Isis Hembe promove liberdade de expressão com concertos grátis de Hip Hop nas ruas

O artista está a desenhar uma nova era para rap alternativo angolano. Sua abordagem foge dos padrões e estereótipos que caracterizam esta vertente específica do Rap. 

Sempre quis ser artista, sua carreira começou aos 14 anos. O rapper propõe uma narrativa mais actualizada para o Hip Hop nacional, porque entende que as pessoas de ontem não são as mesmas de hoje.

Recentemente, lançou “O Escrivão Solar”, um projecto que sucede seu álbum de estreia “Prazer, Isis Hembe” e traduz as aspirações mais profundas dos homens a partir das experiências do autor, colocando-o no grupo dos atrevidos do rap game. 

Em companhia de amigos, Isis lançou um projecto cívico que visa inspirar a participação das pessoas na vida pública por meio das artes. Denominado “Vosi Yetu”, ‘Todos Nós’, do Umbundu, a iniciativa de “Microfone Aberto Itinerante” promove a liberdade de expressão e direitos humanos e está a devolver o Hip Hop às ruas. 

Isis Hembe promove liberdade de expressão com concertos grátis de Hip Hop nas ruas

Fale-nos um pouco de si e da sua música. Em que circuntancias decide ser artista?

Foi uma decisão que se deu de forma gradual, uma vez que as artes não são um mercado estável a nível de sustentabilidade financeira, cá em Angola. Eu desde os 14 anos soube que queria ser músico, mas daí até o momento de me munir de consciência e força para contrariar as expectativas foi um processo mais ou menos longo que até hoje se actualiza. Em outras palavras, a cada música, a cada apresentação que toca uma pessoa, vou confirmando que esse é o meu modo de actuar no mundo. Mas, há três anos, as coisas foram se tornando mais tangíveis profissionalmente, com uma série de shows que fiz e o lançamento do álbum “Prazer, Isis Hembe”.

Fruto desse percurso, lançou um álbum e um LP. Como é que resume a sua presença no Hip Hop angolano?

Sou um artista emergente do circuito underground do rap angolano. Que já tem muito tempo disso, mas que só agora está a se tornar conhecido do grande público, de forma orgânica. À medida que vou me explorando como artista, vou vendo muitas possibilidades de me expressar. Isso quer dizer que, sinto que tenho ainda muito a oferecer a nível criativo. Espero concretizar essa expectativa.

Descreve o seu álbum “Prazer, Isis Hembe” como uma obra sem padrão único e que desenha a nova fase do rap alternativo angolano. Porquê diz isso?

Porque, em meu entender, fujo um pouco do estereótipo do mc underground no mercado nacional a nível de exploração de temas e tipo de humores que um artista desse nicho normalmente é catalogado a ter. E, também, represento a tentativa de criar uma narrativa actualizada ao contexto actual. Embora as vivências sejam as mesmas, as pessoas não são as mesmas. Eu me posiciono no lugar dos atrevidos, que tentam traduzir as aspirações profundas das pessoas na actualidade, a partir das minhas próprias aspirações.

Por que razão acha que o rap alterntivo devia observar uma nova narrativa?

Porque devemos honrar os nossos heróis e mestres do underground. Todo o mestre de verdade quer ver que aqueles que inspirou se tornaram em pessoas autónomas o suficiente para fazerem a sua própria caminhada, desde que não se esqueça da história. É importante que alguém se proponha a descobrir mais caminhos.

Na última semana, fez sucesso nas redes sociais com a apresentação ao vivo do tema ‘Harakiri’. O que lhe motivou fazer aquela apresentação com banda e ao ar livre?

A apresentação ao vivo faz parte de um projecto cívico para inspirar a participação das pessoas na vida pública por meio das artes. O projecto chama-se “Vosi Yetu”, que é uma expressão em Umbundu que quer dizer ‘Todos Nós’. Naquele ambiente que nós chamamos ‘Bungula Session’, queremos nos apropriar da nossa cidade e promover a liberdade de expressão e direitos humanos, nas comunidades. Eu não estou lá sozinho. Existe a banda “Vosi Yetu” e o actor Cláudio Kimahenda, sem falar dos artistas de cada localidade que se decidem juntar a nós. A modalidade do evento é um “Microfone Aberto Itinerante”. Qualquer artista que quiser participar de um evento específico, basta ficar atento ao perfil ‘eufaradai’ no Instagram

Acha que é esta a via que o Hip Hop deveria ser levado às pessoas hoje em dia?

