Rappers admitem que desunião provocou a morte artística e física de muitos niggas

O país conta desde sábado com a Associação dos Hiphoppers de Angola, uma instituição de cariz social que passará a ajudar artistas em questões de doença, crise financeira, além de prestar apoio e assistência jurídica. Liderada por Dom Samu, a associação tem como membros MCK, Kid MC, Kool Klever e Drunk Master.

Com maiores produções até finais de 2010, apesar de ser o estilo que congrega maior popularidade, o Hip Hop em Angola, em particular o Rap, é também o género menos consensual entre os praticantes, que muitas vezes preferem alimentar o ego a unir-se para a mesma causa, por isso, rappers, b-boys, graphite writers e amantes da cultura criaram a instituição, para acautelar a situação.

Entretanto, os artistas sublinham que, a alegada falta de união, não justifica as constantes queixas sobre a pouca qualidade observada hoje na Nova Escola, porque, considera Dom Samu, a nova geração até pode inovar, mas não lhe falta referência para que se desviem da essência do hip hop.

Rappers admitem que desunião provocou a morte artística e física de muitos niggas

Que estória está por detrás da criação desta associação?

 A história por trás da criação da associação foi uma história trágica, que foi a morte do rapper pioneiro Ngadiama Wakambosonhi. Durante os últimos meses de vida, debateu-se com muitas doenças e sem apoio da família tivemos que nos juntar( nós hiphoppers) para ajudar o brother, conduzimos uma campanha de donativos encabeçada pelo MCK, Rap arte vida, Manhãs de Rap, Wakanda e por mim, que combinou na recolha de valores que serviu para internar o mano numa unidade hospitalar pública, onde ficou internado por uma semana, mas que infelizmente veio a falecer. Daí decidimos que não podemos perder outros manos então decidimos criar a associação.

Até mais ou menos 2012, observou-se um período de renascimento do hip hop angolano, depois da sua primeira manifestação no princípio dos anos 90. Podemos olhar para esta organização como o movimento que reoxigenará o hip hop nacional?

A década de 90 foi a génese do movimento, foi o começo dessa longa estrada, 2000 foi a peneira, pois foi nessa fase onde muitos abandonaram o movimento e uns poucos se manteram e, claro, novos rostos surgiram. A década de 2010 foi de facto uma década de renascimento da busca dos objetivos que estavam meio perdidos no meio da fama e manstream que muitos manos atingiram. Foi nessa década que surge a Universidade Hip Hop Angola , que tem ajudado muito na questão pedagógica e na informação das pessoas ligadas à cultura.

Gostaria de clarificar a sua resposta?

A associação vem tapar uma lacuna que existe desde o princípio, que é a unidade de todos os elementos em prol da mesma causa; esquecer os egos (os disse que disse) e ajudar-nos mutuamente quando for preciso, dar voz aos oprimidos, ser um escudo ( por isso a nossa marca é um escudo africano com duas lanças) que protege todos que buscarem o apoio da associação defendendo os mesmos com unhas e dentes.

Penso assim porque vi a morte artística e física de muitos niggaz por conta da nossa desunião.

Quando olha para tudo o que já viu e viveu no hip hop nacional, que quadro pinta hoje?

Vivemos um dos melhores períodos da cultura, pois temos todos os 10 elementos a funcionar, temos de tudo um pouco desde o conhecimento de rua, b- boys, mc, dj, médicos, grafiteiros, moda, empreendedorismo e outros. Antes tínhamos muitos rappers e djs e produtores e mais nada. Hoje ganharmos concurso internacionais de break dance, temos frescos de grafite na serra da Leba que são os maiores do mundo, temos muitos meninas a fazer Rap, temos muitos programas de hip-hop, perdemos este ou aquele para outros estilos e vida profissional mais isso faz parte da evolução e crescimento.

O que terá orginado esta mudança?

Idade, responsabilidades, moda e fama fizeram com que muitos abandonassem a cultura. Uns de forma absoluta, outros vão dando seu apoio como podem. Entretanto, temos muitos novos actores na cena! Hoje, temos o Beiral Squad, que é a união dos pioneiros e Old School do movimento e esse Beiral vem tapar a lacuna que existia no quesito passagem de testemunho. Hoje a nova vaga não pode dizer que não tem mais velho onde buscar experiência, pois estamos todos localizados no nosso Beiral virtual.

Contudo, há que convir que, nos últimos anos, houve algum desenvolvimento no Rap, o que não se pode dizer do grafite e o breaking.

Redondamente enganado. Houve muito mais evolução no break dance e grafite que no Rap como tal. Hoje, o Rap que se ouve nos media está muito descaracterizado por causa das várias misturas a que é submetido, eu até gosto de algumas, mas não podemos perder a essência. Podemos e devemos inovar, mas deve ter uma classe conservadora que guarda  a essência do real hip hop.

Será este o papel da Associação dos Hiphoppers de Angola?

O papel da associação é de apoio aos seus associados, então quem se associar a nós poderá contar sempre com o nosso apoio.

Qual será a periodicidade do evento e que outros destaques gostaria de frisar?

