Manuel Kanza: “O Kuduro não morreu, apenas está a se transformar em Afro House”

Ao contrário de muitos, a pandemia triplicou as actividades e as receitas de Manuel Kanza e o jovem revela os segredos. Ainda nesta entrevista, o dançarino de Kuduro Afro anuncia que vai abandonar os palcos em troca da produção de documentários e afirma que a dança Afro House e o Kuduro são a mesma coisa e fundamenta.

Como tem feito para contornar a problemática da pandemia ?

Estou neste momento a dar minhas aulas online via Skype e Zoom. Também tenho feito alguns documentários meus, na sequência do que já venho a trabalhar. Faço colaborações com alguns novos valores, ajudo a promover suas músicas com a minha dança, tudo a partir de casa.

Esses documentários quando é que o público terá acesso?

O público poderá consumir os documentários e outros meus trabalhos assim que estiverem prontos.

Os artistas parecem os que mais prejuízos tiveram com esta situação. Que métodos adoptou para contornar as consequências?

Não precisei adoptar nenhum método. O meu income vem mais online. Então, nesta fase só somou. Eu comecei em 2012 a fazer serviços online, esta fase não apertou muito.

Quer se explicar melhor, está a dizer que a pandemia pouco afectou as suas actividades?

De certa forma. Só não posso ter contacto
directo com os meus clientes, algo que dá mais credibilidade ao meu trabalho. É aqui onde é mais difícil gerir uma carreira com a dança, porém eu não foco muito o meu trabalho em Angola.

Por que motivo prefere focar-se mais para o exterior?

Eu percebi que o Ocidente não quer o Afro com misturas. Eles querem algo mais original e o nosso espaço ainda não foi bem explorado.

Temos conhecimento de que a sua agenda este ano passava pela Europa….

Tive alguns projectos nos EUA e na Europa, que foram cancelados por causa disso. Mas as aulas tutoriais online não pararam. Não mudou nada, aliás é nesta fase que as pessoas estão em casa e só somou mais.

Entretanto, continuará a mirar no mercado externo?

Depois da pandemia, se Deus quiser não vou ficar muito na dança. Já está na hora de entrar na área de realizador e produtor.Tenho ensaiado bastante e feito várias pesquisas. Quero entrar mais na indústria cinematográfica, porque acho que em Angola precisamos mais documentários e filmes. Vou utilizar a minha dança para formar outras pessoas, mas não para eu estar em palco.

Está a dizer que já chegou o momento de se aposentar?

Apenas quero mais tempo para as filmagens. Nós não temos livros sobre a nossa dança
Quando os pais mandam os filhos para a minha academia, eles mandam apenas para os filhos não ficarem nas ruas. Eles não sabem que a dança é um emprego. Então os documentários vão ajudar as pessoas a perceberem que a dança também dá emprego, mas ao invés de eu ficar a dançar, vou exibir as pessoas que eu formar.

Qual será o método de distribuição desses documentários?

Quero desenvolver os meus trabalhos para aplicativos como a Netflix e Bollywood, afim de promover a cultura de Angola. Tenho muitos conteúdos guardados e, no momento oportuno, vou distribuir.

Queixa-se da falta de patrocínio. O que teria conseguido se os tivesse?

Precisei de 10 anos para começar a fazer o que faço hoje. Se tivesse patrocínio, já estaria muito longe. Muitos dançarinos estão sem trabalho porque não têm como materializar suas ideias. Eu investi, comprei terreno e construí academia. Se tivesse patrocínio, a minha companhia já estaria em outras províncias.

Manuel Kanza: “O Kuduro não morreu, apenas está a se transformar em Afro House”

Ainda assim há motivos por que se orgulhar?

Antes não me orgulhava pela arte que escolhi. Não me dava dinheiro,mas agora tudo está mais a meu favor. Sinto-me feliz. Foi difícil, tive que trabalhar muito. Já fingi postando videos como se estivesse feliz, mas estive magoado por dentro.

Está sempre a insistir que a dança Kuduro e o Afro são a mesma coisa. Tem fundamento para isso?

Muita gente pensa que o Afro House é novo. Da mesma forma que existia o Kuduro que o Tonny Amado fazia, havia já um estilo mais agressivo. Depois veio o Kuduro lamento, Os Lambas e o Ndombolo, mais tarde o Agre G e depois o Cabo Snoop. Nota-se que o estilo foi mudando e é com Cabo Snoop que vem o Kuduro Afro, portanto, o Kuduro transformou-se em Afro House e muitos djs sabem disso. O Malvado e o Djeff sabem. Não costumo a falar muito sobre o assunto porque é isso que eu vendo na Internet. Concluindo, o Kuduro não morreu, apenas está a se transformar em Afro House. Os passos que se dá no Afro é o mesmo do Kuduro de antes.

A estratégia que adoptou, caso fosse aplicada pelos músicos, será que resultaria, uma vez que o custo do tráfego de dados ainda é bastante elevado?

Eu acho que os artistas, o pessoal podem render muito é só ter boa Internet. Músicos como C4 Pedro e Kyaku ganhariam milhões. Eles nem imaginam! Aqui o que vai salvar o artista é a sensibilidade para a arte. Este é o memento que os artistas devem agir.

Qual a sua opinião sobre o futuro da dança kuduro?

