Ney Tavira: um nome para reter, um talento para ovacionar

Numa altura em que os rappers da sua faixa etária limitam-se a cantar músicas “superficiais” e refrões de ostentação, Ney Tavira se apresenta como uma lufada de ar fresco para o movimento que tende a se tornar frívolo com o passar dos tempos. Aos 22 anos e com a veia virada para a intervenção, começou a cantar em 2011, altura em que as rodas de freestyles foram a sua escola, tendo já como maior inspiração a Força Suprema. Após 5 anos de interregno, o jovem rapper aproveitou o momento de “resguardo” para se reintegrar no movimento, com a música “Quarentena”, uma faixa que faz uma incursão pelos acontecimentos e problemas sociopolíticos do mundo com maior destaque para a pandemia do Covid-19, onde nos convida a fazer uma reflexão sobre o mundo à nossa volta. 

A partir de que momento é que a música cruza o seu caminho?
Sempre gostei de música, mais propriamente com os meus 12 anos me senti fortemente atraído pelo estilo Rap. Foi instantâneo desde o momento que senti o instrumental Boom bap foi como se tivesse tido um frisson. Desde muito pequeno me cerquei por pessoas que partilhavam a mesma paixão, no colégio e na rua, o meu meio era o Rap, participava muito em rodas de freestyle, e ao longo desse período devido a convivência ingressei num grupo de Rap chamado SBC MUSIC ( 2011 à 2015), que posteriormente passou a se chamar “Matanga”, foi à partir desse momento que passei a participar literalmente em tracks.

Em que momento decide se profissionalizar?
Passei um tempo priorizando outras coisas, enquanto membro do grupo “Matanga” os nossos objectivos pessoais sobrepunham-se aos objectivos do grupo, então o grupo aos poucos deixou de existir, mas eu nunca deixei de ser Rapper. Tinha inúmeros projectos inacabados, ouvia sempre bom Rap, fiquei quase 5 anos sem lançar músicas, no entanto neste período de quarentena, comecei a rever todos os meus projectos antigos, e a chama se reacendeu e decidi então fazer um vídeo intitulado “ Instrospecção” e teve uma recepção muito boa. Posteriormente lancei um Single ilustrando o nosso panorama actual intitulado “Quarentena“e aconteceu o mesmo e daí eu vi, por quê não? Tentar fazer algo grande?!

O Rap desde sempre foi o seu estilo de eleição?
Nem sempre, teve um período que era muito fã do Bruno M por causa da mensagem que transmitia, mas como disse anteriormente aos 12 anos migrei para o Rap com um bilhete só de ida.

Boom Bap ou trap, onde melhor se enquadra?
Sou um Rapper criativo, consigo me enquadrar nas duas vibes.

Considera um “exercício” simples?
É só saber enquadrar o Flow, mas na verdade eu comecei com o Boom Bap, ao longo do tempo isso mudou, agora consigo fazer Rap até num beat de Kizomba.

O que é mais importante para si, o beat, as linhas ou a métrica?
Acho a métrica mais importante, se for para hierarquizar eu considero a seguinte ordem: Métrica, linhas e o Beat. As linhas até podem ser fracas, mas se enfatizarmos bem a métrica, o ouvinte viaja na wave, juntar o útil ao agradável mesmo é ser bom de métrica e de linhas.

Sendo uma carreira ainda em fase embrionária, considera que tem sido fácil? 
Não tem sido fácil, porque as  pessoas são mais susceptíveis a aceitar a cena de quem já é conhecido por isso preciso criar mais links com outros rappers, mas não é nada que com foco e determinação não se alcance, tenho de estar disposto a “pagar o preço” pois a minha atitude vai determinar a minha altitude.

Quais as maiores dificuldades que tem encontrado para solidificar a carreira?
Na altura que eu era integrante de um grupo o círculo de influência era maior, tinha mais links com rappers, depois desse todo tempo parado esta tem sido a minha maior dificuldade, por isso preciso criar sinergia com outros artistas e produtores por forma a alcançar mais pessoas, juntos somos mais fortes.