Este primeiro evento é uma forma de apresentação da associação. A periodicidade vai depender da necessidade, pois estes eventos servirão como forma de angariar apoios para a associação. Faremos outros eventos em outros locais, desde shows, vendas de livros, roupa, peças de arte etc. Todo mundo poderá expor os seus produtos nos nossos eventos desde que a associação ganhe com isso claro. A inscrição na associação é  de 5 mil Kwanzas e a quota mensal é 2 mil Kwanzas. Quando terminarmos o processo de legalização, que se encontra na fase final, os membros terão cartão de identificação.

as cargas mais recentes

Já são conhecidos os artistas Seleccionados para a Residência Artística LUUANDA

há 5 meses
Num total de 27 candidaturas recebidas, foram selecionados seis artistas, que vão participar da 2ª Edição da Residência Artística LUUANDA. A exemplo da edição de estreia, LUUANDA acontece em Outubro, com a duração de três semanas e que vem desafiar os “eleitos”, a trabalharem sob o tema `Fronteiras Perdidas´, de José Eduardo Agualusa.

Morreu Jack Sherman, antigo guitarrista dos Red Hot Chili Peppers

há 1 ano
Sem divulgar a causa da morte do artista aos 64 anos, a notícia foi avançada na página oficial do grupo no Twitter.

Kobe Bryant, Tim Duncan e Kevin Garnett na lista do “Hall da Fama” da NBA de 2020

há 2 anos

Maior distribuidora online de música independente decide apostar em África

há 11 meses

Beckett: John David Washington protagoniza novo thriller de suspense da Netflix

há 5 meses
O thriller de acção conta a história de um turista americano que é forçado a caminhar de um deserto rural até a embaixada dos Estados Unidos, em Atenas, depois de um incidente o tornar alvo vulnerável.

Nova Energia distingue “Doutores” da música

há 1 ano
Os músicos Joãozinho Morgado (Percussão), Boto Trindade (Guitarra) e Teddy Nsingui (Guitarra) foram homenageados sábado, no encerramento da sétima temporada do Show do Mês.

Roley anuncia novo álbum com participações de Masta, Eric Rodrigues entre outros

há 9 meses
Esta não é a primeira vez que o rapper moçambicano traz vozes angolanas nos seu projectos, já no álbum de estreia “Roley”, contou com Rui Orlando e Young Double, e no ano passado, lançou “Pensamentos” e teve participação de Paulelson.

Pedro Hossi seleccionado para o projecto “Passaporte”

há 1 ano
Com objectivo de promover os homens do cinema em Portugal, a Academia Portuguesa de Cinema realiza o programa “Passaporte”, que contará com a participação do actor angolano Pedro Hossi.

Diff volta a badalar o Rap Game com “Génio”

há 1 ano
Diff regressou no passado dia 16 de Agosto com o EP “Deixo Cair”, dez anos depois de se ausentar do Rap Game. Ontem, colocou mais uma faixa musical no mercado.

Kiki Versace: “A minha carreira está em ascensão”

há 2 anos
Kiki Versace introduziu no cenário musical o Kubanger, um estilo que resulta da combinação entre o Kuduro e o Trap Banger. Hoje a vertente é bastante cultivada. O kudurista veio à Revista Carga para apresentar o seu álbum de estreia e aproveitou para esclarecer dúvidas à volta da do tipo de Kuduro que inventou há 12 anos.

Dr. Dre diz que redes sociais destroem a mística da música e dos artistas

há 2 anos
Dre foi mais longe ao afirmar que, se estivesse no início de carreira, talvez odiasse as redes sociais, por elas destruírem a mística, que é a principal característica da música. “É prazeroso esperar o que está por vir”, disse.

AMA – Categoria de melhor Semba gera descontentamento

há 1 ano
Foi divulgada a lista dos concorrentes no Angola Music Award (2020). Nas várias categorias, a de melhor Semba está a receber críticas por parte dos agentes musicais, com destaque para uma voz autorizada neste género, como é o caso de Marito Furtado.

Daniel Salomão apresenta ‘Labirintos Amorosos’

há 1 ano
O romance que marca a estreia do autor, será vendido e autografado amanhã, Sexta-feira, as 15h30 na União dos Escritores Angolanos.

Kanye West responde: “Se não puder me candidatar em 2020, será em 2024”

há 2 anos
Em entrevista à revista Forbes, publicada hoje, o rapper diz que já não apoia Trump e criticou o Partido Democrata, revelando que o desejo de concorrer à presidência nasceu em 2015, por inspiração ao “Michael Jackson” e assinala que, se Donald Trump já não fosse o candidato do Partido Republicano, concorreria como republicano.

Zap transmite mega espectáculo solidário

há 2 anos
Este sábado, 25 de Abril, a Zap vai levar todas as emoções do mega espectáculo solidário, que moveu o mundo inteiro e arrecadou cerca de 128 milhões de dólares para ajudar a OMS a combater o Covid-19.

Estreia do novo filme de Hochi Fu volta a ser adiada

há 1 ano
O filme 2 Mundos do empresário e realizador Hochi Fu, aguardado com bastante expectativa amanhã nos cinemas, foi novamente adiado para data a anunciar.