Galáxia, o espectáculo de teatro musical que pretende despertar o angolano da lobotomia

Resultante do hiato Teatro, Dança e Música, o Musical é um género de teatro pouco visto em Angola, mas que traz, na sua génese, experiências inesquecíveis, tanto para quem assiste e igualmente para os protagonistas.

A celebrar o Dia Mundial do Teatro, o grupo Enigma Teatro leva ao palco da Liga Africana o espectáculo “Teatro Musical Galáxia”, nos dias 25 e 26 deste mês, com o elenco multifacetado, com os artistas Amélia Trosso – Soprano, Helton Agú-Água – Performer, Julieta Trosso – Mezzo, Jéssica Pedro – Dançarina, Kaza Ngoma – Percurcionista, Mariana Trosso – Soprano, Manuel da Costa – Actor, Tetembwa Ya Mwika – Soprano, Wilson Cavela – Actor, Zatara Bunga – Barítono Atenorado.


Inventivo, o Projecto Cultural e Artístico, “Galáxia – Teatro Musical”, caracteriza-se na sua Forma e Conteúdo; as músicas cantadas são clássicos de musicais da Broadway, adaptados à nossa língua, onde a perfomance casa perfeitamente com histórias, músicas e danças africanas (angolanas), interpretado por especialistas e técnicos na área.

Segundo detalhou Tony Frampenio – encenador e director artístico do projecto, o Espectáculo Galáxia, cujo enredo se desenrola entre “um sonho que também pode ser um pesadelo”, a mensagem que se propõe é que ninguém durma, que ninguém sonhe ao ponto de ter pesadelos, propõe que se despertem e vão atrás dos sonhos com os olhos abertos.

Galáxia, o espectáculo de teatro musical que pretende despertar o angolano da lobotomia

O teatro musical combina canções, dança, e diálogos falados. O espectáculo Galáxia vai contemplar todas estas disciplinas?
Sim. O Galáxia combina várias disciplinas e, claro, tratando-se de um “teatro musical” a música, a dança e os diálogos são elementos artísticos, que combinados, agregando outros signos artísticos como as artes plásticas, por exemplo, fazem eclodir o género “teatro musical”.

Com um elenco de sete artistas em palco, como estão salvaguardadas as medidas de segurança impostas?

É quase impossível manter os artistas distanciados, como se tem apelado pelas autoridades sanitárias. Mas para que houvesse segurança e confiança entre os artistas, começamos a trabalhar distanciados, protegidos com as máscaras e usando o álcool em gel, sempre que necessário. Verão que algumas cenas que deviam mostrar algum contacto foram evitadas e criadas metodologias que ao longo do tempo fomos aprimorando. Ainda sobre este aspecto de biossegurança, tivemos que reformular o conceito do teatro convencional para algo experimental, distanciamos os espectadores dos artistas trocando o palco pela plateia e vice versa.

Fazem todos parte do mesmo grupo ou trata-se de uma espécie de projecto colaborativo?
Apesar de a iniciativa ser da Companhia Enigma Teatro, trata-se de um projecto colaborativo. O Enigma de “per si” não conseguiria tomar conta das nuances que o teatro musical exige. É a nossa primeira experiência do género e, para concretizarmos este desiderato, foi mesmo necessário colaborar com diversos especialistas que sem os quais não teríamos o resultado que vamos mostrar no palco.

O musical é uma forma de teatro pouco vista em Angola, consideram-no de difícil execução?
Sim. Como já dissemos, é a nossa primeira experiência do género. Mas não é apenas por esse motivo. Há muitos outros factores que tornam a execução de um espectáculo desta dimensão cá em Angola, desde a formação, os exíguos recursos pecuniários que as artes pouco ou nada auferem, até às precárias condições técnicas e as inexistentes infraestruturas para ensaios e espectáculos. Podíamos aqui enumerar intermináveis factores que tornam difícil trabalhar a um nível profissional há muito sonhado. Mas no preferimos arriscar, fazendo o possível e o impossível para mostrar que se houver melhores condições, nós somos capazes. Porque somos artistas como qualquer outro artista.

