Exclusivo: Cabo Snoop regressa à Power House definitivamente

Como diz o velho ditado, “o bom filho regrassa sempre à casa”. É isso que Cabo Snoop fez. Sete anos depois de abandonar a produtora que o transformou numa das maiores estrelas da música africana, o artista está de volta, de forma definitiva, mas com novas tarefas.

Agora com 31 anos, pai de família e mais maduro artisticamente, Ivo Manuel de Lemos, conhecido nas lides musicais como Cabo Snoop, regressa como conselheiro e mentor de Cleyton M, ajudando o prodigioso jovem a expandir a carreira para toda África, através das experiências que acumulou com a sua passagem na “poderosa casa” de Hochi Fu.

O reencontro do “pai” para com o “filho” vem sendo planeado já há algum tempo. Em exclusivo à revista Carga, Hochi Fu fala sobre as reais motivações do regresso e em que termos o autor de “Windeck” se alia à Power House.

Exclusivo: Cabo Snoop regressa à Power House definitivamente

Cabo Snoop está de volta à Power House para uma parceria com Cleyton M. De que parceria se trata?

Cabo Snoop está de volta para a Power House para uma parceria com Cleyton M e não só. Porque o objectivo em ter o Cabo Snoop de vota é termos o Cabo como mentor. Como alguém que já passou por onde nós vamos passar, ou por onde o Cleyton M vai passar. Quando lancei o Cabo Snoop para o mundo, tivemos em mais de 24 países de África e foi uma experiência muito boa enquanto produtor, mas enquanto artista quem pode falar melhor dessa experiência é o Cabo Snoop, porque ele é que viveu. Então, ninguém melhor do que o Cabo para falar com Cleyton. Acho que temos mais a ganhar, tendo mais um voz a dirigir esse novo talento, que é o Cleyton M- que precisa se ouvir também e de ouvir novas experiências e o Cabo tem muitas, das melhores que eu posso pretender. A  parceria com Cabo não é só para mentorar o Cleyton, mas para agilizar e facilitar a transição do nacional para o internacional. Aqui em Angola não há nenhum artista que teve uma carreira mais internacional à volta de África que o Cabo teve.

Quantos anos vai durar a parceria?
Esta parceria não está limitada, não é limitada em tempo ou qualquer coisa. Não temos nenhum contrato, é uma parceria familiar. O Cabo sabe que Power House sempre foi família, tanto para ele quanto para mim. A malta se desfez, mas nunca houve problemas de verdade. Eu acho que não temos necessidade de termos contratos. Nossa parceria é: “vem para casa filho e ajuda-me a cuidar dos teus irmãos”.

Isto significa que Cabo está de regresso definitivo à sua antiga casa?
Sim. Cabo Snoop está de volta à casa dessa vez mais maduro e mais adulto. Quando Cabo Snoop entrou para Power House era um teenager, assim como Cleyton M é hoje. Hoje Cabo Snoop já é um senhor, já é pai de família e empresário feito, então ele vem de outra maneira para a produtora; vem como o filho mais velho para ajudar o pai a cuidar dos irmãos mais novos. Ele vem para dar uma garra. Não tem nada de interesses. Ele só tem cenas acrescentar ao Cleyton M.

Frisou também que está neste momento em carteira um projecto envolvendo Cleyton M e Cabo. De que projecto se trata?
Eu e o Cabo já conversamos sobre o Cleyton várias vezes. O Cleyton M demonstra sempre interesses em participações com artistas africanos e o Cabo está bem posicionado, tem as suas sugestões. Sugeriu-me algumas pessoas que a malta podia contactar para fazer isso acontecer. Esse é um dos projectos que nós temos, que é internacionalizar a carreira de Cleyton M.

