Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

Descendente de uma família artísticamente rica, Emanuel de Carvalho Fernandes da Silva ou simplesmente Jackes Di, apresentando-se como um artista multifacetado, sendo exímio tocador de guitarra e também canta. No seu percurso e repertório, o artista é já referenciado pelas performances, onde faz jus a premissa de que “ao vivo sabe sempre melhor”, tirando sempre maior proveito dos recursos acústicos. Eclético, o filho de Nelo Paim, apresenta este mês o seu primeiro EP, intitulado ‘Tranversal’, cujas propostas musicais fazem juz ao título, contemplando a: tarraxinha, Afro Beat, Samba e World music. 


Não obstante ao facto de ser de uma família de artistas, a partir de que momento é que percebeu a sua veia musical?
Comecei a perceber a força que os sons tinham na fase em que comecei a conhecer-me como gente, e sem perceber ja era um pré-adolescente a fazer e sentir de forma intensa a música. 

Aos 14 anos começou a tocar violão e aos 15 a trabalhar com produção. Quais as melhores lições que tirou desta época?
A primeira e mais importante foi que o talento não é nada se não existir disciplina. Tive o privilégio de trabalhar com pessoas que admiro e muitas delas passaram-me esta visão.
Segunda: A auto-evolução depende da vontade de te condicionares ao desconforto e de te aliares aos mais experientes que tu. 
A terceira: só reforçou na prática a educação de casa e consequentemente deu-me grandes amizades, respeita o próximo sempre.

Foi neste momento que decidiu se profissionalizar?
Na verdade não foi uma decisão minha, dei por mim a fazer o que gosto e a ser remunerado por isso. 

Que peso teve o legado familiar nas suas decisões profissionais?

Encarei com leveza porque a pressão foi mais externa do que interna, a minha família sempre apoio as minhas decisões dentro e fora da música, mas teve o seu pendor. 

Já se imaginou a fazer outra coisa que não fosse música?
Por ser multifacetado dentro das artes, já me imaginei em vários ofícios, mas os que mais me identifico são Arquitetura, Cartoons e Animação. 
 
Onde se vê daqui a 5 anos?
Acredito e trabalho todos os dias com a ajuda do meu team para que esta seja a fase de internacionalizar o meu trabalho, e já com uma carreira solidificada no nosso país, Embora já nos seja mais fácil fazer as duas coisas, mas sonhar com cálculos é mais saudável. 

Quais as maiores dificuldades que tem encontrado para solidificar a carreira?
O maior problema que enfrentamos e acredito que seja transversal a todos é a  condição económica do país que o país enfrenta. Mas com a ajuda da minha Label e  produtora MINAMB RECORDZ encontra-se sempre as formas mais viáveis para ultrapassar os obstáculos. 
   
Do que é feito o seu repertório?
Considero o meu repertório versátil, por ser um viciado em música, a cultura é muito rica e gosto de viajar sem perder a “angolanidade” passando pela tarraxinha ao afro Beat, do samba ao World music… 

Quais são os artistas em que se inspira e quais as características que o “atraem”? 
Primeiro, Micheal Jackson pelas razões que todo mundo conhece, e segundo, Toty Sa`Med por ser um dos maiores músicos angolanos da geração 80, e por ser uma pessoa de uma aura forte e muito inspiradora. Acredito que sou um músico melhor hoje por existir um Toty em Angola.   

Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

Nas suas actuações ao vivo, trabalhou com um leque de artistas de renome. Considera indispensável este intercâmbio de ideias com outros artistas?
Extremamente indispensável, muito do que sou como músico hoje é também graças a músicos como, Yesha, Duc e Niko, Obie, Sari Sari, TRX, Totó, Dodó Miranda, Selda, Toty Sa`med e o por últimos e mais Influente Eduardo Paim, não só me abriram dimensões super diferentes de trabalho, como também luzes de fé e auto-confiança.

Quais os projectos que tem em carteira?
Este ano será um marco para a minha carreira porque vou disponibilizar o meu primeiro EP com o título ‘Transversal”. 

Que detalhes já pode avançar sobre o mesmo?
Quero anunciar exclusivamente que neste mês dia 20 vou disponibilizar a música promocional intitulada ‘Preta’ e algumas surpresas e a seguir entrar quentinho no verão e no dia 18 de Setembro sai o EP. 

