Galáxia, o espectáculo de teatro musical que pretende despertar o angolano da lobotomia

Resultante do hiato Teatro, Dança e Música, o Musical é um género de teatro pouco visto em Angola, mas que traz, na sua génese, experiências inesquecíveis, tanto para quem assiste e igualmente para os protagonistas.

A celebrar o Dia Mundial do Teatro, o grupo Enigma Teatro leva ao palco da Liga Africana o espectáculo “Teatro Musical Galáxia”, nos dias 25 e 26 deste mês, com o elenco multifacetado, com os artistas Amélia Trosso – Soprano, Helton Agú-Água – Performer, Julieta Trosso – Mezzo, Jéssica Pedro – Dançarina, Kaza Ngoma – Percurcionista, Mariana Trosso – Soprano, Manuel da Costa – Actor, Tetembwa Ya Mwika – Soprano, Wilson Cavela – Actor, Zatara Bunga – Barítono Atenorado.


Inventivo, o Projecto Cultural e Artístico, “Galáxia – Teatro Musical”, caracteriza-se na sua Forma e Conteúdo; as músicas cantadas são clássicos de musicais da Broadway, adaptados à nossa língua, onde a perfomance casa perfeitamente com histórias, músicas e danças africanas (angolanas), interpretado por especialistas e técnicos na área.

Segundo detalhou Tony Frampenio – encenador e director artístico do projecto, o Espectáculo Galáxia, cujo enredo se desenrola entre “um sonho que também pode ser um pesadelo”, a mensagem que se propõe é que ninguém durma, que ninguém sonhe ao ponto de ter pesadelos, propõe que se despertem e vão atrás dos sonhos com os olhos abertos.

Galáxia, o espectáculo de teatro musical que pretende despertar o angolano da lobotomia

O teatro musical combina canções, dança, e diálogos falados. O espectáculo Galáxia vai contemplar todas estas disciplinas?
Sim. O Galáxia combina várias disciplinas e, claro, tratando-se de um “teatro musical” a música, a dança e os diálogos são elementos artísticos, que combinados, agregando outros signos artísticos como as artes plásticas, por exemplo, fazem eclodir o género “teatro musical”.

Com um elenco de sete artistas em palco, como estão salvaguardadas as medidas de segurança impostas?

É quase impossível manter os artistas distanciados, como se tem apelado pelas autoridades sanitárias. Mas para que houvesse segurança e confiança entre os artistas, começamos a trabalhar distanciados, protegidos com as máscaras e usando o álcool em gel, sempre que necessário. Verão que algumas cenas que deviam mostrar algum contacto foram evitadas e criadas metodologias que ao longo do tempo fomos aprimorando. Ainda sobre este aspecto de biossegurança, tivemos que reformular o conceito do teatro convencional para algo experimental, distanciamos os espectadores dos artistas trocando o palco pela plateia e vice versa.

Fazem todos parte do mesmo grupo ou trata-se de uma espécie de projecto colaborativo?
Apesar de a iniciativa ser da Companhia Enigma Teatro, trata-se de um projecto colaborativo. O Enigma de “per si” não conseguiria tomar conta das nuances que o teatro musical exige. É a nossa primeira experiência do género e, para concretizarmos este desiderato, foi mesmo necessário colaborar com diversos especialistas que sem os quais não teríamos o resultado que vamos mostrar no palco.

O musical é uma forma de teatro pouco vista em Angola, consideram-no de difícil execução?
Sim. Como já dissemos, é a nossa primeira experiência do género. Mas não é apenas por esse motivo. Há muitos outros factores que tornam a execução de um espectáculo desta dimensão cá em Angola, desde a formação, os exíguos recursos pecuniários que as artes pouco ou nada auferem, até às precárias condições técnicas e as inexistentes infraestruturas para ensaios e espectáculos. Podíamos aqui enumerar intermináveis factores que tornam difícil trabalhar a um nível profissional há muito sonhado. Mas no preferimos arriscar, fazendo o possível e o impossível para mostrar que se houver melhores condições, nós somos capazes. Porque somos artistas como qualquer outro artista.

Quais os outros agrupamentos que realizam actividades do género em Angola?