Neste momento considera indispensável o intercâmbio de ideias com outros artistas?
Exatamente! Quando há comunicação sinergética alcança-se resultados muito melhores.

Quantas músicas já disponibilizou?
Até ao momento tenho apenas 6 músicas para vos proporcionar conforto auditivo…

Comprove o talento em ascensão

Quais os frutos que têm colhido destes trabalhos já disponibilizados?Até ao momento tenho colhido props, muitas mensagens de encorajamento, pessoas desconhecidas têm se identificado com as linhas, surgiram mais seguidores, pedidos de feats recorrentes… é muito bom saber que a tua cena é impactante, saber que és motivo do sorriso de alguém.

Recentemente disponibilizou a música intitulada `Quarentena´, um retrato da realidade actual, conseguiu um pouco de mais exposição se tratando de um tema pertinente?
Sim! Disponibilizei o single com um lyrics vídeo onde compilei muitas situações que temos vivido actualmente e isto fez com que muita gente apreciasse e refletisse comigo, a música “Quarentena” tem linhas muito fortes para serem ignoradas.

Quais são os artistas em que se inspira e quais as características que o “atraem”?
Gosto muito dos artistas da FS, a forma que eles metem as suas vidas nas rimas me atrai muito, usam com bastante eficácia a tríade Métrica, linhas e beat.

Quais os projectos que tem na forja?
Estou a preparam uma EP que vai contar com 8 tracks, sem previsões ainda, será a minha reintrodução no game, só coisas boas por se esperar.

Conta com o apoio da família para dar seguimento à música?
Felizmente sim, desde o tempo que só cantava no chuveiro, meus tios, primos e sobrinhos sabem que sou o Rapper da família.

Qual o pseudónimo que vai adoptar para a carreira artística?
“Ney Tavira”, as pessoas mais chegadas a mim me tratam por “Ney” e “Tavira” é o sobrenome do meu pai que infelizmente por algum erro não consta no meu registo, mas na mesma pretendo levar está nome longe.

Aonde pretende chegar com a música?
Pretendo alcançar muito mais pessoas porque trago material construtivo, reflexões complexas, mensagens fortes intrínsecas, mais pessoais tinham de sentir, quero transmitir conhecimento e experiências por meio da minha música.

as cargas mais recentes

Formiga: Trajectória da jogadora será contada em documentário

há 1 mês
A história da recordista mundial, será adaptada aos cinemas, num projecto que conta com o roteiro e direcção da cineasta Taís Amordivino.

Hip Hop Tuga se veste de camisolas desportivas

há 8 meses
A comunidade Hip Hop Tuga conta desde esta semana com uma marca de T-shirts desportivas, que representam álbuns de Rap. A iniciativa de um jovem designer gráfico já recebeu reacções positivas dos rappers.

“A Dimensão Cultural do Herói Nacional” em debate no Visão actual

há 4 meses
O programa Visão Actual a ser exibido amanhã, quinta-feira dia 17 de Setembro, vai analisar a Dimensão Cultural de António Agostinho Neto, fundador da nação e primeiro presidente de Angola.

Conheça Triple Star C, o músico nigeriano que decidiu fazer carreira em Angola

há 4 meses
O seu sucesso começou na Nigéria, pisando palcos com artistas como Davido, para além de actuar em festivais na África do Sul, Gana e RDC. Mas é em Angola que Triple Star C quer fazer a carreira E, aos poucos, vai ganhando título de promotor e representante do Afro Naija em Angola.

