Hildebrando de Melo: “Todos os ministros que passaram no Ministério da Cultura só atrapalharam os artistas”

Na sua mais recente exposição, o artista plástico provou mais uma vez que, em momentos de crise tudo o que a pessoa precisa para aliviar a dor é de arte.

Hildebrando de Melo esconde-se no conceptualismo e evidencia suas origens africanas, por meio de nove obras de arte em desenhos e duas em dimensão plus, mantendo em comum o contorno de uma centopeia laboriosa, diminuta e quieta, que acumula em “seu respaldo” o poder económico.

É um artista que se reiventa e funde o modernismo aos tempos ancestrais, mas nunca se desvia das suas origens africanas, o que lhe permite se enquadrar no perfil de um “verdadeiro actor social”.

No respaldo dos dois meses da amostra, que encerrou na última semana, no Centro Cultural Brasil Angola, Hildebrando de Melo aborda, fundamentalmente, assuntos que dizem respeito a sua área de actuação.

Mantrax parece sequência da série Zortax. Que conceito esconde esta exposição?
A colecção Mantrax, efectivamente surge na sequência do projecto Zortax, porque Zortax foi uma sequência no qual consegui chegar a este ponto-traduzir a pintura, passá-la para a forma bidimensional-plana e métrica, para a forma tridimensional em que aparecem agora objectos.
Primeiro, era planimétrica de chapa, agora está muito mais encorpado e tem objecto a sair da tela como consequência de todo o trabalho que tenho vindo a desenvolver em torno da minha estética. Essencialmente é isto. É um passo em frente dentro do que tenho vindo a depreender como artista plástico em matéria de formalismo do meu trabalho, onde me quero situar e aonde quero ir, por isso, todas as vezes que Hildebrando apresenta uma exposição algo de novo está sempre a emanar e a envolver e esta é que é a grande questão.

Com isso que mensagem especifíca queria passar à sociedade?
A mensagem é sempre a mesma, sendo por vezes assuntos actuais, nós artistas plásticos e fazedores da arte somos híbridos, catalisadores dentro da sociedade, então tentamos aflorar questões que  nos inquietam. Por vezes, pode ser a questão do lixo, da falta de alimento. Outras vezes, quer queiramos quer não, vamos parar na política.
Somos efectivamente isto: híbridos e relatamos problemas da sociedade-como é que elas se articulam e que de melhor contributo é que nós podemos dar ao nosso tecido social. Neste cenário os artistas, no geral, quer músicos, artistas plásticos, escritores e não só, têm um papel fundamental, porque alertam para o que está a ser mal feito e o que não está a ser tão bem feito.

A cultura, as artes visuais em particular, foi do sector mais afectados pelo Covid-19. Qual foi o impacto da pandemia na sua carreira?
A pandemia não veio alterar o meu trabalho, porque o trabalho que eu tenho vindo a desenvolver, julgo que está no pináculo, porque é uma coisa que tem sido a ser construída há 20 anos, quer dizer que, nada veio a alterar. Se me disser em matéria de estratégias, sim alterou. Mas em relação a minha obra, da forma como eu a articulo, até veio ajudar: tenho mais tempo para ler, investigar.

Procurou sempre evidenciar o autodidactismo nas suas criações, e não descura suas origens. De que forma estes elementos estiveram patentes no Mantrax?
Eu procuro sempre evidenciar aquilo que eu sou, a minha natureza. A minha criação, é obvio que descura, conforme diz, as minhas origens, o meu africanismo. Independetemente de eu ter fundido a pintura moderna desde os tempos ancestrais à presente data, o africanismo, o meu red-image, esta object art, está lá na obra. Este projecto é o culminar de todo este aprendizado, deste trajecto. Não é única e exclusivamente uma exposição, teríamos que estar a falar de uma consequência de treze, catorze projectos expositivos solo. Reiteiro, não é só esta exposição, tem muito para atrás. Estar a debater 30 anos numa exposição é um bocado inglório.

Sou um artista com uma certa reconhecimento e com certo know how e com certo trajecto.  A única e exclusivamente é glutinar e passar por cima disto tudo. 

O artista é também um actor social. No nosso caso específico, qual devia ser o papel do artista?

