Keita Mayanda: “O Homem e o Artista é um clássico, mas não me trouxe conforto material”

O álbum «O Homem e o Artista» de Keita Mayanda, representa a verdadeira face do Hip Hop angolano e define as várias etapas do desenvolvimento do homem, enquanto ser pensante. De igual modo, seu autor procura, através do mesmo, despertar a consciência do angolano, marcando seu posicionamento no Rap lusófono.

A referência é mais evidente no imaginário popular, dado que, a actual geração de rappers é menos focada na geração anterior e dela raramente aprende alguma coisa.

Hoje faz 15 anos desde que foi lançado. O disco continua a ser protótipo do Hip Hop nacional. Contribuiu para o bem imaterial, felicidade e educação do homem angolano.

Ao assinalar mais um aniversário, Keita preparou o lançamento / venda simbólica de t-shirt comemorativa e, acidentalmente, publicou álbum remixes do seu último lançamento “7 Momentos de Lucidez”.

Em entrevista à Carga, Mayanda conta se vai ou não reeditar a obra; em que aspectos mais o beneficiou; e da influência que «O Homem e o Artista» exerceu na actual geração de rappers.

Keita Mayanda: “O Homem e o Artista é um clássico, mas não me trouxe conforto material”

O Homem e o Artista” e os “7 Momentos de Lucidez” definem diferentes períodos da carreira de Keita. Por que razão juntar à celebração o seu novo álbum?

É mais uma coincidência do que um objectivo. O álbum de remixes estava na fase final de produção e faz sentido lançar em julho. O mês de julho é especial para mim, além do O Homem e o Artista, eu lancei nesse mês há 4 anos o EP, Músicas Para despertar e Motivar em Tempos de Incerteza e lancei a minha marca de roupa há 2 anos.

A obra define e traça bem as diferentes fases do desenvolvimento do homem enquanto ser pensante. Que opinião tem hoje sobre o homem e o artista angolano?

Isso é uma pergunta de um bilhão de kwanzas. O homem angolano ou melhor, o ser humano angolano é um ser perdido, com uma cultura que se desvaloriza e se perde porque não se ensina e, portanto, não se valoriza e não pode competir com o que há de melhor no mundo. É um ser faminto de tudo, sobretudo de boa governação e de perspectivas de um futuro melhor. Acho que colectivamente esse momento é um dos piores dos últimos 30 anos, social e  economicamente e em grande parte deve-se ao facto de termos tão maus governantes que tudo nos parece uma experiência dantesca. O artista angolano é um ser em experimentação, eu fico feliz por ser da minha geração de artistas. Experimentámos sonoramente, criámos uma escola de pensamento e estética musical, não sei o que vem aí, mas eu sei que na minha geração existem heróis da cultura angolana.

É um álbum que acabou por projectar ainda mais a imagem de Keita Mayanda. Em que aspectos mais o beneficiou ?

Eu não sei se realmente posso falar em benefícios, ser famoso ou conhecido em Angola nem sempre é uma bênção e isso é provavelmente a coisa mais evidente que resultou de eu ter lançado esse disco. O álbum é um clássico, mas não me trouxe riqueza ou conforto material. Acho curioso as pessoas sempre perguntarem a um artista pelo próximo disco, principalmente aquelas que o obtiveram de downloads ilegais ou porque um amigo deu num pen drive. Artistas serão sempre indivíduos com fome num país onde a iniciativa privada depende do dinheiro público, cultura é um bem imaterial, mas fundamental para a felicidade e educação de todos, choca-me como tão pouca gente se digna a pagar por shows ou comprar merchandising ou álbuns, principalmente de artistas não tão populares ou que não aparecem na grande mídia.

Olhando para o que se tem produzido actualmente, acredita que a nova geração aprendeu mais com o seu primeiro álbum?

A actual geração de rappers é menos focada na geração anterior e dela raramente aprende alguma coisa. Cada geração tem os seus heróis e os seus detractores. Há uma desconexão e não é apenas porque o novo se tenta sobrepor ao antigo, creio que existe mesmo um desconhecimento do que existe há 30, 20 anos na música rap nacional.

O álbum é um clássico para o Rap nacional e, obviamente, muitos desejavam obter uma cópia. Qual a possibilidade de voltarmos a tê-lo no formato físico?

Como muita gente deve saber, não se produzem cds em Angola, mesmo com o boom que se deu com o lançamento de cds e o surgimento de muitos novos artistas e editoras nos últimos 18 ou 20 anos , nunca se produziu cds em Angola. Actualmente com os entraves que existem a nível da banca para se conseguir moeda estrangeira; a desvalorização do Kwanza, a produção de um cd é um projecto hercúleo e que não compensa, na cabeça de muita gente um cd ainda deveria custar 1.000 kwanzas isso é impossível hoje, eu nem faço ideia de qual seria o preço final de um cd para que fosse realmente interessante passar por todas as dificuldades, principalmente falando de um álbum que foi lançado há 15 anos. Eu não sei quando será possível reeditarmos esse álbum.

