Galáxia, o espectáculo de teatro musical que pretende despertar o angolano da lobotomia

Resultante do hiato Teatro, Dança e Música, o Musical é um género de teatro pouco visto em Angola, mas que traz, na sua génese, experiências inesquecíveis, tanto para quem assiste e igualmente para os protagonistas.

A celebrar o Dia Mundial do Teatro, o grupo Enigma Teatro leva ao palco da Liga Africana o espectáculo “Teatro Musical Galáxia”, nos dias 25 e 26 deste mês, com o elenco multifacetado, com os artistas Amélia Trosso – Soprano, Helton Agú-Água – Performer, Julieta Trosso – Mezzo, Jéssica Pedro – Dançarina, Kaza Ngoma – Percurcionista, Mariana Trosso – Soprano, Manuel da Costa – Actor, Tetembwa Ya Mwika – Soprano, Wilson Cavela – Actor, Zatara Bunga – Barítono Atenorado.


Inventivo, o Projecto Cultural e Artístico, “Galáxia – Teatro Musical”, caracteriza-se na sua Forma e Conteúdo; as músicas cantadas são clássicos de musicais da Broadway, adaptados à nossa língua, onde a perfomance casa perfeitamente com histórias, músicas e danças africanas (angolanas), interpretado por especialistas e técnicos na área.

Segundo detalhou Tony Frampenio – encenador e director artístico do projecto, o Espectáculo Galáxia, cujo enredo se desenrola entre “um sonho que também pode ser um pesadelo”, a mensagem que se propõe é que ninguém durma, que ninguém sonhe ao ponto de ter pesadelos, propõe que se despertem e vão atrás dos sonhos com os olhos abertos.

Galáxia, o espectáculo de teatro musical que pretende despertar o angolano da lobotomia

O teatro musical combina canções, dança, e diálogos falados. O espectáculo Galáxia vai contemplar todas estas disciplinas?
Sim. O Galáxia combina várias disciplinas e, claro, tratando-se de um “teatro musical” a música, a dança e os diálogos são elementos artísticos, que combinados, agregando outros signos artísticos como as artes plásticas, por exemplo, fazem eclodir o género “teatro musical”.

Com um elenco de sete artistas em palco, como estão salvaguardadas as medidas de segurança impostas?

É quase impossível manter os artistas distanciados, como se tem apelado pelas autoridades sanitárias. Mas para que houvesse segurança e confiança entre os artistas, começamos a trabalhar distanciados, protegidos com as máscaras e usando o álcool em gel, sempre que necessário. Verão que algumas cenas que deviam mostrar algum contacto foram evitadas e criadas metodologias que ao longo do tempo fomos aprimorando. Ainda sobre este aspecto de biossegurança, tivemos que reformular o conceito do teatro convencional para algo experimental, distanciamos os espectadores dos artistas trocando o palco pela plateia e vice versa.

Fazem todos parte do mesmo grupo ou trata-se de uma espécie de projecto colaborativo?
Apesar de a iniciativa ser da Companhia Enigma Teatro, trata-se de um projecto colaborativo. O Enigma de “per si” não conseguiria tomar conta das nuances que o teatro musical exige. É a nossa primeira experiência do género e, para concretizarmos este desiderato, foi mesmo necessário colaborar com diversos especialistas que sem os quais não teríamos o resultado que vamos mostrar no palco.

O musical é uma forma de teatro pouco vista em Angola, consideram-no de difícil execução?
Sim. Como já dissemos, é a nossa primeira experiência do género. Mas não é apenas por esse motivo. Há muitos outros factores que tornam a execução de um espectáculo desta dimensão cá em Angola, desde a formação, os exíguos recursos pecuniários que as artes pouco ou nada auferem, até às precárias condições técnicas e as inexistentes infraestruturas para ensaios e espectáculos. Podíamos aqui enumerar intermináveis factores que tornam difícil trabalhar a um nível profissional há muito sonhado. Mas no preferimos arriscar, fazendo o possível e o impossível para mostrar que se houver melhores condições, nós somos capazes. Porque somos artistas como qualquer outro artista.

Quais os outros agrupamentos que realizam actividades do género em Angola?

Eu não conheço. Sei que houve uma iniciativa de alguns estudantes do ISART – Instituto Superior de Artes e do CEART – Complexo das Escolas de Artes, que homenagearam, primeiro, o Kizua Gougel e depois um outro cantor cujo nome não me lembro agora. Foi um iniciativa efémera e muito diferente do nosso trabalho que já se tem apelidado de “ousadia”. Mas nós a denominamos de “teatro da resistência”.