O artista é dos mais importantes da sociedade. Na Antiga Grécia, os artistas até não pagavam nos bares e nos restaurantes, porque tinham este estatuto especial em sociedades, visto que as sociedades desenvolveram, este paradigma, é claro, está em desuso. Hoje o paradigma é totalmente diferente: um artista tem que trabalhar para sustentar a sua família e é neste quesito onde as coisas se tornam claramente difíceis.

Muitas das vezes, o artista é muito mal interpretado, ninguém gosta de ouvir a verdade e a política anda sempre atrás dos artistas para o escalar, amordaçar. O papel do artista é trazer todos esses problemas e questionar sobre o que vai ser daqui a dez, cem anos. O artista joga um papel importante- a especificidade de ser artista. Nem todas as pessoas em sociedade têm este grande privilégio de poder fazer transbordar o mundo, de poder transpor o mundo tal qual ele é. Claro que isto é tudo relativo. Quanto a mim, ser artista é preciso ser pessoa, é preciso, além de ser, saber ser.

São 30 anos de percurso. Como é que resume a sua  carreira artística?Eu resumo a minha carreira artística em muita luta. Eu sou um lutador nato. A mim ninguém me põe KO. Tenho um staff, uma estrutura que exige muito de mim em matérias de criação para poder ir sempre a frente. Eu preferiria não me queixar dos apoios do Estado, efectivamente nunca os tive.  A pintura não mente é mesmo congelação da pintura no momento, dito cor da luz, cor e sombra. É isso que eu resumo minha carreira artística: muito sacrifício, muito amor à arte. Penso no que nós vamos deixar no futuro, é assim que eu defino minha carreira-muito trabalho.

É um dos que defendem a criação de um sistema de arte nacional. Se tivesse que deixar um conselho ao Ministro da Cultura, Turismo e Ambiente, qual seria?
Primeiro ponto, para criar um sistema o estado tem que criar utensílios para os artistas e onde é que passa esses utensílios-pela educação, depois pelos espaços expositivos que este mercado tem que ter para criar um movimento e as pessoas criarem um diálogo em relação à arte.

Talvez, nem sejam conselhos, seja um reparo, para que ele efectivamente não faça o que todos ministros fizeram: ter importunado os artistas, por causa da máquina política que existe, de terem conspurcado os artistas; não lhes ter deixado fazer o que é devido, que é o seu trabalho. Porque arte e política, acho, não misturam as duas.

Outro reparo, é não se pode fazer omelete sem ovos e neste caso, imagina a factura do OGE para a cultura é mínima, claro que também o ministro não vai fazer milagres, mas ao menos não atrapalhe os artistas. O que eu sugiro é o Ministério não atrapalhar os artistas e deixar os artistas fazerem. Os ministros não devem atrapalhar os artistas, deve sim estar perto deles, ainda que não deem apoio financeiro, deem apoio moral às pessoas, uma palavra de alento, de consideração.

As vezes apoiar os artistas em matéria institucionais: uma carta ou outra, já que são desprovidos de verbas financeiras, mas pelo menos não atrapalhar os artistas, porque grande parte dos ministros, desde a Rosa Cruz e Silva a Boaventura Cardoso- todos que passaram aí no《Ministério da Cultura》só atrapalharam os artistas. Não criaram espaços para as pessoas exporem; não criaram salas de teatro; não criaram salas de danças; não criaram nada, única e exclusivamente atrapalharam os artistas por isso, deixem de atrapalhar os artistas!

as cargas mais recentes

Whitney Houston se torna a primeira artista negra a conseguir três discos de Diamante

há 2 anos
A marca foi conseguida com o álbum “Whitney”, o segundo da artista lançado em 1987. Já detinha o certificado de Diamante pelas obras “Whitney Houston” (1985), que foi 13 vezes Platina, e pela trilha sonora de “O Guarda-Costas” (1992), que foi 18 vezes Platina.

Comemora-se hoje o Dia Internacional da Dança, a linguagem universal

há 1 ano
Comemorado desde 1982, o dia 29 de Abril é uma homenagem ao criador do balé moderno, Jean-Georges Noverre (1727-1810). A efeméride foi instituída pela UNESCO em conjunto com o Comité de Dança do Instituto Internacional de Teatro.

