Ney Tavira: um nome para reter, um talento para ovacionar

Numa altura em que os rappers da sua faixa etária limitam-se a cantar músicas “superficiais” e refrões de ostentação, Ney Tavira se apresenta como uma lufada de ar fresco para o movimento que tende a se tornar frívolo com o passar dos tempos. Aos 22 anos e com a veia virada para a intervenção, começou a cantar em 2011, altura em que as rodas de freestyles foram a sua escola, tendo já como maior inspiração a Força Suprema. Após 5 anos de interregno, o jovem rapper aproveitou o momento de “resguardo” para se reintegrar no movimento, com a música “Quarentena”, uma faixa que faz uma incursão pelos acontecimentos e problemas sociopolíticos do mundo com maior destaque para a pandemia do Covid-19, onde nos convida a fazer uma reflexão sobre o mundo à nossa volta. 

A partir de que momento é que a música cruza o seu caminho?
Sempre gostei de música, mais propriamente com os meus 12 anos me senti fortemente atraído pelo estilo Rap. Foi instantâneo desde o momento que senti o instrumental Boom bap foi como se tivesse tido um frisson. Desde muito pequeno me cerquei por pessoas que partilhavam a mesma paixão, no colégio e na rua, o meu meio era o Rap, participava muito em rodas de freestyle, e ao longo desse período devido a convivência ingressei num grupo de Rap chamado SBC MUSIC ( 2011 à 2015), que posteriormente passou a se chamar “Matanga”, foi à partir desse momento que passei a participar literalmente em tracks.

Em que momento decide se profissionalizar?
Passei um tempo priorizando outras coisas, enquanto membro do grupo “Matanga” os nossos objectivos pessoais sobrepunham-se aos objectivos do grupo, então o grupo aos poucos deixou de existir, mas eu nunca deixei de ser Rapper. Tinha inúmeros projectos inacabados, ouvia sempre bom Rap, fiquei quase 5 anos sem lançar músicas, no entanto neste período de quarentena, comecei a rever todos os meus projectos antigos, e a chama se reacendeu e decidi então fazer um vídeo intitulado “ Instrospecção” e teve uma recepção muito boa. Posteriormente lancei um Single ilustrando o nosso panorama actual intitulado “Quarentena“e aconteceu o mesmo e daí eu vi, por quê não? Tentar fazer algo grande?!

O Rap desde sempre foi o seu estilo de eleição?
Nem sempre, teve um período que era muito fã do Bruno M por causa da mensagem que transmitia, mas como disse anteriormente aos 12 anos migrei para o Rap com um bilhete só de ida.

Boom Bap ou trap, onde melhor se enquadra?
Sou um Rapper criativo, consigo me enquadrar nas duas vibes.

Considera um “exercício” simples?
É só saber enquadrar o Flow, mas na verdade eu comecei com o Boom Bap, ao longo do tempo isso mudou, agora consigo fazer Rap até num beat de Kizomba.

O que é mais importante para si, o beat, as linhas ou a métrica?
Acho a métrica mais importante, se for para hierarquizar eu considero a seguinte ordem: Métrica, linhas e o Beat. As linhas até podem ser fracas, mas se enfatizarmos bem a métrica, o ouvinte viaja na wave, juntar o útil ao agradável mesmo é ser bom de métrica e de linhas.

Sendo uma carreira ainda em fase embrionária, considera que tem sido fácil? 
Não tem sido fácil, porque as  pessoas são mais susceptíveis a aceitar a cena de quem já é conhecido por isso preciso criar mais links com outros rappers, mas não é nada que com foco e determinação não se alcance, tenho de estar disposto a “pagar o preço” pois a minha atitude vai determinar a minha altitude.

Quais as maiores dificuldades que tem encontrado para solidificar a carreira?
Na altura que eu era integrante de um grupo o círculo de influência era maior, tinha mais links com rappers, depois desse todo tempo parado esta tem sido a minha maior dificuldade, por isso preciso criar sinergia com outros artistas e produtores por forma a alcançar mais pessoas, juntos somos mais fortes.

Neste momento considera indispensável o intercâmbio de ideias com outros artistas?
Exatamente! Quando há comunicação sinergética alcança-se resultados muito melhores.

Quantas músicas já disponibilizou?
Até ao momento tenho apenas 6 músicas para vos proporcionar conforto auditivo…

Comprove o talento em ascensão

Quais os frutos que têm colhido destes trabalhos já disponibilizados?Até ao momento tenho colhido props, muitas mensagens de encorajamento, pessoas desconhecidas têm se identificado com as linhas, surgiram mais seguidores, pedidos de feats recorrentes… é muito bom saber que a tua cena é impactante, saber que és motivo do sorriso de alguém.

Recentemente disponibilizou a música intitulada `Quarentena´, um retrato da realidade actual, conseguiu um pouco de mais exposição se tratando de um tema pertinente?
Sim! Disponibilizei o single com um lyrics vídeo onde compilei muitas situações que temos vivido actualmente e isto fez com que muita gente apreciasse e refletisse comigo, a música “Quarentena” tem linhas muito fortes para serem ignoradas.

Quais são os artistas em que se inspira e quais as características que o “atraem”?
Gosto muito dos artistas da FS, a forma que eles metem as suas vidas nas rimas me atrai muito, usam com bastante eficácia a tríade Métrica, linhas e beat.

Quais os projectos que tem na forja?
Estou a preparam uma EP que vai contar com 8 tracks, sem previsões ainda, será a minha reintrodução no game, só coisas boas por se esperar.

