Nélia Dias: Do Top Rádio Luanda rumo ao topo da música angolana

Nélia Dias é um nome a se ter em conta no music hall nacional, por ser das poucas que conseguiu colocar o seu nome no Top Rádio Luanda com a música de estreia. A sua carreia ficou marcada por  duetos com Young Double, Mona Nicastro, mas agora tem em carteira um novo projecto musical com o qual se quer lançar ao mundo.

Como é que se dá o seu envolvimento com a música?
O meu pai sempre consumiu muita música e, de alguma forma, sofri influência dele. Comecei a ouvir muita música antilhana e principalmente pelo estilo que faço.

Que momentos marcaram esta fase?
O meu grande sucesso “Vem Cá”, a minha primeira nomeação no Top Rádio Luanda, ter sido convidada pela Diva Ary para abrir todos os seus Show.

Depois disso, que projectos musicais seguiram?
Seguiram-se 11 faixas musicais: Ilusão, Vem Cá, Eu Vou Te Amar, Onde Estavas, Amor Miúdo, Meu Bruxo, Vai Doer, Teu Toque 2, Bênção, Gatuno, Tribunal do Amor e Todo Grosso.

De que forma é que trabalha?
Trabalho por conta própria, e nunca estive associada a nenhuma produtora.

Está a promover duas canções. Quando é que pensa apresentar o seu próximo projecto?
Sim, estou, as músicas Bênção” e “Tribunal do Amor”,mas ainda este ano, no final de 2020, vou lançar novos projectos.

Que projecto serão estes?
Pretendo tirar os videoclipes das minhas músicas “Bênção” e “Tribunal do Amor”, que são as que venho promovendo.

Das músicas que possui, que participações traz?
Tenho 4 participações. Ma música ” Meu Bruxo” trago Jakilssa, em “Vai Doer”  participou o Young Double,  já no “Teu Toque 2 tem Mona Nicastro” e  Gatuno” trago D-Koll.

O quê que tem feito nesta fase do Covid-19?
Durante a pandemia tenho me dedicado mais a minha profissão de formação “Arquitetura”. Como gosto de dizer “Arquitectura de profissão e Cantora de Paixão”. E tenho aumentado a divulgação digital dos meus trabalhos.

Que planos traçou para carreira no pós-Covid?
Aumentar as parcerias musicais, fazer uma apresentação dos meus trabalhos existentes e, possivelmente, a oficialização de um trabalho discográfico.

Nélia Dias: Do Top Rádio Luanda rumo ao topo da música angolana

Ouvindo as suas músicas, sente-se uma mistura de Kizomba ou Guetho Zouk com RnB. Como é que se caracteriza como artista?
Como cantora do estilo Kizomba. Por ser um estílo Nacional e de que realmente gosto muito, apesar de ter tido muita influência de música antilhana, me enverguei mais para o estílo Kizomba.

Pelo percurso artístico que tem, em que fase considera estar a sua carreira?
Apesar de já ter seis anos de carreira e ter tido  algumas conquistas consideráveis, ainda sinto a necessidade de expandir mais a minha carreira a nível nacional.

É onde gostaria de estar neste momento?
Por estranho que pareça, eu estou aonde devia estar. Confesso que gostaria de já ser muito mais reconhecida, mas as coisas são por algum motivo. Tudo tem seu tempo.

De que são feitas suas composições musicais?
Eu falo de amor, paixão, decepção, traição e outros… Sou uma artista e estou sempre aberta a novos temas e estilos, desde que sejam por uma boa causa.

A sua música fez algum sucesso. Que ganhos seguiu com este single?
A música “Vem Cá” foi sim um grande sucesso inesperado, uma vez que estava a dar os primeiros passos na minha carreira de forma profissional e foi o que me fez continuar com a minha carreira artística. Fiz contactos com grandes músicos, fui nomeada por mérito e cresci muito como cantora de modo geral.

Que palcos se tem apresentado?
Apresento-me mais em casamentos e festas. Tenho sido recebida com muito amor, carinho. Isto é o maior reconhecimento da minha carreira artística.

Qual é o seu maior sonho?
Olha, eu não sou uma pessoa de grandes sonhos, eu sou muito mais de desejar, correr atrás e conquistar. Ser artista nunca foi um sonho. foi sempre um grande desejo, fui atrás e conquistei.

