Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

Luz Feliz ou simplesmente Luz do Spoken, é uma Artivista confessa, uma Mulher d’Palavra, que vive no teatro de forma mais intensa a paixão pelas artes. Formada em Saúde Pública e formanda em Economia e Gestão de saúde é também estudante de teatro. A multifacetada actriz, poeta declamadora (spoker) que se “aventura” como Directora, Produtora de arte e na escrita criativa, vai apresentar amanhã as 17:30 o recital “Multimorfoses”, onde vai apresentar o seu percurso como pessoa e artista. Numa breve conversa com a artivista, ficámos a saber de onde vem e para onde vai a Luz do Spoken, em meio ao “caos” social.

Como surge a ideia de protagonizar um Recital fazendo recurso às redes sociais?
Escolhi este ano para apresentar os meus textos a grosso para o público que aprecia ou quer apreciar meu trabalho, era para Maio em palco, obviamente, mas vi que apesar das circunstâncias que o mundo vive, a vida não para enquanto estivermos a respirar, o que temos de fazer na maioria das vezes é buscar alternativas e munir-se de resiliência. As redes sociais servem perfeitamente como alternativa ou arma para que nos tornemos resilientes neste caso, então só resta aproveitar e desfrutar. E realizar os nossos desejos artísticos ainda que sejam em casa e a cama se transforme no nosso palco.

Do que será feito o Recital “Multi Morfoses”?
MULTIMORFOSES é sobre o meu percurso, como artista e como pessoa, porque não existe a artista sem a pessoa, é sobre a experiência de uma existência consciente das inconstâncias do ser. Este recital será feito de memórias, ecletismo e artivismo.

De que forma é que o Covid-19 afectou a sua carreira enquanto artista visual?
Com as medidas preventivas adoptadas pelo nosso governo, como o distanciamento social, todo o artista de “artes ao vivo” sentiu na pele o confinamento. Estamos acostumados a fazer as coisas acontecerem no momento e recebemos logo o “feedback real” de quem nos assiste, e também tem a questão económica, os espectáculos ainda que não sejam suficientes, são fontes de renda, a arte é o nosso trabalho, então sou afectada tanto pela sede de palco que nos consome, pelos projectos que mais uma vez ficarão engavetados, o calendário traçado vê-se totalmente violado tanto como economicamente.

As agendas dos Spoker, dentro daquilo que pudemos acompanhar, eram preenchidas por actividades todas as semanas. Receiam perder o traquejo?
Está difícil e muitas vezes pode deixá-los enferrujados se não prestarmos atenção, risos… obviamente, que faz falta a energia de estamos todos reunidos para um Slam ou um recital, o frio na barriga ao colocar os pés no palco, o abraço dos companheiros/as de batalha…

Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

E o que há de positivo no meio deste “caos”?
Não são apenas coisas negativas, como artista visual descobri outras formas de matar esta sede e criar outros projectos, assim como vídeos curtos representando ou declamando, e descobri outras formas de engajar o meu público a poética que vou construindo. Tem sido uma boa oportunidade para aprender mais sobre marketing digital e gestão de conteúdos como artista nas plataformas digitais que tenho disponíveis e usá-las como ferramenta de trabalho.

Como se caracteriza enquanto Spoker?
Sem dúvida nenhuma, uma artivista, uso conscientemente a arte da palavra como um veículo para transmitir as ideologias que defendo, como o feminismo. Então, o faço de um modo responsável a fim de não deixar dúvidas sobre o meu motivo para pisar nos palcos, causar reflexão e quiçá mudanças. Mas além da activista feminista, a minha proposta é levar a luz a humanidade desse grupo muitas vezes desumanizado aos olhos de muitos, mulheres que se assumem feministas.

A partir de que momento decide usar a poesia falada para se expressar?
Em 2017 foi o ano que comecei a pensar seriamente nisto, eu e uma amiga que também escreve, a Janivath Jóia, inclusive tentamos contactar o movimento quando ainda nos era desconhecido. Minha intenção sempre foi a de usar a palavra para denunciar a violência contra a mulher, tanto no espaço privado como no público, esvaziar-me da sensação de impotência quanto a esta situação e colocar a loiça suja na mesa. Entendia que era uma forma activa e criativa de fazer activismo. Mas foi em 2018 que de facto conheci pessoas ligadas ao movimento e comecei logo participando de um Slam, o Muhatu 2018.

