Killuanji: “Os fazedores do Rap gospel em Angola andam distraídos e tornam o estilo frágil e fraco ao ponto de ninguém os ouvir”

Lançou recentemente o EP Apocrypha e embora esteja na música há mais de uma década, Killuanji considera que agora sim, a sua carreira começou. O rapper que faz da crença o seu sacerdócio assume-se como o “novo rosto do Rap Gospel em Angola”, e garante que chegou para dar uma lufada de ar fresco ao estilo.

Como começou na sua vida este envolvimento com a música?
Comecei muito cedo a ouvir e fazer música. Uma das pessoas que me influenciou foi o meu pai que tinha uma banda na Alemanha, em que tocava bateria. A segunda pessoa foi Tupac Shakur e a terceira foi o Rapper alemão Samy Deluxe, e com os meus 8 anos também comecei a escrever as minhas próprias letras na altura em alemão porque não sabia falar português ainda.

Por que escolher cantar algo tão diferente? 
Na verdade, não fui eu quem escolheu cantar algo diferente, Deus me escolheu para tal. Penso que neste mundo passageiro todos temos um propósito e o meu é exactamente isso, dar o meu testemunho da graça de Deus na minha vida para os outros, da mesma forma como os apóstolos fizeram. Só que eu faço através do Rap.

Do que é feito o seu repertório?
São feitas por inspirações divinas, convívio próprio. Tudo que eu falo nas minhas músicas, cada palavra e cada vírgula foram inspiradas por Deus.

Como avalia o estado actual da sua carreira?
Não sei se já posso dizer que tenho uma carreira independentemente de fazer música a mais de 15 anos. O Apocrypha é a obra que mais se investiu espiritualmente, psicologicamente e fisicamente. Penso que estou no início da minha carreira, estou no tempo de Deus.

A par da música, trabalha como modelo e designer. É fácil conciliar?
Deus disse que há tempo para tudo. Não é fácil conciliar as quatro coisas até porque além disso também trabalho numa empresa como analista de sistema IT. 24 horas é muito pouco para alguém com muitas ocupações porque temos família que também me precisam, esposa e filhos etc, mas como já disse antes… há tempo para tudo.

Quais são as suas influências musicais?
Por mais estranho que possa soar, sempre gostei de ouvir Rock como Blink 182 que agora são os +44, sempre gostei de Rap e músicas clássicas como Pedro e o Lobo escrito por Serguei Prokofiev em 1936 e Dubstep como Skrillex. Estes são os estilos que mais oiço.

O Rap Gospel sempre foi a sua “praia”?
Na verdade não, como comecei a fazer rap gospel 2013, foi o ano em que me converti e pela graça e misericórdia de Deus me deu o poder de ser chamado filho de Deus.

Muitos artistas contam sobre as suas experiências nas músicas. Como é o seu processo de criação? 
A minha também não é muito diferente disso, passei por muito e sei que há pessoas que passaram por muito mais do que eu, só que a diferença é que eu me deixei usar por Deus e ele me usa como uma vara na mão dum Pastor para guiar as ovelhas, graças a Deus. Tudo que falo nas minhas músicas não há nada inventado ou vivido por uma outra pessoa, são testemunhos vividos por mim e são reais.

Actualmente, que analise faz da música gospel e o mercado gospel em geral?
A música gospel em Angola está “down” o mercado é muito pequeno. Não temos nenhuma produtora gospel capaz de investir em um artista gospel. Há muita dificuldade em criar eventos gospel muita das vezes por falta de financiamentos, vontade e credibilidade.

Mas deixa-me dizer que o consumo do gospel em geral está maior do que muitos pensam, está a crescer e as produtoras e empresários devem prestar mais atenção no gospel porque tal como kuduro e funk foram menosprezados e hoje são os estilos mais consumidos, o gospel também será assim aqui.

Tal como kuduro e funk foram menosprezados e hoje são os estilos mais consumidos, o gospel também será assim aqui.

Killuanji: “Os fazedores do Rap gospel em Angola andam distraídos e tornam o estilo  frágil e fraco ao ponto de ninguém os ouvir”

E quanto à música secular, há qualidade nos conteúdos?
Vivemos em um país laico aonde é mais aceito a música secular do que propriamente gospel e isso é bem visível. Claro que há qualidade na música secular porque há muito mais investimento, muito mais patrocínios e daí muito mais visibilidade e dos mais lucros ao empresário e produtoras. Devem apostar no Killuanji e verão.

