Dj Mandas: “Eu represento e protejo a minha cultura”

Mandas é dos mais representativos djs de Afro House no mundo. Vive actualmente na China e é o dj residente da Play House, um dos mais importantes club daquele país. Conquistou o respeito dos filipinos, russos, guineenses e brasileiros, depois de começar a carreira no Brasil, influenciado pelo Kizomba, Zouk, Hip Hop e música electrónica. 

Intransigente, Mandas tem um estilo próprio e define-se como um artista autêntico e não mede esforço, todos os dias, trabalha arduamente para deixar um legado aos mais novos. 

Para melhor representar a sua cultura, está a desenvolver o Afro Tina, uma fusão da tina-que é um estilo musical e ao mesmo tempo dança tradicional da Guiné-Bissau-com o Afro House. 

Foi na Guine Bissau que nasceu. É fã e admirador confesso da música angolana e agendou alguns lançamentos este ano.

Foi uma grande virada. Estava na Guiné, depois vai ao Brasil para estudar e lá, começa a seguir a carreira musical. Conte-nos como é que isso se procedeu?
Sempre gostei muita de música, mas nunca tinha pensado em ser um artista, no caso um dj. Quando fui para Brasil, o objectivo era terminar a faculdade e voltar para a Guiné-Bissau, porém acredito que a minha trajectória na música já estava “escrita” as coisas foram acontecendo de uma forma natural. O amor à música levou a coragem de tocar em discotecas, quando começam a surgir oportunidades. Não tardou para que eu começasse a tocar na Zona Sul do Rio (Copacabana) e com o passar do tempo começam a surgir convites por todo o Brasil, toquei em São Paulo, Fortaleza, Belo Horizonte, Juiz De Fora.

Dj Mandas: “Eu represento e protejo a minha cultura”

 Foi em 2014 que decide apostar seriamente na música. A partir de que momento sentiu que valia a pena investir na carreira profissional?
Em 2014, terminei o curso de Direito. Como, aparentemente, já tinha diploma a que me propus alcançar, depois segui o meu coração, ser um artista a “full time”. Graças a Deus foi uma aposta ganha, vivo da minha profissão e o faço com amor.

Até que ponto as suas origens influenciam nos estilos musicais que toca?
A cultura e músicas africanas têm uma influência forte em mim, sou apaixonado pelas minhas raízes. Os instrumentos tradicionais, são uma fonte de inspiração ao qual junto os beats, falei da Tina, mas também há o Kora, entre outros que produzem sons extraordinários, acredito que ainda há muito por explorar no Afro house, e quero surpreender muito mais com este estilo.

E como é que vai parar à China?
Vim a convite do meu melhor amigo que tinha negócios aqui na China. No início, a intenção era passar uma temporada aqui, e depois voltar. Acabei por ficar até hoje (risos). 

Depois disso, começou a receber convites e actuou em países como Rússia, Filipinas, China e na Guiné. Como é que fez para conseguir estar nesses locais?
Sim, toquei na Rússia, embora não seja nenhuma novidade para as pessoas que me conhecem bem, porque eu sou casado com uma russa (risos). Sou dj residente de um dos melhores club da China “Play House”, o que acaba influenciando muito aqui na Ásia, e isso abriu portas.

Dj Mandas: “Eu represento e protejo a minha cultura”

Além de dj, tem algumas músicas lançadas com as quais tem conseguido algum sucesso. Que projectos musicais está a preparar? Sim, dei os meus primeiros passos como produtor em 2016. Meu primeiro Single foi a “No Money No Party”, que lancei junto com um amigo produtor em 2018. No início deste ano, assinei com uma nova Label, a “Kavi Music” e, desde então, não paramos! Esta Label dá-me o suporte que todo o artista gostaria de ter e permite focar-me no meu trabalho. Já lançámos três singles que incluem “Mantenha” com o grande Manecas Costa; “Human” com a diva Karyna Gomes” e “Nha Love” featuring Jalex.

Estou focado em desenvolver mais ainda o meu estilo afro tina, uma fusão da tina-que é um estilo musical e ao mesmo tempo dança tradicional da Guiné-Bissau-com o Afro House. Espero lançar meu próximo single já no início de 2021.

É dos mais representativos djs no mundo do Afro House. O quê é que está a fazer para que o seu legado se perpetue?
Considero-me um artista autêntico e, para mim, esse é um factor importante para deixar legado no mundo da música. Eu represento e protejo a minha cultura, e dessa forma vou inspirando os mais novos.

Lançar um álbum é algo que já anda nos seus planos ou nem por isso?Sim, com certeza. Vários singles acabam transformando-se em álbum. Mas, no momento não estou a pensar em lançar álbum, porque, na verdade, não é uma decisão minha, tenho várias músicas prontas e se a Kavi Music achar que chegou o momento de lançarmos álbum, então que seja.

Como é ser dj na China? Sendo de um país com cultura e tradições totalmente diferentes?
O mundo da música mudou muito, hoje a China é um dos maiores mercados para os djs famosos da Europa e América. A China tem um dos melhores clubs do mundo, em termos de estrutura, e estão muito avançados. A música eletrônica invadiu o mercado chinês e o retorno é muito bom. No início foi difícil, mas graças a Deus a adaptação a este país e mercado, felizmente está a correr bem. 

Conhece alguns músicos ou música angolana?
Eu sou fã e admirador confesso da música angolana. Como todo amante da música, escuto Anselmo Ralph, Matias Damasio, Yuri Da Cunha, Paulo Flores, Anna Joyce, Don Kikas… A lista é longa (risos). 

