Muntu: Linha angolana de artigos handmade invade mercado norte-americano

Muntu é a mais nova marca de roupa a invadir o mercado norte-americano. Criada por Aida José, uma jovem angolana natural de Cabinda, residente em Nova Iorque, a linha foi desenvolvida em 2019.

Composta de vestuários, acessórios e decoração para casas a marca veste qualquer cidadão, desde artistas a figuras públicas. É produzida em África e distribuída nos Estados Unidos da América, Europa e Canadá.

Inspirada no princípio africano “Ubuntu”-eu sou, porque tu és- a marca é desenvolvida à mão por artesãos a partir de uma base ecológica com o objectivo de se conservar o meio ambiente e depois de ser vendida os lucros são enviados a Angola para ajudar centros de caridade.

O que diferencia a muntu das outras marcas de roupa?

O que diferencia a muntu de outras marcas é por levar à peito o conceito “Ubuntu”, que é: eu sou, porque tu és. Ou seja, a muntu só existe porque temos artesãos fantásticos no nosso continente e, consequentemente, graças à estas pessoas, podemos ajudar outras pessoas. Uma outra coisa também é que por ser sustentável, nós  importamo-nos bastante com o planeta. África é um continente com um grande índice de poluição doméstica, consequentemente muitas vidas são afectadas…Se podermos diminuir isto, já é um ganho para todos!.

Que conceito encerra a marca muntu?
A muntu tem como significado algo tão poderoso, que determina o curso da marca em si. Primeiro, todas as peças são feitas à mão, em África, e são completamente sustentáveis. Segundo, os lucros das peças são revertidos em receitas para serem doadas a instituições em Angola.

O que a levou a criar a marca?
A visão que tive ao criar a muntu foi no intuito de showcase, os belos objectos que nós podemos criar. Sendo nós africanos, os produtos têm de ser sempre aqueles que apoiam a utilização de elementos naturais, matérias-primas disponíveis, técnicas antiquadas, habilidades tradicionais e, claro, que respeitam o planeta.

Há quanto tempo estão no mercado e quais são os seus maiores desafios?

A muntu foi fundada em 2019. Desde essa data, os nossos maiores desafios têm sido a logística, infraestrututuras e acesso a determinados produtos. A cadeia de suprimentos nas regiões de África e, obviamente, para os Estados Unidos e longa e dispendioso.

O que quer com isto dizer?

Até que as infraestruturas melhorem, haverá desafios em trazer produtos de África para  os Estados Unidos de América. Mas claro, temos consciência que esforços estão a ser evidenciados por parte das autoridades competentes, para que este cenário mude para melhor. Portanto, as perpesctivas são bastante positivas.

Onde são produzidas as peças?

As peças da muntu são escolhidas e vendidas à dedo em vários países Africanos como Angola, Madagáscar, Cabo Verde, África do Sul e Camarões.
É consumida pelos EUA, Canadá e Europa.

Em que quantidade produzem e quais são os pontos de distribuição?

Uma das nossas fiilosofias centraliza-se na protecção do meio ambiente e das comunidades onde os nossos artigos são produzidos.

A nossa abordagem para a criação e identificação dos produtos da muntu será sempre a que suporta o uso de elementos naturais, a matérias-primas locais, técnicas tradicionais e, claro o respeito pelo nosso planeta. Daí, a nossa produção ser de altíssima qualidade e em pequena escala, e temos bastante orgulho diss

Realmente. Mas, ainda não respondeu à pergunta.

De momento, o mercado principal é os Estados Unidos de América, mas fazemos entregas para Europa, Canada, devido ao fácil acesso ao sistema de correio. Temos planos de alargar os nossos pontos de distribuição e claro, a África está na nossa lista.


Quem é que vestem?

Através da muntu, pretendemos mostrar o melhor que a África tem para oferecer em termos de moda sustentável, objectos de decoração e artes e oficios.  O objectivo é trazer a melhor combinação de artistas, artesãos e criativos africanos à ribalta… Então, todo mundo o faz. 

Qual a possibilidade de abrir lojas em Luanda? Se dependesse de nós? ontem! (risos). Temos alguns projectos em manga, mas por razões alheias à nossa vontade,  poderá levar algum tempo. Mas, na devida altura, daremos a conhecer. 

Como é que vai parar os EUA?
Longa história!. Mas, creio que tudo começou em 2011 quando fui fazer um treinamente de Gestão em Hotelaria e Turismo, que durou cerca de um ano no Estado de Virginia. Após o término da mesma, deparei-me a passar muito tempo em Nova Iorque.

Referiu que os lucros têm servido para apoiar instituicões de caridade em Angola. Que centros já receberam o vosso apoio?

