Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

Descendente de uma família artísticamente rica, Emanuel de Carvalho Fernandes da Silva ou simplesmente Jackes Di, apresentando-se como um artista multifacetado, sendo exímio tocador de guitarra e também canta. No seu percurso e repertório, o artista é já referenciado pelas performances, onde faz jus a premissa de que “ao vivo sabe sempre melhor”, tirando sempre maior proveito dos recursos acústicos. Eclético, o filho de Nelo Paim, apresenta este mês o seu primeiro EP, intitulado ‘Tranversal’, cujas propostas musicais fazem juz ao título, contemplando a: tarraxinha, Afro Beat, Samba e World music. 


Não obstante ao facto de ser de uma família de artistas, a partir de que momento é que percebeu a sua veia musical?
Comecei a perceber a força que os sons tinham na fase em que comecei a conhecer-me como gente, e sem perceber ja era um pré-adolescente a fazer e sentir de forma intensa a música. 

Aos 14 anos começou a tocar violão e aos 15 a trabalhar com produção. Quais as melhores lições que tirou desta época?
A primeira e mais importante foi que o talento não é nada se não existir disciplina. Tive o privilégio de trabalhar com pessoas que admiro e muitas delas passaram-me esta visão.
Segunda: A auto-evolução depende da vontade de te condicionares ao desconforto e de te aliares aos mais experientes que tu. 
A terceira: só reforçou na prática a educação de casa e consequentemente deu-me grandes amizades, respeita o próximo sempre.

Foi neste momento que decidiu se profissionalizar?
Na verdade não foi uma decisão minha, dei por mim a fazer o que gosto e a ser remunerado por isso. 

Que peso teve o legado familiar nas suas decisões profissionais?

Encarei com leveza porque a pressão foi mais externa do que interna, a minha família sempre apoio as minhas decisões dentro e fora da música, mas teve o seu pendor. 

Já se imaginou a fazer outra coisa que não fosse música?
Por ser multifacetado dentro das artes, já me imaginei em vários ofícios, mas os que mais me identifico são Arquitetura, Cartoons e Animação. 
 
Onde se vê daqui a 5 anos?
Acredito e trabalho todos os dias com a ajuda do meu team para que esta seja a fase de internacionalizar o meu trabalho, e já com uma carreira solidificada no nosso país, Embora já nos seja mais fácil fazer as duas coisas, mas sonhar com cálculos é mais saudável. 

Quais as maiores dificuldades que tem encontrado para solidificar a carreira?
O maior problema que enfrentamos e acredito que seja transversal a todos é a  condição económica do país que o país enfrenta. Mas com a ajuda da minha Label e  produtora MINAMB RECORDZ encontra-se sempre as formas mais viáveis para ultrapassar os obstáculos. 
   
Do que é feito o seu repertório?
Considero o meu repertório versátil, por ser um viciado em música, a cultura é muito rica e gosto de viajar sem perder a “angolanidade” passando pela tarraxinha ao afro Beat, do samba ao World music… 

Quais são os artistas em que se inspira e quais as características que o “atraem”? 
Primeiro, Micheal Jackson pelas razões que todo mundo conhece, e segundo, Toty Sa`Med por ser um dos maiores músicos angolanos da geração 80, e por ser uma pessoa de uma aura forte e muito inspiradora. Acredito que sou um músico melhor hoje por existir um Toty em Angola.   

Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

Nas suas actuações ao vivo, trabalhou com um leque de artistas de renome. Considera indispensável este intercâmbio de ideias com outros artistas?
Extremamente indispensável, muito do que sou como músico hoje é também graças a músicos como, Yesha, Duc e Niko, Obie, Sari Sari, TRX, Totó, Dodó Miranda, Selda, Toty Sa`med e o por últimos e mais Influente Eduardo Paim, não só me abriram dimensões super diferentes de trabalho, como também luzes de fé e auto-confiança.

Quais os projectos que tem em carteira?
Este ano será um marco para a minha carreira porque vou disponibilizar o meu primeiro EP com o título ‘Transversal”. 

Que detalhes já pode avançar sobre o mesmo?
Quero anunciar exclusivamente que neste mês dia 20 vou disponibilizar a música promocional intitulada ‘Preta’ e algumas surpresas e a seguir entrar quentinho no verão e no dia 18 de Setembro sai o EP. 

Já agora, por quê Jackes Di?
Antes de ser Nelo Paim, o meu pai era o Jackes para os mais chegados, todo angolano tem o famoso nome de casa, e não foi diferente comigo, depois de um bom tempo a ser chamado Jaquito, o meu primo e mentor Pablo Di achou que eu devia ter um nome artísticos, então tirei o nome do meu pai do baú e limpei o pó, acrescentando o Di do meu primo, que é basicamente um nome de família “só para cuyar mais”, risos.

as cargas mais recentes

Unac e Smarca assinam acordo para assistência técnica e assessoria na cobrança dos direitos de autor e conexos

há 12 meses
A SMARCA que já vem actuando na área técnica da SADIA desde 2020, tem com isto alcançado resultados positivos no que toca à propriedade intelectual. Com este acordo a UNAC vai igualmente trazer resultados rápidos na área de direitos de autor e conexos.

