Manuel Kanza: “O Kuduro não morreu, apenas está a se transformar em Afro House”

Ao contrário de muitos, a pandemia triplicou as actividades e as receitas de Manuel Kanza e o jovem revela os segredos. Ainda nesta entrevista, o dançarino de Kuduro Afro anuncia que vai abandonar os palcos em troca da produção de documentários e afirma que a dança Afro House e o Kuduro são a mesma coisa e fundamenta.

Como tem feito para contornar a problemática da pandemia ?

Estou neste momento a dar minhas aulas online via Skype e Zoom. Também tenho feito alguns documentários meus, na sequência do que já venho a trabalhar. Faço colaborações com alguns novos valores, ajudo a promover suas músicas com a minha dança, tudo a partir de casa.

Esses documentários quando é que o público terá acesso?

O público poderá consumir os documentários e outros meus trabalhos assim que estiverem prontos.

Os artistas parecem os que mais prejuízos tiveram com esta situação. Que métodos adoptou para contornar as consequências?

Não precisei adoptar nenhum método. O meu income vem mais online. Então, nesta fase só somou. Eu comecei em 2012 a fazer serviços online, esta fase não apertou muito.

Quer se explicar melhor, está a dizer que a pandemia pouco afectou as suas actividades?

De certa forma. Só não posso ter contacto
directo com os meus clientes, algo que dá mais credibilidade ao meu trabalho. É aqui onde é mais difícil gerir uma carreira com a dança, porém eu não foco muito o meu trabalho em Angola.

Por que motivo prefere focar-se mais para o exterior?

Eu percebi que o Ocidente não quer o Afro com misturas. Eles querem algo mais original e o nosso espaço ainda não foi bem explorado.

Temos conhecimento de que a sua agenda este ano passava pela Europa….

Tive alguns projectos nos EUA e na Europa, que foram cancelados por causa disso. Mas as aulas tutoriais online não pararam. Não mudou nada, aliás é nesta fase que as pessoas estão em casa e só somou mais.

Entretanto, continuará a mirar no mercado externo?

Depois da pandemia, se Deus quiser não vou ficar muito na dança. Já está na hora de entrar na área de realizador e produtor.Tenho ensaiado bastante e feito várias pesquisas. Quero entrar mais na indústria cinematográfica, porque acho que em Angola precisamos mais documentários e filmes. Vou utilizar a minha dança para formar outras pessoas, mas não para eu estar em palco.

Está a dizer que já chegou o momento de se aposentar?

Apenas quero mais tempo para as filmagens. Nós não temos livros sobre a nossa dança
Quando os pais mandam os filhos para a minha academia, eles mandam apenas para os filhos não ficarem nas ruas. Eles não sabem que a dança é um emprego. Então os documentários vão ajudar as pessoas a perceberem que a dança também dá emprego, mas ao invés de eu ficar a dançar, vou exibir as pessoas que eu formar.

Qual será o método de distribuição desses documentários?

Quero desenvolver os meus trabalhos para aplicativos como a Netflix e Bollywood, afim de promover a cultura de Angola. Tenho muitos conteúdos guardados e, no momento oportuno, vou distribuir.

Queixa-se da falta de patrocínio. O que teria conseguido se os tivesse?

Precisei de 10 anos para começar a fazer o que faço hoje. Se tivesse patrocínio, já estaria muito longe. Muitos dançarinos estão sem trabalho porque não têm como materializar suas ideias. Eu investi, comprei terreno e construí academia. Se tivesse patrocínio, a minha companhia já estaria em outras províncias.

Manuel Kanza: “O Kuduro não morreu, apenas está a se transformar em Afro House”

Ainda assim há motivos por que se orgulhar?

Antes não me orgulhava pela arte que escolhi. Não me dava dinheiro,mas agora tudo está mais a meu favor. Sinto-me feliz. Foi difícil, tive que trabalhar muito. Já fingi postando videos como se estivesse feliz, mas estive magoado por dentro.

Está sempre a insistir que a dança Kuduro e o Afro são a mesma coisa. Tem fundamento para isso?

Muita gente pensa que o Afro House é novo. Da mesma forma que existia o Kuduro que o Tonny Amado fazia, havia já um estilo mais agressivo. Depois veio o Kuduro lamento, Os Lambas e o Ndombolo, mais tarde o Agre G e depois o Cabo Snoop. Nota-se que o estilo foi mudando e é com Cabo Snoop que vem o Kuduro Afro, portanto, o Kuduro transformou-se em Afro House e muitos djs sabem disso. O Malvado e o Djeff sabem. Não costumo a falar muito sobre o assunto porque é isso que eu vendo na Internet. Concluindo, o Kuduro não morreu, apenas está a se transformar em Afro House. Os passos que se dá no Afro é o mesmo do Kuduro de antes.

A estratégia que adoptou, caso fosse aplicada pelos músicos, será que resultaria, uma vez que o custo do tráfego de dados ainda é bastante elevado?

Eu acho que os artistas, o pessoal podem render muito é só ter boa Internet. Músicos como C4 Pedro e Kyaku ganhariam milhões. Eles nem imaginam! Aqui o que vai salvar o artista é a sensibilidade para a arte. Este é o memento que os artistas devem agir.

