Hochi Fu: “Apostei no Kuduro porque o Rap aqui era muito soft, dos betinhos”

Depois de abandonar a liga profissional holandesa de basquetebol e desistir do sonho de jogar na NBA, por conta de uma lesão na perna, regressou a Angola e encontrou o mercado fértil. Com o seu laptop e uma máquina fotográfica, Hochi Fu começou a atrair a atenção dos músicos.

O primeiro cliente foi Big Nelo, com qual fechou um contrato de três mil dólares. O acordo valeu mais pelo seu significado porque, depois de receber o cachet e subtrair o dinheiro do aluguer dos equipamentos, encaixou apenas cem dólares. A qualidade do trabalho que prestou, garantiu-lhe contratos com Kalibrados, Djeff Brown, Anselmo etc..

Entretanto, foi com Os Lambas que viria a ser conhecido como um dos maiores promotores da música angolana, particularmente o Kuduro, e com Windeck de Cabo Snoop chegou ao apogeu. Mas, Hochi Fu ainda não se sente realizado. Deseja chegar a Hollywood.

Acompanhe na íntegra a segunda parte da entrevista com um dos maiores promotores da cultura angolana.

Relatou que, de volta ao país, teve dificuldades em encontrar emprego. Nessa época, as novas tecnologias ainda não eram uma realidade em Angola. Como conseguiu ultrapassar os percalços e conseguir chegar até aqui?

Logo que cheguei, tive de ser forte e assumir algo. Disse p’ra mim mesmo eu sou um criador, eu tenho de criar, tenho que fazer qualquer coisa. Não quis, de maneira nenhuma, ficar parado, depender ou deixar sucumbir, tive que me esforçar para atingir o nível que eu quis atingir. Depois tracei planos e disse eu acho que se as pessoas souberem o que eu faço, se calhar não precisarei de nenhuma empresa para me representar, posso me representar sozinho.

Hoje, quem olha para si, vê um homem poderoso, estabilizado. Como foram os seus primeiros dias no mercado ?

O que eu fiz? Comecei com capas, como eu fazia muito os trabalhos gráficos, então escolhi um sítio que os artistas, que era o meu público alvo, passavam sempre. Dei conta que tinha a rádio e a televisão muito próximas uma da outra. Em frente da Rádio Nacional e da TPA havia um restaurante e todos passavam por lá. Então, várias vezes na hora do almoço eu ia para lá com meu laptop, era um Toshiba. Lembro-me muito bem, era a única coisa que eu tinha naquele tempo e uma câmara Sony de fotografar, que nem filmava ainda. Comprava o meu almoço aí e, sempre que visse algum famoso, pedia desculpa e dizia que era o Hochi Fu e estava cá há pouco tempo abria o meu computador e mostrava-lhe alguns trabalhos gráficos e foi assim que fui ganhando alguns clientes.

Ainda se recorda do primeiro cliente?

Um deles foi um amigo de infância, o Big Nelo. Eu fiz a capa do Djeff Brown- Trajectória e a do Big Nelo, que já nem lembro o título. Tanto é que naquele tempo, eu nem tinha estúdio de fotografia, não utilizava estúdio nem luzes nem nada.

Hochi Fu: “Apostei no Kuduro porque o Rap aqui era muito soft, dos betinhos”

Sessão de fotos com artistas famosos na rua é quase impossível. Como é que fazia?

O quê é que eu fazia-combinava com os músicos para que as 15 ou 16 horas fôssemos aí na Fortaleza, como tinha assim os muros altos e brancos, esperava boa posição dos céus, a hora H que é para tirar fotografia, foi assim que eu comecei. Depois do trabalho gráfico do Big e Djeff, todo mundo quis saber quem era aquele chinês Hochi Fu.

E como foi a sua entrada para o mundo dos vídeoclips?

Depois de eu regressar a Angola, o primeiro vídeo que produzi foi “Quem Será” de Big Nelo, que tive um orçamento de três mil dólares, mas que acabei por ficar apenas com cem dólares no bolso, porque tive de pagar tudo, desde o material a pessoas que eu contratei. Não serviu de lucro, apenas amostra do meu trabalho. Aí veio Super Homem, de Anselmo Ralph, Comboio d’Os Lambas, Quem Manda No Teu Block, dos Kalibrados, Tá Calor, de Heavy C…

Em que circunstâncias conheceu Os Lambas?

