Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

Descendente de uma família artísticamente rica, Emanuel de Carvalho Fernandes da Silva ou simplesmente Jackes Di, apresentando-se como um artista multifacetado, sendo exímio tocador de guitarra e também canta. No seu percurso e repertório, o artista é já referenciado pelas performances, onde faz jus a premissa de que “ao vivo sabe sempre melhor”, tirando sempre maior proveito dos recursos acústicos. Eclético, o filho de Nelo Paim, apresenta este mês o seu primeiro EP, intitulado ‘Tranversal’, cujas propostas musicais fazem juz ao título, contemplando a: tarraxinha, Afro Beat, Samba e World music. 


Não obstante ao facto de ser de uma família de artistas, a partir de que momento é que percebeu a sua veia musical?
Comecei a perceber a força que os sons tinham na fase em que comecei a conhecer-me como gente, e sem perceber ja era um pré-adolescente a fazer e sentir de forma intensa a música. 

Aos 14 anos começou a tocar violão e aos 15 a trabalhar com produção. Quais as melhores lições que tirou desta época?
A primeira e mais importante foi que o talento não é nada se não existir disciplina. Tive o privilégio de trabalhar com pessoas que admiro e muitas delas passaram-me esta visão.
Segunda: A auto-evolução depende da vontade de te condicionares ao desconforto e de te aliares aos mais experientes que tu. 
A terceira: só reforçou na prática a educação de casa e consequentemente deu-me grandes amizades, respeita o próximo sempre.

Foi neste momento que decidiu se profissionalizar?
Na verdade não foi uma decisão minha, dei por mim a fazer o que gosto e a ser remunerado por isso. 

Que peso teve o legado familiar nas suas decisões profissionais?

Encarei com leveza porque a pressão foi mais externa do que interna, a minha família sempre apoio as minhas decisões dentro e fora da música, mas teve o seu pendor. 

Já se imaginou a fazer outra coisa que não fosse música?
Por ser multifacetado dentro das artes, já me imaginei em vários ofícios, mas os que mais me identifico são Arquitetura, Cartoons e Animação. 
 
Onde se vê daqui a 5 anos?
Acredito e trabalho todos os dias com a ajuda do meu team para que esta seja a fase de internacionalizar o meu trabalho, e já com uma carreira solidificada no nosso país, Embora já nos seja mais fácil fazer as duas coisas, mas sonhar com cálculos é mais saudável. 

Quais as maiores dificuldades que tem encontrado para solidificar a carreira?
O maior problema que enfrentamos e acredito que seja transversal a todos é a  condição económica do país que o país enfrenta. Mas com a ajuda da minha Label e  produtora MINAMB RECORDZ encontra-se sempre as formas mais viáveis para ultrapassar os obstáculos. 
   
Do que é feito o seu repertório?
Considero o meu repertório versátil, por ser um viciado em música, a cultura é muito rica e gosto de viajar sem perder a “angolanidade” passando pela tarraxinha ao afro Beat, do samba ao World music… 

Quais são os artistas em que se inspira e quais as características que o “atraem”? 
Primeiro, Micheal Jackson pelas razões que todo mundo conhece, e segundo, Toty Sa`Med por ser um dos maiores músicos angolanos da geração 80, e por ser uma pessoa de uma aura forte e muito inspiradora. Acredito que sou um músico melhor hoje por existir um Toty em Angola.   

Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

Nas suas actuações ao vivo, trabalhou com um leque de artistas de renome. Considera indispensável este intercâmbio de ideias com outros artistas?
Extremamente indispensável, muito do que sou como músico hoje é também graças a músicos como, Yesha, Duc e Niko, Obie, Sari Sari, TRX, Totó, Dodó Miranda, Selda, Toty Sa`med e o por últimos e mais Influente Eduardo Paim, não só me abriram dimensões super diferentes de trabalho, como também luzes de fé e auto-confiança.

Quais os projectos que tem em carteira?
Este ano será um marco para a minha carreira porque vou disponibilizar o meu primeiro EP com o título ‘Transversal”. 

Que detalhes já pode avançar sobre o mesmo?
Quero anunciar exclusivamente que neste mês dia 20 vou disponibilizar a música promocional intitulada ‘Preta’ e algumas surpresas e a seguir entrar quentinho no verão e no dia 18 de Setembro sai o EP. 

Já agora, por quê Jackes Di?
Antes de ser Nelo Paim, o meu pai era o Jackes para os mais chegados, todo angolano tem o famoso nome de casa, e não foi diferente comigo, depois de um bom tempo a ser chamado Jaquito, o meu primo e mentor Pablo Di achou que eu devia ter um nome artísticos, então tirei o nome do meu pai do baú e limpei o pó, acrescentando o Di do meu primo, que é basicamente um nome de família “só para cuyar mais”, risos.

as cargas mais recentes

Saiba porquê que Beyonce disse ter “vergonha” da própria conta bancária

há 6 meses
O tema remonta para o ano 2007, sendo uma revelação feita na primeira pessoa, em entrevista à revista Rolling Stone.

