Phay Grand O Poeta pondera parar de cantar

Os distintos períodos do desenvolvimento do Hip Hop angolano ficarão sempre marcados pelo aparecimento de artistas cujas rimas, métricas e flows diferem dos demais. Devido à sua forma de cantar, Phay Grand O Poeta somou e pode deixar de somar popularidade, contudo o rapper lançou  recentemente um novo projecto musical.

Pode parar de somar popularidade, porque os fãs preferem recorrer à pirataria quando de consumo de trabalhos do rapper se trata, situação que vai deixando o músico desiludido e lamenta não haver outra opção, senão deixar de gravar mais músicas.

“Tenho todos os discos em casa, porque o pessoal não está a me ajudar. Agora coloquei as músicas no Kisom, vou ver. Se o pessoal quiser me ajudar, vai lá e baixe”, disse, acrescentando que não entrega suas canções aos meios de comunicação social para promoverem, porque no início da carreira tentou e foi obrigado a retirar alguns versos.

De rádios e tvs não é tudo, o rapper dificilmente cede entrevistas, e nem sequer tem páginas no Facebook ou YouTube, mas teve de aceitar o desafio do Show Time, para falar sobre os seus hits, considerados verdadeiros hinos do Rap nacional.

“Não tenho nenhuma página, nem no Facebook ou YouTube”, explicou, realçando que por causa dos constantes pedidos dos ouvintes em breve vai abrir contas na Internet.

No movimento, gravou 4 discos, nomeadamente “Pão Burro” , “2 Via”, “O Que é Isso” e “Colectânea Uma ou Outra” e na semana passada lançou um single que, à semelhança dos quatro álbuns, está no Kisom, o triste é que esta pode ser a última música do under, que também se queixa de ter o PC e os aparelhos danificados.

“A minha permanência no Rap vai depender dos ouvintes. Não é porque eu não quero mais cantar, as pessoas devem consumir as coisas originais e ajudar os artistas, a minha continuidade no Rap vai depender do feedback do pessoal”, disse.

“Peguei nos discos e coloquei todos do Kisom. Se a minha música sair do top do Kisom então já não farei Rap”, insistiu.

Quanto ao movimento underground, o Poeta do Katambor admite que está a desenvolver, mas sublinha que o comercial cresceu muito mais, e isso justifica-se pelo facto de haver mais consumo desta vertente.

“Os unders não se ajudam. Quando vendi os meus discos, vi mais comerciais a comprar e a darem força. As pessoas que não fazem parte do movimento é que mais apoiam, é que compram os discos”, lamenta.

Embora tenha seu próprio estilo, o músico mostra aberto a integrar qualquer produtora, desde que não interfiram nas suas letras. “Se eles vierem conversar como homens, aceitaria. Eu canto conforme eu falo e escrevo aquilo que eu penso”, sublinha, lançando duras críticas aos unders que fogem para o comercial.

“O dia que eu cantar comércio podem me chamar de minga, me comprem saias. Quem sair do under e fizer comércio, fica tipo uma prostituta. Eu tenho mais amigos comerciais do que unders”, concluiu.

as cargas mais recentes

Paul McCartney lança disco com canções tocadas pelos Beatles

há 3 meses
O futuro lançamento se junta a dois outros álbuns, McCartney e McCartney II, criados unicamente pelo músico de 78 anos em momentos críticos de sua vida, nos anos 1970 e 1980, em que buscava um renascimento criativo.

Icónico golo de Maradona com a mão vai aos cinemas

há 6 meses
O cineasta italiano Paolo Sorrentino, vencedor do Óscar de Melhor Filme Estrangeiro por “A Grande Beleza” (2013), vai escrever e dirigir um filme sobre o ex-jogador de futebol Diego Maradona para a Netflix.

Amostra colectiva `Expansão de Mentalidades´ é inaugurada amanhã na Galeria Tamar Golan

há 2 semanas
Os artistas angolanos Ananias, Cris, Rafa, Lord Cave e Neemias vão apresentar-se na Galeria Tamar Golan com “Expansão de Mentalidades”, uma exposição colectiva a inaugurar na próxima sexta-feira, dia 8 de Janeiro de 2021, pelas 18 horas.

