Galeria Tamar Golan abre portas à `Eclosão´ da visão crítica de Leandro Marques

Acaba de ser inaugurada, na galeria da Fundação Arte e Cultura, a exposição que marca a estreia a solo de Leandro Marques. Isenta de um tema condutor, a mostra, `Eclosão´, coloca o dedo na ferida de uma multiplicidade de assuntos, questionando desde a masculinidade tóxica aos padrões de beleza impostos pela sociedade.

Tal como lhe definiu o também artista plástico Eduardo Vueza, a obra de Leandro traz estilo próprio e convergência na visão, na técnica e no acabamento harmonioso. Facto este, que poderá ser comprovado na exposição composta por 14 obras, duas das quais em colaboração com o artista Adilson Vieira, e estará patente até ao dia 26 do corrente mês.

Leandro Marques, ou simplesmente Marques, nome com que se vincou no universo das artes plásticas, já figurou em outras exposições colectivas “No silêncio a arte fala”, “A Fonte”, “Untitled.2” e “Reunir”.

Após passar por muitas exposições colectivas, como é para si estrear-se a solo, ainda mais num contexto pandémico?
Expor a solo num contexto pandémico tem um sabor agridoce, sabemos todos que os museus e galerias de arte andaram fechados por conta deste período, para nós, os artistas foi muito difícil porque é das exposições onde vem o nosso sustento, então, houve a necessidade de se reinventar e até fazer outras actividades para que não houvesse greve de panelas em casa (risos).

Mas também foi bom, porque particularmente, aproveitei esse período para produzir, só para ter noção 90% da produção desta amostra (Eclosão) foi feita nesta fase e venho sedento por expor estes e mais outros trabalhos futuramente, pois eu, continuo a produzir.

Em que aspectos o Covid-19 influenciou a sua arte?
No princípio da pandemia, quando havia pouca informação acerca do vírus SARScov19, houve muitos alarmismos, o medo literalmente dominou o mundo, eu vivi um período sabático que durou cerca de 3 meses e foi o maior impacto, diga-se negativo, para a minha arte.

Qual foi o tempo que necessitou para a concepção da exposição?
Tive cerca de 4 meses para concepção desta exposição, mas em concílio com outras actividades ligadas à arte.

Do que é feita a exposição Eclosão?
Na verdade, a exposição é muito sobre mim, enquanto artista, o meu olhar sobre alguns fenómenos actuais e até uns mais antigos. Não tenho uma linha condutora porque os temas são aleatórios e diversificados, então, eu trago abordagens, como por exemplo, a masculinidade tóxica, falo de pessoas que com algum talento, sentem-se presas e não conseguem mostrar à sociedade, também faço questionamentos acerca de padrões físicos corporais… em suma, a exposição terá vários temas a serem discutidos.

O que mais potencia a sua criatividade?
As pessoas, os fenómenos sociais são, em si, a minha fonte de inspiração/criatividade

Sendo homem, como lida diariamente perante homens tóxicos?Actualmente lido com indiferença e nalguns raros casos tento uma intervenção apelando à consciencialização. É importante referir que por conta do sistema patriarcal, as sociedades do mundo inteiro criam homens machistas, intolerantes… tóxicos e eu não sou a excepção, apenas vou ganhando consciência e cada vez menos reproduzir tais negatividades.

Como consegue identificar os sinais?
São inúmeros os sinais, um dos mais frequentes por exemplo é a maneira depreciativa com que os homens reagem ao lidarem com mulheres que falam abertamente sobre sexo.

Até que ponto os homens chegam a ser vítimas dos seus semelhantes?
A vitimização ocorre nos primeiros anos de vida, na infância, no seio familiar, com ensinamentos do tipo: homem não chora, homem não veste rosa, homem não brinca com bonecas, homem não faz trabalhos domésticos, etc.

Quantas obras e quais as técnicas patentes?
Para esta amostra tenho 14 obras, duas das quais feita em colaboração com o meu colega e amigo Adilson Vieira. As técnicas são variadas, usei acrílico, óleo, carvão e café.

Frisou que usa a técnica do café, em que consiste este processo?
Uso essencialmente para dar um efeito envelhecido à pintura.

Sabe-se que é um autodidata, que factores teve como base na sua formação artística?
Sendo um autodidata, faço estudos independentes e muitos experimentos, acompanho muitos artistas nacionais e internacionais que me inspiram.

Houve alguma influência externa de outro profissional do ramo?
Sim, houve influência externa, mas não directamente. Quando vejo algo fantástico feito por um outro artista, dificilmente pergunto como é que ele trabalhou até chegar àquele resultado, ao invés disso, vou fazendo experimentos para que não seja exactamente igual.

Pode falar-se de um verdadeiro mercado de arte em Angola?
Eu penso que há sim um mercado de arte em Angola, porque os artistas vendem… talvez falte-nos mais intervenção do nosso governo para que se crie uma indústria funcional.

Está associado ao atelier kores, considera a venda de obras de arte num bom negócio?
Bem, o Atelier Kores é uma concepção minha e com a parceria do meu colega Adilson Vieira. Pintamos quadros para pessoas comuns, pessoas que apreciam antes de tudo o belo, desse jeito o valor dos quadros são muito reduzidos, mas em contrapartida temos mais frequência de clientes, é do trabalho feito na Kores onde sai o sustento para a produção de obras para as exposições. O objectivo é fazer crescer o atelier e torná-lo num bom negócio.

as cargas mais recentes

Sony Music vai doar 100 milhões de dólares para a defesa dos direitos humanos

há 1 ano
A Sony Music Group vai financiar mais de 90 organizações sem fins lucrativos internacionais, nacionais e regionais, sobretudo as que impactam a África e que lutam para a justiça e igualdade sociais, por meio do seu Fundo Global de Justiça Social.

