Paulina Chiziane: “Uma das coisas que mais admiro em Angola é como recriam a língua portuguesa”

A questão da Memória, História e Identidade transformou-se no principal discurso de Paulina Chiziane, o que faz da escritora moçambicana uma ponte entre o passado e o futuro, transmitindo às novas gerações a ideia de continuidade do processo de “Libertação de África”.

Hoje, estes pensamentos chegaram também à música, mais precisamente através do seu CD de estreia “Contos de Esperança”, musicado pela neta. Editada em 2019, a obra foi apresentada em Angola no mês passado, com a presença da autora.

Durante a visita ao país, Chiziane manteve vários encontros com artistas angolanos, que culminou com uma palestra, em Luanda, no dia 28 de Fevereiro, sobre o “Berço Matrilinear Africano”, promovida pelo Movimento Ubuntu.

Antes de regressar à sua terra natal, a escritora moçambicana conversou com a Carga sobre a memória, identidade, tradição e resistência, características da sua escrita.

Há dois anos que era aguardada em Angola e neste evento em particular, considera que este é o momento certo para a sua vinda?

Acho que este é o momento certo, pois precisamos falar mais sobre nós africanos, recomeçar ou continuar as nossas lutas pelas nossas dignidades, que, falando concretamente sobre Moçambique, essas lutas estavam esmorecidas ou adormecidas e este reencontro “atrasado” pelo Covid, é um momento fértil para recomeçarmos a falar de nós mesmos, à semelhança do que já aconteceu no passado: havia mais encontros, mais colaboração, mais comunicação dos nossos dados desde o período pós-independência, depois disso, Angola entrou numa guerra civil e Moçambique, também.

A sua escrita é referenciada por atribuir o papel central à figura da mulher africana e por exaltar a diversidade cultural do seu povo. Qual acha que seria o papel da literatura angolana neste resgate?

Angola tem estado a trabalhar neste resgate e uma das coisas que admiro é como recriam a língua portuguesa e não estão tão presos aos modelos europeus como nós. Vocês falam de “bué, kota, kumbú” à vontade e começam a introduzir na Língua Portuguesa sem preconceito. E houve muitos preconceitos em relação ao meu trabalho, porque o meu trabalho não estava próximo do Português padrão, e isto complicou.

Então considera o nosso calão uma vantagem…

Não considero calão, considero que há recriação, ajuste e readaptação da Língua Portuguesa. Eu facilmente já consigo identificar um texto vosso, a língua portuguesa de Angola já começa a ter identidade.

Excluindo Angola e o seu elemento linguístico, este trabalho de resgate tem sido levado a cabo por outros países africanos? Nem sempre, há uns mais avançados que outros. Por exemplo, na África do Sul, que é um país com experiência e progresso grande, estou a ver que Angola já começa a vibrar e Moçambique a reduzir, mas pouco a pouco vamos chegar lá.

No seu discurso durante o “Diálogos Culturais”, disse que este trabalho de resgate passa pela revisão do material didáctico que nos é dado na escola. Enquanto isto não vem, de que outras formas poderemos acelerar este processo?

Todas as forças devem trabalhar a favor disto, quando as igrejas deixarem de achar que o diabo tem a cor e o cabelo de negro, já será um grande passo. Um exemplo é que as instituições públicas nem querem admitir que um africano entre no seu local de trabalho com o seu cabelo natural, no dia que vencermos esta barreira, teremos dado um grande progresso.

Ainda dentro deste tema, o que mais podemos esperar deste trabalho que vem desenvolvendo com Yuri da Cunha, Isidro Fortunato e outros nomes assumidamente pan-africanistas?

É muito trabalho não espere mais nada, (risos). É muito trabalho. Consegui introduzir este debate em termos populares e isto tem as suas exigências… vou continuar a escrever os textos. Há um grupo de jovens que vai fazer a música, a mensagem começa a passar, os outros que continuem (risos).

Frisou a questão do cabelo, a nível dos próprios africanos, como vê a questão da aceitação dos nossos traços identitários?

A libertação é um processo, a colonização foi um processo que durou séculos. E a libertação também irá durar muitos séculos. Nesta luta, uma geração passa o legado a outra e o facto de eu trabalhar com jovens é a garantia disto, mas serão estes mesmos jovens a passar a mensagem de acordo com a sua época. Nós fizemos as lutas, guerras e revoluções num contexto específico, as vossas lutas serão feitas num contexto diferente, não diria melhor, mas cada época tem a sua especificidade.

É pioneira da literatura moçambicana no feminino e a primeira mulher negra africana a ser laureada com o Prémio Camões. Considera que tem estado a cumprir a sua missão?

Eu tenho medo da palavra “missão”, só faço aquilo que posso e se isto for a minha missão, fiz até onde pude, hei-de continuar se puder. 

Agora, decidiu alargar o seu pensamento literário à música. Há algum sentimento que queira manifestar com a música que acha que não foi possível com a literatura?

Sim e não. Estou acompanhada de jovens que cantam e musicam aquilo que escrevo. Não posso dizer que não cantarei um dia.

O seu primeiro disco esteve em exposição no Diálogos Culturais e relativamente às obras literárias, quando é que teremos o seu repertório disponível em Angola?

Estou a ver se consigo tratar desta questão com o Movimento Ubuntu. Mas, vamos ver o que prática vai dizer, ainda há a questão do Covid, dos recursos, editar um livro é sempre caro.

Seu percurso literário começa com a Balada ao Vento, passa por Niketche: uma história de poligamia e juramento até O Canto do Escravizado. O que está a escrever neste momento?

