ORLEI: Há 10 anos a provar que o Rock em Angola já não morrerá

O movimento nasceu antes da independência e, lentamente, se definha como uma cultura própria solidificada por pequenos e grandes concertos como o ORLEI. Devido sua magnitude, O Rock Lalimwe Eteke Ifa ” O Rock Nunca Mais Morrerá ” confunde-se com as celebrações da fundação da cidade do Huambo. Este ano, o evento assinala o 10° aniversário e a organização reinventou-se e trouxe 10 dias de espectáculos intensos com as principais bandas de Rock nacional.

O festival acontece de 20 a 30 de Setembro, no Huambo, e marca 109° aniversário desta cidade. Qual será o mote para este ano?
Neste ano comemoramos a nossa primeira década, o que constitui para nós um marco histórico, tendo em conta a nossa história de resiliência para chegarmos até aqui. Como marco, celebraremos esta história em 10 dias de muito rock, recordações  e testemunhos.

O festival normalmente se confunde com as celebrações do aniversário da cidade do Huambo.
O festival faz anos no mesmo dia da cidade do Huambo, e isso é propositado em homenagem a esta cidade que nos acolheu. Este ano não será diferente. Realizaremos o festival no mês de Setembro,  só que de forma diferente como se impõe por causa da pandemia.

Diferente das edições anteriores, desta vez os espectáculos não contarão com a presença do público. Como será isso? 
Será tudo por via digital e transmissão televisiva. Vamos assistir ao festival no sofá ou onde quer que estejamos desde que tenhamos um dispositivo ligado a internet.  Isso é triste,  pois gostamos mesmo de festejar todos juntos com muitos abraços mas,  com certeza de que nos divertiremos também. O bom disso é que o mundo inteiro vai poder ver, e acho que será emocionante ter várias pessoas nos quatro cantos do mundo a assistirem ao festival de rock de Angola.

O Rock não é apenas um género musical, é um estilo de vida, cuja característica principal é o psicadelismo. Como acha que os amantes da cultura poderão encarar esta mudança? 
Creio que com muita nostalgia, mas ligados aos diversos grupos de Whatsap, Instagram  e outros, mandando vídeos sobre o que está a acontecer no sítio onde se está, conversando, comentando, tudo por esta via.

Na 9ª edição tivemos Clington Experiment, Tiranuz, Ancestrais, Dor Fantasma, Black Soul, M’vula, Lunna, Kishi, Beside e Dji Tafinha. Como é que previa esta edição, não fosse a pandemia?
Caso não fosse a pandemia, este ano teríamos mais bandas e mais actividades que começariam bem com pelo menos dois meses de antecedência nas diversas províncias e traríamos mais uma banda de fora, pintaríamos o nosso mural no Huambo, homenagearíamos algumas bandas, e faríamos o melhor festival.

Apesar das limitações impostas, continuamos a ter transmissão televisiva. O movimento quer dizer que se venceu a discriminação no país?
Desde 2012 que temos transmissão televisiva. Em 2012 foi no programa flash da tpa e desde 2013 que tem sido a TV zimbo nos seus programas culturais. Nesse aspecto não sinto que haja discriminação, apesar de passarem nas suas grelhas musicais muito pouco rock. Quanto ao resto, socialmente ainda sinto que haja alguma discriminação, mas isso se supera com conhecimento e consumo de boa informação.

Por que  acha que isso acontece ? 
Por falta de cultura, por tabús, por falta de informação, por comodismo.

Desde que começaram a promover a cultura rock, que comparação fazem, em termos de evolução? 
Houve um aumento qualitativo e quantitativo de produções de espectáculos rockers, bandas, subestilos, álbuns gravados, prémios nacionais e internacionais, participação das nossas bandas em festivais fora de Angola, mais províncias a fazerem rock, mais canais de comunicação nacional a falarem disso e o nosso movimento mais coeso.

Luanda, Benguela, Lubango e Huambo, nota-se uma evolução no que respeito ao consumo da música Rock. Que planos têm traçado para convencerem as restantes províncias? 
Há também bandas de rock no Uige e em Cabinda. Nós fazemos o que podemos com muitas dificuldades,  e vamos divulgando o nosso trabalho. Cabe às outras províncias se interessarem e fazerem também,  e nesse caso apoiamos com a nossa experiência e união.

Pela vossa experiência, qual foi o melhor período do movimento e porquê?
O movimento melhora a cada ano. Houve um período  em que realizavamos mais actividades. Benguela tinha o Caribe, o Overdrive,  o Avalanche Metal, o festival do bairro da Luz. Luanda tinha o King’s Club; Huambo, a Casa de Rock; Lubango, o Ar de Rock Café; Catumbela, o Rock no Rio Catumbela, além  de muitas casas que recebiam as bandas em concertos. Os tempos de crise afectaram bastante estas actividades, mas o Rock não morre nunca.

Uma das grandes novidades no ano passado foi a presença de Dji Tafinha e este ano voltam a trazer Kizua Gourgel. O que significa isso? 
Esta é a quarta vez do Kizua, que até com banda já tocou. Isso significa que estamos a cooperar com músicos talentosos, com letras e músicas bem estruturadas, que têm uma vibe que nos apraz, e que têm também o seu público a a ouvir rock e ver a versatilidade do próprio músico.

