Mário Gomes: O presente e o futuro entre os guitarristas

Mário Gomes é um jovem guitarrista angolano, de 23 anos de idade, nascido em Luanda no município do Cazenga. É para muitos o futuro da música angolana entre os guitarristas. Já acompanhou vários artistas e partilhou o palco com os guitarristas mais conceituados de Angola, como são os casos de Teddy Nsigui, Botto Trindade, Pop Show entre outros.
Músicos como Lulas da Paixão, Dom Caetano, Filipe Mukenga consideram-no o melhor guitarrista da actualidade. Saiba mais sobre este pequeno/grande músico na entrevista concedida à Revista Carga.

Quando e como começou a tocar?
Comecei aos 10 anos. Aprendi de forma muito intuitiva tentando simular som da percursão com recipientes de água, na altura. Depois, por influência de dois amigos, (Arnaldo João Lino e Nelo Adriano) Comecei tocando baixo.
Mais uma vez por influência de outro amigo, João Dimuna Pedro, deixei de tocar baixo e passei a tocar guitarra.

Fonte de inspiração?
Minha maior fonte de inspiração vem da força Divina (Deus).

Como se descreve como guitarrista?
Como Guitarrista descrevo-me como um veículo de transmissão do velho ao novo contexto musical. Claro sem desprimor a ninguém.

Momento alto da sua carreira?

Até aqui tive vários momentos altos, mas posso apontar um particular, a minha primeira viagem para Espanha onde realizei a o primeiro tour com o conceituado músico Totó St. Foi uma das maiores experiências que vivi.

Ídolo?

Ultimamente ouço vários artistas, mas posso dizer que o guitarrista Leonel Loueke é dos que mais aprecio, por ter um nível musical muito alto e ser a pessoa que elevou a música africana, misturando com harmonias mais complexas, sem falar do nível técnico que tem.

Em Angola?

O Simone Mancini foi o primeiro a trazer novas influências para a nossa música, também é uma fonte de inspiração. Por outro lado, não posso deixar de mencionar o kota Botto Trindade quando se fala da música angolana de raiz.

Como estamos servidos em termos de guitarristas?

Estamos bem servidos. Temos muitos bons guitarristas.

O que falta para estarmos melhor?

Temos que pensar e entender que a vida por si é dinâmica e a arte musical não está isenta, devemos resgatar nossos valores e usar tudo aquilo que já foi feito como influência para prosseguirmos para novos caminhos. Devemos olhar para as coisas que têm acontecido no contexto musical actual e tirar daí proveito para criarmos novas composições, sempre respeitando a história musicalmente falando.

O que é necessário para termos bons instrumentistas?

É preciso ter consciência do que quer ser e posteriormente investir maior parte do seu tempo em seu instrumento, seja qual for. O mais importante é a disciplina.

Com quem gostaria de tocar e ainda não tocou?

Gostaria de partilhar o palco com muitos “gigantes” da música mundial, como é o caso do grande Leonel Loueke, um dos instrumentistas com quem gostaria de partilhar o palco.

Qual o seu género musical preferido?

Todos são os preferidos, uma vez que cada um deles tem sempre algo diferente para dar, por isso é impossível escolher em detrimento de outro.

Diz-se que está entre os melhores do país, o que tem a dizer?

Não posso me auto-classificar, prefiro manter o foco no trabalho e, na companhia dos meus colegas, contribuir mais e mais para esta bela arte que é a música.

Mário Gomes: O presente e o futuro entre os guitarristas

Até onde pretende chegar?

Por ser uma pessoa temente a Deus prefiro que seja ele a guiar meus passos. Pretendo chegar até onde ele permitir que eu chegue.

Como guitarrista, quais são os músicos que mais acompanha?

Neste momento o Totó, Filipe Mukenga e Anabela Aya.

Porquê?

São os que mais me convidam para acompanhá-los. Provavelmente sentem-se bem

Olhando para estes nomes, não será o “world music” a sua verdadeira praia?

Não acho. Sou músico e toco tudo, principalmente a música angolana de raiz.
Sua carreira ficará apenas passará apenas por acompanhar outros músicos ou tem planos extra?

Não. Neste momento estou a preparar o meu EP.

Quando estará pronto?

Com as dificuldades financeiras e o surgimento da pandemia fica difícil estabelecer um período. Provavelmente em 2021, embora os temas promocionais possam ser apresentados já este ano.

Voltamos a velha questão, quais os géneros?

(Risos). São apenas entre quatro a cinco músicas e vou colocar de tudo um pouco, desde a música angolana de raiz, passando por outras influências. Será uma apresentação de quem eu sou, de acordo com o que aprendi ao longo dos anos.

as cargas mais recentes

Mais um artista angolano deixa o mundo dos vivos

há 10 meses
Calou-se a bateria de Paulo Van-Dunem “Paulo Rymy”, Conhecido por tocar ao lado de artistas como Bonga, Eduardo Paim e Banda Canna D’Açucar, o músico morreu hoje vítima de cancro da pele.