Com Cabo Snoop estiveram em cerca de trinta países africanos, com destaque para os anglófonos. Que países pretende este projecto estar?
O Cabo para mim é a nossa fonte para África. Nós temos outros continentes a conquistar. Claro, vamos arranjar nossos representantes em outros sítios. A relação que teremos com o Cabo é mesmo isso: nosso embaixador, nosso pessoal da linha de frente, vai nos aconselhar. Para outros países à volta do mundo, temos várias pessoas que já se mostraram disponíveis.

O que motivou a Power House a voltar a chamar Cabo Snoop depois de tudo quanto se ouviu sobre a sua saída da produtora?
Quase todo mundo erra, todo mundo tem as suas falhas. O tempo melhor do que ninguém é o melhor professor. Nós nunca tivemos problemas de verdade. Apenas ele saiu da produtora porque quis fazer suas cenas, isso é normal. Ninguém nasceu para ser de ninguém. Melhor do que ninguém, ele sabe o que é a Power House. Depois do que ele passou dentro e fora da Power House, não há ninguém melhor que pode monitorar não só o Cleyton M, mas outros músicos que a Power tem, como a Jakilsa ou o Chris Oliver. Não falo muito do Dr. Smith por ser alguém que já tem uma carreira com ambição internacional. 

Este acordo envolve participação de Cabo Snoop com Cleyton M?
Música de Cabo Snoop e Cleyton M ainda não definimos, não temos pressa. Isso vai surgir mais tarde ou mais cedo. A princípio, estamos com Cabo para apoiar o que já temos.

Quando é que começaremos a ver os frutos dessa parceria?
Ainda não sabemos, e nem vamos divulgar. Por enquanto, vamos trabalhar. O Cleyton vai continuar no momento que estamos a trabalhar. Já temos novas músicas. Começámos a gravar e a fazer parceria com grandes artistas do nosso mercado e não só.

Como se sente ao voltar a trabalhar com alguém que viu e ajudou crescer e hoje tornou-se pai de família e também empresário?
Esta parceria é uma amostra de que nós angolanos temos a capacidade de perdoar, de nos juntar e fazermos as coisas uns pelos outros. Eu acho que juntos somos mais fortes. Esta parceria vai mostrar isso. Eu podia muito bem, junto com  Cleyton M, chegarmos onde a malta quer chegar, mas sei que com a ajuda de pessoas que realmente conhecem onde a malta quer chegar, dá-nos algo melhor. E também, temos algo em troca a dar a essa pessoa, temos algo em troca a dar ao Cabo Snoop.

O Cabo Snoop tem a Power House de novo como sua casa, tem a Power House para cuidar dos seus vídeos, tem a Power para direccionar as suas cenas novamente, quando precisar. É  uma relação de coração, em primeiro lugar, é uma relação que mostra que Angola não é só feita de confusão. Estamos em paz connosco mesmos, que é o mais importante. Estamos numa boa relação, algo que devíamos mostrar  há mais tempo, mas Deus sabe por que só agora. 

as cargas mais recentes

Rapper Scarface pede ajuda dos fãs para conseguir um novo rim

há 2 anos
A situação de saúde do rapper da Old School agravou-se após ter contraído o novo Coronavírus em Abril.

Prodígio: “Ser premiado em casa é sempre uma forma de lisonjeio, tem um sabor especial”

há 2 anos
Foi com a mixtape “O Alquimista” , em 2011, que Prodígio começou o sucesso. Na sequência, surgiram vários outros trabalhos, conquistou inúmeros prémios, o mais recente foi o de Melhor Artista de Rap. Em breve conversa com a Carga, o rapper de 32 anos manifesta os seus sentimentos em relação aos prémios e nomeações.

Macklemore diz que cor da sua pele ajudou-o a vencer Kendrick Lamar nos Grammy

há 1 ano

Real Divas: Nasce hoje o projecto da nova girls band moçambicana

há 1 ano
O trio composto por: Dyna, Isa Manhique e Tawida Aly, apresenta-se hoje ao mundo, pela “mão” do Grupo Chiado como a mais nova banda do país da Marrabenta.

