Geração 80. volta a badalar cinema angolano com “A Nossa Senhora da Loja Do Chinês”

Depois do sucesso internacional do Ar Condicionado, a Geração 80. volta a “badalar” o cinema angolano com A Nossa Senhora da Loja Do Chinês. A primeira longa-metragem de Ery Claver é uma metáfora sobre o poder político.

O filme apresenta um enredo centrado nas ruas e espaços urbanos de Luanda e traz desde situações religiosas, sociais, económicas, como é o caso da cooperação China-África, mas tudo percebido por um contexto familiar.

Capaz de mover sensibilidades, A Nossa Senhora da Loja Do Chinês estreia em Junho deste ano e espelha um tempo presenta impregnado num passado não muito distante. Ery Claver, autor e realizador do filme, conversou com a Carga e falou detalhadamente sobre a longa-metragem.

É a sua primeira longa-metragem, como é que foi trazer o espaço urbano e as ruas de Luanda para o cinema?

É a primeira longa que eu dirijo, eu tenho trabalhado muito nas curta-metragens. Já trabalho há alguns anos. Para mim, filmar a cidade é como se fosse um estúdio. É uma coisa a que estou acostumado.

Em que partes e Luanda gravaram o filme?

Inicialmente queríamos fazer o filme todo no Cassequel. Estive há dois anos lá no bairro a fotografar, a pesquisar e a falar com as pessoas. Mas, infelizmente, não conseguíamos. Estávamos à procura de uma casa para fazer as cenas com os actores principais, não encontrámos a tal casa no bairro, então tivemos que ir para o Bairro Popular, saltámos o bairro Popular, Cassequel, Tourada, Baixa de Luanda, Samba e Cidade da China.

Traz uma situação que domina as sociedades africanas. A política e a fé são coisas que acompanham a vida dos angolanos. É uma narrativa vivida?

Acidentalmente sim, mas não de forma directa. Em cada personagem, tirei vários elementos. Não tem uma só personagem. Não consigo ter uma descrição única para cada personagem, para cada facto ou enredo. São várias personagens.

É quase regra contar o que se lê, vive ou vivencia. Que mensagens quis passar na trama?

O jogo que eu quis fazer assim entre aspas é que, quando nós estamos a analisar questões do poder-questões políticas, nos podemos ir buscar numa situação doméstica. Temos todas as camadas do poder dentro de uma casa. Ao invés de abordar uma situação política, eu prefiro abordar essa metáfora dentro de uma casa.

Está a nos dizer que esta metáfora pode ser aplicada ao poder político ou religioso angolanos?

Boa parte da minha intenção é esta, é que se veja assim. Que se faça essa analogia assim.

Por que decidiu transportar esta temática para o cinema?

Eu acho que para mim, mais do que estarmos a discutir política-sobre quem tem razão ou não, o mais importante é percebermos como é que ela funciona. De uma forma ou de outra, nós conseguimos perceber como é que as ligações do poder são feitas. E nós experimentamos isso em pequenos detalhes, em pequenos pormenores. Uma crítica social ou uma crítica, para mim é mais importante que seja assim.

Em que situações podemos aplicar estas abordagens?

São várias situações no filme. Trazemos também a questão da chuva, da Santa, a situação da China em África-como eles estão aqui presentes, mas ao mesmo tempo é uma uni presença. Porque tu não tens uma ligação directa com eles, mas eles estão tão presentes e fazem tão parte do nosso quotidiano. Quase que nos “engolem” de forma impulsiva.

Em que período específico do país se enquadra o tempo da diegese?

O tempo do filme é presente, acompanha a situação do Covid-19. As pessoas usam máscaras, é tempo presente. Mas a metade do filme tem um flashback que eu chamo de prelúdio, que se passa na Tourada e que faz uma citação antes dos acontecimentos do filme, de há 10 anos, mas não é uma data específica.

A Religião e a Política são temas muito sensíveis. Como é que acha que a sociedade poderá absorver A Nossa Senhora da Loja Do Chinês?

Sabendo que estamos a lidar com uma situação muito delicada, sei que vai ferir algumas sensibilidades, mas espero que as pessoas percebam que nós não temos o domínio da ficção, a ficção não é controlada. Se tu matas alguém num filme não te faz um assassino. É apenas uma visão ficcionada, é uma abordagem. Estamos também preocupados com isso, mas esperamos que as pessoas também tenham bom senso.

Que lições aprendeu e gostava de repeti-las nas próximas longa-metragens?

Aprendi é que é possível fazer filme, por mais que as pessoas pensem, claro, é preciso muito dinheiro. É preciso muita preparação. disponibilidade, mas acima de tudo é possível, se tiveres a equipa certa.  

Esperamos algumas nomeações ou prémios, à semelhança do Ar Condicionado.

