Hildebrando de Melo: “Todos os ministros que passaram no Ministério da Cultura só atrapalharam os artistas”

Na sua mais recente exposição, o artista plástico provou mais uma vez que, em momentos de crise tudo o que a pessoa precisa para aliviar a dor é de arte.

Hildebrando de Melo esconde-se no conceptualismo e evidencia suas origens africanas, por meio de nove obras de arte em desenhos e duas em dimensão plus, mantendo em comum o contorno de uma centopeia laboriosa, diminuta e quieta, que acumula em “seu respaldo” o poder económico.

É um artista que se reiventa e funde o modernismo aos tempos ancestrais, mas nunca se desvia das suas origens africanas, o que lhe permite se enquadrar no perfil de um “verdadeiro actor social”.

No respaldo dos dois meses da amostra, que encerrou na última semana, no Centro Cultural Brasil Angola, Hildebrando de Melo aborda, fundamentalmente, assuntos que dizem respeito a sua área de actuação.

Mantrax parece sequência da série Zortax. Que conceito esconde esta exposição?
A colecção Mantrax, efectivamente surge na sequência do projecto Zortax, porque Zortax foi uma sequência no qual consegui chegar a este ponto-traduzir a pintura, passá-la para a forma bidimensional-plana e métrica, para a forma tridimensional em que aparecem agora objectos.
Primeiro, era planimétrica de chapa, agora está muito mais encorpado e tem objecto a sair da tela como consequência de todo o trabalho que tenho vindo a desenvolver em torno da minha estética. Essencialmente é isto. É um passo em frente dentro do que tenho vindo a depreender como artista plástico em matéria de formalismo do meu trabalho, onde me quero situar e aonde quero ir, por isso, todas as vezes que Hildebrando apresenta uma exposição algo de novo está sempre a emanar e a envolver e esta é que é a grande questão.

Com isso que mensagem especifíca queria passar à sociedade?
A mensagem é sempre a mesma, sendo por vezes assuntos actuais, nós artistas plásticos e fazedores da arte somos híbridos, catalisadores dentro da sociedade, então tentamos aflorar questões que  nos inquietam. Por vezes, pode ser a questão do lixo, da falta de alimento. Outras vezes, quer queiramos quer não, vamos parar na política.
Somos efectivamente isto: híbridos e relatamos problemas da sociedade-como é que elas se articulam e que de melhor contributo é que nós podemos dar ao nosso tecido social. Neste cenário os artistas, no geral, quer músicos, artistas plásticos, escritores e não só, têm um papel fundamental, porque alertam para o que está a ser mal feito e o que não está a ser tão bem feito.

A cultura, as artes visuais em particular, foi do sector mais afectados pelo Covid-19. Qual foi o impacto da pandemia na sua carreira?
A pandemia não veio alterar o meu trabalho, porque o trabalho que eu tenho vindo a desenvolver, julgo que está no pináculo, porque é uma coisa que tem sido a ser construída há 20 anos, quer dizer que, nada veio a alterar. Se me disser em matéria de estratégias, sim alterou. Mas em relação a minha obra, da forma como eu a articulo, até veio ajudar: tenho mais tempo para ler, investigar.

Procurou sempre evidenciar o autodidactismo nas suas criações, e não descura suas origens. De que forma estes elementos estiveram patentes no Mantrax?
Eu procuro sempre evidenciar aquilo que eu sou, a minha natureza. A minha criação, é obvio que descura, conforme diz, as minhas origens, o meu africanismo. Independetemente de eu ter fundido a pintura moderna desde os tempos ancestrais à presente data, o africanismo, o meu red-image, esta object art, está lá na obra. Este projecto é o culminar de todo este aprendizado, deste trajecto. Não é única e exclusivamente uma exposição, teríamos que estar a falar de uma consequência de treze, catorze projectos expositivos solo. Reiteiro, não é só esta exposição, tem muito para atrás. Estar a debater 30 anos numa exposição é um bocado inglório.