Quincy Jones afirma que os Beatles “foram os piores do mundo”

há 2 anos
Numa entrevista que se tornou viral, e pode provocar alguma polémica, Quincy Jones, lendário produtor de Michael Jackson, afirmou que os Beatles não valiam nada.

50 Cent revela que seu próximo álbum será o último da carreira

há 8 meses
Após ter “aterrorizado” o Hip Hop por 14 anos, como se tem gabado, 50 Cent considera-se estar no Top 10 dos rappers vivos ou mortos e reiterou ao The Talk que o álbum será o final, o que não significa o fim da carreira artística.

Damani Van Dunem: “Defendemos o humanismo africano, o entendimento da nossa história e posicionamento no grande esquema mundial”

há 11 meses
O álbum “SwahiliLândia”, Acto 1, ajudou Damani Van Dunem a perspectivar um novo lugar na música angolana. É uma obra com pensamentos sobre o humanismo africano; a reocupação com o próximo; o entendimento da nossa história e o nosso posicionamento face ao esquema mundial.

Após desmentir informações sobre “fim da carreira” Anna Joyce anuncia dois concertos

há 2 anos
Considerada uma das maiores referências da música angolana dos últimos tempos, Anna Joyce estará no palco do Club S, em Luanda, nos dias 17 e 18 para protagonizar os seus primeiros espectáculos desde o início da pandemia.

Don Kikas com novo álbum a caminho

há 3 anos
Nos próximos dias, o artista quer levar alegria aos fãs através de um concerto ao vivo e em directo nas suas redes sociais online.

LIGARTE.COM: Wilmar Nakeni apresenta-se em concerto após vencer o Festival da Canção da Lac

há 11 meses
Wilmar Nakeni volta aos palcos para um concerto intimista e inédito onde se pretende mostrar as diferentes sonoridades artísticas que culminaram no seu projecto já disponibilizado.

Prodígio representa Angola no Mandela Day 2020

há 2 anos

Daddy Yankee passará a criar conteúdos para meios de comunicação social francês

há 2 anos
O artista foi convidado para criar projectos de música, cinema e televisão pelo conglomerado francês de media Vivendi.

“A Dimensão Cultural do Herói Nacional” em debate no Visão actual

há 2 anos
O programa Visão Actual a ser exibido amanhã, quinta-feira dia 17 de Setembro, vai analisar a Dimensão Cultural de António Agostinho Neto, fundador da nação e primeiro presidente de Angola.

Rapper Meek Mill é processado por roubar letras de música

há 2 anos
O músico está a ser processado pela Dream Rich Entertainment por, supostamente, ter fugido com letras de duas músicas que fazem parte do álbum “Championships”, de 2018, com o qual foi indicado aos Grammy.

Paulo Amaral apresenta-se na Galeria Tamar Golan com a exposição “100 Kigila”

há 5 meses
O artista angolano Paulo Amaral vai apresentar-se no próximo dia 06 de Maio de 2022, Sexta-feira, pelas 18 horas, na Galeria Tamar Golan, com “100 Kigila”, uma exposição individual que ficará patente ao público até ao dia 27 de Maio de 2022. Podendo ser visitada de Segunda a Sexta-feira, das 9h00 às 17h00, na galeria de arte contemporânea da Fundação Arte e Cultura.

Old e New School questionam legado depois da morte

há 2 anos
Estará disponível na próxima quinta-feira, dia 8, o clipe oficial da faixa “Se Eu Morrer Amanhã”, em que Kool Klever, Mamy, Duc, Lizzy, Soldier, Luso e Nucho levantam a problemática do legado após a morte.

Licenciado Em Conteúdos: um rapper contestatário que não pára de atrair público

há 2 anos
Licenciado Em Conteúdos atrai popularidade desde 2011, por causa da forma subtil com que encadeava, num único verso, vários acontecimentos, e hoje está a se transformar na principal referência do Rap Under do Bairro Huambo, Rocha Padaria, em Luanda.

Artistas começam a receber rendimentos autorais da RNA, TPA e Zap Viva

há 1 ano
Em nota a Sadia expressou o seu contentamento pela demonstração do comprometimento destas emissoras, com o desenvolvimento da indústria musical e criativa, respeitando a lei do Estado Angolano e actividade de todos os criadores de obras artísticas nacionais e internacionais.