Kamesu: “O rapper é um artista que não tem nenhum compromisso com a cultura”

No Rap há 20 anos, o MC está a preparar o lançamento do seu primeiro disco, uma obra interventiva e afro-centrada, que traz participações de Kid MC, Kool Klever, Ndaka Yo Wini, Loromance, Mono Stereo e a poetisa Sankofa. O álbum será autografado já este sábado, no Elinga Teatro, em Luanda.

Kamesu Voz Seca não é um nome novo no Hip Hop, aliás, é dos mais antigos rappers angolanos. Começou a actividade artística em 1998, no famoso período de ouro da cultura Hip Hop no país, e agora vai colocar o primeiro álbum no mercado, um disco que intitulou como Kontra Ofensiva, por causa das suas mensagens e será comercializado a partir das 8 horas no Elinga Teatro, na Baixa de Luanda. E conta com trezentas cópias simbólicas.

O músico teve que permanecer no estúdio por mais de duas décadas, porque precisava analisar e descrever com precisão os problemas políticos, económicos, sociais, históricos e culturais do país e de África, contudo, sublinha-se, Kontra Ofensiva é apenas o seu primeiro projecto a solo, porque Kamesu já colaborou para a Coletânea-Filhos da Resistência, Coletânea Linhas de Comunicação e EP Sankofa.

Desde que é conhecido, assume-se como um verdadeiro griot (mestre da literatura oral) e compilou, em Kontra Ofensiva, acervo de informações que constituem um pensamento, uma reflexão, uma atitude de militância em prol do bem comum e defende que só é MC aquele que retrata os problemas da comunidade.

Kamesu: “O rapper é um artista que não tem nenhum compromisso com a cultura”

Em que aspectos considera ter evoluído mais neste álbum se comparado com os projectos anteriores?

Na verdade, em termos de escrita, comecei este álbum há cerca de dez anos. Eu tive é que fazer um périplo pelas partículas do tempo, onde fui estudando situações relacionadas a conjuntura político-social, económica, cultural e histórica. As minhas letras foram escritas para poderem resistir o tempo, num período mínimo de pelo menos 20 anos.

Acho ter evoluído essencialmente na perspectiva da interpretação. A questão das técnicas associadas ao droping foram melhorando. Eu acho ser isso a grande evolução em relação aos trabalhos anteriores.

Que mensagens quis passar ao reunir Sankova e artistas como Ndaka Yo Wini?

Trago Sankofa (Spoken Word); Mukonda Leal (refrão); Winnie Neto (refrão); Loromance (refrão); Kluadiu Bantu (Spoken Word); Kid MC; Kool Klever; DJ Mamen; Ndaka Yo Wini (refrão); Norme Queen (Cubana); Denéxl; DJ Nel Assassin (Portugal); Mono Stereo; Samantha Clemente (refrão); Aluno Mestre e Hostil e como produtores temos DH; Kamesu; Levell Khroniko; Vars; Marcial Hidhrolliczx; Gueira Lindo; Skit Van Darken e Palavra Basta.

Existe uma grande proximidade, aliás, a própria música Rap, em termos de interpretação, é filha do spoken word. Este álbum é, na essência, muito voltado à perspecriva afro-centrada. Trago a Sankofa para fazer um recuo e dar aqui o conhecimento da essência relacionada ao Rap.

O Ndaka e outros artistas foi sempre na intenção de cada um deles trazer o que se precisava em cada música. Quando trago Ndaka, é para representar a essência. É como se fosse um griot à volta da fogueia a falar sobre valores.

Hoje por hoje lançaram álbuns físicos é quase recuar no tempo. Por que razão optou por esta via?

É essencialmente por se tratar da minha primeira obra de originais. Por outra, em Angola a questão do digital ainda não é muito próxima às nossas comunidades. E porque também a rede de acesso a comunicação não tem, em grande escala, a massa de que a nossa mensagem é alvo. Mas também vou fazer o lançamento nas várias plataformas digitais, mas por enquanto tenho de escoar o físico.

Levantou uma questão importante: a da afirmação da identidade através do rap. Qual devia ser o papel do rapper actualmente?

Perguntou o rapper, mas eu vou responder o MC. Em termos de definições, rapper é um artista voltado a perspectiva muito comerciais, ou seja, é um artista mais de estúdio e que não tem muito ou quase nenhum compromisso com a cultura. Ele faz porque tem, em certas medidas, interesses muitos particulares, ou até do grupo. Mas não há uma grande ligação com a cultura e, sobretudo, com a sua ancestralidade.

Já o MC é o individuo, o elemento que canta música Rap. Este individuo é detentor do conhecimento e domina vários elementos da cultura, sobretudo o street knowledge, através dele, consegue tomar uma postura de conservação e salvaguarda dos padrões pelo qual a cultura foi concebida ou definida.

