Paulina Chiziane: “Uma das coisas que mais admiro em Angola é como recriam a língua portuguesa”

A questão da Memória, História e Identidade transformou-se no principal discurso de Paulina Chiziane, o que faz da escritora moçambicana uma ponte entre o passado e o futuro, transmitindo às novas gerações a ideia de continuidade do processo de “Libertação de África”.

Hoje, estes pensamentos chegaram também à música, mais precisamente através do seu CD de estreia “Contos de Esperança”, musicado pela neta. Editada em 2019, a obra foi apresentada em Angola no mês passado, com a presença da autora.

Durante a visita ao país, Chiziane manteve vários encontros com artistas angolanos, que culminou com uma palestra, em Luanda, no dia 28 de Fevereiro, sobre o “Berço Matrilinear Africano”, promovida pelo Movimento Ubuntu.

Antes de regressar à sua terra natal, a escritora moçambicana conversou com a Carga sobre a memória, identidade, tradição e resistência, características da sua escrita.

Há dois anos que era aguardada em Angola e neste evento em particular, considera que este é o momento certo para a sua vinda?

Acho que este é o momento certo, pois precisamos falar mais sobre nós africanos, recomeçar ou continuar as nossas lutas pelas nossas dignidades, que, falando concretamente sobre Moçambique, essas lutas estavam esmorecidas ou adormecidas e este reencontro “atrasado” pelo Covid, é um momento fértil para recomeçarmos a falar de nós mesmos, à semelhança do que já aconteceu no passado: havia mais encontros, mais colaboração, mais comunicação dos nossos dados desde o período pós-independência, depois disso, Angola entrou numa guerra civil e Moçambique, também.

A sua escrita é referenciada por atribuir o papel central à figura da mulher africana e por exaltar a diversidade cultural do seu povo. Qual acha que seria o papel da literatura angolana neste resgate?

Angola tem estado a trabalhar neste resgate e uma das coisas que admiro é como recriam a língua portuguesa e não estão tão presos aos modelos europeus como nós. Vocês falam de “bué, kota, kumbú” à vontade e começam a introduzir na Língua Portuguesa sem preconceito. E houve muitos preconceitos em relação ao meu trabalho, porque o meu trabalho não estava próximo do Português padrão, e isto complicou.

Então considera o nosso calão uma vantagem…

Não considero calão, considero que há recriação, ajuste e readaptação da Língua Portuguesa. Eu facilmente já consigo identificar um texto vosso, a língua portuguesa de Angola já começa a ter identidade.

Excluindo Angola e o seu elemento linguístico, este trabalho de resgate tem sido levado a cabo por outros países africanos? Nem sempre, há uns mais avançados que outros. Por exemplo, na África do Sul, que é um país com experiência e progresso grande, estou a ver que Angola já começa a vibrar e Moçambique a reduzir, mas pouco a pouco vamos chegar lá.

No seu discurso durante o “Diálogos Culturais”, disse que este trabalho de resgate passa pela revisão do material didáctico que nos é dado na escola. Enquanto isto não vem, de que outras formas poderemos acelerar este processo?

Todas as forças devem trabalhar a favor disto, quando as igrejas deixarem de achar que o diabo tem a cor e o cabelo de negro, já será um grande passo. Um exemplo é que as instituições públicas nem querem admitir que um africano entre no seu local de trabalho com o seu cabelo natural, no dia que vencermos esta barreira, teremos dado um grande progresso.

Ainda dentro deste tema, o que mais podemos esperar deste trabalho que vem desenvolvendo com Yuri da Cunha, Isidro Fortunato e outros nomes assumidamente pan-africanistas?

É muito trabalho não espere mais nada, (risos). É muito trabalho. Consegui introduzir este debate em termos populares e isto tem as suas exigências… vou continuar a escrever os textos. Há um grupo de jovens que vai fazer a música, a mensagem começa a passar, os outros que continuem (risos).

Frisou a questão do cabelo, a nível dos próprios africanos, como vê a questão da aceitação dos nossos traços identitários?

A libertação é um processo, a colonização foi um processo que durou séculos. E a libertação também irá durar muitos séculos. Nesta luta, uma geração passa o legado a outra e o facto de eu trabalhar com jovens é a garantia disto, mas serão estes mesmos jovens a passar a mensagem de acordo com a sua época. Nós fizemos as lutas, guerras e revoluções num contexto específico, as vossas lutas serão feitas num contexto diferente, não diria melhor, mas cada época tem a sua especificidade.

É pioneira da literatura moçambicana no feminino e a primeira mulher negra africana a ser laureada com o Prémio Camões. Considera que tem estado a cumprir a sua missão?

Eu tenho medo da palavra “missão”, só faço aquilo que posso e se isto for a minha missão, fiz até onde pude, hei-de continuar se puder. 

Agora, decidiu alargar o seu pensamento literário à música. Há algum sentimento que queira manifestar com a música que acha que não foi possível com a literatura?

Sim e não. Estou acompanhada de jovens que cantam e musicam aquilo que escrevo. Não posso dizer que não cantarei um dia.

O seu primeiro disco esteve em exposição no Diálogos Culturais e relativamente às obras literárias, quando é que teremos o seu repertório disponível em Angola?