Sou um artista com uma certa reconhecimento e com certo know how e com certo trajecto.  A única e exclusivamente é glutinar e passar por cima disto tudo. 

O artista é também um actor social. No nosso caso específico, qual devia ser o papel do artista?

O artista é dos mais importantes da sociedade. Na Antiga Grécia, os artistas até não pagavam nos bares e nos restaurantes, porque tinham este estatuto especial em sociedades, visto que as sociedades desenvolveram, este paradigma, é claro, está em desuso. Hoje o paradigma é totalmente diferente: um artista tem que trabalhar para sustentar a sua família e é neste quesito onde as coisas se tornam claramente difíceis.

Muitas das vezes, o artista é muito mal interpretado, ninguém gosta de ouvir a verdade e a política anda sempre atrás dos artistas para o escalar, amordaçar. O papel do artista é trazer todos esses problemas e questionar sobre o que vai ser daqui a dez, cem anos. O artista joga um papel importante- a especificidade de ser artista. Nem todas as pessoas em sociedade têm este grande privilégio de poder fazer transbordar o mundo, de poder transpor o mundo tal qual ele é. Claro que isto é tudo relativo. Quanto a mim, ser artista é preciso ser pessoa, é preciso, além de ser, saber ser.

São 30 anos de percurso. Como é que resume a sua  carreira artística?Eu resumo a minha carreira artística em muita luta. Eu sou um lutador nato. A mim ninguém me põe KO. Tenho um staff, uma estrutura que exige muito de mim em matérias de criação para poder ir sempre a frente. Eu preferiria não me queixar dos apoios do Estado, efectivamente nunca os tive.  A pintura não mente é mesmo congelação da pintura no momento, dito cor da luz, cor e sombra. É isso que eu resumo minha carreira artística: muito sacrifício, muito amor à arte. Penso no que nós vamos deixar no futuro, é assim que eu defino minha carreira-muito trabalho.

É um dos que defendem a criação de um sistema de arte nacional. Se tivesse que deixar um conselho ao Ministro da Cultura, Turismo e Ambiente, qual seria?
Primeiro ponto, para criar um sistema o estado tem que criar utensílios para os artistas e onde é que passa esses utensílios-pela educação, depois pelos espaços expositivos que este mercado tem que ter para criar um movimento e as pessoas criarem um diálogo em relação à arte.

Talvez, nem sejam conselhos, seja um reparo, para que ele efectivamente não faça o que todos ministros fizeram: ter importunado os artistas, por causa da máquina política que existe, de terem conspurcado os artistas; não lhes ter deixado fazer o que é devido, que é o seu trabalho. Porque arte e política, acho, não misturam as duas.

Outro reparo, é não se pode fazer omelete sem ovos e neste caso, imagina a factura do OGE para a cultura é mínima, claro que também o ministro não vai fazer milagres, mas ao menos não atrapalhe os artistas. O que eu sugiro é o Ministério não atrapalhar os artistas e deixar os artistas fazerem. Os ministros não devem atrapalhar os artistas, deve sim estar perto deles, ainda que não deem apoio financeiro, deem apoio moral às pessoas, uma palavra de alento, de consideração.

As vezes apoiar os artistas em matéria institucionais: uma carta ou outra, já que são desprovidos de verbas financeiras, mas pelo menos não atrapalhar os artistas, porque grande parte dos ministros, desde a Rosa Cruz e Silva a Boaventura Cardoso- todos que passaram aí no《Ministério da Cultura》só atrapalharam os artistas. Não criaram espaços para as pessoas exporem; não criaram salas de teatro; não criaram salas de danças; não criaram nada, única e exclusivamente atrapalharam os artistas por isso, deixem de atrapalhar os artistas!

as cargas mais recentes

Burna Boy considera o novo álbum de Davido um “disquete”

há 9 meses
Apesar de reunir referências como Nicki Minaj, Nas, Young Thug e Lil Baby, o novo álbum de Davido não “convenceu” o seu compatriota Burna Boy. O também músico chamou de disquete o “A Better Time”.

