Documentário reapresenta Reino do Kongo na óptica africana

Nas palavras do autor Ne Kunda Nlaba, o filme não ficcional chega para “desconstruir” tudo o que nos foi ensinado sobre o Reino do Kongo, intitula-se “Reino do Kongo: Em busca do reino destruído” e vai estrear no próximo sábado, dia 26 de Junho, na Mediateca de Luanda.

São 104 minutos filmados entre Angola e a República Democrática Congo, em que o produtor e realizador, juntamente com a sua equipa, convida-nos a abandonar os livros e leva-nos à uma viagem reflexiva em torno “deste grande estado destruído”.

À Carga Magazine, o cineasta dá detalhes sobre a concepção de “Reino do Kongo: Em busca do reino destruído” e, partilha a sinopse detalhada do extinto Kongo Dia Ntotela, dando pistas que este documentário pretende ser um filme histórico de viagens e descobertas que une o passado e o presente.

“Além das escavações arqueológicas, os escritos de historiadores, sociólogos e antropólogos do Kongo e a tradição oral também nos ajudam a reconstruir essa rica história usando livros, correspondências entre os reis do Kongo e portugueses, retratos, testemunhos de chefes tradicionais e guias do Museu dos reis do Kongo”.

Como está composta a ficha técnica do documentário “Reino do Kongo: Em busca do Reino destruído”?
A ficha técnica está composta por roteirista, Productor e Diretor : Ne Kunda Nlaba, Narracçao: Abilio Matusse Junior, Camera/Angola: Ne Kunda Nlaba et Mfumu Ntoto Dikizeko, Camera/Muanda-Congo: Rubugenga Issa, Edição: Ne Kunda Nlaba, Edição e mixagem de som : Singev Tavarez, Empresa de produção : Labson Bizizi-Cine Kongo, Distribuição: Afrika Bizizi Distribution Ltd.

Quanto tempo durou a concepção do documentário?
Teve a duração de dois anos e meio, começamos em 2017 as gravações em Angola e no Congo e a pós produção já foi feita em 2019. A primeira estreia do documentário foi feita num festival de cinema de autores negros no Canadá.

Em termos financeiros, considera-o dispendioso?
Para se fazer este tipo de documentário requer muito investimento, pois vivo em Londres e tive que gastar nalgumas viagens para Angola. Não só as viagens internacionais como as interprovinciais até Mbanza-kongo. A pós-produção também foi dispendiosa por causa da produção dos sons e dos arranjos.

Num computo geral, quais as maiores dificuldades na montagem deste género de filme que por norma não deve ser ficcional?
O grande desafio foi o financiamento, não contamos com o apoio de nenhuma instituição governamental, tivemos que juntar dinheiro para concretizar o projecto. A busca da informação para este tipo de trabalho requer muita pesquisa e as informações disponíveis em livros, foram escritas por europeus e é sabido que quando o europeu conta a história sobre o colonialismo, conta de acordo com o seu ponto de vista e nesta obra não ficcional, vamos mostrar que foram os europeus que provocaram o declínio deste grande Reino.

Já agora, os seus projectos demonstram uma certa preocupação com a historiografia. Por quê Kimpa Vita e agora Reino do Kongo?
Penso que temos uma grande missão, que é divulgar a nossa história e origem. Começamos por Kimpa Vita por ser a mãe da revolução africana, porque acreditamos que a história de Kimpa Vita deve ser conhecida pelo mundo. Trata-se de uma mulher de 20 anos que lutou contra o tão poderoso colonialismo, defendeu os interesses de África e os africanos que estavam cativos física e mentalmente.

Kimpa Vita lutou para acabar com o colonialismo e reconstruir o reino do Congo e por isso merece a nossa honra. Neste mesmo documentário, também falamos do Reino do Kongo, pois é impossível falar de um sem mencionar o outro, Kimpa Vita é especial para nós por isso merece ser conhecida pelo mundo, ela fez história num lugar que hoje é conhecido como património da humanidade.

Que ilações pretendem que público tire deste projecto?
Há muitas lições que o público pode tirar deste projecto, até então se acreditava que o Reino do Kongo era um reino muito pequeno, uma juncão do Congo com uma pequena parcela de Angola, vamos desmistificar isto. Alguns historiadores e vestígios que encontramos mostram que na verdade o Reino do Kongo era muito grande, começava no Sul da Namíbia, passava pela Guiné equatorial e até ao Chade… As pessoas vão aprender que o Reino não foi constituído na chegada dos europeus, pois já era desenvolvido.

Se invés de falar das instituições financeiras, o sistema de educação, os artefactos, os artistas que trabalhavam no Reino do Congo e muitas outras coisas que as pessoas nem têm noção que saíram do Reino Congo. Por exemplo, boa parte do povo que ajudou a erguer o Reino Egípcio saiu do Reino do Congo. Tivemos que analisar este ponto de vista e usar fontes contraditórias, mas acabamos por ouvir e buscar mais a versão dos africanos, para além disso tínhamos que encontrar um sítio para investir o nosso saber.

Como estão a ser vividos os momentos que antecedem o espectáculo?

Estão a ser vividos com bastante expectativas, como cineasta e historiador vivemos para este momento, fizemos filmes para que o público assista e dê o seu feedback. Houve alguns festivais que não consegui me fazer presente por causa da pandemia e, já estamos com saudades de momentos como este.

