Né Gonçalves lança nova música e anuncia álbum com participações inesperadas

A riqueza poética patente na música de Né Gonçalves alterou recentemente as listas de produção da Apple Music, Spotify e New Music, em Portugal.

Por este motivo, o artista continua a actualizar a sua discografia. Ontem, por exemplo, lançou mais single Menino De Rua, extraído do álbum Luanda, Meu Semba – Instrumental, publicado em 2012.

Pela sua especificidade, o tema pode constituir um documentário musical de sensibilidade clássica, por ter sido seleccionada de um álbum com fusões da música tradicional, Semba, Jazz e a música clássica orquestrada pela Sinfónica Nacional da República Checa.

De álbuns não é tudo, o músico tem produzido um novo, que poderá contar com participações de Selda, Yuri da Cunha e Tito Paris e resume nesta entrevista o essencial da obra.

Passados seis anos desde o lançamento do seu terceiro álbum, Sembamar, confirma os sinais que vêm das redes sociais de que um novo álbum está a caminho?

Sembamar tem-me pedido um irmão mais novo. Pede através das pessoas que reconhecem o sucesso que teve e reclamam novos sucessos. Sembamar teve cinco nomeações no Top Rádio Luanda (Semba, Kizomba , Música Folclórica, Melhor Produção Discográfica e Balada do Ano) e venceu na categoria “Melhor Produção Discográfica” de 2016. A música Nhami, foi escolhida pela voz de Sílvia Liberal para concorrer e venceu “Gentes e Música” da Rádio Benguela em 2018 e, no mesmo ano, a música Sembamar integrou a trilha sonora do filme Kalunga, o mar de Angola. Os resultados do Luanda Meu Semba, nas versões cantada e instrumental, foram igualmente interessantes. Por isso, é natural que os fãs exijam novidades.

Neste momento, apenas posso dizer que estamos a trabalhar para que este ano chegue ao público a obra que, muito provavelmente, se chamará Undengue Uetu.

É um artista cujo nível estético e poético evidenciam os tempos áureos da música angolana. Teremos um álbum diferente?

Pretendo manter a diversidade de estilos que caracteriza os CDs já lançados, a mesma tonalidade poética e melódica e a beleza dos arranjos está garantida pelo talento e cuidado máximo de Jorge Cervantes. De diferente, teremos algumas participações de artistas cujo nível vai, sem dúvida, agregar valor estético às obras. Veremos se será concretizada a ideia de Selda, Yuri da Cunha e Tito Paris estarem no CD ao lado da hipótese de outras igualmente importantes participações.

A música tradicional e aspectos da tradição angolana sempre foram exaltados na sua obra. O que doravante passará a caracterizar a carreira de várias décadas de Né Gonçalves?

Costumo dizer que não tenho propriamente uma carreira mas, apenas, um caminho musical, percorrido desde os 7 anos a pegar num violão, passando aos nove anos pela primeira banda infantil – os Mini Craques – e lançando esporadicamente CD’s essencialmente de composições próprias. A par de canções mais universais, o semba e outros estilos nacionais como a rebita e o kilapanga têm estado presentes e as temáticas abordadas têm muita relação com o que é nosso, no que temos e no que somos. A música é o meu hobby de eleição que sigo a par de outras actividades principais. Creio que o futuro vai se caracterizar por maior equilíbrio entre essas actividades e a música, sem prejuízo de nenhuma.

Pertence a um tempo em que imperavam os CDs. Até que ponto a pandemia, as novas tecnologias de informação e comunicação influenciaram as suas abordagens?

Vivemos uma era completamente nova a influenciar os modelos de distribuição e de comunicação da música. Hoje fazemos uma aposta forte nessas tecnologias que fez com que os CDs Luanda Meu Semba e Sembamar estejam presentes em mais de 150 plataformas digitais, criando uma relação de proximidade muito maior com o público interessado. A 7 de Maio teremos todo o álbum nessas plataformas. Dessa forma, estamos a preparar o terreno para o surgimento de novidades musicais.

Ao longo da sua actividade artística, como se adaptou às “atrocidades” do mercado?

Por não se tratar da minha actividade profissional, sou um artista livre, não dependente do mercado. Faço o que a inspiração ou a vontade ditam, sem estar amarrado ao que o mercado quer. É sempre um risco mas enfrento-o, sujeitando-me muito serenamente ao julgamento do público. Sei dos enormes sacrifícios por que passam os meus colegas que se dedicam exclusivamente à música. Mesmo quando se tem muito talento, é difícil encontrar espaços de oportunidade, crescer, afirmar-se, ter sucesso e manter-se no pódio. E em condições de pandemia, há muitas situações de sobrevivência e os músicos têm sido verdadeiros heróis ao continuar a trabalhar e contribuir para o equilíbrio emocional da população, sujeita a fortes pressões psicológicas por causa das restrições económicas e às

as cargas mais recentes

Morreu tropentista e co-fundador dos Kassav

há 6 meses

Kanye West oferece um Sherp Pro como prenda de aniversário a 2 Chainz

há 11 meses
Parece já não haver motivos para duvidar da fortuna de West, só em três meses, o rapper gastou o equivalente a três triliões de Kwanzas para a campanha eleitoral e, para fechar, ofereceu como presente de aniversário um Sherp Pro ATV ao seu amigo 2 Chainz.

