Galáxia, o espectáculo de teatro musical que pretende despertar o angolano da lobotomia

Resultante do hiato Teatro, Dança e Música, o Musical é um género de teatro pouco visto em Angola, mas que traz, na sua génese, experiências inesquecíveis, tanto para quem assiste e igualmente para os protagonistas.

A celebrar o Dia Mundial do Teatro, o grupo Enigma Teatro leva ao palco da Liga Africana o espectáculo “Teatro Musical Galáxia”, nos dias 25 e 26 deste mês, com o elenco multifacetado, com os artistas Amélia Trosso – Soprano, Helton Agú-Água – Performer, Julieta Trosso – Mezzo, Jéssica Pedro – Dançarina, Kaza Ngoma – Percurcionista, Mariana Trosso – Soprano, Manuel da Costa – Actor, Tetembwa Ya Mwika – Soprano, Wilson Cavela – Actor, Zatara Bunga – Barítono Atenorado.


Inventivo, o Projecto Cultural e Artístico, “Galáxia – Teatro Musical”, caracteriza-se na sua Forma e Conteúdo; as músicas cantadas são clássicos de musicais da Broadway, adaptados à nossa língua, onde a perfomance casa perfeitamente com histórias, músicas e danças africanas (angolanas), interpretado por especialistas e técnicos na área.

Segundo detalhou Tony Frampenio – encenador e director artístico do projecto, o Espectáculo Galáxia, cujo enredo se desenrola entre “um sonho que também pode ser um pesadelo”, a mensagem que se propõe é que ninguém durma, que ninguém sonhe ao ponto de ter pesadelos, propõe que se despertem e vão atrás dos sonhos com os olhos abertos.

Galáxia, o espectáculo de teatro musical que pretende despertar o angolano da lobotomia

O teatro musical combina canções, dança, e diálogos falados. O espectáculo Galáxia vai contemplar todas estas disciplinas?
Sim. O Galáxia combina várias disciplinas e, claro, tratando-se de um “teatro musical” a música, a dança e os diálogos são elementos artísticos, que combinados, agregando outros signos artísticos como as artes plásticas, por exemplo, fazem eclodir o género “teatro musical”.

Com um elenco de sete artistas em palco, como estão salvaguardadas as medidas de segurança impostas?

É quase impossível manter os artistas distanciados, como se tem apelado pelas autoridades sanitárias. Mas para que houvesse segurança e confiança entre os artistas, começamos a trabalhar distanciados, protegidos com as máscaras e usando o álcool em gel, sempre que necessário. Verão que algumas cenas que deviam mostrar algum contacto foram evitadas e criadas metodologias que ao longo do tempo fomos aprimorando. Ainda sobre este aspecto de biossegurança, tivemos que reformular o conceito do teatro convencional para algo experimental, distanciamos os espectadores dos artistas trocando o palco pela plateia e vice versa.

Fazem todos parte do mesmo grupo ou trata-se de uma espécie de projecto colaborativo?
Apesar de a iniciativa ser da Companhia Enigma Teatro, trata-se de um projecto colaborativo. O Enigma de “per si” não conseguiria tomar conta das nuances que o teatro musical exige. É a nossa primeira experiência do género e, para concretizarmos este desiderato, foi mesmo necessário colaborar com diversos especialistas que sem os quais não teríamos o resultado que vamos mostrar no palco.

O musical é uma forma de teatro pouco vista em Angola, consideram-no de difícil execução?
Sim. Como já dissemos, é a nossa primeira experiência do género. Mas não é apenas por esse motivo. Há muitos outros factores que tornam a execução de um espectáculo desta dimensão cá em Angola, desde a formação, os exíguos recursos pecuniários que as artes pouco ou nada auferem, até às precárias condições técnicas e as inexistentes infraestruturas para ensaios e espectáculos. Podíamos aqui enumerar intermináveis factores que tornam difícil trabalhar a um nível profissional há muito sonhado. Mas no preferimos arriscar, fazendo o possível e o impossível para mostrar que se houver melhores condições, nós somos capazes. Porque somos artistas como qualquer outro artista.

