Documentário reapresenta Reino do Kongo na óptica africana

Nas palavras do autor Ne Kunda Nlaba, o filme não ficcional chega para “desconstruir” tudo o que nos foi ensinado sobre o Reino do Kongo, intitula-se “Reino do Kongo: Em busca do reino destruído” e vai estrear no próximo sábado, dia 26 de Junho, na Mediateca de Luanda.

São 104 minutos filmados entre Angola e a República Democrática Congo, em que o produtor e realizador, juntamente com a sua equipa, convida-nos a abandonar os livros e leva-nos à uma viagem reflexiva em torno “deste grande estado destruído”.

À Carga Magazine, o cineasta dá detalhes sobre a concepção de “Reino do Kongo: Em busca do reino destruído” e, partilha a sinopse detalhada do extinto Kongo Dia Ntotela, dando pistas que este documentário pretende ser um filme histórico de viagens e descobertas que une o passado e o presente.

“Além das escavações arqueológicas, os escritos de historiadores, sociólogos e antropólogos do Kongo e a tradição oral também nos ajudam a reconstruir essa rica história usando livros, correspondências entre os reis do Kongo e portugueses, retratos, testemunhos de chefes tradicionais e guias do Museu dos reis do Kongo”.

Como está composta a ficha técnica do documentário “Reino do Kongo: Em busca do Reino destruído”?
A ficha técnica está composta por roteirista, Productor e Diretor : Ne Kunda Nlaba, Narracçao: Abilio Matusse Junior, Camera/Angola: Ne Kunda Nlaba et Mfumu Ntoto Dikizeko, Camera/Muanda-Congo: Rubugenga Issa, Edição: Ne Kunda Nlaba, Edição e mixagem de som : Singev Tavarez, Empresa de produção : Labson Bizizi-Cine Kongo, Distribuição: Afrika Bizizi Distribution Ltd.

Quanto tempo durou a concepção do documentário?
Teve a duração de dois anos e meio, começamos em 2017 as gravações em Angola e no Congo e a pós produção já foi feita em 2019. A primeira estreia do documentário foi feita num festival de cinema de autores negros no Canadá.

Em termos financeiros, considera-o dispendioso?
Para se fazer este tipo de documentário requer muito investimento, pois vivo em Londres e tive que gastar nalgumas viagens para Angola. Não só as viagens internacionais como as interprovinciais até Mbanza-kongo. A pós-produção também foi dispendiosa por causa da produção dos sons e dos arranjos.

Num computo geral, quais as maiores dificuldades na montagem deste género de filme que por norma não deve ser ficcional?
O grande desafio foi o financiamento, não contamos com o apoio de nenhuma instituição governamental, tivemos que juntar dinheiro para concretizar o projecto. A busca da informação para este tipo de trabalho requer muita pesquisa e as informações disponíveis em livros, foram escritas por europeus e é sabido que quando o europeu conta a história sobre o colonialismo, conta de acordo com o seu ponto de vista e nesta obra não ficcional, vamos mostrar que foram os europeus que provocaram o declínio deste grande Reino.

Já agora, os seus projectos demonstram uma certa preocupação com a historiografia. Por quê Kimpa Vita e agora Reino do Kongo?
Penso que temos uma grande missão, que é divulgar a nossa história e origem. Começamos por Kimpa Vita por ser a mãe da revolução africana, porque acreditamos que a história de Kimpa Vita deve ser conhecida pelo mundo. Trata-se de uma mulher de 20 anos que lutou contra o tão poderoso colonialismo, defendeu os interesses de África e os africanos que estavam cativos física e mentalmente.

Kimpa Vita lutou para acabar com o colonialismo e reconstruir o reino do Congo e por isso merece a nossa honra. Neste mesmo documentário, também falamos do Reino do Kongo, pois é impossível falar de um sem mencionar o outro, Kimpa Vita é especial para nós por isso merece ser conhecida pelo mundo, ela fez história num lugar que hoje é conhecido como património da humanidade.

Que ilações pretendem que público tire deste projecto?
Há muitas lições que o público pode tirar deste projecto, até então se acreditava que o Reino do Kongo era um reino muito pequeno, uma juncão do Congo com uma pequena parcela de Angola, vamos desmistificar isto. Alguns historiadores e vestígios que encontramos mostram que na verdade o Reino do Kongo era muito grande, começava no Sul da Namíbia, passava pela Guiné equatorial e até ao Chade… As pessoas vão aprender que o Reino não foi constituído na chegada dos europeus, pois já era desenvolvido.

Se invés de falar das instituições financeiras, o sistema de educação, os artefactos, os artistas que trabalhavam no Reino do Congo e muitas outras coisas que as pessoas nem têm noção que saíram do Reino Congo. Por exemplo, boa parte do povo que ajudou a erguer o Reino Egípcio saiu do Reino do Congo. Tivemos que analisar este ponto de vista e usar fontes contraditórias, mas acabamos por ouvir e buscar mais a versão dos africanos, para além disso tínhamos que encontrar um sítio para investir o nosso saber.

Como estão a ser vividos os momentos que antecedem o espectáculo?

Estão a ser vividos com bastante expectativas, como cineasta e historiador vivemos para este momento, fizemos filmes para que o público assista e dê o seu feedback. Houve alguns festivais que não consegui me fazer presente por causa da pandemia e, já estamos com saudades de momentos como este.

