Né Gonçalves lança nova música e anuncia álbum com participações inesperadas

A riqueza poética patente na música de Né Gonçalves alterou recentemente as listas de produção da Apple Music, Spotify e New Music, em Portugal.

Por este motivo, o artista continua a actualizar a sua discografia. Ontem, por exemplo, lançou mais single Menino De Rua, extraído do álbum Luanda, Meu Semba – Instrumental, publicado em 2012.

Pela sua especificidade, o tema pode constituir um documentário musical de sensibilidade clássica, por ter sido seleccionada de um álbum com fusões da música tradicional, Semba, Jazz e a música clássica orquestrada pela Sinfónica Nacional da República Checa.

De álbuns não é tudo, o músico tem produzido um novo, que poderá contar com participações de Selda, Yuri da Cunha e Tito Paris e resume nesta entrevista o essencial da obra.

Passados seis anos desde o lançamento do seu terceiro álbum, Sembamar, confirma os sinais que vêm das redes sociais de que um novo álbum está a caminho?

Sembamar tem-me pedido um irmão mais novo. Pede através das pessoas que reconhecem o sucesso que teve e reclamam novos sucessos. Sembamar teve cinco nomeações no Top Rádio Luanda (Semba, Kizomba , Música Folclórica, Melhor Produção Discográfica e Balada do Ano) e venceu na categoria “Melhor Produção Discográfica” de 2016. A música Nhami, foi escolhida pela voz de Sílvia Liberal para concorrer e venceu “Gentes e Música” da Rádio Benguela em 2018 e, no mesmo ano, a música Sembamar integrou a trilha sonora do filme Kalunga, o mar de Angola. Os resultados do Luanda Meu Semba, nas versões cantada e instrumental, foram igualmente interessantes. Por isso, é natural que os fãs exijam novidades.

Neste momento, apenas posso dizer que estamos a trabalhar para que este ano chegue ao público a obra que, muito provavelmente, se chamará Undengue Uetu.

É um artista cujo nível estético e poético evidenciam os tempos áureos da música angolana. Teremos um álbum diferente?

Pretendo manter a diversidade de estilos que caracteriza os CDs já lançados, a mesma tonalidade poética e melódica e a beleza dos arranjos está garantida pelo talento e cuidado máximo de Jorge Cervantes. De diferente, teremos algumas participações de artistas cujo nível vai, sem dúvida, agregar valor estético às obras. Veremos se será concretizada a ideia de Selda, Yuri da Cunha e Tito Paris estarem no CD ao lado da hipótese de outras igualmente importantes participações.

A música tradicional e aspectos da tradição angolana sempre foram exaltados na sua obra. O que doravante passará a caracterizar a carreira de várias décadas de Né Gonçalves?

Costumo dizer que não tenho propriamente uma carreira mas, apenas, um caminho musical, percorrido desde os 7 anos a pegar num violão, passando aos nove anos pela primeira banda infantil – os Mini Craques – e lançando esporadicamente CD’s essencialmente de composições próprias. A par de canções mais universais, o semba e outros estilos nacionais como a rebita e o kilapanga têm estado presentes e as temáticas abordadas têm muita relação com o que é nosso, no que temos e no que somos. A música é o meu hobby de eleição que sigo a par de outras actividades principais. Creio que o futuro vai se caracterizar por maior equilíbrio entre essas actividades e a música, sem prejuízo de nenhuma.

Pertence a um tempo em que imperavam os CDs. Até que ponto a pandemia, as novas tecnologias de informação e comunicação influenciaram as suas abordagens?

Vivemos uma era completamente nova a influenciar os modelos de distribuição e de comunicação da música. Hoje fazemos uma aposta forte nessas tecnologias que fez com que os CDs Luanda Meu Semba e Sembamar estejam presentes em mais de 150 plataformas digitais, criando uma relação de proximidade muito maior com o público interessado. A 7 de Maio teremos todo o álbum nessas plataformas. Dessa forma, estamos a preparar o terreno para o surgimento de novidades musicais.

Ao longo da sua actividade artística, como se adaptou às “atrocidades” do mercado?

Por não se tratar da minha actividade profissional, sou um artista livre, não dependente do mercado. Faço o que a inspiração ou a vontade ditam, sem estar amarrado ao que o mercado quer. É sempre um risco mas enfrento-o, sujeitando-me muito serenamente ao julgamento do público. Sei dos enormes sacrifícios por que passam os meus colegas que se dedicam exclusivamente à música. Mesmo quando se tem muito talento, é difícil encontrar espaços de oportunidade, crescer, afirmar-se, ter sucesso e manter-se no pódio. E em condições de pandemia, há muitas situações de sobrevivência e os músicos têm sido verdadeiros heróis ao continuar a trabalhar e contribuir para o equilíbrio emocional da população, sujeita a fortes pressões psicológicas por causa das restrições económicas e às

as cargas mais recentes

Preto Show fala da estreia do seu programa no Afro Music Channel

há 1 ano
Em breve entrevista à Carga esta tarde, o autor de “Internacional Banger” informou que o seu programa é um talk show que vai ao ar no próximo sábado, a partir das 14 horas, e será exibido duas vezes por semana e destina-se a ajudar as famílias mais carenciadas.

