Hochi Fu: “Apostei no Kuduro porque o Rap aqui era muito soft, dos betinhos”

Depois de abandonar a liga profissional holandesa de basquetebol e desistir do sonho de jogar na NBA, por conta de uma lesão na perna, regressou a Angola e encontrou o mercado fértil. Com o seu laptop e uma máquina fotográfica, Hochi Fu começou a atrair a atenção dos músicos.

O primeiro cliente foi Big Nelo, com qual fechou um contrato de três mil dólares. O acordo valeu mais pelo seu significado porque, depois de receber o cachet e subtrair o dinheiro do aluguer dos equipamentos, encaixou apenas cem dólares. A qualidade do trabalho que prestou, garantiu-lhe contratos com Kalibrados, Djeff Brown, Anselmo etc..

Entretanto, foi com Os Lambas que viria a ser conhecido como um dos maiores promotores da música angolana, particularmente o Kuduro, e com Windeck de Cabo Snoop chegou ao apogeu. Mas, Hochi Fu ainda não se sente realizado. Deseja chegar a Hollywood.

Acompanhe na íntegra a segunda parte da entrevista com um dos maiores promotores da cultura angolana.

Relatou que, de volta ao país, teve dificuldades em encontrar emprego. Nessa época, as novas tecnologias ainda não eram uma realidade em Angola. Como conseguiu ultrapassar os percalços e conseguir chegar até aqui?

Logo que cheguei, tive de ser forte e assumir algo. Disse p’ra mim mesmo eu sou um criador, eu tenho de criar, tenho que fazer qualquer coisa. Não quis, de maneira nenhuma, ficar parado, depender ou deixar sucumbir, tive que me esforçar para atingir o nível que eu quis atingir. Depois tracei planos e disse eu acho que se as pessoas souberem o que eu faço, se calhar não precisarei de nenhuma empresa para me representar, posso me representar sozinho.

Hoje, quem olha para si, vê um homem poderoso, estabilizado. Como foram os seus primeiros dias no mercado ?

O que eu fiz? Comecei com capas, como eu fazia muito os trabalhos gráficos, então escolhi um sítio que os artistas, que era o meu público alvo, passavam sempre. Dei conta que tinha a rádio e a televisão muito próximas uma da outra. Em frente da Rádio Nacional e da TPA havia um restaurante e todos passavam por lá. Então, várias vezes na hora do almoço eu ia para lá com meu laptop, era um Toshiba. Lembro-me muito bem, era a única coisa que eu tinha naquele tempo e uma câmara Sony de fotografar, que nem filmava ainda. Comprava o meu almoço aí e, sempre que visse algum famoso, pedia desculpa e dizia que era o Hochi Fu e estava cá há pouco tempo abria o meu computador e mostrava-lhe alguns trabalhos gráficos e foi assim que fui ganhando alguns clientes.

Ainda se recorda do primeiro cliente?

Um deles foi um amigo de infância, o Big Nelo. Eu fiz a capa do Djeff Brown- Trajectória e a do Big Nelo, que já nem lembro o título. Tanto é que naquele tempo, eu nem tinha estúdio de fotografia, não utilizava estúdio nem luzes nem nada.

Hochi Fu: “Apostei no Kuduro porque o Rap aqui era muito soft, dos betinhos”

Sessão de fotos com artistas famosos na rua é quase impossível. Como é que fazia?

O quê é que eu fazia-combinava com os músicos para que as 15 ou 16 horas fôssemos aí na Fortaleza, como tinha assim os muros altos e brancos, esperava boa posição dos céus, a hora H que é para tirar fotografia, foi assim que eu comecei. Depois do trabalho gráfico do Big e Djeff, todo mundo quis saber quem era aquele chinês Hochi Fu.

E como foi a sua entrada para o mundo dos vídeoclips?

Depois de eu regressar a Angola, o primeiro vídeo que produzi foi “Quem Será” de Big Nelo, que tive um orçamento de três mil dólares, mas que acabei por ficar apenas com cem dólares no bolso, porque tive de pagar tudo, desde o material a pessoas que eu contratei. Não serviu de lucro, apenas amostra do meu trabalho. Aí veio Super Homem, de Anselmo Ralph, Comboio d’Os Lambas, Quem Manda No Teu Block, dos Kalibrados, Tá Calor, de Heavy C…

Em que circunstâncias conheceu Os Lambas?

