Documentário reapresenta Reino do Kongo na óptica africana

Nas palavras do autor Ne Kunda Nlaba, o filme não ficcional chega para “desconstruir” tudo o que nos foi ensinado sobre o Reino do Kongo, intitula-se “Reino do Kongo: Em busca do reino destruído” e vai estrear no próximo sábado, dia 26 de Junho, na Mediateca de Luanda.

São 104 minutos filmados entre Angola e a República Democrática Congo, em que o produtor e realizador, juntamente com a sua equipa, convida-nos a abandonar os livros e leva-nos à uma viagem reflexiva em torno “deste grande estado destruído”.

À Carga Magazine, o cineasta dá detalhes sobre a concepção de “Reino do Kongo: Em busca do reino destruído” e, partilha a sinopse detalhada do extinto Kongo Dia Ntotela, dando pistas que este documentário pretende ser um filme histórico de viagens e descobertas que une o passado e o presente.

“Além das escavações arqueológicas, os escritos de historiadores, sociólogos e antropólogos do Kongo e a tradição oral também nos ajudam a reconstruir essa rica história usando livros, correspondências entre os reis do Kongo e portugueses, retratos, testemunhos de chefes tradicionais e guias do Museu dos reis do Kongo”.

Como está composta a ficha técnica do documentário “Reino do Kongo: Em busca do Reino destruído”?
A ficha técnica está composta por roteirista, Productor e Diretor : Ne Kunda Nlaba, Narracçao: Abilio Matusse Junior, Camera/Angola: Ne Kunda Nlaba et Mfumu Ntoto Dikizeko, Camera/Muanda-Congo: Rubugenga Issa, Edição: Ne Kunda Nlaba, Edição e mixagem de som : Singev Tavarez, Empresa de produção : Labson Bizizi-Cine Kongo, Distribuição: Afrika Bizizi Distribution Ltd.

Quanto tempo durou a concepção do documentário?
Teve a duração de dois anos e meio, começamos em 2017 as gravações em Angola e no Congo e a pós produção já foi feita em 2019. A primeira estreia do documentário foi feita num festival de cinema de autores negros no Canadá.

Em termos financeiros, considera-o dispendioso?
Para se fazer este tipo de documentário requer muito investimento, pois vivo em Londres e tive que gastar nalgumas viagens para Angola. Não só as viagens internacionais como as interprovinciais até Mbanza-kongo. A pós-produção também foi dispendiosa por causa da produção dos sons e dos arranjos.

Num computo geral, quais as maiores dificuldades na montagem deste género de filme que por norma não deve ser ficcional?
O grande desafio foi o financiamento, não contamos com o apoio de nenhuma instituição governamental, tivemos que juntar dinheiro para concretizar o projecto. A busca da informação para este tipo de trabalho requer muita pesquisa e as informações disponíveis em livros, foram escritas por europeus e é sabido que quando o europeu conta a história sobre o colonialismo, conta de acordo com o seu ponto de vista e nesta obra não ficcional, vamos mostrar que foram os europeus que provocaram o declínio deste grande Reino.

Já agora, os seus projectos demonstram uma certa preocupação com a historiografia. Por quê Kimpa Vita e agora Reino do Kongo?
Penso que temos uma grande missão, que é divulgar a nossa história e origem. Começamos por Kimpa Vita por ser a mãe da revolução africana, porque acreditamos que a história de Kimpa Vita deve ser conhecida pelo mundo. Trata-se de uma mulher de 20 anos que lutou contra o tão poderoso colonialismo, defendeu os interesses de África e os africanos que estavam cativos física e mentalmente.

Kimpa Vita lutou para acabar com o colonialismo e reconstruir o reino do Congo e por isso merece a nossa honra. Neste mesmo documentário, também falamos do Reino do Kongo, pois é impossível falar de um sem mencionar o outro, Kimpa Vita é especial para nós por isso merece ser conhecida pelo mundo, ela fez história num lugar que hoje é conhecido como património da humanidade.

Que ilações pretendem que público tire deste projecto?
Há muitas lições que o público pode tirar deste projecto, até então se acreditava que o Reino do Kongo era um reino muito pequeno, uma juncão do Congo com uma pequena parcela de Angola, vamos desmistificar isto. Alguns historiadores e vestígios que encontramos mostram que na verdade o Reino do Kongo era muito grande, começava no Sul da Namíbia, passava pela Guiné equatorial e até ao Chade… As pessoas vão aprender que o Reino não foi constituído na chegada dos europeus, pois já era desenvolvido.

Se invés de falar das instituições financeiras, o sistema de educação, os artefactos, os artistas que trabalhavam no Reino do Congo e muitas outras coisas que as pessoas nem têm noção que saíram do Reino Congo. Por exemplo, boa parte do povo que ajudou a erguer o Reino Egípcio saiu do Reino do Congo. Tivemos que analisar este ponto de vista e usar fontes contraditórias, mas acabamos por ouvir e buscar mais a versão dos africanos, para além disso tínhamos que encontrar um sítio para investir o nosso saber.

Como estão a ser vividos os momentos que antecedem o espectáculo?

Estão a ser vividos com bastante expectativas, como cineasta e historiador vivemos para este momento, fizemos filmes para que o público assista e dê o seu feedback. Houve alguns festivais que não consegui me fazer presente por causa da pandemia e, já estamos com saudades de momentos como este.