Keita Mayanda: “Ao contrário do que algumas pessoas pensam, o Rap está de saúde”

há 2 anos
O músico tem um novo álbum. Intitula-se “Sete Momentos De Lucidez” e vai sair já no próximo mês. Uma obra em que apresenta suas experiências e reflexões sobre a sociedade e a existência humana.

Davido na linha da frente dos protestos na Nigéria

há 2 anos
O músico nigeriano juntou-se este sábado a uma manifestação para exigir o fim da brutalidade policial no seu país. “Não devemos recuar até que as nossas reivindicações sejam atendidas”.

Aumenta a procura pelo álbum de Janet Jackson de 1986 após desculpas de Justin Timberlake

há 1 ano

`Somos Racistas?´ encerra o Especial Actualidade Documentários da Zap

há 2 anos
O espaço Especial Actualidade Documentários, emitido semanalmente no Canal ZAP Viva, apresenta esta quarta-feira (25) o documentário “Somos Racistas?”. Este será o quarto e último episódio da primeira temporada do programa, que vai ao ar às 21h30.

Carlos Ruiz Zafón, um dos mais lidos da literatura espanhola, morre aos 55 anos

há 2 anos
A notícia sobre a morte do escritor catalão foi confirmada esta tarde através do Twitter do autor. Carlos Ruiz Zafón, autor de obras como “O Jogo Do Anjo” e “A Sombra do Vento” lutava há dois anos contra um cancro, em Los Angeles.

Ngadiama Wakamba O Sonhi: Um veterano do Rap que a nova geração devia conhecer

há 1 ano
O pensamento crítico e social de Ngadiama Wakamba O Sonhi ajudou a formar as bases que sustentam hoje o rap de intervenção social em Angola, por isso muitos rappers preferem chamá-lo de “Mestre”. O rapper de 42 anos morreu ontem, em Luanda, por complicações de infecções respiratórias e anemia aguda.

Papekas analisa a própria carreira em novo single

há 2 anos

A vez dos SSP no Live no Kubico

há 2 anos
Domingo dia 27 de Setembro, o projecto Live no Kubico apresenta como cartaz os SSP, um dos grupos de Rap mais icónicos da lusofonia, num concerto aguardado com muita expectativa tendo em conta a popularidade do quarteto.

23 de Setembro passa a ser considerado o `Dia de Nas´ na cidade de Queens

há 9 meses
A data 23 de Setembro não é mais um dia comum para os fãs do Hip Hop no Queens, é doravante o “Nas Day´ . Das mãos de Donovan Richards, “presidente” do bairro, Nas recebeu a honraria juntamente com a chave do município que o viu crescer e transformar-se no lendário rapper que é.

Artistas nigerianos em peso no espectáculo mundial em defesa do planeta “Global Citizen Live 2021”

há 12 meses
Os músicos Burna, Davido, Femi Kuti e Tiwa Savage vão preencher o cartaz do Global Citizen Live deste ano. O concerto acontece em simultâneo nas cidades de Lagos, Rio de Janeiro, Nova York, Los Angels, Paris, Londres, Seul e Sydney.

Festival Internacional de Curta-Metragem `Fesc-Kianda´ homenageia Nguxi dos Santos

há 5 meses
Fesc-Kianda é um tributo às festividades da Cidade de Luanda e decorre sob o lema: A cultura fortalece a Nação. Na sua terceira edição vai homenagear o realizador angolano Nguxi dos Santos pelo seu percurso e contributo no cinema nacional.

Covers inéditos de David Bowie são apresentados em dia de aniversário

há 1 ano
No dia 8 de Janeiro David Bowie estaria completando 74 anos. Para marcar a data, os responsáveis pelo espólio do astro lançaram, pela primeira vez, duas covers que o cantor gravou no fim dos anos 90 e nunca haviam sido ouvidas até hoje: “Tryin’ To Get To Heaven” de Bob Dylan e “Mother” de John Lennon.