Henriques Narciso: “Se não tive o Prémio Nacional de Cultura e Artes é porque é dado por indicação política”

O produtor e realizador encontra-se em estúdio a preparar um filme sobre Juliana Kafrique, a zungueira do Rocha Pinto morta há dois anos a tiro por um agente da polícia em plena luz do dia.

A média-metragem estreia antes do final do ano e é de género drama. Com a narrativa, Henriques Narciso pretende chamar a atenção à sociedade para a busca do diálogo em situações de discórdia.

Com o retrato biográfico, o autor almeja alguns prémios. “Dos prémios em Angola, falta-me somente o Prémio Nacional de Cultura e Arte, e digo mesmo de boca cheia, se não tive este prémio até esta hora, é porque este prémio era dado por indicação política. Como nunca usei cor partidária, por isso é que nunca tive a oportunidade de receber este prémio”.

Apesar disso, o conhecido realizador não baixa a guarda, acreditando que desta forma continuará a alimentar a linha de admiradores “Pretendo conquistar o respeito, o carinho e quiçá, vencermos o festival da Unitel. Ou estar entre os primeiros classificados do Festival de Cinema”, manifestou.

Durante vários anos, Dito ficou conhecido como o rosto da segunda vaga de realizadores angolanos e conquistou vários prémios. Dirigiu filmes de acção como Assaltos em Luanda I e II, traz agora um drama que retrata a vida da jovem de zungeira morta a 12 de Março de 2019.

Ao longo da entrevista com a Carga, Dito, como também é conhecido, disse não entender os critérios de atribuição do Prémio Nacional de Cultura e Arte, porque, descreve,  pessoas há que receberam o prémio, e se questiona por que razão é que elas recebem.

“Pessoas há que recebem este prémio e eu me questiono por que está ser atribuído. Sempre questionei quais são os critérios, nunca entendi. Coloquei na minha cabeça que é pelo facto de eu não usar cores partidárias. Também não gosto muito de falar da política”, confortou-se.

Pelo seu percurso e contributo para o cinema angolano, o realizador entende que pessoas como ele em concurso como o Festival de Cinema da Unitel, deviam ser reconhecidos e não mais concorrer. 

“A iniciativa é louvável, e vai ajudar muitos produtores e realizadores, mas existem pessoas que já tem trabalhado há bastante tempo sem apoio, pessoas como nós, deviam ser reconhecidos, ao invés de concorrermos, a Unitel, se calhar, devia arranjar alguma coisa para nós que já mostrámos trabalho. Agora concorrermos ao lado dos miúdos não acho isso certo. Mas epah é concurso. Um José Gamboa não iria concorrer num Estrelas ao Palco, por causa do estatuto que tem”, concluiu.

as cargas mais recentes

Prodígio fala sobre o álbum com Paulo Flores “é o maior prémio que já recebi”

há 11 meses
Disponível a partir de amanhã nas plataformas digitais e em simultâneo em formato físico, mas em Portugal,” Bênção e Maldição” também será comercializado em Luanda e é o maior prémio que o rapper recebeu ao longo da carreira.

Carnaval 2021 será em formato digital

há 8 meses
Para evitar que a festa do carnaval, em Luanda, não aconteça este ano, o Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente decidiu transportá-la para as plataformas digitas num novo formato e com grupos reduzidos.

Fundação Arte e Cultura encabeça festival cultural internacional de homenagem aos heróis da Covid-19

há 1 ano
O festival internacional de arte, em homenagem aos heróis da Covid-19 e de luta contra o racismo “Change is in Unity”, está ser encabeçado em Angola, pela Fundação Arte e Cultura e decorre na Ilha de Luanda, sob os valores Amor, respeito, resiliência, solidariedade, empatia e igualdade.

Pedro Hossi seleccionado para o projecto “Passaporte”

há 1 ano
Com objectivo de promover os homens do cinema em Portugal, a Academia Portuguesa de Cinema realiza o programa “Passaporte”, que contará com a participação do actor angolano Pedro Hossi.

