Manuel Kanza: “O Kuduro não morreu, apenas está a se transformar em Afro House”

Ao contrário de muitos, a pandemia triplicou as actividades e as receitas de Manuel Kanza e o jovem revela os segredos. Ainda nesta entrevista, o dançarino de Kuduro Afro anuncia que vai abandonar os palcos em troca da produção de documentários e afirma que a dança Afro House e o Kuduro são a mesma coisa e fundamenta.

Como tem feito para contornar a problemática da pandemia ?

Estou neste momento a dar minhas aulas online via Skype e Zoom. Também tenho feito alguns documentários meus, na sequência do que já venho a trabalhar. Faço colaborações com alguns novos valores, ajudo a promover suas músicas com a minha dança, tudo a partir de casa.

Esses documentários quando é que o público terá acesso?

O público poderá consumir os documentários e outros meus trabalhos assim que estiverem prontos.

Os artistas parecem os que mais prejuízos tiveram com esta situação. Que métodos adoptou para contornar as consequências?

Não precisei adoptar nenhum método. O meu income vem mais online. Então, nesta fase só somou. Eu comecei em 2012 a fazer serviços online, esta fase não apertou muito.

Quer se explicar melhor, está a dizer que a pandemia pouco afectou as suas actividades?

De certa forma. Só não posso ter contacto
directo com os meus clientes, algo que dá mais credibilidade ao meu trabalho. É aqui onde é mais difícil gerir uma carreira com a dança, porém eu não foco muito o meu trabalho em Angola.

Por que motivo prefere focar-se mais para o exterior?

Eu percebi que o Ocidente não quer o Afro com misturas. Eles querem algo mais original e o nosso espaço ainda não foi bem explorado.

Temos conhecimento de que a sua agenda este ano passava pela Europa….

Tive alguns projectos nos EUA e na Europa, que foram cancelados por causa disso. Mas as aulas tutoriais online não pararam. Não mudou nada, aliás é nesta fase que as pessoas estão em casa e só somou mais.

Entretanto, continuará a mirar no mercado externo?

Depois da pandemia, se Deus quiser não vou ficar muito na dança. Já está na hora de entrar na área de realizador e produtor.Tenho ensaiado bastante e feito várias pesquisas. Quero entrar mais na indústria cinematográfica, porque acho que em Angola precisamos mais documentários e filmes. Vou utilizar a minha dança para formar outras pessoas, mas não para eu estar em palco.

Está a dizer que já chegou o momento de se aposentar?

Apenas quero mais tempo para as filmagens. Nós não temos livros sobre a nossa dança
Quando os pais mandam os filhos para a minha academia, eles mandam apenas para os filhos não ficarem nas ruas. Eles não sabem que a dança é um emprego. Então os documentários vão ajudar as pessoas a perceberem que a dança também dá emprego, mas ao invés de eu ficar a dançar, vou exibir as pessoas que eu formar.

Qual será o método de distribuição desses documentários?

Quero desenvolver os meus trabalhos para aplicativos como a Netflix e Bollywood, afim de promover a cultura de Angola. Tenho muitos conteúdos guardados e, no momento oportuno, vou distribuir.

Queixa-se da falta de patrocínio. O que teria conseguido se os tivesse?

Precisei de 10 anos para começar a fazer o que faço hoje. Se tivesse patrocínio, já estaria muito longe. Muitos dançarinos estão sem trabalho porque não têm como materializar suas ideias. Eu investi, comprei terreno e construí academia. Se tivesse patrocínio, a minha companhia já estaria em outras províncias.

Manuel Kanza: “O Kuduro não morreu, apenas está a se transformar em Afro House”

Ainda assim há motivos por que se orgulhar?

Antes não me orgulhava pela arte que escolhi. Não me dava dinheiro,mas agora tudo está mais a meu favor. Sinto-me feliz. Foi difícil, tive que trabalhar muito. Já fingi postando videos como se estivesse feliz, mas estive magoado por dentro.

Está sempre a insistir que a dança Kuduro e o Afro são a mesma coisa. Tem fundamento para isso?

Muita gente pensa que o Afro House é novo. Da mesma forma que existia o Kuduro que o Tonny Amado fazia, havia já um estilo mais agressivo. Depois veio o Kuduro lamento, Os Lambas e o Ndombolo, mais tarde o Agre G e depois o Cabo Snoop. Nota-se que o estilo foi mudando e é com Cabo Snoop que vem o Kuduro Afro, portanto, o Kuduro transformou-se em Afro House e muitos djs sabem disso. O Malvado e o Djeff sabem. Não costumo a falar muito sobre o assunto porque é isso que eu vendo na Internet. Concluindo, o Kuduro não morreu, apenas está a se transformar em Afro House. Os passos que se dá no Afro é o mesmo do Kuduro de antes.

A estratégia que adoptou, caso fosse aplicada pelos músicos, será que resultaria, uma vez que o custo do tráfego de dados ainda é bastante elevado?

Eu acho que os artistas, o pessoal podem render muito é só ter boa Internet. Músicos como C4 Pedro e Kyaku ganhariam milhões. Eles nem imaginam! Aqui o que vai salvar o artista é a sensibilidade para a arte. Este é o memento que os artistas devem agir.