Hochi Fu: “Apostei no Kuduro porque o Rap aqui era muito soft, dos betinhos”

Eu, por acaso não conhecia Os Lambas. Nós tínhamos um estúdio, que era do meu primo e amigo do Pitágoras, onde nos encontrávamos sempre. Eu falei ao Pitágoras sobre os meus projectos, que era o de agarrar talentos novos do gueto, de procurar talentos e lançá-los e ele disse que conhecia uns miúdos e, se eu estava à procura de 50 Cent de Angola, aqueles gajos eram.

Nesse período, o Rap tinha quase conseguido vencer o estigma, muitas vezes fomentados pelos meios de comunicação social no país, o Kuduro não. Era um estilo marginalizado, associado à delinquência juvenil nas zonas suburbanas. O quê que lhe levou a apostar num estilo “marginalizado”?

Tive o prazer de presenciar o power dos Lambas na venda do disco do dj Zinobia, que eu tinha feito a capa. De repente, vi uma multidão a seguir alguém e perguntei: mas quem é aquele gajo que está aí a levar todo o mundo? Concluí que eram aqueles putos de que o Pitta me tinha contado. Então, disse p’ra mim-vou apostar, vou pôr toda a massa que eu tenho, vou pôr nisso aí. E por caso, pus todo o budget que eu tinha reservado e apostei neles e tivemos enchentes de venda que nunca ninguém contava.

Apostei nos Lambas, porque o Kiduro tinha muito mais a ver com o rap americano do que os próprios rappers daqui. O rap aqui era muito soft, dos betinhos. Mas o Kuduro era dos gajos que vinham mesmo dos guetos.

Hochi Fu: “Apostei no Kuduro porque o Rap aqui era muito soft, dos betinhos”

Levanta uma questão interessante o da identidade. Até que ponto a identidade é importante para um artista que queira singrar?

É importante que o artista crie a sua marca e viva daquilo e faça com que as pessoas procurem por esta marca, procurem se encaixar nisso. Não deve ser o artista a se encaixar na marca dos outros. Por exemplo, n’Os Lambas, eu vi que eles tinham aquele ar de hard boys, de bad boys, eu decidi pegar naquilo, limpar, mas continuar com a mesma coisa. Continuaram a ser hard, a vestir as mesmas coisas. Mas, claro, roupas melhores, cabelos melhores, mais organizados…

É importante sempre estabelecermos um diferencial, porque se o artista não tem marca, torna-se semelhante a qualquer um, uma cobaia apenas, “vai com tudo”.

Quer dizer que foi o responsável pela transformação d’Os Lambas.

Os Lambas eram os Demónios do Sambizanga, que era uma marca que eu como Hochi Fu não quis levar. Não quis levar a fama tipo-esse é o gajo que lançou os Demónios. Eu sou uma pessoa de Deus, uma pessoa que crê, então disse vamos tirar Os Demónios e fica só Os Lambas. E depois vi que Estado Maior do Kuduro é um bom título para o álbum, porque é algo imponente. Nós temos uma marca de poder, de power, de tropa, de general. Temos aí o Nagrelha a forma como se apresenta e eu com roupas militares e carros militar…

Na terceira e última parte da entrevista, o produtor e realizador fala sobre sonhos, prémios, altos e baixos na carreira e faz várias revelações inesperadas.

as cargas mais recentes

Morreu Irrfan Khan, actor do filme Quem Quer Ser Milionário

há 1 ano
Esta terça-feira, a estrela de Bollywood, Irrfan Khan sentiu-se mal e acabou por ser encaminhado de urgência para o hospital de Mumbai (Índia), onde acabou por morrer aos 53 anos, devido uma infeção no cólon.

Elástico Nandako disponibiliza o primeiro projecto musical com participação

há 1 ano
Trata-se do primeiro projecto colaborativo do cantor e dançarino, depois de se despedir dos Power Boyz. O single estará disponível, nas plataformas digitais, a parir das 19 horas de hoje e conta com a participação do seu antigo grupo.

Toshiba já não vai vender mais computadores portáteis

há 1 ano
Criada em 1939, a gigante japonesa introduziu o primeiro computador portátil no mundo e foi uma referência nesse mercado. Em comunicado oficial, a empresa informa que já não vai mais vender computadores.

