Né Gonçalves lança nova música e anuncia álbum com participações inesperadas

A riqueza poética patente na música de Né Gonçalves alterou recentemente as listas de produção da Apple Music, Spotify e New Music, em Portugal.

Por este motivo, o artista continua a actualizar a sua discografia. Ontem, por exemplo, lançou mais single Menino De Rua, extraído do álbum Luanda, Meu Semba – Instrumental, publicado em 2012.

Pela sua especificidade, o tema pode constituir um documentário musical de sensibilidade clássica, por ter sido seleccionada de um álbum com fusões da música tradicional, Semba, Jazz e a música clássica orquestrada pela Sinfónica Nacional da República Checa.

De álbuns não é tudo, o músico tem produzido um novo, que poderá contar com participações de Selda, Yuri da Cunha e Tito Paris e resume nesta entrevista o essencial da obra.

Passados seis anos desde o lançamento do seu terceiro álbum, Sembamar, confirma os sinais que vêm das redes sociais de que um novo álbum está a caminho?

Sembamar tem-me pedido um irmão mais novo. Pede através das pessoas que reconhecem o sucesso que teve e reclamam novos sucessos. Sembamar teve cinco nomeações no Top Rádio Luanda (Semba, Kizomba , Música Folclórica, Melhor Produção Discográfica e Balada do Ano) e venceu na categoria “Melhor Produção Discográfica” de 2016. A música Nhami, foi escolhida pela voz de Sílvia Liberal para concorrer e venceu “Gentes e Música” da Rádio Benguela em 2018 e, no mesmo ano, a música Sembamar integrou a trilha sonora do filme Kalunga, o mar de Angola. Os resultados do Luanda Meu Semba, nas versões cantada e instrumental, foram igualmente interessantes. Por isso, é natural que os fãs exijam novidades.

Neste momento, apenas posso dizer que estamos a trabalhar para que este ano chegue ao público a obra que, muito provavelmente, se chamará Undengue Uetu.

É um artista cujo nível estético e poético evidenciam os tempos áureos da música angolana. Teremos um álbum diferente?

Pretendo manter a diversidade de estilos que caracteriza os CDs já lançados, a mesma tonalidade poética e melódica e a beleza dos arranjos está garantida pelo talento e cuidado máximo de Jorge Cervantes. De diferente, teremos algumas participações de artistas cujo nível vai, sem dúvida, agregar valor estético às obras. Veremos se será concretizada a ideia de Selda, Yuri da Cunha e Tito Paris estarem no CD ao lado da hipótese de outras igualmente importantes participações.

A música tradicional e aspectos da tradição angolana sempre foram exaltados na sua obra. O que doravante passará a caracterizar a carreira de várias décadas de Né Gonçalves?

Costumo dizer que não tenho propriamente uma carreira mas, apenas, um caminho musical, percorrido desde os 7 anos a pegar num violão, passando aos nove anos pela primeira banda infantil – os Mini Craques – e lançando esporadicamente CD’s essencialmente de composições próprias. A par de canções mais universais, o semba e outros estilos nacionais como a rebita e o kilapanga têm estado presentes e as temáticas abordadas têm muita relação com o que é nosso, no que temos e no que somos. A música é o meu hobby de eleição que sigo a par de outras actividades principais. Creio que o futuro vai se caracterizar por maior equilíbrio entre essas actividades e a música, sem prejuízo de nenhuma.

Pertence a um tempo em que imperavam os CDs. Até que ponto a pandemia, as novas tecnologias de informação e comunicação influenciaram as suas abordagens?

Vivemos uma era completamente nova a influenciar os modelos de distribuição e de comunicação da música. Hoje fazemos uma aposta forte nessas tecnologias que fez com que os CDs Luanda Meu Semba e Sembamar estejam presentes em mais de 150 plataformas digitais, criando uma relação de proximidade muito maior com o público interessado. A 7 de Maio teremos todo o álbum nessas plataformas. Dessa forma, estamos a preparar o terreno para o surgimento de novidades musicais.

Ao longo da sua actividade artística, como se adaptou às “atrocidades” do mercado?

Por não se tratar da minha actividade profissional, sou um artista livre, não dependente do mercado. Faço o que a inspiração ou a vontade ditam, sem estar amarrado ao que o mercado quer. É sempre um risco mas enfrento-o, sujeitando-me muito serenamente ao julgamento do público. Sei dos enormes sacrifícios por que passam os meus colegas que se dedicam exclusivamente à música. Mesmo quando se tem muito talento, é difícil encontrar espaços de oportunidade, crescer, afirmar-se, ter sucesso e manter-se no pódio. E em condições de pandemia, há muitas situações de sobrevivência e os músicos têm sido verdadeiros heróis ao continuar a trabalhar e contribuir para o equilíbrio emocional da população, sujeita a fortes pressões psicológicas por causa das restrições económicas e às

as cargas mais recentes

Artistas plásticos da nova geração recriam trabalho de Ruy Duarte de Carvalho

há 6 meses
O Laboratório de Crítica e Curadoria e a Galeria Movart apresentam no próximo dia 25 do corrente, em Luanda, uma exposição colectiva inspirada na obra “Como Se O Mundo Não Tivesse Leste”, de Ruy Duarte de Carvalho.