Flor de Raiz: “Não temos produtoras sérias”

há 2 anos
Irreverente e muito frontal, a kudurista Flor de Raiz afirmou que não há nenhuma produtora séria ou capacitada, em Angola, para elevar os kuduristas a patamares mais alto.

27 anos após o lançamento clássico, Illmatic é adicionado ao acervo da Biblioteca do Congresso americano

há 7 meses
A 14ª bibliotecária do Congresso e primeira mulher a ocupar o cargo, Carla Hayden, classificou o disco como um “tesouro digno de ser preservado eternamente na herança fonográfica da nação por causa de sua importância cultural, histórica e estética”.

Trunfos do DJ João Reis

há 11 meses

Arnold Schwarzenegger em estreia no Rap

há 1 ano
O actor decidiu colaborar com alguns versos em uma nova música do cantor austríaco Andreas Gabalier, intitulada “Pump it Up – The Motivation Song”. A canção fala de superação, e tem Arnold rimando com citações sobre a sua carreira e frases que o tornaram famoso nas últimas décadas.

Madonna multada com 1 milhão de dólares por defender comunidade LGBTQ+

há 1 ano
A cantora revelou, através das suas redes sociais, que a Rússia obrigou que pagasse 1 milhão de dólares, depois de ela ter feito um discurso de defesa dos direitos da comunidade LGBTQ+ durante um concerto em São Petersburgo.

Globo aposta na união de estilos musicais de Angola e do Brasil na nova campanha de comunicação

há 1 ano
Há sensivelmente um mês, a Globo pôs a circular nos meios de comunicação locais, a campanha ‘Emoção Globo’. O objectivo é aproximar, cada vez mais, os talentos e produtos Globo ao público angolano com mensagens que lembrem personagens icónicas das novelas e programas de entretenimento e informação.

#TheShowMustBePaused: Indústria da música paralisada

há 1 ano
A paralisação de apoio ao “Black Lives Matters” já começou a ter efeito em outras latitudes. Por aqui vários são os nomes da música que vão postando imagens nas redes sociais em sinal de apoio ao protesto contra a morte de George Floyd.

Adelino Caracol: O pioneiro desconhecido do movimento Hip Hop angolano

há 12 meses
O 47° aniversário Hip Hop, que se comemorou na semana finda, trouxe ao de cima este facto irrefutável sobre a gene do movimento Hip Hop em Angola.

Especialistas dizem que Kanye West não conseguirá concorrer à presidência dos EUA

há 1 ano
As 59ª eleições nos Estados Unidos estão agendadas para 3 de Novembro de 2020 (numa terça-feira), o que leva especialistas a firmarem ser tarde demais para o rapper e empresário concorrer e, se o fizesse, West teria de desafiar o domínio democrático e republicano daquele país.

João Lourenço felicita projecto “Live no Kubico”

há 1 ano
Durante o Live da dupla Gabriel Tchiema e Mito Gaspar, referente ao projecto “Live no Kubico”, da TPA, uma mensagem centralizou as atenções. Na sua página no twitter, o Presidente da República de Angola, João Lourenço, elogiou o projecto e felicitou os organizadores por “manterem viva a nossa cultura”.

Davido na linha da frente dos protestos na Nigéria

há 1 ano
O músico nigeriano juntou-se este sábado a uma manifestação para exigir o fim da brutalidade policial no seu país. “Não devemos recuar até que as nossas reivindicações sejam atendidas”.

Katy Perry proíbe que se cante a música “Watermelon Sugar” no American Idol

há 7 meses

Filme de estreia de Gilmário Vemba é o mais visto dos cinemas nacionais

há 7 meses
A tragicomédia `A Dívida´ chegou às salas de cinema no passado dia 26 de Fevereiro e foi visto, até a semana finda, por cerca de sete mil pessoas, atingindo assim a marca de filme produção local mais visto nos cinemas nacionais.

Soulja Boy afirma que mudou toda indústria musical

há 1 ano
Embora já não tenha mais o mesmo sucesso no mainstream do que na década passada, Soulja Boy construiu um grande legado ao longo da sua trajectória de trabalho, o que não será facilmente esquecido.

Lukie disponibiliza videoclipe do tema “Amor”

há 10 meses
Gravado em Maputo, na Ponta do Ouro, este novo vídeo reflecte a mensagem principal do tema: amar incondicionalmente, “como o mar infinito”.