Promotor revela que os artistas é que pedem para “piratear” suas obras

Fotografia: João Victor

Para que suas músicas cheguem a zonas suburbanas, muitos artistas angolanos têm de recorrer a serviços de duplicidade, vulgo pirataria. Nesses serviços, o músico paga entre 200 mil a 1 milhão de Kwanzas para a promoção de 4 faixas, durante 45 dias.

Apesar de constituir crime, segundo a lei 15/14, de 31 de Julho, sobre a protecção de direitos de autor e conexos, bem como outras legislações complementares sobre a protecção da propriedade intelectual, Gutinho, que trabalha na área há 21 anos, insiste em dizer que não é, justificando que são os próprios músicos e produtoras que procuram pelos seus trabalhos.

Com medo de perder a credibilidade dos fãs, artistas e produtoras que recorrem aos serviços de Gutinho preferem não ser identificados. Entretanto, facto é que, para que a música atinja públicos de zonas menos desenvolvidas no país depende do processo de “pirataria”, tipificado como crime de contrafacção.

A Carga manteve uma conversa reveladora com Gutinho para saber mais sobre como funciona o processo de “pirataria” de obras musicais.

Promotor revela que os artistas é que pedem para “piratear” suas obras

Há quanto tempo vem a promover músicas no mercado informal?
Na verdade, já há 21 anos, desde 1999 até hoje a fazer promoção. Profissionalmente desde 2006. Já promovi, todo o músico da nossa praça. Todo o músico da nossa praça já passou nas minhas mãos.

O que envolve este tipo de divulgação?
O processo de divulgação passa por  via CD, Internet e pendrive. Tudo quanto é  dispositivo de música.

E como funciona?
O artista contacta-nos, dou o preço, ele faz a transferência e depois executo o trabalho.

Quanto custa uma promoção?
Depende. A promoção que envolve pendrives é mais cara. A mais barata é a do CD. Os preços variam, começando dos 200 mil Kwanzas para cima.

Imagine que apareça um artista com 4 músicas, quanto cobraria?
Estamos a falar de uma EP. Se for Kuduro fica em 200 mil Kwanzas para uma promoção de 45 dias. Se for um outro estilo, podíamos puxar para 500 a 700, a 1 milhão de Kwanzas. Depende da projecção e do tempo de promoção. Também temos pacotes de três meses, seis meses.

Quantos discos consegue reproduzir por dia?
Não digo dia, mas semanalmente uns dois mil CDs saem. Antes saía mais, mas actualmente apenas consigo dois mil CDs por semana.

Como é feita a distribuição?
Os rapazes o fazem. E não só cá, os CDs vão a outras províncias, porque as províncias consomem  mais CDs do que nós. Luanda como está mais evoluída, a maior parte dos CDs vão para outras províncias.

Em que províncias possui distribuidores?
Todas da parte sul, aí conseguimos chegar mais rápido. Mas tem distribuidores em todas as províncias, se não houvesse, o música não batia lá. Temos muitos parceiros, vinte ou 40. Cada província temos dois a três.

Artistas de que estilos é que mais procuram pelos seus serviços?
Já promovi todo o artista da nossa praça. Todo o artista da nossa praça já passou pelas minhas mãos. Respondendo, agora é relativo. Outrora os artistas que têm mais nome não ficavam atrás. O nosso mercado é muito extenso, se o artista optar só para cima, aqui em baixo não tem nada. A promoção de CDs e pendrives atinge até o cidadão da última carteira. A promoção dentro dos guetos. Qualquer pessoa ouve a música. Nem todo o mundo tem acesso à internet, por isso é que nós estamos ali.

Quantos músicos já solicitaram pelo seu trabalho?
Todos os artistas, todas as produtoras. Nós promovemos artistas de todos os estilos de música. A princípio quem mais nos procuravam eram os kuduristas, mas agora todos os estilos. Entretanto, hoje por hoje, artistas do o Ghetto Zouk, Afro, Naija, Afropop são os que mais nos procuram.

Este tipo de negócio constitui crime de contrafacção e viola a lei dos direitos do autor e conexos. Está ciente disso?
Não é um crime. O chamado “pirataria” é duplicar uma obra não autorizada. O que eu faço tem a autorização do cantor. É o próprio cantor que pede a partir do seu disco original. O disco não é pirata. O que torna pirata é copiar sem a devida autorização. Porque se fossem piratas os CDs que veem nas ruas com os miúdos não podiam passar pelas alfândegas. Não há nenhum artista em Angola que não recorre ao serviço de duplicidade, que vocês imprensa chamam de pirataria. Não existe. Todo o artista angolano recorre ao processo de duplicidade para promover sua obra. Todo.

O negócio é rentável?
É. Quando já se atinge um nome grande, é rentável. Com 21 anos de carreira, as pessoas dão mais credibilidade naquilo que faço. Sou o líder do grupo PMC- Promotores musicais consagrados.

Durante esses 21 anos, que experiências viveu e gostaria de partilhar connosco?
Muita coisa, desde a banalização do nosso serviço. Outrora, fugir da polícia económica. Mas todo o artista em Angola sabe deste processo de promoção. Não há artista que nunca passou por esse processo de duplicação da sua música. Não há.

Quais são seus maiores desafios?
Continuar a fazer o mesmo processo, mas evoluindo. Atingir outras metas.

as cargas mais recentes

Chakuisa, um filho da Huíla com versatilidade para conquistar Angola

há 11 meses
Começou no Hip Hop/ Rap e tem dois trabalhos no mercado, incluindo participações de peso, só que desta vez, reestruturou sua carreira e anuncia “O Filho da Mapunda”, um Ep rico sonoridades e com uma variedade de línguas, que homenageia o bairro onde nasceu, na Huíla.