Mamba Week: Nike celebra legado de Kobe Bryant

há 2 anos
Para celebrar a carreira de Kobe Bryant, a sua parceria de longa data e impacto na indústria desportiva, a Nike lançará a “Semana da Mamba” no domingo, 23 de Agosto, data em o “cinco vezes” campeão da NBA celebraria o 42º aniversário.

Dupla ELA apresenta `O lugar de FALA D’ ELA´

há 2 anos
A ter início no próximo domingo, dia 4 de Outubro, a dupla ELA vai colocar à lupa o tema “Estupro, mulheres infectadas com HIV e Gravidez precoce”.

Depois de vários anos a produzir, Mestre Freddy apresenta-se como cantor

há 2 anos
Após longos anos, explica porquê decidiu conciliar a carreira de produtor com a de cantor e apresenta as suas primeiras músicas com sonoridade diferenciada. Já tem o primeiro álbum à vista e deixa todas as impressões da “nova carreira” nesta entrevista.

Idris Elba anuncia lançamento de livros infantis inspirados na sua filha

há 1 ano
O actor britânico assinou um contrato global com a HarperCollins para publicar vários livros infantis, ainda sem título e data especifica, fez saber que serão lançados em 2022.

Mágico: Um pequeno nome por detrás de grandes sucessos nacionais

há 11 meses
Quem se prender à sua idade cronológica, pode não acreditar que a carreira profissonal do músico já leva uns 14 anos. Foi ele quem escreveu e produziu os temas” Vou Chorar”, de Kelly Silva, “Jarda Instrumentalização” (Mona Nicastro) e “Me Perdoa”, de Suraya Cortez, por exemplo.

C4Pedro faz Milagre

há 2 anos

Invisíveis: “O que nos caracteriza é um Rap sem preocupação com os holofotes”

há 2 anos
Lançaram ontem o álbum `O Culto´, uma obra no verdadeiro sentido da palavra, que além de quebrar o silêncio de 8 anos, é uma viagem às origens do Hip Hop e um compromisso com o “abandonado” Boom Bap.

Falta de conhecimento leva a que muitos artistas não beneficiem dos rendimentos das suas obras

há 7 meses
Especialistas em gestão de direitos de autores estão preocupados com a falta de conhecimento por parte da classe artística, sobre as leis dos direitos de autores e conexos.

Flay convidado para o Show do Mês Live com Irmãos Almeida

há 2 anos
O músico Flay, autor de sucessos como “Doçura”, Sassa Mutema”, é um dos convidados para o Show do Mês Live com os Irmãos Almeida e Jojó Gouveia, sábado.

Concerto no formato “Drive in” com Valete no cartaz

há 2 anos
Como alternativa ao Festival da Juventude em Benfica (Lisboa/Portugal), cancelado por conta do Covid-19, vem aí outro evento semelhante, mas no formato “Drive In”. Trata-se do “Monsanto Fest”, com Valete como cabeça de cartaz e sem Sam The Kid.

Kanye West admite derrota presidencial e inicia campanha para 2024

há 2 anos
A frágil corrida do astro do hip-hop Kanye West à presidência nunca saiu do princípio e o rapper finalmente admitiu ter sido derrotado.

Sabia que hoje comemora-se o Dia do Compositor?

há 1 ano
A efeméride faz uma ode a todos os profissionais comprometidos com a alma da música, o responsável por traduzir emoções e eternizar momentos em melodias.

Sintoniza: Mambos Hip Hop da Banda

há 2 anos
Idealizado por Dino Cross, “Mambos Hip Hop da banda” é um podcast de entrevistas e factos relaccionados ao Rap Game. Com o suporte de Cláudio Bantu, Queen J e Dj Bráulio Mix, os arquivos do programa podem ser acedidos a qualquer momento, no Kisom.

Hip Hop: Classe cria “instituição” para ajudar artistas em situações difíceis

há 6 meses
Motivados pela trágica morte de Ngadiama Wakambosonhi, pioneiro do movimento Hip Hop no país, artistas da Velha e Nova Escola criaram a “Associação dos Hiphoppers de Angola”, uma plataforma de cariz social que passará a prestar apoio social e acudir eventuais situações de crise que membros da classe venham a passar.

The Weekend doa 1 milhão de dólares para ajudar Etiópia a comprar alimentos

há 1 ano