O que se pode esperar durante os 10 dias de espectáculos ?
Podem esperar por bandas maduras, subestilos desde o Rock Balada ao Metal, qualidade e capacidade de execução dos músicos , entrevistas engraçadas, 10 dias de festival e maior conhecimento sobre o Rock angolano nas vozes de Kizua Gourgel, Before Crush, Black Soul, Fios Eléctricos, Clington Experiment, Zé Beato, Beside, Ovelha Negra, Kosmik, Tiranuz, Lunna, SoulFree, Pop Show, Sobreviventes e The Dreamers.

as cargas mais recentes

Conheça Triple Star C, o músico nigeriano que decidiu fazer carreira em Angola

há 10 meses
O seu sucesso começou na Nigéria, pisando palcos com artistas como Davido, para além de actuar em festivais na África do Sul, Gana e RDC. Mas é em Angola que Triple Star C quer fazer a carreira E, aos poucos, vai ganhando título de promotor e representante do Afro Naija em Angola.

Jay Pallmer apresenta-se ao mercado musical com EP `MySelf´

há 3 meses
Contrariando todas adversidades da época pandémica, o 2020 vem se revelando frutífero para muitos artistas e, a EP `MySelf´ é mais uma prova desta teoria.

Nayo Crazy já pode voltar a cantar

há 3 meses
Apesar de ainda não se recuperar totalmente da visão perdida em 2013, Nayo Crazy já consegue enxergar minimamente e, segundo ela, os médicos que a operaram já a autorizaram a voltar a cantar e subir aos palcos.

Dennis Samaya: voz do World Music em Angola na mira de produtora internacional

há 9 meses
Dennis Samaya reinventou-se e tem em mesa um contrato com uma grande produtora internacional com a qual vai lançar, ainda este ano, um LP.

Jakylsa reinventa e lança clássico “Moonwalk” de Michael Jackson

há 2 meses
A dança foi popularizada no princípio do anos 80 por Michael Jackson e caracteriza-se por um passo de dança Pop em que o dançarino se move para trás enquanto parece caminhar para frente e surge agora com Jakylsa num estilo diferente com uma coreografia inovadora.

Novo single de Kid Cudi com a participação de Eminem chega ao topo do iTunes

há 1 ano
Trata-se da primeira parceria musical entre Kid Cudi e Eminem, a colaboração era aguardada há bastante tempo, depois que Kid Cudi pediu publicamente para gravar uma música com o rapper através de uma mensagem em suas redes sociais.

Voleibol: 1ª de Agosto anuncia a extinção da terceira modalidade com mais títulos

há 10 meses
O Clube desportivo do 1ª de Agosto decidiu extinguir, esta sexta-feira, a modalidade de Voleibol em todos os escalões e em ambos os géneros. A retirada da terceira modalidade que mais títulos deu ao clube deve-se a problemas financeiros e técnicos.

Vem aí um novo musical de Hip Hop com Young Thug no papel de protagonista e produtor

há 1 mês
Ao lado de Tiffany Haddish e Shahadi Wright Joseph, Young Thug fará a sua estreia como actor, no papel principal do filme musical que intitular-se-á `Throw it Back´ e será também o responsável pela produção da trilha sonora do filme.

Opinion makers participam de `Masterclass´ sobre “Construção e Gestão de Marcas”

há 5 meses
O evento denominado Masterclass vai decorrer no formato virtual, através da plataforma Zoom, facilitando assim o acesso de todos os interessados na matéria.

Dji Tafinha factura o equivalente a cerca de 15 milhões de Kwanzas em direitos autorais

há 6 dias
O músico é dos artistas angolanos que mais facturam com direitos autorais em Portugal e aproveita o dinheiro para reinvestir. E, enquanto os colegas se debatem com os problemas de divisas, o produtor facilmente dá a volta por cima, recorrendo-se aos rendimentos da Sociedade Portuguesa de Autores.

Idris Elba volta a protagonizar o papel que o consagrou em novo filme derivado de `Luther´

há 3 dias
A série de TV que teve cinco temporadas no período compreendido entre 2010 a 2019, foi adaptada ao cinema patenteada pela Netflix e a BBC e traz no roteiro o DCI John Luther (Elba), “um policial britânico forte e altamente capaz da Unidade de Crimes Graves que confunde os limites entre seu trabalho e sua vida pessoal”.

Anime sobre o rapper XXXTENTACION poderá ser lançado brevemente

há 9 meses
O lançamento do novo anime foi noticiado por diversas páginas de rap internacionais, mas até ao momento nada foi confirmado oficialmente.

Edsoldier lança propositadamente novo projecto musical no Dia de Independência

há 9 meses
Edsoldier é uma das referências da nova vaga do Hip Hop e RNB angolano e está associado a nomes como Kool Klever, Phedilson e Luso. No dia 11 de Novembro, vai acrescentar no seu vasto repertório musical mais um projecto.

Mia Couto infectado com o novo Coronavírus

há 6 meses
O escritor moçambicano está sob isolamento domiciliar e alerta para as implicações profundas do Covid-19, apelando para o cumprimento das recomendações das autoridades sanitárias.

Covid-19: Lewis Hamilton testa positivo e adia o sonho de alcançar Schumacher

há 8 meses
Lewis Hamilton testou positivo para o Covid-19 e está fora da corrida da temporada, que será realizado já neste final de semana, em Bahrein. Uma situação que acaba com a possibilidade de o inglês alcançar a marca de Schumacher e de Vettel.

Kanye West responde: “Se não puder me candidatar em 2020, será em 2024”

há 1 ano
Em entrevista à revista Forbes, publicada hoje, o rapper diz que já não apoia Trump e criticou o Partido Democrata, revelando que o desejo de concorrer à presidência nasceu em 2015, por inspiração ao “Michael Jackson” e assinala que, se Donald Trump já não fosse o candidato do Partido Republicano, concorreria como republicano.