Cardi B vai a julgamento por colocar tatuagem de um homem na capa do seu álbum

há 2 anos
Cardi B usou no projecto Gangsta Bitch Music Vol. 1, lançado em 2016, como capa a imagem de Kevin Brophy Jr., o homem alega que a rapper retratou sua semelhança de “ forma enganosa, ofensiva, humilhante e sexual”.

Porto de Luanda: 75 anos a ligar Angola aos mercados internacionais

há 3 anos
O Porto de Luanda é o maior terminal de importação e exportação de carga de Angola e há 75 anos, completados hoje, p tem ligado o país aos principais mercados mundiais, servindo de alavanca para o desenvolvimento económico e social, ancorado nos pilares da sustentabilidade e da competitividade. Com a nova administração, a instituição segue a rota do crescimento de portas abertas para o futuro.

Miguel Neto elege Dr. Romeu como melhor rapper nacional de todos os tempos

há 1 ano
Miguel Neto considerou, na tarde de hoje, durante o programa ‘A Tarde é Nossa’, que Dr. Romeu é o melhor rapper angolano de todos os tempos. O radialista não sustentou a sua afirmação enumerando particularidades do rapper, se ateu dizendo que até aos dias de hoje, foi o único que despertou a sua mente.

Spotify lança plataforma que permitirá valorizar o compositor, produtor e editoras

há 2 anos

Trump chama cantora Madonna de feia

há 3 anos
O novo livro de Mary L. Trump, sobrinha do actual presidente dos Estados Unidos, está a gerar controvérsia, pelo facto de desvendar temas secretos da vida do presidente.

TANB lança “2020”: O registo sonoro de um ano marcante

há 2 anos
São 12 faixas onde nos conduz numa viagem sonora por acontecimentos marcantes, desde a pandemia ao desconfinamento, da violência policial às eleições americanas, sem esquecer a corrida ao papel higiénico.

Prodígio completa “30 e Tal” anos e oferece um presente aos fãs

há 2 anos
A prenda chama-se “30 e Tal”, uma música com Paulo Flores, circunstancialmente lançada no dia em que Prodígio assinalou o 32° aniversário. Não os trinta e dois anos de carreira, mas de idade, pois o rapper rima há 21 anos.

Hip Hop passa a ter três novas efemérides

há 2 anos
Os Estados Unidos aprovaram uma resolução que designa um “Dia da Celebração do Hip Hop”, um “Mês de Reconhecimento do Hip Hop” e um “Mês da História do Hip Hop”.

Mauro Pastrana trabalha “Alone”

há 3 anos
“Alone” é o novo projecto do músico Mauro Pastrana, que contará com cinco faixas musicais.

Ariana Grande surpreende fãs com um novo álbum

há 2 anos
Trata-se do seu primeiro trabalho a solo este ano e foi produzido durante a pandemia. O álbum sairá ainda este mês, segundo o anúncio feito pela própria nas suas redes sociais.

Produtores de Afro House mais requisitados da actualidade revelam hegemonia no`Desfile de hits´

há 3 anos
A Carga apresentou ontem os maiores produtores de Afro House do país. Durante o Repertório, ficou-se a saber que Vado Poster e Dj Habias produziram sucessos como “Lhe Traíram” (Os Moikanos), “Tic Taá” (Scro Q Cuia e Nerú Americano), “Wamona” (Nagrelha e Puto Prata), “Kapota” (Noite e Dia) e tantos outros descritos abaixo.

Há um ano Prodígio representava Angola nas celebrações do Dia de Nelson Mandela

há 2 anos
Instituído em 2009 pelas Nações Unidas em memória de Nelson Mandela, que hoje (18) celebraria 103 anos de vida, o foco do Dia Internacional de Nelson Mandela este ano são as comunidades atingidas pela pandemia do Covid-19.

Festival Sons do Atlântico revisita actuações épicas da 7°edição

há 2 anos
Sábado dia 12 de Dezembro as 22:00, poderá rever as grandes actuações deste espetáculo que contou com um público de cerca de 40.000 pessoas, a vibrar em uníssono com artistas em ascenção, artistas angolanos consagrados e estrelas internacionais.

Concerto Musical Infanto-Juvenil marca celebrações do Dia Internacional da Música na Fundação Arte e Cultura

há 1 ano
A Banda Musical da Escola de Música da Fundação Arte e Cultura vai protagonizar no dia 01 de Outubro, Sexta-feira, pelas 18horas o grande Concerto Musical Infanto-Juvenil, para saudar o Dia Internacional da Música.

Guardiões da Galáxia 3 marca fim de ciclo do elenco

há 3 anos
Após afirmar que Guardiões da Galáxia Vol. 3 não será adiado por conta da pandemia do Coronavírus, o director James Gunn revelou que este pode ser o último com o elenco actual.