NÃO HÁ CURA: Galeria MOVART e Instituto Camões apresentam exposição colectiva

A MOVART e o Camões – CCP Luanda apresentam um novo projecto expositivo, “NÃO HÁ CURA”, onde artistas angolanas e portuguesas forjam um espaço de desconstrução livre para conceber uma mostra de obras inusitadas entre instalação, fotografia, vídeo e teatro de objectos. A mostra já está aberta ao público e poderá ser visitada até ao dia 11 de Agosto de 2021. 

Em nota, a MOVART fez saber que convidou Alice Marcelino (Angola), Carlota Bóia Neto (Portugal), Daniela Vieitas (Portugal), Indira Grandê (Angola) e Pamina Sebastião (Angola) para exporem as suas obras em diálogo com Keyezua, que se retirou das vestes de curadora para que cada visitante se reencontre nas diferentes expressões e faça releituras, sem interferências.

NÃO HÁ CURA: Galeria MOVART e Instituto Camões apresentam exposição colectiva

A conversa e a desconstrução são os pontos de partida desta mostra que questiona a imposição dos espaços, das diretrizes curatoriais e das convenções sociais. Um diálogo, por ora, sem fim à vista, que se propõe redescobrir e resignificar o eu, o corpo e a mulher, procurando relançar e repensar radicalmente o papel da arte.

A fotógrafa Alice Marcelino apresenta “MOTHER Untitled”, um projecto multimédia que usa fotografias e têxteis inspirados na sua experiência com a maternidade, esse que tende a ser um percurso avulto de altos e baixos, transversal a muitas mulheres, inundado de incertezas, medos e adaptação. Aqui a artista observa atentamente as representações tradicionais da Mãe, encontradas na cultura popular, questionando mitos e tabus que circundam a maternidade. 

Num exercício de repensar novas formas de apreensão do quotidiano e de objectos que fazem parte do seu imaginário, Carlota Bóia Neto apresenta-nos “Couldn’t afford a robot”. Uma obra que nos leva a debruçar sobre a materialização em desenho do movimento do vento, onde há também uma outra dimensão, que subverte a seriedade expetável com que nos relacionamos com os objetos.

Já Daniela Vieitas, actriz profissional, brinda-nos com a apresentação de teatro de objetos “Na Porta ao Lado”, que convida o espectador a mergulhar numa dimensão onde é possível estar a felicidade que se esperava encontrar no outro lado da porta. Uma experiência que nos transporta para uma posição “em frente ao espelho” e nos leva a questionar sobre o que realmente fazemos no mundo. Durante a o período da exposição, a artista está a apresentar uma performance de teatros de objetos, de segunda a quinta feira , entre as 16:30 e as 17:00 (3 a 5 pessoas por sessão), mediante marcação até 24 ou 6 horas antes.

Em Catumbela das Conchas, uma vídeo-instalação para assistir na sala multiusos do CCP, Indira Grandê leva-nos à experiência de viajar num comboio onde o destino é uma incógnita, um sopro no sufoco da imensidão do nada. “Qual é o teu destino?” Convidamos a descobri-lo. 

Será que ao movermos partes do corpo em que se inscrevem categorias outrora impostas, estas podem ganhar diferentes significados ou ocupar lugares socialmente distintos? Pamina Sebastião assim surge com um novo trabalho de instalações que representam categorias inscritas na construção de um corpo como elemento decisivo das relações de poder. 

As obras expostas acabam por tornar-se metodologias que ajudam a desenvolver uma compreensão abrangente da arte como sistema simbólico, usadas para mobilizar significados, valores e emoções num contexto social.

Ao ressurgir desta crise pandémica e das dificuldades que afetam, sobretudo as mulheres, as cinco artistas despertam um olhar crítico, mas urgente sobre a sociedade pós-pandemia (em construção), aspirando estabelecer uma nova ordem e recuperar um estado natural, humano, capaz de reconstruir as relações e um senso de coletivo equitativo.

Com “NÃO HÁ CURA”, a galeria MOVART pretende recolocar o foco de 2021 no empoderamento das mulheres, que foram ainda mais silenciadas durante a pandemia, pela eliminação de espaços de debate sobre o feminino na sociedade e nas artes, sendo este último um dos sectores mais afetados pelo Covid-19: “A nossa missão é elevar a estética artística pelo olhar feminino do que é ser mulher, irmã, mãe ou um corpo que ocupa o espaço e os papéis masculinos na sociedade”, defende a MOVART.

