Irina Vasconcelos: “O nosso rock lá fora já é conhecido”

Em Angola, o Rock é cultivado desde os anos 60 através d’ Os Kríptons e Brucutus e foi se firmando com os Café Negro, Nvula e Black Soul. Hoje, evolui com os Ovelha Negra, Kishi e  Kozmik. Apesar do reconhecido papel na consciencialização do homem, no país o Rock ainda é marginalizado. Irina Vasconcelos apresenta à Carga o verdadeiro ponto de situação do estilo no Dia Internacional do Rock. A Rainha do Rock angolano fala das suas experiências como impulsionadora do movimento e recomenda…

O Rock entra em Angola na década de ’60 com os Rocks, Vum Vum, Os Kríptons e Os Brucutus. De lá para cá o quê que mudou?
Novos angolanos foram nascendo. Existem ene jovens no país que adoram rock ultimamente mais ligados ao Heavy Metal feito cá.

Com o nascimento de bandas como Café Negro (que ajudou a fundar), Tiranuz, Ovelha Negra ou Kishi observou-se uma mudança de paradigma. Como caracteriza este período?
A banda Café Negro, depois de termos ganho o Angola Music Awards em 2014, foi o impulsionar da minha carreira a solo. As restantes bandas Tiranuz e Ovelha Negra são bandas de que gosto bastante, são jovens com garra e a suas sonoridades dark e letras muito me cativam. Já tive o prazer de produzir alguns concertos deles e assistir… A banda Kishi tem tudo para dar certo. O mote é continuar a produzir por via da qualidade para inspirar outros.

E como descreve o actual estado do Rock no país?
Existem bandas novas que financiam seus próprios projectos, como é o meu caso, e assumem as suas formas sem quaisquer preconceitos e o seu público gosta. Há que criar mais canais de divulgação a nível nacional, pois o nosso rock lá fora já é conhecido nomeadamente no Brasil, Portugal, South Africa…

Quando bandas como Black Soul é nomeada para o Angola Music Awards ou Nvula a ser reconhecida no AFRIMA, quer dizer que aos poucos o movimento vai se firmando?
Com certeza. E fiquem atentos à Banda Kozmik eles irão levar-nos longe.

O que acha que tem faltado para o firmamento definitivo do estilo?
Na verdade, o movimento de rock está aí e firme. Já se firmou.Talvez falte apoio de algumas divulgadoras de rádio em abraçar novamente este estilo.

Neste quesito, parece que as rádios, jornais e televisões desempenham papel crucial?
Fica a oportunidade para congratular as rádios RFM, LAC, Rádio Mais, Jornal OPaís, o Jornal de Angola e vocês por se permitirem celebrar connosco este estilo.

O que o movimento podia fazer para ajudar os meios de comunicação a promoverem o estilo?
Eu trabalhei em alguns festivais, pois sou igualmente directora de arte e reparei que sofremos bastante no passado com a corrupção, ter de  pagar para que os sons passassem em algumas divulgadoras. Não foi só o rock que sofreu, mas outros estilos feitos em Angola também. O que o movimento sempre fez foi partilhar o nosso e romper barreiras.

Urge a necessidade de Luanda acolher festivais como o Rock In Rio Catumbela ou o Lalimwe Eteke Ifa. Até que ponto isso não dificulta a expansão do movimento?
Em Luanda ocorrem os eventos mais pequenos em bares, pois é onde está concentrado o maior número de fazedores. Não obstante as dificuldades para que nos cedam espaços caros em Luanda. Então, os festivais vão ocorrendo mais por outras províncias e há anos. O espectacular é ser de entrada livre os outros governadores talvez devem arriscar, pois é maravilhoso ver milhares de pessoas em fenómeno solidário rugindo rock.

Se por um lado, houve multiplicidade de bandas, por outro, bandas como Fios Eléctricos, Velório, Necrotério Vazio ou Via Sacra desapareceram. Como se podia evitar isso?
Estas são ou foram as bandas mais corajosas. Eu lembro-me da primeira vez que ouvi Fios Eléctricos, o meu coração parou. Sou amiga do vocalista e penso que é chegada a altura de vocês levantarem o som deles passem nas rádios entrevistem-nos todos eles foram e são uma inspiração o nosso sucesso é deles.

Amanhã, 13, é o Dia Internacional do Rock em memória ao Live Aid de 1985. O que preparou para esta data?
Este ano, tenho o meu álbum a solo para partilhar em celebração. Kai-Filhos do Mar- é um álbum que já chegou via Internet, dada a covid-19, a países como Alemanha, França, Índia, Itália, África do Sul, Namíbia e Brasil, Portugal e o objectivo é continuar.

Para além dos ideais de liberdade e irmandade, o rock é psicadélico. Como é que o estilo nos ajudaria a enfrentar um momento como este, o do Covid-19?