Rappers angolanos serão eternizados no projecto ‘Ficheiros 2 Contra 1’

há 1 ano
Doravante, os rappers de todo o país passarão a estabelecer intercâmbio artístico, de modos a romper a barreira dos estigmas, preconceitos e dinamizar o movimento Hip Hop.

House Dance, o improviso perfeito

há 1 ano
Afro-house é frequentemente comparado ao estilo Kuduro, pela sua forma de expressão, movimentos e ritmos. Podemos dizer que na classificação de dança, o Afro-house é um grupo de dança mais abrangente e engloba o Kuduro e outros estilos de dança africana, sendo o Kuduro daça especificamente angolana e tem as suas características diferenciadoras.

DJ Pelé, Flagelo Urbano e Ikonoklasta representam a classe artística na manifestação

há 11 meses
Os músicos Flagelo Urbano, Ikonoklasta, Ready Neutro, MCK e DJ Pelé representam, a classe artística na manifestação pacífica, que decorreu hoje, em Luanda, visando alertar ao governo para fim do elevado custo de vida no país, mas que terminou com a confirmação de mortes.

Teyana Taylor acusa produtora de Kanye West de “empurrá-la” para aposentadoria precoce

há 5 meses
Seis meses após lançar o “The Album”, terceiro álbum da carreira, Teyana Taylor, de 30 anos, anunciou em Dezembro que se retiraria da música.

Amostra colectiva `Expansão de Mentalidades´ é inaugurada amanhã na Galeria Tamar Golan

há 9 meses
Os artistas angolanos Ananias, Cris, Rafa, Lord Cave e Neemias vão apresentar-se na Galeria Tamar Golan com “Expansão de Mentalidades”, uma exposição colectiva a inaugurar na próxima sexta-feira, dia 8 de Janeiro de 2021, pelas 18 horas.

“Como evitar que o Covid-19 afecte a psique do seu filho”- Carlinhos Zassala explica tudo

há 2 anos
Nesta entrevista, o bastonário da Ordem Dos Psicólogos de Angola fala das consequências dos espectáculos online, deixa conselhos às gestantes, ensina que tipo de atitude os que estão em quarentena institucional devem adoptar e, também ensina o que ler e assistir para evitar o pânico.

Trunfos do DJ Malvado

há 9 meses
Ainda na “ressaca” dos seus 28 anos de carreira, ficámos a conhecer quais as “pérolas” que nunca faltam na playlist de DJ Malvado.

August Alsina juntou-se a Rick Ross num novo single intitulado “Entanglements”, onde fala do caso com Jada Pinkett Smith

há 1 ano
August Alsina parece não querer ver o fim da polémica que ele mesmo começou, sobre o caso que teve com Jada Pinkett Smith. Após dar várias entrevistas dizendo que ainda ama, e sofre pelo final do romance com a esposa de Will Smith, desta vez o artista lançou uma música para opinar sobre o termo “Entanglements”, com que Jada definiu o caso de ambos.

Coldplay prepara novo álbum para 2021

há 8 meses

Peça teatral `As crises em tempos de crise´ do Grupo Jovens da Mulemba em cartaz na Fundação Arte e Cultura apresenta

há 6 meses
“A peça aborda de forma crítica, porém sarcástica sobre as crises de várias ordens: Econômica, Religiosa Cultural, e Social; Com uma tônica a crise de valores, a questão do respeito ao próximo, da relação que se quer salutar entre os vizinhos.

Declaração Universal de Paz do Hip Hop completa 20 anos hoje

há 4 meses
A Declaração de Paz é um documento que reconhece o Hip Hop como uma cultura internacional de paz e prosperidade. O mesmo agrega um conjunto de princípios que orientam os Hiphoppers como sustentar o carácter pacífico da Kultura Hip Hop, formar e buscar a paz mundial.

Álbum de Beyoncé ” Black Is King” leva a criação de um novo curso em Harvard

há 8 meses