Hochi Fu: “Apostei no Kuduro porque o Rap aqui era muito soft, dos betinhos”

Depois de abandonar a liga profissional holandesa de basquetebol e desistir do sonho de jogar na NBA, por conta de uma lesão na perna, regressou a Angola e encontrou o mercado fértil. Com o seu laptop e uma máquina fotográfica, Hochi Fu começou a atrair a atenção dos músicos.

O primeiro cliente foi Big Nelo, com qual fechou um contrato de três mil dólares. O acordo valeu mais pelo seu significado porque, depois de receber o cachet e subtrair o dinheiro do aluguer dos equipamentos, encaixou apenas cem dólares. A qualidade do trabalho que prestou, garantiu-lhe contratos com Kalibrados, Djeff Brown, Anselmo etc..

Entretanto, foi com Os Lambas que viria a ser conhecido como um dos maiores promotores da música angolana, particularmente o Kuduro, e com Windeck de Cabo Snoop chegou ao apogeu. Mas, Hochi Fu ainda não se sente realizado. Deseja chegar a Hollywood.

Acompanhe na íntegra a segunda parte da entrevista com um dos maiores promotores da cultura angolana.

Relatou que, de volta ao país, teve dificuldades em encontrar emprego. Nessa época, as novas tecnologias ainda não eram uma realidade em Angola. Como conseguiu ultrapassar os percalços e conseguir chegar até aqui?

Logo que cheguei, tive de ser forte e assumir algo. Disse p’ra mim mesmo eu sou um criador, eu tenho de criar, tenho que fazer qualquer coisa. Não quis, de maneira nenhuma, ficar parado, depender ou deixar sucumbir, tive que me esforçar para atingir o nível que eu quis atingir. Depois tracei planos e disse eu acho que se as pessoas souberem o que eu faço, se calhar não precisarei de nenhuma empresa para me representar, posso me representar sozinho.

Hoje, quem olha para si, vê um homem poderoso, estabilizado. Como foram os seus primeiros dias no mercado ?

O que eu fiz? Comecei com capas, como eu fazia muito os trabalhos gráficos, então escolhi um sítio que os artistas, que era o meu público alvo, passavam sempre. Dei conta que tinha a rádio e a televisão muito próximas uma da outra. Em frente da Rádio Nacional e da TPA havia um restaurante e todos passavam por lá. Então, várias vezes na hora do almoço eu ia para lá com meu laptop, era um Toshiba. Lembro-me muito bem, era a única coisa que eu tinha naquele tempo e uma câmara Sony de fotografar, que nem filmava ainda. Comprava o meu almoço aí e, sempre que visse algum famoso, pedia desculpa e dizia que era o Hochi Fu e estava cá há pouco tempo abria o meu computador e mostrava-lhe alguns trabalhos gráficos e foi assim que fui ganhando alguns clientes.

Ainda se recorda do primeiro cliente?

Um deles foi um amigo de infância, o Big Nelo. Eu fiz a capa do Djeff Brown- Trajectória e a do Big Nelo, que já nem lembro o título. Tanto é que naquele tempo, eu nem tinha estúdio de fotografia, não utilizava estúdio nem luzes nem nada.

Hochi Fu: “Apostei no Kuduro porque o Rap aqui era muito soft, dos betinhos”

Sessão de fotos com artistas famosos na rua é quase impossível. Como é que fazia?

O quê é que eu fazia-combinava com os músicos para que as 15 ou 16 horas fôssemos aí na Fortaleza, como tinha assim os muros altos e brancos, esperava boa posição dos céus, a hora H que é para tirar fotografia, foi assim que eu comecei. Depois do trabalho gráfico do Big e Djeff, todo mundo quis saber quem era aquele chinês Hochi Fu.

E como foi a sua entrada para o mundo dos vídeoclips?

Depois de eu regressar a Angola, o primeiro vídeo que produzi foi “Quem Será” de Big Nelo, que tive um orçamento de três mil dólares, mas que acabei por ficar apenas com cem dólares no bolso, porque tive de pagar tudo, desde o material a pessoas que eu contratei. Não serviu de lucro, apenas amostra do meu trabalho. Aí veio Super Homem, de Anselmo Ralph, Comboio d’Os Lambas, Quem Manda No Teu Block, dos Kalibrados, Tá Calor, de Heavy C…

Em que circunstâncias conheceu Os Lambas?