Conta com o apoio da família para dar seguimento à música?
Felizmente sim, desde o tempo que só cantava no chuveiro, meus tios, primos e sobrinhos sabem que sou o Rapper da família.

Qual o pseudónimo que vai adoptar para a carreira artística?
“Ney Tavira”, as pessoas mais chegadas a mim me tratam por “Ney” e “Tavira” é o sobrenome do meu pai que infelizmente por algum erro não consta no meu registo, mas na mesma pretendo levar está nome longe.

Aonde pretende chegar com a música?
Pretendo alcançar muito mais pessoas porque trago material construtivo, reflexões complexas, mensagens fortes intrínsecas, mais pessoais tinham de sentir, quero transmitir conhecimento e experiências por meio da minha música.

as cargas mais recentes

Vencedores do prémio `Ensa-Arte 2020´são conhecidos hoje

há 3 meses
A 15ª edição de entrega de prémios Ensa- Artes, voltada para as artes plástica acontece hoje com transmissão em directo no programa Janela Aberta, na TPA1.

Chloe estreia single e videoclip de “Upgrade”

há 2 meses
“Upgrade” fala sobre o poder feminino e pretende transmitir uma mensagem de empoderamento da mulher como um ser humano forte e independente que entende o seu valor.

Luso resume problemas intra-familiares em álbum de Rap

há 3 meses
A obra intitula-se “Laços de Família” e será lançado em formato físico e digital em Junho e Dezembro deste ano. É um retrato dos principais problemas vividos nos lares africanos assolados por brigas e influências sociais.

Megga Skills apresenta `Show Time Collection´

há 1 ano
O projecto musical foi apresentado com o vídeo da faixa `Tá Doce´. A música promocional é igualmente uma introdução oficial da label também denominada Show Time Collection, do rapper angolano Megga Skills.

Tal pai, tal filho

há 1 ano
Os caminhos de Maya Cool e Eduardo Paím estão quase sempre ligados. Não é novidade que viveram juntos durante anos em Portugal e que Paím foi o seu mentor naquele país.

This Is Not a White Cube anuncia participação na 8ª edição da 1-54 Contemporary African Art Fair

há 10 meses
A feira de arte que vai decorrer em Londres na Somerset House de 8 a 10 de outubro de 2020, será prestigiada com a presença da galeria angola, a ser representada pelos artistas: Alida Rodrigues, Patrick Bongoy, Pedro Pires e Nelo Teixeira.

Racionais MC’s recusam o equivalente a 57 milhões de Kwanzas para um live

há 1 ano
Para cumprir a medida de distanciamento social imposta pela Organização Mundial da Saúde, os Racionais MC’s recusaram um live com cachet de 100 mil Reais, equivalente a 57 milhões 442 mil e 500 Kwanzas.

Repertório desafia Znobia X Havaiana para um desfile de Kuduro

há 1 ano
Depois da edição inaugural com Raiva X DH, a Carga traz para a segunda edição do Repertório o estilo mais psicadélico e com maior número de adeptos, o “Kuduro”. Znobia e Havaiana, duas das figuras mais emblemáticas do Kuduro foram chamadas. Estás preparado (a) ?

Atrium promove show internacional em alusão ao Dia da Independência

há 9 meses
A ser realizado no próximo dia 8 de Novembro, simultaneamente em Cabo Verde e Angola (nas instalações do Atrium Nova Vida), o concerto alusivo ao 45º aniversário da independência de Angola será restrito ao grande público devido as medidas de prevenção à Covid-19.

É oficial, Nigéria é a primeira selecção africana a destronar os Estados Unidos na história do basquetebol

há 3 semanas
A Nigéria acaba de quebrar o mito da invencibilidade dos Estados Unidos, ao vencer o jogo que conta para a pré-temporada dos jogos olímpicos de Tóquio, com o resultado final de 90 a 87.

De Michelle Obama a Kamala Harris: Entenda o activismo disfarçado na elegância dos looks

há 6 meses
Por trás de tamanha imponência, três alusões foram feitas propositadamente: o movimento das sufragista, a união dos partidos e a representatividade de estilistas negros.

Licenciado Em Conteúdos: um rapper contestatário que não pára de atrair público

há 9 meses
Licenciado Em Conteúdos atrai popularidade desde 2011, por causa da forma subtil com que encadeava, num único verso, vários acontecimentos, e hoje está a se transformar na principal referência do Rap Under do Bairro Huambo, Rocha Padaria, em Luanda.

Yola Araújo e LS Republicano rompem contrato por alegada “incompatibilidade”

há 10 meses
Depois de pouco mais de 10 anos de trabalhos, a cantora deixa de pertencer a LS Republicano, por causa de “incompatibilidades”.

Anna Joyce e C4 Pedro integram lista dos artistas africanos que “todos devem ouvir”

há 4 meses
O site brasileiro Mundo Negro elegeu os oito artistas africanos lusófonos “obrigatórios” nas playlists da actualidade, dos quais figuram os angolanos C4 Pedro e Anna Joyce.

Yola Semedo revela que está desmotivada para fazer lives

há 1 ano

Vírus Inesperado: Filme de produção angolana é premiado em Londres

há 7 meses
O filme “Vírus Inesperado”, uma co-produção entre Henrique Sungo (produtor) e o santomense Felipe Anjos (editor), fala sobre o impacto do novo coronavírus na comunidade Palop no Reino Unido.