Novo álbum de OG Vuino é “uma espécie de Negócio Fechado a solo”

É quase impossível dissociarmos o nome Vui Vui dos Kalibrados, pelo historial do grupo no Hip Hop lusófono. Mas, tanto como produtor, intérprete ou letrista, o músico não tem nada a provar, aliás, por isso é que hoje atende pelo nome OG Vuino.

Seus primeiros trabalhos a solo “Mafia King” e “De Mim Para Vocês” falam por si e, apesar de serem mixtapes, as obras deixam claro sobre a importância que o artista tem no Hip Hop nacional, uma originalidade que será agora detalhada no seu primeiro álbum de estúdio ” Fazer de Novo”, a ser lançado a 24 de Agosto.

O álbum de estreia de OG Vuino traz uma matriz africana, com miscigenação de sons e culturas do Continente e angolana, em particular. A obra reúne participações de nomes de referências na música angolana e africana, além de Kadaff, Dji Tafinha, GM,  Filho do Zua e Rui Orlando

De acordo com o músico “Fazer de Novo” assemelha-se ao emblemático “Negócio Fechado”, a obra de estreia dos Kalibrados, entretanto possui características próprias, tanto na sonoridade, métrica e profundidade dos textos e contará com lançamento físico.

Por que motivo o álbum vai se chamar Fazer de Novo? O que os Kalibrados têm a ver com este álbum? O músico responde a estas e outras perguntas nesta entrevista.

Novo álbum de OG Vuino é “uma espécie de Negócio Fechado a solo”

O título ‘ Fazer de Novo’ remete-nos à ideia de que só agora encontrou espaço para fazer diferente. O que pretende fazer  de novo?

Na verdade, o “Fazer de Novo” remete a uma ponte de ligação entre o Vui Vui e OG Vuino, e este álbum poderia dizer que é uma espécie de “Negócio Fechado”, mas a solo. Foi isso o primeiro factor que levou ao tema “Fazer De Novo”, mas agora a solo. Depois disso, há muitos outros porquês, mas foi isso o motivo inicial.

É um álbum que traduz bem toda a sua experiência na música, particularmente no Rap, devido à profundidade traz nas abordagens. De que temas específicos retrata? 

Este álbum espelha muito a evolução de sonoridade, de flow de métrica e, obviamente, de abordagem. É uma abordagem vasta naquilo que é a minha maneira de estar no Rap, os anos de estrada, a preocupação com o contexto do país. Há temas mais pessoais; há a aminha visão sobre alguns temas pertinentes da vida e do mundo; é um álbum bem completo na abordagem, faz lembrar muito, em termos de abordagem e de feeling, de atmosfera, o “Negócio Fechado”, daí poder dizer que é uma álbum completo de ter um tema para cada pessoa.

Embora seja inegável sua particularidade artística, o nome ‘Vui Vui’ estará sempre associado aos Kalibrados. Em que aspectos o “Fazer de Novo” se aproxima ou distancia dos ” “Miúdos Sem Juízo”

Esta obra tem 50% de um lado Kalibrados e 50% de um lado completamente distante dos Kalibrados. A nível daquilo que é distante dos Kalibrados é a sonoridade, portanto, só o facto de ter uma sonoridade actual e misturas com referências angolanas e africanas faz com que a nível de sonoridade eu tenha ali um produto muito único, motivado por várias mixes que pareciam distantes, mas que casaram bem, então, o produto final, em termos de sonoridade, é um produto distante dos Kalibrados e distante do que se ouve, o comum.

O álbum sai a 24 de Agosto, data do seu aniversário. Qual a possibilidade de termo-lo em formato físico?

Estamos a tentar todos os possíveis de ter alguns números físicos e, portanto, até lá estamos nesta luta para ver se se consegue ter volta de mil ou duas mil unidades físicas. 

É dos nomes mais importantes do Hip Hop no país e, além do legado que deixou com os Kalibrados, terá outras ambições individuais. O que mais se pode esperar desta caminhada a solo? Podemos aguardar por mais álbuns?

Isto vão ter que descobrir no álbum. O álbum fala um pouco sobre isso, vão ter que descobrir no álbum.

O que gostaria de alcançar com este álbum que não foi possível com os Kalibrados?