Quais os outros agrupamentos que realizam actividades do género em Angola?

Eu não conheço. Sei que houve uma iniciativa de alguns estudantes do ISART – Instituto Superior de Artes e do CEART – Complexo das Escolas de Artes, que homenagearam, primeiro, o Kizua Gougel e depois um outro cantor cujo nome não me lembro agora. Foi um iniciativa efémera e muito diferente do nosso trabalho que já se tem apelidado de “ousadia”. Mas nós a denominamos de “teatro da resistência”.

E em termos financeiros, consideram despendioso?
Só para ter ideia, na Broadway, os musicais não saem para o público com uma produção de menos de 1 milhão de dólares. Estamos a falar do Primeiro Mundo. Imagina agora fazer um musical num país considerado do “terceiro mundo”? Um musical é caro em qualquer parte do mundo. Nos países do primeiro conhecem o valor das artes e a sua função social porque aprendem isso na escola, desde os ciclos de iniciação. Aqui, nos países “subdesenvolvidos”, mesmo sendo ricos em minerais raros, não valorizam as artes por falta de conhecimento. Nem vão acreditar que vamos realizar um espectáculo de “teatro musical” até que se prove o contrário. Mas no Rio de Janeiro são mecenas do carnaval. Infelizmente somos assim. É essa a nossa pobreza.

No compupto geral, quais as maiores dificuldades na montagem de um musical?
As maiores dificuldades na montagem de um “musical” são os recursos financeiros, que sem os quais, não consegues reunir os diversos artistas das diversas disciplinas artísticas, nem os técnicos de luz, som, orquestra, figurinistas, cenógrafos, etc. É preciso um grande investimento.

Como surge a ideia de adaptar clássicos de musicais da Broadway à nossa língua?
A ideia surge no ISART, numa aula de actuação no curso de música, onde sou professor. O programa do 3.º ano diz que os estudantes precisam apresentar um musical. Eu vi que cantavam em italianos, russo, latim, espanhol. Menos Kimbundu, Umbundu, Kikongo ou Português. Foi aí que nasceu a ideia.


Quanto tempo foi necessário para a concepção?

Já estamos neste imbróglio desde 2019. Há 1 ano e sensivelmente 6 meses. O espectáculo devia ser estreado em Março de 2020, mas a Covid nos arrastou até 2021, no mesmo mês de Março, tudo para saudar o dia mundial do teatro e fazer algo diferente.

Ao todo, quantos profissionais estão envolvidos no projecto?
55 membros, entre artistas de palco e técnicos de bastidores.

“Galáxia é um sonho, mas também pode ser um pesadelo.” Que ilações pretendem que público tire deste espectáculo, que é, de certa forma, ambíguo?
Os angolanos, digo nós, somos um povo muito sonhador. É bom. Mas às vezes vivemos sonhando. Esperamos que o sonho se realize. Isso pode ser um pesadelo. O que se pretende é que o público desperte deste sonho que nunca se realiza, antes que se torne um pesadelo. Aliás, tem sido assim ao longo destes 45 anos de independência, infelizmente. O espectáculo Galáxia propõe que ninguém durma, que ninguém sonhe ao ponto de ter pesadelos, propõe que se despertem e vão atrás dos sonhos com os olhos abertos.

Como estão a ser vividos os momentos que antecedem o espectáculo?
Os momentos que antecedem o espectáculo estão a ser vividos com muita expectativa, muito nervosismo e ansiedade. Esperamos quase 2 anos para realizar este sonho. Nunca dormimos. Estamos à espera do dia da estreia, depois faremos uma grande farra para desanuviar.

as cargas mais recentes

Apesar do incidente na gala dos Óscares “Bad Boys 4” será lançado

há 3 meses

Papekas: “Quero mostrar que o Rap pode ser a mistura certa para todo o tipo de género musical”

há 2 anos
Papekas é um rapper que ganhou notoriedade nos freestyles da escola e hoje invade os mercados moçambicano e sul-africano. O artista tem se dedicado ao Rap acústico. A partir de Johannesburg, deixa os primeiros registos de uma proposta inovadora para Rap angolano.

