Obra de Flagelo Urbano é usada como objecto de estudo para elaboração de monografia num paralelo com Agostinho Neto

Datada de 2015 e extraída do álbum `O Ermo´, a música `Flagelados do vento santo II´ foi minuciosamente estudada com a finalidade de elaboração de um trabalho de final de curso, para obtenção do grau de licenciatura, no Instituto Superior Pedagógico do Bengo.

Colocada à lupa e literalmente desconstruída ao pormenor, Graça Moisés, Manuel Muginga e Zola Daniel, estabeleceram no trabalho intitulado “Um estudo sobre a quitandeira, de Agosto Neto a Flagelados do vento santo II, de Flagelo Urbano”, um paralelo entre a poética cânone, expressa no livro Sagrada Esperança e a poética da interface do texto marginalizado ou revolucionário presente n´O Ermo. 

Embora pouco explorada de forma acadêmica em Angola, esta forma de estudo científico com músicas de intervenção político-social vem se tornando cada vez mais popular em países que partilham o mesmo código linguístico, onde já se pode afirmar que o Rap made in Angola “rompeu” o asfalto e firmou lugar nas universidades.

Em exclusivo à Carga Magazine, o trio de estudantes descortinou o que esteve na base desta escolha à “dedo”, e foram mais além, versando em “Um estudo sobre a quitandeira, de Agosto Neto, a Flagelados do vento santo II, de Flagelo Urbano”, que o estudo no domínio da poética da interface, sobre a incidência dos fenómenos de venda informal «quitanda» e «zunga» são tidos como factores de exclusão sócio-económica, sendo que, a produção literária netiana não pode ser dissociada do seu contexto sociopolítico e ideológico em que foi feita. Ao passo que Flagelo Urbano não fica, de igual modo, alheio às manifestações de ordem acima mencionada, isto é, o seu vínculo com a realidade social da qual faz parte tem sido motivação que incide na sua concepção enquanto produto social, em virtude da verticalidade da consciência revolucionária.

De onde surgiu o interesse em fazer o estudo da música de Flagelo Urbano para a elaboração da monografia?
Já ouvíamos Flagelo Urbano em casa e gostamos de música sobre intervenção social, sobretudo o RAP. Na tentativa de procurar uma abordagem não muito explorada na escola, entrámos num projecto na escola no departamento de Letras, na Escola Pedagógica do Bengo, e o professor propôs-nos fazer um estudo e falar sobre interface (Literatura e outras Artes) e nós optámos pela literatura e música. O interesse surgiu ao olharmos para o contexto escolar, já que muitos textos são marginalizados… normalmente usa-se o texto da literatura pura, e as outras artes são esquecidas, quando, na verdade, pode se estudar literatura a partir de outras modalidades artísticas como a música.

Em que aspectos há interface?
Tivemos o interesse de tentar relacionar um diálogo entre um texto canónico de Agostinho Neto e fazer um diálogo com um texto que é marginalizado, que é o Rap, sobretudo o Rap Revolucionário, vimos que os fenómenos quanto a Quitandeira de Agostinho Neto apresentava uma abordagem sobre a exclusão das mulheres no mercado formal, factores que levam essas mulheres a irem para o mercado informal, como sustento das suas vidas, e vimos que também o Flagelo Urbano nesses factores socioeconómicos nos mercados formal, também é um dos motivos que tem levado as mulheres para o mercado informal e relacionamos. Isto nos fez entender que os problemas de exclusão socioeconómicas no período colonial que Agostinho Neto procurou ficcionar nos dias actuais ainda vê se, então decidimos fazer um estudo comparativo no âmbito da literatura de Interface ou na Poética da Interface.

E este paralelo vocês encontraram justamente porque o texto da quitandeira tem uma semelhança com a forma que a música do Flagelo começa?
Sim, foi neste contexto. Nós entendemos que Agostinho Neto procura mostrar que a quitandeira está ali de baixo da sombra da mulemba numa tarde de muito sol a comercializar o seu produto, porque ela não encontra um espaço no mercado formal no contexto colonial, o colonizador não criava políticas de inclusão dessas senhoras ao todo, e Flagelo urbano mostra nos que dias actuais há também esta exclusão, a promessa de construção de uma nação igualitária de inclusão para todos falhou, e foi aí que surgiu este fenómeno de Zunga e é reflexo da exclusão socioeconómica.