LL Cool J junta-se a Swizz Beatz no plano de criar fundos para os ícones do Hip Hop

há 8 meses
Há pouco menos de uma semana,Swizz Beatz partilhou durante um live Beatz’s Zone Radio, que gostaria de arrecadar um milhão de dólares em “impostos” para cada membro fundador do Hip Hop. Mal-interpretada, a ideia do produtor criou um mal-estar entre os mais novos rappers, mas o apoio não tardou a chegar. LL Cool J não só aprovou a ideia, como também se prontificou a dar o seu contributo.

Mário Gomes: O presente e o futuro entre os guitarristas

há 5 meses
Dom Caetano, Filipe Mukenga consideram-no o melhor guitarrista da actualidade. Saiba mais sobre este pequeno/grande músico na entrevista concedida à Revista Carga.

Kanye West oferece um Sherp Pro como prenda de aniversário a 2 Chainz

há 5 meses
Parece já não haver motivos para duvidar da fortuna de West, só em três meses, o rapper gastou o equivalente a três triliões de Kwanzas para a campanha eleitoral e, para fechar, ofereceu como presente de aniversário um Sherp Pro ATV ao seu amigo 2 Chainz.

Davido na linha da frente dos protestos na Nigéria

há 3 meses
O músico nigeriano juntou-se este sábado a uma manifestação para exigir o fim da brutalidade policial no seu país. “Não devemos recuar até que as nossas reivindicações sejam atendidas”.

Bricia Dias apresenta aos angolanos a nova maneira de cantar o amor

há 2 meses

“Com Corona ou Sem” o hit do verão de Moçambique

há 2 meses
Da autoria de Mc Roger, com a participação de Twenty Fingers, o single chega para “abrir” a nova estação do ano em Moçambique e promete animar as pistas de dança, ainda que em confinamento.

Vozes de diferentes estilos cantam 70 anos de André Mingas

há 8 meses
Se estivesse em vida, André Mingas completaria setenta anos amanhã(24). E, em alusão do seu 70.°aniversário, Ary, Kizua Gourgel, Toty Sa’med, Selda, Yoxi e Paulo Flores juntam-se este domingo para um tributo musical.

Paul McCartney confessa que quase se tornou alcoólatra após separação dos Beatles

há 6 meses
Paul McCartney confirmou as informações por trás da separação dos Beatles. Em uma nova entrevista, o músico afirma que sofreu muito com as acusações sobre o fim da banda, que o levou a recorrer ao álcool e faltava pouco para ter calapso mental mais grave.

Rick Ross e 2 Chainz preparam-se para a próxima batalha de ‘Verzuz’

há 6 meses
Está confirmado Rick Ross e 2 Chainz vão protagonizar a próxima batalha do Verzuz na quinta-feira, 6 de agosto. O anúncio foi feito na conta do Instagram da VerzuzTV, a batalha será transmitida gratuitamente pelo Instagram e também pelo Apple Music para os assinantes do serviço.

Rui Veloso: “A ouvir hip hop não aprendo nada musicalmente”

há 7 meses
Em 2018 Rui Veloso foi mal concebido pela comunidade hip hop por ter afirmado que o Rap não era bem música. Durante uma entrevista esta semana na BLITZ, Posto Emissor, Rui Veloso esclareceu os comentários que em tempos teceu sobre o hip hop.

Luso: “Os rappers acabam por depender das acções do político para poder fazer música”

há 7 meses
Luso está no Hip Hop desde os seus 15 anos. Tem um álbum e um EP lançados e está a concluir o segundo álbum. Além disso, o músico desenvolve o projecto “Ilusionista”.

Solidariedade artística em tempos de distanciamento

há 8 meses
Nunca o chavão “a dificuldade aguça a criatividade” fez tanto sentido como actualmente. O trabalho remoto tornou-se o novo normal, e reinventar, a palavra de ordem. No meio disto tudo, há famílias resguardadas em casa para se proteger e tentar travar o avanço da pandemia e outras que têm de escolher, entre escapar a doença ou passar por necessidades, para estas, a “entreajuda” se fez chegar na linha da frente com os “heróis” de microfone na mão.