Hochi Fu: “Apostei no Kuduro porque o Rap aqui era muito soft, dos betinhos”

Eu, por acaso não conhecia Os Lambas. Nós tínhamos um estúdio, que era do meu primo e amigo do Pitágoras, onde nos encontrávamos sempre. Eu falei ao Pitágoras sobre os meus projectos, que era o de agarrar talentos novos do gueto, de procurar talentos e lançá-los e ele disse que conhecia uns miúdos e, se eu estava à procura de 50 Cent de Angola, aqueles gajos eram.

Nesse período, o Rap tinha quase conseguido vencer o estigma, muitas vezes fomentados pelos meios de comunicação social no país, o Kuduro não. Era um estilo marginalizado, associado à delinquência juvenil nas zonas suburbanas. O quê que lhe levou a apostar num estilo “marginalizado”?

Tive o prazer de presenciar o power dos Lambas na venda do disco do dj Zinobia, que eu tinha feito a capa. De repente, vi uma multidão a seguir alguém e perguntei: mas quem é aquele gajo que está aí a levar todo o mundo? Concluí que eram aqueles putos de que o Pitta me tinha contado. Então, disse p’ra mim-vou apostar, vou pôr toda a massa que eu tenho, vou pôr nisso aí. E por caso, pus todo o budget que eu tinha reservado e apostei neles e tivemos enchentes de venda que nunca ninguém contava.

Apostei nos Lambas, porque o Kiduro tinha muito mais a ver com o rap americano do que os próprios rappers daqui. O rap aqui era muito soft, dos betinhos. Mas o Kuduro era dos gajos que vinham mesmo dos guetos.

Hochi Fu: “Apostei no Kuduro porque o Rap aqui era muito soft, dos betinhos”

Levanta uma questão interessante o da identidade. Até que ponto a identidade é importante para um artista que queira singrar?

É importante que o artista crie a sua marca e viva daquilo e faça com que as pessoas procurem por esta marca, procurem se encaixar nisso. Não deve ser o artista a se encaixar na marca dos outros. Por exemplo, n’Os Lambas, eu vi que eles tinham aquele ar de hard boys, de bad boys, eu decidi pegar naquilo, limpar, mas continuar com a mesma coisa. Continuaram a ser hard, a vestir as mesmas coisas. Mas, claro, roupas melhores, cabelos melhores, mais organizados…

É importante sempre estabelecermos um diferencial, porque se o artista não tem marca, torna-se semelhante a qualquer um, uma cobaia apenas, “vai com tudo”.

Quer dizer que foi o responsável pela transformação d’Os Lambas.

Os Lambas eram os Demónios do Sambizanga, que era uma marca que eu como Hochi Fu não quis levar. Não quis levar a fama tipo-esse é o gajo que lançou os Demónios. Eu sou uma pessoa de Deus, uma pessoa que crê, então disse vamos tirar Os Demónios e fica só Os Lambas. E depois vi que Estado Maior do Kuduro é um bom título para o álbum, porque é algo imponente. Nós temos uma marca de poder, de power, de tropa, de general. Temos aí o Nagrelha a forma como se apresenta e eu com roupas militares e carros militar…

Na terceira e última parte da entrevista, o produtor e realizador fala sobre sonhos, prémios, altos e baixos na carreira e faz várias revelações inesperadas.

as cargas mais recentes

Nova Energia distingue “Doutores” da música

há 7 meses
Os músicos Joãozinho Morgado (Percussão), Boto Trindade (Guitarra) e Teddy Nsingui (Guitarra) foram homenageados sábado, no encerramento da sétima temporada do Show do Mês.

Cage One: “Sempre fui mal compreendido por ser diferente, agora estou a mostrar que estava certo”

há 9 meses

Lil Wayne decepciona fãs ao apoiar Donald Trump nas eleições

há 9 meses
Embora a maioria do meio artístico demonstre total repúdio por Donald Trump, o artista de New Orleans não pareceu ter se intimidado com possíveis criticas e boicotes por se posicionar ao lado dele.

