Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

Luz Feliz ou simplesmente Luz do Spoken, é uma Artivista confessa, uma Mulher d’Palavra, que vive no teatro de forma mais intensa a paixão pelas artes. Formada em Saúde Pública e formanda em Economia e Gestão de saúde é também estudante de teatro. A multifacetada actriz, poeta declamadora (spoker) que se “aventura” como Directora, Produtora de arte e na escrita criativa, vai apresentar amanhã as 17:30 o recital “Multimorfoses”, onde vai apresentar o seu percurso como pessoa e artista. Numa breve conversa com a artivista, ficámos a saber de onde vem e para onde vai a Luz do Spoken, em meio ao “caos” social.

Como surge a ideia de protagonizar um Recital fazendo recurso às redes sociais?
Escolhi este ano para apresentar os meus textos a grosso para o público que aprecia ou quer apreciar meu trabalho, era para Maio em palco, obviamente, mas vi que apesar das circunstâncias que o mundo vive, a vida não para enquanto estivermos a respirar, o que temos de fazer na maioria das vezes é buscar alternativas e munir-se de resiliência. As redes sociais servem perfeitamente como alternativa ou arma para que nos tornemos resilientes neste caso, então só resta aproveitar e desfrutar. E realizar os nossos desejos artísticos ainda que sejam em casa e a cama se transforme no nosso palco.

Do que será feito o Recital “Multi Morfoses”?
MULTIMORFOSES é sobre o meu percurso, como artista e como pessoa, porque não existe a artista sem a pessoa, é sobre a experiência de uma existência consciente das inconstâncias do ser. Este recital será feito de memórias, ecletismo e artivismo.

De que forma é que o Covid-19 afectou a sua carreira enquanto artista visual?
Com as medidas preventivas adoptadas pelo nosso governo, como o distanciamento social, todo o artista de “artes ao vivo” sentiu na pele o confinamento. Estamos acostumados a fazer as coisas acontecerem no momento e recebemos logo o “feedback real” de quem nos assiste, e também tem a questão económica, os espectáculos ainda que não sejam suficientes, são fontes de renda, a arte é o nosso trabalho, então sou afectada tanto pela sede de palco que nos consome, pelos projectos que mais uma vez ficarão engavetados, o calendário traçado vê-se totalmente violado tanto como economicamente.

As agendas dos Spoker, dentro daquilo que pudemos acompanhar, eram preenchidas por actividades todas as semanas. Receiam perder o traquejo?
Está difícil e muitas vezes pode deixá-los enferrujados se não prestarmos atenção, risos… obviamente, que faz falta a energia de estamos todos reunidos para um Slam ou um recital, o frio na barriga ao colocar os pés no palco, o abraço dos companheiros/as de batalha…

Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

E o que há de positivo no meio deste “caos”?
Não são apenas coisas negativas, como artista visual descobri outras formas de matar esta sede e criar outros projectos, assim como vídeos curtos representando ou declamando, e descobri outras formas de engajar o meu público a poética que vou construindo. Tem sido uma boa oportunidade para aprender mais sobre marketing digital e gestão de conteúdos como artista nas plataformas digitais que tenho disponíveis e usá-las como ferramenta de trabalho.

Como se caracteriza enquanto Spoker?
Sem dúvida nenhuma, uma artivista, uso conscientemente a arte da palavra como um veículo para transmitir as ideologias que defendo, como o feminismo. Então, o faço de um modo responsável a fim de não deixar dúvidas sobre o meu motivo para pisar nos palcos, causar reflexão e quiçá mudanças. Mas além da activista feminista, a minha proposta é levar a luz a humanidade desse grupo muitas vezes desumanizado aos olhos de muitos, mulheres que se assumem feministas.

A partir de que momento decide usar a poesia falada para se expressar?
Em 2017 foi o ano que comecei a pensar seriamente nisto, eu e uma amiga que também escreve, a Janivath Jóia, inclusive tentamos contactar o movimento quando ainda nos era desconhecido. Minha intenção sempre foi a de usar a palavra para denunciar a violência contra a mulher, tanto no espaço privado como no público, esvaziar-me da sensação de impotência quanto a esta situação e colocar a loiça suja na mesa. Entendia que era uma forma activa e criativa de fazer activismo. Mas foi em 2018 que de facto conheci pessoas ligadas ao movimento e comecei logo participando de um Slam, o Muhatu 2018.

