Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

Descendente de uma família artísticamente rica, Emanuel de Carvalho Fernandes da Silva ou simplesmente Jackes Di, apresentando-se como um artista multifacetado, sendo exímio tocador de guitarra e também canta. No seu percurso e repertório, o artista é já referenciado pelas performances, onde faz jus a premissa de que “ao vivo sabe sempre melhor”, tirando sempre maior proveito dos recursos acústicos. Eclético, o filho de Nelo Paim, apresenta este mês o seu primeiro EP, intitulado ‘Tranversal’, cujas propostas musicais fazem juz ao título, contemplando a: tarraxinha, Afro Beat, Samba e World music. 


Não obstante ao facto de ser de uma família de artistas, a partir de que momento é que percebeu a sua veia musical?
Comecei a perceber a força que os sons tinham na fase em que comecei a conhecer-me como gente, e sem perceber ja era um pré-adolescente a fazer e sentir de forma intensa a música. 

Aos 14 anos começou a tocar violão e aos 15 a trabalhar com produção. Quais as melhores lições que tirou desta época?
A primeira e mais importante foi que o talento não é nada se não existir disciplina. Tive o privilégio de trabalhar com pessoas que admiro e muitas delas passaram-me esta visão.
Segunda: A auto-evolução depende da vontade de te condicionares ao desconforto e de te aliares aos mais experientes que tu. 
A terceira: só reforçou na prática a educação de casa e consequentemente deu-me grandes amizades, respeita o próximo sempre.

Foi neste momento que decidiu se profissionalizar?
Na verdade não foi uma decisão minha, dei por mim a fazer o que gosto e a ser remunerado por isso. 

Que peso teve o legado familiar nas suas decisões profissionais?

Encarei com leveza porque a pressão foi mais externa do que interna, a minha família sempre apoio as minhas decisões dentro e fora da música, mas teve o seu pendor. 

Já se imaginou a fazer outra coisa que não fosse música?
Por ser multifacetado dentro das artes, já me imaginei em vários ofícios, mas os que mais me identifico são Arquitetura, Cartoons e Animação. 
 
Onde se vê daqui a 5 anos?
Acredito e trabalho todos os dias com a ajuda do meu team para que esta seja a fase de internacionalizar o meu trabalho, e já com uma carreira solidificada no nosso país, Embora já nos seja mais fácil fazer as duas coisas, mas sonhar com cálculos é mais saudável. 

Quais as maiores dificuldades que tem encontrado para solidificar a carreira?
O maior problema que enfrentamos e acredito que seja transversal a todos é a  condição económica do país que o país enfrenta. Mas com a ajuda da minha Label e  produtora MINAMB RECORDZ encontra-se sempre as formas mais viáveis para ultrapassar os obstáculos. 
   
Do que é feito o seu repertório?
Considero o meu repertório versátil, por ser um viciado em música, a cultura é muito rica e gosto de viajar sem perder a “angolanidade” passando pela tarraxinha ao afro Beat, do samba ao World music… 

Quais são os artistas em que se inspira e quais as características que o “atraem”? 
Primeiro, Micheal Jackson pelas razões que todo mundo conhece, e segundo, Toty Sa`Med por ser um dos maiores músicos angolanos da geração 80, e por ser uma pessoa de uma aura forte e muito inspiradora. Acredito que sou um músico melhor hoje por existir um Toty em Angola.   

Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

Nas suas actuações ao vivo, trabalhou com um leque de artistas de renome. Considera indispensável este intercâmbio de ideias com outros artistas?
Extremamente indispensável, muito do que sou como músico hoje é também graças a músicos como, Yesha, Duc e Niko, Obie, Sari Sari, TRX, Totó, Dodó Miranda, Selda, Toty Sa`med e o por últimos e mais Influente Eduardo Paim, não só me abriram dimensões super diferentes de trabalho, como também luzes de fé e auto-confiança.

Quais os projectos que tem em carteira?
Este ano será um marco para a minha carreira porque vou disponibilizar o meu primeiro EP com o título ‘Transversal”. 

Que detalhes já pode avançar sobre o mesmo?
Quero anunciar exclusivamente que neste mês dia 20 vou disponibilizar a música promocional intitulada ‘Preta’ e algumas surpresas e a seguir entrar quentinho no verão e no dia 18 de Setembro sai o EP. 

Já agora, por quê Jackes Di?
Antes de ser Nelo Paim, o meu pai era o Jackes para os mais chegados, todo angolano tem o famoso nome de casa, e não foi diferente comigo, depois de um bom tempo a ser chamado Jaquito, o meu primo e mentor Pablo Di achou que eu devia ter um nome artísticos, então tirei o nome do meu pai do baú e limpei o pó, acrescentando o Di do meu primo, que é basicamente um nome de família “só para cuyar mais”, risos.

as cargas mais recentes

Bonga é reconhecido em Portugal com “Prémio Prestígio”

há 1 ano
Bonga foi reconhecido ontem à noite com o “Prémio Prestígio”, na categoria de música durante a gala alusiva aos 25 anos da Rádio Difusão Portuguesa (RDP África).