Fãs criam petição para que o papel de Pantera Negra seja descontinuado

há 2 anos
Após a Morte do Actor Chadwick Boseman, os fãs criaram uma petição para que o actor não fosse substituído, mas que em compensação, outro personagem herde o manto do Pantera Negra e um dos nomes mais votados é o da Shuri, irmã do Rei T´Challa, cujo papel é interpretado por Letitia Wright.

Músico fundador dos “Titãs” morre de Coronavírus

há 2 anos
úsico brasileiro Ciro Pessoa, um dos fundadores da banda de rock “Titãs”, morreu na madrugada de terça-feira, aos 62 anos, na sequência de uma infecção causada pelo novo coronavírus, anunciou a família.

É oficial, `The Old Guard´ terá sequência

há 2 anos
`The Old Guard´chegou à Netflix neste fim de semana, e foi um dos filmes mais assistidos desde então. Protagonizado por Charlize Theron, o filme de acção é uma adaptação da HQ homónima de Greg Rucka, que possui cinco volumes. Isso explica o final aberto do filme que, segundo a Directora Gina Prince-Bythewood, pode sim ter uma sequência.

Travis Scott prepara-se para lançar sua própria marca de roupas

há 2 anos
Após outdoors, Air Force 1 personalizado e bonés da marca Travis Scott, o rapper prepara-se neste momento para o lançamento de uma marca de roupas de nome Cacti.

La Casa De Papel: Spoilers confirmam reviravolta na 5ª temporada

há 2 anos
Segundo o site Nova Mulher, para o qual a Inspectora cedeu uma entrevista, “Sierra passará uma transformação, definida por ela como GORE, fazendo referência ao subgênero de filmes de terror com retratos gráficos de sangue e violência”.

Fundação Arte e Cultura e o Gabinete Provincial da Cultura realizam workshop sobre Dikanza

há 1 ano
Serão oradores os músicos e executantes da Dikanza Jorge Mulumba e Lito Graça, e contará com a presença do Director-Geral do Instituto de Línguas Nacionais, José Pedro, que fará uma abordagem sobre a escrita da Língua Kimbundu.

Tunjila Twajokota: “Ninguém mais quer saber de nós”

há 2 anos
Os músicos contaram ao Jornal de Angola que as coisas começaram de mal a pior a partir de 2014, após o lançamento do quarto e último disco “Kudiva”, fundamentado que o sucesso e a fama do conjunto não foi proporcional aos valores monetários, porque as produtoras não honraram com os compromissos, não lhes davam valores completos.

Nova série da National Geographic dá a Aretha Franklin o ‘Respect’ que merece

há 1 ano
Aretha que já foi interpretada por Jennifer Hudson, desta vez, será “revivida” por Cynthia Erivo, como a Rainha da música soul.

Tanayira Felicidade: Uma voz alternativa em ascensão

há 8 meses
Desde muito cedo, Tanayira Felicidade mostrou que tem inclinação para a música. Quando criança, sempre se destacava nos concursos de dança em que participava e hoje, já adulta, revela-se como a nova promessa do Semba, Kizomba, Soul e R&B.

ZAP passará a atribuir prémios a músicos e apresentadores

há 2 anos
Artistas e personalidades que se destacam na área de televisão passarão a ser distinguidos anualmente com prémio Globos Zap. A iniviativa é oficializada hoje com a abertura das votações e o anúncio da lista dos primeiros 12 nomeados.

Sarissari traz clima de amor no seu novo single `Admite´

há 2 anos
Revelado pela primeira vez na segunda feira no canal Trace Toca, o single `Admite´ é o prenúncio da chegada do álbum a solo de Sarissari, sob chancela da sua própria produtora, a Hey Hey Heyyy. Disponibilizada hoje no Youtube, o love song é um esforço colaborativo entre Nikko, Sarissari e Joseane, e foi o pretexto para uma breve conversa com o artista.

Vinte e quatro filmes concorrem ao prémio de melhor filme no festival internacional de curta metragem da Kianda

há 1 ano
O FESC-KIANDA é o primeiro festival internacional de cinema que premeia as curta-metragens produzidas de Janeiro à Novembro de cada ano. É um evento anual inserido nas festividades da cidade de Luanda.

Conheça os 10 jovens músicos mais ricos do Reino Unido

há 1 ano
Na habitual publicação anual dos músicos mais ricos do Reino Unido, o lendário dos Beatle, Paul McCartney, está no topo, com uma fortuna total de 820 milhões de Euros ( mais de 600 bilhões de Kwanzas), sendo que Ed Sheeran lidera a lista dos jovens artistas mais ricos.

`Somos Racistas?´ encerra o Especial Actualidade Documentários da Zap

há 2 anos
O espaço Especial Actualidade Documentários, emitido semanalmente no Canal ZAP Viva, apresenta esta quarta-feira (25) o documentário “Somos Racistas?”. Este será o quarto e último episódio da primeira temporada do programa, que vai ao ar às 21h30.

Show do Mês “traz” clássicos angolanos em orquestra

há 2 anos