Hochi Fu: “Apostei no Kuduro porque o Rap aqui era muito soft, dos betinhos”

Eu, por acaso não conhecia Os Lambas. Nós tínhamos um estúdio, que era do meu primo e amigo do Pitágoras, onde nos encontrávamos sempre. Eu falei ao Pitágoras sobre os meus projectos, que era o de agarrar talentos novos do gueto, de procurar talentos e lançá-los e ele disse que conhecia uns miúdos e, se eu estava à procura de 50 Cent de Angola, aqueles gajos eram.

Nesse período, o Rap tinha quase conseguido vencer o estigma, muitas vezes fomentados pelos meios de comunicação social no país, o Kuduro não. Era um estilo marginalizado, associado à delinquência juvenil nas zonas suburbanas. O quê que lhe levou a apostar num estilo “marginalizado”?

Tive o prazer de presenciar o power dos Lambas na venda do disco do dj Zinobia, que eu tinha feito a capa. De repente, vi uma multidão a seguir alguém e perguntei: mas quem é aquele gajo que está aí a levar todo o mundo? Concluí que eram aqueles putos de que o Pitta me tinha contado. Então, disse p’ra mim-vou apostar, vou pôr toda a massa que eu tenho, vou pôr nisso aí. E por caso, pus todo o budget que eu tinha reservado e apostei neles e tivemos enchentes de venda que nunca ninguém contava.

Apostei nos Lambas, porque o Kiduro tinha muito mais a ver com o rap americano do que os próprios rappers daqui. O rap aqui era muito soft, dos betinhos. Mas o Kuduro era dos gajos que vinham mesmo dos guetos.

Hochi Fu: “Apostei no Kuduro porque o Rap aqui era muito soft, dos betinhos”

Levanta uma questão interessante o da identidade. Até que ponto a identidade é importante para um artista que queira singrar?

É importante que o artista crie a sua marca e viva daquilo e faça com que as pessoas procurem por esta marca, procurem se encaixar nisso. Não deve ser o artista a se encaixar na marca dos outros. Por exemplo, n’Os Lambas, eu vi que eles tinham aquele ar de hard boys, de bad boys, eu decidi pegar naquilo, limpar, mas continuar com a mesma coisa. Continuaram a ser hard, a vestir as mesmas coisas. Mas, claro, roupas melhores, cabelos melhores, mais organizados…

É importante sempre estabelecermos um diferencial, porque se o artista não tem marca, torna-se semelhante a qualquer um, uma cobaia apenas, “vai com tudo”.

Quer dizer que foi o responsável pela transformação d’Os Lambas.

Os Lambas eram os Demónios do Sambizanga, que era uma marca que eu como Hochi Fu não quis levar. Não quis levar a fama tipo-esse é o gajo que lançou os Demónios. Eu sou uma pessoa de Deus, uma pessoa que crê, então disse vamos tirar Os Demónios e fica só Os Lambas. E depois vi que Estado Maior do Kuduro é um bom título para o álbum, porque é algo imponente. Nós temos uma marca de poder, de power, de tropa, de general. Temos aí o Nagrelha a forma como se apresenta e eu com roupas militares e carros militar…

Na terceira e última parte da entrevista, o produtor e realizador fala sobre sonhos, prémios, altos e baixos na carreira e faz várias revelações inesperadas.

as cargas mais recentes

Estrela de Missy Elliott já brilha na Calçada da Fama de Hollywood

há 1 ano
Aos 50 anos de idade, dos quais, mais de 25 dedicados ao Hip-Hop, Melissa Arnette Elliott mais conhecida como Missy ‘Misdemenor’ Elliott, acaba de ser honrada com a 2.708ª estrela da Calçada da Fama de Hollywood.

Lewis Hamilton revela que também é Rapper

há 3 anos
Afinal Lewis Hamilton também tem uma veia artística, a revelação foi feita na primeira pessoa. O hexacampeão usou a página oficial do Instagram para assume autoria da música “Pipe” em colaboração com Christina Aguilera, onde usa o codinome de XNDA e diz que insegurança motivou o anonimato.

Robinho é condenado a nove anos de prisão por estupro colectivo

há 1 ano
O ex-jogador Robinho foi hoje condenado, na terceira e última instância pela justiça italiana a 9 anos de prisão por participar de um estupro colectivo, cuja vítima é uma mulher albanesa. Não restam mais recursos, a sentença é definitiva e para cumprimento imediato.