Os textos das músicas revolucionárias acabam por ser um pouco marginalizados. Quando informaram para a Universidade que pretendiam fazer um estudo sobre este tipo de texto foi aceite rapidamente a vossa proposta?
Algumas pessoas tiveram sépticas quanto a isto, a Universidade não contestou, penso por não ser uma abordagem muito politizada, é uma abordagem social a Universidade aceitou normalmente.

O grupo era composto por três elementos, foi consensual a escolha do tema entre os três?
A escolha foi consensual, onde recolhemos vários textos para escolhermos qual seria o diálogo. Também ouvimos varias músicas e depois, chegámos a uma conclusão onde o melhor séria de Flagelo e Agostinho Neto. Também haviam mais evidências e achámos o texto mais interessante.

E, durante o processo da elaboração do trabalho, tiveram contacto com o Flagelo Urbano ou foi somente um trabalho de pesquisa?
Foi basicamente um trabalho de pesquisa, no princípio, queríamos contactar o Flagelo para fornecer alguns dados pessoais, linhas ideológicas, e artísticos sobretudo, mas depois chegámos à conclusão, que poderia corromper a nossa forma de abordagem. Só depois de terminarmos o trabalho é que Flagelo ficou a saber por meio das redes sociais.

Julga que foi o processo mais viável?
A ideia inicial era mesmo chamá-lo, não se concretizou por uma questão de tempo. E por recearmos que essa “pressa” pudesse interferir na nossa maneira de análise.

De que formas?
Enquanto leitores, dentro da estética da recepção, temos certa liberdade e independência, quando o leitor procura fazer uma abordagem historicista ou biográfica, até certo ponto pode afectar na maneira como a pessoa gostaria de ler a obra. E neste caso atrapalharia, porque já estava um anteprojeto criado com os objectivos, já havia um problema científico, enfim…

17 valores foi a vossa nota final, faz juz ao esforço para a elaboração do projecto?
Sim, almejávamos entre 17/18 valores. Estava dentro das nossas expectativas.

O trabalho é datado de 2019, foi elaborado nesta mesma fase?
Começamos mais cedo, a criação do trio de pesquisa começou em 2017, por incompatibilidades com a agenda do professor, foi se arrastando até esta data. Mas o trabalho intensivo foi em 2018, com a escolha dos textos a ser analisados não trabalhamos num ritmo acentuado. Em 2019 decidimos elaborar e defender o trabalho.

Este trabalho passará a ser visto como incentivo ao estudo de letras locais. Serão vistos como pioneiros deste “movimento” …
Não é o primeiro trabalho, e se existem, este é um dos poucos, sendo uma experiência pouco explorada nas universidades angolanas. A poética da interface, que trabalha com um texto marginal, Rap e revolucionário, relacionado com um poeta cânone da nossa literatura, realmente é uma experiência pouco explorada.

Sabe-se que actualmente há estudantes do Instituto Superior Pedagógico do Bengo, interessados em dar continuidade a esta “matriz”…
Primeiramente ficámos orgulhosos, muitos jovens que frequentam a universidade, já entram em contacto connosco, afim de receber subsídios para futuros trabalhos. Estamos felizes com isto, a continuidade de trazer como objecto de estudo a literatura pura com uma canção.

Além das obras poética e musical já citadas, quais as outras ferramentas usadas para este estudo?
Procuramos a partir das teorias do sociólogo Paulo de Carvalho, e da estudiosa Tamba com o seu trabalho da dissertação de mestrado e tese de doutoramento, onde aborda a exclusão socio económica e também aborda a questão das zungeiras, foi este o marco teórico e no âmbito da sociologia da literatura convocamos António Cândido, investigador de Literatura brasileira. Todos estes nomes citados nos serviram de ferramentas para ajudar-nos a fazer o estudo nesta prespectiva, para mostrarmos que existe uma forte relação triádica entre escritor, obra e meio social, ou seja muitas obras surgem em função da influencia que o escritor recebe da cidade.

as cargas mais recentes

Né Gonçalves: uma figura histórica da música angolana que decidiu se reinventar

há 2 anos

Do Brasil para Angola, Jéssica Areia traz novo disco

há 1 ano
A cantora angolana, a residir no Brasil, Jéssica Areias apresenta no dia 23 de Abril o seu segundo álbum discográfico, intitulado “Matura”, em todas as plataformas digitais.