Pelo que tem feito, onde vê a sua carreira daqui a 5 anos?
Ainda no princípio deste ano podia dizer que daqui há 5 anos já teria conseguido um melhor reconhecimento no music hall angolano e começar a expandir de forma internacional. Mas agora com esta pandemia, tudo que vier estarei no lucro. Infelizmente com esta pandemia os artistas têm sido os mais afectados e tem sido muito difícil fazer planos, uma vez que nem se sabe quando é que está situação irá realmente terminar.

as cargas mais recentes

Morreu o fadista português Carlos do Carmo

há 2 anos
O cantor morreu na manhã de hoje aos 81 anos, no hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde deu entrada ontem por causa de um aneurisma.

Vencedores do prémio `Ensa-Arte 2020´são conhecidos hoje

há 2 anos
A 15ª edição de entrega de prémios Ensa- Artes, voltada para as artes plástica acontece hoje com transmissão em directo no programa Janela Aberta, na TPA1.

Atrás dos holofotes L´Edge desenha carreira de sucesso

há 2 anos

Hackers voltam a atacar música angolana

há 1 ano
Ultimamente, tem sido frequente no seio artístico angolano os ataques cirbenéticos. Na semana finda, os hackers voltaram a fazer mais uma vítima, e, neste caso, a infeliz foi a cantora Sandra Cordeiro.

Luan Santa assina com a Sony Music: “Quero conquistar o mundo”

há 2 anos

Força Suprema: Don G lança primeiro álbum a solo

há 2 anos
Don G, membro da Força Suprema, disponibilizou hoje o seu primeiro álbum. Intitulado “Guerreiros”, a obra surge da sequência de várias mixtapes e reflecte a experiência de vida do rapper.

Morreu Dj Pzee Boy após sofrer complicações no estômago

há 1 ano

Álbum “Pra Lhes Doer Mais”, da autoria de Twenty Fingers já está disponível

há 2 anos
2020 tem sido o ano das novidades para os fãs de Twenty Fingers. Depois de ter lançado o EP Twenty Twenty, o músico moçambicano, agenciado pela Música Promo, lança o álbum há muito desejado.

Academia Angolana de Letras reconhece contributo de Paulo Flores

há 1 ano

Mira Clock é a principal convidada de hoje na “noite de poesia” da Fundação Arte e Cultura

há 4 meses

Sintoniza 96.1 FM: O LIVRO “Vida em Papéis e Letras”

há 1 ano
O LIVRO “Vida em Papéis e Letras”, é descrito como um programa que expõe o livro na sua plenitude: Edição, Pesquisas, Ilustrações, em suma, tudo o que faz parte da constituição de cada livro publicado. No ar todas as quartas-feiras, das 15 as 16 horas, o espaço está focado nos Autores, Editores, Críticos e Leitores.

RIH-ISSUE: Enquanto o novo álbum não vem, Rihanna lança discografia em vinil

há 1 ano
Ao seu jeito, Rihanna anunciou o lançamento dos seus óctuplos álbuns num novo formato, em tradução livre feita por esta que vos escreve, a artista “alfinetou” os mais conservadores com um post: “As crianças de hoje nunca saberão o que é vinil”, disseram eles!” provocou, deixando disponível o ri-hanna.io/rihissue, onde se encontram a venda.

Música de Matias Damásio “substitui” hino dos 45 anos da Independência

há 2 anos
A música “Amar Angola” de Matias Damásio está, desde 12 de Novembro, a abrir o informativo da Televisão Pública da Angola “Bom Dia” Angola, um espaço antes ocupado pelo hino dos 45 anos da nossa independência.

NÃO HÁ CURA: Galeria MOVART e Instituto Camões apresentam exposição colectiva

há 1 ano
Com “NÃO HÁ CURA”, a galeria MOVART pretende recolocar o foco de 2021 no empoderamento das mulheres, que foram ainda mais silenciadas durante a pandemia, pela eliminação de espaços de debate sobre o feminino na sociedade e nas artes. A mostra já está aberta ao público e poderá ser visitada até ao dia 11 de Agosto de 2021.

Entre bombos e tarolas, dance ao ritmo do Hip-Hop

há 3 anos
O Hip Hop nasceu juntamente com o estilo musical e toda sua as cultura. Refere-se aos estilos de dança sociais ou coreografados relacionados com a música e com a cultura Hip Hop: um género musical, com uma subcultura própria, iniciado durante a década de 1970, nas comunidades jamaicanas, latinas e afro americanas da cidade de Nova Iorque, e posteriormente desenvolvido por afro e latino-americanos.

Craig Lieberman apela descontinuação da saga Fast and Furious

há 1 ano
Ao coro dos insatisfeitos acaba de se juntar o consultor dos primeiros filmes da franquia. Craig Lieberman fez um vídeo explicativo de 25 minutos e pediu que “parem de fazer Velozes & Furiosos”.