Nós, inicialmente esperamos que sim.

as cargas mais recentes

Comemora-se hoje o Dia Internacional da Dança, a linguagem universal

há 1 ano
Comemorado desde 1982, o dia 29 de Abril é uma homenagem ao criador do balé moderno, Jean-Georges Noverre (1727-1810). A efeméride foi instituída pela UNESCO em conjunto com o Comité de Dança do Instituto Internacional de Teatro.

Beyoncé ‘forçada’ a retirar verso da canção do seu novo álbum “Renaissance”

há 2 meses

Um hino ao Kuduro

há 2 anos
Depois do Rap, agora foi a vez do Kuduro e os convidados foram Dj Znobia e Dj Havaiana, duas grandes referências deste género musical, produtores de muitos dos maiores sucessos cantados por Sebem, Puto Prata, Nacobeta, Noite e Dia entre outros.

Crate Diggs edita ‘Simplesmente Lindo’, o seu projecto de estreia na Slow Habits

há 1 ano
‘Simplesmente Lindo’ estreia em todas as plataformas digitais a 24 de Abril através da Slow Habits que anuncia com este projecto a integração de Crate Diggs como novo membro da Editora/Colectivo.

“É o beatmaker, e não o cantor, que mais deve ganhar pelo hit”, assim diz a lei

há 1 ano
De acordo com a lei, o beatmaker é o primeiro titular da obra, por isso deve sempre ficar com 50% de todo o rendimento que vier da sua produção musical, ou seja, mesmo quando a música for interpretada pelo num espectáculo, tv, plataforma de streaming, etc., enquanto ao intérprete cabe apenas 20%.

Matias Damásio produz novo álbum de Edmazia

há 2 anos
Segundo a cantora, que prestou essa informação, o trabalho encaminha-se para o final e no próximo ano estará disponível para os fãs.

Mia Couto infectado com o novo Coronavírus

há 2 anos
O escritor moçambicano está sob isolamento domiciliar e alerta para as implicações profundas do Covid-19, apelando para o cumprimento das recomendações das autoridades sanitárias.

Cultura nacional contará com frequência radiofónica exclusiva

há 1 ano
Recatalogada como prioridade pelo Presidente do Conselho de Administração, Pedro Cabral, a iniciativa que está prestes a ser concretizada, já é tida como um projecto “muito bem conseguido” e aguardado com expectativa por profissionais do ramo.

Taylor Swift acusada de plagiar no último álbum

há 2 anos
O álbum surpresa de Taylor Swift foi lançado na última sexta-feira (24) e vendeu mais de 1,3 milhões de cópias em 24 horas. A capa do disco, segundo a banda de metal Emperor, é um plágio da obra “Stridig” e apresenta evidências.

Snoop Dogg anuncia ‘From Tha Streets 2 Tha Suites’ o seu novo álbum

há 1 ano

T-Pain Diz que se 2pac estivesse no Rap hoje seria liricamente “engolido” pelos rappers actuais e ridicularmente “assassinado”

há 2 meses

Prince é memorado como pioneiro do “som de Minneapolis” no sexto ano post mortem

há 5 meses
Workaholic, Perfeccionista, Queer, Outsider, Freak, Genius… todos adjectivos lhe caíam como luva, o seu magnetismo e espírito livre foram relatos de autenticidade e fizeram reflectir sobre estereótipos no mundo da música e da moda. Na data em que se assinalou o sexto ano post-mortem, Minneapolis reoxigenou a imagem de Price, como majestade musical cujo ímpeto moderno e intemporal fica imortalizado.

Sintoniza: Mambos Hip Hop da Banda

há 2 anos
Idealizado por Dino Cross, “Mambos Hip Hop da banda” é um podcast de entrevistas e factos relaccionados ao Rap Game. Com o suporte de Cláudio Bantu, Queen J e Dj Bráulio Mix, os arquivos do programa podem ser acedidos a qualquer momento, no Kisom.

Muntu: Linha angolana de artigos handmade invade mercado norte-americano

há 7 meses
Inspirada no princípio africano “Ubuntu”-eu sou, porque tu és- a marca é desenvolvida à mão por artesãos a partir de uma base ecológica com o objectivo de se conservar o meio ambiente e depois de ser vendida os lucros são enviados a Angola para ajudar centros de caridade.

Morte de Sindika Dokolo afecta cultura angolana

há 2 anos
Sindika Dokolo foi o maior coleccionador de arte contemporânea de África. Foi também o maior coleccionador de obras plásticas da lusofonia. A sua morte, nesta quinta-feira, deixa um vazio à música, à dança e à arte contemporânea angolana.

Bottles: Luy M testa popularidade com novo single

há 1 ano
Botlles, (re)apresenta o MC de raiz que vai doravante trabalhar de forma independente, aspirando que os novos tempos lhe tragam novas conquistas e, é também a primeira promocional da próxima EP, que será lançada no próximo mês de Agosto e intitular-se-á “2.3.6” e cuja playlist é partilhada em primeira mão à Carga Magazine.