O MC é um artista e, sendo artista, é um agente social com grandes responsabilidades. Nós, MC, temos de perceber que enquanto MC já somos, em perspectiva, a representação dos mestres da oratura. Somos griots modernos e griots contam estórias, têm preocupação com a comunidade; são responsáveis por manter os níveis de valores «da sociedade».

as cargas mais recentes

Primeira edição do Sambizanga Ritmo & Poesia será lançada no dia 24 deste mês

há 1 ano
Concebido apenas para a geografia do histórico distrito, o projecto abriu na semana passada homenageando Dom Caetano, Prado Paim, Carlos Lamartine, a escritora Yola Castro, o humorista Costa Vilola, o jornalista Ernesto Bartolomeu e o grupo carnavalesco União Kiela do Sambizanga.

Idris Elba promove concerto virtual “Africa Day Benefit Concert at Home”

há 2 anos
O concerto virtual é uma iniciativa do cineasta britânico, que visa arrecadar fundos para “aliviar” os efeitos económicos que África tem sofrido, face a pandemia do Covid-19. O encontro reunirá um rol de artistas africanos e será transmitido pela MTV Base, no próximo dia 25, dia de África.

Eva Rap Diva revela já ter havido conflito de personalidade entre “a pessoa e a artista” em si

há 2 anos
A dualidade entre a personalidade no seio artístico e à nível pessoal, é algo muitas vezes descartado, especialmente quando o artista mantém um posicionamento vertical estando ou não em palco. Para a surpresa de todos, Eva Rap Diva, fez saber que no seu caso, esta dualidade existe e chega a gerar algum conflito.

Megga Skills apresenta `Show Time Collection´

há 2 anos
O projecto musical foi apresentado com o vídeo da faixa `Tá Doce´. A música promocional é igualmente uma introdução oficial da label também denominada Show Time Collection, do rapper angolano Megga Skills.

Tony Frampênio: Belas e Perigosas foi associado à sexualização e objectificação da mulher “porque há dificuldade hermenêutica do público angolano em interpretar arte”

há 3 meses

Angola 70’s: Show do Mês recria período dourado da música angolana

há 11 meses
Denominado Angola 70’s, o show pretende mostrar a esteticidade da nossa música, recordando os anos 70, período de maior produção artística e, por isso, considerado por muitos ” período dourado da música angolana”, que durou até finais da década 70.

Dinheiro “trava” internacionalização de Dodó Miranda

há 2 anos
Em entrevista a Revista Carga, explicou que preparou um disco com 12 temas, variado, com realce para o “world music”, mas que não consegue dar sequência ao projecto.

Músico Neil Young processa Trump

há 2 anos
O músico Neil Young vai mover um processo em tribunal contra Donald Trump, pelo uso indevido da sua música nos comícios do actual presidente dos EUA.

Cine Mundo vai deixar de exibir filmes da Universal Pictures

há 2 anos

DJ Malvado: “Os lives têm ajudado, mas as festas com o calor e a vibração humana fazem parte da inspiração do artista no show”

há 2 anos
A comemorar 28 anos de carreira, Malvado, revela numa breve entrevista com a Carga, qual é o elixir para a longevidade da carreira e vaticina que “quando és original e tens identidade as coisas fluem muito melhor”.

Sabia que hoje assinala-se o Dia da Música Estranha?

há 2 anos
O Dia Internacional da Música Estranha foi criado por Patrick Grant, um músico e compositor de Nova Iorque que queria colocar as pessoas a ouvirem e a tocarem tipos de música que nunca tinham ouvido e tocado antes.

Continuação de Black Panther já tem data de estreia e novo título

há 1 ano
Intitula-se `Pantera Negra: Wakanda Forever´ e chega aos cinemas no próximo dia 8 de Julho de 2022.

Informações apontam que Jay-Z poderá comprar equipa de futebol da Liga Nacional (norte-americana)

há 1 ano
Há um tempo a esta parte o rapper vem se desfazendo de alguns activos e, segundo um relatório da BurgundyBlog.com, também, confirmado pela NBCSportsWashington.com, Jay-Z pretende adquirir accões do Washington Football Team.

René Bombástico apresenta single inspirado no filme “Os Três Idiotas”

há 2 anos
Intitulada Baka Baka( idiota, em Japonês), está disponível desde hoje em várias plataformas digitais para download e, de acordo com os indicadores referenciados por Bombástico, está a ter boa aceitação.

DMX hospitalizado em estado gravíssimo

há 1 ano

Grupo Melim actua em Portugal

há 9 meses
O Grupo Chiado acaba de comunicar que o trio Melim está de regresso a Portugal, para dois concertos únicos: 10 de Novembro, na Super Bock Arena – Pavilhão Rosa Mota e dia 12 de Novembro, no Campo Pequeno.