A consciencialização e prevenção são o mote para todos nós. Há poucos dias em parceria com a VOA, Voice Of América, deixei uma mensagem trabalhada sobre como nos devemos prevenir. O confinamento é a altura ideal para lermos um livro ou finalizarmos aquela pesquisa. Mas a música rock é alimento do intelecto, pelo que recomendarei sempre Scorpions, Sting, Janis Joplin, BB King, Block Party…

Em que tem estado a trabalhar ultimamente?
Depois de ter criado o Etimba Festival, um festival de músicas do mundo com três edições, mudei-me para Zâmbia, onde vivo com a família. Hoje, desenvolvo conteúdos de TV em português e inglês, foi uma área onde já trabalhei na altura. Interrompi para seguir carreira da música, mas agora de volta à concepção.Também estamos a preparar a minha participação em festivais. Tínhamos quatro fechados para este ano, mas retardou-se tudo para 2021.

as cargas mais recentes

Bola de Ouro 2020 não será atribuída a nenhum jogador

há 6 meses
A France Football anunciou hoje que a Bola de Ouro 2020 não será atribuída, por “circunstâncias excepcionais, uma decisão que acontece pela primeira vez desde 1956.

Chris Rock tentou convencer Cardi B a desistir da música para apostar na comédia

há 4 meses
Numa conversa com Jimmy Fallon, na última semana, num canal televisivo, o actor de 57 anos revelou que quis fazer uma série de humor com Cardi B, quando a rapper ainda não era conhecida.

Produtores de Afro House mais requisitados da actualidade revelam hegemonia no`Desfile de hits´

há 6 meses
A Carga apresentou ontem os maiores produtores de Afro House do país. Durante o Repertório, ficou-se a saber que Vado Poster e Dj Habias produziram sucessos como “Lhe Traíram” (Os Moikanos), “Tic Taá” (Scro Q Cuia e Nerú Americano), “Wamona” (Nagrelha e Puto Prata), “Kapota” (Noite e Dia) e tantos outros descritos abaixo.

CombinaSons ultima preparativos para o primeiro Show Live

há 2 meses
A Produtora CombinaSons, encabeçada pelo rapper Enock, vai realizar no próximo dia 29 de Novembro, as 15 horas, o primeiro Show live.

Kanye West acusado de “desrespeitar o Islão” com a sua colecção de ténis

há 5 meses
Yeezy Boost 350 v2 tornou-se tão popular que a Adidas não consegue desistir dele. Mantém a popularidade sem esforço, através dos anos e ganhou muitos modelos novos como a Asriel, que será apresentado oficialmente dentro de dias e que está a ser acusado de desrespeitar o Islão.

FILA lança nova colecção de ténis para homenagear primeiro álbum de Notorious B.I.G

há 8 meses
Para homenagear o 25.º aniversário de “Ready To Die”, álbum de estreia de Biggie, a FILA anunciou o lançamento de uma nova colecção de ténis “FILA x Biggie”, com cores característicos da referida obra.

Preto Show apresenta novo álbum online

há 10 meses

Rei da Kizomba “is back”

há 11 meses
Em Maio vem “bomba”, ou seja mais uma, porque o Marechal, recentemente promovido, assim nos habituou.

Sinead O’Connor queixa-se nas redes sociais: “Estou a morrer de fome”

há 3 meses
A cantora padece de agorafobia e recorreu às redes sociais está semana, para falar sobre a luta contra o transtorno de ansiedade que a deixa com medo de sair de casa.

Dybala testa positivo pela quarta vez

há 9 meses

Papekas analisa a própria carreira em novo single

há 3 meses

Fundação Arte e Cultura reforça apoio à formação artística durante o confinamento

há 6 meses
Cem pessoas entre crianças e adolescentes, da Ilha de Luanda, bairro Casas Novas, sector Ponta, começaram a receber nesta semana manuais de apoio para a formação artista.

Música de Matias Damásio “substitui” hino dos 45 anos da Independência

há 2 meses
A música “Amar Angola” de Matias Damásio está, desde 12 de Novembro, a abrir o informativo da Televisão Pública da Angola “Bom Dia” Angola, um espaço antes ocupado pelo hino dos 45 anos da nossa independência.

DJ Malvado: “Os lives têm ajudado, mas as festas com o calor e a vibração humana fazem parte da inspiração do artista no show”

há 4 semanas
A comemorar 28 anos de carreira, Malvado, revela numa breve entrevista com a Carga, qual é o elixir para a longevidade da carreira e vaticina que “quando és original e tens identidade as coisas fluem muito melhor”.

Surgimento da Carga Magazine em destaque no “Mambos Hip Hop da Banda”

há 4 dias
Apresentado por Dino Cross e Cládio Bantu, o espaço especializado em Hip Hop abordou os temas de maior impacto no ano findo, tendo incluído o Magazine da Música como uma boa surpresa, agora num novo formato.

Netflix anuncia produção de documentário sobre Emicida

há 3 meses
Intitulado ‘Amarelo – É tudo para ontem’, contém entrevistas e cenas de bastidores, de um show no Theatro Municipal de São Paulo em 2019.