Documentário reapresenta Reino do Kongo na óptica africana

Nas palavras do autor Ne Kunda Nlaba, o filme não ficcional chega para “desconstruir” tudo o que nos foi ensinado sobre o Reino do Kongo, intitula-se “Reino do Kongo: Em busca do reino destruído” e vai estrear no próximo sábado, dia 26 de Junho, na Mediateca de Luanda.

São 104 minutos filmados entre Angola e a República Democrática Congo, em que o produtor e realizador, juntamente com a sua equipa, convida-nos a abandonar os livros e leva-nos à uma viagem reflexiva em torno “deste grande estado destruído”.

À Carga Magazine, o cineasta dá detalhes sobre a concepção de “Reino do Kongo: Em busca do reino destruído” e, partilha a sinopse detalhada do extinto Kongo Dia Ntotela, dando pistas que este documentário pretende ser um filme histórico de viagens e descobertas que une o passado e o presente.

“Além das escavações arqueológicas, os escritos de historiadores, sociólogos e antropólogos do Kongo e a tradição oral também nos ajudam a reconstruir essa rica história usando livros, correspondências entre os reis do Kongo e portugueses, retratos, testemunhos de chefes tradicionais e guias do Museu dos reis do Kongo”.

Como está composta a ficha técnica do documentário “Reino do Kongo: Em busca do Reino destruído”?
A ficha técnica está composta por roteirista, Productor e Diretor : Ne Kunda Nlaba, Narracçao: Abilio Matusse Junior, Camera/Angola: Ne Kunda Nlaba et Mfumu Ntoto Dikizeko, Camera/Muanda-Congo: Rubugenga Issa, Edição: Ne Kunda Nlaba, Edição e mixagem de som : Singev Tavarez, Empresa de produção : Labson Bizizi-Cine Kongo, Distribuição: Afrika Bizizi Distribution Ltd.

Quanto tempo durou a concepção do documentário?
Teve a duração de dois anos e meio, começamos em 2017 as gravações em Angola e no Congo e a pós produção já foi feita em 2019. A primeira estreia do documentário foi feita num festival de cinema de autores negros no Canadá.

Em termos financeiros, considera-o dispendioso?
Para se fazer este tipo de documentário requer muito investimento, pois vivo em Londres e tive que gastar nalgumas viagens para Angola. Não só as viagens internacionais como as interprovinciais até Mbanza-kongo. A pós-produção também foi dispendiosa por causa da produção dos sons e dos arranjos.

Num computo geral, quais as maiores dificuldades na montagem deste género de filme que por norma não deve ser ficcional?
O grande desafio foi o financiamento, não contamos com o apoio de nenhuma instituição governamental, tivemos que juntar dinheiro para concretizar o projecto. A busca da informação para este tipo de trabalho requer muita pesquisa e as informações disponíveis em livros, foram escritas por europeus e é sabido que quando o europeu conta a história sobre o colonialismo, conta de acordo com o seu ponto de vista e nesta obra não ficcional, vamos mostrar que foram os europeus que provocaram o declínio deste grande Reino.

Já agora, os seus projectos demonstram uma certa preocupação com a historiografia. Por quê Kimpa Vita e agora Reino do Kongo?
Penso que temos uma grande missão, que é divulgar a nossa história e origem. Começamos por Kimpa Vita por ser a mãe da revolução africana, porque acreditamos que a história de Kimpa Vita deve ser conhecida pelo mundo. Trata-se de uma mulher de 20 anos que lutou contra o tão poderoso colonialismo, defendeu os interesses de África e os africanos que estavam cativos física e mentalmente.

Kimpa Vita lutou para acabar com o colonialismo e reconstruir o reino do Congo e por isso merece a nossa honra. Neste mesmo documentário, também falamos do Reino do Kongo, pois é impossível falar de um sem mencionar o outro, Kimpa Vita é especial para nós por isso merece ser conhecida pelo mundo, ela fez história num lugar que hoje é conhecido como património da humanidade.

Que ilações pretendem que público tire deste projecto?
Há muitas lições que o público pode tirar deste projecto, até então se acreditava que o Reino do Kongo era um reino muito pequeno, uma juncão do Congo com uma pequena parcela de Angola, vamos desmistificar isto. Alguns historiadores e vestígios que encontramos mostram que na verdade o Reino do Kongo era muito grande, começava no Sul da Namíbia, passava pela Guiné equatorial e até ao Chade… As pessoas vão aprender que o Reino não foi constituído na chegada dos europeus, pois já era desenvolvido.

Se invés de falar das instituições financeiras, o sistema de educação, os artefactos, os artistas que trabalhavam no Reino do Congo e muitas outras coisas que as pessoas nem têm noção que saíram do Reino Congo. Por exemplo, boa parte do povo que ajudou a erguer o Reino Egípcio saiu do Reino do Congo. Tivemos que analisar este ponto de vista e usar fontes contraditórias, mas acabamos por ouvir e buscar mais a versão dos africanos, para além disso tínhamos que encontrar um sítio para investir o nosso saber.

Como estão a ser vividos os momentos que antecedem o espectáculo?

Estão a ser vividos com bastante expectativas, como cineasta e historiador vivemos para este momento, fizemos filmes para que o público assista e dê o seu feedback. Houve alguns festivais que não consegui me fazer presente por causa da pandemia e, já estamos com saudades de momentos como este.