Do Kuduro ao Rap: Alé G Fiigura mostra o quanto vale

há 2 anos
O artista não só canta, também dança, compõe, produz e é o CEO da Right Time Records, uma produtora independente que vai atraindo outros nomes.

Das ruas aos palcos do BET Awards, “Black Lives Matter” continua a ser a “palavra” de ordem

há 3 anos
Na noite em que os artistas africanos Sha Sha e Burna Boy se destacaram, a atenção ao movimento Black Lives Matter, que desde o final de Maio tem promovido manifestações pelos Estados Unidos, também teve lugar naquele palco.

Ngadiama Wakamba O Sonhi: Um veterano do Rap que a nova geração devia conhecer

há 2 anos
O pensamento crítico e social de Ngadiama Wakamba O Sonhi ajudou a formar as bases que sustentam hoje o rap de intervenção social em Angola, por isso muitos rappers preferem chamá-lo de “Mestre”. O rapper de 42 anos morreu ontem, em Luanda, por complicações de infecções respiratórias e anemia aguda.

Jomo Fortunato acusa Ilídio Brás de se apropriar do seu livro para ir buscar dinheiro na Sonangol

há 1 ano
O crítico musical, Jomo Fortunato, acusa o produtor Ilídio Brás de se apropriar do seu livro “A mística e o Simbolismo dos Tambores”, lançado domingo, em Luanda, para ir buscar dinheiro na Sonangol. A obra em causa retrata a trajectória do percussionista Joãozinho Morgado, considerado o “Rei dos Tambores”.

Jovens do Prenda festejam 52º aniversário no Show do Mês

há 2 anos
Os Jovens do Prenda festejam sábado o seu 52º aniversário de existência no Show do Mês Live, num concerto aguardado com muitas expectactivas pelos fãs do conjunto.

Pongo Love confirmada no Festival Músicas do Mundo

há 3 anos
O evento reúne cerca de 30 músicos vindos da África, Europa e América. A cantora faz parte da lista dos primeiros 14 artistas apresentados esta sexta-feira.

Alicia Keys surpreende fãs ao fumar maconha ao vivo, durante o podcast Drink Champs

há 1 ano
Conhecida pelo seu estilo de vida mais reservado, comparativamente com outras artistas e ovacionada pelos seus rituais de beleza holísticos e estilo de vida zen, Alicia Keys protagonizou o momento revelador que foi motivo de pasmo, por nunca ter mencionado o uso de maconha, durante os seus mais de 20 anos de carreira.

Escritor e compositor Aldir Blanc morre aos 73 anos, vítima de covid-19

há 3 anos
Aldir Blanc compôs mais de 600 canções e participou do álbum de Djavan, onde constam as músicas ‘Umbi Umbi’ e ‘N’vula Ieza Kia’, originais de Filipe Mukenga.

Érica Chissapa aprovada para novela portuguesa

há 2 anos
A actriz angolana Erica Chissapa fará parte do elenco da novela portuguesa “Amar demais”, da TVI.

Live de Marília Mendonça bate recorde mundial 3,2 milhões de espectadores em simultâneo

há 3 anos
A cantora celebrou o recorde com um post no Twitter com a foto do exacto momento em que atingiu a marca de 3,2 milhões de views, superando o recorde mundial do Youtube anteriormente conquistado pela dupla Jorge e Mateus com 3,1 milhões.

Kina estreia-se a solo com EP ‘Família’

há 10 meses
Após os singles “Sorriso” e “Errado” terem sido lançados nas plataformas digitais e terem conseguido algum destaque nas playlists editoriais,“New Music Friday Portugal” do Spotify e “Novidades Do Dia” da Apple Music, segue-se a EP “Família”, onde Kina destaca a importância da família enquanto alicerce pessoal num tema com um sentimento enorme onde a boa mensagem é destaque.

Elias Dya Kimuezu recebe certificado de mérito pelo seu contributo na música angolana

há 6 meses

APPEC anuncia show solidário a favor dos artistas e homenageia Filipe Mukenga

há 3 anos
A recém-criada Associação Angolana dos Profissionais e Produtores de Eventos (APPEC) realiza, este domingo, o seu primeiro espectáculo multi-cultural em quatro palcos diferentes, para homenagear Filipe Mukenga e ao mesmo tempo recolher bens alimentares para os profissionais ligados à cultura, fortemente afectados pela crise pandemíca.