Galeria Tamar Golan abre portas à `Eclosão´ da visão crítica de Leandro Marques

Acaba de ser inaugurada, na galeria da Fundação Arte e Cultura, a exposição que marca a estreia a solo de Leandro Marques. Isenta de um tema condutor, a mostra, `Eclosão´, coloca o dedo na ferida de uma multiplicidade de assuntos, questionando desde a masculinidade tóxica aos padrões de beleza impostos pela sociedade.

Tal como lhe definiu o também artista plástico Eduardo Vueza, a obra de Leandro traz estilo próprio e convergência na visão, na técnica e no acabamento harmonioso. Facto este, que poderá ser comprovado na exposição composta por 14 obras, duas das quais em colaboração com o artista Adilson Vieira, e estará patente até ao dia 26 do corrente mês.

Leandro Marques, ou simplesmente Marques, nome com que se vincou no universo das artes plásticas, já figurou em outras exposições colectivas “No silêncio a arte fala”, “A Fonte”, “Untitled.2” e “Reunir”.

Após passar por muitas exposições colectivas, como é para si estrear-se a solo, ainda mais num contexto pandémico?
Expor a solo num contexto pandémico tem um sabor agridoce, sabemos todos que os museus e galerias de arte andaram fechados por conta deste período, para nós, os artistas foi muito difícil porque é das exposições onde vem o nosso sustento, então, houve a necessidade de se reinventar e até fazer outras actividades para que não houvesse greve de panelas em casa (risos).

Mas também foi bom, porque particularmente, aproveitei esse período para produzir, só para ter noção 90% da produção desta amostra (Eclosão) foi feita nesta fase e venho sedento por expor estes e mais outros trabalhos futuramente, pois eu, continuo a produzir.

Em que aspectos o Covid-19 influenciou a sua arte?
No princípio da pandemia, quando havia pouca informação acerca do vírus SARScov19, houve muitos alarmismos, o medo literalmente dominou o mundo, eu vivi um período sabático que durou cerca de 3 meses e foi o maior impacto, diga-se negativo, para a minha arte.

Qual foi o tempo que necessitou para a concepção da exposição?
Tive cerca de 4 meses para concepção desta exposição, mas em concílio com outras actividades ligadas à arte.

Do que é feita a exposição Eclosão?
Na verdade, a exposição é muito sobre mim, enquanto artista, o meu olhar sobre alguns fenómenos actuais e até uns mais antigos. Não tenho uma linha condutora porque os temas são aleatórios e diversificados, então, eu trago abordagens, como por exemplo, a masculinidade tóxica, falo de pessoas que com algum talento, sentem-se presas e não conseguem mostrar à sociedade, também faço questionamentos acerca de padrões físicos corporais… em suma, a exposição terá vários temas a serem discutidos.

O que mais potencia a sua criatividade?
As pessoas, os fenómenos sociais são, em si, a minha fonte de inspiração/criatividade

Sendo homem, como lida diariamente perante homens tóxicos?Actualmente lido com indiferença e nalguns raros casos tento uma intervenção apelando à consciencialização. É importante referir que por conta do sistema patriarcal, as sociedades do mundo inteiro criam homens machistas, intolerantes… tóxicos e eu não sou a excepção, apenas vou ganhando consciência e cada vez menos reproduzir tais negatividades.

Como consegue identificar os sinais?
São inúmeros os sinais, um dos mais frequentes por exemplo é a maneira depreciativa com que os homens reagem ao lidarem com mulheres que falam abertamente sobre sexo.

Até que ponto os homens chegam a ser vítimas dos seus semelhantes?
A vitimização ocorre nos primeiros anos de vida, na infância, no seio familiar, com ensinamentos do tipo: homem não chora, homem não veste rosa, homem não brinca com bonecas, homem não faz trabalhos domésticos, etc.

Quantas obras e quais as técnicas patentes?
Para esta amostra tenho 14 obras, duas das quais feita em colaboração com o meu colega e amigo Adilson Vieira. As técnicas são variadas, usei acrílico, óleo, carvão e café.

Frisou que usa a técnica do café, em que consiste este processo?
Uso essencialmente para dar um efeito envelhecido à pintura.

Sabe-se que é um autodidata, que factores teve como base na sua formação artística?
Sendo um autodidata, faço estudos independentes e muitos experimentos, acompanho muitos artistas nacionais e internacionais que me inspiram.

Houve alguma influência externa de outro profissional do ramo?
Sim, houve influência externa, mas não directamente. Quando vejo algo fantástico feito por um outro artista, dificilmente pergunto como é que ele trabalhou até chegar àquele resultado, ao invés disso, vou fazendo experimentos para que não seja exactamente igual.

Pode falar-se de um verdadeiro mercado de arte em Angola?
Eu penso que há sim um mercado de arte em Angola, porque os artistas vendem… talvez falte-nos mais intervenção do nosso governo para que se crie uma indústria funcional.