No ano passado consegui lançar `A voz do cárcere´ foi feito de entrevistas a pessoas de diferentes prisões de Moçambique. É um livro interessante porque não fala só de justiça ou dos problemas de prisões, mas fala da questão humana e social… por exemplo, tem depoimento de uma mãe que foi presa e condenada a oito anos e tem nove filhos, é algo que acarreta muitas questões dentre as quais “o quê que acontece com os filhos”.

as cargas mais recentes

Maestro Félix Costa apresenta o `Coral Yellen´

há 3 anos
Formado no primeiro semestre deste ano, o Coral Yellen é a segunda iniciativa do género que Félix Costa dá a cara depois de se desvincular da Orquestra Kapossoca. O projecto de integração social, que já conta com 27 integrantes, engloba para além do grupo coral, a dança, teatro e futebol.

Festival de Travis Scott resulta em tragédia: oito mortos e centenas de feridos

há 1 ano

NGA convidado para ajudar a “contar” a ‘História do hip-hop tuga’

há 1 ano
Como não podia deixar de ser, um dos mais respeitados rappers angolanos foi convidado para testemunhar esta terceira edição, depois da paragem em 2020 e 2021, marcado pelo confinamento, devido à Covid-19. NGA integra um alinhamento de vozes como Black Company, Valete, Expensive Soul, Sam The Kid, Dealema, Bezegol, Capicua e Gabriel O Pensador.

Sarissari traz clima de amor no seu novo single `Admite´

há 3 anos
Revelado pela primeira vez na segunda feira no canal Trace Toca, o single `Admite´ é o prenúncio da chegada do álbum a solo de Sarissari, sob chancela da sua própria produtora, a Hey Hey Heyyy. Disponibilizada hoje no Youtube, o love song é um esforço colaborativo entre Nikko, Sarissari e Joseane, e foi o pretexto para uma breve conversa com o artista.

Lil Nas X volta a lançar single polémico, desta vez com fim filantrópico

há 2 anos
“Industry Baby” documenta o seu processo judicial em tribunal, movido pela Nike por causa do tênis Nike Air Max 97, que continha gotas de sangue humano. Todo dinheiro arrecadado com direitos autorais da faixa, será revertido em doações ao The Project Bail.

Megan The Stallion é eleita a rapper do ano pela GQ

há 2 anos
A rapper está numa das três versões da capa da revista ao lado de George Clooney e Trevor Noah. Na entrevista, The Stallion fala sobre crescer cercada por mulheres negras fortes em Houston e os desafios que todas enfrentaram.

Anime sobre o rapper XXXTENTACION poderá ser lançado brevemente

há 2 anos
O lançamento do novo anime foi noticiado por diversas páginas de rap internacionais, mas até ao momento nada foi confirmado oficialmente.

Fogo nos racistas: Bordão viralizado pela música de Djonga potencia merchandising do artista

há 2 anos
Repercutida inicialmente com alguma polêmica, a expressão se tornou símbolo da luta contra o racismo no Brasil, e recentemente, o elemento mais pujante da identidade visual do merchandising do artista.

Regina Duarte deixa “devolve” a pasta da Cultura brasileira

há 3 anos
O anúncio foi feito a partir do Twitter do Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro. O mesmo dava conta da demissão de Regina Duarte da secretaria especial da Cultura do Governo brasileiro, alegando motivos pessoais. A actriz que tomou posse no início de Março, deixou as pastas e, vai agora dirigir a Cinemateca de São Paulo.

Preto Show dá voz ao novo álbum do Dj brasileiro WC No Beat

há 2 anos
O DJ e produtor brasileiro WC No Beat apresenta esta quinta-feira, 20 de Agosto, o seu novo projecto musical que reúne 33 participações, entre elas está o angolano Preto Show.

Covid-19: Nelson da Luz testa positivo em Portugal

há 2 anos
O V. Guimarães informou esta segunda-feira da existência de um caso positivo à Covid-19 no plantel. Trata-se do angolano Nelson Luz, o mais recente reforço a chegar ao clube vindo do 1°de Agosto.

Cerca de 70 mil fãs assinam petição para remover Kylie Jenner do videoclipe Wap

há 2 anos
As razões para a aversão, têm sido relactadas pela imprensa internacional como uma consequência do episódio que aconteceu no princípio deste ano, quando Kylie foi acusada de apropriação cultural.

‘Emoção Globo’ é estar live em casa de Paulo Rocha

há 3 anos
O talento Globo Paulo Rocha é o próximo convidado ao LIVE ‘Emoção Globo’ que acontece nesta quinta-feira, dia 23, às 20 horas de Angola no perfil de Instagram do canal Globo ON.

De Michelle Obama a Kamala Harris: Entenda o activismo disfarçado na elegância dos looks

há 2 anos
Por trás de tamanha imponência, três alusões foram feitas propositadamente: o movimento das sufragista, a união dos partidos e a representatividade de estilistas negros.

Se estivesse em vida, Agostinho Neto completaria 99 anos hoje

há 1 ano
A data foi consagrada como Dia do Herói Nacional em 1980, pela então Assembleia do Povo, um ano após o seu falecimento, dia 10 de Setembro de 1979, na antiga União das Republicas Socialistas Soviéticas.

Kuta: O artista plástico que leva a herança espiritual angolana ao mundo

há 1 ano
Kuta entrou no mundo das artes muito jovem e tornou-se agora o mensageiro da espiritualidade ancestral negra “nkissi”. Está neste momento a preparar uma nova exposição, que inclui esculturas, pinturas e documentário.