Canções como “Jeruzalema” e outras fazem sucesso não apenas no cenário religioso, mas também fora do ambiente agregado às religiões. Como avalia essa abertura fora desse segmento?
Jerusalema é um Hit. Gostei muito desde a produção musical até ao vídeo muita qualidade. Estão de parabéns Master KG e principalmente a Nomcebo Zikode, rompeu barreiras e graças a Deus foram capazes de mostrar ao mundo que o gospel não são apenas aquelas músicas de adoração e penso que inspiraram muitos mais cristãos e mostraram que mesmo sendo “cristão” (que não sou, sou apenas seguidores de Yeshua) podemos fazer vários estilos de músicas. Até porque a palavra diz no livro de salmos 150.3-6 que devemos adorar o Senhor com trombetas e flauta…

Como avalia o Rap Gospel em Angola?
A maioria dos fazedores do rap gospel em Angola andam distraídos e assim tornam o rap gospel frágil e fraco ao ponto de ninguém conseguir ouvir as obras deles, assim as obras morrem entre os telefones dos familiares e amigos. Os mesmo devem deixar de se contentaram com as igrejas apenas. Devem investir muito mais na qualidade e deixaram de pensar que no gospel o que importa é só a mensagem… não, quando se faz para Deus deve ser feito com qualidade máxima. O rap gospel é muito mais do que gritar apenas o nome “Jesus”… Meu nome é Killuanji e eu vim para mudar este aspecto trazendo boas novas inspiradas por Deus no Rap.

O rap gospel é muito mais do que gritar apenas o nome “Jesus”… Meu nome é Killuanji e eu vim para mudar este aspecto trazendo boas novas inspiradas por Deus no Rap.

Nota-se no gospel, um movimento artístico diversificado onde, além da música, outras actividades começam a surgir como coreografia, no Brasil por exemplo dança e até carnaval. Essas actividades mais modernas podem mesmo contribuir para a aproximação do Evangelho?
Podem sim e está crescer mesmo e que Deus seja louvado por isso mas também devo dizer que podemos tudo mas nem tudo nós convém. Devemos saber que somos “cristãos” e que há limites nestes tipos de actividade e que o Carnaval nunca teve nada haver com Deus, pelo contrário. Um cenário como o carnaval do Brasil e não só onde mulheres desfilam nuas nas ruas, nunca foi um lugar para um cristão ou como eu seguidor de Yeshua. 

Como lidar com esse tipo de associação, inerente ao próprio ritmo, ao louvor e adoração à Deus?
Não é nada que deve ser esforçado, eu não fui esforçado. O problema é que hoje em dia todo mundo diz ser cristão mas não conhece Deus e nem um versículo bíblico, nenhum. Vejo que muitos cristãos são mais frios do que alguns que não acreditam, sentem muita inveja e associam tudo com feitiço. É mais fácil para Deus abençoar alguém que não conhece a palavra do que alguém que conhece e não coloco em prática.

Qual é o seu maior objectivo com a música?
O meu maior objectivo é dar luz em nome de Yeshua, para aqueles que estão nas trevas, mostrar que ser cristão não é ser pobre, muitos confundem pobreza com humildade. Mostrar que por mais difícil a tua situação é ou for, há alguém que pode resolver. Da maneira que fui salvo assim também quero salvar através do nome Dele.

Lançou recentemente o EP Apocrypha, já é possível medir o feedback?
O Apocrypha saio em um dos momentos mais difíceis da história da humanidade e eu dou graças a Deus por isso porque tudo acontece por uma razão e penso que Deus quis assim. O plano dele não são os nossos planos. Estamos a tentar nós habituar com as compras na internet, uma vez que foi lançado on-line e é sabido que muitos não tenham acesso a internet mas devo dizer que o Feedback é super positivo.

Não tive nenhum patrocínio nem apoio, apenas o meu irmão engenheiro de som e produtor Camufingo e eu trabalhamos nisso durante praticamente 2 anos e graças a Deus tudo correu bem e também conseguimos gravar um vídeo do qual o Feedback também é positivo.

as cargas mais recentes

Irmãos Mussungo apresentam conceito ‘Mussungology Tour the World”

há 1 ano
A Fundação Arte e Cultura, focada na promoção da cultura nacional, pelo incentivo a educação para as artes, e a promoção dos artistas Angolanos, vai apresentar no próximo dia 08 de Outubro, das 18h às 22h30, em parceria com Befo Music, o conceito ‘Mussungology Tour the World’, um casamento que une a inauguração da exposição individual “Lisbon in my mind” de Adão Mussungo na Galeria Tamar Golan e o Concerto Musical “Befology 77” do músico PJ Mussungo, no auditório Wyza Anfiteatro, na Fundação Arte e Cultura, Ilha de Luanda, junto à Escola 1205, paragem da Casa Lisboa.

Vírus Inesperado: Filme de produção angolana é premiado em Londres

há 2 anos
O filme “Vírus Inesperado”, uma co-produção entre Henrique Sungo (produtor) e o santomense Felipe Anjos (editor), fala sobre o impacto do novo coronavírus na comunidade Palop no Reino Unido.

Kanye West acusado de “desrespeitar o Islão” com a sua colecção de ténis

há 2 anos
Yeezy Boost 350 v2 tornou-se tão popular que a Adidas não consegue desistir dele. Mantém a popularidade sem esforço, através dos anos e ganhou muitos modelos novos como a Asriel, que será apresentado oficialmente dentro de dias e que está a ser acusado de desrespeitar o Islão.

