Né Gonçalves lança nova música e anuncia álbum com participações inesperadas

A riqueza poética patente na música de Né Gonçalves alterou recentemente as listas de produção da Apple Music, Spotify e New Music, em Portugal.

Por este motivo, o artista continua a actualizar a sua discografia. Ontem, por exemplo, lançou mais single Menino De Rua, extraído do álbum Luanda, Meu Semba – Instrumental, publicado em 2012.

Pela sua especificidade, o tema pode constituir um documentário musical de sensibilidade clássica, por ter sido seleccionada de um álbum com fusões da música tradicional, Semba, Jazz e a música clássica orquestrada pela Sinfónica Nacional da República Checa.

De álbuns não é tudo, o músico tem produzido um novo, que poderá contar com participações de Selda, Yuri da Cunha e Tito Paris e resume nesta entrevista o essencial da obra.

Passados seis anos desde o lançamento do seu terceiro álbum, Sembamar, confirma os sinais que vêm das redes sociais de que um novo álbum está a caminho?

Sembamar tem-me pedido um irmão mais novo. Pede através das pessoas que reconhecem o sucesso que teve e reclamam novos sucessos. Sembamar teve cinco nomeações no Top Rádio Luanda (Semba, Kizomba , Música Folclórica, Melhor Produção Discográfica e Balada do Ano) e venceu na categoria “Melhor Produção Discográfica” de 2016. A música Nhami, foi escolhida pela voz de Sílvia Liberal para concorrer e venceu “Gentes e Música” da Rádio Benguela em 2018 e, no mesmo ano, a música Sembamar integrou a trilha sonora do filme Kalunga, o mar de Angola. Os resultados do Luanda Meu Semba, nas versões cantada e instrumental, foram igualmente interessantes. Por isso, é natural que os fãs exijam novidades.

Neste momento, apenas posso dizer que estamos a trabalhar para que este ano chegue ao público a obra que, muito provavelmente, se chamará Undengue Uetu.

É um artista cujo nível estético e poético evidenciam os tempos áureos da música angolana. Teremos um álbum diferente?

Pretendo manter a diversidade de estilos que caracteriza os CDs já lançados, a mesma tonalidade poética e melódica e a beleza dos arranjos está garantida pelo talento e cuidado máximo de Jorge Cervantes. De diferente, teremos algumas participações de artistas cujo nível vai, sem dúvida, agregar valor estético às obras. Veremos se será concretizada a ideia de Selda, Yuri da Cunha e Tito Paris estarem no CD ao lado da hipótese de outras igualmente importantes participações.

A música tradicional e aspectos da tradição angolana sempre foram exaltados na sua obra. O que doravante passará a caracterizar a carreira de várias décadas de Né Gonçalves?

Costumo dizer que não tenho propriamente uma carreira mas, apenas, um caminho musical, percorrido desde os 7 anos a pegar num violão, passando aos nove anos pela primeira banda infantil – os Mini Craques – e lançando esporadicamente CD’s essencialmente de composições próprias. A par de canções mais universais, o semba e outros estilos nacionais como a rebita e o kilapanga têm estado presentes e as temáticas abordadas têm muita relação com o que é nosso, no que temos e no que somos. A música é o meu hobby de eleição que sigo a par de outras actividades principais. Creio que o futuro vai se caracterizar por maior equilíbrio entre essas actividades e a música, sem prejuízo de nenhuma.

Pertence a um tempo em que imperavam os CDs. Até que ponto a pandemia, as novas tecnologias de informação e comunicação influenciaram as suas abordagens?

Vivemos uma era completamente nova a influenciar os modelos de distribuição e de comunicação da música. Hoje fazemos uma aposta forte nessas tecnologias que fez com que os CDs Luanda Meu Semba e Sembamar estejam presentes em mais de 150 plataformas digitais, criando uma relação de proximidade muito maior com o público interessado. A 7 de Maio teremos todo o álbum nessas plataformas. Dessa forma, estamos a preparar o terreno para o surgimento de novidades musicais.

Ao longo da sua actividade artística, como se adaptou às “atrocidades” do mercado?

Por não se tratar da minha actividade profissional, sou um artista livre, não dependente do mercado. Faço o que a inspiração ou a vontade ditam, sem estar amarrado ao que o mercado quer. É sempre um risco mas enfrento-o, sujeitando-me muito serenamente ao julgamento do público. Sei dos enormes sacrifícios por que passam os meus colegas que se dedicam exclusivamente à música. Mesmo quando se tem muito talento, é difícil encontrar espaços de oportunidade, crescer, afirmar-se, ter sucesso e manter-se no pódio. E em condições de pandemia, há muitas situações de sobrevivência e os músicos têm sido verdadeiros heróis ao continuar a trabalhar e contribuir para o equilíbrio emocional da população, sujeita a fortes pressões psicológicas por causa das restrições económicas e às

as cargas mais recentes

Lou Ottens, precursor da portabilidade musical morre aos 94 anos

há 2 meses
Conhecido como o “Pai” da cassete de fita, o engenheiro holandês, foi nada mais que um inventor revolucionário na década de 1960, cuja criação democratizou o sector musical, facilitando a portabilidade e alcance.