Que músicos angolanos tem tocado com alguma frequência nos locais por onde passa?
Para ser sincero nenhum. Nos últimos anos, tenho tocado mais aqui na Ásia, mas espero poder trabalhar com alguns músicos angolanos em breve.

Que músicas ou artistas nunca podem faltar no seu performance e porquê?
Nomes como Djeff Afrozila, Prince Kaybee, Black Coffee não podem faltar, porque são artistas que me influenciaram muito.

Qual é a playlist que não pode esquecer de levar a um evento?
Todas as minhas músicas é claro (risos). 

as cargas mais recentes

Solidariedade artística em tempos de distanciamento

há 2 anos
Nunca o chavão “a dificuldade aguça a criatividade” fez tanto sentido como actualmente. O trabalho remoto tornou-se o novo normal, e reinventar, a palavra de ordem. No meio disto tudo, há famílias resguardadas em casa para se proteger e tentar travar o avanço da pandemia e outras que têm de escolher, entre escapar a doença ou passar por necessidades, para estas, a “entreajuda” se fez chegar na linha da frente com os “heróis” de microfone na mão.

Cage One e Elizabeth Ventura estreiam-se na maior exposição de Hip Hop do mundo

há 2 anos

Francisco Vidal enaltece Bruno Candé na exposição `Maka´

há 2 anos
`MAKA Lisboa´ é uma conversa construtiva sobre o assassinato racialmente motivado do actor Bruno Candé, na qual, o artista plástico Francisco Vidal, ajuda a percepcionarmos o trabalho e a sua presença de Bruno.

Estão abertas as candidaturas para um diálogo intergeracional de líderes e jovens da 2ª Bienal de Luanda

há 11 meses
A 2ª Edição da Bienal de Luanda – Fórum Pan-Africano para a Cultura da Paz, a decorrer entre os dias 4 e 8 de Outubro de 2021, tem previsto, como prelúdio, um diálogo intergeracional de líderes e jovens sobre o tema “Diversidade Cultural e Patrimonial de África e das suas Diásporas: uma fonte de conflito ou um terreno fértil para a paz?”.

Adelino Caracol: O pioneiro desconhecido do movimento Hip Hop angolano

há 2 anos
O 47° aniversário Hip Hop, que se comemorou na semana finda, trouxe ao de cima este facto irrefutável sobre a gene do movimento Hip Hop em Angola.

Sintoniza 96.1 FM: O LIVRO “Vida em Papéis e Letras”

há 9 meses
O LIVRO “Vida em Papéis e Letras”, é descrito como um programa que expõe o livro na sua plenitude: Edição, Pesquisas, Ilustrações, em suma, tudo o que faz parte da constituição de cada livro publicado. No ar todas as quartas-feiras, das 15 as 16 horas, o espaço está focado nos Autores, Editores, Críticos e Leitores.

Presidente da Federação Angolana Futebol corre o risco de ser severamente castigado pela FIFA

há 1 ano

Dr. Dre pergunta ao público quem estaria a “altura” de competir com Eminem e Swizz  Beatz responde

há 4 meses
Dos fãs de Dre e Eminem especulava-se que a legenda anunciava um álbum do produtor com a participação de Slim Shady, mas não passou de dizeres, porque Swizz  Beatz clarificou, respondendo a Dr. Dre que “Busta Rhymes” seria capaz.

Preto Show apresenta novo álbum online

há 2 anos

Anitta terá música e camisola personalizada nos jogos da PlayStation

há 2 anos
A cantora será a representante brasileira na lista de músicas da FIFA 21 nos jogos de consolas. O anúncio foi feito ontem pela EA Sports. Para além de música, Anitta terá também uniforme personalizado no FIFA Ultimate Team.

Ex-craque do futebol mundial Drogba rendido ao talento de Cleyton M

há 8 meses
Cleyton M volta a ser notícia na revista angolana de música, porque este sábado, arrancou elogios do ex- internacional do futebol costa marfinense, Didier Drogba, pelo seu último lançamento “Girl Friend’.

Kizomba invade espaços das principais cidades chinesas

há 4 meses
Nos últimos anos, o estilo de dança Kizomba ganhou popularidade na China e está a chegar a outros países asiáticos. Africanos, europeus e chineses sentem-se cada vez mais aproximados ao ritmo da dança angolana.

Davido lança novo álbum com Chris Brown, Nas, Nicki Minaj e Young Thug

há 2 anos
Intitulado “A Better Time”, o album é tipicamente africano e predomina o Afropop e Afrobeat. Com 17 faixas musicais, já está disponível e traz, entre outras, vozes de Chris Brown, Nicki Minaj, Nas, Young Thug e Lil Baby.

TPA proporciona regalo cultural ao mais alto nível

há 2 anos

Gerilson Insrael e Edmásia cantam no “é-Kwanza”

há 2 anos
Os músicos Gerilson Insrael e Edmásia serão “cabeças” de cartaz na próxima edição do “Ao vivo é-Kwanza”, sábado, num concerto cujo objectivo é angariar donativos para os lares necessitados.

Eddy Tussa solidário com artistas

há 2 anos
O espectáculo acontece a partir das 17 horas de hoje e o cantor far-se-á acompanhar de Yuri da Cunha. Designado “Show Live de Solidariedade aos Artistas”, o mesmo será transmitido no Facebook, Instagram e YouTube.