Em Angola, a muntu tem apoiado o centro Arnaldo Janssen, o centro Consolador dos Aflitos e o centro Santa Isabel. Todos os estes pela associação Fundo do Musseque. 


as cargas mais recentes

O Bar do Gilmário: Stand-up comedy e ficção marcam a estreia televisiva a solo de Gilmário Vemba

há 1 ano
Gilmário Vemba faz a sua estreia televisiva a solo no canal Mundo FOX, na DSTv. O seu novo programa “O Bar do Gilmário” combina stand-up comedy e ficção.

Angolanos que actuam nos EUA em peso na selecção de basquetebol

há 1 ano
Destaque para a presença de vários jovens que actuam nos Estados Unidos da América, com realce para Bruno Fernando que actua nos Atlanta Hawks da NBA.

Sabias que o disco mais caro do mundo é de Rap e pertence ao lendário grupo Wu-Tang Clan?

há 7 meses
Depois de pertencer ao polémico empresário da indústria farmacêutica Martin Shkreli, o CD foi vendido novamente pelo dobro do preço original, cerca de três mil milhões em Kwanzas. A obra rara pertence ao lendário grupo norte-americano de Rap Wu-Tang Clan.

Artistas protestam contra o Spotify

há 1 ano
31 escritórios do Spotify em vários países foram surpreendidos por protestantes do sector da música.

Fair Play: Eminem afirma que Kendrick Lamar é um dos maiores letristas de todos os tempos

há 3 meses
O Rap muitas vezes apresenta-se como um “antro” do egocentrismo e o fair play raramente encontra lugar neste cenário, mas Eminem veio provar que nem sempre deve haver competições, especialmente entre diferentes gerações. O lendário rapper, reconheceu o potencial de Kendrick Lamar, elevando-o ao pódio dos melhores letristas.

Fragata de Morais exaltado no Circuito Internacional de Teatro

há 2 anos
O escritor e dramaturgo angolano, Fragata de Morais, será homenageado durante 28 dias na quinta edição do Circuito Internacional de Teatro, em Luanda.

Séketxe estarão em live show esta noite

há 1 ano
Os Séketxe, grupo fenómeno do rap nacional, vai protagonizar hoje à noite um live show. Os jovens da Kuxilândia, autores dos temas “Kubeli” e “Nu Xtragó Nada”, apresentam-se em estúdio num ao “vivo” apoiado pela revista Carga e a produtora Chasing Dreams.

Britney Spears pede fim da curatela “abusiva” do pai

há 11 meses
Tudo começou em 2007 quando Britney sofreu um colapso público, tendo sido posta sob curatela legal, na qual os seus activos financeiros e bens passaram a ser controlados pelo seu curatelado, no caso, o pai James Spears, juntamente com um advogado.

Prodígio fala sobre o álbum com Paulo Flores “é o maior prémio que já recebi”

há 2 anos
Disponível a partir de amanhã nas plataformas digitais e em simultâneo em formato físico, mas em Portugal,” Bênção e Maldição” também será comercializado em Luanda e é o maior prémio que o rapper recebeu ao longo da carreira.

Lupe Fiasco afirma ser melhor liricista do que Kendrick Lamar

há 2 anos
Lupe Fiasco afirmou que é mais liricista de melhor do que Kendrick Lamar numa série de tweets. A sequência surgiu após um fã questionar quem dos dois era o melhor. Depois que o tweet ganhou atenção significativa, quando Lupe declarou ser “melhor liricista, mas não melhor artista que Kendrick”.

Chakuisa, um filho da Huíla com versatilidade para conquistar Angola

há 11 meses
Começou no Hip Hop/ Rap e tem dois trabalhos no mercado, incluindo participações de peso, só que desta vez, reestruturou sua carreira e anuncia “O Filho da Mapunda”, um Ep rico sonoridades e com uma variedade de línguas, que homenageia o bairro onde nasceu, na Huíla.

“Prodigia-Te” (Deluxe Moz): 3.° dos 8 álbuns de Prodígio já está disponível

há 1 mês

Legado de Mestre Kapela é memorado “ante” ao Prémio Nacional de Cultura e Artes

há 2 anos
O artista plástico Kapela Paulo venceu o Prémio Nacional de Cultura e Artes, na categoria de `Artes Visuais e Plásticas´. Visto como pai espiritual da arte contemporânea em Angola, Mestre Kapela espelha na sua arte, por meio do olhar e pincel a sua escola de arte que moldou as práticas e técnicas da sua longa e prolífica carreira.

MCK e Kool Klever lançam projecto de combate à criminalidade nas periféricas

há 2 anos

A Salsa e suas variantes

há 2 anos
A salsa nasceu em Cuba, mais propriamente em Havana, nos interiores dos famosos cabarets cubanos, mas tornou-se tão popular que novos estilos surgiram noutras partes do mundo.

Killarmy está de volta

há 2 anos
“Full Metal Jackets” é o disco que vai marcar o retorno antecipado da prole da Wu-Tang Clan.