Por onde anda o Queima Bilha?

há 11 meses
A concorrência com Sebem obrigou os dois Kuduristas a esmerarem-se, trazendo sucessos atrás de sucessos. No entanto, Queima Bilha ficou pelo caminho, “desaparecendo do mapa” musical sem deixar rastos.

As 10 músicas de amor para ouvir no Dia de São Valentim

há 3 meses

Ary arrecada mais de um milhão em concerto online

há 1 ano
Em pouco mais de uma hora de show, na sua página do Instagram, a cantora Ary conseguiu arrecadar um milhão e 295 mil Kwanzas, que será encaminhado para o centro de acolhimento El Betel, informou o agente da artista Agnelo Henriques.

Fundação Arte e Cultura encabeça festival cultural internacional de homenagem aos heróis da Covid-19

há 9 meses
O festival internacional de arte, em homenagem aos heróis da Covid-19 e de luta contra o racismo “Change is in Unity”, está ser encabeçado em Angola, pela Fundação Arte e Cultura e decorre na Ilha de Luanda, sob os valores Amor, respeito, resiliência, solidariedade, empatia e igualdade.

SADIA começa a pagar rendimentos a partir de Março

há 5 meses
De acordo com a nota que a Revista Carga teve acesso, a distribuição dos rendimentos do autor começa no terceiro mês de 2021 e segue nos meses de Junho, Setembro e Dezembro, neste caso trimestralmente.

Monsta é o #TheBestBantumen 2020

há 5 meses
O rapper foi eleito pelo público num sistema de votações em que se alistavam 16 artistas e 16 obras, sendo que para a obra Falsos Profetas do moçambicano Djimetta ficou classificada como o Melhor Projecto de 2020.

Já está disponível o segundo single promocional do Projecto ShowTimeCollection

há 5 meses
Da autoria de Gedson, `Hustler´ dá continuidade ao projecto ` ShowTimeCollection´, a música é lançada após Megga Skills, CEO da label, fazer as “honras da casa” com single `Tá Doce´.

Jovens do Prenda no Show do Mês online

há 1 ano

Músicos reagem à morte de Silvio Dala: “Na América atribuímos ao racismo. Aqui vamos dizer que é o quê?”

há 8 meses
O caso do médico Silvio Dala está a causar uma corrente de protestos, até aqueles músicos que pareciam mais reservados estão a ser obrigados a soltar a voz. “Se quiserem, matem-me também”.

Vencedores do prémio `Ensa-Arte 2020´são conhecidos hoje

há 2 semanas
A 15ª edição de entrega de prémios Ensa- Artes, voltada para as artes plástica acontece hoje com transmissão em directo no programa Janela Aberta, na TPA1.

Yci Walter: Uma nova proposta musical para 2021

há 4 meses
Yci Walter canta há seis anos. Além de cantor, tem conseguido algum protagonismo como director artístico. A canção “Como Céu”, de Yola Araújo, teve o seu dedo. Já participou também em projectos com músicos como Kool Klever.

Kanye West “entra” na lista dos bilionários

há 1 ano

Kuzola Planet: Nova EP confirma o voo solo de Niiko

há 1 mês
Passado um ano após desvincular-se da dupla com Duc, Niiko apresenta a primeira EP a solo, intitulada `Kuzola Planet´, disponível nas plataformas de Streaming a partir de hoje.

Faz hoje um mês desde que Carolina Deslandes e Jimmy P surpreenderam os fãs com o projecto colaborativo “Mercúrio”

há 8 meses
Um ano após lançarem a primeira música juntos, Carolina Deslandes e Jimmy P reafirmaram o gosto por trabalhar em conjunto. Com um total de 5 músicas, o EP Mercúrio foi todo idealizado durante o período de confinamento e disponibilizado a 31 de Julho.

Entre bombos e tarolas, dance ao ritmo do Hip-Hop

há 1 ano
O Hip Hop nasceu juntamente com o estilo musical e toda sua as cultura. Refere-se aos estilos de dança sociais ou coreografados relacionados com a música e com a cultura Hip Hop: um género musical, com uma subcultura própria, iniciado durante a década de 1970, nas comunidades jamaicanas, latinas e afro americanas da cidade de Nova Iorque, e posteriormente desenvolvido por afro e latino-americanos.