Phay Grand O Poeta pondera parar de cantar

Os distintos períodos do desenvolvimento do Hip Hop angolano ficarão sempre marcados pelo aparecimento de artistas cujas rimas, métricas e flows diferem dos demais. Devido à sua forma de cantar, Phay Grand O Poeta somou e pode deixar de somar popularidade, contudo o rapper lançou  recentemente um novo projecto musical.

Pode parar de somar popularidade, porque os fãs preferem recorrer à pirataria quando de consumo de trabalhos do rapper se trata, situação que vai deixando o músico desiludido e lamenta não haver outra opção, senão deixar de gravar mais músicas.

“Tenho todos os discos em casa, porque o pessoal não está a me ajudar. Agora coloquei as músicas no Kisom, vou ver. Se o pessoal quiser me ajudar, vai lá e baixe”, disse, acrescentando que não entrega suas canções aos meios de comunicação social para promoverem, porque no início da carreira tentou e foi obrigado a retirar alguns versos.

De rádios e tvs não é tudo, o rapper dificilmente cede entrevistas, e nem sequer tem páginas no Facebook ou YouTube, mas teve de aceitar o desafio do Show Time, para falar sobre os seus hits, considerados verdadeiros hinos do Rap nacional.

“Não tenho nenhuma página, nem no Facebook ou YouTube”, explicou, realçando que por causa dos constantes pedidos dos ouvintes em breve vai abrir contas na Internet.

No movimento, gravou 4 discos, nomeadamente “Pão Burro” , “2 Via”, “O Que é Isso” e “Colectânea Uma ou Outra” e na semana passada lançou um single que, à semelhança dos quatro álbuns, está no Kisom, o triste é que esta pode ser a última música do under, que também se queixa de ter o PC e os aparelhos danificados.

“A minha permanência no Rap vai depender dos ouvintes. Não é porque eu não quero mais cantar, as pessoas devem consumir as coisas originais e ajudar os artistas, a minha continuidade no Rap vai depender do feedback do pessoal”, disse.

“Peguei nos discos e coloquei todos do Kisom. Se a minha música sair do top do Kisom então já não farei Rap”, insistiu.

Quanto ao movimento underground, o Poeta do Katambor admite que está a desenvolver, mas sublinha que o comercial cresceu muito mais, e isso justifica-se pelo facto de haver mais consumo desta vertente.

“Os unders não se ajudam. Quando vendi os meus discos, vi mais comerciais a comprar e a darem força. As pessoas que não fazem parte do movimento é que mais apoiam, é que compram os discos”, lamenta.

Embora tenha seu próprio estilo, o músico mostra aberto a integrar qualquer produtora, desde que não interfiram nas suas letras. “Se eles vierem conversar como homens, aceitaria. Eu canto conforme eu falo e escrevo aquilo que eu penso”, sublinha, lançando duras críticas aos unders que fogem para o comercial.

“O dia que eu cantar comércio podem me chamar de minga, me comprem saias. Quem sair do under e fizer comércio, fica tipo uma prostituta. Eu tenho mais amigos comerciais do que unders”, concluiu.

as cargas mais recentes

Beyoncé ‘forçada’ a retirar verso da canção do seu novo álbum “Renaissance”

há 6 meses

Num dia como hoje, há 10 anos, Whitney Houston partia para a eternidade

há 12 meses
No passado dia 11 de Fevereiro de 2012, Whitney Houston foi encontrada morta na banheira do quarto de um hotel em Beverly Hills. Os paramédicos tentaram reanimá-la, mas sem sucesso. Foi declarada morta em torno das 15h55min, hora local de Los Angeles.

Novo álbum de Nanuto já está disponível

há 1 ano

Os “mortos” estão a bumbar

há 2 anos

UNAP pode encerrar as portas dentro de dias

há 3 anos

Sérgio Fernandes lança obra literária sobre o contexto político, económico e social do país

há 1 ano
O livro já está disponível para pré-venda e o lançamento oficial acontece na próxima quarta-feira, 10 de Novembro, na Praça da Unidade Africa, em Luanda. Na obra literária, o autor apresenta o impacto psicológico das transformações económicas, sociais e políticas, ao mesmo tempo que desenha o desespero das pessoas em relação a estas mudanças.

Senhor Feroz: Ondjaki lança novo livro

há 10 meses
Depois de “A estória do sol e do rinoceronte” e o ” Livro do Deslembramento” (Romance), ambos publicados em 2020, o escritor volta à ribalta com um novo conto “Senhor Feroz”- que fala sobre pessoas, guitarras, pássaros, festas, casas, sombras, cacos e patos de borracha.

Linkin Park: Reeditam “Hybrid Theory”, 20 anos depois do lançamento

há 2 anos
Ao longo de hora e meia de conversa Mike Shinoda, Brad Delson, Dave Farrell e Joe Hahn responderam a questões oriundas dos quatro cantos do mundo – da Tailândia e Indonésia aos Estados Unidos e Austrália, passando por Portugal – e falaram especialmente sobre o álbum que deu início ao percurso dos Linkin Park.

Brian May, integrante dos Queen, eleito o melhor guitarrista de todos os tempos

há 3 anos
Para a mesma nomeação estavam as lendas Eric Clapton, Jimmy Page, Jimi Hendrix e Eddie Van Halen. Ao reagir à votação, May emocionou-se e confessou que não se via nem sequer no Top 3 dos melhores guitarristas.

TOP 10 – LOVE SONGS

há 2 anos

Anderson .Paak e Bruno Mars lançam soul inspirado na década de 70

há 2 anos
Lançado na passada Sexta-Feira, o single que já atingiu números astronomicos nas plataformas de stream, é nada mais do que o eleito para apresentar o álbum de estreia da Silk Sonic´, banda liderada por Anderson .Paak e Bruno Mars

Projecto “Angola 45” aguarda grande espetáculo em Lisboa com edição de um álbum

há 2 anos
O “encontro da liberdade” visa celebrar a nossa independência. Além de Bonga, participam ainda Yola Semedo, Don Kikas, Eduardo Paim, Kyaku Kyadaff, Mago de Sousa, Klaudio Hoshai, Hélvio e instrumentistas como Carlitos Xiemba, Galiano Neto, Betinho Feijó, entre outros.

Nova Energia realiza “Brunch” do Show do Mês

há 2 anos
Ao contrário do Funge do Show do Mês, não será uma tarde dançante, tendo em conta as restrições, mas os participantes poderão desfrutar de boa música (sem banda) e degustar do brunch com quitutes da terra.

Snoop Dogg “Regressa à Death Row” com novo álbum

há 1 ano
Anunciado para 13 de Fevereiro de 2022, a obra intitula-se Bacc On Death Row e foi projectada durante o seu mandato na poderosa gravadora, em meados dos anos 90.

Pioneira do Ballet Tradicional Kilandukilu recua na sua decisão de desistência após homenagem do Duetos N´Avenida

há 1 ano
Trata-se de um dos nomes que representa o baluarte da dança nacional, Ana Maria Vieira Dias, que em dupla com o irmão Maneco Vieira Dias, está na vanguarda do Kilandukilu há mais de 35 anos, pelos quais, foram homenageados na última edição dos Duetos N´Avenida.

Apesar do sucesso, nenhum músico angolano integra a lista dos 20 mais ricos de África

há 2 anos
A selecta lista possui cinco diferentes nacionalidades e é dominada pelos nigerianos, com 13 artistas, e liderada pelo senegalês Youssu N’dour, que acumula um património líquido de 145 milhões de dólares, seguido pelo seu compatriota Akon.