Estou a ver se consigo tratar desta questão com o Movimento Ubuntu. Mas, vamos ver o que prática vai dizer, ainda há a questão do Covid, dos recursos, editar um livro é sempre caro.

Seu percurso literário começa com a Balada ao Vento, passa por Niketche: uma história de poligamia e juramento até O Canto do Escravizado. O que está a escrever neste momento?

No ano passado consegui lançar `A voz do cárcere´ foi feito de entrevistas a pessoas de diferentes prisões de Moçambique. É um livro interessante porque não fala só de justiça ou dos problemas de prisões, mas fala da questão humana e social… por exemplo, tem depoimento de uma mãe que foi presa e condenada a oito anos e tem nove filhos, é algo que acarreta muitas questões dentre as quais “o quê que acontece com os filhos”.

as cargas mais recentes

Moreira Chonguiça: Lança própria marca de saxofones e apresenta ao presidente moçambicano

há 2 anos
O saxofonista moçambicano Moreira Chonguiça apresentou terça-feira ao chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi, a sua marca de saxofones, instrumento produzido em Moçambique e que visa promover o gosto pela musica entre os jovens.

Wizkid torna-se o primeiro africano a entrar para o Top 10 da Billbord Hot 100

há 7 meses
O artista nigeriano voltou a fazer história esta semana. De 30 anos, Wizkid tornou-se o primeiro artista africano a entrar para a 10ª posição da principal tabela da indústria musiacal nos EUA, poucos dias depois de receber um certificado platina da Associação da Indústria Fonográfica (RIAA).

Repertório traz os dois produtores do momento: Vado Poster e Dj Habias

há 2 anos
Vado Poster e Dj Habias são dos produtores mais solicitados da actualidade e estarão na próxima sexta-feira, 24 de Julho, no Repertório da Revista Carga, para apresentar e explicar o processo de produção de hits como “Pintins”, de Scro Q Cuia e Nerú Americano ou Waatão, de Puto Prata.

Sambizanga passará a contar com plataforma de promoção dos artistas

há 1 ano

Megga Skills apresenta `Show Time Collection´

há 2 anos
O projecto musical foi apresentado com o vídeo da faixa `Tá Doce´. A música promocional é igualmente uma introdução oficial da label também denominada Show Time Collection, do rapper angolano Megga Skills.

Estrela do Rap Lil’ Kim pede um desafio de hits contra Nick Minaj

há 11 meses

Pink 2 Toques e Bruno Samora juntos contra o Covid-19

há 2 anos
O criador do conceito FitKuduro, Bruno Samora juntou-se ao grupo de kuduro Pink 2 Toques, para enviar a sua mensagem de prevenção sobre o Corona Vírus.

1.ª mão: José Agualusa vai lançar livro sobre a vida do músico Pedrito do Bié

há 7 meses
O escritor voltou adicionar, esta segunda-feira, mais um galardão à sua coleccção de prémios, ao vencer o Prémio Pen Clube de Narrativa 2021, com a sua recente obra “Os Vivos e os Outros”. José Eduardo Agualusa revelou hoje à Carga que está a escrever um livro sobre a vida do músico Pedrito do Bié.

Heavy C aposta em novos talentos e anuncia dois álbuns

há 2 anos
O objectivo da aposta em novos talentos é a passagem de experiência, porque, entende, a falta de qualidade nos artistas emergentes acontece por conta da não passagem de testemunho.

Micasa está disponível para fazer participações com artistas angolanos

há 1 ano

Cleyton M ressurge com mais uma novidade “Tô a Rolar no G”

há 2 anos
Após ter lançado o hit “Emagrece”, Cleyton M está de volta com um novo clipe. Desta vez, o cantor apresenta “Tô a Rolar no G”, que estará disponível a partir da próxima semana.

Morreu Sidney Poitier, o primeiro negro a vencer o Óscar de Melhor Actor

há 4 meses
O primeiro actor negro a vencer o Óscar de “Melhor Actor”, Sidney Poitier, morreu na noite de quinta-feira aos 94 anos de idade. A informação foi avançada hoje pelo ministro das Relações Exteriores das Bahamas, Fred Mitchel.

Rapper Mo3 morto a tiro em Dallas

há 2 anos
Rapper Mo3 foi baleado ontem em Dallas, estado do Texas, durante um tiroteio, enquanto seguia, na sua viatura, em direcção ao Norte daquela circunscrição dos Estados Unidos da América.

Mestre Kapela “volta a dar” um passeio ao mundo com exposição itinerante

há 4 semanas
Volvidos um ano e cinco meses depois do seu passamento físico, Paulo Kapela volta a dar um passeio ao mundo com com sete obras, numa exposição colectiva itinerante, que passam por nove cidades brasileiras, Santiago (Chile) e Paris (França).

Mais um talento do Girabola é contratado pelo Sporting de Portugal

há 10 meses
Trata-se de Chicharito, um jovem avançado de 18 anos que se destacou no Girabola 2019/2020 pelo Interclube de Luanda.

Já em contagem decrescente, show dos Versáteis é aguardado com enorme expectativa

há 2 anos
Os Versáteis continuam vivos e sabe-se que vão protagonizar, amanhã uma grande apresentação na televisão pública de Angola.