“É o beatmaker, e não o cantor, que mais deve ganhar pelo hit”, assim diz a lei

De acordo com a lei, o beatmaker é o primeiro titular da obra, por isso deve sempre ficar com 50% de todo o rendimento que vier da sua produção musical, ou seja, mesmo quando a música for interpretada pelo num espectáculo, tv, plataforma de streaming, etc., enquanto ao intérprete cabe apenas 20%.

Com a pandemia do novo coronavírus a reafirmação de que o futuro da indústria musical no mundo passa pelo mercado digital ficou mais do que evidente e, embora não seja, ao todo, nossa realidade, o país vem mostrando avanços neste quesito, tudo graças a trabalhos de entidades de gestão colectiva como a SADIA.

No pico da Pandemia, o sector cultural foi o que mais ressentiu as restrições impostas pela doença. Mas, dados apontam que a digitalização rendeu à indústria da música mundial mais de 23, 1 bilhões de dólares norte-americanos de direitos autorais, um aumento de 7% em relação ao ano anterior. O valor não se alcançava há anos.

No nosso caso específico, e na qualidade de entidade gestora dos direitos de autores e conexos, qual é o papel da Sadia no mercado da música? E que impacto o Covid-19 teve na música angolana? A Sadia respondeu a estas e outras questões num live disponível no Instagram da Carga Magazine, e que contou com participação de vários artistas.

Ao intervir no fórum, Dji Tafinha partilhou sua experiência, referindo que aproveitou os rendimentos autorais para reinvestir. “Para aqueles artistas que conseguem fazer hit, se nós tivéssemos uma sociedade de autores organizada estariam ricos”.

De acordo com a SADIA, parte dos 1500 inscritos na sociedade receberam seus rendimentos em Março e voltará a distribuir outros rendimentos no corrente mês. Em Dezembro, começará a entregar aos artistas os dinheiros arrecadados nas tvs, rádios, plataformas de streaming, receitas internacionais, quanto mais vezes a obra de um artista for veiculada mais dinheiro este artista receberá.

Apesar de não apresentar um número exacto, o director de licenciamento digital da Sadia, Lucioval Gama, disse que o autor recebe os rendimentos, quando a sua música passar umas 50 vezes. Durante a conversa, revelou também que, nenhum autor tem autorização de cobrar pela utilização da sua obra.

Por outro lado, o autor deixa de receber seus rendimentos, quando a  obra cair no domínio público, ou seja, depois de 120 anos. Neste momento, avança o organismo, ainda não é possível o artista sobreviver com os direitos autorais, mas partir do próximo ano já será.

Acompanhe outras revelações no vídeo abaixo!

as cargas mais recentes

Segunda parte dos “recuerdos” do Sons do Atlântico já tem data

há 2 anos
No dia 19 de Dezembro as 22:00, o ZAP Viva exibe a segunda parte do sétimo festival “Sons do Atlântico” que aconteceu a 4 de Maio de 2019, na Baía de Luanda.

Razões e Rimas: O super Herói de Todos os Tempos

há 1 ano
A EP é da autoria do também integrante do lendário grupo “New Joint”, Kamané Kamas, que tem vindo a dar cartas dentro do movimento hip hop lusófono, assumindo a posição de um dos mais influentes da actualidade de moçambique.

Tina Turner despede-se da vida pública:” Não foi uma vida boa”

há 2 anos

Kamy Lara entre as três melhores realizadoras de África

há 2 anos
Kamy Lara ficou classificada em 3ª lugar no Prémio Adiaha, na distinção para o melhor filme realizado por uma mulher africana no Encounters-Festival Internacional de Documentários da África do Sul.

YoBass abre primeira edição do espectáculo ao vivo “Tá a Bater Show”

há 2 anos

Filme sobre Murais da Leba disputa Grande Prémio de Cinema Brasileiro

há 2 anos
O filme torna-se assim no primeiro realizado em África a entrar no circuito comercial de cinema brasileiro. Intitulado ‘As Cores da Serpente’, a longa-metragem narra o desafiante processo artístico dos jovens grafiteiros sobre os Murais da Leba.

Macklemore diz que cor da sua pele ajudou-o a vencer Kendrick Lamar nos Grammy

há 2 anos

Banda Prontidão homenageia Luanda

há 2 anos
Dia 31 de Janeiro (domingo) será um dia especial para música angolana, particularmente para nova geração de artistas. A data ficará marcada pelo primeiro concerto ao vivo da Banda Prontidão.

EP póstumo com canções inéditas de Marília Mendonça será lançado hoje

há 2 meses

Érica Chissapa aprovada para novela portuguesa

há 2 anos
A actriz angolana Erica Chissapa fará parte do elenco da novela portuguesa “Amar demais”, da TVI.

Mais de 2000 concorrentes tentam a sorte para as duas vagas na Clé Ent.

há 3 anos
Dos mais de dois mil novos talentos que acorreram na manhã desta sexta-feira à Praça da Independência, em Luanda para uma vaga de integrar o grupo de artistas da Clé Entertainment, somente dois poderão ser as próximas estrelas da produtora.

Black Coffee apresenta set especial para o famoso concerto Tiny Desk da NPR

há 2 anos

Designer desvenda caracterização de The Weeknd no vídeoclipe ‘Save your tears’

há 2 anos
Lançado há pouco menos de uma semana, “Save Your Tears”, mostra The Weeknd a remover as bandagens que vinha usando durante a era “After Hours”.

Vencedora do Festival da Canção de Luanda apresenta primeiros projectos

há 2 anos
Além do principal prémio, Heróide dos Prazeres foi considerada a melhor voz do ano do Festival da Canção de Luanda, mas não é só o timbre vocálico que chama atenção, ela também escreve, e foi com a sua própria composição que ultrapassou vozes de referência da música angolana.

Funkeiro Mc MM mostra-se disponível para fazer participações com artistas angolanos

há 4 meses
O artista brasileiro com uma carreira envolta de curiosidades, Mc MM revela-se como um daqueles que detém “o segredo do sucesso” no mundo da música, pelo menos é o que se vê no seu país, e procura “fazer” o mesmo em Angola.

Cleyton M cria versão de James Brown e Michael Jackson no Afro House

há 1 ano
Diferente dos anteriores sucessos, na nova música, Cleyton M (des)constrói sua personagem a partir do lendário James Brown e Michael Jackson num tema que versa bem os tempos actuais.