Eu não acredito em fórmulas universais. Mas o Hip Hop é, historicamente, uma cultura de rua. É lá onde está a força e alma dessa cultura.

É uma forma de devolver o Hip Hop às ruas… 

As manifestações artísticas da cultura Hip Hop começaram nas ruas. Grafiteiros, b-boys e b-girls, mcs e djs ocuparam as ruas para que pudessem passar a sua criatividade. O Hip Hop é o que é por causa disso: comunicar com as comunidades e se deixar actualizar por elas. Então, qual lugar melhor que a rua para interagir com as pessoas?

Em que está a trabalhar neste momento e quando pretende tornar públicos seus novos projectos?

Acabei de participar em álbuns de muitos artistas, inclusive, internacionais. Não sei quando vão sair as coisas, mas logo verão meu nome em muitos projectos por aí. O meu mais recente projecto, O Escrivão Solar, é de Maio desse ano. Embora vivamos numa era que as coisas expiram rápido, sinto que ainda tem muita vitalidade, por isso, pretendo explorá-lo mais. No entanto, vou lancar três singles de surpresa a qualquer momento.

Que experiências boas ou más terá vivido ao longo da carreira que hoje lhe servem de motivação?  

Eu acredito que as experiências podem ser ressignificadas. Por exemplo, já fui muitas vezes impedido de expor o meu talento em algumas plataformas ou por questões financeiras ou por ser desconhecido. Isso poderia ser uma experiência má, se não me fizesse acreditar, posteriormente, que o que tenho serve para fazer o necessário. Nesse caso, falo da inspiração e criatividade. Trabalhei com os meios que tenho e hoje estou aqui a dar entrevista na Carga. Não quer dizer que tenha escalado grande coisa, mas tou muito confortável com o resultado que tenho alcançado nessa caminhada. Então, as experiências não são necessariamente boas ou más. Eu tento ressignificar o que me acontece em favor de mais criatividade e motivação.

Quem é Isis Hembe fora da música?
Essa é a pergunta mais difícil. Eu me vejo como uma pessoa de fácil trato, que ri muito fácil e um grande piadista. Tou sempre a falar lixo

as cargas mais recentes

Lançado há pouco menos de um ano, “O Sucesso a um Passo” já conquistou leitores internacionais

há 2 anos
Já foi vendido um total de 1.275 exemplares entre Angola, Portugal e Brasil do livro cuja autoria pertence a Januário Guimarães. A publicação de auto ajuda profissional estimula o desenvolvimento de atitudes, habilidades e comportamentos necessários no âmbito profissional.

Prodígio e Gilmário Vemba juntam-se a Benzema como embaixadores de um banco Europeu

há 2 anos
A representar os PALOP, os dois angolanos juntam-se a mais de duzentos nomes ligados à música, à moda e aos desportos vindos dos cinco continentes.

Sexta farta: De Alicia Keys a Jacob Desvarieux, confira os lançamentos de hoje

há 7 meses
As sextas-feiras têm sido o dia de eleição de alguns artistas para “liberar” projectos novos, ou apenas faixas para a manutenção da carreira. Como tem sido da praxe, as plataformas de streaming receberão novos trabalhos esta sexta-feira, desta vez com os artistas Alicia Keys, Rick Ross, Jacob Desvarieux e Daniel.

De Viana para Angola inteira: Anny Gonçalves, a nova revelação da música angolana

há 10 meses
Anny Gonçalves é um talento que a pandemia ajudou a revelar. A cantora destaca-se nos estilos Soul Music e Kizomba. Embora passe por despercebida aos olhos de muitos, vai conquistando o seu espaço. É ela a intérprete da trilha sonora do filme 2 Mundos, produzido por Hochi Fu.