Qual a sua opinião sobre o futuro da dança kuduro?

Só precisamos mais de criatividade interna. É bom fazer fusão com os outros estilos africanos, mas precisamos primeiro saber a nossa identidade. Muitos pensam que o Kuduro e o Afro são diferentes. Não! É a mesma coisa.

as cargas mais recentes

Chilola de Almeida: “Quero fazer o Semba atingir os palcos onde os mestres sempre desejaram”

há 5 meses
Como cantor pode não ser muito conhecido, mas como compositor, Chilola de Almeida escreveu sucessos de músicos como Filho do Zua, Ary, Puto Português, Carlos Burty e Banda Maravilha. Este ano, o músico vai dar o primeiro grande passo da carreira e assume-se como a continuidade de Bangão.

Actor angolano dá a “cara” na Globo

há 5 meses
O actor angolano Hoji Fortuna é uma das personagens da nova novela da Globo, intitulada “Nos tempos do imperador”, onde contracena com Selton Mello. A nova novela da Globo, das 18h00, retrata o Brasil nos anos 1800 e sua politica monárquica, dando continuidade a novela “Novo Mundo”, exibida em 2017.

Cine Janela exibe performance de Thó Simões amanhã

há 4 meses
Intitulada “Intocável” em projecto de projeção audiovisual durante quarentena, a performance e Thó Simões será exibida amanhã, às 20 horas, na página @cine.janela.

Pongo Love confirmada no Festival Músicas do Mundo

há 3 meses
O evento reúne cerca de 30 músicos vindos da África, Europa e América. A cantora faz parte da lista dos primeiros 14 artistas apresentados esta sexta-feira.

UNAP pode encerrar as portas dentro de dias

há 3 meses

Cantor de 12 anos ganha contrato milionário por fazer a cappella durante protestos

há 4 meses
Keedron Bryant ficou conhecido por se destacar durante os protestos anti-racismo nos Estados Unidos da América. Um dia depois da morte de Floyd, o adolescente fez a cappella no Instagram de uma musica sua e, menos de três semanas, a canção gospel atingiu mais de três milhões de visualizações, obrigando a Warner Record’s a contratá-lo.

Uma lenda que continua no auge volvidos 39 anos da sua morte

há 6 meses
Num dia como hoje, há 39 anos, a arte empobreceu devido o passamento físico de Bob Marley. Um astro, cujo impacto da obra e da carreira pode ainda ser sentido, como se de um artista vivo e no auge da carreira se tratasse.

Raúl Duarte por mais um ano no Interclube

há 2 meses
A direcção do Interclube renovou hoje (quinta-feira) o contrato de trabalho com o técnico Raúl Duarte, por mais uma temporada a frente da equipa sénior masculina de basquetebol.

Oluali Records: A label que promete conectar Angola ao mundo

há 2 meses
O ano 2020 está a ser marcado por várias adversidades a todos os níveis, obrigando os artistas e produtoras a reinventarem-se e a procurarem novas formas de trabalhar. E é neste um contexto que nasce a Oluali Records, uma label que se propõe a prepõe a criar pontes entre Angola e o mundo.

Filme de Mawete Paciência entra no Amazon Prime Video

há 2 semanas
O filme “Rasto de Sangue” do realizador Mawete Paciência estará disponível no Amazon Prime Video, tornando-se a primeira película nacional na plataforma de streaming.

João Lourenço felicita projecto “Live no Kubico”

há 4 meses
Durante o Live da dupla Gabriel Tchiema e Mito Gaspar, referente ao projecto “Live no Kubico”, da TPA, uma mensagem centralizou as atenções. Na sua página no twitter, o Presidente da República de Angola, João Lourenço, elogiou o projecto e felicitou os organizadores por “manterem viva a nossa cultura”.

Anna Joyce: A mais premiada do Globos de Ouro da Zap

há 1 semana
A cantora foi o destaque da primeira edição do Globos de Ouro da Zap ao levar para casa três prémios em três categorias, numa gala em que concorriam expoentes máximos da música angolana.

RZA cria plataforma para dar comentários ao vivo sobre filmes de artes marciais

há 5 meses
Ao longo de carreira, RZA foi inspirado em filmes de artes marciais. Agora, o produtor elevou este amor para um outro nível.

Após comunicar que testou positivo para o Covid-19, Lizha James tranquiliza fãs

há 2 meses
Lizha voltou a recorrer às redes sociais para informar que o empresário Bang (seu marido), e a sua filha testaram negativo para o novo coronavírus.

#TheShowMustBePaused: Indústria da música paralisada

há 5 meses
A paralisação de apoio ao “Black Lives Matters” já começou a ter efeito em outras latitudes. Por aqui vários são os nomes da música que vão postando imagens nas redes sociais em sinal de apoio ao protesto contra a morte de George Floyd.

Centenário de Amália Rodrigues celebrado ao nível do seu palmarés

há 4 meses
As celebrações do centenário da diva do fado datam desde o ano passado, este ano, começaram no primeiro dia deste mês, com 100 guitarras a tocarem em uníssono para fazer juz, num espectáculo transmitido pela RTP. Mas não é tudo, dentre muitas homenagens, inéditos de fadista serão editados no dia em que se assinala o centésimo aniversário, noticiou o caderno cultural Ípslon.