Foi premiado pelo documentário “Kimpa Vita: A Mãe da Revolução Africana”, que outros projectos da sua trajectória cinematografica pode destacar?
A lista é enorme, produzi muitos filmes, dentre eles o «The Next» (2009), «The Steel Pan» (2010) , « Living Without Living » (2011) , «Chérie Bondowe» (2012), «Abeti Masikini : Le Combat d’une Femme» (2015), «Kimpa Vita: A mãe da revolução africana» (2016), «Reino do Kongo: Em Busca Do Reino Destruído» (2020), «Afro Beat» longa-metragem de ficção em desenvolvimento. São muitos que gostaria que as pessoas assistissem e acredito que destacaram-se.

as cargas mais recentes

Fundação Arte e Cultura promove debate sobre “O papel das artes no desenvolvimento cognitivo das crianças”

há 1 ano
Artistas e instituições pública e privada discutiram no passado dia 14 de Agosto, no espaço de debate online Fale Connosco, “O papel das artes no desenvolvimento cognitivo das crianças”, sendo transmitida ao vivo na página oficial do Facebook da Fundação.

Cantor de 12 anos ganha contrato milionário por fazer a cappella durante protestos

há 1 ano
Keedron Bryant ficou conhecido por se destacar durante os protestos anti-racismo nos Estados Unidos da América. Um dia depois da morte de Floyd, o adolescente fez a cappella no Instagram de uma musica sua e, menos de três semanas, a canção gospel atingiu mais de três milhões de visualizações, obrigando a Warner Record’s a contratá-lo.

Verzuz TV realiza `Especial Dia da Mãe´

há 6 meses
Na data em que América comemora o Dia da Mãe, a Verzuz TV vai realizar uma batalha amigável entre as SWV contra Xscape, ambas bandas consideradas lendas do R&B feminino que marcou os anos 90.

Tributo a Pitágoras Neto

há 1 ano
O co-fundador da Carga Magazine, Pitágoras Neto completaria 42 anos hoje, 12 de Maio. Relembramos o início da trajectória do jovem empreendedor na publicação que foi fundada há 10 anos e representa a voz de uma geração e o rosto de um movimento, que cada vez mais se afirma através da música.

Lewis Hamilton será condecorado com título de “Cavaleiro” pela Rainha da Inglaterra

há 11 meses
Com sete títulos mundiais, o piloto de 35 anos está prestes a sagrar-se o melhor de sempre da Fórmula-1.

Milionário Records reúne 13 vozes no hino “Quem Mais?!”

há 9 meses
Sob o olhar atento de jornalistas e várias personalidades do showbiz nacional, estrelas da Milionário Records subiram ao palco do Clube S, ontem, para uma apresentação inédita do hino “Quem Mais?!”.

Maya Cool abre oitava temporada do Show do Mês

há 8 meses

Morreu Paolo Rossi

há 11 meses
O ex-futebolista italiano Paolo Rossi, “herói” da vitória italiana no Mundial de 1982, morreu esta quinta-feira aos 64 anos, vítima de um câncer no pulmão, anunciou o diário desportivo italiano la Gazzetta dello Sport.

Exposição online “Vivência de um Aprendiz” é inaugurada na sexta-feira

há 1 ano
O artista angolano Adilson Vieira vai apresentar-se na Galeria Tamar Golan com “Vivência de um Aprendiz”, uma exposição individual online, a inaugurar na Sexta-feira, dia 7 de Agosto de 2020, às 18 horas.

Covers inéditos de David Bowie são apresentados em dia de aniversário

há 10 meses
No dia 8 de Janeiro David Bowie estaria completando 74 anos. Para marcar a data, os responsáveis pelo espólio do astro lançaram, pela primeira vez, duas covers que o cantor gravou no fim dos anos 90 e nunca haviam sido ouvidas até hoje: “Tryin’ To Get To Heaven” de Bob Dylan e “Mother” de John Lennon.

Novo álbum de Keita Mayanda sai esta sexta-feira

há 11 meses
O disco intitula-se “7 Momentos De Lucidez” e pode ser consumido a partir desta sexta-feira, 4 Dezembro, na plataforma Soba Store. Depois disso, estará também disponível noutros meios digitais, além da edição física.

Arlindo Bizerra e Horácio Katchanja levam “Diálogos entre Gerações” à Galeria Tamar Golan

há 9 meses

Young Thug diz que Jay-Z teria dificuldades em apresentar 30 hits num show ao vivo

há 10 meses
No seu registo fonográfico conta nove álbuns, sendo So Much Fan, lançado no ano passado, o mais recente. Ao contrário de Jay-Z que possui 15 álbuns publicados, sem contar com outros registos. Mas Thug afirma que JAY-Z não tem 30 canções que o público conseguiria imitar palavra por palavra num espectáculo ao vivo.

Snoop Dogg é o mais novo consultor estratégico da Def Jam

há 5 meses
A Def Jam anunciou na segunda-feira que o papel recém-criado para o icónico rapper, o permitirá trabalhar estrategicamente com toda a equipa executiva e com a vasta lista de artistas da gravadora.

Masterminds of Hip Hop: Russell Simmons lança NFT para apoiar lendas do Hip Hop

há 2 meses
A colecção “The Masterminds of Hip Hop” apresentará arte digital inspirada nas histórias que deram origem ao Rap.

Dj Erick Morillo, um dos melhores do mundo no estilo House, encontrado morto

há 1 ano
O DJ e produtor norte-americano Erick Morillo foi encontrado morto na manhã de ontem, em Miami Beach. Conhecido como um dos melhores djs de House do mundo, Morillo já esteve em Angola também já esteve em Angola.