Irmãos Mussungo apresentam conceito ‘Mussungology Tour the World”

há 8 meses
A Fundação Arte e Cultura, focada na promoção da cultura nacional, pelo incentivo a educação para as artes, e a promoção dos artistas Angolanos, vai apresentar no próximo dia 08 de Outubro, das 18h às 22h30, em parceria com Befo Music, o conceito ‘Mussungology Tour the World’, um casamento que une a inauguração da exposição individual “Lisbon in my mind” de Adão Mussungo na Galeria Tamar Golan e o Concerto Musical “Befology 77” do músico PJ Mussungo, no auditório Wyza Anfiteatro, na Fundação Arte e Cultura, Ilha de Luanda, junto à Escola 1205, paragem da Casa Lisboa.

Helga Fêty acusa produtor Yuri Sousa de apropriar-se da sua obra `Casei com a família´

há 1 ano
Aconselhada a seguir os tramites legais, de acordo com o que é previsto pela lei dos Direitos de Autores e Conexos e, sendo membro da Sadia desde 2007, a artista está disposta a dar voz e rosto a todos “injustiçados” que passam pelo mesmo e não sabem onde recorrer.

Thó Simões marca presença na abertura do festival `Latitudes´

há 2 anos
A abertura do festival expõe relações globais desiguais e aprimora os traços coloniais que ainda moldam o nosso presente. Ao mesmo tempo, abre espaços para reflexão e acção e gera ressonâncias nos outros itens do programa.

Fundação Arte e Cultura apresenta antologia poética “Geração Poema”

há 1 ano
A Fundação Arte e Cultura vai apresentar na próxima quarta-feira, dia 16 de Dezembro, pelas 16horas no Wyza Anfiteatro, na Ilha de Luanda, junto à Escola 1205, uma Antologia Poética “Geração Poema”, resultado dos 3 anos de contacto com os poetas da nova e antiga geração, no âmbito do projecto Noites de Poesia.

Slash Stana cria plataforma de debates sobre temas pertinentes no Rap Game

há 2 anos
Denominada “Meus Niggas”, surge no intuito de suprir a lacuna que existe no meio “hipopeano”, no que toca a debates. Ao lado de figuras com legitimidade, Stanna traz ao de cima problemáticas que afectam muitos rappers.

Bonga: “Sinto-me um kota realizado”

há 2 anos
O dia 28 de Junho de 2020 será lembrado como um dos dias mais importante da cultura nacional, tudo por causa de Bonga, Paulo Flores e Yuri da Cunha. A Carga traz as reacções do espectáculo.

Lançada plataforma de streaming tChill para monetizar todo o tipo de conteúdo audiovisual do país

há 12 meses
A plataforma de streaming pretende dinamizar o mercado cinematográfico do país e monetizar conteúdos audiovisuais como sitcoms, reality-shows, talk-shows, showcases de música, stand up comedy e spoken word.

Roberto Carlos adia o habitual espectáculo em alto-mar para o próximo ano

há 1 ano
O tradicional cruzeiro do músico brasileiro “Projecto Emoções Praia do Forte (BA) ” foi adiado devido o Covid-19. Este é o segundo cruzeiro do cantor adiado este ano.

Wake Me When I’m Free: Projecto expositivo explora o legado de Tupac Shakur

há 6 meses
A Shakur Estate, entidade detentora do direito de comercialização da obra intelectual do Tupac Shakur, anunciou a estreia mundial do projecto `Tupac Shakur. Wake Me When I’m Free´, uma experiência de museu totalmente envolvente e instigante que explora a vida e o legado do aclamado artista e activista.

FLASHBACK – Hip Hop VS House Music

há 2 anos

Tunjila Twajokota: “Ninguém mais quer saber de nós”

há 2 anos
Os músicos contaram ao Jornal de Angola que as coisas começaram de mal a pior a partir de 2014, após o lançamento do quarto e último disco “Kudiva”, fundamentado que o sucesso e a fama do conjunto não foi proporcional aos valores monetários, porque as produtoras não honraram com os compromissos, não lhes davam valores completos.

Força Suprema sobre o público: “Os fãs cresceram, mas o amor continua lá”

há 7 meses
Terminada a visita a Luanda, onde cumpriram uma agenda de vários espectáculos, o grupo está de regresso a Portugal, mas promete retornar à capital angolana ainda este ano. Como não podia deixar de ser, antes de deixarem Luanda, NGA, Prodígio, Don G e Monsta visitaram, ontem, a redacção da Carga.

Vênias aos Filipes

há 2 anos
Dupla foi homenageada no Show do Mês, duas noites de evento que ficarão nos anais da música angolana.

Anselmo Ralph cancela venda pública e opta pelo digital

há 2 anos
Dia 20, a partir das 17 horas, os fãs poderão adquirir de forma segura o novo CD, no formato digital, e desfrutar do sétimo trabalho discográfico do autor de Cupido.

Fernanda René e Mateus Esteita entre as 100 personalidades afro-descendentes mais influentes do mundo em 2021

há 7 meses
A ambientalista Fernanda René e o escritor e engenheiro Mateus Esteita foram reconhecidos pela MIPAD da ONU, pelos seus contributos em prol do meio ambiente, figurando, desta forma, entre as 100 pessoas de ascendência africana mais influentes do mundo este ano.