Dog Murras: “A música ‘Não!!!’ deverá ser a palavra de ordem, se quisermos uma Angola melhor para todos”

Dog Murras está a partilhar com o público momentos de alegria e reflexão, após o lançamento, no passado dia 18, da música “Não!!!”, que conta neste instante com 48 mil visualizações no Youtube e inúmeras reacções em outras redes sociais.

O tema é primeira faixa do seu oitavo álbum de estúdio, traz uma mensagem aberta sobre a definição das políticas públicas e alinha-se no pensamento crítico-social com que é conhecido há décadas.

A adesão em massa à música, considera o artista, deveu-se ao facto de muitos se identificarem com o tema em questão e sublinha que, à medida que tempo vai passando, tem sentido a necessidade de alterar as abordagens nas suas composições.

Há alguns anos tem forjado o lançamento do novo álbum. “Não!!!” é um dos temas que  completam este disco?

Sim!!! O álbum continua a ser costurado, o tema “Não!!!” é o primeiro single deste que será o oitavo álbum de originais da minha carreira. 

Pelas reacções, nota-se que o público tem sede das suas músicas. Não acha que devia aproveitar para tirar o tão desejado álbum?

A reacção tem sido incrível! Provavelmente a novidade sobre o meu regresso aos palcos deixou muitos muximas felizes, o que a mim, deixa por demais agradecido. Quanto à saída do álbum é uma questão de tempo, vai obedecer a um plano estratégico e na hora certa virá a publico.

Na sua opinião, o que influenciou a adesão do público ao tema?

Acredito que o segredo do sucesso da música, principalmente nas redes sociais, seja o facto de as pessoas se identificarem com a mensagem aberta.

Título: Não!!!
Artista: Dog Murras

Acha que são estes tipos de assuntos que os ouvintes gostariam de ver os artistas angolanos a abordarem?

Acho que não tem nada a ver. As pessoas precisam entender que a diversidade faz parte da beleza da criação divina e isso se reflecte em todos os aspectos da natureza humana. Nós não podemos todos cantar sobre os mesmos assuntos. A diferença nas vozes, nas vibes e no estilo musical, bem como as mensagens diferenciadas preenchem as pessoas em diferentes momentos da sua vivência e enriquecem a nossa cultura.

“Não!!!” é uma música ousada. Não receia que venha a ser acusado de incitar a subversão popular?

Por um lado, a música “Não!!!” não foge a minha linha de composição musical. Por outro, nós sempre dissemos “sim” sobre decisões e políticas sociais que beneficiam uma minoria e prejudicam a maioria do hommo angolensis. A música “Não!!!” vem com a clara intenção de levar os “mangops” a reflectirem sobre a necessidade de não podermos mais aceitar o actual status quo. A música “Não!!!” vem p’ra dizer que precisamos de políticas publicas idôneas, responsáveis, cuja efectividade se reflictam no bem-estar do nosso povo. Não podemos mais continuar a viver de improviso. A música “Não!!!” deverá ser a palavra de ordem, se quisermos uma Angola melhor p’ra todos nós.

Boa parte do álbum já estava concluído. O tempo vai passando e novos assuntos com ele vão surgindo. Tem sentido a necessidade de mudar as abordagens constantemente?

Ya! Essa é a missão, principalmente de um artista de intervenção social como eu; acompanhar o tempo, as circunstâncias e a os factos para poder oferecer para as pessoas uma visão real do nosso panorama social.

O quê que mais tem sentido a obrigação de actualizar no álbum?

É hora de chamar atenção sobre as nossas péssimas decisões individuais que no final do dia comprometem toda a tibo. Esse álbum vem chamar os angolanos para a hora da Inteligência Colectiva. Temos que agir unidos e como grupo.

Ainda sobre o “Não!!!” em que circuntâncias escreveu este tema?

Esse tema é nada mais, nada menos do que o reflexo do que se vive nas ruas de Angola, no período entre 2021 até hoje em 2022. Só por isso foi lançado agora, sem mais delongas.

as cargas mais recentes

Kid Cudi “clama” por nova música de Kendrick Lamar

há 2 anos
O rapper usou o Twitter para expressar a saudade que sente do colega, cujo o último trabalho lançado -DAMN-, completará quatro anos no próximo mês.

Documentário `Racionais: Das Ruas de São Paulo pro Mundo´ já pode ser visto na Netflix

há 2 meses
Já disponível no catálogo da Netflix, faz uma incursão pela gênese dos Racionais e narra igualmente, a história do Largo São Bento, tido como lugar crucial para a formação do grupo e da cultura hip-hop paulistana.