Artistas defendem que, se não existe um mercado de música Gospel em Angola é por causa dos que diziam “vender música Gospel é vender a Palavra de Deus”

há 2 meses
Apesar de as estatísticas apontarem para 80 por cento o número de pessoas cristãs no país, dificilmente os artistas gospel conseguem vender 5 mil cópias, um problema atribuído à fraca cultura musical dos crentes, por um lado, e por causa da falta de educação musical dos angolanos, consideraram, os fazedores do estilo, numa recentemente entrevista à Carga.

Noite dos Óscares: Will Smith esbofateia Chris Rock, cai em lágrimas e pede desculpa à Academia

há 3 meses
A noite do anúncio dos vencedores à 94.ª edição dos Óscares, em Los Angeles, ficou manchada depois de o apresentador do evento, Chris Rock, ter lançado uma piada sobre a careca de Jada Pinkett Smith, que apareceu com a cabeça raspada 0°.

Cerca de 70 mil fãs assinam petição para remover Kylie Jenner do videoclipe Wap

há 2 anos
As razões para a aversão, têm sido relactadas pela imprensa internacional como uma consequência do episódio que aconteceu no princípio deste ano, quando Kylie foi acusada de apropriação cultural.

O Semba e a coroa da discórdia

há 1 ano
O ministro da Cultura, Ambiente e Turismo, Jomo Fortunato, cometeu uma das maiores gafes do seu mandato, ao coroar o músico Eddy Tussa como príncipe do Semba, sem antes definir os critérios para o efeito.

Conheça os 10 jovens músicos mais ricos do Reino Unido

há 1 ano
Na habitual publicação anual dos músicos mais ricos do Reino Unido, o lendário dos Beatle, Paul McCartney, está no topo, com uma fortuna total de 820 milhões de Euros ( mais de 600 bilhões de Kwanzas), sendo que Ed Sheeran lidera a lista dos jovens artistas mais ricos.

Eminem festeja 20º aniversário de “Marshal Mathers”

há 2 anos
O artista de “Lose Yourself” partilhou um vídeo no Instagram anunciando uma festa online marcada para 27 de Maio (quarta-feira), legendando o post com letras da sua música “I´m Back”.

Fãs criam petição para que o papel de Pantera Negra seja descontinuado

há 2 anos
Após a Morte do Actor Chadwick Boseman, os fãs criaram uma petição para que o actor não fosse substituído, mas que em compensação, outro personagem herde o manto do Pantera Negra e um dos nomes mais votados é o da Shuri, irmã do Rei T´Challa, cujo papel é interpretado por Letitia Wright.

Real Divas: Nasce hoje o projecto da nova girls band moçambicana

há 1 ano
O trio composto por: Dyna, Isa Manhique e Tawida Aly, apresenta-se hoje ao mundo, pela “mão” do Grupo Chiado como a mais nova banda do país da Marrabenta.

Anselmo Ralph cancela venda pública e opta pelo digital

há 2 anos
Dia 20, a partir das 17 horas, os fãs poderão adquirir de forma segura o novo CD, no formato digital, e desfrutar do sétimo trabalho discográfico do autor de Cupido.

Fat Joe vai lançar um livro sobre os momentos mais sombrios da sua vida

há 3 meses

The Game afirma que Eminem é seu novo alvo, pois 50 Cent já não sabe fazer Rap

há 2 meses
The Game mais uma vez disparou contra Eminem e 50 Cent em entrevista, desta vez o rapper Blood de Compton disse que não quis desafiar o 50 Cent para um Verzuz ou até para algumas ‘’diss’’ por conta que 50 Cent não sabe fazer Rap, noticiou o Z. Thugsta.

Kazuza, o Dj que virou “contador de sonhos”

há 1 ano
Da sua versatilidade saíram dois álbuns, um dos quais com participações de Daboless, Mister K, Dr. Romeu e Jay Lourenzo, mas é com mesa misturadora que Djkazuza quer atingir o apogeu. Na música há dez anos, o deejay apresenta-se como um dos principais promotores da música eletrónica no país.