Foi premiado pelo documentário “Kimpa Vita: A Mãe da Revolução Africana”, que outros projectos da sua trajectória cinematografica pode destacar?
A lista é enorme, produzi muitos filmes, dentre eles o «The Next» (2009), «The Steel Pan» (2010) , « Living Without Living » (2011) , «Chérie Bondowe» (2012), «Abeti Masikini : Le Combat d’une Femme» (2015), «Kimpa Vita: A mãe da revolução africana» (2016), «Reino do Kongo: Em Busca Do Reino Destruído» (2020), «Afro Beat» longa-metragem de ficção em desenvolvimento. São muitos que gostaria que as pessoas assistissem e acredito que destacaram-se.

as cargas mais recentes

Duetos N’Avenida regressa em formato televisivo com tributo a Carlos Burity

há 2 anos
O tributo à voz do Semba teve lugar ainda na sua na presença e contou com a dupla Gersy Pegado e Patrícia Faria.

Ajax da Holanda lança equipamento de futebol em homenagem a Bob Marley

há 1 ano
As camisolas serão o equipamento alternativo do clube para a temporada 2021/22 e são oficialmente apresentadas no dia 11 de Maio, data em que se assinala 40 anos desde que a lenda do Reggae deixou o mundo dos vivos.

Álbum “Pra Lhes Doer Mais”, da autoria de Twenty Fingers já está disponível

há 2 anos
2020 tem sido o ano das novidades para os fãs de Twenty Fingers. Depois de ter lançado o EP Twenty Twenty, o músico moçambicano, agenciado pela Música Promo, lança o álbum há muito desejado.

Waldemar Bastos se junta a AGTSA para alavancar o turismo em Angola

há 2 anos
O músico foi o eleito pela AGTSA -Associação dos Guias de Turismo e Servidores Artísticos, para ser o porta-bandeira do turismo cultural de intercâmbio. O projecto encontra-se em standby dadas as circunstancias actuais, mas sairá do papel tão logo se volte a normalidade, garantiu Carlos Bumba, Presidente Executivo da Associação.  

Fãs revoltados com Madonna por causa de uma fotografia

há 2 anos
Após o lançamento de “Madame X” (2019), a “Rainha do Pop” teve várias aparições. Há alguns meses, Madonna esteve em silêncio devido à pandemia do Covid-19. Esta segunda-feira, a autora de “Papa Don’t Preach” voltou a aparecer e causou revolta a alguns internauras, tudo por causa de uma fotografia em topless.

The Heart Part 5: Kendrick Lamar disponibiliza o primeiro single do seu novo álbum “Mr. Morale & The Big Steppers”

há 5 meses
“The heart part 5” é o primeiro single do novo álbum de Kendrick Lamar que estará disponível a partir desta sexta-feira, dia 13. Como o título indica, The Heart Part 5 é a quinta parte de uma “saga” que teve início em 2009 com o projecto “K. Dot Drops”. The Heart costuma espelhar a visão do rapper, de como é ser negro nos Estados Unidos.

Mais um talento do Girabola é contratado pelo Sporting de Portugal

há 1 ano
Trata-se de Chicharito, um jovem avançado de 18 anos que se destacou no Girabola 2019/2020 pelo Interclube de Luanda.

Jay-Z, Nas e P. Diddy lançam manifesto sobre candidatura às eleições de Nova York

há 1 ano
Com as primárias democratas para prefeito de Nova York a aproximar-se, estrelas do Hip Hop lançaram um manifesto sobre qual candidato querem ver governar a cidade de Nova York.

Kuduristas em Portugal desenvolvem projecto de dança para lar de idosos

há 2 anos

Wizkid recebe Certificado Platina nos EUA por causa da sua ‘Essência’

há 12 meses
A certificação dos artistas deveu-se ao sucesso do tema ‘Essence’, a 11 faixa do álbum Made in Lagos, lançado ano passado e que acabou por se tornar o primeiro Afrobeat a tingir esta marca em tão pouco tempo.

Preto Show repete proeza e lidera nomeaçõs do Moda Luanda

há 2 anos
Já são conhecidos os nomeados da 23ª Edição do Moda Luanda, onde o também conhecido como Benga Boyz está nomeado para cinco categorias. A repetir a proeza da edição de 2018, é seguido na lista pela dupla Scró Q Cuia e Nerú Americano com quatro indicações e C4 Pedro com três. O evento de premiações que acontece no próximo dia 21 de Junho, terá transmissão em directo em cadeia televisiva.

Presidente de Cabo Verde considera Agostinho Neto Património da  Humanidade

há 9 meses
José Maria Neves está em Angola desde domingo e cumpre uma visita de Estado, que termina esta quarta-feira. O chefe de Estado de Cabo Verde prestou as declarações durante um passeio ao Memorial António Agostinho Neto, onde, entre outras acções, depositou uma coroa de flores ao sarcófago do primeiro presidente da República de Angola.

Álbum de Paulo Flores e Prodígio é o 23° Melhor Álbum de Portugal

há 2 anos
Bênção e a Maldição foi lançado em Novembro deste ano e ocupa o vigésimo terceiro lugar na lista dos melhores álbuns de Portugal lançados em 2020, numa selecção de 50 trabalhos, de acordo com Blitiz.

Obra de Flagelo Urbano é usada como objecto de estudo para elaboração de monografia num paralelo com Agostinho Neto

há 2 anos

Mark Sport apresenta projecto “2022 bolas no Ar”

há 10 meses
A empresa angolana de eventos desportivos Marksport apresenta segunda-feira, em Luanda, o projecto social “2022 bolas no Ar”, cujo objectivo é ajudar clubes, núcleos e programas comunitários com problemas de material, bolas em particular.

Sabia que hoje é considerado o Dia Mundial da Dança?

há 2 anos
Institucionalizado pelo Comité Internacional da Dança (CID) da UNESCO em 1982, o Dia Mundial da Dança é celebrado na data de nascimento do bailarino e mestre de bailado Jean-Georges Noverre (1727-1810), considerado um dos pioneiros da dança moderna.