Muntu: Linha angolana de artigos handmade invade mercado norte-americano

Muntu é a mais nova marca de roupa a invadir o mercado norte-americano. Criada por Aida José, uma jovem angolana natural de Cabinda, residente em Nova Iorque, a linha foi desenvolvida em 2019.

Composta de vestuários, acessórios e decoração para casas a marca veste qualquer cidadão, desde artistas a figuras públicas. É produzida em África e distribuída nos Estados Unidos da América, Europa e Canadá.

Inspirada no princípio africano “Ubuntu”-eu sou, porque tu és- a marca é desenvolvida à mão por artesãos a partir de uma base ecológica com o objectivo de se conservar o meio ambiente e depois de ser vendida os lucros são enviados a Angola para ajudar centros de caridade.

O que diferencia a muntu das outras marcas de roupa?

O que diferencia a muntu de outras marcas é por levar à peito o conceito “Ubuntu”, que é: eu sou, porque tu és. Ou seja, a muntu só existe porque temos artesãos fantásticos no nosso continente e, consequentemente, graças à estas pessoas, podemos ajudar outras pessoas. Uma outra coisa também é que por ser sustentável, nós  importamo-nos bastante com o planeta. África é um continente com um grande índice de poluição doméstica, consequentemente muitas vidas são afectadas…Se podermos diminuir isto, já é um ganho para todos!.

Que conceito encerra a marca muntu?
A muntu tem como significado algo tão poderoso, que determina o curso da marca em si. Primeiro, todas as peças são feitas à mão, em África, e são completamente sustentáveis. Segundo, os lucros das peças são revertidos em receitas para serem doadas a instituições em Angola.

O que a levou a criar a marca?
A visão que tive ao criar a muntu foi no intuito de showcase, os belos objectos que nós podemos criar. Sendo nós africanos, os produtos têm de ser sempre aqueles que apoiam a utilização de elementos naturais, matérias-primas disponíveis, técnicas antiquadas, habilidades tradicionais e, claro, que respeitam o planeta.

Há quanto tempo estão no mercado e quais são os seus maiores desafios?

A muntu foi fundada em 2019. Desde essa data, os nossos maiores desafios têm sido a logística, infraestrututuras e acesso a determinados produtos. A cadeia de suprimentos nas regiões de África e, obviamente, para os Estados Unidos e longa e dispendioso.

O que quer com isto dizer?

Até que as infraestruturas melhorem, haverá desafios em trazer produtos de África para  os Estados Unidos de América. Mas claro, temos consciência que esforços estão a ser evidenciados por parte das autoridades competentes, para que este cenário mude para melhor. Portanto, as perpesctivas são bastante positivas.

Onde são produzidas as peças?

As peças da muntu são escolhidas e vendidas à dedo em vários países Africanos como Angola, Madagáscar, Cabo Verde, África do Sul e Camarões.
É consumida pelos EUA, Canadá e Europa.

Em que quantidade produzem e quais são os pontos de distribuição?

Uma das nossas fiilosofias centraliza-se na protecção do meio ambiente e das comunidades onde os nossos artigos são produzidos.

A nossa abordagem para a criação e identificação dos produtos da muntu será sempre a que suporta o uso de elementos naturais, a matérias-primas locais, técnicas tradicionais e, claro o respeito pelo nosso planeta. Daí, a nossa produção ser de altíssima qualidade e em pequena escala, e temos bastante orgulho diss

Realmente. Mas, ainda não respondeu à pergunta.

De momento, o mercado principal é os Estados Unidos de América, mas fazemos entregas para Europa, Canada, devido ao fácil acesso ao sistema de correio. Temos planos de alargar os nossos pontos de distribuição e claro, a África está na nossa lista.


Quem é que vestem?

Através da muntu, pretendemos mostrar o melhor que a África tem para oferecer em termos de moda sustentável, objectos de decoração e artes e oficios.  O objectivo é trazer a melhor combinação de artistas, artesãos e criativos africanos à ribalta… Então, todo mundo o faz. 

Qual a possibilidade de abrir lojas em Luanda? Se dependesse de nós? ontem! (risos). Temos alguns projectos em manga, mas por razões alheias à nossa vontade,  poderá levar algum tempo. Mas, na devida altura, daremos a conhecer. 

Como é que vai parar os EUA?
Longa história!. Mas, creio que tudo começou em 2011 quando fui fazer um treinamente de Gestão em Hotelaria e Turismo, que durou cerca de um ano no Estado de Virginia. Após o término da mesma, deparei-me a passar muito tempo em Nova Iorque.

Referiu que os lucros têm servido para apoiar instituicões de caridade em Angola. Que centros já receberam o vosso apoio?

Em Angola, a muntu tem apoiado o centro Arnaldo Janssen, o centro Consolador dos Aflitos e o centro Santa Isabel. Todos os estes pela associação Fundo do Musseque. 


as cargas mais recentes

Livro “O Alquimista” será adaptado ao cimema sob produção de Will Smith

há 1 ano
A longa-metragem será produzida por Will Smith a partir de Setembro do presente ano e estreia no próximo ano, ou seja, em 2022.