Grammy 2021: Beyoncé e sua filha saem como maiores vencedoras sem os principais méritos

há 2 anos

Banda-relâmpago volta a despertar rock angolano com obra “arrepiante”

há 2 anos
Downstairs to Somewhere é um projecto colaborativo de rock que existe há menos de quatro meses. Após estrear-se com o single “Its Not About You”, a banda-Relâmpago suportada por Tipo Stereo e Manel Kavalera “Mankav” volta hoje à ribalta com mais uma obra “arrepiante” e anuncia trabalhos em carteira.

Raúl Duarte por mais um ano no Interclube

há 2 anos
A direcção do Interclube renovou hoje (quinta-feira) o contrato de trabalho com o técnico Raúl Duarte, por mais uma temporada a frente da equipa sénior masculina de basquetebol.

Uma lenda que continua no auge volvidos 39 anos da sua morte

há 2 anos
Num dia como hoje, há 39 anos, a arte empobreceu devido o passamento físico de Bob Marley. Um astro, cujo impacto da obra e da carreira pode ainda ser sentido, como se de um artista vivo e no auge da carreira se tratasse.

Já são conhecidos os detalhes da oitava edição do projecto “Ponte Cultural”

há 6 meses
Foi apresentado esta semana em conferência de Imprensa o Projecto Musical Voluntário, denominado “Ponte Cultural”, da Fundação Arte e Cultura. Na sua oitava edição, o projecto será pautado pelo intercambio entre os artistas de Angola Bruno M, Glória da Lu e Cleyton M, e de Israel Noa Zulu e Avner Hodorov.

Rap triunfa na 1° edição do “Estrelas ao Palco Vencedores”

há 1 ano

The Miseducation of Lauryn Hill: eleito o melhor disco de Rap da história

há 2 anos
O álbum de estreia de Lauryn Hill, The Miseducation Of Lauryn Hill, foi considerado um dos melhores álbuns de todos os tempos, e o melhor álbum de Rap, pela Rolling Stone.

Angolanos lideram nomeações do AFRIMA nos PALOP mas, os rappers ‘não foram tidos nem achados’

há 1 ano
Apesar de não constar nenhum artista do estilo Rap, a música angolana aparece em alta nos Prémios Africano de Música. Os artistas angolanos lideram as indicações a nível dos PALOP.

Beyonce e Marvin Gaye lideram a lista dos melhores álbuns do século

há 2 anos
A Rolling Stone elegeu os álbuns “What’s Going On” de Marvin Gaye e “Lemonade” de Beyonce, como melhores álbuns de todos os tempos. Citando também ‘Crazy In Love’ como a melhor música do século.

Quavo mostra-se extasiado por saber que Robert De Niro conhece o Migos

há 2 anos
À Billboard, Quavo contou em entrevista que a descoberta foi feita nos bastidores do filme “Wash Me In The River”, para o qual o artista foi escalado para interpretar um perigoso assassino.

Em dia de aniversário Nankhova brinda os fãs com novo videoclip

há 1 ano

Petro “rouba” Aníbal ao 1º de Agosto

há 2 anos
O Petro de Luanda garantiu a contratação do técnico Aníbal Moreira, que até a semana pertencia ao quadro técnico do 1º de Agosto, num contrato válido por quatro anos.

É oficial: Capita é o novo reforço do Lille

há 2 anos
O Lille anunciou ontem a contratação do extremo angolano Capita. O atleta de 18 anos de idade, que até então militava no Trofense de Portugal, é o novo reforço da equipa da primeira divisão francesa, onde estará por cinco temporadas.

Covid-19: Matias Damásio testa positivo

há 2 anos
A informação surge em vários sites, que fazem também referência ao facto do angolano ter actuado recentemente nos programas “Casa Feliz”, da SIC, e “Em Familia” da TVI, nos dias 12 e 16 de Janeiro, respectivamente.