Keita Mayanda: “Ao contrário do que algumas pessoas pensam, o Rap está de saúde”

Keita Mayanda é um nome de consenso na música angolana, em particular no Rap. O músico tem um novo álbum. Intitula-se “7 Momentos De Lucidez” e vai sair já no próximo mês. Uma obra em que apresenta suas experiências e reflexões sobre a sociedade e a existência humana.

Contém 10 faixas musicais e, além da via digital, contará também com edições físicas, incluindo em vinil. Para quem ouviu o Homem e o Artista, poderá encontrar no 7 Momentos de Lucidez a continuidade de um artista preocupado com a existência e a experiência humanas.

O novo álbum de Keita Mayanda integra um catálogo onde se encontram, entre outros,  Ngonguenhação – Conjunto Ngonguenha (2004), O Homem e o Artista (2006),  Nós Os do Conjunto – Conjunto Ngonguenha e Despertar em Momentos de Incerteza (2017). Em entrevista à Carga, o rapper descreveu a obra da seguinte maneira:

De que álbum se trata e que dia será lançado?

É um álbum chamado “7 Momentos de Lucidez”. Com 10 faixas musicais e traz participações dos meus colaboradores mais frequentes, falo de Kennedy Ribeiro (produção), Leonardo Wawuti (produção e parte vocal), Verbal Uzula (produção e parte vocal), Damani Van Dunem e CFKappa. Além de Kennedy, Leonardo e Verbal, como produtores, tenho Elzo Sénior, Oswaldo Davis e Mad SuperStar.

Porquê ” 7 Momentos de Lucidez”?

Eu acho que a pergunta não faz sentido. É como se perguntar porquê que eu dei o nome que eu dei à minha filha. Isso é mais difícil e complicado de explicar, porque o título de um álbum nem sempre é uma coisa óbvia para todo o mundo. Eu não tenho como dar uma resposta à pergunta porquê 7 Momentos de Lucidez. Não é algo que eu consiga explicar. Eu não dou um título simples… a forma como eu intitulo as minhas músicas e os meus discos é sempre um esquema um bocado mais complexo. Acho que a melhor forma de as pessoas entenderem é ouvirem o disco.

Keita Mayanda: “Ao contrário do que algumas pessoas pensam, o Rap está de saúde”

Não precisou a data do lançamento. Consegue dizer como é que o público poderá adquiri-lo?

Só posso lhe dizer que está para muito breve. Nas primeiras semanas de Dezembro, com certeza. Estou à espera para receber o master ao longo da semana, só depois disso é que eu posso dizer uma data. Na semana do lançamento, o álbum estará disponível única e exclusivamente na Soba e nas semanas a seguir vai a outras plataformas de streaming e de venda de músicas.

É perceptível nas suas composições o culto à espiritualidade e a busca pela essência do homem. Que mensagem concreta procurou transmitir nessa obra?

Não existe uma mensagem central no disco. Existem várias ideias que depois congregam. Porque são, na verdade, momentos de reflexão. Eu sou o tipo de artista que gosta de reflectir, sobretudo, a sua visão muito particular. Não só da sociedade, mas da existência humana. Esses são os temas que mais me preocupam, que mais me interessam: tirar cá fora as minhas experiências, os meus pensamentos. Os meus próprios problemas, as minhas batalhas internas e pessoais.

O disco trata de assuntos como superação humana; liberdade financeira de um artista; amor e o sexo. Assuntos como o valor de uma boa amizade e no reverso. Quando se chega a uma a certa idade, quando se atinge um certo nível de experiência e sucesso na vida, mesmo sem grande experiência e sucesso, qualquer um de nós pode experimentar relações más, relações de amizade que não são boas e que são extremamente perversa. No conjunto, o álbum tem temas variados, mas eles depois têm todo um ponto em comum. O ponto comum, na verdade, é o individuo, eu, no caso, a reflectir sobre vários assuntos, que são experiências que eu vivi nos últimos dez anos e que estão aí congregadas. O disco não é uma reacção, algo exterior a mim. As minhas músicas são, na maior parte das vezes, o fim de uma reflexão sobre as minhas experiências.

Há quanto tempo vem a trabalhar no álbum? Será uma espécie de “prenda de natal”?

Comecei, não a trabalhar no álbum mas a gravar, em Outubro. Não há nenhuma razão especial para apresentar em Dezembro. Não é como uma prenda de natal, seja lá o que for. É simplesmente porque um álbum é um trabalho que tem o seu próprio tempo. Gostaria de tê-lo lançado em Novembro, mas já estamos na última semana.

Nos últimos anos tem surgido uma grande corrente de Trap…o Boom Bap é o que mais ouvimos. Em que aspectos o seu novo álbum absorveu essas tendências?

Você está enganado! O Boom Bap não é a vertente que você mais tem ouvido. O Boom Bap é, na verdade, o género original do Rap. Portanto, Boom Bap é o que podemos chamar o Rap da era dourada e é o que eu faço. Agora se quer saber se eu estou a fazer Trap no meu disco, não. Não estou.  Eu não ouço Trap. Nem angolanos nem americanos, nem seja lá de que parte do mundo forem. Eu prefiro o Rap Clássico. Ou é o clásico-o típico Rap dos anos 90 ou é o clássico-o típico Rap do início da década de 2000 influenciado pelo movimento da New Soul, ou não é. Para mim, em termos de sonoridade, aquilo que eu procuro no Rap é Boom Bap e Soul Full Rap. Qualquer coisa que esteja fora disso, a mim não interessa.