Quais os outros agrupamentos que realizam actividades do género em Angola?

Eu não conheço. Sei que houve uma iniciativa de alguns estudantes do ISART – Instituto Superior de Artes e do CEART – Complexo das Escolas de Artes, que homenagearam, primeiro, o Kizua Gougel e depois um outro cantor cujo nome não me lembro agora. Foi um iniciativa efémera e muito diferente do nosso trabalho que já se tem apelidado de “ousadia”. Mas nós a denominamos de “teatro da resistência”.

E em termos financeiros, consideram despendioso?
Só para ter ideia, na Broadway, os musicais não saem para o público com uma produção de menos de 1 milhão de dólares. Estamos a falar do Primeiro Mundo. Imagina agora fazer um musical num país considerado do “terceiro mundo”? Um musical é caro em qualquer parte do mundo. Nos países do primeiro conhecem o valor das artes e a sua função social porque aprendem isso na escola, desde os ciclos de iniciação. Aqui, nos países “subdesenvolvidos”, mesmo sendo ricos em minerais raros, não valorizam as artes por falta de conhecimento. Nem vão acreditar que vamos realizar um espectáculo de “teatro musical” até que se prove o contrário. Mas no Rio de Janeiro são mecenas do carnaval. Infelizmente somos assim. É essa a nossa pobreza.

No compupto geral, quais as maiores dificuldades na montagem de um musical?
As maiores dificuldades na montagem de um “musical” são os recursos financeiros, que sem os quais, não consegues reunir os diversos artistas das diversas disciplinas artísticas, nem os técnicos de luz, som, orquestra, figurinistas, cenógrafos, etc. É preciso um grande investimento.

Como surge a ideia de adaptar clássicos de musicais da Broadway à nossa língua?
A ideia surge no ISART, numa aula de actuação no curso de música, onde sou professor. O programa do 3.º ano diz que os estudantes precisam apresentar um musical. Eu vi que cantavam em italianos, russo, latim, espanhol. Menos Kimbundu, Umbundu, Kikongo ou Português. Foi aí que nasceu a ideia.


Quanto tempo foi necessário para a concepção?

Já estamos neste imbróglio desde 2019. Há 1 ano e sensivelmente 6 meses. O espectáculo devia ser estreado em Março de 2020, mas a Covid nos arrastou até 2021, no mesmo mês de Março, tudo para saudar o dia mundial do teatro e fazer algo diferente.

Ao todo, quantos profissionais estão envolvidos no projecto?
55 membros, entre artistas de palco e técnicos de bastidores.

“Galáxia é um sonho, mas também pode ser um pesadelo.” Que ilações pretendem que público tire deste espectáculo, que é, de certa forma, ambíguo?
Os angolanos, digo nós, somos um povo muito sonhador. É bom. Mas às vezes vivemos sonhando. Esperamos que o sonho se realize. Isso pode ser um pesadelo. O que se pretende é que o público desperte deste sonho que nunca se realiza, antes que se torne um pesadelo. Aliás, tem sido assim ao longo destes 45 anos de independência, infelizmente. O espectáculo Galáxia propõe que ninguém durma, que ninguém sonhe ao ponto de ter pesadelos, propõe que se despertem e vão atrás dos sonhos com os olhos abertos.

Como estão a ser vividos os momentos que antecedem o espectáculo?
Os momentos que antecedem o espectáculo estão a ser vividos com muita expectativa, muito nervosismo e ansiedade. Esperamos quase 2 anos para realizar este sonho. Nunca dormimos. Estamos à espera do dia da estreia, depois faremos uma grande farra para desanuviar.

as cargas mais recentes

Cientista angolano é homenageado e ganha bolsa de estudo

há 2 anos
O Ministério da Juventude e Desportos distinguiu o jovem cientista angolano, Valdemar Tchipenhe, com um Diploma de Mérito, pela a sua dedicação e entrega no projecto humanitário de montagem de laboratórios de Biologia Molecular, que contribuem para prevenção e combate à Covid-19.

Kevin Durant, James Harden e Giannis Antetokounmpo entre os 75 melhores da NBA

há 1 ano
A lista completa será revelada até sexta-feira, as lendas serão seleccionando em 3 grupos de 25.