Só precisamos mais de criatividade interna. É bom fazer fusão com os outros estilos africanos, mas precisamos primeiro saber a nossa identidade. Muitos pensam que o Kuduro e o Afro são diferentes. Não! É a mesma coisa.

as cargas mais recentes

Covid-19: Ministro italiano dos Desportos acusa CR7 de mentiroso e arrogante

há 1 ano
Cristiano Ronaldo violou, segundo o ministro italiano dos desportos, o protocolo de Covid-19, ao viajar para Portugal e regressar a Itália, uma vez que ao seu clube Juventus estava em isolamento preventivo.

Após exigir pensão “milionária”, Nicole Young alega ser co-proprietária do nome `Dr. Dre´

há 1 ano
O divórcio litigioso do rapper e produtor Dr. Dre, parece estar longe do fim, desta vez, além de estar a ser acusada de “dizimar” a conta bancária da empresa do ex-marido, Nicole Young ressurge com um novo processo onde afirma também ser dona do álbum ‘The Chronic’ e do nome artístico do rapper Dr. Dre.

Mungueno: Rappers imortalizam Waldemar Bastos em nova EP

há 9 meses
Pensólogo, Kamesu, Ikonoklasta, Haudas, Flagelo Urnano, Mono Sterio, Grand F e Franchoddas, vão rimar por cima de samples e vozes de Waldemar Bastos, deixando um registo do melhor da nova e velha geração do Rap nacional.

Governo britânico homenageia banda “Queen” nos selos

há 2 anos
Uma série de 13 selos personalizados do “Queen” serão vendidos no dia nove (9) de Julho, em comemoração aos 50 anos de uma das bandas mais icónicas de sempre.

Dog Murras desmente saída da TV Zimbo

há 2 anos

Mário Gomes é laureado pelo seu contributo na expansão da música instrumental

há 1 semana
Aconteceu no passado dia 8 de Janeiro, no Arquivo Nacional de Angola (ANA), sob o lema “Identidade, Diversidade e Cultura da Angolanidade” o acto central em celebração Dia da Cultura Nacional. Na ocasião, o ministro da Cultura, Turismo e Ambiente, Filipe Zau, laureou, várias figuras afectas ao ministério da Cultura, Turismo e Ambiente, bem como artistas nacionais, dentre os quais destacamos Mário Gomes, um guitarrista em ascensão e o mais novo entre os homenageados.

Chris Brown não quer batalha de hits com Usher

há 1 ano
Depois do encontro de Snoop Dogg e DMX, na passada quarta-feira e enquanto fãs de R&B estão expectantes por um encontro entre Keyshia Cole e Ashanti no Verzuz, Chris Brown antecipou-se e disse que não pretende competir com ninguém.

Jacinto Tchipa: O ícone que partiu com um sonho

há 3 meses
A morte de Jacinto Tchipa hoje, em Luanda, aos 63 anos, por doença, deixou ainda mais empobrecida a música angolana porque, mais do que um artista, Jacinto Tchipa foi das poucas referências que a música angolana lançou nos últimos trinta anos.

Trump ataca “músicos” na campanha

há 1 ano
Uma das visadas foi Lady Gaga, que fez recentemente campanha pelo principal adversário de Trump nas eleições, Joe Biden.

Hoje é Dia Mundial do Livro: Conheça os 18 títulos mais famosos da história

há 9 meses
Hoje é Dia Mundial do Livro e dos Direitos do Autor. A data é celebrada desde 1995 e tem como objectivo exaltar e reconhecer a importância e a utilidade dos livros, bem como incentivar hábitos de leitura.

Forbes divulga lista das 100 celebridades mais bem pagas do mundo

há 2 anos
A conceituada revista de negócios e economia revelou, esta quarta-feira, dia 3 de Junho, uma série de rankings anuais, dos quais as 100 figuras ligadas à música, desporto entre outros, mais bem pagas em 2020. Kylie Jenner, cunhada de Kanye West, está na primeira posição.

RZA cria plataforma para dar comentários ao vivo sobre filmes de artes marciais

há 2 anos
Ao longo de carreira, RZA foi inspirado em filmes de artes marciais. Agora, o produtor elevou este amor para um outro nível.

EtimbaFest: Músicos recolhem donativos para construção de biblioteca comunitária no Lobito

há 8 meses
A vontade de querer ajudar uma pequena comunidade do Lobito, com a construção de uma biblioteca, que poderá beneficiar mais de 500 pessoas, “obrigou” Yuri da Cunha, Gilmário Vemba, Irina Vasconcelos Alba Nigra, Prince Wadada, B-SKilla e Chaló Correia a reunirem-se em Lisboa para dois espectáculos pedagógicos, que podem ser assistidos nos dias 19 e 26 deste mês através do NetShows”, Musickool e RTP África.

Paulo Flores lança “Semba Original” para Carlos Burity e Waldemar Bastos

há 1 ano
A música começou a ser construída muito antes da notícia sobre os passamentos físicos de Waldemar Bastos e Carlos Burity e já faria parte do álbum “Independência”, com lançamento previsto para Abril de 2021.

Cardi B está a ser processada por racismo

há 1 ano
A cantora-norte-americana está a ser processada por publicar o vídeo de uma família na praia que terá assediado sua irmã Hennessy Carolina, que também está no processo.

Kanye West: “Ninguém pode me comprar. Tenho mais dinheiro que o Trump”

há 1 ano
Continua entre os norte-americanos as suspeitas sobre se West não está a ser uma marioneta ao serviço dos Republicanos, pago para ser uma mera “distração” nas eleições presidenciais de 3 de Novembro.