NGA: “Nós não somos um grupo. Somos uma universidade que forma niggas”

há 2 anos
O músico está neste momento em estúdio a preparar o próximo álbum, obra da qual extraiu duas das três faixas lançadas em Novembro. Em entrevista à Carga, NGA falou dos projectos seus filantrópico para Angola, sonhos, e dos artistas angolanos com os quais gostaria de ter participações.

Em cada espectáculo o cantor ganha 200 mil Kwanzas por música. Isto compensa o investimento feito num álbum?

há 3 anos
Um cantor profissional em Angola gasta entre 500 a 1 milhão e 500 mil Kwanzas para produzir uma música. Por conseguinte, num espectáculo, o músico cobra, em média, 200 mil kwanzas por cada interpretação. Este valor dá para cobrir o investimento feito em cada música? A Carga apresenta algumas reacções de músicos, produtores e alguns dos artistas que mais gastaram com a produção.

Beckett: John David Washington protagoniza novo thriller de suspense da Netflix

há 1 ano
O thriller de acção conta a história de um turista americano que é forçado a caminhar de um deserto rural até a embaixada dos Estados Unidos, em Atenas, depois de um incidente o tornar alvo vulnerável.

Covid-19: Lewis Hamilton testa positivo e adia o sonho de alcançar Schumacher

há 2 anos
Lewis Hamilton testou positivo para o Covid-19 e está fora da corrida da temporada, que será realizado já neste final de semana, em Bahrein. Uma situação que acaba com a possibilidade de o inglês alcançar a marca de Schumacher e de Vettel.

Depois de várias ausências, Edmázia Mayembe aparece e toma de ‘assalto’ Top Best

há 2 anos
Disponibilizada no passado dia 8 de Fevereiro, a faixa da autoria de Edmazia Mayembe está disponível em todas as plataformas digitais e acaba de atingir o número um das televisões e rádios.

Jacinto Tchipa: O ícone que partiu com um sonho

há 1 ano
A morte de Jacinto Tchipa hoje, em Luanda, aos 63 anos, por doença, deixou ainda mais empobrecida a música angolana porque, mais do que um artista, Jacinto Tchipa foi das poucas referências que a música angolana lançou nos últimos trinta anos.

Juice WRLD e Kobe Bryant juntam-se a Michael Jackson na lista das celebridades póstumas mais lucrativas

há 2 anos

Matias Damásio apresenta novo álbum no dia da Independência

há 2 anos
O CD será apresentado na plataforma “Kison”, da Unitel, no mesmo dia em que o país vai comemorar 45 anos de independência.

Escritores angolanos assinam carta de protesto contra o racismo

há 3 anos
Os escritores angolanos Pepetela, José Eduardo Agualusa, José Luís Mendonça, Ondjaki, Adriano Mixingue e Abreu Paxe subscreveram uma nota de protesto contra as acções racistas registadas em várias partes do mundo, em particular nos Estados Unidos da América.

Contra toda expectativa, Verstappen sagra-se campeão mundial da Fórmula 1

há 1 ano
Max Verstappen da Red Bull venceu, na tarde de hoje, o campeonato de Fórmula 1, “retirando” o oitavo recorde das mãos de Lewis Hamilton. O Neerlandês venceu graças a uma ultrapassagem na última volta do Grande Prémio de Abu Dhabi, após 22 corridas, tendo 395,5 pontos contra 387,5 de Hamilton. 

Mariotti: Uma voz jovem ao nível dos grandes do Zouk angolano

há 2 anos
“Suco Love” e “Tamu Numa” são só músicas promocionais, porque o artista tem se preparado para, em data definida, anunciar outros lançamentos, que podem não ser necessariamente Extend Play.

Bié projecta academia de música para Junho de 2021

há 2 anos
Salas de música, teatro, poesia e pintura, zonas de lazer e desporto, além de auditórios com a capacidade para 250 e 230 lugares, são os compartimentos da academia de música, que estará pronta em Junho, no Bié.

Bruno Fernando também tem o rosto no Hall of Fame dos melhores jogadores da história da Maryland University

há 5 meses

Ivete Sangalo e Cláudia Leite acusadas de apropriação cultural

há 3 anos
As acusações foram feitas por Maicon Rodrigues, o actor brasileiro publicou um longo texto afirmando que mulheres brancas tentam tomar o lugar de negros na indústria da música, “duas pessoas brancas levam o nome da música axé no Brasil e são chamadas de ‘rainhas’”. Na mesma ocasião, Anitta também levou por tabela, sendo apontada como intriguista.