Mário Gomes: O presente e o futuro entre os guitarristas

Mário Gomes é um jovem guitarrista angolano, de 23 anos de idade, nascido em Luanda no município do Cazenga. É para muitos o futuro da música angolana entre os guitarristas. Já acompanhou vários artistas e partilhou o palco com os guitarristas mais conceituados de Angola, como são os casos de Teddy Nsigui, Botto Trindade, Pop Show entre outros.
Músicos como Lulas da Paixão, Dom Caetano, Filipe Mukenga consideram-no o melhor guitarrista da actualidade. Saiba mais sobre este pequeno/grande músico na entrevista concedida à Revista Carga.

Quando e como começou a tocar?
Comecei aos 10 anos. Aprendi de forma muito intuitiva tentando simular som da percursão com recipientes de água, na altura. Depois, por influência de dois amigos, (Arnaldo João Lino e Nelo Adriano) Comecei tocando baixo.
Mais uma vez por influência de outro amigo, João Dimuna Pedro, deixei de tocar baixo e passei a tocar guitarra.

Fonte de inspiração?
Minha maior fonte de inspiração vem da força Divina (Deus).

Como se descreve como guitarrista?
Como Guitarrista descrevo-me como um veículo de transmissão do velho ao novo contexto musical. Claro sem desprimor a ninguém.

Momento alto da sua carreira?

Até aqui tive vários momentos altos, mas posso apontar um particular, a minha primeira viagem para Espanha onde realizei a o primeiro tour com o conceituado músico Totó St. Foi uma das maiores experiências que vivi.

Ídolo?

Ultimamente ouço vários artistas, mas posso dizer que o guitarrista Leonel Loueke é dos que mais aprecio, por ter um nível musical muito alto e ser a pessoa que elevou a música africana, misturando com harmonias mais complexas, sem falar do nível técnico que tem.

Em Angola?

O Simone Mancini foi o primeiro a trazer novas influências para a nossa música, também é uma fonte de inspiração. Por outro lado, não posso deixar de mencionar o kota Botto Trindade quando se fala da música angolana de raiz.

Como estamos servidos em termos de guitarristas?

Estamos bem servidos. Temos muitos bons guitarristas.

O que falta para estarmos melhor?

Temos que pensar e entender que a vida por si é dinâmica e a arte musical não está isenta, devemos resgatar nossos valores e usar tudo aquilo que já foi feito como influência para prosseguirmos para novos caminhos. Devemos olhar para as coisas que têm acontecido no contexto musical actual e tirar daí proveito para criarmos novas composições, sempre respeitando a história musicalmente falando.

O que é necessário para termos bons instrumentistas?

É preciso ter consciência do que quer ser e posteriormente investir maior parte do seu tempo em seu instrumento, seja qual for. O mais importante é a disciplina.

Com quem gostaria de tocar e ainda não tocou?

Gostaria de partilhar o palco com muitos “gigantes” da música mundial, como é o caso do grande Leonel Loueke, um dos instrumentistas com quem gostaria de partilhar o palco.

Qual o seu género musical preferido?

Todos são os preferidos, uma vez que cada um deles tem sempre algo diferente para dar, por isso é impossível escolher em detrimento de outro.

Diz-se que está entre os melhores do país, o que tem a dizer?

Não posso me auto-classificar, prefiro manter o foco no trabalho e, na companhia dos meus colegas, contribuir mais e mais para esta bela arte que é a música.

Mário Gomes: O presente e o futuro entre os guitarristas

Até onde pretende chegar?

Por ser uma pessoa temente a Deus prefiro que seja ele a guiar meus passos. Pretendo chegar até onde ele permitir que eu chegue.

Como guitarrista, quais são os músicos que mais acompanha?

Neste momento o Totó, Filipe Mukenga e Anabela Aya.

Porquê?

São os que mais me convidam para acompanhá-los. Provavelmente sentem-se bem

Olhando para estes nomes, não será o “world music” a sua verdadeira praia?

Não acho. Sou músico e toco tudo, principalmente a música angolana de raiz.
Sua carreira ficará apenas passará apenas por acompanhar outros músicos ou tem planos extra?

Não. Neste momento estou a preparar o meu EP.

Quando estará pronto?

Com as dificuldades financeiras e o surgimento da pandemia fica difícil estabelecer um período. Provavelmente em 2021, embora os temas promocionais possam ser apresentados já este ano.

Voltamos a velha questão, quais os géneros?

(Risos). São apenas entre quatro a cinco músicas e vou colocar de tudo um pouco, desde a música angolana de raiz, passando por outras influências. Será uma apresentação de quem eu sou, de acordo com o que aprendi ao longo dos anos.

as cargas mais recentes

Par de ténis usado por Kanye quebra record de vendas e torna-se o mais caro da história

há 1 ano
Os calçados foram vendidos o equivalente a 1 bilião e 170 milhões de Kwanzas. Trata-se do par de Nike Air Yeezys que Kanye West usou durante a actuação no Grammy Awards de 2008.