DJ Ngunza apresenta-se ao mercado internacional com o single “Meu DJ”

há 3 meses
O tema “Meu DJ” marca o início de uma nova etapa para a carreira de DJ Ngunza. Já disponível nas plataformas digitais, “Meu DJ” é assim a prova do empenho e dedicação de Ngunza, procurando ser bem sucedido musicalmente, quer como produtor como Dj.

Beyoncé oferece 1 milhão de dólares a pequenos empreendedores

há 4 meses
A iniciativa foi anunciada com o lançamento do single “Black Parade” no Juneteenth e ganhou corpus com a doação dos primeiros 1 milhão de dólares aos pequenos empresários negros.

Vencedora do Festival da Canção de Luanda apresenta primeiros projectos

há 3 meses
Além do principal prémio, Heróide dos Prazeres foi considerada a melhor voz do ano do Festival da Canção de Luanda, mas não é só o timbre vocálico que chama atenção, ela também escreve, e foi com a sua própria composição que ultrapassou vozes de referência da música angolana.

Precursores da coreografia Jerusalema com agenda de “ouro”

há 1 mês
O maior ganho, depois do sucesso do vídeo, foi a garantia da vice-presidência da república da criação de uma academia de dança, mas ainda sem data definida.

Lupe Fiasco decreta que só terá acesso aos seus shows quem estiver vacinado contra a Covid-19

há 1 mês
Lupe Fiasco limitou o acesso dos seus eventos à pessoas que não tenham sido vacinadas contra a Covid-19. O artista optou por esta atitude sem precedentes, para se posicionar, uma vez que o uso da vacina tem dividido opiniões.

Galeria MOVART participa no “African Galleries Now”

há 1 mês
A MOVART é uma das 13 galerias africanas a participar no evento African Galleries Now, exclusivamente online, resultante de uma parceria entre a African Art Galleries Association (AAGA) e a plataforma Artsy.

Iza: Entre os 100 negros mais influentes do mundo

há 3 meses
A eleição é reconhecida pela Organização das Nações Unidas Internacional e engloba todas as áreas de actuação, como arte e cultura, além dos empreendimentos de negros ou não que sejam voltados para o público negro.

Inaugurado mural em homenagem a George Michael

há 4 meses
Foi inaugurado quinta-feira, em Kingsbury (Londres/Inglaterra), um mural em honra de George Michael, falecido aos 25 de Dezembro de 2016.

Carla Moreno: “Chegou o momento de tentar voos mais altos e apostar mais em mim”

há 8 meses
Não basta ser uma exímia intérprete, Carla Moreno é a back vocal de muitos sucessos musicais nacionais, e prova que a música está de boa saúde sempre que sobe ao palco, fazendo juz ao talento. Com uma vasta carreira musical dividida entre Portugal e Angola, Carla quer reforçar o seu posicionamento associando-se à produtora Hey Hey Heyyy Entertainment, cujo CEO é o também músico, Sarissari.

Waldemar Bastos se junta a AGTSA para alavancar o turismo em Angola

há 7 meses
O músico foi o eleito pela AGTSA -Associação dos Guias de Turismo e Servidores Artísticos, para ser o porta-bandeira do turismo cultural de intercâmbio. O projecto encontra-se em standby dadas as circunstancias actuais, mas sairá do papel tão logo se volte a normalidade, garantiu Carlos Bumba, Presidente Executivo da Associação.  

Floyd Mayweather anuncia retorno aos ringues

há 1 mês

Fã de Taylor Swift condenado a 30 meses de prisão por perseguição

há 4 meses
O tribunal federal condenou esta semana Eric Swarbrick a 30 meses de prisão, depois do individuo ter se declarado culpado de perseguir e enviar cartas e e-mails ameaçadores a Taylor Swift.

Tunjila Twajokota: “Ninguém mais quer saber de nós”

há 6 meses
Os músicos contaram ao Jornal de Angola que as coisas começaram de mal a pior a partir de 2014, após o lançamento do quarto e último disco “Kudiva”, fundamentado que o sucesso e a fama do conjunto não foi proporcional aos valores monetários, porque as produtoras não honraram com os compromissos, não lhes davam valores completos.