Burna Boy representa músicos africanos na Casa Branca

há 6 meses
Burna Boy foi o único artista africano presente na lista dos quarenta e seis músicos cujos temas foram seleccionados para a cerimónia inaugural de Biden e Harris à Casa Branca.

Leonardo Freezy disponibiliza o single `Gatilho´

há 11 meses
`Gatilho´ é um desabafo, ou uma explosão de frustrações específicas, se quisermos. Memórias profundas que abrangem assuntos pertinentes como o preconceito, o racismo, a força da amizade e do companheirismo.

Razões e Rimas: O super Herói de Todos os Tempos

há 2 meses
A EP é da autoria do também integrante do lendário grupo “New Joint”, Kamané Kamas, que tem vindo a dar cartas dentro do movimento hip hop lusófono, assumindo a posição de um dos mais influentes da actualidade de moçambique.

Matias Damásio laureado com medalha de ouro em Portugal

há 1 ano
O presidente da câmara de Oeiras, Isaltino Morais, formalizou esta semana a homenagem ao músico angolano por serviços prestados à comunidade, com a entrega de um diploma e uma medalha de ouro.

Imponente, MAMY reafirma hegemonia no remix oficial de “Spitter”

há 8 meses
MAMY disponibilizou ontem, sem aviso prévio, o remix oficial do single, mostrou a verdade face e disparou barras pesadas sem piedade.

Jovens do Prenda no Show do Mês online

há 1 ano

Vozes de diferentes estilos cantam 70 anos de André Mingas

há 1 ano
Se estivesse em vida, André Mingas completaria setenta anos amanhã(24). E, em alusão do seu 70.°aniversário, Ary, Kizua Gourgel, Toty Sa’med, Selda, Yoxi e Paulo Flores juntam-se este domingo para um tributo musical.

Fotogaleria: Yuri da Cunha protagoniza “dueto” épico com Teta Lando

há 4 meses

Eduardo Paim faz vibrar Angola e o mundo com show nostálgico

há 2 meses
Com um percurso artístico invejável, de mais de 40 anos, o músico Eduardo Paim mostrou mais uma vez, no Show do Mês, que é um dos artistas com mais sucessos em Angola.

TPA proporciona regalo cultural ao mais alto nível

há 1 ano

Rascunho que continha “Hey Jude” dos Beatles leiloado por 910 mil dólares’

há 1 ano
O manuscrito do clássico dos Beatles “Hey Jude”, de Paul McCartney, usado durante a gravação em 1968, foi vendido por 910 mil dólares (mais de 108 milhões de Kwanzas) durante um leilão online, que marcou o 50.º aniversário da separação da banda britânica.

Nas revela sentir-se honrado pelo beef que teve com Jay-Z

há 6 meses

Scró Que Cuia encontra semelhanças do “Parte Cama” no novo videoclipe de Beyonce

há 1 ano
O cantor Scró Que Cuia disse, este sábado, ter encontrado semelhanças da coreografia da música “Parte Cama” (2017) no novo videoclipe “Already” da Beyonce, publicado na passada sexta-feira, 31 de Julho.

Fela Kuti entre os nomes da disputada lista do Rock and Roll Hall of Fame

há 3 meses
Até ao dia 7 de Maio, os fãs poderão votar diariamente para cinco dos 16 candidatos ao Rock and Roll Hall of Fame. Actualmente com 493 mil votos, o pioneiro do afrobeat, só perde para a autora do ‘Private Dancer’, Tina Turner com 533 mil votos, nos dados de hoje.

Covid-19: Nelson da Luz testa positivo em Portugal

há 11 meses
O V. Guimarães informou esta segunda-feira da existência de um caso positivo à Covid-19 no plantel. Trata-se do angolano Nelson Luz, o mais recente reforço a chegar ao clube vindo do 1°de Agosto.