Foi premiado pelo documentário “Kimpa Vita: A Mãe da Revolução Africana”, que outros projectos da sua trajectória cinematografica pode destacar?
A lista é enorme, produzi muitos filmes, dentre eles o «The Next» (2009), «The Steel Pan» (2010) , « Living Without Living » (2011) , «Chérie Bondowe» (2012), «Abeti Masikini : Le Combat d’une Femme» (2015), «Kimpa Vita: A mãe da revolução africana» (2016), «Reino do Kongo: Em Busca Do Reino Destruído» (2020), «Afro Beat» longa-metragem de ficção em desenvolvimento. São muitos que gostaria que as pessoas assistissem e acredito que destacaram-se.

as cargas mais recentes

Dj Khaled revela que levou 5 anos para conseguir juntar Jay-Z e Nas na mesma música

há 2 meses
A participação de Nas e Jay-Z no tema” Sorry Not Sorry”, tornou o álbum de DJ Khaled mais atractivo. A junção dos dois rapper já tinha acontecido algumas vezes antes, mas nem sempre foi fácil. O feito raro continua a chamar atenção dos amantes da música, uma vez que ambos foram antigos rivais.

Novo EP de MAMY revela habilidades no Trap Music

há 1 ano
ntitulado “Trap Queen” o EP que foi disponibilizado esta madrugada no Soundcloud, vem trazer uma MAMY mais versátil e actual, no que toca as novas sonoridades e composições, sem descurar da importância que sempre deu à escrita.

Álbum póstumo de Pop Smoke destrona Michael Jackson do topo da Billboard 200

há 1 ano
A compilação atingiu um total de 248.000 unidades vendidas na semana de estreia, tornando-se a estreia póstuma de álbuns mais vendida depois de `Thriller´ de Michael Jackson. `Shoot For The Stars Aim For The Moon´, tem sido assim considerado como um presente pré-aniversário oportuno para o Pop Smoke que completaria 21 anos no dia 20 de Julho.

Pedro Hossi seleccionado para o projecto “Passaporte”

há 1 ano
Com objectivo de promover os homens do cinema em Portugal, a Academia Portuguesa de Cinema realiza o programa “Passaporte”, que contará com a participação do actor angolano Pedro Hossi.

Cantor angolano Gelson Castro convence autora do sucesso “Jerusalema”

há 1 ano
A cantora sul-africana Nomcebo Zukedi, autora do sucesso “Jerusalema”, postou no seu estado no instagram, dois vídeos do músico angolano Gelson Castro, cantando a sua música.

Praça de Touros portuguesa será transformada em Centro Cultural

há 1 mês
Trata-se da Praça de Touros da Azaruja, a mais antiga de Portugal, que não voltará a receber espectáculos com toureiros, mas dará lugar a espectáculos culturais, após passar por requalificação completa.

Toty Sa´Med de quarentena em Portugal

há 1 ano
O músico angolano Toty Sa´Med “viu” cancelados os dois concertos que tinha agendado na Europa, por causa da pandemia Coronavírus.

Personagens “rasas” já não cabem no portfólio de Zendaya

há 7 meses
Em entrevista à revista GQ de Fevereiro, a actriz foi categórica ao afirmar que “papéis que giram em torno de homens e personagens femininas unidimensionais “, já não a desafiam e rejeitou vários contratos em 2020 por essa razão.

Meek Mill revela misteriosa doença por trás de sua dramática perda de peso

há 1 ano
O hitmaker da “Dreams and Nightmares” chocou os fãs recentemente na internet ao publicar uma foto no aeroporto de Teterboro, em Nova Jersey, demonstrando claramente que havia perdido muito peso. Após muitas especulações, usou o Twitter, para confirmar que anda acometido por problemas estomacais para os quais os médicos ainda não foram capazes de oferecer um diagnóstico viável.

Nova geração celebra música moçambicana com o EP “Seguir em Frente”

há 9 meses
Um projeto, para ouvir com o volume no máximo, que reúne jovens talentos moçambicanos para celebrarem a música africana, da kizomba ao afro pop, sem esquecer o pandza.

Músico fundador dos “Titãs” morre de Coronavírus

há 1 ano
úsico brasileiro Ciro Pessoa, um dos fundadores da banda de rock “Titãs”, morreu na madrugada de terça-feira, aos 62 anos, na sequência de uma infecção causada pelo novo coronavírus, anunciou a família.

Filme de estreia de Gilmário Vemba é o mais visto dos cinemas nacionais

há 4 meses
A tragicomédia `A Dívida´ chegou às salas de cinema no passado dia 26 de Fevereiro e foi visto, até a semana finda, por cerca de sete mil pessoas, atingindo assim a marca de filme produção local mais visto nos cinemas nacionais.

Estreia do novo filme de Hochi Fu volta a ser adiada

há 9 meses
O filme 2 Mundos do empresário e realizador Hochi Fu, aguardado com bastante expectativa amanhã nos cinemas, foi novamente adiado para data a anunciar.

Sintoniza: Mambos Hip Hop da Banda

há 11 meses
Idealizado por Dino Cross, “Mambos Hip Hop da banda” é um podcast de entrevistas e factos relaccionados ao Rap Game. Com o suporte de Cláudio Bantu, Queen J e Dj Bráulio Mix, os arquivos do programa podem ser acedidos a qualquer momento, no Kisom.

Verbal Uzula apresenta novos projectos musicais

há 1 ano
“Dias de Treino vol. 4” é título do mais recente álbum de Verbal Uzula disponível nas principais plataformas digitais, incluindo o Kisom Unitel.

Saiba como se formaram as primeiras famílias de músicos angolanos

há 1 ano
Neste 15 de Maio, Dia Internacional da Família, a Carga traz para si uma resenha sobre a formação das primeiras famílias de músicos angolanos. A viagem passa pelos Pinto de Andrade e segue com os Vieira Dias, Mingas, Van-Dúnem, Figueiras da Silva e Torres.