Artistas brasileiros saem em protesto depois de Jair Bolsonaro ameaçar jornalista

há 8 meses
O presidente do Brasil ameaçou “encher” a cara de um jornalista do “O Globo” pelo facto do profissional ter questionado Jair Bolsonaro sobre os 89 mil que a primeira-dama da República terá recebido da Fabrício Queiroz entre 2011 e 2016.

Familiares de Pablo Escobar processam rapper 2 Chainz

há 10 meses
Os familiares de Pablo Escobar abriram um processo crime contra os restaurantes do rapper 2 Chainz localizados em Atlanta. A batalha judicial obriga o músico à indemnização de 10 milhões de dólares e proíbe-o de usar o nome do ex-barão da droga.

Killuanji reforça Rap Gospel com o single “Mama Iami”

há 5 meses
A frase “Mama Iami” que dá título ao single, é originária da língua nacional kimbundu e significa “Minha Mãe”, neste caso, o rapper se refere à sua terra, pela qual clama.

Show “Vozes de Março” homenageia Clara Monteiro, Dina Santos e Eduina Semedo

há 1 mês
Clara Monteiro, Dina Santos e Eduina Semedo serão homenageadas amanhã no Show do Mês as “Vozes de Março”, pelo contributo no desenvolvimento da música angolana.

Sábado à tarde sintonize Viana Cultural nos 92.8

há 8 meses
Viana Cultural é um programa de variedade e orientação musical emitido todos os sábados, das 15 às 20 horas, na Rádio Viana (92.8), grupo RNA. Está no ar desde 2008 e foi criado para promover actividades culturais do município e educar os jovens para a boa música.

Cinemas reabrem quarta-feira

há 8 meses
As salas de cinema, em Luanda, reabrem a partir de quarta-feira, seis meses depois do encerramento por conta da pandemia do Covid-19, informou a comissão multissectorial através de um decreto.

Sambizanga passará a contar com plataforma de promoção dos artistas

há 2 meses

Duetos N’Avenida regressa em formato televisivo com tributo a Carlos Burity

há 5 meses
O tributo à voz do Semba teve lugar ainda na sua na presença e contou com a dupla Gersy Pegado e Patrícia Faria.

Bú Cherry: Do Kuduro para Kizomba

há 4 meses
A cantora, se apresenta num formato diferente daquele que as pessoas acostumaram-se a vê-la. Nesta nova versão, Bú Cherry demonstra uma grande evolução musical, uma artista multitalentosa, que tenciona “tocar” corações.

Bella ciao, ciao, ciao: La casa de papel chega ao fim

há 9 meses
A season que começa a ser gravada amanhã, traz 10 episódios sem data de estreia avançada, onde os assaltantes terão que se desencurralar e para tal contarão com dois novos reforços, cujos papeis não foram ainda revelados.

Phathar Mak “pede” socorro

há 12 meses
O vídeo da nova música do rapper Phathar Mak, intitulada “Socorro”, estreia hoje na página do músico no Youtube. A música é um pedido de socorro a Deus, apelando a sua intervenção na salvação da humanidade, além de passar a mensagem de igualdade entre os seres humanos, de forma a deixar de lado o complexo de superioridade.

Projecto ‘Poetas do Bairro’ junta Rappers da New e Old School

há 11 meses
Poetas de Bairro é um projecto que passará a fazer com que a Velha e Nova Escola do Rap angolano cantem numa mesma música. Lizzy, Hustla King, Leonardo Freezy, Wilson Puma, Fkruma e Dj Sipoda vão estrear com um tema inédito intitulado “Infância”.

Prodígio: “Ser premiado em casa é sempre uma forma de lisonjeio, tem um sabor especial”

há 10 meses
Foi com a mixtape “O Alquimista” , em 2011, que Prodígio começou o sucesso. Na sequência, surgiram vários outros trabalhos, conquistou inúmeros prémios, o mais recente foi o de Melhor Artista de Rap. Em breve conversa com a Carga, o rapper de 32 anos manifesta os seus sentimentos em relação aos prémios e nomeações.

Dia da Consciência Negra: Globo celebra figuras históricas no programa ‘Falas Negras’

há 6 meses
“Falas Negras” tem no seu alinhamento textos históricos de célebres personagens de 1600 aos dias de hoje, pessoas que lutaram contra a escravidão, a segregação racial, o racismo e a intolerância.

Programa que memora a vida e obra de Amália estreia segunda temporada

há 4 semanas
Intitula-se Em Casa d’Amália e foi criado em alusão ao centenário da icónica fadista, em 2020, numa parceria entre a Fundação Amália Rodrigues e a RTP.