Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

Descendente de uma família artísticamente rica, Emanuel de Carvalho Fernandes da Silva ou simplesmente Jackes Di, apresentando-se como um artista multifacetado, sendo exímio tocador de guitarra e também canta. No seu percurso e repertório, o artista é já referenciado pelas performances, onde faz jus a premissa de que “ao vivo sabe sempre melhor”, tirando sempre maior proveito dos recursos acústicos. Eclético, o filho de Nelo Paim, apresenta este mês o seu primeiro EP, intitulado ‘Tranversal’, cujas propostas musicais fazem juz ao título, contemplando a: tarraxinha, Afro Beat, Samba e World music. 


Não obstante ao facto de ser de uma família de artistas, a partir de que momento é que percebeu a sua veia musical?
Comecei a perceber a força que os sons tinham na fase em que comecei a conhecer-me como gente, e sem perceber ja era um pré-adolescente a fazer e sentir de forma intensa a música. 

Aos 14 anos começou a tocar violão e aos 15 a trabalhar com produção. Quais as melhores lições que tirou desta época?
A primeira e mais importante foi que o talento não é nada se não existir disciplina. Tive o privilégio de trabalhar com pessoas que admiro e muitas delas passaram-me esta visão.
Segunda: A auto-evolução depende da vontade de te condicionares ao desconforto e de te aliares aos mais experientes que tu. 
A terceira: só reforçou na prática a educação de casa e consequentemente deu-me grandes amizades, respeita o próximo sempre.

Foi neste momento que decidiu se profissionalizar?
Na verdade não foi uma decisão minha, dei por mim a fazer o que gosto e a ser remunerado por isso. 

Que peso teve o legado familiar nas suas decisões profissionais?

Encarei com leveza porque a pressão foi mais externa do que interna, a minha família sempre apoio as minhas decisões dentro e fora da música, mas teve o seu pendor. 

Já se imaginou a fazer outra coisa que não fosse música?
Por ser multifacetado dentro das artes, já me imaginei em vários ofícios, mas os que mais me identifico são Arquitetura, Cartoons e Animação. 
 
Onde se vê daqui a 5 anos?
Acredito e trabalho todos os dias com a ajuda do meu team para que esta seja a fase de internacionalizar o meu trabalho, e já com uma carreira solidificada no nosso país, Embora já nos seja mais fácil fazer as duas coisas, mas sonhar com cálculos é mais saudável. 

Quais as maiores dificuldades que tem encontrado para solidificar a carreira?
O maior problema que enfrentamos e acredito que seja transversal a todos é a  condição económica do país que o país enfrenta. Mas com a ajuda da minha Label e  produtora MINAMB RECORDZ encontra-se sempre as formas mais viáveis para ultrapassar os obstáculos. 
   
Do que é feito o seu repertório?
Considero o meu repertório versátil, por ser um viciado em música, a cultura é muito rica e gosto de viajar sem perder a “angolanidade” passando pela tarraxinha ao afro Beat, do samba ao World music… 

Quais são os artistas em que se inspira e quais as características que o “atraem”? 
Primeiro, Micheal Jackson pelas razões que todo mundo conhece, e segundo, Toty Sa`Med por ser um dos maiores músicos angolanos da geração 80, e por ser uma pessoa de uma aura forte e muito inspiradora. Acredito que sou um músico melhor hoje por existir um Toty em Angola.   

Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

Nas suas actuações ao vivo, trabalhou com um leque de artistas de renome. Considera indispensável este intercâmbio de ideias com outros artistas?
Extremamente indispensável, muito do que sou como músico hoje é também graças a músicos como, Yesha, Duc e Niko, Obie, Sari Sari, TRX, Totó, Dodó Miranda, Selda, Toty Sa`med e o por últimos e mais Influente Eduardo Paim, não só me abriram dimensões super diferentes de trabalho, como também luzes de fé e auto-confiança.

Quais os projectos que tem em carteira?
Este ano será um marco para a minha carreira porque vou disponibilizar o meu primeiro EP com o título ‘Transversal”. 

Que detalhes já pode avançar sobre o mesmo?
Quero anunciar exclusivamente que neste mês dia 20 vou disponibilizar a música promocional intitulada ‘Preta’ e algumas surpresas e a seguir entrar quentinho no verão e no dia 18 de Setembro sai o EP. 

Já agora, por quê Jackes Di?
Antes de ser Nelo Paim, o meu pai era o Jackes para os mais chegados, todo angolano tem o famoso nome de casa, e não foi diferente comigo, depois de um bom tempo a ser chamado Jaquito, o meu primo e mentor Pablo Di achou que eu devia ter um nome artísticos, então tirei o nome do meu pai do baú e limpei o pó, acrescentando o Di do meu primo, que é basicamente um nome de família “só para cuyar mais”, risos.

as cargas mais recentes

Prodígio: “acredito que a arte tem que reflectir a sociedade, a minha vida, a dos meus e dos outros”

há 1 ano
Durante o longo vídeo nas suas redes sociais, sobre a morte do jovem de 23 anos no Prenda, o músico começou por esclarecer que não pretende defender qualquer artista, entretanto, realçou que é imprudente a sociedade olhar as coisas de um único ponto de vista, porque os músicos também têm liberdade de escolha.