Sobre o álbum

Lançado em 2006, O Homem  e o Artista é a obra de estreia de Keita Mayanda. Comporta 16 músicas resumidas em 51 minutos. Reúne participações de Edu ZP, MCK, Flagelo Urbano, Ikonoklasta, Leonardo Wawuti e produção de Leonardo Wawuti, Conductor e NK. 

as cargas mais recentes

Mira Clock é a principal convidada de hoje na “noite de poesia” da Fundação Arte e Cultura

há 2 meses

Partiu o “físico” e ficou a obra

há 3 anos
Calou-se uma voz inconfundível de Kueno Aionda, calou-se o futuro, num país onde cada vez mais aumenta a quantidade e diminui a qualidade.

Portugal divulga regras para realização de espectáculos

há 2 anos
Depois do anúncio da abertura dos espectáculos para 1 de Junho, o Ministério da Cultura de Portugal divulgou, esta quarta-feira, as normas que os organizadores de eventos e os titulares de salas, devem seguir, tanto em salas como ao ar livre.

Chadwick Boseman: Após quatro anos, “astro” de Pantera Negra perde a batalha contra cancro no cólon

há 2 anos
Chadwick Boseman morreu na noite passada aos 43 anos, na companhia da família em casa. A notícia foi dada no Twitter oficial do actor.

Uma lenda que continua no auge volvidos 39 anos da sua morte

há 2 anos
Num dia como hoje, há 39 anos, a arte empobreceu devido o passamento físico de Bob Marley. Um astro, cujo impacto da obra e da carreira pode ainda ser sentido, como se de um artista vivo e no auge da carreira se tratasse.

Sambieventos, Os Lambas, Luandina e BASEL juntos contra a crise e contra a pandemia

há 2 anos

Madonna prepara filme autobiográfico

há 2 anos
O retrato autobiográfico será mais do que um musical e está a ser escrito pela própria e apresenta os 62 anos da Rainha da Pop.

Dia da Celebração do Hip Hop é comemorado pela primeira vez de forma oficial

há 1 ano
Embora seja comemorado pela comunidade Hip Hop há 48 anos, o dia de hoje, marca a primeira celebração, desde que o Senado dos Estados Unidos instituiu a efeméride.

Volvidos 25 anos, `One in a Million´ chega ao Top 10 da Billboard

há 1 ano
Da autoria de Aaliyah, o álbum `One in a Million´ foi lançado em 1996, na altura passou 68 semanas no Top da Billboard, chegando a 18ª posição. Porém, a sua estreia tardia no streaming, catapultou-o aos primeiros 10 lugares do aclamado Top, demonstrando que o impacto da sua obra continua intacto.

Palestra sobre Direitos de autores e Conexos, a não perder, a partir desta quinta-feira

há 12 meses
É já nesta quinta-feira que terás a oportunidade de saber mais sobre a Importância da Gestão Colectiva dos Direitos de Autor e Conexos, através de duas palestras a acontecerem no Edifício da Extensão Universitária da Universidade Católica de Angola, em Luanda.

Lil Nas X quer defender 100% a comunidade LGBT

há 2 anos
O rapper, cantor e compositor norte-americano de 20 anos se tornou no primeiro artista a assumir a homossexualidade, estando no top da Billbord.

Anselmo Ralph: Celebra cinco anos a dar novas batidas com Café-concerto intimista

há 11 meses
Foi com casa cheia e perante uma plateia de luxo que Anselmo Ralph, embaixador do Café em Angola, subiu ao palco do Clube S para um concerto intimista que assinalou os cinco anos de parceria com as 3 marcas de café da Angonabeiro, Delta Cafés, Delta Q e Ginga, numa acção que deixa clara a mensagem de que o café é a nova batida de Angola.

Ministro da saúde de Trinidad e Tobago rebate fala “infundada” de Nicki Minaj sobre a vacina do Covid-19

há 1 ano
Após ficar de fora no Met Gala por não estar vacinada contra a Covid-19, a rapper usou o Twitter para se justificar e acabou citando que um conhecido teria ficado com os “testículos inflamados” em Trinidad e Tobago, afirmação que foi prontamente rebatida pelo Ministro da saúde daquele país Caribenho.

Fatherhood: Da comédia ao drama, Kevin Hart abraça desafio de pai solo em novo filme da Netflix

há 1 ano
Fatherhood estreou há três dias na Netflix e esta a dar que falar nas redes sociais, pois além de mostrar o ecletismo artístico de Kevin Hart, também mostra a realidade nua e crua de homens, vivida “entre muros”.

Astronauta apresenta `Uma Noite de Lua Cheia´

há 1 ano
Depois do espetáculo `Sobre Luz e Trevas´, o poeta e slammer Frederico Costa regressa para protagonizar o seu segundo espetáculo solo, `Uma Noite de Lua Cheia´.

Wizkid torna-se o primeiro artista africano entre os 30 melhores da Apple Music

há 1 ano
O feito inédito da história da Apple Music foi dado a conhecer ontem e surge por causa da canção ‘Essence’, do álbum ‘Made in Lagos’, lançado em Outubro do ano passado.