Álbum “A Better Time” de Davido atinge mais de 213 milhões de streams em um mês

há 8 meses
O terceiro álbum de estúdio do músico nigeriano começou a deixar marcas inéditas três dias após o lançamento ao ultrapassar o fluxo acumulativo de 100 milhões, tornando-se, assim, no projecto mais rápido de um cantor Afrobeats a atingir tal marca.

Vinte e quatro filmes concorrem ao prémio de melhor filme no festival internacional de curta metragem da Kianda

há 7 meses
O FESC-KIANDA é o primeiro festival internacional de cinema que premeia as curta-metragens produzidas de Janeiro à Novembro de cada ano. É um evento anual inserido nas festividades da cidade de Luanda.

Burna Boy rubrica acordo de representação directa nos Estados Unidos

há 10 meses
O cantor e compositor nigeriano assinou esta semana um contrato com a Society of European Stage Authors & Composer para representação directa nos Estados Unidos da América.

Conheça Roger Linn, o responsável pela revolução do Hip-Hop

há 1 ano
Aos 22 anos, Roger Linn inventou o LM-1 Drum Computer, a primeira bateria eletrônica para sampler de bateria real. Depois criou o MPC, amostrador que viria revolucionar toda a história do Hip Hop.

Homem Mau: Jay Arghh e Hot Blaze reafirmam lírica, flow e rimas em nova faixa colaborativa

há 2 meses
`Homem Mau´ é uma faixa de colaboração entre dois virtuosos no flow e na escrita de Moçambique: Jay Arghh e Hot Blaze. Esta colaboração traz-nos um festival furioso de verdadeiras habilidades líricas e de flow dos dois rappers. Vindos da agência CSV, os dois têm muitas colaborações, e sempre com elevados critérios tanto na música como na técnica.

Malcolm & Marie: Críticos questionam diferença de idade dos actores e John David Washington rebate

há 6 meses
A pouco menos de um mês para a estreia do filme `Malcolm & Marie´, os 12 anos de diferença entre o casal protagonista, tem sido razão para fortes críticas.

Geração 80 assinala décimo aniversário com a criação de um mural na baixa de Luanda

há 11 meses
Trata-se de um presente que a GERAÇÃO de 80 oferece a Luanda, como forma de agradecimento a cidade por ter dado o privilégio de ser o local de partida dos sonhos dos produtores.

Chegou a vez deles. BTS apresenta-se no Acústico MTV

há 6 meses

Yuri da Cunha: “Eu podia ter nacionalidade portuguesa, mas nunca tive. Vou tentar ao máximo viver aqui”

há 3 meses
Sobre a garantia da sua reforma, uma vez que é visível o seu sucesso, o artista admitiu que, apesar de ganhar mais, tal como os demais angolanos, também lida com questões de água e luz, mas ama a sua terra e, embora tenha várias possibilidades de adquirir a nacionalidade portuguesa, nunca pensou nisso.

Carla Moreno desiludida com Don Kikas

há 11 meses
A música com o título “Ainda ontem” marca o primeiro dueto entre Don Kikas e Carla Moreno, cuja estreia está prevista para o dia 18 (sexta-feira) nas várias plataformas digitais.

Cardi B explica o que a impede de usar drogas

há 8 meses
Numa entrevista emparelhada com a mais recente capa da ‘Mulher do Ano’, eleita pela Billboard, Cardi B entrou em mais detalhes sobre um tema controverso, revelando que, embora ela não faça uso de drogas, fuma um cigarro, ou três ocasional.

Sambizanga passará a contar com plataforma de promoção dos artistas

há 6 meses

TANB lança “2020”: O registo sonoro de um ano marcante

há 4 meses
São 12 faixas onde nos conduz numa viagem sonora por acontecimentos marcantes, desde a pandemia ao desconfinamento, da violência policial às eleições americanas, sem esquecer a corrida ao papel higiénico.

Show do Mês leva angolanos à fonte da música angolana

há 1 ano
A Nova Energia levou este sábado internautas e telespectadores a efectuarem uma viagem obrigatória à verdadeira origem da música angolana, na voz e guitarra de Carlitos Vieira Dias, considerado um dos legados vivos da música angolana.

Conheça todos os vencedores da VII edição do Angola Music Awards

há 7 meses
Com um total de 26 categorias, a sétima edição do prestigiado concurso para a valorização da música angolana viu consagrar nomes como Anna Joyce, Yola Semedo, Patrícia Faria, Cheketela, Prodígio e dupla ou grupos como Scró Q Kuia, Força Suprema e Mobbers.