E em termos financeiros, consideram despendioso?
Só para ter ideia, na Broadway, os musicais não saem para o público com uma produção de menos de 1 milhão de dólares. Estamos a falar do Primeiro Mundo. Imagina agora fazer um musical num país considerado do “terceiro mundo”? Um musical é caro em qualquer parte do mundo. Nos países do primeiro conhecem o valor das artes e a sua função social porque aprendem isso na escola, desde os ciclos de iniciação. Aqui, nos países “subdesenvolvidos”, mesmo sendo ricos em minerais raros, não valorizam as artes por falta de conhecimento. Nem vão acreditar que vamos realizar um espectáculo de “teatro musical” até que se prove o contrário. Mas no Rio de Janeiro são mecenas do carnaval. Infelizmente somos assim. É essa a nossa pobreza.

No compupto geral, quais as maiores dificuldades na montagem de um musical?
As maiores dificuldades na montagem de um “musical” são os recursos financeiros, que sem os quais, não consegues reunir os diversos artistas das diversas disciplinas artísticas, nem os técnicos de luz, som, orquestra, figurinistas, cenógrafos, etc. É preciso um grande investimento.

Como surge a ideia de adaptar clássicos de musicais da Broadway à nossa língua?
A ideia surge no ISART, numa aula de actuação no curso de música, onde sou professor. O programa do 3.º ano diz que os estudantes precisam apresentar um musical. Eu vi que cantavam em italianos, russo, latim, espanhol. Menos Kimbundu, Umbundu, Kikongo ou Português. Foi aí que nasceu a ideia.


Quanto tempo foi necessário para a concepção?

Já estamos neste imbróglio desde 2019. Há 1 ano e sensivelmente 6 meses. O espectáculo devia ser estreado em Março de 2020, mas a Covid nos arrastou até 2021, no mesmo mês de Março, tudo para saudar o dia mundial do teatro e fazer algo diferente.

Ao todo, quantos profissionais estão envolvidos no projecto?
55 membros, entre artistas de palco e técnicos de bastidores.

“Galáxia é um sonho, mas também pode ser um pesadelo.” Que ilações pretendem que público tire deste espectáculo, que é, de certa forma, ambíguo?
Os angolanos, digo nós, somos um povo muito sonhador. É bom. Mas às vezes vivemos sonhando. Esperamos que o sonho se realize. Isso pode ser um pesadelo. O que se pretende é que o público desperte deste sonho que nunca se realiza, antes que se torne um pesadelo. Aliás, tem sido assim ao longo destes 45 anos de independência, infelizmente. O espectáculo Galáxia propõe que ninguém durma, que ninguém sonhe ao ponto de ter pesadelos, propõe que se despertem e vão atrás dos sonhos com os olhos abertos.

Como estão a ser vividos os momentos que antecedem o espectáculo?
Os momentos que antecedem o espectáculo estão a ser vividos com muita expectativa, muito nervosismo e ansiedade. Esperamos quase 2 anos para realizar este sonho. Nunca dormimos. Estamos à espera do dia da estreia, depois faremos uma grande farra para desanuviar.

as cargas mais recentes

O novo álbum de Lady Gaga chegou e já conquistou o número #1 na Billboard 200

há 2 anos
`Chromatica´ assinala a sexta vez que um álbum de Lady Gaga figura no topo da lista, desde o lançamento de Born This Way em 2011. O trabalho era um dos mais aguardados dos últimos tempos, por representar o retorno da cantora ao dance pop.

Nsoki se posiciona sobre associação da sua imagem a campanhas políticas

há 1 ano

Um ano após falência de órgão, Scarface é transplantado com rim doado pelo filho

há 8 meses
Volvidos 12 meses de comorbidade com insuficiência renal adquirida na batalha contra a Covid-19, Brad Jordan ou simplesmente Scarface, como é conhecido as lides do Hip Hop, acaba de receber a preciosa doação de um rim, vindo do seu próprio filho, Christopher Jordan.

Conheça o perfil dos apurados para a 2a Edição da Residência Artística LUUANDA

há 7 meses
A residência artística que vem desafiar os “eleitos” a trabalharem sob o tema `Fronteiras Perdidas´, de José Eduardo Agualusa, já está a decorrer em Luanda entre os dias 18 de Outubro a 1 de Novembro de 2021.