Que ganhos é que a participação no Muhatu lhe trouxe, enquanto principiante neste movimento?
Ganhei uma nova profissão, risos… sim, choveu convites para declamar em eventos, conheci muitas pessoas que hoje são como família para mim (algumas participantes do Muhatu inclusive), ganhei mais visibilidade como artista e hoje eu sou a Luz que faz Spoken Word, risos.

Como funciona o processo criativo de um texto e/ou recital?
A resposta não é homogénea (para todos) obviamente, mas no meu caso sempre foram desabafos, desabafos no Facebook que eram lapidados depois e transformados em textos poéticos. Depois de começar a participar de mais eventos, comecei a me comprometer mais e escrever não passou a ser apenas obra do acaso ou da abundância de insatisfação pelas estruturas infestadas pelas desigualdades e injustiças. Escrever passou a ser um compromisso, um trabalho… hoje já não espero pela inspiração eu a estímulo se necessário. Mas claro, assim como para o recital, e eu acredito que para quase tudo na vida, precisa vir de dentro, tem que ter algum tesão, uma vontade desesperadora de se vir.

Quais as temáticas que aborda?
Feminismo e frustração, risos… brincadeira, mas é sério… Como a maioria dos spoker’s falo das desigualdades gritantes na nossa sociedade, porém sou muito focada a mulher, e isto não é apenas para falar de violência, também falo sobre o amor, sexualidade e irmandade. Tem muito do que quero expressar ainda na minha arte, além do que expressei até hoje.

A violência contra a mulher é ainda um desabafo que deve ser repetido sempre que possível…
Infelizmente, sem dúvida. Seria bom se não mais precisássemos tocar nesta tecla. Porém como artista, o meu apelo é para que redescubramos e reinventemos as formas de gritar o basta.

Como olha para o crescente movimento do Spoken Word em Angola?
O crescimento do movimento é sem dúvida um sinal do despertar da juventude para a palavra, para o pensamento e a escrita. Porém, percebemos que com a quantidade vêm também outras características que talvez não sejam tão aproveitáveis assim como acontece em toda a “moda”.

Na sua óptica as competições que têm sido promovidas impulsionam o surgimento de mais fazedores desta arte?
Sem dúvidas que sim, as competições têm uma energia e dinâmica que é característica a essa modalidade artística, e que prende quem faz, quem assiste e belisca quem já sente comichão ou conexão com a palavra.

Quais os projectos que tem em carteira para o Pós-Covid?
Continuar com o calendário que projectei no final de 2019, isto é, realizar o meu recital em variados palcos e com diferentes performances, materializar finalmente um monólogo que está preso na minha alma há anos, produzir eventos como já tenho feito, mas melhor, e se possível ser artista residente em algum canto de Luanda, criar projectos de arte específicos para pensar género e promover a humanidade entre os humanos… enfim, continuar a desejar e a trabalhar para satisfazer os meus anseios artísticos.

as cargas mais recentes

MAMY mostra a sua “Atitude Negra”

há 10 meses
A música “Atitude Negra” é uma celebração da mulher negra, da melanina, dos traços grossos e do cabelo crespo.

Lady Gaga revela que por pouco quase tirou a própria vida

há 4 meses
A cantora falou sobre um período difícil e de profunda depressão por que atravessou. Afirmou que odiava o seu alter ego, e pensou diversas vezes em tirar a própria vida. O apoio de Elton Jonh e de Ariana Grande foram fundamentais.

Espaço Luanda Arte participa na `African Galleries Now´e `Prizm Miami´ em simultâneo

há 2 meses
A galeria ELA- Luanda Espaço Arte representa Angola em duas feiras internacionais de arte, nomeadamente: a `African Galleries Now´/´Galerias Africanas Agora´, que teve início hoje e a `Prizm Miami´, uma feira de arte online com base física em Miami, a ter início no próximo dia 30 de Novembro.