Já agora, por quê Jackes Di?
Antes de ser Nelo Paim, o meu pai era o Jackes para os mais chegados, todo angolano tem o famoso nome de casa, e não foi diferente comigo, depois de um bom tempo a ser chamado Jaquito, o meu primo e mentor Pablo Di achou que eu devia ter um nome artísticos, então tirei o nome do meu pai do baú e limpei o pó, acrescentando o Di do meu primo, que é basicamente um nome de família “só para cuyar mais”, risos.

as cargas mais recentes

Selda põe fim ao hiato e anuncia novidades

há 8 meses

Megga Skills lança nova música com a participação de MCK

há 1 ano
Intitulada `Liga Inglesa Parte 2´, é a primeira música promocional da EP denominada `Marimbondo Número 1´. Trata-se de um remix da música `Liga Inglesa´ da autoria do consagrado MCK.

Mais um talento do Girabola é contratado pelo Sporting de Portugal

há 3 meses
Trata-se de Chicharito, um jovem avançado de 18 anos que se destacou no Girabola 2019/2020 pelo Interclube de Luanda.

Icónica gravadora Death Row Records abre museu virtual

há 5 meses

Lawilca almeja voltar ao auge

há 1 ano
Lawilca já esteve no top do Hip Hop e R&B. Em 2005, depois de conquistar grande popularidade com o seu primeiro álbum “Se Diamé”, decidiu sumir para voltar a aparecer em 2014 com o CD “Não Sou o Mesmo Homem”. Desta vez reaparece reestruturado com novos estilos musicais e quer voltar a estar no auge.

Preto Show: “Anselmo Ralph é o maior artista angolano de todos os tempos”

há 10 meses
Preto Show atribui nota negativa ao ano 2020 e diz não fazer sentido, neste momento, proibirem -se espectáculos, uma vez que escolas, igrejas e mercados andam abertos. O músico pede a intervenção do Presidente da República na questão dos shows, porque, lamenta, há colegas seus a passearem fome.

2°edição do Fest show no bar.deio acontece já amanhã

há 2 meses
O cartaz desta segunda edição traz: Rick Baby, Justin Weely e Enock. E também os seus convidados El Gino, Yuri Dumba, Junior Zy, José são Tomé, Mizta Flow e Wg.

Bié projecta academia de música para Junho de 2021

há 10 meses
Salas de música, teatro, poesia e pintura, zonas de lazer e desporto, além de auditórios com a capacidade para 250 e 230 lugares, são os compartimentos da academia de música, que estará pronta em Junho, no Bié.

Pela primeira vez em 93 anos de Óscares, uma mulher não-caucasiana recebe o prémio de Melhor Realização

há 6 meses
Um ano após o cancelamento da premiação presencial, substituída por videochamadas no Zoom, os astros voltaram a desfilar na passadeira vermelha para prestigiar a 93.ª edição dos prémios da Academia de Hollywood.

Produtores de Afro House mais requisitados da actualidade revelam hegemonia no`Desfile de hits´

há 1 ano
A Carga apresentou ontem os maiores produtores de Afro House do país. Durante o Repertório, ficou-se a saber que Vado Poster e Dj Habias produziram sucessos como “Lhe Traíram” (Os Moikanos), “Tic Taá” (Scro Q Cuia e Nerú Americano), “Wamona” (Nagrelha e Puto Prata), “Kapota” (Noite e Dia) e tantos outros descritos abaixo.

Documentário de Tina Turner revela traumas de uma vida amorosa marcada por violência

há 6 meses
Relatos detalhados de “terror”, exaustão, violência e dominação constituem metade do enredo do novo filme não-ficcional homónimo de Tina Turner. A produção exclusiva do HBO, já estreou no norte de América e, foi uma maneira da artista dizer “Obrigada e adeus”, à vida pública.

A voz que representa o Rap angolano em Moscovo

há 2 anos
Chama-se Massoxy’h e chegou a Rússia há quatro anos, para estudar Engenharia Informática, e está a conquistar vários palcos.

James Harden é melhor jogador que Michael Jordan, Kob Bryant e Lebron James, diz Charles Barkley

há 7 meses

Álbum ‘Chromatica’ de Lady Gaga ganha programa de rádio

há 1 ano

Toty Sa’med

há 2 anos
Parece ter chegado o momento de Toty Sa’med brindar os fãs com um álbum, depois de um percurso de mais de 10 anos.

Kanye West cria ‘Donda Academy’, a incubadora da “próxima geração de líderes, pensadores e inovadores”

há 2 semanas
Desde que Donda West faleceu em 2007, Kanye se comprometeu a manter o nome e legado da sua mãe vivos, por meio de projectos criativos. Depois do lançamento do álbum ‘Donda’, o nome vem sendo registado como marca, para uma escola preparatória e para equipamentos electrónicos.