Irina Vasconcelos: “O nosso rock lá fora já é conhecido”

Em Angola, o Rock é cultivado desde os anos 60 através d’ Os Kríptons e Brucutus e foi se firmando com os Café Negro, Nvula e Black Soul. Hoje, evolui com os Ovelha Negra, Kishi e  Kozmik. Apesar do reconhecido papel na consciencialização do homem, no país o Rock ainda é marginalizado. Irina Vasconcelos apresenta à Carga o verdadeiro ponto de situação do estilo no Dia Internacional do Rock. A Rainha do Rock angolano fala das suas experiências como impulsionadora do movimento e recomenda…

O Rock entra em Angola na década de ’60 com os Rocks, Vum Vum, Os Kríptons e Os Brucutus. De lá para cá o quê que mudou?
Novos angolanos foram nascendo. Existem ene jovens no país que adoram rock ultimamente mais ligados ao Heavy Metal feito cá.

Com o nascimento de bandas como Café Negro (que ajudou a fundar), Tiranuz, Ovelha Negra ou Kishi observou-se uma mudança de paradigma. Como caracteriza este período?
A banda Café Negro, depois de termos ganho o Angola Music Awards em 2014, foi o impulsionar da minha carreira a solo. As restantes bandas Tiranuz e Ovelha Negra são bandas de que gosto bastante, são jovens com garra e a suas sonoridades dark e letras muito me cativam. Já tive o prazer de produzir alguns concertos deles e assistir… A banda Kishi tem tudo para dar certo. O mote é continuar a produzir por via da qualidade para inspirar outros.

E como descreve o actual estado do Rock no país?
Existem bandas novas que financiam seus próprios projectos, como é o meu caso, e assumem as suas formas sem quaisquer preconceitos e o seu público gosta. Há que criar mais canais de divulgação a nível nacional, pois o nosso rock lá fora já é conhecido nomeadamente no Brasil, Portugal, South Africa…

Quando bandas como Black Soul é nomeada para o Angola Music Awards ou Nvula a ser reconhecida no AFRIMA, quer dizer que aos poucos o movimento vai se firmando?
Com certeza. E fiquem atentos à Banda Kozmik eles irão levar-nos longe.

O que acha que tem faltado para o firmamento definitivo do estilo?
Na verdade, o movimento de rock está aí e firme. Já se firmou.Talvez falte apoio de algumas divulgadoras de rádio em abraçar novamente este estilo.

Neste quesito, parece que as rádios, jornais e televisões desempenham papel crucial?
Fica a oportunidade para congratular as rádios RFM, LAC, Rádio Mais, Jornal OPaís, o Jornal de Angola e vocês por se permitirem celebrar connosco este estilo.

O que o movimento podia fazer para ajudar os meios de comunicação a promoverem o estilo?
Eu trabalhei em alguns festivais, pois sou igualmente directora de arte e reparei que sofremos bastante no passado com a corrupção, ter de  pagar para que os sons passassem em algumas divulgadoras. Não foi só o rock que sofreu, mas outros estilos feitos em Angola também. O que o movimento sempre fez foi partilhar o nosso e romper barreiras.

Urge a necessidade de Luanda acolher festivais como o Rock In Rio Catumbela ou o Lalimwe Eteke Ifa. Até que ponto isso não dificulta a expansão do movimento?
Em Luanda ocorrem os eventos mais pequenos em bares, pois é onde está concentrado o maior número de fazedores. Não obstante as dificuldades para que nos cedam espaços caros em Luanda. Então, os festivais vão ocorrendo mais por outras províncias e há anos. O espectacular é ser de entrada livre os outros governadores talvez devem arriscar, pois é maravilhoso ver milhares de pessoas em fenómeno solidário rugindo rock.

Se por um lado, houve multiplicidade de bandas, por outro, bandas como Fios Eléctricos, Velório, Necrotério Vazio ou Via Sacra desapareceram. Como se podia evitar isso?
Estas são ou foram as bandas mais corajosas. Eu lembro-me da primeira vez que ouvi Fios Eléctricos, o meu coração parou. Sou amiga do vocalista e penso que é chegada a altura de vocês levantarem o som deles passem nas rádios entrevistem-nos todos eles foram e são uma inspiração o nosso sucesso é deles.

Amanhã, 13, é o Dia Internacional do Rock em memória ao Live Aid de 1985. O que preparou para esta data?
Este ano, tenho o meu álbum a solo para partilhar em celebração. Kai-Filhos do Mar- é um álbum que já chegou via Internet, dada a covid-19, a países como Alemanha, França, Índia, Itália, África do Sul, Namíbia e Brasil, Portugal e o objectivo é continuar.

Para além dos ideais de liberdade e irmandade, o rock é psicadélico. Como é que o estilo nos ajudaria a enfrentar um momento como este, o do Covid-19?