“In Da Club” atinge 1 bilião de views no Youtube

há 2 meses
50 Cent acaba de atingir os 10 dígitos de views. O vídeo datado de 2003, que teve a participação de Eminem e Dr. Dre entrou em “território” lendário.

Daddy Yankee passará a criar conteúdos para meios de comunicação social francês

há 4 meses
O artista foi convidado para criar projectos de música, cinema e televisão pelo conglomerado francês de media Vivendi.

Wanessa Camargo revela que tem um grupo no WhatssApp com o pai para compor

há 8 meses
A declaração veio a propósito do lançamento de um novo trabalho, um EP com músicas inéditas, “Fragmentos Parte 1”, que chega hoje às plataformas online de streaming e que conta com o toque qualitativo de Zezé Di Camargo.

Aline Frazão junta-se ao projecto #1000Máscaras20Dias da Soba Store

há 9 meses
A boa-nova chegou pelas redes sociais da cantora, onde através de uma publicação, fez saber que vai usar a habilidade da costura para contribuir com a iniciativa da Soba Store, que consiste em distribuir gratuitamente máscaras aos servidores públicos essenciais.

Cee Lo Green é acusado de misoginia após criticar hipersexualização de Cardi B, Megan The Stallion e Nicki Minaj

há 5 meses
Para o também rapper, que falava em entrevista à Far Out Magazine, deveria haver um “tempo e um lugar” para o “conteúdo adulto” na música, lembrando que “muita música hoje é lamentável e decepcionante em nível pessoal e moral”.

AMA – Yola Semedo diz que não merece estar entre os nomeados

há 6 meses
Yola Semedo afirmou que este ano (2020) não se revê profissionalmente nas nomeações do Angola Music Award, pelo facto de não ter se empenhado o suficiente.

Cantor angolano Gelson Castro convence autora do sucesso “Jerusalema”

há 10 meses
A cantora sul-africana Nomcebo Zukedi, autora do sucesso “Jerusalema”, postou no seu estado no instagram, dois vídeos do músico angolano Gelson Castro, cantando a sua música.

Michel do Rosário abre musicalmente 2021 com “Olá Nina”

há 5 dias
Um pouco diferente daquilo a que é a sua identidade musical, este trabalho, mais ghetto zouk, é uma crítica construtiva para os que dão mais valor à beleza exterior e aos bens materiais do que a um amor verdadeiro, acabando muitas vezes por menorizar a relação e os intervenientes.

Kazuza, o Dj que virou “contador de sonhos”

há 3 semanas
Da sua versatilidade saíram dois álbuns, um dos quais com participações de Daboless, Mister K, Dr. Romeu e Jay Lourenzo, mas é com mesa misturadora que Djkazuza quer atingir o apogeu. Na música há dez anos, o deejay apresenta-se como um dos principais promotores da música eletrónica no país.

A’mosi Just A Label disponibiliza ‘Dinâmica Mecânica’

há 11 meses
‘Mechanical Dynamics’ estabelece um diálogo em áudio individual e conta com a parceria de Tony Cassanelli e poderá fazer parte dos próximos projectos de A’mosi.

Dia da Consciência Negra: Globo celebra figuras históricas no programa ‘Falas Negras’

há 3 meses
“Falas Negras” tem no seu alinhamento textos históricos de célebres personagens de 1600 aos dias de hoje, pessoas que lutaram contra a escravidão, a segregação racial, o racismo e a intolerância.

Phil Collins enfrenta “maré de azar”

há 2 meses
Além das acusações da ex- esposa, a saúde do músico de 69 anos tem-se deteriorado, sem falar dos problemas com o álcool e da infecção viral que quase o fez perder a audição; um problema cervical e dificuldade de mobilidade que o obriga a deslocar-se com o recurso a uma bengala.

Rappers angolanos serão eternizados no projecto ‘Ficheiros 2 Contra 1’

há 5 meses
Doravante, os rappers de todo o país passarão a estabelecer intercâmbio artístico, de modos a romper a barreira dos estigmas, preconceitos e dinamizar o movimento Hip Hop.