Mister Brazuca aposta todas as “cartas” na carreira a solo

Mids, agora Mister Brazuca, é uma das principais referências da dança em Angola, tendo conquistado o seu espaço como dançarino a solo e de seguida como integrante do grupo “The Groove”, onde também cantava.

Com a extinção do grupo, o músico aposta seriamente na sua carreira a solo como compositor e interprete e conta já com um EP de seis músicas, “lançado” em 2019.

Ao contrário do que se esperava, a música mais ouvida é um Guetto Zouk e não um Afro House, género que o caracteriza como músico.

Instado sobre o assunto, Mids disse que, tendo em conta o sucedido, vai continuar a interpretar vários géneros musicais, embora reconheça ter uma linha mais virada para o Afro House e os seus subgéneros. “Aconteceu, nem eu esperava”, referiu.

No dia 16 deste mês o músico completa 36 anos de idade e, como presente de aniversário, pretende apresentar um tema novo, no género Afro House, com as participações de Dj 50 Love e Maya Zuda.

Quanto aos The Groove, Mids confirma com tristeza a extinção do grupo, dizendo que cada um optou por seguir o seu caminho.

“Primeiro foi o Preto Show a dizer que tinha projectos a solo. Mesmo insatisfeitos aceitamos, seguiu-se o Hélio Baiano e ficamos apenas eu e o Fábio Dance. Durante cerca de dois anos trabalhei apenas com o Fábio, até surgir também o projecto dele com o Kapiro e ai decidimos cada um seguir com a sua carreira”, explicou.

Mister Brazuca aposta todas as “cartas” na carreira a solo

Quanto a relação com os restantes ex-integrantes afirmou que é boa, sublinhando que no princípio não era das melhores. “Ficamos muito triste com as saídas de um e outro, mas já ultrapassamos isso”, salientou.

Aproveitou para informar que o seu novo nome artístico é “Mister Brazuca”, explicando que a troca de nome deveu-se a dificuldade dos fãs em pronunciar o nome anterior.

“A minha meta seria este ano, mas o Covid estragou tudo, por isso agora é 2021. Tenho muita coisa boa, tenho tudo para me impor na música angolana. Sei o que os fãs esperam de mim e a minha versatilidade facilita tudo”, acrescentou.

as cargas mais recentes

{RE}CONGOLÂNDIA: Thó Simões {re}cicla e {re}enquadra a obra Congolândia para o projecto Cabana de Arte

há 1 ano
A 8ª Edição do projecto entitulado Cabana de Arte, do grupo BANGA trás como convidados o artista Angolano Thó Simões e o atelier DEL MEDIO representado por Michel Maldiny Z.G e Mafalda Peres Couto.

Rumba Congolesa passa a ser Património Imaterial da Humanidade

há 5 meses
O estilo musical e dança Rumba, originário da bacia do Congo-região que abrange as actuais República Democrática do Congo, Congo, Angola e Gabão- foi elevado ontem pela UNESCO a Património Cultural Imaterial da Humanidade.

C4 Pedro: “Estou muito feliz por ter homenageado a beleza da pele negra”

há 1 ano
Datada de 7 de Julho de 2020, a música que faz ode à pele negra acaba de “ganhar” um videoclipe. Filmado em Moçambique pelas lentes de DJ Marcel, faz juz a beleza da pele negra em toda sua plenitude, quer pelo cenário idílico ou pela diversidade dos traços.

Beckett: John David Washington protagoniza novo thriller de suspense da Netflix

há 9 meses
O thriller de acção conta a história de um turista americano que é forçado a caminhar de um deserto rural até a embaixada dos Estados Unidos, em Atenas, depois de um incidente o tornar alvo vulnerável.

Vivadança Internacional: Festival de dança brasileiro destaca continente africano

há 1 ano
Este ano, o evento estreia-se on-line, por razões óbvias e, traz África como epicentro do festival, representada por 38 bailarinos de 12 países africanos.

Bob da Rage Sense: Na linha da frente dos protestos

há 2 anos
Ao contrário de muitos artistas que se limitam a “protestar” nas redes sociais, o rapper saiu às ruas para também dar voz às palavras de ordem: “Vidas Negras Importam”, “Justiça, justiça, nós queremos justiça” e “Só queria respirar, mas até para isso tenho que suplicar”.

Há 23 anos, Lauryn Hill fazia história no Grammy com o álbum `The Miseducation of Lauryn Hill´

há 3 meses
A categoria de Melhor Álbum do ano do Grammy, entrou para a história do Hip-Hop, com o álbum ”The Miseducation of Lauryn Hill”, sendo o primeiro disco de Hip-Hop a ganhar o prémio.

T-Pain lamenta que músicos recebam só 12% dos USD 17 bilhões dos lucros das produtoras

há 9 meses
O músico considera absurdo o facto de parte dos lucros provenientes da música ficar com as gravadoras e aponta solução para acabar com isso, referindo que no ano passado as produtoras tiveram 17 bilhões de dólares de lucro, mas apenas 12% deste valor ficou para os músicos.

Obra de Flagelo Urbano é usada como objecto de estudo para elaboração de monografia num paralelo com Agostinho Neto

há 1 ano

T.I se autoproclama melhor que JAY-Z, Ye, Pusha-T, Lil Wayne e até mesmo Nas

há 4 meses
Se o Rap por si só já é um “antro” do egocentrismo, o Verzuz battle vem se revelando mais um propulsor desta característica. Em meio a tantas afirmações sobre quem é o melhor rapper, em batalhas de hits, chegou a vez de T.I se posicionar, alegando que ninguém o pode vencer num frente a frente.

Conheça todos os vencedores da VII edição do Angola Music Awards

há 1 ano
Com um total de 26 categorias, a sétima edição do prestigiado concurso para a valorização da música angolana viu consagrar nomes como Anna Joyce, Yola Semedo, Patrícia Faria, Cheketela, Prodígio e dupla ou grupos como Scró Q Kuia, Força Suprema e Mobbers.

Spotify lança plataforma que permitirá valorizar o compositor, produtor e editoras

há 1 ano

TV Zimbo emite ‘Especial Manuel Rui Monteiro’ hoje a partir das 22:30

há 6 meses
A vida e obra do Poeta, contista, ensaísta e crítico, Manuel Rui Monteiro será hoje revisitada com um Especial na TV Zimbo, em alusão ao seu 80ª aniversário natalício.

Elias Dya Kimwezo celebra 85 anos: “Estou feliz por isso”

há 1 ano
Há muito que a data de aniversário de Elias Dya Kimwezo mereceu atenção especial, tal como aconteceu na manhã de hoje na sua residência. Uma comitiva do Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente, encabeçada seu pelo titular, apagou com o artista as 85 velas.

José Eduardo dos Santos fala sobre a sua formação musical “Nzaji”

há 11 meses
Quando mais novo, Eduardo dos Santos fundou e orientou os Nzaji, um dos mais respeitáveis agrupamentos musicais da clandestinidade- que ajudou a forjar a revolução, eternizando canções como ”Kaputu’, ‘Ufolo’, ‘Dituminu’, “Etu tuá anangola’ e’Monangambé’.

Black Coffee consquista Grammy pela primeira vez em 19 anos de “luta”

há 1 mês