NGA convidado para ajudar a “contar” a ‘História do hip-hop tuga’

há 9 meses
Como não podia deixar de ser, um dos mais respeitados rappers angolanos foi convidado para testemunhar esta terceira edição, depois da paragem em 2020 e 2021, marcado pelo confinamento, devido à Covid-19. NGA integra um alinhamento de vozes como Black Company, Valete, Expensive Soul, Sam The Kid, Dealema, Bezegol, Capicua e Gabriel O Pensador.

Arlindo Bizerra e Horácio Katchanja levam “Diálogos entre Gerações” à Galeria Tamar Golan

há 2 anos

Edgar Domingos relembra ‘Adoço’ que vale ouro

há 10 meses
O tema voltou à baila graças a uma publicação nostálgica do artista, que com a hashtag #éparafazerhistória, relembrou o êxito, que lhe foi atribuido em Fevereiro último, pelo facto do single ter atingido a marca de 5 mil unidades vendidas em território português.

Marília Mendonça é resgatada com vida após acidente aéreo

há 11 meses
A cantora estava a bordo de um avião que despencou, durante a decolagem, na tarde de hoje, no Aeroporto de Caratinga, em Minas Gerais.

Sabias que, se não fosse o músico Sting nunca assistirias o filme ‘The Terminator 2’?

há 1 ano
A saga de James Cameron comemora 30 anos e várias revelações vêm sendo feitas. A par de outras curiosidades, foi agora revelado que a personagem John Connor, interpretada por Arnold Schwarzenegger, foi criada graças a música “Russians”, de Sting.

Eve defronta Trina no primeiro verzuz de Rap feminino

há 1 ano
Depois da revanche entre Swizz Beatz e Timbaland, os produtores partilharam o novo calendário de batalhas onde consta a batalha da “primeira-dama” de Ruff Ryders Eve e a “rainha” do Slip-n-Slide, Trina. Ambas vão protagonizar o primeiro frente a frente de Rap feminino, no próximo dia 16 de Junho.

Trocaram o mundo do crime pela música e se tornaram o fenómeno do Rap nacional

há 2 anos
Antes de se tornarem a febre do momento, os Séketxe estavam metidos no mundo do crime . Este grupo está a introduzir uma nova onda no Rap angolano. Criou o Rap-Cia, um subgénero do Trap que resulta da fusão entre o Kuduro e o Rap. Conquistou o respeito de artistas como MC Cabinda e tem atraído muita popularidade.

Zap assinala mês da criança com programação especial

há 2 anos
A partir das 16 horas de todos os Domingos, durante o mês de Junho, a Zap aposta numa programação diferenciada. Com a transmissão de contos infantis aos Domingos e filmes de animação, para o deleite da ala infantil.

House of Gucci: Lady Gaga interpreta Patrizia Reggiani ex-esposa e mandante do assassinato de Maurizio Gucci

há 11 meses
Lady Gaga que já havia afirmado que pretende se consolidar na sétima arte, foi, três anos depois de ganhar um Óscar, a escolhida a dedo para estar no principal papel do drama policial, de Ridley Scott.

Banda angolana de Rock contratada pela principal companhia de música da África do Sul

há 1 ano
Trata-se dos Porta Magna, uma banda angolana de Rock criada em menos de nove meses. O grupo foi hoje apresentado como a mais nova aposta da Just Music, produtora que também agencia músicos como Adele.

Desafio lançado por cientista social resulta na produção de um livro

há 2 anos
O desafio foi lançado no Facebook e Whatsapp e embora poucos participaram, muitos aderiram. Intitulado `Aforismos´, o livro é resultado de um mecanismo de quebra de monotonia em fase de isolamento social proposto por Catarino Luamba.

Temor do Coronavírus “cancela” shows

há 3 anos
Muitos eventos culturais ao redor do mundo foram cancelados por conta da disseminação do Covid-19, já considerado como uma pandemia.

DH substitui Condutor na estreia de #Repertório

há 2 anos

Paulina Chiziane torna-se a primeira mulher africana a conquistar Prémio Camões

há 11 meses
A escritora moçambicana Paulina Chiziane venceu a 33a edição do Prémio Camões. Conhecida por dar papel central a figura da mulher africana em seus livros, a autora é a primeira mulher africana a ser laureada com essa distinção, que é uma das mais importantes honrarias da literatura em língua Portuguesa.