Que ganhos é que a participação no Muhatu lhe trouxe, enquanto principiante neste movimento?
Ganhei uma nova profissão, risos… sim, choveu convites para declamar em eventos, conheci muitas pessoas que hoje são como família para mim (algumas participantes do Muhatu inclusive), ganhei mais visibilidade como artista e hoje eu sou a Luz que faz Spoken Word, risos.

Como funciona o processo criativo de um texto e/ou recital?
A resposta não é homogénea (para todos) obviamente, mas no meu caso sempre foram desabafos, desabafos no Facebook que eram lapidados depois e transformados em textos poéticos. Depois de começar a participar de mais eventos, comecei a me comprometer mais e escrever não passou a ser apenas obra do acaso ou da abundância de insatisfação pelas estruturas infestadas pelas desigualdades e injustiças. Escrever passou a ser um compromisso, um trabalho… hoje já não espero pela inspiração eu a estímulo se necessário. Mas claro, assim como para o recital, e eu acredito que para quase tudo na vida, precisa vir de dentro, tem que ter algum tesão, uma vontade desesperadora de se vir.

Quais as temáticas que aborda?
Feminismo e frustração, risos… brincadeira, mas é sério… Como a maioria dos spoker’s falo das desigualdades gritantes na nossa sociedade, porém sou muito focada a mulher, e isto não é apenas para falar de violência, também falo sobre o amor, sexualidade e irmandade. Tem muito do que quero expressar ainda na minha arte, além do que expressei até hoje.

A violência contra a mulher é ainda um desabafo que deve ser repetido sempre que possível…
Infelizmente, sem dúvida. Seria bom se não mais precisássemos tocar nesta tecla. Porém como artista, o meu apelo é para que redescubramos e reinventemos as formas de gritar o basta.

Como olha para o crescente movimento do Spoken Word em Angola?
O crescimento do movimento é sem dúvida um sinal do despertar da juventude para a palavra, para o pensamento e a escrita. Porém, percebemos que com a quantidade vêm também outras características que talvez não sejam tão aproveitáveis assim como acontece em toda a “moda”.

Na sua óptica as competições que têm sido promovidas impulsionam o surgimento de mais fazedores desta arte?
Sem dúvidas que sim, as competições têm uma energia e dinâmica que é característica a essa modalidade artística, e que prende quem faz, quem assiste e belisca quem já sente comichão ou conexão com a palavra.

Quais os projectos que tem em carteira para o Pós-Covid?
Continuar com o calendário que projectei no final de 2019, isto é, realizar o meu recital em variados palcos e com diferentes performances, materializar finalmente um monólogo que está preso na minha alma há anos, produzir eventos como já tenho feito, mas melhor, e se possível ser artista residente em algum canto de Luanda, criar projectos de arte específicos para pensar género e promover a humanidade entre os humanos… enfim, continuar a desejar e a trabalhar para satisfazer os meus anseios artísticos.

as cargas mais recentes

Rapper Simini Ni Moyo morre após 10 horas de intervenção cirúrgica 

há 3 meses
O rapper da “Old School” morreu ontem,12, de Fereveiro, em Setúbal ( Portugal ), onde vivia há alguns anos com a família. Simini foi a óbito depois de ser submetido a uma intervenção cirúrgica de 10 horas, devido a uma crise, apurou a Carga de uma fonte próxima ao músico.

O Bar do Gilmário: Stand-up comedy e ficção marcam a estreia televisiva a solo de Gilmário Vemba

há 1 ano
Gilmário Vemba faz a sua estreia televisiva a solo no canal Mundo FOX, na DSTv. O seu novo programa “O Bar do Gilmário” combina stand-up comedy e ficção.

Filhos de figuras proeminentes do Rock unem-se e formam uma banda

há 1 ano
Os Suspect208 é uma banda formada por três filhos de três grandes figuras do Rock. Falamos de Scott Weiland (Stone Temple Pilots), Slash (Guns N’ Roses) e Robert Trujillo (Metallica).