Opinion makers participam de `Masterclass´ sobre “Construção e Gestão de Marcas”

há 2 anos
O evento denominado Masterclass vai decorrer no formato virtual, através da plataforma Zoom, facilitando assim o acesso de todos os interessados na matéria.

Show do Mês comunica interregno do conceito `Hospitality´ mas garante continuidade das atracções

há 2 anos
`Hospitality´ consistia em receber público num espaço aberto, obedecendo a todas as medidas de segurança, mas acaba de ser descontinuado, para fazer face ao último decreto do estado de Calamidade.

Músico pondera deixar de cantar pelo facto do MPLA ganhar as eleições 2022

há 5 meses

Ambientalista angolana entre os finalistas do prémio da ONU

há 2 anos
A engenheira angolana de produção de petróleos Fernanda Renee Samuel, que trabalha na área de protecção ambiental, é uma das 35 finalistas que estão a concorrer para o prémio “Jovens Campeões da Terra”.

Está aprovado: Break Dance será modalidade desportiva dos Jogos Olímpicos

há 2 anos
O COI, Comité Olímpico Internacional, confirmou que o Break Dance será uma das modalidades desportivas dos Jogos Olímpicos, e fará já parte das próximas Olimpíadas de 2024, em Paris.

Num dia como hoje, Waldemar Bastos partia para a eternidade

há 1 ano
A assinalar o primeiro ano post mortem, Waldemar Bastos será homenageado na festa do Avante!, no concerto `Ndapandula´, a decorrer no próximo dia 3 de Setembro, com a direcção artística e musical de Aline Frazão e participações de Sara Tavares, Karyna Gomes e Toty Sa’Med.

Eminem entra para o Rock & Roll Hall of Fame no seu primeiro ano de elegibilidade

há 9 meses
Slim Shady é o único artista de hip-hop a ser indicado como performer este ano e o único artista que começou a lançar música nos anos 90.

De Michelle Obama a Kamala Harris: Entenda o activismo disfarçado na elegância dos looks

há 2 anos
Por trás de tamanha imponência, três alusões foram feitas propositadamente: o movimento das sufragista, a união dos partidos e a representatividade de estilistas negros.

Vênias aos Filipes

há 3 anos
Dupla foi homenageada no Show do Mês, duas noites de evento que ficarão nos anais da música angolana.

Rick Ross deixou de seguir todas as celebridades que o trouxeram para África

há 8 meses
O músico norte-americano Rick Ross dediciu deixar de seguir, no Instagram, todas as celebridades que o trouxeram para o Continente africano, incluindo membros da staff da Clé, que, em Abril último, levou o cantor e produtor ao “Baía Fest”.

Vencedora do Prémio Camões 2021, Paulina Chiziane, prestigia Diálogos Culturais já amanhã

há 11 meses
Em Luanda desde a semana finda a convite de Yuri da Cunha e Isidro Fortunato, mentor do Movimento Ubuntu, a vinda da escritora moçambicana tem impulsionado uma série de “encontros” em prol do intercâmbio cultural e vai culminar com o `Especial Diálogos Culturais’ , a ter lugar amanhã, na Universidade Gregório Semedo.

É oficial: Messi anuncia que vai continuar no Barcelona

há 2 anos
O astro argentino acaba de anunciar que vai continuar no clube catalão até o fim do contrato. “Eu tinha a certeza que estava livre para sair, o presidente sempre disse que no fim da temporada podia decidir sair ou ficar”.

Twitter homenageia Pop Smoke com emojis

há 3 anos
Pop Smoke foi assassinado em fevereiro deste ano, o crime ainda não foi esclarecido. Na passada sexta-feira, foi lançado o álbum de estreia do rapper “Shoot For The Stars Aim For The Moon, a título póstumo e o músico ganhou homenagem especial.

Yunami retrata acontecimentos político e socio-económico em ‘Torre dos Tolos’

há 1 ano
À Carga Magazine, Yunami explicou que o single é um abstrato dos mais populares acontecimentos do país e, estará disponível em breve.