Foi premiado pelo documentário “Kimpa Vita: A Mãe da Revolução Africana”, que outros projectos da sua trajectória cinematografica pode destacar?
A lista é enorme, produzi muitos filmes, dentre eles o «The Next» (2009), «The Steel Pan» (2010) , « Living Without Living » (2011) , «Chérie Bondowe» (2012), «Abeti Masikini : Le Combat d’une Femme» (2015), «Kimpa Vita: A mãe da revolução africana» (2016), «Reino do Kongo: Em Busca Do Reino Destruído» (2020), «Afro Beat» longa-metragem de ficção em desenvolvimento. São muitos que gostaria que as pessoas assistissem e acredito que destacaram-se.

as cargas mais recentes

Kanye West declara guerra à indústria musical

há 2 anos
Alguns dias depois de ter duramente criticado a indústria musical, o rapper partilhou, ontem, um vídeo a urinar numa estátua dos Grammy, a mais importante distinção da música nos Estados Unidos da América.

Beyonce e Marvin Gaye lideram a lista dos melhores álbuns do século

há 2 anos
A Rolling Stone elegeu os álbuns “What’s Going On” de Marvin Gaye e “Lemonade” de Beyonce, como melhores álbuns de todos os tempos. Citando também ‘Crazy In Love’ como a melhor música do século.

Rafael Gonçalves: A voz do Ghetto Zouk que todos deviam ouvir

há 2 anos
Tem poucos anos de estrada e, apesar de ainda não pisar grandes palcos, Rafael Gonçalves já começou a atrair as tençãoes do público. Seus temas “Cobrar” e “Juntos P’ra Sempre” acabam por ser incorporados nas referências do Ghetto Zouk feito em Angola.

Para não repetir versos Lil Wayne e Eminem revelaram que recorrem a Google

há 3 anos
Para evitar repetir os próprios versos, os dois rappers vão a Google para rever suas letras. Embora admitam que várias vezes tenham tido brancos, consideram a repetição um desrespeito à arte, que tem como objecto a criatividade.

Lukie disponibiliza videoclipe do tema “Amor”

há 2 anos
Gravado em Maputo, na Ponta do Ouro, este novo vídeo reflecte a mensagem principal do tema: amar incondicionalmente, “como o mar infinito”.

Filmes da Geração 80 seleccionados 8ª edição do Arquitecturas Film Festival Lisboa

há 2 anos
Os documentários Do Outro Lado do Mundo de Rui Sérgio Afonso, Para Lá dos Meus Passos de Kamy Lara e o filme Ar Condicionado do realizador Fradique, os três produzidos pela Geração 80 estão selecionados para a 8ª edição do Arquitecturas Film Festival Lisboa, a realizar-se entre os dias 1 a 6 de Junho de 2021.

Novidade: Luso lança música promocional do segundo álbum

há 2 anos
Dois anos depois do lançamento do seu primeiro álbum “Lusolandia”, sob selo da produtora Cave Play, de Kid MC, o rapper angolano aparece esta sexta-feira com a faixa promocional do seu segundo álbum.

Projecto ‘Poetas do Bairro’ junta Rappers da New e Old School

há 3 anos
Poetas de Bairro é um projecto que passará a fazer com que a Velha e Nova Escola do Rap angolano cantem numa mesma música. Lizzy, Hustla King, Leonardo Freezy, Wilson Puma, Fkruma e Dj Sipoda vão estrear com um tema inédito intitulado “Infância”.

Jovens do Prenda no Show do Mês online

há 3 anos

Beyoncé usou sample sem pedir e foi obrigada a retirar a música do novo álbum

há 6 meses

Nsoki lança música motivacional e junta figuras públicas no clipe

há 2 anos
Com objectivo de estimular as pessoas, por causa da pandemia do Covid-19, a cantora Nsoki gravou uma música motivacional intitulada “Mundo é teu”, cujo vídeo clipe conta com a participação de várias celebridades.

Kanye West está nos manuais de história dos Estados Unidos da América

há 10 meses
Da simples aventura à Presidência da Casa Branca originou uma documentação importantíssima aos anais da história norte-americana. O rapper, produtor e empresário aparece nos materiais didácticos de história dos EUA.

José Neto é o novo técnico de basquetebol do Petro

há 2 anos
O técnico brasileiro José Neto é o novo técnico da equipa sénior masculina de basquetebol do Petro de Luanda.

Justin Bieber afirma que tem semelhanças com Tupac

há 9 meses
Justin Bieber é nada mais do que um dos artistas pop mais bem sucedidos a nível mundial e embora esteja mais focado ao R&B, o astro acredita haver semelhanças entre si e Tupac Shakur. Bieber afirma que ambos querem “contar às pessoas sobre o amor de Deus por elas”.

Né Gonçalves apresenta vídeoclip promocional do seu novo álbum

há 1 ano
Após ter começado 2021 em grande, o músico e compositor prossegue com a apresentação, hoje, no Palácio de Ferro, em Luanda, de um vídeoclip promocional do seu próximo álbum. O tema intitula-se “Undenge Wetu” e traz a participação de Yuri da Cunha.

P. Black Mr. International prova no novo single que  “Homem Também Gosta De Mimo” 

há 2 anos
“Homem Também Gosta de Mimo” já está disponível nas plataformas digitais e na Vodacom • Movitel para que todos, homens e mulheres, se possam inspirar e mimar mutuamente.