Está associado ao atelier kores, considera a venda de obras de arte num bom negócio?
Bem, o Atelier Kores é uma concepção minha e com a parceria do meu colega Adilson Vieira. Pintamos quadros para pessoas comuns, pessoas que apreciam antes de tudo o belo, desse jeito o valor dos quadros são muito reduzidos, mas em contrapartida temos mais frequência de clientes, é do trabalho feito na Kores onde sai o sustento para a produção de obras para as exposições. O objectivo é fazer crescer o atelier e torná-lo num bom negócio.

as cargas mais recentes

Homem Mau: Jay Arghh e Hot Blaze reafirmam lírica, flow e rimas em nova faixa colaborativa

há 8 meses
`Homem Mau´ é uma faixa de colaboração entre dois virtuosos no flow e na escrita de Moçambique: Jay Arghh e Hot Blaze. Esta colaboração traz-nos um festival furioso de verdadeiras habilidades líricas e de flow dos dois rappers. Vindos da agência CSV, os dois têm muitas colaborações, e sempre com elevados critérios tanto na música como na técnica.

Maya Cool: “Fiquei gravemente doente com Covid”

há 10 meses
O músico Maya Cool falou da sua experiência com o vírus da Covid-19, do momento difícil que passou e do que perdeu em 2020 com a chegada da pandemia.

Flay convidado para o Show do Mês Live com Irmãos Almeida

há 1 ano
O músico Flay, autor de sucessos como “Doçura”, Sassa Mutema”, é um dos convidados para o Show do Mês Live com os Irmãos Almeida e Jojó Gouveia, sábado.

JAY-Z produz adaptação cinematográfica do romance Forty Acres

há 1 ano

Sabias que, se não fosse o músico Sting nunca assistirias o filme ‘The Terminator 2’?

há 7 meses
A saga de James Cameron comemora 30 anos e várias revelações vêm sendo feitas. A par de outras curiosidades, foi agora revelado que a personagem John Connor, interpretada por Arnold Schwarzenegger, foi criada graças a música “Russians”, de Sting.

Conheça Skit Van Darken, o autor de “Angola Não Me Diz Nada”

há 5 meses
O músico quase não é visto nos media convencionais, mas goza de boa popularidade considerável na Internet e, à surdina, vai se transformando na principal referência deste subgénero do Hip Hop.

JAY-Z volta a aumentar a fortuna após vender Tidal ao fundador do Twitter

há 11 meses

Taylor Swift acusada de plagiar no último álbum

há 1 ano
O álbum surpresa de Taylor Swift foi lançado na última sexta-feira (24) e vendeu mais de 1,3 milhões de cópias em 24 horas. A capa do disco, segundo a banda de metal Emperor, é um plágio da obra “Stridig” e apresenta evidências.

Filme `Mwana Nketo´ evoca importância de ritos de iniciação

há 6 meses

Influência de Liceu Vieira Dias e os Ngola Ritmos na música popular angolana é retratada em documentário

há 1 ano
No mês de Novembro, o canal ZAP Viva celebra a independência de Angola com a exibição de documentários com o foco na sua herança cultural, e dia 4 de Novembro a partir das 21:30, poderá acompanhar “O Lendário Tio Liceu e os Ngola Ritmos”.

Lil Wayne anuncia duplo lançamento do álbum `Tha Carter VI´ e da mixtape `No Ceilings 3´

há 1 ano
Um mês após informar à Variety que o seu “álbum favorito da série Carter estava a caminho”, Weezy, reiterou este sábado em entrevista à ESPN, que não tem planos de “desacelerar” tão cedo e que está para breve o lançamento do álbum `Tha Carter VI´ e da mixtape `No Ceilings 3´.

10 Minutos de Imaginação: EP de estreia de TYKID já está disponível

há 12 meses
Foi durante a pandemia que TYKID encontrou o conceito para este EP, em 10 minutos de imaginação, ele desenvolveu esta história romântica e os altos e baixos que estar num relacionamento significa.

Destiny’s Child actualiza páginas das redes sociais e fãs especulam retorno do trio

há 5 meses
O sinal foi mais uma prova de que quando os fãs querem alguma coisa, qualquer movimento resulta em especulações. Ao TMZ, Matew Knowles, pai de Beyoncé e empresário das Destiny’s Child, disse que actualização era apenas parte de um processo de rotina.

Cantora Naya Rivera está desaparecida

há 2 anos
A cantora norte-americana Naya Rivera, de 33 anos, está desaparecida desde quarta-feira, após alegadamente ter ido dar um passeio de barco com o filho de quatro anos, Josey, no Lago Piru, no condado de Ventura, na Califórnia.

Joãozinho Morgado: “Kizomba não é música é dança”

há 2 anos
Figura incontornável da música angolana, particularmente do género Semba, Joãzinho Morgado é uma voz autorizada para falar da música nacional, seus ritmos e tendências. Fruto dos anos de “estrada”, levanta a voz para dizer que Kizomba não é música, mas sim dança.

Filipe Mukenga: “Sempre tive consciência de que merecia o Prémio Nacional de Cultura e Artes”

há 2 meses
Filipe Mukenga venceu, esta sexta-feira, o Prémio Nacional da Cultura, na categoria de música. Ao reagir à atribuição o músico disse que o galardão tem um sabor especial para si, e considerou ser sempre melhor que as pessoas sejam reconhecidas quando estão em vida.