Sabias que mesmo sendo protagonista, Daniel Kaluuya não foi convidado para a estreia de “Get Out”?

há 5 meses
A estreia mundial de Get Out, coincidiu com a época filmagens de Pantera Negra , em 2017, mas enquanto protagonista, Kaluuya revelou não ter tido a oportunidade de justificar a ausência por incompatibilidade na agenda, pois nem sequer teve a honra de receber o convite.

Dj Bruno AG disponibiliza nova música ” Motivação”

há 9 meses
Dj Bruno AG lançou hoje no Kison, o seu mais recente trabalho, intitulado “ Motivação”, com a participação do kudurista Puto Mira e o Rapper Uami Ndongadas.

Repertório traz os dois produtores do momento: Vado Poster e Dj Habias

há 1 ano
Vado Poster e Dj Habias são dos produtores mais solicitados da actualidade e estarão na próxima sexta-feira, 24 de Julho, no Repertório da Revista Carga, para apresentar e explicar o processo de produção de hits como “Pintins”, de Scro Q Cuia e Nerú Americano ou Waatão, de Puto Prata.

Trump ataca “músicos” na campanha

há 9 meses
Uma das visadas foi Lady Gaga, que fez recentemente campanha pelo principal adversário de Trump nas eleições, Joe Biden.

Wilson Puma diz que rappers angolanos preocupavam-se mais com o “flow”

há 1 ano
O rapper Wilson Puma, cujo sonho é apertar a mão do rapper norte-americano Eminem, afirmou que este género musical em Angola está a subir de nível, depois de um momento menos bom.

Arlindo Bizerra e Horácio Katchanja levam “Diálogos entre Gerações” à Galeria Tamar Golan

há 6 meses

“Back In Black” dos AC/DC lidera lista dos 20 álbuns de Rock mais vendidos de todos os tempos

há 11 meses
Dos 20 álbuns de Rock e Metal mais vendidos no maior mercado do mundo (Estados Unidos), o destaque vai para o “Back In Black”, dos AC/DC gravado há 40 anos.

Akon revela planos de construção para segunda cidade futurista inspirada em Wakanda

há 4 meses
Após dar início à construção da primeira `Akon City´ no Senegal, o multimilionário de 47 anos, aproveitou as conexões, arregaçou as mangas e já começou a projectar a segunda `Akon City´ no Uganda e perspectiva concluí-la até 2036.

Exposição “Memória e processo de restauro” detalha reconstrução do Palácio de Ferro

há 7 meses
O Palácio de Ferro, em Luanda, volta a abrir as portas ao público enquanto Centro Cultural e apresenta até 4 de Fevereiro 2021 a exposição “Memória e processo de restauro”.

Masta anuncia novo EP com lançamento de single amanhã

há 1 mês
O tema intitula-se ‘Novo Normal’, estreia amanhã, 27, no Afro Music Channel e em seguida estará disponível no canal oficial do YouTube do artista. O single fará parte do de um novo EP, revelou hoje o rapper à revista Carga.

Google coloca Mbira “Kisanje” no motor de busca

há 1 ano
O instrumento musical originário do Zimbábue, conhecido em Angola como Kisanje, está a ser exibido desde ontem na página inicial do motor de busca e permite os usuários executá-lo. O objectivo é marcar a “semana cultural do Zimbábue”.

Exposição`Discursos de Decolonialidade´ patente até ao dia 31 de Julho

há 1 ano
A galeria THIS IS NOT A WHITE CUBE em parceria com a MEXTO, apresentam a exposição `Discursos de Decolonialidade´, que poderá ser vista, até ao dia 31 de Julho no espaço NOT A MUSEUM, em Lisboa. A mostra congrega o trabalhos de 15 artistas de 8 países e curadoria de Sónia Ribeiro e Graça Rodrigues.

Jandir Three, o cantor angolano de Tarraxinha que soma fãs em Moçambique

há 1 ano
Jandir Three é um músico angolano que está a somar fãs em Moçambique, através do Gloom Channel. O jovem de Benguela canta Trap Tarraxinha há 10 anos e tem várias músicas e vídeo clipes disponíveis. Recentemente, assinou com uma nova produtora e está neste momento a preparar projectos e deixa suas impressões à Carga.

4ª fase da exposição `S.O.S ambiente´arranca no Huambo

há 9 meses
Esta iniciativa visa reunir jovens com talentos assinaláveis, cujo foco passa pela transformação do lixo inorgânico em perfeitas obras de arte, associando essas criações à Campanha de Responsabilidade Social do “Projecto Ambiente” do Xyami Shopping.

Roley anuncia novo álbum com participações de Masta, Eric Rodrigues entre outros

há 3 meses
Esta não é a primeira vez que o rapper moçambicano traz vozes angolanas nos seu projectos, já no álbum de estreia “Roley”, contou com Rui Orlando e Young Double, e no ano passado, lançou “Pensamentos” e teve participação de Paulelson.