Prince é memorado como pioneiro do “som de Minneapolis” no sexto ano post mortem

há 3 semanas
Workaholic, Perfeccionista, Queer, Outsider, Freak, Genius… todos adjectivos lhe caíam como luva, o seu magnetismo e espírito livre foram relatos de autenticidade e fizeram reflectir sobre estereótipos no mundo da música e da moda. Na data em que se assinalou o sexto ano post-mortem, Minneapolis reoxigenou a imagem de Price, como majestade musical cujo ímpeto moderno e intemporal fica imortalizado.

É oficial, Lewis Hamilton é o maior piloto da história da Fórmula 1

há 2 anos
O piloto inglês Lewis Hamilton escreveu mais um capítulo na sua história ao vencer este domingo, em Portugal, pela 92a vez a corrida da F1, superando o alemão Michael Schumacher, até então o maior com 91 provas conquistadas.

James Harden é melhor jogador que Michael Jordan, Kob Bryant e Lebron James, diz Charles Barkley

há 1 ano

Disco que John Lennon assinou para seu próprio assassino vai a leilão

há 1 ano
Uma cópia do LP Double Fantasy , lançada em 1980 por John Lennon , vai a leilão por um valor inicial de 2 milhões de dólares. O disco, com autógrafo do ex-Beatle, pertencia a Mark David Chapman, que se encontra a cumprir prisão perpétua.

Dino Cross rende tributo a Bang no seu primeiro ano post mortem

há 4 meses
O anúncio sobre a morte de Bang, foi feito na fatídica manhã de segunda-feira, no passado dia 11 de Janeiro de 2021. Este ano, Dino Cross, na qualidade de amigo e profissional da cultura, usou o podcast `Mambos HIPHOP da Banda´ memorou a obra e vida daquele que ainda hoje, é considerado um dos “gigantes” do entretenimento moçambicano.

Vencedora do Prémio Camões 2021 apresenta seu primeiro álbum discográfico em Angola

há 3 meses

Apesar de ser dos futebolistas mais caros do mundo, Mbappé não tem um carro sequer

há 8 meses
Curiosamente, ao contrário da generalidade dos atletas mais bem pagos, o atacante francês do PSG não possui uma invejável colecção de automóveis na garagem. Aliás, não tem carro sequer.

Pedro Hossi seleccionado para o projecto “Passaporte”

há 2 anos
Com objectivo de promover os homens do cinema em Portugal, a Academia Portuguesa de Cinema realiza o programa “Passaporte”, que contará com a participação do actor angolano Pedro Hossi.

Espaço Luanda Arte participa na `African Galleries Now´e `Prizm Miami´ em simultâneo

há 1 ano
A galeria ELA- Luanda Espaço Arte representa Angola em duas feiras internacionais de arte, nomeadamente: a `African Galleries Now´/´Galerias Africanas Agora´, que teve início hoje e a `Prizm Miami´, uma feira de arte online com base física em Miami, a ter início no próximo dia 30 de Novembro.

Manifestação de sábado divide classe artística: “Sou figura pública e não vão me ver na rua desta forma”

há 2 anos
Laton não concorda com a forma como as reivindicações são feitas. O rapper foi decisivo nas declarações, dizendo que não apoia.

Agente de Chadwick Boseman revela que o actor recusou papéis de escravos

há 2 anos
O actor Chadwick Boseman tornou-se um ícone global e um símbolo inspirador do poder negro. Tudo se deu, porque o actor sempre escolheu a dedo os trabalhos com que se envolver, chegando ao ponto de negar papéis que não empoderassem a comunidade negra.

Apocalipse: Masta e Lokz lançam EP colaborativa amanhã

há 2 meses
O projecto conta com as participações de Deezy no tema “Rebobina” que foi capa da Playlist Editorial TIDAL Portugal “CENA RAP”, Liriany, na música que apresenta o EP com “Plena” que fala sobre o empoderamneto feminino, Laura Varges no piano do tema de introdução do EP e ainda DJ Nel Assassin.

Matrix Resurrections alimentou muitas expectativas e agora é um fracasso de bilheteria

há 4 meses
Dados de Janeiro indicam que a obra arrecadou, até o momento, 148 milhões de dólares pelo mundo. Os valores são bons, se não tivermos em conta que se trata de blockbuster de fama mundial, com um investimento de 190 milhões, ou seja, até agora, as despesas de Ressurections são superiores às receitas, 43 milhões de dólares a menos.

Sabias que mesmo sendo protagonista, Daniel Kaluuya não foi convidado para a estreia de “Get Out”?

há 1 ano
A estreia mundial de Get Out, coincidiu com a época filmagens de Pantera Negra , em 2017, mas enquanto protagonista, Kaluuya revelou não ter tido a oportunidade de justificar a ausência por incompatibilidade na agenda, pois nem sequer teve a honra de receber o convite.

Filme sobre Murais da Leba disputa Grande Prémio de Cinema Brasileiro

há 2 anos
O filme torna-se assim no primeiro realizado em África a entrar no circuito comercial de cinema brasileiro. Intitulado ‘As Cores da Serpente’, a longa-metragem narra o desafiante processo artístico dos jovens grafiteiros sobre os Murais da Leba.