Actualmente presente em Luanda e Lisboa, a MOVART iniciou-se em Angola com projectos pop-up em 2015, abriu portas no início de 2017, na Marginal de Luanda, com a missão de revelar artistas que expressam realidades e discursos muitas vezes invisíveis ou sub-representados no cenário artístico internacional. Com foco em artistas luso-africanos, a MOVART está empenhada em elevar o seu perfil internacionalmente, expondo para uma audiência global a rica linguagem artística de uma realidade por vezes pouco conhecida.

as cargas mais recentes

Zap transmite mega espectáculo solidário

há 1 ano
Este sábado, 25 de Abril, a Zap vai levar todas as emoções do mega espectáculo solidário, que moveu o mundo inteiro e arrecadou cerca de 128 milhões de dólares para ajudar a OMS a combater o Covid-19.

Especialistas nomeiam o MVP de cada team na última década

há 1 ano

O Bar do Gilmário: Stand-up comedy e ficção marcam a estreia televisiva a solo de Gilmário Vemba

há 7 meses
Gilmário Vemba faz a sua estreia televisiva a solo no canal Mundo FOX, na DSTv. O seu novo programa “O Bar do Gilmário” combina stand-up comedy e ficção.

“A Mulher do Fim do Mundo”, de Elza Soares, é eleito o melhor disco da década

há 1 ano
O site especializado em música, “Scream & Yell” também elegeu, a par de Elza, David Bowie, com “Blackstar” (2016).

Damásio Brothers apresentam primeiro fruto da internacionalização da carreira

há 5 meses

#UsaMascara em exposição no Camões

há 9 meses
A exposição apresenta uma seleção de 33 obras, realizadas por 30 artistas angolanos, que têm como temática transversal a prevenção e o combate à pandemia da COVID-19 em Angola.

Portugal divulga regras para realização de espectáculos

há 1 ano
Depois do anúncio da abertura dos espectáculos para 1 de Junho, o Ministério da Cultura de Portugal divulgou, esta quarta-feira, as normas que os organizadores de eventos e os titulares de salas, devem seguir, tanto em salas como ao ar livre.

Seminário sobre processo de inscrição e classificação dos bens a Património Mundial da UNESCO acontece em Luanda

há 12 meses
O Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente (MCTA) iniciou ontem, 20 de Agosto de 2020, o Workshop de formação sobre o processo de Inscrição e classificação dos bens a lista a Património Mundial da UNESCO.

Show do Mês apresenta último grande show de Waldemar Bastos em Angola

há 12 meses
O Show do Mês leva este sábado as emoções do último grande espectáculo de Waldemar Bastos, músico falecido na passada segunda-feira e que foi ontem a enterrar no Cemitério da Galiza, em Portugal.

Chadwick Boseman: Após quatro anos, “astro” de Pantera Negra perde a batalha contra cancro no cólon

há 11 meses
Chadwick Boseman morreu na noite passada aos 43 anos, na companhia da família em casa. A notícia foi dada no Twitter oficial do actor.

Lady Gaga apresenta sexto álbum

há 1 ano
Lady Gaga lançou sexta-feira o seu novo álbum, intitulado “Chromatica”, marcando o seu retorno na música pop, quatro anos depois do disco “Joanne”

Repertório traz os dois produtores do momento: Vado Poster e Dj Habias

há 1 ano
Vado Poster e Dj Habias são dos produtores mais solicitados da actualidade e estarão na próxima sexta-feira, 24 de Julho, no Repertório da Revista Carga, para apresentar e explicar o processo de produção de hits como “Pintins”, de Scro Q Cuia e Nerú Americano ou Waatão, de Puto Prata.

Fela Kuti, pioneiro do Afrobeat, nomeado ao Rock and Roll Hall of Fame

há 6 meses

Porquê que Angola celebra o 8 de Janeiro como Dia da Cultura Nacional?

há 7 meses
As celebrações abriram no dia 4 e terminam a 31 deste mês. A jornada contempla exposições, concertos, debates e hoje será marcada por um acto central, com outorga de diplomas de mérito personalidades que mais se destacaram no sector cultural no ano passado.

Lukie disponibiliza videoclipe do tema “Amor”

há 8 meses
Gravado em Maputo, na Ponta do Ouro, este novo vídeo reflecte a mensagem principal do tema: amar incondicionalmente, “como o mar infinito”.

Angolana eleita melhor jogadora da semana nos EUA

há 5 meses