Qual a sua opinião sobre o futuro da dança kuduro?

Só precisamos mais de criatividade interna. É bom fazer fusão com os outros estilos africanos, mas precisamos primeiro saber a nossa identidade. Muitos pensam que o Kuduro e o Afro são diferentes. Não! É a mesma coisa.

as cargas mais recentes

O novo álbum de Lady Gaga chegou e já conquistou o número #1 na Billboard 200

há 3 anos
`Chromatica´ assinala a sexta vez que um álbum de Lady Gaga figura no topo da lista, desde o lançamento de Born This Way em 2011. O trabalho era um dos mais aguardados dos últimos tempos, por representar o retorno da cantora ao dance pop.

Conceito Hospitality regressa no próximo Show do Mês Live ao som de Dom Caetano e Lulas da Paixão

há 2 anos
O designado `Hospitality´ consiste em receber o público num espaço aberto, o acto visa também criar um momento de interação entre os presentes, aumentando as opções de convívio para as famílias e amigos.

C4Pedro é destaque no Times Square, o maior espaço de exposição do mundo

há 1 ano
Após ter sido seleccionado para integrar a lista de reproduções de afrobeats do mundo, C4Pedro mereceu o destaque do principal e mais importante espaço de entretenimento do planeta, o Tmes Square.

Actuação de Kyaku Kyadaff no `Conversas acústicas´ já em contagem decrescente

há 2 anos
O show intimista traz um conceito inovador concebido pela STEP, que congrega de forma interactiva várias disciplinas artísticas, nomeadamente: música, gastronomia e artes plásticas.

Tribunal obriga Valete a fazer pedido de desculpas públicas

há 1 ano
Para evitar que fosse julgado, Keidje Torres Lima, artisticamente conhecido por Valete, recorreu esta semana às redes sociais para partilhar publicamente um pedido de desculpas ao casal que ameaçou em 2019, na sequência da polémica canção “BFF”.

Mister Brazuca aposta todas as “cartas” na carreira a solo

há 3 anos
Mids, agora Mister Brazuca, é uma das principais referências da dança em Angola, tendo conquistado o seu espaço como dançarino a solo e de seguida como integrante do grupo “The Groove”, onde também cantava.

Plies: “Kanye West só age como louco quando está prestes a lançar um álbum”

há 3 anos
O rapper da Florida acessou o Twitter para um momento de clareza instigante. Plies sugeriu o recente drama online, protagonizado por Kanye como uma possivelmente tendência de promoção.

Soulja Boy é acusado de agredir ex-namorada até provocar aborto

há 2 anos
A mulher que o acusa, usa o nome fictício Jane Doe e alega que as agressões remontam para 2015 e, a mais grave de todas, foi o facto de ter sido espancada ao ponto de perder o bebé e posteriormente ter que remover o revestimento uterino.

Dimensão artistíca e cultural de Sindika Dokolo estarão em destaque amanhã

há 2 anos

União dos Escritores Angolanos poderá encerrar as portas por falta de dinheiro

há 2 anos
A crise na União dos Escritores angolanos não é de hoje. Muito antes da pandemia, a instituição de carácter pública já se debatia com problemas de ordem financeira, mas as coisas agudizaram ultimamente.

Especialistas dizem que Kanye West não conseguirá concorrer à presidência dos EUA

há 3 anos
As 59ª eleições nos Estados Unidos estão agendadas para 3 de Novembro de 2020 (numa terça-feira), o que leva especialistas a firmarem ser tarde demais para o rapper e empresário concorrer e, se o fizesse, West teria de desafiar o domínio democrático e republicano daquele país.

Imponente, MAMY reafirma hegemonia no remix oficial de “Spitter”

há 2 anos
MAMY disponibilizou ontem, sem aviso prévio, o remix oficial do single, mostrou a verdade face e disparou barras pesadas sem piedade.

Maya Cool e Matias Damásio apresentam “Minha Princesa” aos fãs

há 2 anos

House of Gucci: Lady Gaga interpreta Patrizia Reggiani ex-esposa e mandante do assassinato de Maurizio Gucci

há 1 ano
Lady Gaga que já havia afirmado que pretende se consolidar na sétima arte, foi, três anos depois de ganhar um Óscar, a escolhida a dedo para estar no principal papel do drama policial, de Ridley Scott.

Cristiano Ronaldo eleito o jogador mais influente do mundo

há 3 anos
Cristiano Ronaldo foi eleito pela revista France Football como o jogador mais influente do mundo. Para além de ser o mais influente, o internacional português está entre as três pessoas mais importantes do mundo desportivo.

Killuanji: “Os fazedores do Rap gospel em Angola andam distraídos e tornam o estilo frágil e fraco ao ponto de ninguém os ouvir”

há 2 anos
Lançou recentemente o EP Apocrypha e embora esteja na música há mais de uma década, Killuanji considera que agora sim, a sua carreira começou. O rapper que faz da crença o seu sacerdócio assume-se como o “novo rosto do Rap Gospel em Angola”, e garante que chegou para dar uma lufada de ar fresco ao estilo.