Eu não conheço. Sei que houve uma iniciativa de alguns estudantes do ISART – Instituto Superior de Artes e do CEART – Complexo das Escolas de Artes, que homenagearam, primeiro, o Kizua Gougel e depois um outro cantor cujo nome não me lembro agora. Foi um iniciativa efémera e muito diferente do nosso trabalho que já se tem apelidado de “ousadia”. Mas nós a denominamos de “teatro da resistência”.

E em termos financeiros, consideram despendioso?
Só para ter ideia, na Broadway, os musicais não saem para o público com uma produção de menos de 1 milhão de dólares. Estamos a falar do Primeiro Mundo. Imagina agora fazer um musical num país considerado do “terceiro mundo”? Um musical é caro em qualquer parte do mundo. Nos países do primeiro conhecem o valor das artes e a sua função social porque aprendem isso na escola, desde os ciclos de iniciação. Aqui, nos países “subdesenvolvidos”, mesmo sendo ricos em minerais raros, não valorizam as artes por falta de conhecimento. Nem vão acreditar que vamos realizar um espectáculo de “teatro musical” até que se prove o contrário. Mas no Rio de Janeiro são mecenas do carnaval. Infelizmente somos assim. É essa a nossa pobreza.

No compupto geral, quais as maiores dificuldades na montagem de um musical?
As maiores dificuldades na montagem de um “musical” são os recursos financeiros, que sem os quais, não consegues reunir os diversos artistas das diversas disciplinas artísticas, nem os técnicos de luz, som, orquestra, figurinistas, cenógrafos, etc. É preciso um grande investimento.

Como surge a ideia de adaptar clássicos de musicais da Broadway à nossa língua?
A ideia surge no ISART, numa aula de actuação no curso de música, onde sou professor. O programa do 3.º ano diz que os estudantes precisam apresentar um musical. Eu vi que cantavam em italianos, russo, latim, espanhol. Menos Kimbundu, Umbundu, Kikongo ou Português. Foi aí que nasceu a ideia.


Quanto tempo foi necessário para a concepção?

Já estamos neste imbróglio desde 2019. Há 1 ano e sensivelmente 6 meses. O espectáculo devia ser estreado em Março de 2020, mas a Covid nos arrastou até 2021, no mesmo mês de Março, tudo para saudar o dia mundial do teatro e fazer algo diferente.

Ao todo, quantos profissionais estão envolvidos no projecto?
55 membros, entre artistas de palco e técnicos de bastidores.

“Galáxia é um sonho, mas também pode ser um pesadelo.” Que ilações pretendem que público tire deste espectáculo, que é, de certa forma, ambíguo?
Os angolanos, digo nós, somos um povo muito sonhador. É bom. Mas às vezes vivemos sonhando. Esperamos que o sonho se realize. Isso pode ser um pesadelo. O que se pretende é que o público desperte deste sonho que nunca se realiza, antes que se torne um pesadelo. Aliás, tem sido assim ao longo destes 45 anos de independência, infelizmente. O espectáculo Galáxia propõe que ninguém durma, que ninguém sonhe ao ponto de ter pesadelos, propõe que se despertem e vão atrás dos sonhos com os olhos abertos.

Como estão a ser vividos os momentos que antecedem o espectáculo?
Os momentos que antecedem o espectáculo estão a ser vividos com muita expectativa, muito nervosismo e ansiedade. Esperamos quase 2 anos para realizar este sonho. Nunca dormimos. Estamos à espera do dia da estreia, depois faremos uma grande farra para desanuviar.

as cargas mais recentes

Katy Perry reage pela primeira vez às acusações de abuso sexual

há 8 meses
A cantora norte-americana vem sendo acusada de má conduta sexual em duas situações. Numa recente entrevista, Katty Perry comentou, primeira vez, sobre os alegados abusos movidos por um homem e uma mulher.

Tory Lanez pede desculpas à Megan The Stallion por alvejá-la e justifica “que estava muito bêbado naquela noite”

há 7 meses
Dois meses após alvejar a rapper Megan The Stallion, Tory Lanez reaparece para desmentir que as suas músicas tiveram uma queda nos streams como consequência do sucedido, e segundo noticiou o TMZ, Lanez também teria aproveitado para pedir desculpas à Megan Rhe Stallion.