Impacto na vida das pessoas e músicas que fiquem para sempre.

as cargas mais recentes

#Personagensnegrxsimportamportugal: O desabafo de Hoji Fortuna

há 2 anos
Numa mensagem no Facebook, o actor mostrou-se agastado com a situação, apontando exemplo de eventos onde a descriminação racial imperou, particularmente a nível da televisão, como foram os casos de algumas premiações.

Dave Bautista diz que The Rock não é um bom actor

há 2 anos
O actor e antigo lutador de Luta Livre, Dave Bautista, astro do filme Guardiões da Galáxia, afirmou que Dwayne Johnson “The Rock” não é um bom actor, apesar do sucesso que faz.

Primeiro filme de Gilmário Vemba pode chegar a Netflix

há 2 anos
A longa-metragem vai para as salas de cinemas angolanos e moçambicanos no dia 26 do próximo mês. Depois disso, poderá passar nas plataformas como Netflix e Tellas, informou esta tarde Gilmário Vemba, o protagonista.

Heavy C aposta em novos talentos e anuncia dois álbuns

há 2 anos
O objectivo da aposta em novos talentos é a passagem de experiência, porque, entende, a falta de qualidade nos artistas emergentes acontece por conta da não passagem de testemunho.

Chadwick Boseman recebe Globo de Ouro a título póstumo como “Melhor Actor Dramático”

há 2 anos

John Dolmayan: “Black Lives Matter não passa de ferramenta de propaganda política”

há 2 anos
O baterista da banda de rock System Of A Down, John Dolmayan, considera o movimento Black Lives Matter ilegítimo e que não passa de uma “ferramenta de propaganda” política do Partido Democrata.

Dupla Zeze Di Camargo e Luciano a beira do fim

há 2 anos
Os sinais aumentaram nos últimos meses após Luciano lançar carreira solo gospel.

Escritor Lourenço Mussango reage à decisão do INIC sobre a retirada do Prémio António Jacinto

há 2 anos
Em reacção à decisão, Lourenço Mussango afirmou que tanto o júri como o INIC não fizeram nenhuma avaliação das provas materiais para se chegar à conclusão sobre quem plagiou quem.

Selda põe fim ao hiato e anuncia novidades

há 2 anos

Aumenta a procura pelo álbum de Janet Jackson de 1986 após desculpas de Justin Timberlake

há 2 anos

Nazarina Semedo se reinventa para atingir mercado internacional

há 2 anos
Não se pode falar de back vocals em Angola sem mencionar o nome de Nazarina Semedo. A cantora também leva a carreira a solo e já lançou dois CDS, só que mais tarde foi forçada a ausentar-se do mercado. Agora, regressa com a produtora MTC, traz um novo estilo de música e apresenta projectos focados ao mercado internacional.

Dr. Dre internado de urgência após sofrer aneurisma cerebral

há 2 anos
O produtor musical e rapper Dr. Dre foi internado esta segunda-feira, após sofrer um aneurisma cerebral. Os médicos estão a tentar descobrir a razão do sangramento e realizam uma série de exames. Mas, o músico está estável e lúcido e deixou uma mensagem.

Sara Adriana e Mr. Carly apresentam `Tamos a Deixar´

há 1 ano
O tema estreou ontem e já faz parte das Playlists do Spotify: Dancing Kizomba e da Apple Music: A Viagem.

Está aprovado: Break Dance será modalidade desportiva dos Jogos Olímpicos

há 2 anos
O COI, Comité Olímpico Internacional, confirmou que o Break Dance será uma das modalidades desportivas dos Jogos Olímpicos, e fará já parte das próximas Olimpíadas de 2024, em Paris.

Até que a vida nos separe: Série com a participação de Sílvio Nascimento já tem estreia marcada na Netflix

há 8 meses
Trata-se de uma série portuguesa que será disponibilizada em 190 países já no dia 10 de Fevereiro e que conta com participação especial do angolano Sílvio Nascimento.

Banda angolana de Rock contratada pela principal companhia de música da África do Sul

há 1 ano
Trata-se dos Porta Magna, uma banda angolana de Rock criada em menos de nove meses. O grupo foi hoje apresentado como a mais nova aposta da Just Music, produtora que também agencia músicos como Adele.