Fã de 10 anos pede batalha de bateria a Dave Grohl dos Foo Fighters

há 2 anos
Nandi Bushell, de 10 anos, pediu um desafio de bateria a Dave Grohl, músico de 51 anos da banda de Rock Foo Fighters. A batalha foi aceite e durou 30 segundos.

Já começou o Festival #EuFicoEmCasa

há 3 anos
Serão no total 6 dias, 77 artistas e 40 horas de concerto transmitido em directo, pasmem… nas próprias contas de Instagram.

Actor de Batman: O Cavaleiro das Trevas chama Coringa de filme ‘nojento’

há 2 anos
Coringa é um dos grandes filmes de 2019 e trouxe uma história diferente e surpreendente para o clássico vilão do Batman. Entretanto, o actor Eric Roberts, conhecido por Batman: O Cavaleiro das Trevas chamou o filme “nojento”.

Gerilson Insrael apresenta “Quarentena”

há 2 anos
O músico Gerilson Insrael coloca hoje (sexta-feira), às 20 horas, o seu novo single a disposição dos fãs, em todas as plataformas digitais.

Jay Pallmer apresenta-se ao mercado musical com EP `MySelf´

há 1 ano
Contrariando todas adversidades da época pandémica, o 2020 vem se revelando frutífero para muitos artistas e, a EP `MySelf´ é mais uma prova desta teoria.

Prodígio: “acredito que a arte tem que reflectir a sociedade, a minha vida, a dos meus e dos outros”

há 2 anos
Durante o longo vídeo nas suas redes sociais, sobre a morte do jovem de 23 anos no Prenda, o músico começou por esclarecer que não pretende defender qualquer artista, entretanto, realçou que é imprudente a sociedade olhar as coisas de um único ponto de vista, porque os músicos também têm liberdade de escolha.

Muhatu: 4ª edição da maior competição de spoken word no feminino acontece já este sábado

há 2 anos
O campeonato feminino de Spoken Word “Muhatu” que para o ano 2020 adaptou-se as condições do novo normal social, teve o seu tiro de largada, “disparado” a 6 de Agosto.

Filme angolano “Nossa Senhora da Loja do Chinês” em grande estreia na Suíça

há 2 meses

Rubro Stone vence 1.ª edição do Exercício Mental Batalha de freestyle Bates ou Levas

há 7 meses
Diferente de qualquer outro concurso ou batalha verbal, o ‘bates ou levas’ é um exercício mental em que os concorrentes fazem freestyle com temas criados no momento.

Aaron Carter afirma que Michael Jackson explicou por que gostava sempre de estar com crianças

há 2 anos
Aaron Carter fez algumas afirmações na sua recente entrevista à “Vlad TV”, incluindo por que Michael Jackson gostava de sair com crianças. O artista também aproveitou a ocasião para defender o astro das acusações de pedofilia.

Sabia que a Direcção Nacional dos Direitos de Autor e Conexos foi sucedida pelo SENADIAC há um ano?

há 2 anos
Num dia como hoje, há exactos 12 meses, foi publicado o Decreto Presidencial n.º 184/19, que cria o Serviço Nacional dos Direitos de Autor e Conexos, abreviadamente designado por «SENADIAC», aprovado pelo Conselho de Ministros na sessão realizada a 30 de Abril de 2019.

MAMY mostra a sua “Atitude Negra”

há 2 anos
A música “Atitude Negra” é uma celebração da mulher negra, da melanina, dos traços grossos e do cabelo crespo.

NGA: “Nós não somos um grupo. Somos uma universidade que forma niggas”

há 2 anos
O músico está neste momento em estúdio a preparar o próximo álbum, obra da qual extraiu duas das três faixas lançadas em Novembro. Em entrevista à Carga, NGA falou dos projectos seus filantrópico para Angola, sonhos, e dos artistas angolanos com os quais gostaria de ter participações.

Do Brasil para Angola, Jéssica Areia traz novo disco

há 1 ano
A cantora angolana, a residir no Brasil, Jéssica Areias apresenta no dia 23 de Abril o seu segundo álbum discográfico, intitulado “Matura”, em todas as plataformas digitais.

Fat Joe recusa 10 milhões de dólares para entrar no ringue com 50 Cent

há 2 anos
A noite de Mike Tyson e Roy Jones Jr., no fim de semana passado, continua a dar que falar, pois não se tratou apenas de demonstração de forças, houve apostas, negócios e propostas.