Andrea Bocelli recua e pede desculpas por desincentivar o cumprimento das medidas de segurança

há 1 ano
Após comentários polémicos sobre a gravidade do Covid-19 durante uma conferência no Senado italiano, esta semana, dizendo que não conhecia pessoalmente ninguém que tivesse estado nos cuidados intensivos por causa do Covid-19 e incentivou cidadãos a não cumprirem as regras de combate à doença, Bocelli veio desculpar-se publicamente.

DJ Ngunza apresenta-se ao mercado internacional com o single “Meu DJ”

há 9 meses
O tema “Meu DJ” marca o início de uma nova etapa para a carreira de DJ Ngunza. Já disponível nas plataformas digitais, “Meu DJ” é assim a prova do empenho e dedicação de Ngunza, procurando ser bem sucedido musicalmente, quer como produtor como Dj.

Kabudi Ely apresenta exposição “Intencidade Liberdades Individuais”

há 8 meses
O artista angolano Kabudi Ely vai apresentar-se na Galeria Tamar Golan com “Intencidade Liberdades Individuais”, uma exposição individual a inaugurar hoje, a partir das 18 horas.

Concerto no formato “Drive in” com Valete no cartaz

há 1 ano
Como alternativa ao Festival da Juventude em Benfica (Lisboa/Portugal), cancelado por conta do Covid-19, vem aí outro evento semelhante, mas no formato “Drive In”. Trata-se do “Monsanto Fest”, com Valete como cabeça de cartaz e sem Sam The Kid.

Aumenta tensão entre Snoop Dogg e 6ix9ine – Tekashi

há 1 ano
Preso em 2018 por diversas acusações de crimes relacionados às actividades de gangues, 6ix9ine – Tekashi chegou a acordo com governo para aliviar sua pena, testemunhando sobre caso contra a “Nine Trey Gangsta Bloods” nos tribunais. Com esta decisão, o rapper ganhou o rótulo de “Snitch/Traidor” e tem sido alvo de diversos insultos da parte de Snoop Dogg, desde que foi preso.

Gabriel o Pensador lança novo Single

há 1 ano
Neste período de contingência global, Gabriel O Pensador lança o seu novo single “A Cura está no Coração”, como forma de apelo global à solidariedade entre todos, para ultrapassarmos esta fase difícil e sem precedentes na história da Humanidade.

Banda sonora do filme `Ar condicionado´chega às plataformas na sexta-feira

há 10 meses
A Geração 80 anunciou que vai disponibilizar a banda sonora do filme `Ar condicionado´, no próximo dia 2 de Outubro, sexta-feira. Composta por Aline Frazão, com a participação de Paulo Flores, a trilha estará disponível em todas as plataformas digitais.

Morreu Irrfan Khan, actor do filme Quem Quer Ser Milionário

há 1 ano
Esta terça-feira, a estrela de Bollywood, Irrfan Khan sentiu-se mal e acabou por ser encaminhado de urgência para o hospital de Mumbai (Índia), onde acabou por morrer aos 53 anos, devido uma infeção no cólon.

Vladmiro Gonga está de volta e traz mudanças na carreira

há 1 ano
Depois de 8 meses acometido por uma grave doença, Vladmiro Gonga aparece revigorado e anuncia mudanças drásticas.

Ndaka Yo Wini lança críticas à governação

há 1 ano
Ndaka Yo Wini destaca-se por transpostar para os maiores palcos de Jazz fusões do género tradicional “Lundongo no Luandu” com o Jazz e o Bossa Nova. Na manhã desta sexta-feira, o músico mostrou-se indignado pela forma como o povo é governado.”a vossa velha ignorância não pode continuar a transpor a condição humana”, continuou.

Lady Petya apresenta oficialmente o seu álbum de estreia

há 6 meses

Vinis dos álbuns `Serviço Público´ e `Educação Visual´no Top 10 dos álbuns mais vendidos em Portugal

há 10 meses
Apenas um mês após editar as duas obras discográficas em Vinil, `Serviço Público´ e `Educação Visual´ já constam da lista de álbuns preferidos do público ouvinte português. Regozijado, Valete avançou a notícia, em primeira mão na sua página oficial do Facebook.

Morreu “Gigante” da música africana

há 1 ano
O músico guineense Mory Kanté, conhecido pelo sucesso mundial “Yéké yéké”, na década de 1980, morreu hoje aos 70 anos num hospital de Conacri, após doença prolongada, anunciou o filho.

Nerú Americano fala sobre como será a sua actuação no Afro Nation

há 11 meses
Em reacção à sua participação na terceira edição do Afro Nation Portugal, onde também estarão Chris Brown, Rick Ross, Burna Boy e Davido, Nerú Americano confessou estar a viver um momento ímpar na sua carreira, por isso, promete levar um repertório, com coreografia nunca exprimentada.