ‘Respect’ que merece

há 4 meses
Aretha que já foi interpretada por Jennifer Hudson, desta vez, será “revivida” por Cynthia Erivo, como a Rainha da música soul.

Yola Semedo ou Ary, qual das duas tem mais hits?

há 2 meses
Apesar de as duas vozes angolanas surgirem em períodos distintos, não há muitas dúvidas de que constituem as principais referências femininas da música angolana da actualidade. Nas suas carreiras contabilizam-se 46 anos de estrada, sendo 31 para Yola e 15 de Ary.

Luciano Camargo lança primeiro álbum a solo

há 10 meses
O cantor brasileiro Luciano Camargo vai lançar, pela primeira vez em 29 anos de carreira, um projecto a solo. Trata-se de um obra com 15 faixas inéditas a ser apresentada no dia 16 de Outubro.

Paulo Flores em concerto no dia da Paz

há 1 ano
Quatro de Abril é o dia em que os angolanos festejam a Paz, mas o quatro de Abril de 2020 será diferente dos anteriores, tudo porque o mundo debate-se com a Pandemia do Covid-19.

Cine Mundo vai deixar de exibir filmes da Universal Pictures

há 1 ano