Vencedores do prémio `Ensa-Arte 2020´são conhecidos hoje

há 6 meses
A 15ª edição de entrega de prémios Ensa- Artes, voltada para as artes plástica acontece hoje com transmissão em directo no programa Janela Aberta, na TPA1.

Cinema no sete e meio “migra” para o digital

há 1 ano
Hoje na tertúlia sobre cinema, Miguel Hurst e Orlando Sérgio conversam com Dorivaldo Fernandes Cortez, Ery Claver e Mawete Paciência e vão discorrer sobre o tema “Novas tendências do cinema em Angola”.

Masta anuncia novo EP com lançamento de single amanhã

há 4 meses
O tema intitula-se ‘Novo Normal’, estreia amanhã, 27, no Afro Music Channel e em seguida estará disponível no canal oficial do YouTube do artista. O single fará parte do de um novo EP, revelou hoje o rapper à revista Carga.

Rapper Yunami representa Angola num projecto de unificação dos artistas africanos na Hungria

há 8 meses

Acção Jovem promove ciclo de aulas sobre historiografia africana

há 1 ano
Sob o mote “Mergulhando nas Artérias da História, Cultura e Tradição Africana”, o projecto nasce de uma conexão entre a Acção Jovem com o Professor, Historiador e Activista Social angolano, Pick Ngudi-A-Kazi e o Portal do Palestrante Africano no Brasil.

{RE}CONGOLÂNDIA: Thó Simões {re}cicla e {re}enquadra a obra Congolândia para o projecto Cabana de Arte

há 11 meses
A 8ª Edição do projecto entitulado Cabana de Arte, do grupo BANGA trás como convidados o artista Angolano Thó Simões e o atelier DEL MEDIO representado por Michel Maldiny Z.G e Mafalda Peres Couto.

50 Cent pede desculpas a Megan Thee Stallion por tirar sarro da rapper por ter sido baleada

há 1 ano
Nos últimos tempos 50 Cent adoptou o comportamento de “rei” do deboche no que toca a comentários sobre a maioria dos assuntos que vêm surgindo. Mas no princípio desta semana, o rapper surpreendeu ao pedir desculpas publicamente a Megan The Stallion, por ter tirado sarro e inclusive ter partilhados memes, dos tiros que a rapper levou no pé, alegadamente disparados por Tory Lanez.

Camões – Centro Cultural Português acolhe Leituras Teatrais “Corpo Futuro”

há 6 meses
O projeto “Leituras Assistidas” promove a leitura e a produção de textos do gênero teatral em língua portuguesa. É uma iniciativa conjunta do Centro Cultural do Brasil em Angola (CCBA) e do Clube de Leitura da Mediateca do Cazenga, com apoio cultural do Camões.

Gari Sinedima lança EP inédito e multicultural

há 11 meses
Disponível amanhã, dia da Dipanda, na plataforma digital Musickool, para Angola, e em outros meios de distribuição online espalhados pelo mundo.

Documentário `Reino do Kongo: Em busca do reino destruído´ já cumpre agenda internacional

há 3 meses
Após a exitosa estreia em Luanda, o documentário `Reino do Kongo: Em busca do reino destruído´ segue viagem para o Reino Unido, França, Bélgica, Brasil, Argentina, Estados Unidos, Canadá e Caraíbas.

Aumenta tensão entre Snoop Dogg e 6ix9ine – Tekashi

há 1 ano
Preso em 2018 por diversas acusações de crimes relacionados às actividades de gangues, 6ix9ine – Tekashi chegou a acordo com governo para aliviar sua pena, testemunhando sobre caso contra a “Nine Trey Gangsta Bloods” nos tribunais. Com esta decisão, o rapper ganhou o rótulo de “Snitch/Traidor” e tem sido alvo de diversos insultos da parte de Snoop Dogg, desde que foi preso.

This Is My Park: Beyoncé e Adidas lançam segunda colecção

há 12 meses
A nova linha manteve mood desportivo, mas desta vez, com um toque urbano e mais sofisticado. Como protagonista, a campanha traz mais uma vez Queen B, que fez o anuncio nas redes sociais e no teaser da colab, a artista se apresenta em todas as suas formas: artista, criativa, visionária, mãe e mulher de negócios.

Juice WRLD e Kobe Bryant juntam-se a Michael Jackson na lista das celebridades póstumas mais lucrativas

há 11 meses