A consciencialização e prevenção são o mote para todos nós. Há poucos dias em parceria com a VOA, Voice Of América, deixei uma mensagem trabalhada sobre como nos devemos prevenir. O confinamento é a altura ideal para lermos um livro ou finalizarmos aquela pesquisa. Mas a música rock é alimento do intelecto, pelo que recomendarei sempre Scorpions, Sting, Janis Joplin, BB King, Block Party…

Em que tem estado a trabalhar ultimamente?
Depois de ter criado o Etimba Festival, um festival de músicas do mundo com três edições, mudei-me para Zâmbia, onde vivo com a família. Hoje, desenvolvo conteúdos de TV em português e inglês, foi uma área onde já trabalhei na altura. Interrompi para seguir carreira da música, mas agora de volta à concepção.Também estamos a preparar a minha participação em festivais. Tínhamos quatro fechados para este ano, mas retardou-se tudo para 2021.

as cargas mais recentes

Músicos brasileiros expulsos das Forças Armadas por causa das mensagens das suas letras

há 2 anos
O Ministério da Defesa do Brasil expulsou dois rappers da corporação. Big Bllakk, tido como uma das vozes promissoras do rap brasileiro, e Patriick, da Facção Poética, foram expulsos das Forças Armadas por causa das mensagens das suas letras.

Escritos de Luís Mendonça seleccionados para integrar “antologia africana”

há 11 meses

Após estreia de documentário sobre a cantora, caso “Britney Spears” volta ao tribunal

há 2 anos

Designer desvenda caracterização de The Weeknd no vídeoclipe ‘Save your tears’

há 2 anos
Lançado há pouco menos de uma semana, “Save Your Tears”, mostra The Weeknd a remover as bandagens que vinha usando durante a era “After Hours”.

Brian May, integrante dos Queen, eleito o melhor guitarrista de todos os tempos

há 2 anos
Para a mesma nomeação estavam as lendas Eric Clapton, Jimmy Page, Jimi Hendrix e Eddie Van Halen. Ao reagir à votação, May emocionou-se e confessou que não se via nem sequer no Top 3 dos melhores guitarristas.

Opinion makers participam de `Masterclass´ sobre “Construção e Gestão de Marcas”

há 2 anos
O evento denominado Masterclass vai decorrer no formato virtual, através da plataforma Zoom, facilitando assim o acesso de todos os interessados na matéria.

Njila Yami: Nelo Carvalho apresenta “toda a sua angolanidade” em novo álbum

há 7 meses
Diferente de “Encontros”, “Reencontros” e “Las Voces e Los Cantos”, o novo álbum de Nelo de Carvalho traz apenas um tema partilhado com Prince Wadada, no estilo reggae. Reúne composições de Paulo Flores, Carlos Baptista, Paulo Abreu de Lima, Alberto Monteiro “Beto” e Armindo Monteiro “Mindo”.

Desengane-se, liberdade provisória não foi concedida a R. Kelly

há 1 ano
Foi ontem posta a circular no Twitter, uma foto que deu azos a especulações, sobre a possível soltura de R. Kelly, o que não corresponde a verdade. O artista continua no Metropolitan Correctional Center de Chicago, onde permanecerá até ser julgado.

Matias Damásio produz novo álbum de Edmazia

há 2 anos
Segundo a cantora, que prestou essa informação, o trabalho encaminha-se para o final e no próximo ano estará disponível para os fãs.

Mundo lusófono conta com plataforma para rádios online e podcasts

há 10 meses
Com objectivo de promover as rádios online e podcasts, a plataforma “Rádio Play” foi ao ar oficialmente ontem (segunda-feira), estando disponível para todos os falantes de língua portuguesa.O espaço surge para colmatar o défice de podcasts e incentivar a sua produção nas rádios lusófonas, particularmente nos países como Angola, Cabo Verde, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Guiné-Bissau.

Slash Stana cria plataforma de debates sobre temas pertinentes no Rap Game

há 2 anos
Denominada “Meus Niggas”, surge no intuito de suprir a lacuna que existe no meio “hipopeano”, no que toca a debates. Ao lado de figuras com legitimidade, Stanna traz ao de cima problemáticas que afectam muitos rappers.

Justiça brasileira determina que Fundação Palmares retire do site artigos que atacam a figura de Zumbi

há 2 anos
Na sua conta do Twitter, Sérgio Camargo, presidente da Fundação afirmou, por conta desta determinação, que “a Fundação Cultural Palmares está sob censura”. Na decisão, a juíza ressalta que a permanência dos artigos “viola o direito à identidade, acção e memória da comunidade negra”, e prevê a multa diária de multa diária equivalente a 108 milhões de Kwanzas, informou o G1.

Kalibrados actuam amanhã no `Notas Soltas´

há 2 anos
O evento que acontece habitualmente às quartas, vai excepcionalmente realizar um “Brunch Edition”, em vésperas do dia da Dipanda cujos convidados são os Kalibrados.

A Minha Luanda: Artistas plásticos homenageiam a cidade de Luanda na data do seu 446º aniversário 

há 8 meses
No dia em que se celebram os 446 anos de Luanda, e em homenagem à Cidade Capital, foi inaugurada no InterContinental Luanda Miramar, a exposição de arte “A Minha Luanda”.

Angola Music Awards: Vencedores serão conhecidos este mês

há 12 meses
A gala de tribuição dos prémios do Angola Music Awards acontece já no próximo dia 22 de Outubro, no Centro de Conferências de Belas, em Luanda.

Vírus Inesperado: Filme de produção angolana é premiado em Londres

há 2 anos
O filme “Vírus Inesperado”, uma co-produção entre Henrique Sungo (produtor) e o santomense Felipe Anjos (editor), fala sobre o impacto do novo coronavírus na comunidade Palop no Reino Unido.