É do tipo de artista um tanto quanto “conservador” e, actualmente, é quase fora da moda fazerem-se tiragens físicas. Como é que está a acautelar esse lado?

Inicialmente o álbum vai sair em formato digital. Mas eu não quero só fazer dessa forma. Quero fazer da forma tradicional, da forma como eu acho que um trabalho meu deve vir cá fora em forma físico. Eu penso em fazer CD, penso em fazer vinil, também, uma edição limitada em vinil. Não só deste disco, mas de pelo menos mais dois que eu já lancei.

Diferente do que se previa, 2020 está a ser um ano muito produtivo para o movimento. Como caracteriza o actual momento do rap no país?

Ao contrário do que algumas pessoas pensam, o Rap está de saúde. Porque tem saído muito boa música. Esse ano, pelo menos, há dois discos em que eu participei, se não estou enganado. Há muita música rap lançada este ano, lançada no ano passado ou no ano anterior. Que eu acho é que há uma enorme distração e preguiça da parte daquelas pessoas que dizem que gostam de rap angolano. Tem estado muita agente a trabalhar e a lançar. Praticamente a cada duas semanas há uma coisa nova lançada na Internet. Não há escassez de música. Para mim, eu acho que foi um ano extremamente positivo.  

as cargas mais recentes

Cantora norte-americana recusa ser homenageada com uma estátua no Capitólio

há 2 meses

AMA – Categoria de melhor Semba gera descontentamento

há 9 meses
Foi divulgada a lista dos concorrentes no Angola Music Award (2020). Nas várias categorias, a de melhor Semba está a receber críticas por parte dos agentes musicais, com destaque para uma voz autorizada neste género, como é o caso de Marito Furtado.

Heloisa Jorge revisita legado de Njinga Mbade no Dia da Consciência Negra

há 5 meses
A história de Angola terá vez e voz no “Falas Negras”, o evento brasileiro que comemora o Dia da Consciência Negra e cuja primeira edição, memora célebres personagens de 1600 aos dias de hoje, pessoas que lutaram contra a escravidão, a segregação racial, o racismo e a intolerância.

Young Thug ajuda rapper Snap Dogg a voltar a enxergar completamente

há 3 meses
Snap Dogg viu a sua vida completamente transformada, tudo graças ao seu amigo Young Thug, que pagou uma cirurgia. Na sua conta oficial do Instagram, esta semana, Snap Dogg visivelmente animado e emocionado, disse:”você me salvou”.

Jay Z encerra academia de Boxe por causa da crise

há 5 meses
A Roc Nation Sports, subsidiária da Roc Nation, empresa do músico e empresário Jay Z, decidiu abandonar a modalidade de boxe, após colocar vários atletas em competições profissionais internacionais.

Micasa está disponível para fazer participações com artistas angolanos

há 2 meses

Consciência Corporal: o que é, e como influencia o nosso dia a dia

há 12 meses
Consciência corporal é um termo autoexplicativo que significa tomar consciência do corpo e mente, reconhecer e identificar os processos e movimentos corporais, internos e externos.

Depois de vários anos a produzir, Mestre Freddy apresenta-se como cantor

há 9 meses
Após longos anos, explica porquê decidiu conciliar a carreira de produtor com a de cantor e apresenta as suas primeiras músicas com sonoridade diferenciada. Já tem o primeiro álbum à vista e deixa todas as impressões da “nova carreira” nesta entrevista.

Google coloca Mbira “Kisanje” no motor de busca

há 11 meses
O instrumento musical originário do Zimbábue, conhecido em Angola como Kisanje, está a ser exibido desde ontem na página inicial do motor de busca e permite os usuários executá-lo. O objectivo é marcar a “semana cultural do Zimbábue”.

{RE}CONGOLÂNDIA: Thó Simões {re}cicla e {re}enquadra a obra Congolândia para o projecto Cabana de Arte

há 5 meses
A 8ª Edição do projecto entitulado Cabana de Arte, do grupo BANGA trás como convidados o artista Angolano Thó Simões e o atelier DEL MEDIO representado por Michel Maldiny Z.G e Mafalda Peres Couto.

Exposição online “Vivência de um Aprendiz” é inaugurada na sexta-feira

há 9 meses
O artista angolano Adilson Vieira vai apresentar-se na Galeria Tamar Golan com “Vivência de um Aprendiz”, uma exposição individual online, a inaugurar na Sexta-feira, dia 7 de Agosto de 2020, às 18 horas.

Renata Torres recebe humoristas no ‘Vamos falar a sério’ do Kianda Sessions

há 2 meses

Mwana Afrika: “A Trace quer combater todos os estereótipos criados pela mídia convencional. E estou no canal para contribuir nisso”

há 9 meses

Projecto `Concerto Online´ da Fundação Arte e Cultura ultrapassa fronteiras

há 12 meses
A carismática cantora brasileira Eloiza Garção juntou-se nesta semana à Fundação Arte e Cultura e é o rosto do concerto online deste sábado, dia 25 de Abril, pelas 19 horas. O evento decorre no âmbito do projecto Fundação Arte e Cultura online e visa incentivar as famílias a permanecer em casa e protegerem as suas vidas enquanto durar o estado de emergência em prevenção face a Covid-19.

Don Kikas abre sessões acústicas ao vivo no Youtube

há 1 ano

Andrea Bocelli canta para uma catedral sem público

há 1 ano
O concerto a solo denominado Music for Hope realiza-se a 12 de Abril (Dia da Páscoa) na Duomo, a catedral de Milão e será transmitido, em directo no canal do YouTube do músico.