R.Kelly: Advogados voltam a pedir liberdade condicional, após cantor sofrer duas agressões em menos de uma semana

há 2 anos
Preso por acusações de crimes sexuais em jurisdições distintas, nomeadamente: Chicago, Nova York e Minnesota, Robert Kelly tem sido alvo de “maus tratos” dentro da própria cela.

Peça teatral `As crises em tempos de crise´ do Grupo Jovens da Mulemba em cartaz na Fundação Arte e Cultura apresenta

há 1 ano
“A peça aborda de forma crítica, porém sarcástica sobre as crises de várias ordens: Econômica, Religiosa Cultural, e Social; Com uma tônica a crise de valores, a questão do respeito ao próximo, da relação que se quer salutar entre os vizinhos.

Já começou a contagem decrescente para a estreia do vídeo do single ‘Cidade à noite’

há 1 ano
Numa altura em que o rapper mais tem se dedicado à sua marca de vestuário, a música que retrata a realidade social, veio quebrar o silêncio de Young Double e considera “é evidente que não houve música mais impactante que Cidade à noite no último mês”.

Sexta farta: De Alicia Keys a Jacob Desvarieux, confira os lançamentos de hoje

há 5 meses
As sextas-feiras têm sido o dia de eleição de alguns artistas para “liberar” projectos novos, ou apenas faixas para a manutenção da carreira. Como tem sido da praxe, as plataformas de streaming receberão novos trabalhos esta sexta-feira, desta vez com os artistas Alicia Keys, Rick Ross, Jacob Desvarieux e Daniel.

Nova foto de Avatar 2 “enlouquece” cinéfilos

há 2 anos
A foto, publicada no perfil oficial do filme no Twitter, traz os actores Sam Worthington, Zoe Saldana, Kate Winslet e Cliff Curtis dentro de tanques de água no set de filmagens.

Mr. Omni promete ser o under diferencial em Angola

há 2 anos
Mr. Omni, heterónimo de Casimiro Garcia, é um rapper que canta há 9 anos. O músico nasceu no Sambizanga e cresceu entre Catambor, Rangel, Vila Alice e Kicolo e conta que viu-se forçado a ser artista para repudiar a situação da pobreza, criminalidade, alcoolismo e drogas que se vivia nos bairros que passou. Com dois EP lançados, o rapper fala durante a primeira entrevista da carreira sobre os próximos desafios.

Zap exibe programa que promove diferentes correntes musicais

há 2 anos
Denominado Jamming, o referido programa é exibido, em exclusivo, todas as sextas-feiras no canal Zap Viva (posição 4) e explora a musicalidade de doze artistas, incluindo bandas, de diferentes gerações e expressões artísticas.

Diddy e Dr. Dre acertam detalhes para batalha de hits

há 2 anos

Morreu Papa Bouba Diop, herói da selecção do Senegal no Mundial de 2002

há 1 ano
Diop morreu hoje aos 42 anos, em França, onde vivia, em consequência de esclerose lateral amiotrófica (ELA), enfermidade degenerativa nervosa que enfraquece os músculos e diminui a sensibilidade nas mãos, braços e pernas.

Avanços e recuos da cultura nacional em 45 anos de Independência

há 2 anos
A cultura é a expressão sublime da essência de um povo manifestadas através da língua, música, dança, pintura, literatura ou teatro. Em Angola, o sector musical é o que mais cresce, seguido das artes cénicas.

Top dos Mais Queridos: Organização fala sobre o novo formato e desmente suposta exclusão de Gerilson Insrael

há 8 meses
Em entrevista à Carga, a porta-voz do concurso falou sobre a nova estrutura do evento e os procedimentos de votações. Rosa Mangueira, aproveitou a ocasião para desconfirmar a suposta exclusão de Gerilson Insrael, que alega ter recebido ligações da rádio nacional a confirmar que estava entre os 10 mais votados.

Tina Turner entra no Rock & Roll Hall of Fame pela 2ª vez

há 7 meses

Mbappé é diagnosticado com covid-19 e desfalca selecção francesa

há 2 anos
Integrado na selecção francesa, que defrontará a Croácia, Kylian Mbappé acusou positivo a Covid-19, sendo de imediato afastado do grupo comandado por Didier Deschamps, noticiou o jornal A Bola.