Melhores dançarinos de Kizomba e Semba de Luanda serão conhecidos este sábado

há 10 meses
Dançarinos de Kizomba e Semba serão distinguidos este sábado, no Centro Cultural Brasil Angola, em Luanda, durante uma gala para atribuição do título de Campeões de Dança Kizomba e Semba Municipal de Luanda 2021.

Taylor Swift cancela toda a digressão pela Europa

há 1 ano

Kanye West declara guerra à indústria musical

há 2 anos
Alguns dias depois de ter duramente criticado a indústria musical, o rapper partilhou, ontem, um vídeo a urinar numa estátua dos Grammy, a mais importante distinção da música nos Estados Unidos da América.

Morreu ‘Bang’ produtor moçambicano

há 1 ano
Morreu esta manhã (segunda-feira), vítima de doença, o empresário e produtor de eventos moçambicano Adelson Mourinho “Bang”, esposo da cantora Lizha James.

Lupe Fiasco decreta que só terá acesso aos seus shows quem estiver vacinado contra a Covid-19

há 1 ano
Lupe Fiasco limitou o acesso dos seus eventos à pessoas que não tenham sido vacinadas contra a Covid-19. O artista optou por esta atitude sem precedentes, para se posicionar, uma vez que o uso da vacina tem dividido opiniões.

This Is Not A White Cube apresenta “Reflectir#2 – Fragmentos, Fragilidades, Memórias”

há 1 mês
Com curadoria de Ana Knežević, Emilia Epštajn, Graça Rodrigues e Sónia Ribeiro, a exposição reúne um abrangente panorama desta multifacetada produção, onde se ostentam obras em papel, instalações, performance, pintura, fotografia, têxtil e vídeo de Alida Rodrigues, Ana Silva, Cristiano Mangovo, Francisco Vidal, Januário Jano, Luís Damião, Nelo Teixeira, Osvaldo Ferreira, Pedro Pires e Ery Claver, que no seu todo revelam a forte afinidade à estética e materialidade estratificada do “arquivo” cuja quase inexistência – por negligência ou depauperação endémica – se tem revelado crítica em Angola.

Legado de Mestre Kapela é memorado “ante” ao Prémio Nacional de Cultura e Artes

há 2 anos
O artista plástico Kapela Paulo venceu o Prémio Nacional de Cultura e Artes, na categoria de `Artes Visuais e Plásticas´. Visto como pai espiritual da arte contemporânea em Angola, Mestre Kapela espelha na sua arte, por meio do olhar e pincel a sua escola de arte que moldou as práticas e técnicas da sua longa e prolífica carreira.

Músicos britânicos fazem abaixo-assinado para o Ministério da Cultura

há 2 anos
Cerca de 1.500 artistas, entre eles Ed Sheeran Rolling Stones, Paul McCartney, Coldplay e Eric Clapton, entregaram uma carta ao ministério da cultura britânico a “exigirem” um “calendário claro” sobre o regresso à actividade cultural; apoio financeiro e a eliminação do IVA sobre a venda de bilhetes, devido às dificuldades que estão a enfrentar.

Vozes de diferentes estilos cantam 70 anos de André Mingas

há 2 anos
Se estivesse em vida, André Mingas completaria setenta anos amanhã(24). E, em alusão do seu 70.°aniversário, Ary, Kizua Gourgel, Toty Sa’med, Selda, Yoxi e Paulo Flores juntam-se este domingo para um tributo musical.

Camarões e Cabo Verde triunfam na abertura do Campeonato Africano das Nações

há 4 meses
Na abertura do CAN, os Camarões entraram a vencer frente ao Burkina Faso, por 2-1 e passa a ocupar o primeiro lugar no grupo A com 3 pontos. Ao passo que a selecção de futebol de Cabo Verde venceu por 1-0 a Etiópia, em jogo da primeira jornada do Grupo A.

Neymar está infectado com Covid-19

há 2 anos
O PSG confirmou esta quarta-feira a existência de três casos positivos de Covid-19 no plantel, contudo, o clube parisiense não avançou os nomes. O jornal L’Equipe citou os nomes dos três infectados e o brasileiro Neymar é um deles.

Euclides da Lomba: “Foi uma falha não atribuírmos nenhum prémio a Carlos Burity”

há 2 anos
A Direcção Nacional da Cultura diz sentir-se culpada e admite ter falhado pelo facto de não atribuir nenhum prémio a Carlos Burity e aventa a possibilidade de atribuição a título póstumo.