Maestro Félix Costa apresenta o `Coral Yellen´

há 2 anos
Formado no primeiro semestre deste ano, o Coral Yellen é a segunda iniciativa do género que Félix Costa dá a cara depois de se desvincular da Orquestra Kapossoca. O projecto de integração social, que já conta com 27 integrantes, engloba para além do grupo coral, a dança, teatro e futebol.

Black Diamondz: Entretenimento negro conta com canal exclusivo na Zap

há 1 ano
Numa altura em que a televisão ocupa um lugar importante e de destaque para as famílias, a ZAP anunciou em comunicado que acaba de reforçar a sua oferta de canais com o lançamento do Black Diamondz e Cubayo, melhorando a sua extensa variedade de conteúdos musicais, com o objectivo de diversificar a oferta de canais de entretenimento.

Kizua Gourgel diz que conceito do Unitel Estrelas ao Palco não promove o verdadeiro talento

há 2 meses

Dj sul africano confessa que dos países onde passou o angolano é o povo que mais dificuldade teve para fazer dançar

há 5 meses
Para quem não dispensa um bom afro house na noite, seguramente já dançou às animações de Bokkie Ult. O disc jokey sul africano é agora um dos nomes de destaque em Angola. Já cá esteve por cinco ocasiões e em diferentes momentos. Bokkie Ult já tocou em Benguela, Huambo, Huíla, Namíbe e Huambo e confessa que dos países onde passou, nas festas, o angolano foi o povo que mais dificuldades teve para conseguir fazer dançar.

Espectáculo de apresentação do projecto “Esperança – A Bênção & A Maldição” está cancelado

há 2 anos

Sabia que a filha de George Floyd é a mais nova accionista da Disney?

há 2 anos
Desde acções da Disney a bolsas escolares, várias iniciativas foram tomadas para que Gianna, tenha opções no futuro. Com apenas 6 anos de idade, a órfã tem mostrado que já entendeu o impacto significativo que seu falecido pai deixou para trás, “o meu pai mudou o mundo”.

Falta de conhecimento leva a que muitos artistas não beneficiem dos rendimentos das suas obras

há 12 meses
Especialistas em gestão de direitos de autores estão preocupados com a falta de conhecimento por parte da classe artística, sobre as leis dos direitos de autores e conexos.

Kanye West oferece um ATV Sharp personalizado a Chris Brown

há 2 anos
Chris Brown recebeu do seu amigo Kanye West um ATV Sherp personalizado, um tipo de veículo 4×4 fabricado na Rússia avaliado em mais de 77 milhões de Kwanzas.

Alicia Keys: “Era suposto me tornar prostituta”

há 2 anos
Alicia Keys deu uma entrevista ao jornal britânico The Guardian, onde destacou algumas das suas próprias canções e inspiração para alguns sucessos, assim como a possibilidade de se tornar prostituta.

P. Diddy muda de nome pela 4° vez

há 1 ano
Três vezes vencedor do Grammy, Diddy nasceu Sean John Combs, na cidade de Nova York em 1969. Quando entrou no mundo do rap, ficou Puff Daddy, ou seja P. Diddy, Cinco anos depois l, retirou o “P” para se tornar “Diddy”, que mais tarde foi expandido para incluir o grupo Diddy — Dirty Money.

Este é o objecto que Vincent van Gogh usou para tirar a própria vida

há 2 anos

Dino D’Santiago é o principal vencedor dos Prémios da Música Portuguesa

há 1 ano
O músico, compositor e activista de descendência cabo-verdiana levou ontem da gala do Coliseu dos Recreios, em Lisboa, os prémios da Crítica, Álbum do Ano e o de Melhor Artista Masculino.

Nameless e Sam The Kid juntos no tema “Houdini”

há 2 anos
Já está disponível o novo single “Houdini”, de Nameless que conta com a produção inconfundível de Sam The Kid.

Fundação Arte e Cultura e o Gabinete Provincial da Cultura realizam workshop sobre Dikanza

há 1 ano
Serão oradores os músicos e executantes da Dikanza Jorge Mulumba e Lito Graça, e contará com a presença do Director-Geral do Instituto de Línguas Nacionais, José Pedro, que fará uma abordagem sobre a escrita da Língua Kimbundu.

Músicos britânicos fazem abaixo-assinado para o Ministério da Cultura

há 2 anos
Cerca de 1.500 artistas, entre eles Ed Sheeran Rolling Stones, Paul McCartney, Coldplay e Eric Clapton, entregaram uma carta ao ministério da cultura britânico a “exigirem” um “calendário claro” sobre o regresso à actividade cultural; apoio financeiro e a eliminação do IVA sobre a venda de bilhetes, devido às dificuldades que estão a enfrentar.