Novo álbum de Keita Mayanda sai esta sexta-feira

há 8 meses
O disco intitula-se “7 Momentos De Lucidez” e pode ser consumido a partir desta sexta-feira, 4 Dezembro, na plataforma Soba Store. Depois disso, estará também disponível noutros meios digitais, além da edição física.

Barack Obama escolhe as melhores músicas de 2020

há 7 meses
A semelhança dos anos anteriores, Barack Obama partilhou uma playlist com as canções de que mais gostou em 2020.

Manhãs do Rap homenageia Mestre Ngadiama Wacambasonhi e Mestre Nanhi Wanguimono

há 1 mês
“Manhãs de Rap, faz e traz bom Rap!” é o lema do evento que virou marca no movimento Hip Hop, idealizado por Apelação (In Memoriam), T.O, Ti João e Sobrevivente, o mesmo teve início em 2012, no Rocha pinto.

Megan The Stallion é eleita a rapper do ano pela GQ

há 8 meses
A rapper está numa das três versões da capa da revista ao lado de George Clooney e Trevor Noah. Na entrevista, The Stallion fala sobre crescer cercada por mulheres negras fortes em Houston e os desafios que todas enfrentaram.

A partir de agora artistas e autores angolanos já podem ganhar com Tik Tok, Spotify, Apple Music ou BoomPlay

há 2 meses
A monetização dos direitos autorais para compositores, artistas, autores e publisher angolanos resulta de um acordo rubricado no mês de Maio entre a SADIA e as respectivas plataformas digitais de streaming.

É oficial, `The Old Guard´ terá sequência

há 1 ano
`The Old Guard´chegou à Netflix neste fim de semana, e foi um dos filmes mais assistidos desde então. Protagonizado por Charlize Theron, o filme de acção é uma adaptação da HQ homónima de Greg Rucka, que possui cinco volumes. Isso explica o final aberto do filme que, segundo a Directora Gina Prince-Bythewood, pode sim ter uma sequência.

Morreu Sean Connery, actor do “Agente 007” e “O Nome da Rosa”

há 9 meses
Sean Connery é considerado o actor que melhor interpretou o Agente 007 da saga James Bond. O escocês protagonizou o filme por seis vezes. Morreu esta noite aos 90 anos, em Nassau, Bahamas.

Conheça Triple Star C, o músico nigeriano que decidiu fazer carreira em Angola

há 10 meses
O seu sucesso começou na Nigéria, pisando palcos com artistas como Davido, para além de actuar em festivais na África do Sul, Gana e RDC. Mas é em Angola que Triple Star C quer fazer a carreira E, aos poucos, vai ganhando título de promotor e representante do Afro Naija em Angola.

Ministério Público acusa equipa médica de homicídio doloso de Diego Maradona

há 2 meses
De acordo com notícias, o agravamento das acusações está ligado à publicação, no início de Maio, de um relatório da perícia, que concluiu que Maradona tinha sido “abandonado à própria sorte” pela equipa de saúde, cujo tratamento “inadequado, deficiente e temerário” levou a uma agonia lenta.

Esta é a Nossa Memória: Dipanda é celebrada na TPA com a exibição de 5 documentários

há 9 meses
A Associação Tchiweka de Documentação e a Geração 80 em parceria com a TPA, a sesc digital e mostra de cinemas africanos celebram o mês da independência de Angola com exibição de 5 documentários.

Nsoki lança música motivacional e junta figuras públicas no clipe

há 10 meses
Com objectivo de estimular as pessoas, por causa da pandemia do Covid-19, a cantora Nsoki gravou uma música motivacional intitulada “Mundo é teu”, cujo vídeo clipe conta com a participação de várias celebridades.

Dia da Criança Africana é assinalado com tarde cultural na Fundação Arte e Cultura

há 1 mês
Alunos das Escolas de Música e de Arte da Fundação Arte e Cultura protagonizam tarde cultural no Dia da Criança Africana.

Show do Mês adia concerto ‘Vozes de Março’

há 1 ano