Amostra colectiva `Expansão de Mentalidades´ é inaugurada amanhã na Galeria Tamar Golan

há 2 anos
Os artistas angolanos Ananias, Cris, Rafa, Lord Cave e Neemias vão apresentar-se na Galeria Tamar Golan com “Expansão de Mentalidades”, uma exposição colectiva a inaugurar na próxima sexta-feira, dia 8 de Janeiro de 2021, pelas 18 horas.

Justin Bieber: “Eu amava a música, mas deixei-me levar pelo ego e o poder”

há 2 anos
Justin Bieber partilhou uma mensagem com os fãs no Instagram, falando sobre as “inseguranças e frustrações” que o afectaram quando era adolescente, reconhecendo que deixou-se levar pelo ego.

Morreu Paulão, antigo jogador da selecção angolana de futebol

há 1 ano
O antigo internacional angolano Paulo Alves ‘Paulão’ morreu hoje em Luanda aos 51 anos. De acordo com fontes próximas, o ex-jogador da selecção angolana de futebol esteve há algum tempo internado no Hospital Geral de Luanda.

“Prodigia-Te” (Deluxe Moz): 3.° dos 8 álbuns de Prodígio já está disponível

há 6 meses

Boss AC acaba de confirmar que já foi compensado pela música utilizada na campanha da Unitel

há 9 meses
O músico Boss AC, de nome de baptismo Ângelo Firmino acabou de confirmar hoje que está resolvida a situação de pagamentos dos direitos autorais da música ‘Quieres Dinero” ft Gutto e Glória Stefan, utilizada na campanha Unitel Money.

Mobbers representam Hip Hop angolano na 12.ª edição do Sumol Summer Fest

há 2 anos
O evento dedicado ao hip-hop português terá lugar de 2 a 3 de Julho de 2021, no Ericeira Camping, em Portugal. Os angolanos actuarão no primeiro dia, o mesmo em que estarão em palco os músicos Burna Boy, Saint Jhn e Piruka.

Man Renas: “Tinha agendada uma tour pela Europa, mas foi tudo cancelado devido o Covid-19”

há 2 anos
Nem mesmo ele consegue explicar o “milagre”. Em apenas dois anos como profissional, Man Renas escreve a sua história. Diferente de outros, o djing foi o mais prejudicado pelo Covid-19. Teve que ver “tudo” cancelado. Mas, ainda assim, está a preparar um projecto invejável.

Exposição ‘New Era For Humanity’ inaugura Marvilla Art District

há 1 ano
O Marvilla Art District é um projecto que nasce da vontade da MOVART Gallery, em parceria com a REWARD Properties, e tem como objectivo a criação de um polo artístico e a dinamização cultural de uma zona residencial em Marvila (outrora espaço industrial em decadência).

José Luís Mendonça reage ao recente escândalo na literatura angolana

há 2 anos
Reagindo sobre o mais recente escândalo no Prémio Literário Jardim do Livro Infantil, edição 2020, Luís Mendonça disse que a acção é frequente e aponta como exemplo um livro que, depois de ser desclassificado num concurso, o autor publicou-o com um outro título, por isso, deixa várias recomendações.

Dog Murras afirma que Dom Caetano canta melhor que o músico Roberto Carlos

há 1 ano
A afirmação passível de discórdia para os fãs angolanos de Roberto Carlos ou de fácil aceitação dos seguidores brasileiros do angolano Dom Caetano foi feita esta segunda-feira, durante a terceira edição da rubrica TerraA Terra, da plataforma Pensar Angola, pertencente ao músico e activista social.

David Bowie segue vivo com o seu legado musical

há 2 anos
Só este ano, já foram lançados três álbuns a título póstumo do cantor, cujo último tornado público no passado dia 15 de Maio, -LiveAndWell.com -, é conhecido por ter sido disponibilizado unicamente no provedor de internet criado por Bowie, em 1999. O lançamento representa a primeira vez na qual o disco é disponibilizado com fácil acesso e em grande escala.

Victor Silva: O primeiro angolano a dar carga no Mundial de moto Supersport

há 2 anos
Chama-se Victor Silva Barros e tem 36 anos. Natural do Sumbe, província do Kuanza Sul, o piloto começou a correr com “kupapata” e este final de semana estreou-se no Mundial de SuperSport em Estoril, Portugal.

Fradique integra corpo de jurados do festival ‘Imagine Science Film Festival’

há 1 ano
O realizador angolano Fradique faz parte do corpo de jurados da 14ª edição do Imagine Science Film Festival (Estados Unidos de America) para categoria de Longa Metragem (Prémio Ciência Nova Onda) que premeia filmes que propõem formas ousadas, singulares e muitas vezes híbridas de comunicar a ciência.