Show “Vozes de Março” homenageia Clara Monteiro, Dina Santos e Eduina Semedo

há 1 mês
Clara Monteiro, Dina Santos e Eduina Semedo serão homenageadas amanhã no Show do Mês as “Vozes de Março”, pelo contributo no desenvolvimento da música angolana.

Bigger Love: Novo álbum de John Legend celebra a música negra

há 10 meses
John Legend tornou pública a capa e a track list do seu novo álbum, a ser lançado dia 19 de Junho, com recurso à riqueza da música negra tradicional, o artista quer levar alegria e esperança ao movimento Black Live Matter.

Anna Joyce e C4 Pedro integram lista dos artistas africanos que “todos devem ouvir”

há 2 semanas
O site brasileiro Mundo Negro elegeu os oito artistas africanos lusófonos “obrigatórios” nas playlists da actualidade, dos quais figuram os angolanos C4 Pedro e Anna Joyce.

Paulo Flores e Prodígio voltam a juntar-se em novo projecto musical

há 1 ano
Intitulada Nzambi-Deus”, o single antecipa o álbum “A Bênção e a Maldição” e aborda sobre a eterna pergunta que não para de ecoar, e será disponibilizado hoje às 18 horas no canal do YouTube criado pelos dois artistas e que visa promover a arte.

Companhia Cubico Mwangole representa Angola no projecto do Mandela Day

há 4 meses
Promovido pela organização ONE.org para África, o projecto está agora na sua segunda fase, que compreende desafios entre grupos de dança de renome do continente Africano.

Avanços e recuos da cultura nacional em 45 anos de Independência

há 5 meses
A cultura é a expressão sublime da essência de um povo manifestadas através da língua, música, dança, pintura, literatura ou teatro. Em Angola, o sector musical é o que mais cresce, seguido das artes cénicas.

Mbappé é diagnosticado com covid-19 e desfalca selecção francesa

há 7 meses
Integrado na selecção francesa, que defrontará a Croácia, Kylian Mbappé acusou positivo a Covid-19, sendo de imediato afastado do grupo comandado por Didier Deschamps, noticiou o jornal A Bola.

Justin Bieber lidera indicações no Kids Choice Awards

há 2 meses

Três cantoras entre as 100 mulheres mais poderosas do mundo

há 4 meses
No seu todo, a lista conta com 100 mulheres oriundas de 30 países, e pertencentes a quatro gerações. Entre estas, há 10 chefes de estado, 38 directoras executivas e 5 artistas de entretenimento.

DJ Pelé, Flagelo Urbano e Ikonoklasta representam a classe artística na manifestação

há 5 meses
Os músicos Flagelo Urbano, Ikonoklasta, Ready Neutro, MCK e DJ Pelé representam, a classe artística na manifestação pacífica, que decorreu hoje, em Luanda, visando alertar ao governo para fim do elevado custo de vida no país, mas que terminou com a confirmação de mortes.

Bola de Ouro 2020 não será atribuída a nenhum jogador

há 9 meses
A France Football anunciou hoje que a Bola de Ouro 2020 não será atribuída, por “circunstâncias excepcionais, uma decisão que acontece pela primeira vez desde 1956.

Após realizar primeiro comício político Kanye West propõe Jay-Z para vice-presidente

há 9 meses
Após realizar o seu primeiro emociante comício político, este domingo, no estado da Carolina do Sul, onde, dentre várias promessas, propôs um milhão de dólares às gestantes, legalizar e tonar gratuita a liamba, Kanye West revelou que vai propor a Sean Carter o cargo de vice-presidente.

Idris Elba promove concerto virtual “Africa Day Benefit Concert at Home”

há 11 meses
O concerto virtual é uma iniciativa do cineasta britânico, que visa arrecadar fundos para “aliviar” os efeitos económicos que África tem sofrido, face a pandemia do Covid-19. O encontro reunirá um rol de artistas africanos e será transmitido pela MTV Base, no próximo dia 25, dia de África.

Jovens do Prenda no Show do Mês online

há 12 meses